História We Both Know - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Ámbar Benson, Luna Valente, Matteo, Simón
Tags Âmbar, Simbar, Simon, Sou Luna, Soy Luna
Visualizações 169
Palavras 16.385
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Volteiii, não me matem sei que mais uma vez demorei demais pra postar mas é que toda vez que terminava de escrever o capítulo e começava a ler ele nunca ficava do meu agrado e eu procuro sempre dá meu melhor pra vocês por isso peço aqui perdão pela demora.

Capítulo 44 - Assuntos pendentes


Fanfic / Fanfiction We Both Know - Capítulo 44 - Assuntos pendentes

♫Cada amanecer que pienso en ti entra la duda de saber si piensas en mí por la tarde, si te veo partir pienso y no me animo, no soy tu destino♫- cantava Simón aproveitando o único momento de paz no dia para tentar terminar de escrever sua nova canção que já trabalhava a meses.

-O que está fazendo aqui?- perguntou Matteo se aproximando de Simón após o roller ficar praticamente vazio.

-Juliana deixou eu ficar mais um pouco pra tentar...- dizia Simón quando foi interrompido por Matteo.

-Eu não estou me referindo a isso.- respondeu Matteo com cara de poucos amigos- Eu estou te perguntando porque voltaram, o que exatamente esperam encontrar aqui? Achei que já tinham percebido que aqui não é mais lugar pra vocês.

10 horas atrás

-Nina quer parar quieta, eu tô começando a ficar zonzo- reclamou Ramiro

-Deixa ela Ramiro, ela vai finalmente encontrar o namorado depois de meses sem se ver- disse Jim defendendo a amiga

-Um ano, depois de um ano sem se ver- corrigiu Nina inquieta

-Que horas ele disse que chegaria?- perguntou Jim

-Ao meio dia, eu falei com a Maxi e com a Ámbar e eles vão me encontrar depois da aula na praça pra gente ir junto ao aeroporto- contou Nina

-Então é hoje que o Gastón descobre que foi trocado?- brincou Ramiro recebendo um chute de Nina- Ei cuidado com esse tesouro, o 3 ano depende de mim pra ganhar o jogo de sexta e eu não to falando nenhuma mentira, você e o Maxi vivem agora pra cima e pra baixo juntos e isso é porque quando se conheceram não suportavam ver a cara um do outro.

-É impressão minha ou você tá com ciúmes Ramiro?- brincou Jim

-Só acho que vocês tem que dar mais atenção para os velhos amigos, esse sim são os verdadeiros- aconselhou Ramiro disfarçando o ciúmes

-Não tem absolutamente nada a ver, você e a Jim também se aproximaram bastante depois que o Nico e a Yam foram embora e nem por isso eu saio por aí insinuando que vocês são um casal e… o que foi?- perguntou Nina confusa ao ver Ramiro se levantando

-Nada só me deu sede, posso ir ou você vai continuar me dando lição de moral?- perguntou Ramiro grosso antes de sair pela porta da sala

-O que deu nele?- perguntou Nina voltando sua atenção para Jim

-Nina eu já te expliquei que ele tá tentando esquecer a Yam e você falar sobre ela a cada 10 minutos não ajuda muito- explicou Jim

-Desculpa Jim, é quando eu desato a falar você sabe que não consigo mais parar- disse Nina se defendendo

-É, às vezes a velha Nina faz falta- disse Jim rindo

-Eu já disse que não tem essa história de velha ou nova Nina, só há uma Nina e ponto, a única diferença é que essa é uma versão mais sociável da garota de 1 ano atrás.- explicou Nina- Agora voltando ao assunto Yam, você já contou a ele que ela tá voltando? Eu entendo que ele queira esquecer ela mas não vai dar pra ele ficar fugindo dela o tempo todo, ela também é nossa amiga e querendo ou não os dois vão acabar se cruzando.

-Eu sei Nina, eu sei, digamos que eu só to esperando o momento certo e com essa coisa dos ensaios pra competição também não ajudam, a gente quase não tem mais tempo sozinhos, é da escola pro trabalho e do trabalho para os ensaios e ai quando eu vejo o dia já tem acabado.

-Você quer que eu vá com você mais tarde falar com ele?- perguntou Nina já sabendo a resposta

-Sim, muito obrigada Nininha- disse Jim pulando nos braços de Nina e a abraçando.

-Posso saber a razão dessa felicidade toda?- perguntou Ramiro voltando a sala.

-Nada é só que eu tenho os melhores amigos do mundo- disse Jim abraçando Ramiro e Nina.

-O que deu nela?- perguntou Ramiro confuso.

-E desde de quando a Jim precisa de um motivo pra ser Jim?- brincou Nina.

-O que vocês... ?- dizia Ramiro sendo interrompido pelo sinal anunciando o final do intervalo- Salvas pelo gongo- disse Ramiro voltando pro seu lugar

-Você não imagina como- sussurrou Jim aliviada para Nina

Flashback

-Ám eu o encontrei- avisou Gastón ao avistar Simón no meio do aeroporto- Sim, perto da cafeteria, vem logo.- respondeu Gastón encerrando a chamada e colocando seu capuz e o óculos escuro para logo se aproximar de Simón.

-Tudo bem Santi eu já entendi, volto daqui a três dias não precisa se preocupar... tá, até segunda.- disse Simón desligando o telefone e se preparando para voltar a procurar Ámbar quando teve a impressão de ouvir alguém chamar.

-Shiii- ouviu novamente alguém o chamar notando um cara estranho se aproximando dele.- Simón...- sussurrou o cara de capuz.

-Desculpa, eu te conheço?- perguntou Simón confuso parando em frente ao estranho.

-Haa não tá me conhecendo, não é?- perguntou o cara se gabando- E a Ámbar ainda insistiu que o meu plano não daria certo.

-Pera aí? Ámbar? Como você conhece minha namorada?- perguntou Simón sendo imediatamente calado pelo outro cara que tampava a boca do mexicano com sua mão.

-Quieto, quieto.- pediu ainda com a mão sobre a boca de Simón- Como te ocorre dizer pra um desconhecido que ela é sua namorada? Por acaso nunca assistiu 007, Missão Impossível ou pelo menos Pequenos Espinhões? Nunca entregue o jogo, entendeu “Rei da friendzone” ? Nunca, nem mesmo quando mafiosos te sequestraram e te torturarem para que diga a verdade.

-Rei da friend o quê?- perguntou Simón antes de cruzar seu olhar com Ámbar que se aproximava dele correndo.

-Amor- disse a loira pulando nos braços do namorado e sendo recebida com um grande abraço por parte de Simón acompanhado de um longo beijo.

-Eu também sentir sua falta- confessou Simón ainda com Ámbar em seus braços.

-Garanhão do Blake avisa para o Rei da frienezone e pra Elsa que esse não é exatamente o lugar mais adequado pra vocês matarem a saudade um do outro, repito esse não é o lugar adequado, câmbio e desligo.- disse Gastón se colocando a frente do casal e olhando desesperado pra todos os lados em busca de algum fotógrafo.

-“Garanhão do Blake”, “Elsa”, será que alguém pode me explicar o que foi que eu perdi?- pediu Simón colocando Ámbar no chão e encarando Ámbar e Gastón.

-São codinomes, nuca ouviu falar?- perguntou Gastón olhando Simón com desprezo- adiciona filmes de espionagem a lista do que você precisa dá a ele de aniversário além do seu corpinho aí- brincou Gastón voltando sua atenção para Ámbar que se encontrava totalmente corada pelo comentário incomodo do amigo.

-A minha pergunta ainda tá valendo. O que eu perdi?- perguntou Simón confuso.

-Eu contei a ele que você vinha me visitar mas que não podíamos ser vistos em lugares com muito movimento por causa do seu namoro falso aí uma hora depois ele apareceu com esse disfarce e insistiu para que eu colocasse uma peruca ruiva para que ninguém nos reconhecessem.- explicou Ámbar revirando os olhos.

-E o plano teria dado certo se você tivesse feito o que eu te pedi mas não você jogou a peruca no lixo alegando que ela não combinava com nada- disse Gastón cruzando os braços claramente irritado.

-Desculpa, e quem disse que em algum momento nós precisamos do seu brilhante plano? Até agora eu não vi nenhum paparazzi surgir do teto em busca de uma foto- zombou Ámbar dando a língua para Gastón.

-Desculpa, será que...- dizia uma moça se aproximando dos três com um celular na mão.

-Não, nada de fotos- disse Gastón praticamente arrancando o celular das mãos da garota.

-Desculpem eu só queria que vocês tirassem uma foto minha e da minha irmã mais nova que venho me visitar pra gente enviar para nossa mãe, não queria incomodar- disse a garota visivelmente assustada.

-Uma foto sua e da sua irmã? Só de vocês duas?- perguntou Gastón a garota que apenas assentiu em resposta.- Desculpem eu achei... desculpem eu não sabia...

-Tudo bem, eu acho que posso pedir pra outra pessoa tirar a nossa foto- disse a garota pegando seu celular e se afastando assustada.

-Qual é Gastón? Eu que viro famoso e você que fica paranoico- disse Simón tirando uma com a cara do velho amigo.

-É que eu achei que ela...

-Tudo bem, nós entendemos que você teve a melhor das intenções amigo mas vamos fazer o seguinte deixa que eu e o Simón tomamos as devidas precauções, assim você só entra em ação quando for realmente necessário, ok?- pediu Ámbar abraçando Gastón para que ele não se sentisse ofendido.

-Tá, acho que essa coisa de “namoro secreto” subiu um pouco a minha cabeça. Prometo que vou tentar manerar nessas minhas viagens.- disse Gastón beijando o topo da cabeça de Ámbar ainda um pouco envergonhado pela situação.

-Ei eu queria lembrar que ainda tô aqui, só no caso de os pombinhos não terem notado- avisou Simón encarando os dois com os braços cruzados.

-Calma mexicano, não precisa ficar com ciúmes de mim- disse Gastón soltando Ámbar e colocando as duas mãos pra cima indicando que não estava fazendo nada demais- Meu lance com ela é só quando você não tá presente, entende? É que apesar de me considerar uma pessoa bastante moderna, não gosto desse lance de menage ou suruba como vocês preferirem chamar.- provocou Gastón.

-Olha acho que você tá querendo ganhar um belo hematoma no olho para combinar com essa sua roupa- ameaçou Simón brincando.

-Ámbar- chamou Gastón se escondendo atrás da amiga.

-Certo, guardem esse tanto de testosterona pra mais tarde porque agora eu quero aproveitar esse dia com os dois homens que mais amo na vida, além do meu avô é claro- avisou Ámbar entrelaçando seu braço com o dos dois ficando no meio deles.

-Então quer dizer que você só tá morando com ele a um mês e já ama ele- observou Simón um tanto afetado.

-O que eu posso fazer se eu sou uma pessoa tão encantadora mexicano?- perguntou Gastón provocando.

-Ai como vocês dois são insuportáveis, já entendi porque a Nina despachou vocês pra cá assim tão facilmente- brincou a loira revirando os olhos.

-Quem namora a Nina é ele sendo assim quem foi despachado aqui foi ele, o que é totalmente compreensivo parando para analisar ele- revidou Simón.

-Simón...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

-Simón

-O que foi eu falei alguma mentira?- perguntou Simón rindo.

-Simón eu tô falando com você- chamou Luna conseguindo por fim a atenção de Simón que parecia distante.

-O qué? Desculpa eu estava distraído- disse Simón se ajeitando na cadeira.

-Eu sei, eu percebi.- disse Luna como se aquilo fosse óbvio- Eu estava dizendo para os meninos que o Santi está falando com o Benicio e pelo andar da carruagem eu acho que ele vai demorar pra chegar então estava indo na cafeteria comprar alguma coisa pra beliscar, quer algo?

-Hãm... não mas eu vou com você pra te ajudar a trazer as coisas- se voluntariou Simón tentando ocupar sua mente com algo.

-Certo, obrigado.- disse Luna caminhando com Simón até a cafeteria do aeroporto.

-Vem cá você acha que eu ligo ou não pra Jim para avisar que a gente tá voltando? Porque sei lá faz um tempo que eu não falo com ela então acho melhor fazer uma surpresa pra ela, se bem que como eu conheço a minha namorada ela deve está criando um monte de caraminholas naquela cabeça de como eu devo ter esquecido ela- perguntou Nico pedindo ajuda para Pedro que estava concentrado falando com alguma garota do celular, o que não passou despercebido por Nico.

-Não sei, não é você que é o “expert” em relações a distância?- perguntou Pedro de mau humor.

-Meu deus, como vocês três estão chatos esses últimos dias isso que dá deixar coisas maus resolvidas na Argentina- disse Nico sem pensar.

-Haa até porque sua relação com a Jim é super bem resolvida, né? Pra quem você tá querendo vender essa imagem de namorado perfeito Navarro? Até onde eu sei nessa turnê toda, de praticamente um ano, eu vi você ligando pra saber como a Jim estava umas 4 vezes no máximo então abaixa a bola que você não tá numa situação tão diferente da minha e da do Simón- disse Pedro sem paciência.

-Bom pelo menos eu e Jim temos nossos sentimentos um pelo outro bem claros- sussurrou Nico vendo Luna e Simón se aproximando deles enquanto conversavam alegremente.

-Como você pode ter tanta certeza disso se vocês dois nem ao menos conversam?- perguntou Pedro em tom de deboche deixando essa pergunta ecoando na cabeça de Nico.

-Benicio onde você se meteu, nós já estamos no aeroporto te esperando a mais de meia hora, os meninos não podem ser reconhecidos lembra? É pra essa viagem ser secreta não só por causa do novo clip mas também porque é pra ser uma semana de descanso para os eles- lembrou Santi falando no telefone com seu outro agenciado.

-Desculpa é que eu ainda não conheço muito a Argentina então meio que me perdi- disse Benicio se desculpando- Eu sei que deveria estar no aeroporto para receber os meninos, eu sei… peça desculpa a eles por mim e diga a eles que iremos almoçar junto. Como? Espera… senhora será que a senhora pode colocar na MTV?- pediu Benicio entrando em uma lanchonete

-Claro- respondeu uma mulher loira um pouco mais velha que ele.

♫No quiero atajos, quiero futuro busco el camino hasta mi ser en cada paso, en cada sueño en mis ganas de vencer

Se que la suerte a veces toca solo el esfuerzo me hará triunfar sigo intentando busco imposibles a veces perder es ganar♫

-Eu sei eu tô vendo, eu não te disse que esses garotos se tornariam a nova febre do momento, dito e feito- disse Benicio comemorando- Eu sei mas olha não é que a ideia para o vídeo seja ruim é só que eles já fizeram isso em 3 vídeos seguidos, não acha que já estar na hora de mudar um pouco as coisas?... Pode deixar que quando eu achar o que está faltando nesse vídeo eu mesmo falo com eles quatro… ok, estarei aí a uma hora ou pelo menos vou tentar, qual é o nome do bar mesmo?... Haa sim, claro Jam & Roller, obrigado.- disse Benicio encerrando a chamada.

-Novo na cidade?- perguntou a mulher que a alguns minutos tinha falado com ele.

-Pode se dizer que sim, na verdade sou da Itália, estou aqui a trabalho. Meu nome é Benicio- disse estendendo a mão em forma de cumprimento

-Benicio… Porque tenho a impressão se já ter ouvido esse nome em algum lugar? Bom, meu nome é Silvanna, dona da lanchonete- disse se apresentando.

-Prazer em te conhecer Silvanna- disse Benicio beijando a mão da mulher.

-Temos um galanteador aqui ou é impressão minha?- perguntou um garoto loiro se aproximando com, ao que parece, um jaleco na mão.

-Ele é apenas um cliente- disse Silvanna rindo.

-Essa música…?- pergunto Benicio confuso ao ouvir um som ecoando do andar de cima do prédio.

-É no andar de cima, lá funciona uma escolinha de dança e uma amiga nossa que está se formando em dança voltou de viagem então você já pode imaginar como as crianças estão animadas- respondeu Tacho indo para atrás do balcão

-É Ámbar pode até não achar isso mas ela leva o maior jeito com crianças, elas amam ela.- disse Silvana sorrindo ainda feliz com a volta de Ámbar- Haa esse é o meu filho Tacho, Tacho esse é o Benicio, nosso mais novo…- apresentava Silvanna quando foi interrompida por Benicio.

-E fiel cliente- completou Benicio- Então será que eu posso subir pra assistir uma aula? É que dança é uma das minhas paixões então… Vocês acham que essa Ámbar, Ámbar Smith não é? Vai se incomodar com a minha presença?- perguntou Benicio ao dois.

-Pode ir, tenho certeza que a Ámbar não vai se incomodar- respondeu Tacho sorrindo de uma forma estranha para o italiano.

-É... se não for incomodar é claro- disse Benicio um pouco assustado.

-Que isso, eu tô te falando Ámbar adora uma plateia, pode ir- disse Tacho sinalando com a mão a escada por onde Benicio devia seguir.

-Certo, eu já volto- disse o italiano subindo.

-Porque você deixou ele subir? Você sabe que a Ámbar não gosta de interrupção quando ela tá dando aula- disse Silvanna em tom de reprovação.

-Ela estava dando em cima da minha mãe na minha cara, ele merece isso. Sendo assim prefiro não sujar minhas mãos, Ám vai saber colocar esse italianinho no seu devido lugar- disse Tacho rindo enquanto devorava um sanduíche.

-Eu sinceramente não sei o que vai ser de você se um dia eu chegar aqui com um namorado- disse Silvanna encarando o filho.

-Eu sumo com ele, problema resolvido, só divido minha mãe com a Ámbar e olhe lá- avisou Tacho sem notar que Silvanna mais uma vez estava distante ao falar sobre Ám.- Sabe eu ainda não tô escutando gritos, será que ele deu pra trás? Porque só isso explica eu ainda não tá escutando gritos. Pra falar a verdade tô começando a me arrepender de ter mandado ele pra lá, você reparou que ele sabia o sobrenome da Ámbar? Como ele sabia? Você falou?... Mãe- chamou Tacho balanço a sua mão em frente a cara de sua mãe para atrair sua atenção.

-O que foi? Algum problema?- perguntou Silvanna confusa ao se dá conta que o filho falava com ela.

-Não, nada só estava aqui me perguntando se... quer saber deixa pra lá não é importante. A senhora tá bem?- perguntou Tacho preocupado.

-É... Sim, só estava aqui tentando me lembrar quanto tempo o bolo tá no fogo, aliás acho melhor eu ir ver isso, já voltou- respondeu Silvanna deixando o filho sozinho.


-Certo meninos entrem, sei que devem está cansados da viagem mas sabem como é a vida de artistas, é obrigação de vocês fazer a política da boa vizinhança, se bem que estou 100% certo de que vocês vão gostar do que o Benicio tem guardado pra vocês.- disse Santi animado.

-Tudo bem mas e então conseguiu falar com ele?- perguntou Nico entrando no carro

-Sim, ele pediu desculpa disse que acabou se perdendo mas que daqui a uma hora encontra vocês no Jam & Roller- avisou Santi Owen

-Benicio se perdendo? Não me parece do feitio dele- disse Pedro rindo sem acreditar

-Tenho certeza que ele encontrou um rabo de saia quando estava vindo pro aeroporto e acabou ficando por lá mesmo- conclui Simón conhecendo muito bem o amigo

-Vocês lembraram de alugar a pista do Jam & Roller pra gente criar alguns passos para o vídeo clip?- perguntou Luna ignorando a conversa anterior, as vezes era difícil ser a única mulher dentro da banda.

-Quanto a isso, acho melhor vocês tratarem com o Benicio- sugeriu Santi tentando disfarçar o nervosismo por tocar nesse assunto.

-Tratar o quê com o Benicio, a gente já tem a ideia formada e tudo bem que o com clipe é dele mas ele nos deu carta branca- disse Luna confusa.

-Como eu disse, é melhor vocês tratarem desse assunto com ele- repetiu Santi sem querer se meter em mau lençóis com seus dois maiores agenciados.

-Ele só deve tá querendo participar da criação do clipe Luna, tenho certeza que ele não vai mexer muito com o nosso projeto- disse Simón tranquilizando a namorada que parecia um pouco inquieta desde que coloram os pés na Argentina.

-Tá, é só que eu achei estranho, é sempre a gente que cria nossos próprios clipes e como eu disse é estranho- disse Luna abrindo um meio sorriso no rosto tentando não parecer preocupada.

-Eu sei Luninha mas é que é a primeira parceria de vocês tenho certeza que irão se acostumar e farão o belo trabalho em conjunto- disse Santi tranquilizando a vocalista da Roller Band.

-Quanto a isso não tenho duvidas, Benicio já provou ser um cara legal, já conhece a gente a um tempo, acho que vamos conseguir chegar a um acordo facilmente- garantiu Simón despreocupado.


-Alice cuidado com a perna, não deixe todo o peso nela quando aterrissar não quero ninguém se machucando na minha aula.- alertou Ámbar enquanto passeava pela sala observando os menores.

♫Te quiero, te quiero ahora se que la tierra es el cielo. Te quiero, te quiero en tus brazos ya no tengo miedo♫

-Agora sim, perfeito- disse após Alice melhorar sua postura.

--Sem sombras de dúvidas, perfetto in ognj senso della parola. – disse Benicio batendo palmas freneticamente e interrompendo a aula de Ámbar que não parecia nada feliz com a interrupção.

--O que exatamente você acha que está fazendo?- pergunta Ámbar com os braços cruzados caminhando até Benicio.

-Depois de assistir essa aula o que mais eu poderia está fazendo? Estou aplaudindo essas pequenas mini estrelas- respondeu Benicio ainda sem perceber a irritação brotar no rosto de Ámbar.

-Haa certo... primeiro você não assistiu um ensaio eles estão apenas se exercitando para começar o ensaio, segundo a sala está ocupada como está vendo sendo assim eu não sei quem você é mas se não se incomoda....- dizia Ámbar quando foi interrompida por um grito de uma aluna que tinha acabado de reconhecer o canto.

-É O BENICIO- gritou uma das alunas de Ámbar correndo para abraçar o italiano.

-Benicio? Benicio Balsano?- perguntou Ámbar claramente surpresa.

-Sim- respondeu Benicio abraçando a pequena garota que estava nos seus braços enquanto Ámbar observava a cena não só surpresa como também um tanto curiosamente feliz.- Achei que não fosse me reconhecer gitana- disse Benicio ao colocar a garota que estava em seus braços no chão e direcionando seu olhar pra Ámbar.

-Como? Porque?- perguntava Ámbar confusa- Eu encontrei o Matteo ontem e ele não me falou nada sobre você está em Buenos Aires.

-Espera, a tia Ámbar conhece o Benicio?- perguntou Agus, outro aluno de Ámbar, surpreso.

-Bom você sabe que eu e meu primo/seu namoradinho nunca nós damos muito bem, pelo menos não desde daquelas férias- lembrou Benicio sorrindo para Ámbar que sabia exatamente ao que ele se referia.

-Bom mas ainda sim, você podia ter me ligado, eu poderia ter ido te buscar no aeroporto- disse Ámbar indo abraçá-lo.

-Bom pelos meus cálculos esse ano você deveria está na faculdade então eu estou tão surpresa como você de te vê aqui- disse Benicio retribuindo o abraço.- E eu também não queria te meter em problemas com o meu primo, ele nunca gostou de vê nós dois juntos.

-Eu não tô mais com o Matteo, já faz um tempo- explicou Ámbar notando Benicio tentando contrair um sorriso que se formava em seu rosto ao ouvir aquilo.

-Haa eu não sabia, é uma pena- disse Benicio de forma finginda.

-Ok tudo bem, nem mesmo você acredita no que acabou de falar- disse Ámbar rindo.

-Certo, certo talvez eu não esteja tão triste assim com essa notícia- admitiu Benicio também rindo.- Talvez eu até esteja dando pulinhos de alegria por dentro por você ter se livrado daquele mala mas não quero parecer um insensível.

-Não, como eu disse já faz um bom tempo desde que isso aconteceu- respondeu Ámbar um pouco incomoda ao notar que todos seus alunos observavam a conversa.- E quando a vocês, podem ir hoje vamos ficar apenas com os exercícios eu tenho que ir receber outro amigo que está a caminho de Buenos Aires- avisou Ámbar dispensando todos.

-Tudo bem, tia Ámbar- responderam todos aos mesmos tempo como um coro antes de saírem correndo para fora da sala.

-Que papo é esse de tia Ámbar?- perguntou Benicio curioso.

-Longa história que infelizmente agora não posso contar, essa coisa do meu amigo é verdade então...- dizia Ámbar recolhendo suas coisas.- Fica pra outro dia mas bem vindo de volta a Argentina.- disse a loira se despedindo de Benicio com um beijo na bochecha.

-Gitana espera- pediu o italiano quando ela começou a se afastar.- Você por acaso não sabe onde fica um lugar chamado Jam & Roller, sabe? É que eu tenho ou melhor eu já devia está lá para encontrar com uns amigos.

-Jam & Roller? Sim, digamos que é como minha segunda casa aqui na Argentina, se quiser posso te levar lá é no caminho de onde eu estou indo- sugeriu Ámbar sorrindo.

-Sério? Então eu aceito, aproveito a oportunidade e te apresento a eles quem sabe assim eles compreendam o motivo do meu atraso.- disse Benicio acompanhando Ámbar.

-Aposto que vão- disse Ámbar rindo sem ao menos está consciente dá incrível coincidência que o destino havia colocado ela.


-Tá agora prova esse- pediu Matteo entregando mais uma vitamina que havia preparado para Ada

-Péssimo, tem gosto de morte- disse Ada cuspindo todo o líquido

-Como você sabe o gosto da morte? Isso nem ao menos tem gosto- disse Matteo rindo

-Que seja, se a morte tivesse um sabor tenho certeza que seria esse- disse Ada pegando um bolinho do balcão para tentar tirar o gosto ruim da boca- Acho que entendi porque a Juliana quando me contratou me deu ordens restritas pra não deixar você se aproximar do balcão a não ser quando for pegar os pedidos.

-Eu não entendo, eu já assistir milhões de vídeos, li vários livros de receitas e já tive aulas com você mas não consigo aprender a fazer uma droga de uma vitamina- disse Matteo frustrado.

-Calma mauricinho, tudo no seu tempo, uma hora você vai acabar pegando jeito- disse Ada caminhando para trás do balcão para tentar ajudar Matteo a limpar a bagunça que tinha se formado não só no móvel mas também em nele, que se encontrava com a camisa e a cara suja.- Pronto acho que você tá no mínimo apresentável para atender nossos clientes.- disse Ada se afastando mas sendo impedida por Matteo

-Pera ai, acho que aqui ainda tá sujo- avisou Matteo.

-Onde?- perguntou Ada olhando Matteo de cima a baixo.

-Aqui- disse apontando para a sua boca.

-Eu não tô vendo nada sujo Matteo..- disse a garota sabendo exatamente onde o italiano queria chegar.

-É porque eu acho que você precisa olhar mais de perto- disse Matteo se aproximando de Ada pronto para beijá-la

-Atrapalho?- perguntou Juliana voltando de seu escritório.

-Não; Sim- responderam Ada e Matteo respectivamente.

-Acho melhor vocês se decidirem- sugeriu Juliana rindo, Ada e Matteo foram as primeiras pessoas junto com Ramiro que ela conheceu quando começou a trabalhar no roller, os quatros tinham desenvolvido uma bela amizade e pode se dizer que Juliana gostava do “não casal” mas casal que ela conhecia.

-Sabe o que é chefinha? Eu tava aqui MAIS UMA VEZ ajudando nossa criança a se limpar depois de outra tentativa fracassada de fazer uma vitamina.- zombou Ada se afastando de Matteo, ela necessitava daquele espaço, às vezes nem ela entendia como conseguia resistir aos encantos daquele italiano.

-Fracassou de novo? Lamento galã- disse Juliana olhando para Matteo com uma mistura de pena e diversão.

-Tudo bem, eu sou brasileiro e não desisto nunca… quer dizer eu não sou brasileiro mas vocês entenderam- garantiu Matteo

-Ok não-casal essa tarde temos convidados especiais então galã pode por favor ir pegar as frutas pra nossa garota fazer as vitaminas?- pediu Juliana a Matteo.

-Pode deixar, não sintam minha falta, já volto- avisou Matteo se afastando.

-Acho que cheguei num momento inoportuno, desculpa- disse Juliana se sentido culpada por atrapalhar o momento do casal.

-Você chegou no momento certo chefinha, sabe-se lá o que eu teria feito se você não tivesse chegado.

-Exatamente por isso eu tô te pedindo desculpa.- brincou Juliana

-E então quem são nossos convidados especiais?- perguntou Ada curiosa

-Haa eles são…

-Como isso aqui mudou- disse Nico entrando no roller acompanhado de Santi, Pedro e um pouco mais atrás Luna e Simón que andavam lado a lado de mãos dadas conversando sobre algo.

-A ROLLER BAND- gritou Ada quando viu os 4 integrantes entrarem no estabelecimento.

-Uau ao que parece já temos uma fã- disse Pedro observando Ada, que ele tinha que admitir era linda.

-A maior- garantiu Ada se aproximando do garoto.

-Missão dada é missão cumprida, só espero que não tenham sentido muito minha falta- brincou Matteo voltando com a caixa com as frutas e dando de cara com velhos conhecidos.

-Matteo- disse Luna ao notar a presença do ex, soltando imediatamente a mão de Simón, algo que não passou despercebido pelo mexicano que bufou claramente irritado com a reação da namorada.

-Vocês se conhecem?- perguntou Ada confusa olhando para Matteo e Luna.


-Ué com a pressa que você saiu da sala eu achei que já estaria bem longe daqui – disse Jim, ao lado de Ramiro, ao encontrar com Nina na saída do colégio.

-Eu também- respondeu Nina inquieta olhando de um lado para o outro a procura de alguém- Maxi, Ámbar e eu primeiro combinamos de nos encontrar no parque depois no meio da aula Maxi me mandou uma mensagem dizendo que a Ámbar se atrasou por isso era pra eu ficar esperando ele na frente do colégio que ele passaria pra me pegar primeiro mas até agora não apareceu, será que aconteceu alguma coisa com ele? Não, não, pior.... e se tiver acontecido alguma coisa com o Gastón?

-Bom é algo a se considerar, eu li em uma revista que apesar do transporte aéreo ser o tipo mais seguro de transporte em 5% dos casos pode ocorrer acidentes desastrosos sem nenhuma chance de uma pessoa sobreviver a ele- alertou Jim deixando Nina ainda mais assustada.

-Que revista? A Vogue? Porque até hoje só te vi ler esse tipo de revista- disse Ramiro com desdém.

-Ela tá certa, acho que recentemente li um artigo que falava mais ou menos isso também- concordou Nina com tom de voz visivelmente preocupado.

-Tudo bem parem, esse excesso que convivência uma com a outra não tá fazendo bem para vocês e eu não sei se tenho capacidade mental para aguentar duas histéricas no mesmo grupo- disse Ramiro tentando acabar com aquela confusão.

-Eu não sou histérica- responderam Nina e Jim ao mesmo tempo cruzando os braços e podendo comprovar com os próprios olhos que o que Ramiro falava era verdade.

-Estão vendo, eu avisei- disse Ramiro olhando para as duas com ar de superioridade.

-Morena- gritou Maxi buzinando para que Nina notasse que ele havia chegado.

-Ai finalmente, eu já estava ficando preocupada. Porque demorou tanto?- perguntou Nina caminhando até o carro e abrindo a porta do passageiro para entrar.

-Distrações ao longo do caminho- respondeu Maxi piscando pra Nina antes de colocar o óculos de show.

-Você me da asco- disse Nina olhando para o garoto com cara de nojo.- Vocês querem uma carona? Se quiserem podemos passar no Jam & Roller antes de ir para o aeroporto- disse Nina já dentro do carro para os amigos que ainda estavam parados em frente ao colégio.

-Parece uma oferta tentadora mas a mocinha aqui ainda que passar em casa antes de ir pra lá- disse Jim revirando os olhos fazendo Nina e Maxi rirem.

-Ei eu vou passar a tarde inteira trabalhando, não quero sujar meu uniforme- disse Ramiro se defendendo.

-Tá, como preferirem, eu vou indo nos vemos amanhã- disse Nina se despedindo dos amigos.

-Espera você não vai passar mais tarde no roller pra nos ver?- perguntou Jim confusa.

-Não sei, provavelmente não, depende muito de onde o Gastón vai querer ir, eu quero passar um tempo com ele mas vocês entendem? Não, entendem?- perguntou Nina a Jim e Ramiro que apenas assentiram em resposta.- Ótimo, então até amanhã.- disse Nina se despedindo ao mesmo tempo que Maxi dava partida no carro.

-O Gastón mau chegou e as coisas já mudaram- brincou Ramiro começando caminhar ao lado de Jim.

-Você acha que ela vai nos abandonar pelo Gastón?- perguntou Jim levando a brincadeira a sério.

-Quem? A Nina? Não, ela não é esse tipo de garota- garantiu Ramiro tratando de tranquilizar a amiga- Obviamente nos primeiros dias a gente vai ter que ser um pouco paciente com ela porque ela vai querer passar um tempo sozinha com o Gastón e vamos combinar que é algo completamente compreensivo mas Nina é uma garota legal e tenho certeza que não vão deixar de ser nossa amiga assim do dia para o outro só por causa de um garoto.

-É, você tá certo. Acho que... não sei só não conseguir superar o fato de boa parte do nossos amigos terem ido inclusive o Nico e a...- confessava Jim quando foi interrompida por Ramiro que parecia incomodado.

-Não importa, me escuta não importa quantas pessoas foram ou iram embora nós sempre teremos um ao outro,- garantiu Ramiro dando um beijo na cabeça de Jim em sinal de carinho- Seremos sempre nós dois, eu não vou a lugar algum, não sem você ruiva.

-Eu sei e você não sabe o quanto eu agradeço por você está aqui, por você sempre ter estado. Por isso eu acho importante te preparar, eu preciso te dizer algo Ramiro...- disse Jim tomando coragem pra falar sobre a volta da amiga para Ramiro que ainda estava muito machucado desde da partida de Yam, mesmo que insistisse em dizer o contrário, Jim sabia o que se passado com o amigo- Eu andei falando com a...

-Desculpa, é uma mensagem da Juliana- se desculpou Ramiro abrindo a mensagem- Droga, não vai dá pra passar em casa, Juliana disse que temos convidados especiais no roller e precisa da minha ajuda.

-Haa ótimo então recusamos a carona da Nina pra nada- disse Jim aparentando cansaço.

-Como você faz drama ruiva, de qualquer jeito a gente ia pegar um táxi pra chegar no roller só estamos adiantando o processo. Vamos- disse Ramiro arrastando Jim até um táxi que acabará de ficar vazio.


-Então, como vocês se conhecem?- perguntou Ada mais uma vez agora fixando seu olhar em Matteo como se estivesse esperasse uma explicação dele.

-É... ela e eu... ela... a Luna trabalhava aqui com os meninos, eles eram da época da Tamara, lembra que eu te falei da Tamara?- perguntou Matteo desconversando.

-Não brinca que a Roller Band trabalha a aqui? E eles atendiam você?- perguntou Ada sem acreditar.

-É... e eu também estudava com eles, bom... com a Luna. Não na mesma turma é claro, eu sou um ano mais velho que ela mas você entendeu- completou Matteo sem jeito.

-Haa então ela é tipo sua coleguinha de colégio?- perguntou Ada falando com Luna como se ela tivesse muito menos idade do que aparenta.

-Sou?- perguntou Luna encarando Matteo de modo desafiador ao mesmo tempo que o italiano evitada encarar a ex.

-É, tipo isso- respondeu Matteo caminhando até atrás do balcão- Pronto as frutas estão aqui, eu vou ver se não esqueci nada na despensa- avisou Matteo arranjando uma desculpa pra sair daquela situação.

-Certo, bom meninos imagino que estejam cansados da viagem então podem ir sentando que eu e a Ada iremos atender vocês- pediu Juliana direcionando a banda até uma mesa no canto do roller.

-Então seu nome e Ada?- perguntou Pedro caminhando até a mesa logo atrás da garota.

-Sim, é... eu vou para o balcão- avisou Ada um tanto incomodada.

-Porque? Achei que pudesse nos fazer companhia- sugeriu Pedro se sentando e parando para encarar a garota, Luna ao observar a cena não pode evitar de revirar os olhos, ela estava começando a se cansar dessa nova versão do Pedro mas aproveitou a distração pra sair dali.

-Pra onde você vai?- perguntou Simón ao notar Luna começando a se levantar.

-Eu vou no banheiro- sussurrou Luna para Simón que estava sentando ao seu lado.

-Certo, se precisar de alguma coisa me chama- disse o mexicano beijando a namorada de forma rápida, ainda um tanto desconfiado, antes dela se levantar da mesa.

Luna enquanto caminhava para a direção oposta ao banheiro se sentou um tanto culpada por mentir para Simón mas afastou tais sentimentos ela não iria fazer nada demais, só queria encarar Matteo mais uma vez e dizer olhando em seus olhos o quanto ele era covarde e o quanto tinha se enganado com ele. Não ia acontecer nada demais, ela não estaria sendo desleal com Simón pelo contrário estava fazendo um bem para a relação dos dois que vivia com a presença constante de dois fantasmas: Matteo e Ámbar.

-É bom saber que você ser covarde não era algo exclusivo da nossa relação- disse Luna apoiada na porta do deposito com os braços cruzados encarando Matteo que ainda não havia se virado para encarar a ex- Mas sabe isso me faz pergunta o que mais você faz igual nas suas outras “relações”. Tenho certeza que são muitas coisas, você não parece necessariamente ser uma pessoa muito original.- provocou Luna a espera alguma reação do ex-namorado.

-Foi uma surpresa para todos a volta de vocês- comentou Matteo se virando para pegar alguma coisa aleatória perto de Luna mas logo voltando ao seu lugar- Ao que devemos a honra da Roller Band no roller?

-Jura que você que vai querer manter uma conversa cordial agora como se nada tivesse acontecido?- questionou Luna se aproximando.- Você me deve uma explicação Matteo, não só pelo o que acabou de acontecer aqui mas também por tudo.

-Acho que não sou o único que deve alguma explicação aqui- disse Matteo rindo irônico.

-Você sumiu- acusou Luna elevando seu tom de voz não intencionalmente.

-E VOCÊ ME TRAIU- gritou Matteo farto daquela situação pegando Luna desprevenida.

Porque ela estava tão surpresa? Quer dizer era óbvio que Ámbar havia contado pra ele, Simón já havia alertado ela sobre isso mas ouvir isso vindo de Matteo a fez sentir ainda mais culpada. Porque ela estava se sentindo culpada? Foi ele que sumiu primeiro- pensou Luna absorvendo cada palavra dita pelo ex.

-É eu sei e nem por isso eu estou fazendo tanto drama como você então poupe seu tempo, eu já seguir minha vida e vejo que você também então sinceramente não vejo a necessidade dessa conversar- argumentou Matteo indo embora e deixando Luna sozinha no depósito.


-E quem ver assim de longe pensa que uma turnê é só maravilhas mas na verdade é algo muito cansativo principalmente nesse caso em que ela é muito longa- dizia Santi de certa forma tentando se gabar por seu trabalho a Juliana que fingia ouvir tudo atentamente enquanto se perguntava porque Matteo demorava tanto.

-E a Jim, alguém viu? Pelo pouco que me lembro a essa hora ela já devia ter saído do colégio- disse Nico impaciente.

-Falando em Jim, vocês tem uma entrevista junto com a Luna e com o Simón para aquela revista teen- sussurrou Santi para Nico o lembrando do compromisso- Eles querem saber como estão o relacionamento dos dois casais após uma longa turnê mas não se preocupem que já avisei a eles que vocês não querem que eles informem a localização da banda.

-Jim? A Jim do Ramiro?- perguntou Ada servindo as vitaminas que os garotos haviam pedido.

-Pera como assim “a Jim do Ramiro”? A Jim é minha namorada- perguntou Nico visivelmente irritado ao mesmo tempo que notava sua namorada entrar no roller abraçada a Ramiro que contava algo bastante engraçado para a ruiva que não conseguia conter a gargalhada. Simón e Pedro se entreolharam como se confirmassem que viria confusão por aí.


-Então resumindo você se formou em administração mas decidiu não seguir a carreira porque surgiu uma oportunidade na música- resumiu Ámbar enquanto caminhava ao lado a Benicio com destino a Jam & Roller.

-Exatamente, a princípio meu pai não lidou muito bem com a ideia mas você sabe ele sempre me apoiou e dessa vez não seria diferente- disse Benicio sorrindo ao lembrar de seu pai.

-É eu sei, ele sempre foi uma espécie de pai para todos nós ou não se lembra que quando a gente ia pra Itália era ele quem nós ajudava a fugir de noite para acampar no campo- lembrou Ámbar um tanto melancólica- Por outro lado o seu tio...

-É eu ouvi que as coisas entre ele e meu primo não estavam indo muito bem, agora então depois da... bom, você sabe.

-Quando o Gastón me contou o que aconteceu eu não consegui acreditar, digo eu conheci o Barto quando eu e Matteo namorávamos sei que ele não era o melhor pai do mundo mas a fazer tamanha crueldade com o próprio filho é demais pra mim, serio eu não consigo entender por mais que ele queira o bem do Matteo ele não tinha direito de fazer isso- disse Ámbar ainda perplexa com tudo que aconteceu na vida do amigo.

-Como ele tá passando por isso? Vocês já chegaram a conversa sobre isso?- perguntou Benicio encarando Ámbar que agora caminhava com a cabeça baixa.

-Não, ele não fala sobre isso... nem mesmo com o Gastón. Ele meio que se afastou de todo mundo desde daí. Eu realmente tô preocupada com ela Ben- confessou Ámbar parando um pouco para encarar o italiano.

-Ei eu conheço meu primo e posso te garantir que uma das poucas coisas que realmente admiro nele é sobre o como ele pode ser forte em situações como essas. Talvez não falar sobre isso seja a forma que ele acho para lidar com a dor.

-Ninguém consegue ficar bem guardando tanta coisa assim pra si mesmo Ben, tem certas coisas que ou você fala em voz alta ou elas acabam te sufocando. Acredite eu sei o que estou falando- garantiu Ámbar.

-Se quiser eu posso tentar falar com ele, ver o que tá acontecendo- sugeriu Benicio detestando ver a loira assim.

-Não, isso só iria piorar as coisas- disse Ámbar imediatamente descartando a idéia e voltando a caminhar já a alguns poucos metros longe do roller.

-Tudo bem já entendi, péssima ideia- disse Benicio rindo para descontrair o clima- Mas então até agora só falamos de mim e do Matteo, me fale algo sobre você que eu ainda não saiba.

-Humm eu adoraria mas eu estou atrasada então acho melhor eu ir...- dizia Ámbar decidida a voltar mas sendo impedida por Benicio que agora sustentava seu braço para que ela não fosse embora.

-Boa tentativa mas você não vai fugir de mim- garantiu Benicio se aproximando.

-Eu não tenho nada de interessante pra contar- disse Ámbar olhando para o lado para que Benicio não notasse que ela estava mentindo.

-Conta outra- disse Benicio sem acreditar.

-É sério, não aconteceu nada de interessante na minha vida durante esses 7 anos que a gente não se viu- insistiu Ámbar.

-Duvido- disse Benicio se aproximando de Ámbar ainda segurando o braço da loira.

-Problema o seu- disse Ámbar dando de ombros.

-Vai, tem que haver alguma coisa- insistiu Benicio- Você me disse que já faz um tempo que você e o Matteo terminaram a algum tempo, o que me diz sobre isso?

-O que quer saber?- perguntou Ámbar se livrando do agarre de Benicio e cruzando seus braços.

-Não sei... é... você saiu com mais alguém depois que terminou com o meu primo? Está com alguém?- perguntou Benicio meio sem jeito tentando disfarçar a curiosidade.

-Sim, ouve uma pessoa- confirmou Ámbar um tanto mexida, algo que não passou desapercebido por Benicio- A gente ficou junto por um tempo mas acabou não dando certo e... não sei, é isso. Nós não nos falamos desde então- explicou Ámbar mais uma vez dando de ombros como se aquilo não a afetasse, o que não conseguiu convencer Benicio que a analisava como se tentasse capita qualquer informação que pudesse sobre o tal garoto e o que ele ainda causava em Ámbar.

-E quem é esse garoto? Aposto que é um desses mauricinhos com que você e o meu primo estudavam- perguntou Benicio sendo um pouco invasivo.

-Você sabe que tecnicamente você se enquadra nessa categoria, não sabe?- perguntou Ámbar rindo.

-Agora sim você conseguiu me ofender, eu e o Matteo não temos absolutamente nada a ver um com outro- disse Benicio cruzando os braços se mostrando ofendido.

-Sabe eu nunca entendi essa implicância entre vocês dois, vocês são uma família e deveriam está lá um para o outro. Talvez se deixassem esse excesso de ego de lado poderiam descobrir que tem bastante coisas em comum, muito mais do que imaginam dentre uma dessas coisas a cara de pau- sugeriu Ámbar.

-Olham quem fala de excesso de ego- observou Benicio provocando Ámbar enquanto apertava seu nariz tentando irrita-la.

-Para- disse Ámbar afastando a mão de Benicio de sua cara- Agora é sério, eu tenho que ir, o nosso combinado era eu te acompanhar até o parque e de lá eu só te explicaria a direção e olha só já estamos praticamente em frente ao roller.

-Exatamente, agora não custa nada você entrar. Vem eu quero te apresentar aos meus amigos- disse Benicio puxando Ámbar até a entrada do roller.


-Olha foi só um modo de falar, é que Jim e o Ramiro são muito próximos, vivem pra cima e pra juntos mas isso não quer dizer que... que eles tem algo- se corrigiu Ada ao notar que tinha metido o amigo chileno em problemas.

-Tudo bem Ada, eu acho que ele já entendeu- disse Juliana fazendo sinal para que a funcionária voltasse para o balcão.

-Certo, eu já vou- disse Ada se afastando da mesa.

-Bom, onde estávamos?- perguntou Juliana tentou desviar o foco da conversa.

-Olha não aja de cabeça quente, confie em mim provavelmente você só está vendo coisas onde não tem e...- aconselhava Simón ao mesmo tempo que Nico se levantava para ir até Jim que se encontrava falando com Ada e Ramiro no balcão sem notar a presença da roller band.

-Olha o que temos aqui- disse Nico se aproximando dos três- A minha namorada e o amiguinho inseparável dela.

-Era sobre isso que eu queria falar com você- disse Ada a Ramiro.

-Nico? Eu não sabia que você voltava hoje- disse Jim se virando ao ouvir a voz do namorado e se certificando que era ele.

-Haa que bom saber que não sou o único a estar surpreso aqui com as novidades- disse Nico sorrindo ironicamente.

-Qual é o problema cara?- perguntou Ramiro, atrás de Jim, já sem paciência.

-Quer saber qual é o problema?- perguntou Nico encarando Ramiro que apenas assentiu em resposta- Você é o problema aqui.

-Como?- perguntou Jim confusa.

-Porque insiste em ficar no pé da minha namorada? Porque tá sempre no meio de nós dois- perguntou Nico apontando para Ramiro em tom acusatório.

-Ei calma aí, você chegou agora então quer me explicar o que merda está acontecendo com você- exigiu Jim empurrando Nico para longe de Ramiro.

-Porque melhor você não me explica o que está acontecendo entre você e esse aí- pediu Nico irritado.

-Espera, o quê?- perguntou Jim aparentemente confusa.

-Corta essa, não adianta bancar a surpresa ela já me contou tudo- disse Nico apontando para Ada.

-Ei espera aí a única coisa que disse é que eles dois eram bastante próximos e que viviam juntos. Em nenhum momento eu insinuei que eles tinham algo- disse Ada se metendo na discussão.

-Só esqueceu de falar sobre “a Jim do Ramiro”- lembrou Nico visivelmente irritado.

-Eu te expliquei que não falei por mau- disse Ada se defendendo.

-Ele sabe- assegurou Pedro se aproximando dos dois- Cara não seja infantil, Jim e Ramiro sempre foram próximos não tem necessidade desse drama agora- disse Pedro em tom baixo para que apenas Nico escutasse o que é foi impossível já que Santi estava logo atrás dos dois.

-Nico nós temos uma entrevista com você e a Jim em menos de uma hora, nós não temos tempo pra isso- avisou Santi em tom autoritário fazendo Nico racionar.

-Tudo bem, você está certo. Jim...- dizia Nico se virando na direção da namorada que partia em direção ao armários do roller- Droga, eu vou resolver isso- prometeu Nico a Santi antes de seguir Jim até um canto mais privado.

-Adolescentes e seus dramas desnecessário- anunciou Santi quando o casal já não estava presente- Bom, vamos voltar aonde estávamos- disse Santi voltando sua atenção para Juliana.

-Eu adoraria mas estamos em um dia de muito movimento então eu preciso supervisionar meus funcionais- disse Juliana arranjando uma desculpa para se levantar da mesa- Galã ao trabalho- mandou Juliana indo até Ramiro e o cumprimentando.

-Certo, que o show continue- anunciou Ramiro respirando fundo e largando suas coisas atrás do balcão.

-Ei não vai trocar de roupa?- perguntou Ada ao notar o garoto ainda com farda.

-Eu adoraria mas não quero me arriscar a me meter no meio da dr de casal daqueles dois ou de me meter em alguma briga por causa de um namorado ciumento- respondeu Ramiro colocado um avental e começando a atender algumas mesas.

-Ok e o meu outro galã onde está?- perguntou Juliana olhando de um lado para o outro a procurar de seu outro funcionário- Alguém viu o Matteo?

-Sumiu poucos minutos antes da Luna fazer o mesmo- respondeu Simón se tesando ao constatar que suas suspeitas eram reais ao ver Matteo voltando acompanhado por Luna que estava logo atrás dele- Eu vou dá uma volta, se o Benicio chegar digam pra ele me esperar que quero falar com ele- pediu Simón rolando de relance pra Luna, que logo notou que o namorado estava irritado, antes de se direcionar até a saída do roller.


-Porque toda essa insistência para que eu conheça esses seus amigos?- perguntou Ámbar em frente ao roller- A única coisa que preciso saber deles é que eles andam com você então isso significa que são um bando de insuportáveis e não leve a mau mas eu só te aguento por consideração aos velhos tempos- brincou Ámbar.

-Vai você entra, eu te apresento a eles, nós ficamos 5 minutos e depois eu mesmo me certifico que você esteja no aeroporto pra receber esse seu amigo- implorou Benicio.

-Tá certo, vamos logo antes que eu me arrependa- disse Ámbar a centímetros abrir a porta do roller quando sentiu seu celular vibrar- Droga, eu tenho que ir. É a Nina ela disse que eles estão me procurando no parque a uns 15 minutos.

-Pede pra eles te pegarem no roller assim vocês não se desencontram- sugeriu Benicio.

-Não precisa, eles estão a duas quadras daqui- respondeu Ámbar se dependido de Benicio com um rápido abraço que o italiano tentou prolongar o máximo que pode- Eu vou correndo até lá e encontro eles, que bom que vim com botas hoje. Nós vemos outro dia, foi bom te rever- disse Ámbar sorrindo para Benicio antes de ir embora.

-E quando eu penso que superei ela...- suspirou Benicio ainda olhando para o lugar onde Ámbar estava a alguns minutos.

-Ela quem cara pálida?- perguntou uma voz conhecida o assustando.

-Porra mexicano que susto- disse Benicio ao se virar e constatar que era Simón.

-A culpa não é minha se você vive no mundo da lua- disse Simón rindo se defendendo.

-Tem certeza que sou eu que vivo no mundo da “lua”?- perguntou Benicio fazendo piadinha mas notando a cara de Simón fechar- É... sei que estou atrasado mas vamos entrar?

-Não, não. Eu preciso de um pouco de ar então se quiser entrar vai em frente- disse Simón abrindo passagem para que posso italiano passagem.

-Aconteceu alguma coisa?- perguntou Benicio preocupado.

-Sim, eu tô me sentindo sufocado, eu estou sufocando e não consigo fazer nada quanto a isso- confessou Simón inquieto- Eu preciso de ar porque se não...

-Tudo bem, eu já entendi vamos dá uma volta- disse Benicio fazendo sinal para que o amigo o seguisse.

-Certo mas eu não quero falar sobre qualquer problema- avisou Simón impondo uma condição.

-Ok- concordou Benicio caminhando ao lado de Simón sem um rumo definido.

-Você chegou a muito tempo em Buenos Aires?- perguntou Simón após alguns minutos de silêncio.

-Na noite passada mas eu mau sai do hotel, agora pensando bem foi uma boa idéia, você acredita que eu me perdi e se não fosse por uma antiga amiga eu não teria nem chegado aqui?- perguntou Benicio sorrindo ao lembrar de Ámbar.

-Eu sabia que tinha mulher no meio- disse Simón rindo- Era ela a quem você estava se referindo quando eu te encontrei agora a pouco?

Benicio respira fundo e responde- Sim, mas ela não é qualquer garota Simón. Ela é diferente e eu gosto disso, entende?

-Sim- respondeu Simón sorrindo involuntariamente ao lembrar da pessoa em questão- Acho que já encontrei uma pessoa assim.

-É eu sei, você já me falou da sua garota misteriosa- disse Benicio já sabendo da história de Simón com essa garota- Vamos ser otimista quem sabe um dia você me apresenta a sua garota misteriosa e eu te apresento a minha gitana, isso claro se até lá você resolver sua história com a Luna.

-Benicio você prometeu...

-Eu sei, é só que... eu não entendo, juro que não entendo porque vocês dois estão em uma relação se tem tantos assuntos mau resolvidos com outras pessoas. Vocês começaram a namorar tentando dá uma espécie de apoio um pro outro, e realmente acho um gesto admirável mas eu sinto que cada vez que encontro vocês os dois estão ainda mais distantes do que da última vez.

-Minha relação com a Luna me sufoca, entende? É como se eu tivesse voltando a três anos atrás quando eu era apaixonado por ela e via que ela olhava de uma maneira diferente para um outro cara, a maneira que eu achava que ela deveria me olhar. Só que dessa vez não é o fato da Luna está gostando desse outro cara que me incomoda e sim de saber que não vem nada depois disso... eu não vou encontrar ela, ela não tá mais aqui e tudo isso por minha causa, eu a perdi. É como se tudo que aconteceu depois daquele beijo naquela competição tivesse desaparecido mas eu ainda me lembro de tudo, eu ainda me lembro dela e de como ela mudou a vida desde daquele dia. Mas ela não se lembra de mim e nem de tudo o que passamos. Quando eu fui atrás dela depois de me dá conta da merda que eu fiz ela me tratou com tanta indiferença, foi como se fossemos dois estranhos, como se ela tivesse voltado a ser a mesma garota que era quando a conheci só que agora ela só age assim comigo. Eu não existo mais pra ela, só sou o novato amigo da Luna que se veste mau e que está escondido no deposito de sua casa.

-Se você gosta tanto dessa garota porque então não se manda daqui e diz isso pra ela- sugeriu Benicio como se aquilo fosse a coisa mais fácil a se fazer.

-Você realmente escuta alguma coisa que eu te falo? Eu já disse que tentei mas ela não acredita mais em mim, em todos esses meses que passamos separados ela não me ligou uma vez, não me procurou de nenhuma forma e nós não éramos assim costumávamos resolver tudo antes mesmo de terminarmos de brigar. Acho que dessa vez acabou mesmo- respondeu Simón sentindo seu coração encolher ao financiamento dizer aquilo em voz alta.

-Quem sabe o que o futuro nos guarda irmão- disse Benicio tratamento de animar o amigo- Minha mãe costumava dizer que quando duas pessoas estão destinadas a ficarem juntas elas eventualmente acabam encontrando seu caminho de volta uma pra outra. Talvez esse seja o caso de vocês dois.

-Não sei não cara essa vez foi diferente, eu pisei feio na bola com ela- admitiu Simón se sentando em um dos bancos da praça.

-Irmão deixa eu te explica como funciona esse fio vermelho que une vocês dois, primeiramente ele nunca se rompe, ele pode até esticar ou emaranhar-se, mas ele nunca irá se partir. Então um pouco mais entusiasmo quem sabe quando o destino vai unir vocês de novo, sabe talvez ele até já esteja se encarregando disso mas seu pessimismo pode tá afastando ela- aconselhou Benicio batendo de leve no ombro de Simón o animando.

-Como você sabe tanto disso?- perguntou Simón rindo- Até onde eu sei isso é uma lenda japonesa, achei que você fosse italiano. Aliás o que deu em você hoje que está destinado a bancar o cupido comigo? Eu sempre te falei dessa garota mas você nunca quis se envolver nesse assunto, normalmente só me escutava falar dela.

-Ei isso porque eu também sou amigo da Luna, não queria te influenciar a fazer nada, nem trair de certa forma a minha amizade com ela e se eu abrisse minha boca vocês não escutariam exatamente o que querem- disse Benicio sem defendendo.

-Resumindo...

-Sou Team garota misteriosa- respondeu Benicio rindo.

-Tudo bem chega de falar sobre mim, me fale sobre a sua garota- pediu Simón se sentindo um pouco melhor ao falar com o italiano.

-Bom eu já conheço ela a algum tempo, mais precisamente desde dos meus 13, 14 anos- começou a contar Benicio enquanto Simón o ouvia atentamente- E sou apaixonado por ela desde então, só que meu primo chegou bem antes na vida dela.

-Certo deixa eu ver se entendi, você é apaixonado por essa garota desde dos 13 anos mas ela namorava o seu primo durante todo esse tempo e mesmo assim você me mandou aprender a desapegar e superar uma simples paixonite de adolescência quando te contei sobre a Luna.

-Calma há uma pequena diferença entre as duas histórias em questão, a Luna até vocês virem pra Argentina nunca tinha de dado nenhuma esperança sobre vocês dois e como você mesmo me contou nunca pareceu te olhar com outros olhos. Já eu e a gitana tivemos nosso momento se é que me entende- revelou Benicio.

-Ela teve coragem de trair seu primo com você?- perguntou Simón surpreso.

-Não, não, ela nunca faria isso nem mesmo com esse meu primo merecendo. Eu a conheci quando nas férias de verão meu primo trouxe uns amigos pra passar uns dias na Itália, ela era tão determinada e valente que juro foi praticamente impossível não me apaixonar por ela mas meu primo parecia ser o único a não perceber a sorte que tinha e isso começou a me irrita profundamente então no último fim de semana dela na Itália nós saímos pra caminha pelo campo enquanto conversamos sobre assuntos aleatórios, quando já estamos longe o suficiente de casa e principalmente do idiota do meu primo eu me declarei pra ela que obviamente se assustou, sabe eu tive a impressão que ela não estava e nem estar acostumada a que as pessoas realmente gostem dela e tudo que eu queria fazer naquele momento era dizer a ela todas as razões que me levou a me apaixonar pra ela mas não deu tempo porque quando dei por mim ela já estava caminhando de volta pra casa. Dois anos depois ela voltou pra Itália pra passar o ano novo com a gente, dessa vez só ela e o meu primo fazendo programas de casais. Com os dia eu comecei a notar que a relação deles não estava em seu melhor momento, ela desconfiava que ele estava de papo com outra garota que estudava com eles então um dia ela pegou ele de fato conversando pelo celular com essa garota e eles brigaram feio e terminaram, o idiota então sai com os meus outros primos e deixou ela em casa sozinha com minha tia.

-Então você se aproveitou do momento- concluiu Simón.

-Não, juro que não. Era ano novo e eu não ia deixar ela passar a virada de ano trancada em um quarto chorando pelo idiota do meu primo então a convenci a se arrumar e ficamos na varanda da casa da minha família assistindo os fogos que surgiam no céu anunciando a chegada de um novo ano. Eu não tinha qualquer intenção em tocar naquele velho assunto que estava pendente entre nos dois, ali eu só queria fazer com que ela parasse de chorar. Nós estávamos sentados juntos no balanço de madeira da varanda completamente hipnotizados com os fogos quando do nada um olhou pro outro e aquela velha faísca entre nós apareceu novamente e tudo que eu me lembro é que logo em seguida nos estávamos nos beijando. Foi o melhor ano novo da minha vida- confessou Benicio recordando aquele belo momento.

-É... eu te entendo perfeitamente, te entendo tanto que agora quando você começou a falar sobre ela eu tive a breve impressão que era a mesma garota de quem eu falava- confessou Simón rindo como se tudo aquilo fosse baboseira mas sentindo uma sensação ruim surgir logo em seguida entre os dois como se fosse uma espécie de aviso para os dois que algo não estava bem e que tudo tendia a piorar.


-Nina calma, é normal algumas vezes o vôo atrasar, acredite em mim eu já viagem uma centenas de vezes sei como é- disse Ámbar tentando tranquilizar Nina que andava de um lado para o outro.

-Certo mas se fosse um atraso normal você não acha que ele teria me avisado?- perguntou Nina impaciente.

-É você não acha que ele teria nos avisado?- praticamente gritou Maxi se incluindo na conversa assustando Ámbar.

-Ok escuta porque eu só vou te dizer isso uma vez- avisou Ámbar apontando para Maxi- Os surtos da Nina eu até entendo pelo fato dela não vê o namorado a meses mas o seu não, primeiro porque você não é nada dele...- começou a enumerar Ámbar sendo longo interrompida por Maxi.

-Como eu não sou nada dele? Um melhor amigo não significa nada pra você?- perguntou Maxi visivelmente ofendido.

-Esse é o Matteo- respondeu Ámbar e Nina ao mesmo tempo agora se divertindo com a situação.

-E daí que ele diz que o Matteo é o melhor amigo dele, eu sou a alma gêmea dele então- gritou Maxi ainda descompensado.

-Essa é a Nina; Essa sou eu- responderam Ámbar e Nina respectivamente.

-Tudo bem, cansei das duas vocês não conseguem entender o laço bonito que existe entre mim e o Gastón- acusou Maxi como uma namorada traída- Não sei porque ainda perco meu tempo com vocês.

-Ok, tudo bem podem ficar calmos o namoradinho das duas mocinhas acaba de chegar- disse Ámbar apontando para trás de Nina e Maxi que se viraram imediatamente pra ver Gastón se aproximando deles.

-Amor; Perida- gritaram Nina e Maxi respectivamente antes de começarem a correr para abraçar Gastón.

-Pelo visto sentiram minha falta- disse Gastón abraçando os dois tentando de maneira engraçada também segurar suas malas.

-Sim- respondeu Maxi se afastando pra dá um pouco de privacidade para o casal.

-É, você não faz idéia do quanto- disse Nina se afastando um pouco para encarar o namorado.

-Eu também- confessou Gastón segurando o rosto da garota com delicadeza em suas mãos e plantando um doce beijo em seus lábios.

-Acho bom essa demonstração de afeto não ser apenas para a Nina, juro que não aguentaria sua outra namorada reclamando o caminho de volta inteiro por isso- avisou Ámbar encarando Maxi que quase que em um ato imediato mostrou a língua para ela, ação que fez a garota revirar os olhos.

-Certo, e você não sentiu minha falta?- perguntou Gastón sorrindo para Ámbar

-Não seja meloso Perida, a gente não se vê a só uns quatro, cinco dias nem ao menos deu tempo de...—dizia Ámbar sendo interrompida por Gastón que a abraçava.

-Eu também sentir sua falta- sussurrou Gastón enquanto abraçava a amiga.

-É, eu também- respondeu Ámbar abraçando o amigo o mais forte que pode naquele momento, no último ano Gastón havia se tornado uma pessoa muito importante para a loira e mais do que isso, os dois tinham se tornado grandes amigos.

-Humm- disse Maxi interrompendo para momento- Nós dois ainda estamos aqui, você mora com Ámbar vai ter tempo o suficiente pra ficar com ela quando vocês voltarem pra Nova York, já a gente...

-Ai como você é insuportável Maxi, eu tenho tanto direito como você de passar um tempo com ele- protestou Ámbar se afastando de Gastón que voltava para o lado de Nina.

-Não seja possessiva Ámbar, você já mora com ele, almoça com ele, janta com ele, estuda a metros da faculdade dele, só falta agora querer dormir na mesma cama que ele- provocou Maxi.

-Eu não mas você eu tenho certeza que sim- rebateu Ámbar.

-Corremos e deixamos eles aqui sozinhos?- perguntou Nina sussurrando para que apenas o namorado escutasse.

-Não posso correr estou com as minhas malas mas conhecendo esses dois nem vamos precisar fazer isso se deixarmos eles ficam a tarde inteira brigando- constatou Gastón rindo com Nina na briguinha infantil que continuava na frente dos dois.


-Tá muito ocupada?- perguntou Yam do outro lado da linha para Jim.

-Sim, fazendo vários nadas- brincou Jim entediada- Para de fazer cerimônia Yam, começa.

-É que eu não sei o que te falar.... eu me sinto tão frustrada, nada é como eu imaginei. Parece que todas pessoas a minha volta duvidam do real motivo por eu ter conseguido essa bolsa, pra eu sou apenas uma garota sortuda que estava inspirada no momento e conseguiu agradar a dona do atelier- confessou Yam visivelmente irritada com sigo mesma.

-Ei eu não tô te reconhecendo você sempre foi tão independente, nunca se incomodou com a opinião dos outros, sempre foi tão segura. O que mudou agora? Eu sou a histérica da nossa relação. Eu sou a insegura que desconfia de tudo e de todos, sou eu que fico mau quando não recebo a devida atenção ou quando recebo uma crítica. Você é tudo o que eu não sou Yam e assim se forma nosso equilíbrio, somos o Yin Yang, lembra?- disse Jim tentando colocar a amiga pra cima enquanto escutava alguns soluços surgindo no outro lado da linha.

-Eu só preciso saber se fiz a escolha certa, entende? Só quero alguma indicação que sou boa no que faço porque se eu não for eu não entendo porque ainda estou aqui. Eu não quero estragar isso Jim, você que isso é importante demais pra mim. Se eu não puder ser boa então eu prefiro desistir logo desse sonho antes que comece a criar mais ilusões.

-Yamila Sánchez você é boa nunca que faz, a melhor, e se não acredita nisso pelo fato de ser sua melhor amiga que está te dizendo isso então ligue pra aquela ruiva sem sal ou pra qualquer outra pessoa que conheça seu trabalho e estarei 100% segura de que eles te dirão a mesma coisa.- aconselhou Jim encorajando a loira- Sei que as coisas podem não está sendo muito fácil por aí, você não conhece ninguém, sua família ainda tá se estabilizando, você é a garota mais nova no atelier mas você saber que as coisas não vão cair no seus braços do nada, vai demorar mas um dia toda essa confissão vai cessar e você vai poder ver tudo sobre os meus olhos e vai ri de si mesmo por um dia duvidar da sua capacidade de fazer algo, você é talentosa Yam, também é a pessoa mais determinada que conheço por isso sei que vai passar por isso então apenas respire fundo- pediu Jim passando pela primeira vez na vida segurança para a amiga.

-Certo, tudo bem você tá certa é só meu primeiro ano aqui eu vou passar por isso, eu sou boa no que faço e não tenho que dá ouvidos a quem diz o contrário- respondeu Yam após fazer o que Jim pediu.

-Agora sim eu estou reconhecendo minha amiga, eu senti sua falta- disse Jim rindo.

-Eu também sinto a sua- confessou Yam sorrindo pela primeira vez no dia- Eu vou ficar bem, prometo que vou. Agora me fala, o que tinha pra mim contar? Foi você que me ligou e acabei te atropelando com essa minha crise de identidade.

-Nico voltou, não só ele como toda a Roller Band- disse Jim de uma vez.

-Como assim? E ele não te ligou nem pra avisar que estava voltando?- perguntou Yam surpresa.

-Não, mas isso não é o pior, a gente acabou brigando feio- contou Jim se deitando em sua cama ainda com o telefone em seu ouvido.

-Quer falar sobre isso?- questionou Yam preocupada.

-Não, eu tô cansada demais pra isso- respondeu Jim se cobrindo com o seu edredom.

-Certo então o que posso fazer por você?- perguntou Yam tentando ajudar.

-Pode cantar pra até eu dormir como fazia quando vinha dormir aqui- pediu Jim já acomodada em sua cama esperando que a amiga começasse.

-Ok, já tá deitada?

-Sim, espera só eu apagar a luz- pediu Jim se esticando para desligar a luz do abajur- Pronto, agora sim.

♫ Se me hacía tarde, ya me iba siempre se hace tarde, en la ciudad cuando me di cuenta estaba vivo, vivo para siempre de verdad.

Hoy compré revistas en el metro no pensaba en nada, nada más y caí que al fin esto es um juego todo empieza siempre una vez mas

A rodar y a rodar y a rodar, y a rodar, mi vida. Y a rodar y a rodar y a rodar y a rodar, mi amor. Yo no sé dónde va yo no sé dónde va mi vida, yo no sé dónde va pero tampoco creo que sepas vos. ♫- cantava Yam enquanto Jim começava a pegar no sono esquecendo por algumas horas todos os problemas.


-ÁMBAR- gritou Gastón entrando novo apartamento da garota.

-AQUI- gritou a garota em resposta.

Gastón então seguiu até o quarto de Ámbar encontrando a amiga praticamente enfiada dentro de uma caixa que tinha algo escrito na frente, “pertences pessoais”- O que você tá fazendo?- perguntou o moreno rindo parado ao lado da porta observando a cena.

-Bom depois de deixar você e a Nina sozinhos Maxi me levou pra casa, quando cheguei aqui estava sem nada pra fazer então resolvi tomar um banho relaxante e bem demorado mas aí quando sair do banheiro e vim pegar uma roupa vi essa confusão de caixas no meu quarto e você sabe como sou com arrumação então decidi que era hora de organizar tudo- disse Ámbar dando de ombros ajeitando a toalha que estava na sua cabeça.

-Tá mas não dava pra fazer isso amanhã ou pelo menos depois de se vestir?- perguntou Gastón rindo ao notar o traje nada “chic” da loira que ainda estava de roupão.

-Não- respondeu Ámbar vendo o amigo entrar em seu quarto e sentar ao lado na cama.- Gas você sabe que eu não conseguiria dormir aqui nessa confusão. Se eu não arrumasse isso agora provavelmente acordaria no meio da noite pra arrumar.

-Como sei, eu não posso deixar um copo na nossa estante que você já me lança aquele olhar de “Você vai tirar aquilo de lá por bem ou terei que te incendiar ou te sufocar no meio da noite pra você aprender a lição?”- acusou Gastón fazendo Ámbar ri.

-Óbvio, os porta-copos existem por uma razão- disse Ámbar se defendendo e apoiando sua cabeça no ombro do amigo.

-Ok, não vou discutir porque sei que provavelmente passaríamos a noite inteira brigando e não temos tempo pra isso, temos muito pra fazer- disse Gastón olhando para todas as caixas espalhadas pelo quarto de Ámbar.

-Pera aí você vai me ajudar?- perguntou Ámbar surpresa levantando sua cabeça pra encarar Gastón pra vê se ele estava falando sério.

-Claro, pra sua sorte Nina me deixou de muito bom humor e também não quero você depois falando por aí que eu não faço nada e que me aproveitou da sua mania de limpeza.- respondeu Gastón se levantando e começando a examinar os conteúdos dentro das caixas- E você vai se vestir, eu não quero correr o risco de ser visto como a Dona Florinda argentina- provocou Gastón tentando irritar Ámbar.

-E pensar que há umas horas atrás eu estava sentindo sua falta- respondeu Ámbar caminhando até o banheiro para trocar de roupa.

-Você sabe que gosta de mim e morreria se eu sumisse da sua vida- rebateu Gastón começando a tirar algumas coisas da caixa, que até a alguns minutos atrás Ámbar estava enfiada, encontrando algo que ele preferiria que não tivesse vindo com o resto da mudança.

-É, eu provavelmente morreria... de alegria- completou Ámbar gargalhando enquanto se vestia- Mas e então me conta, como foi seu dia com a Nina?

-Melhor impossível- respondeu Gastón após alguns minutos em silêncio guardando o papel emoldurado ao seu lado assim ele se lembraria de perguntar a Ámbar porque ela havia trazido aquilo com ela- Nós seguimos a lista dela do que deveríamos fazer no nosso primeiro dia juntos então visitamos algumas galerias, fomos no cinema, passeamos no parque, depois fomos pra casa dela e pedimos uma pizza pra entrega e passamos o resto do dia no quarto dela e antes que você pergunte, nós apenas conversamos pervertida- avisou Gastón com antecedência conhecendo a amiga.

-Quero vê até onde dura esse voto de castidade de vocês dois no fim das contas os hormônios sempre falam mais alto.- disse Ámbar sincera.

-Vai durar o tempo que for necessário pra ela, é a primeira vez dela você sabe como isso é importante pra uma garota, você já passou por isso.- dizia Gastón sem perceber trazendo a Ámbar recordações que ultimamente ela preferia deixar de lado.

Flashback

-Como é que você disse?... Haa sim, o que eu faço com você garota?- perguntou Simón mordendo o lábio de Ámbar

-Você podia falar menos e beijar mais- sugeriu Ámbar frustrada ao ser interrompida mais uma vez

-Eu só quero que tenha certeza do que está prestes a fazer- disse Simón acariciando a bochecha de Ámbar enquanto a admirava

-A pergunta é se eu realmente quero ter minha primeira vez com você? Deixa eu pensar…- disse Ámbar se levantando e consequentemente fazendo Simón também se sentar- Ontem você e o Matteo disseram que pra uma mulher o fato de perder a virgindade é um momento especial que a gente quer se lembrar para o resto da vida, tem que ser com uma pessoa que você realmente ama e confia; Bom você nunca me julgou pelas minhas escolhas, nem mesmo quando eu merecia por isso sei que posso te contar tudo, você é a pessoa que eu mais confio no mundo, quando algo de ruim ou bom acontece comigo você é a primeira pessoa para quem eu quero contar, quando eu terminei a minha audição e percebi que realmente tinha ido bem você era a pessoa que eu queria estar dividindo aquele momento, sabe aquela sensação quando você sente o mundo nas suas mãos e é como se todos seus sonhos estivessem se tornando realidade? É você Simón, é você quem eu quero que esteja do meu lado. Eu sou feliz quando estou com você, sou feliz como nunca fui por isso eu sei que mesmo que o resto da nossa história for uma completa droga eu vou querer lembrar cada segundo dessa noite porque será a primeira vez que eu me sentirei completa e…

Simón não a esperou terminar, se aproximou a ela para beijá-la com desesperação saboreando o sabor de sua boca- eu teria me contentado com um “sim, eu tenho”- brincou Simón fazendo Ámbar ri, ele mordiscava a orelha de Ámbar, enquanto suas mãos percorriam todo seu corpo até chegar a alça da blusa da garota, ele a abaixou e beijou o ombro da garota. Ámbar não pode evitar de soltar um leve gemido ao sentir os lábios quentes de Simón em contato com sua pele. Ele então passou a mão na barriga quase desnuda dela e abaixou a outra alça da blusa deixando a mostra seu sutiã de renda preta para logo tirá-lo, Ámbar pôde notar o grande sorriso que se formava no rosto do garoto ao contemplar a visão em sua frente, fazendo seu coração acelerar como toda as vezes que via aquele sorriso. Com sua mão começou a massagear um dos seios de Ámbar e levou o outro direto a boca, o gemidos por parte da loira não se fizeram esperar, aquela blusa estava começando a incomodar Ámbar que em um rápido movimento terminou de retirá-la jogando-a no chão.

Os dois continuaram a se beijar mas isso já não parecia ser o suficiente Ámbar então desceu uma de suas mãos para a calça de Simón e começou a desabotoar o cinto e a abaixar sua calça sem apartar o beijo o que só tornava a ação mais complicada, ele então se afastou um pouco terminando de tirar sua calça junto com sua cueca boxer e aproveitou para tirar o resto de roupa que Ámbar ainda vestia, se aproximou e deu um pequeno beijo nos lábios da garota- está pronta?- questionou Simón encarando Ámbar que apenas assentiu em resposta, juntou seus lábios com os dela, suas línguas se acariciavam suavemente, Ámbar sentiu a ponta da ereção do garoto entrando nela e tentou se concentrar no beijo mas sentiu a dor se instalar em todo seu corpo, Simón pareceu perceber já que apartou novamente o beijo a encarando preocupado.

-Tudo bem, só continue- pediu Ámbar pegando o rosto do namorado e o beijando, como forma de consentimento, Simón a princípio parecia um pouco duvido mas logo começou a se mover, os movimento dele no começo eram suaves e delicados, como se tivesse medo que a garota em sua frente quebrasse, mas depois de um momento, ele começou a ir mais, e mais rápido e a dor começou a desaparecer sendo substituída pelo prazer.

------------------------------------------------------------------

-Eu sei que pode parecer besteira e até um pouco antiquado mas quero que ela tenha certeza do que está fazendo e com quem está fazendo assim como eu tenho quanto a ela- confessou Gastón notando a presença de Ámbar de volta ao quarto- O que foi? Algum problema?- perguntou o garoto preocupado ao ver a amiga com um olhar distante.

-Não, eu só tava aqui... você tá certo, isso não é antiquado, é o certo a se fazer. É a primeira vez de vocês dois tem que ser no momento certo. É algo que os dois vão se lembrar pro resto da vida, faça com que ela queira se lembrar dessa noite pelo resto de sua vida mesmo se um dia vocês chegarem a não estar mais juntos. Tudo bem?- aconselhou Ámbar por experiência própria.

-Eu vou- assegurou Gastón encarando Ámbar que ainda parecia perdida em seus próprios pensamentos- Prometo que sim.

-Ótimo- disse Ámbar tentando reorganizar sua cabeça- Eu tô com fome então vou pedir alguma coisa pra jantar- avisou Ámbar saindo do quarto sem conseguir encarar Gastón por saber que o amigo havia entendido tudo.

-Certo... pede pra mim também- gritou Gastón decidindo deixar aquele assunto de lado, não era o momento de trazer Simón a tona de novo, na melhor das hipóteses aquilo só venho com as outras coisas por engano.

Flashback

-Dá pra parar de me olhar assim- pediu Simón terminando de colocar o short e jogando a toalha que estava enrolado de lado.

-Não sei do que você está falando- disse Ámbar desconversando voltando sua atenção para o livro em sua frente.

-Você é uma péssima mentirosa Smith- disse Simón caminhando até Ámbar e tirando o livro do seu campo de visão para que a loira o encarasse. Seus olhares então se encontraram e pouco a pouco Simón foi aproximando seu rosto do de Ámbar até que seus lábios se conectaram em um beijo intenso e com paixão. Os dois podiam sentir seus batimentos se acelerarem pela proximidades de seus peitos.

Ámbar podia sentir a língua de Simón quente e densa, o que a fez se aferrar mais a ele procurando absorver cada sensação causada pelo o contato de suas línguas. Uma das mãos da garota pousou no pescoço do mexicano enquanto a outra vagava por seu abdômen. Em um rápido movimento Simón os trocou de posição deixando Ámbar sobre ele, suas mãos atraiam o corpo da garota para o dele com desesperação fazendo-se notar sua ereção.

Simón então começou a se mover pra trás, sem soltar Ámbar, se acomodando na cama enquanto ela se sentava em seu regaço e continuava a beijá-lo com profundidade e desejo.

Ámbar se afastou rapidamente de Simón tentando recuperar o alento aproveitando para tirar sua blusa e joga-la para o lado voltando a unir logo em seguida seus lábios- Acho que estou deitado em cima dos seus livros- sussurrou Simón com seus lábios carnudos ainda sobre os de Ámbar.

-Ótimo, agora eu terei boas lembranças perturbadoras enquanto estiver estudando- respondeu Ámbar rindo e com um movimento quase que involuntário começou a mover seu quadril sentindo imediatamente o vulto em baixo dela causado pela ereção de Simón que grunhiu em resposta.

De repente pode-se ouvir batidas na porta ecoando no quarto- Olha eu realmente não me incomodo de vocês ficarem se pegando enquanto eu tô aqui mas eu tô tentando estudar então eu agradeceria se vocês fossem mais silenciosos.- pediu Gastón do outro lado da porta.

-Porque então não dá uma volta? Nós só precisamos de uma hora- gritou Simón ainda ofegante.

-Eu adoraria quebrar esse galho pra vocês mas mais tarde irei trabalhar na biblioteca então se vocês não se incomodam apenas sejam silenciosos- pediu Gastón por fim.

-Depois eu que sou ruidosa- sussurrou Ámbar rindo para Simón.

-A culpa foi sua, você que provocou- acusou Simón se defendendo enquanto depositava alguns beijos no pescoço de Ámbar.

-Tudo bem eu também tive culpa mas... Simón isso faz cócegas- reclamou Ámbar soltando sem querer uma alta gargalhada ouvindo logo em seguida batidas na porta- Vocês sabem o que isso significa, não sabem?- perguntou Gastón ao casal.

-Fim de festa garoto problema- avisou Ámbar se levantando.

-Acho que vou precisar de mais um banho depois disso- disse Simón enfiando sua cara no colchão.

-Para de charme, são 14:15 e ele sai pra trabalhar as 15:00 falta menos de uma hora pra ele ir embora e teremos o apartamento inteiro só pra gente enquanto isso você pode me dá o presente que você disse mais cedo que tinha pra mim- sugeriu Ámbar sentando em uma cadeira em frente a sua cama.

-Não, agora não. Eu preciso formar um clima antes disso- disse Simón ainda com a cabeça enfiada no colchão.

-Como assim?- perguntou Ámbar confusa.

-Não meta seu nariz onde não é chamada estressadinha- disse Simón fazendo o misterioso.

-Simón- chamou Ámbar se esticando na cadeira para cutuca o namorado- Amor, não é justo você sabe que eu sou curiosa- disse Ámbar indo até a cama e puxando Simón para que ela a encarasse.

-Ám...

-Eu posso te recompensar por isso mais tarde- lembrou Ámbar tentando fazer o troca justa, o que fez Simón ri.

-Eu definitivamente não posso com você garoto- disse Simón se rendendo.

-Pra onde você vai?- perguntou Ámbar ao ver o mexicano se levantando.

-Feche os olhos- pediu Simón indo até sua mala.

-Porque?- perguntou Ámbar curiosa.

-Amor facilita, faz parte da surpresa- pediu Simón esperando ela fechar os olhos.

-Tudo bem, vou fazer isso só porque estou curiosa então não vai se acostumando- avisou Ámbar já com os olhos fechados.- Mas me dá pelo menos uma dica do que é.

-Uma dica? Certo... Na verdade são dois presentes que estão interligados- explicou Simón.

-É algo de comer? Diz que você trouxe brigadeiro, não melhor é aqueles salgadinhos de festa de aniversário, não é?- disse Ámbar tentando adivinhar mas não conseguindo escolher apenas uma opção- Não, espera é aquele doce de leite ninho que você comprou pra mim em Cancun, diz que é. Ou talvez pode ser também...

-Eu já disse que sua indecisão pra escolher tudo é uma das coisas que mais amo em você?- perguntou Simón acariciando o rosto de Ámbar que ainda se encontrava com os olhos fechados.- Era uma coisa que geralmente irritava o Nico e o Pedro quando eles iam te atender por isso eu sempre te atendia. Eu por outro lado sempre achei isso gracioso, eu já te amava muito antes de ter consciência disso- confessou Simón se ajoelhando para ficar da altura de Ámbar aproveitando para roubar alguns beijos da loira que apenas sorriu ao sentir os lábios do namorado junto aos seus- Cada dia tenho mais certeza disso, eu te amo e quero passar o resto da minha vida ao seu lado aguentando suas manias, seu mau humor matinal, sua indecisão. Por isso eu sei que preciso fazer isso mais uma vez só que dessa vez na maneira certa- anunciou Simón se calando o que fez Ámbar abrir os olhos curiosa para saber o que estava acontecendo e encontrando o namorado ajoelhado em sua frente com uma caixinha azul escuro com uma aliança simples mais com uma linda pedra na frente.

-Isso é uma...?- disse Ámbar sem conseguir completar a frase.

-Casa comigo... de novo- pediu Simón sorrindo apreensivo pra Ámbar como na primeira vez que tomou coragem para pedi-la em casamento com a pequena diferença que dessa vez tinha total confiança que era correspondido e que a mulher que ele amava também queria passar o resto da sua vida ao seu lado.

------------------------------------------------------------------

-E isso não é tudo, essa mesma fã seguiu a gente até o hotel e se meteu no quarto que eu dividia com o Pedro, o que ela não esperava era que a Luna fosse aparecer lá antes e pegaria ela no flagra antes mesmo dela nos encontrar- contou Simón rindo enquanto entrava no roller ao lado de Benicio.

-Eu sei bem como é- disse Benicio rindo da história que o amigo acabará de contar- Ué pra onde foi todo mundo?- perguntou o italiano ao notar o roller praticamente vazio.

-O loiro foi embora logo depois de terminar de falar com a Jim, o branquinho de cabelos pretos ficou entediado e saiu logo em seguida, Santi e sua namorada ainda esperaram um tempo por vocês dois mais acabaram se cansando e pediram pra avisar que estavam indo para o hotel- respondeu Juliana voltando da pista.

-Merda, esqueci de avisar a ele que estava com você. Ele deve tá uma fera comigo- constatou Benicio um tanto desesperado- Acho que vou para o hotel tentar amanchar a fera, você vem?- perguntou Benicio já se direcionando até a porta do roller.

-Não, conhecendo a Luna ela deve estar me esperando na porta do meu quarto então vou ficar mais um pouco aqu,i pretendo vencer ela pelo cansaço- explicou Simón com as mãos no bolso.

-Ótimo então nos vemos amanhã- disse Benicio se despedindo.

-Luna é a pequenina?- perguntou Juliana enquanto organizava algumas coisas atrás do balcão.

-É... sim, porque?- perguntou Simón confuso com a pergunta repentina.

-Porque nada, é só curiosidade minha- respondeu Juliana dando de ombros- Você também conhece o galã a muito tempo?

-Galã?- perguntou Simón sem conseguir entender a quem ele se referia.

-O Matteo, desculpa é costume meu chamar ele e o Ramiro assim- explicou Juliana.

-Relaxa, nós também tínhamos nossos apelidos- disse Simón soltando uma risada irônica.

-Então?

-Então o quê?- perguntou Simón sem entender.

-Você conhece ele a muito tempo?- perguntou Juliana mais uma vez.

-Humm desde de quando eu vim do México pra Argentina atrás da Luna- respondeu Simón.

-Então você e a Luna já namoram a algum tempo- constatou Juliana guardando os cardápios..

-Na verdade não, é uma longa história- respondeu Simón simplesmente.

-Bom se você quiser eu tenho tempo, digo você não quer esbarrar com ela hoje, não é? Eu posso ser útil- sugeriu Juliana se sentando na mesa em frente a Simón que ainda se encontrava em pé.

-Certo...- assentiu Simón ainda um pouco duvidoso- Luna e eu nos conhecemos desde de pequenos quando ela ainda morava no México, um dia os pais dela receberam uma proposta para virem pra Argentina junto com emprestaria bilionária e de repente eu estava sozinho lá, o que não foi nada fácil Luna não era só minha melhor amiga ao longo dos anos ela também se tornou parte da minha família então num dia depois do trabalho eu parei pra analisar a minha vida, coloquei tudo na balança e cheguei a conclusão que não estaria perdendo muita coisa se me mudasse pra Argentina e foi isso que eu fiz- contou Simón para Juliana que parecia maravilhada com a história.

-Então você simplesmente largou tudo pela Luna?- questionou Juliana realmente surpresa com a coragem do garoto.

-Todo mundo que conhece essa história me pergunta isso. É uma bela versão da história, não é?- perguntou Simón sorrindo gentilmente pra Juliana.

-“Uma bela versão”? Isso quer dizer que essa não é a única?- perguntou Juliana tentando não parece tão curiosa como realmente estava.

-Não.- respondeu Simón quase como imediato- Não foi só a partida da Luna, entende? Eu realmente amo meu país mas depois que meus pais morreram eu meio que passei a sempre sentir que faltava alguma coisa, Cancún passou a ser muito pequeno pra mim... mas no meio disso tudo ainda tinha a Lucy, minha sobrinha que na verdade é como uma filha pra mim- disse Simón sorrindo ao lembrar da mais nova- Realmente me quebrou o fato de ter que deixa-la no México mas eu prometi a mim mesmo que quando me estabilizasse na Argentina voltaria para buscá-la. Aqui, exatamente nesse lugar eu acabei me encontrando, reencontrei a Luna, arranjei um emprego, amei perdidamente uma garota conheci outras pessoas maravilhosas que viriam a se tornarem minha família e hoje em dia vivo de um sonho que foi construído junto a três deles. Eu não podia ser mas grato- conclui Simón um tanto melancólico.

-É eu também devo muito a esse lugar, desde que voltei pra Argentina ele passou a representar uma parte muito importante da minha vida- confessou Juliana olhando em volta do roller- Matteo, Ramiro e Ada são como filhos pra mim, na verdade todos os garotos que frequentam esse lugar.

-É engraçado quando você fala do Matteo eu tenho a impressão que não estamos falando da mesma pessoa. Mas isso deve ser algum tipo de implicância minha eu e ele nunca nos demos muito bem, isso você até já deve saber.

-Na verdade não- respondeu Juliana- Matteo não fala muito sobre o passado dele, eu também não gosto de pressionar ele, costumo reconhecer uma pessoa ferida então prefiro que ele se abra quando se sentir a vontade comigo, como você tá fazendo agora- explicou Juliana sorrindo para Simón.

-É que você me lembra uma pessoa que conheci quando cheguei aqui- revelou Simón observando Juliana.

-A antiga treinadora de vocês talvez? Ramiro e Jim já me falaram isso mas segundo eles essa mesma mulher é a reencarnação da Madre Teresa em pessoa sendo assim já descartei tal semelhança, você ainda não conhece meu método de trabalho mas eu costumo ser bastante firme com meus alunos, eles me aguentam e como forma de compensação eu os tornarei os melhores, nada menos que isso. Por isso não admito que ninguém se interponha no meu caminho.- disse Juliana encarando Simon que por um segundo teve a certeza de que era Ámbar que estava falando tudo aquilo em sua frente.

-É disso que eu estou falando, é exatamente isso que ela falaria- disse o mexicano lembrando mais uma vez no dia da loira.

-Eu gostaria de conhecer ela, talvez um dia você nos apresente- sugeriu Juliana verificando uma mensagem no telefone.

-Acho um pouco improvável, ela não é uma pessoa muito fácil de lidar- disse Simón fazendo Juliana ri.

-Ela parece ser uma pessoa especial- disse Juliana.

-Ela é- confirmou Simón observando Juliana mexendo mais uma vez no celular- Você parece ocupada, se quiser eu posso ir embora- disse Simón não querendo atrapalhar.

-Não, tudo bem eu só preciso fazer uma ligação- respondeu Juliana se levantando e pegando seu celular- Aproveito e te deixo um pouco sozinho, Santi me contou que você está a procura de um lugar quieto para compor, o Jam & Roller está aberto pra você- avisou Juliana deixando o mexicano sozinho.

Simón após alguns minutos esperando Juliana voltar se levantou e começou a observar curiosamente o novo Jam & Roller- É pelo visto eu não fui o único que mudou- constatou Simón maravilhado com tudo. Parou então em frente ao palco ao notar que Juliana ainda não havia guardado os instrumentos como na sua época era de costume, então pegou o violão e se sentou na beirada do palco enquanto arriscava alguns acordes nele.

♫Cada amanecer que pienso en ti entra la duda de saber si piensas en mí por la tarde, si te veo partir pienso y no me animo, no soy tu destino♫- cantava Simón aproveitando o único momento de paz no dia para tentar terminar de escrever sua nova canção que já trabalhava a meses.

-O que está fazendo aqui?- perguntou Matteo se aproximando de Simón após o roller ficar praticamente vazio, pegando o mexicano de surpresa.

-Juliana deixou eu ficar mais um pouco pra tentar...- dizia Simón quando foi interrompido por Matteo.

-Eu não estou me referindo a isso.- respondeu Matteo com cara de poucos amigos- Eu estou te perguntando porque voltaram, o que exatamente esperam encontrar aqui? Achei que já tinham percebido que aqui não é mais lugar pra vocês.

-Desculpa e quem você acha que é pra me dizer se esse é ou não meu lugar?- perguntou Simón ainda tentando engolir as palavras do italiano.

-Você não sabe o quanto eu me arrependo de não ter dado ouvidos pra Ámbar quando ela dizia que tudo começou a dá errado a partir do momento que vocês colocaram os pés na Argentina.

-É realmente você estava muito ocupado evitando ela pra conseguir dá em cima da Luna em paz que duvido que tenha prestado atenção em alguma coisa que ela te falava- acusou Simón.

-Tem certeza que quer entrar nesse mérito? Logo você Álvarez- perguntou Matteo com um tom de deboche.- Quando a Ám me contou o que aconteceu eu juro que não fiquei nem um pouco surpreso em ouvir aquilo, eu sempre subi exatamente quem você era mas preferi me fingir de cego pela Luna e pela Ámbar. Você esperou o caminho tá livre pra mostrar suas garrinhas, e funcionou não? Parabéns você e a Luna são tal para qual- disse Matteo batendo palmas em forma irônica para Simón- Não me incomodo o fato de ter que aguentar a presença dos dois pelo tempo que for necessário mas eu quero deixar bem claro que seja lá qual for o motivo da vinda de vocês, vocês não são bem vindos aqui, mais do que isso não esperem terem nada de volta e com nada você sabe exatamente ao que estou me referindo.

-Não se meta no que não lhe cabe Balsano meu assuntos com ela eu mesmo tratarei de resolver assim que puder encontra-la- alertou Simón frente a frente a Matteo.

-É aí que você se engana, eu não permitirei que você a machuque de novo, não depois de saber do que você é capaz- avisou Matteo nada intimidado pelo alerta do mexicano.

-Engraçado essa sua valentia agora, onde exatamente você estava quando a Luna mais precisou de você?- questionou Simón colocando Matteo contra parede- Parece que eu não sou o único covarde aqui.

-Não me julgue ou queira me comparar a você guitarrista, você não faz idéia do que passei nesse último ano- respondeu Matteo visivelmente irritado fechando suas mãos em forma de punho quando como magica Juliana voltou a aparecer no momento certo.

-Algum problema aqui?- perguntou Juliana observando os dois garotos se encarando de maneira nada amigável.

Após alguns minutos de silêncio Simón resolveu responder- Nada, só estávamos tendo uma conversa que estava pendente entre a gente..

-O que ele falou é certo galã? Porque por um momento me pareceu que vocês estavam a ponto de sair no braço- perguntou Juliana com sua sinceridade fora de hora- Matteo.

-Esteja desde então avisado, eu não tornarei as coisas nada fáceis pra você- avisou Matteo uma última vez colocando sua mochila nas costas indo embora e ignorando Juliana por completo.

-Matteo você quer me explicar... Matteo...- chamou Juliana mais uma vez mas já era tarde demais o italiano já havia atravessado a saída do roller- O que exatamente aconteceu aqui e porque ele foi embora assim? Matteo nunca agiu assim- perguntou Juliana se direcionando a Simón.

-Como eu disse eu e Matteo nunca nos damos muito bem- respondeu Simón sem mais detalhes.

-Tudo bem, se eu vou ter que lidar com vocês dois frequentando o mesmo teto sendo ele o lugar pelo qual estou responsável acho que mereço uma explicação mais detalhada sobre o que estou me metendo- pediu Juliana voltando a se sentar na mesa em que estava sentada com Simón.

-Certo, vamos ver por onde começo... quando a Luna veio pra Argentina ela acabou se envolvendo sentimentalmente com um cara que até então tinha uma namorada, eu nunca fui com a cara dele e ele nunca foi com a minha cara por n motivos, primeiro a garota que eu gostava estava apaixonada por ele, segundo eu não concordava com o que ele estava fazendo não só com a Luna mas também com a namorada dele. Depois de muita confusão com essa namorada dele, que não era nada fácil, eles acabaram terminando e então eu acabei me envolvendo com ela, já ele acabou assumindo o que sentia pela Luna e eles começaram a namorar mas um nunca deixou de ser sombra no relacionamento do outro, entende?

-Pera aí, então o que você quer me dizer é que Luna e Matteo tiveram um relacionamento?- perguntou Juliana confusa pelo fato de Matteo ter mentindo para Ada mais cedo.

-Sim, mais do que isso eles se gostaram bastante, acho até que a Luna até hoje sente algo por ele foi por isso que eu tive aquela reação quando eles apareceram juntos- explicou Simón.

-E a garota de quem você tanto fala é a Ámbar?- perguntou Juliana ainda mais surpresa com a coincidência.

-Pera, como você conhece a Ámbar?- perguntou Simón agora confuso.

-Eu não conheço ela si mas já ouvir falar muito dela. Inclusive ontem mesmo o Ramiro pediu uma pausa no trabalho pra apresentar o “novo roller” para ela e um amigo- respondeu Juliana.

-Calma, deixa eu ver se entendi- pediu Simón visivelmente impactado com a notícia- Ámbar está aqui? Ela voltou pra Argentina?


Notas Finais


Parra não perder o costume vamos lá me contem o que acharam do capitulo? Simón e Matteo voltaram a ser rivais declaros, alguma dúvida que esses dois ainda vão se envolver em muita confusão? Será que a Juliana vai contar para a Ada sobre a antiga relação de Luna e Matteo? E quanto a Benicio e Simón, só eu que fiquei com peninha deles ali conversando como velhos amigos sem saber que eles são apaixonados pela mesma garota? Nico poderia ser mais babaca? Será que Jim vai contar sobre a volta de Yam para Ramiro? Agora a principal questão, vocês acham que a Ámbar deve seguir em frente ou perdoar Simón?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...