História We Fight Together - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Big Brother Brasil
Personagens Ana Paula Renault
Tags Ana Paula, Annik, Bbb, Munik
Exibições 256
Palavras 2.626
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Vi vocês discutindo sobre o capítulo anterior no twitter, dividindo opiniões e suposições, e adivinhem? Amei e se pudesse ficava o dia inteiro só lendo essas conversas. Obrigada por me darem a honra de poder acompanhar isso através dessa história que eu não pude deixar de contar...
Vocês gostam de flashback e eu também, então que tal derem play em "Cry" -Jason Walker, quando o flashback do nosso casal começar? Atenção que é o segundo do capítulo!
Deixo aqui meu beijo especial para as gurias do Esquadrão Profetinhas, cada dia com vocês é uma coleção de risadas diferente! Obrigada Tai, Fernanda e Tori pela contribuição com os videos para o flashback! Tentei deixar o mais fiel possível ao que aconteceu, espero que gostem!
Boa Leitura 🌸

Capítulo 27 - Capítulo 26 -Voo


Munik se direcionou ao seu assento, pediu licença à mulher mais velha que sentava na ponta e chegou a sua poltrona ao lado da janela. Antes de chegar ali ela havia pedido que Cida a levasse até o Chalé da namorada, assim poderia pegar sua mala e trocar de roupa, surpreendentemente a irmã da jornalista se mostrou totalmente disposta a ajudar Munik. Ela estava começando a entender e a respeitar o sentimento da irmã mais nova perante aquela garota e a se arrepender de tê-la julgado mal desde o início. Viu na decisão da goiana como uma maturidade escondida que Ana Paula não entendia, mas se fazia necessária. Dessa forma a passagem para o Rio foi comprada e a promessa quebrada. 

O avião já havia levantado voo, as mãos morenas pegaram seu fone, o conectando no aparelho celular e em seguida levou as outras duas partes até o ouvido. Tateou a tela abrindo o aplicativo de músicas, passou por playlists e músicas salvas, chegou até a dar play em alguma, mas no fim o pause se fez presente. Nenhuma daquelas músicas a ajudaria naquele momento. Suspirou encostando a cabeça na janela, cada pensamento a corroía por dentro pela dúvida de ter tomado a decisão certa. Os olhos se fecharam e ela não pode deixar de chorar enquanto as últimas palavras de Ana viajavam por sua mente e socavam seu coração. A loira não conseguia entender e Munik não tinha tempo para explicar, mas a verdade é que ela só estava naquele avião porque seu amor por Ana Paula era tão grande que era capaz de se afastar somente para o bem dela.

 

Uma música tocava dentro do bolso de Munik, a morena de prontidão pegou o aparelho e ao ver o nome do visor rolou os olhos. Era a mesma pessoa que a acordara de manhã com a terrível notícia e com várias exigências do que se fazer a seguir.

-O que foi, Sales? -Atendeu já se afastando de Ana que a olhou com o cenho franzido, mas logo voltou a atenção à irmã.

-Que horas você chega aqui no Rio? -Perguntou quando a chamada foi atendida

-Eu já disse que não vou fazer isso, não vou abandonar a Ana agora. -Respondeu se referindo ao que ele tinha dito quando ligou mais cedo a acordando, naquele momento ele já tinha dito que se afastar era a medida de imediato que devia ser tomada. -Tem de ter outro jeito.

-Munik, você quer destruir sua carreira que ainda nem construiu? -Ele perguntou já meio alterado. -Você sabe quantos artistas escondem sua sexualidade por perda de anunciante e pela reprovação do público? Você ainda está estudando para ser atriz e se não me escutar, nem isso vai fazer mais. -Ela escutou as palavras com pesar, sabia que se assumir seria pesado no ramo que queria seguir em sua vida, mas mais difícil seria viver sem Ana Paula. Ela se virou, olhando a namorada que agora discutia algo com a irmã, sabia que lutava por elas.

-Eu não quero ser atriz em mundo onde eu magoe a Ana. -Disse sincera. -Eu a amo, Sales. Entenda isso. -Ele soltou o ar com força já irritado com a situação.

-Você a ama? Então está pensando errado. Se você continuar aí, só vai prejudicá-la. -Fez a morena unir as sobrancelhas tentando entender do que se tratava, mas não conseguiu pensar em nada.

-Do que está falando? -Munik perguntou confusa.

-Ana Paula recebeu três convites de emissoras diferentes, mas não assinou nenhum deles ainda. Se vocês não seguirem todo o protocolo de situações assim, então não somente a sua, mas a carreira dela também estará arruinada. Vocês se deixaram serem expostas e agora precisam arcar com as consequências. 

O olhar da morena voltou para a namorada, queria entender o porquê de Ana não ter contado a ela sobre tais convites, mas essa não era a hora para isso. Ela conhecia cada parte da história da loira e sabia também que encontrar um proposito na vida era o que ela queria desde que entrou no programa. Talvez esse era o caminho que Ana tanto procurava, só ainda não havia conseguido escolher entre as três possibilidades. Suspirou ao perceber que não podia tirar isso da namorada, não podia tirar dela essa chance por apenas não querer se afastar... Doía, mas era necessário. Ela não deixaria de lutar, só estaria enfrentando de outra forma. Com dez segundos de coragem ela engoliu o choro que se formava e soltou o ar que segurava.

-Ok. 

 

Enxugou as lágrimas teimosas que caíam contra sua vontade, ela ainda tentava ser forte e guardar as emoções, mas quando se tratava de Ana ela simplesmente desmoronava. Quando a loira foi expulsa em um paredão falso na época do programa, Munik sentia como se um pedaço dela estivesse indo junto com uma pessoa que havia tido contato por tão pouco tempo. Era estranho e não conseguia entender na época que já tinha se apaixonado, tentou se manter forte e até indiferente, mas foi impossível. 

 

Ana acabava de dar um abraço em Tamiel, se virou e encontrou mais uma vez os olhos vermelhos e tristes de Munik. A morena se aproximou já levando as mãos á cintura de Ana, a puxando para um abraço, precisava de mais contato com a amiga que não veria por bastante tempo depois daquele momento. Na verdade, ela não imaginava que se tratava apenas de um paredão falso e que seu desespero se tornaria alegria quando a mineira estivesse de volta.

-Oh meu amor... Força e arrasa, viu? –Ana tocou o cabelo de Munik ao levar as mãos ao abraça-la, acariciou a cabeça da mais nova quando já tinha o rosto em seu pescoço. Avistou Geralda que observava a cena de perto, se emocionando pela triste despedida, e aproveitou para fazer um pedido. -Dona Gê, cuida dela, pelo amor de Deus! -Terminou a frase com ênfase, já que o medo de ter a morena longe dela e entregue aquele ninho de cobras a assustava tremendamente.

Confiava somente em Ronan e Geralda, mas não sabia quanto tempo mais eles poderiam acompanhar a morena naquela jornada, afinal ela sabia que Munik tinha potencial para vencer o programa e no mínimo chegar até as etapas finais. Ela havia visto na mais nova uma luz que jamais tinha visto em alguém. Agora estava ali desfazendo o abraço e a encarando. -E tamo junta demais! -Pegou as duas mãos de Munik e beijou cada uma delas enquanto a goiana conseguia apenas assentir com a cabeça em meio ao choro. 

Se direcionou a dona Geralda e agachou para abraçar a mais velha, dando um beijo em seu rosto e aproveitando o carinho dela. Havia se afeiçoado aquela senhora, por mais que tivessem discussões e alguns desentendimentos, ainda se gostavam muito e ambas sentiram muita falta uma da outra.

-Vai com Deus. -Geralda disse ao se afastar da loira.

Ana continuou dando abraços em outros participantes, por mais falsos que tivessem sido, ela ainda os cumprimentou no que achava ser seu momento final no programa. Munik nem via muito bem, pois estava tentando limpar as lágrimas que escorriam sem parar. Ela não sabia que se sentiria dessa forma, no fundo entendia que seria difícil, mas não tão difícil. Para quem estava acostumada a esconder o que sentia e sempre ser forte, hoje estava desmoronando tanto por fora, como por dentro.

Quando a loira terminou de se despedir, Munik a agarrou em um abraço e caminhou com ela para o jardim da casa, os outros estavam em volta e calados pela situação. A morena ainda teve de soltar a mais velha para que esta se despedisse de Ronan. Munik não conseguiu sair do lugar, mas quando viu que Ana já estava a metros de distância dela e só com aquele pequeno pedaço já sentiu seu coração se apertar. Então, começou a andar determinada a chegar até a loira, passou a mão no cabelo jogando sua franja para trás e ainda chorava.

-Não vem não, que eu já tô com saudade. -Ana disse com a voz embargada por conta do choro.

Mas Munik continuou a se aproximar dela, segurou em seu cabelo com as duas mãos colocando algumas mechas por de trás das orelhas e afundou o rosto na curva de seu pescoço. As duas choravam e apreciavam o contato daquele abraço, enquanto Munik acariciava o cabelo de Ana, a loira passava as mãos pelas costas dela, ainda apoiando o queixo em seu ombro.

-Tamo junta... Tamo junta, a gente é muito parecida. –A branca dizia e Munik acariciou o rosto de Ana colocando seu cabelo para trás, queria ver o rosto dela melhor e por mais tempo que pudesse. Ana sorriu com o toque e ficou sem graça, ao mesmo tempo que via a morena a sua frente desabar. -Você arrumou uma tia louca. -Disse ainda incerta de seus sentimentos, era tudo muito confuso dentro daquela casa, as afeições pareciam intensas demais, assim como os desafetos.

-Cara, desculpa, mas assim... Sabe? -Munik ainda tentava enxugar as lagrimas, mexia no cabelo nervosa e não sabia mais o que fazer. -Não tô aguentando... -Confessou.

-Estamos juntas, qualquer coisa: firme? Firme. -Ana percebeu que tinha de ser forte pelas duas naquele momento, mesmo tendo o coração despedaçado por ter de abandonar Munik. -Aqui é um mundo paralelo, lá fora estaremos juntas. 


 

Munik sorriu em meio as lembranças boas, mas as lágrimas se aumentaram e agora ela até soluçava. Por que tinha de ser tão difícil pra elas? Afinal, o que tinha de tão errado em uma relação entre duas mulheres? Elas sentiam o mais puro e verdadeiro amor, errado seria fugir desse sentimento. Ela não queria fugir, não queria abandonar Ana, mas estava naquele avião para dar o devido espaço que Ana precisava para se ajustar em sua carreira. Era triste ver como o preconceito podia influenciar de tal forma a sociedade.

-Moça? -Munik sentiu o braço ser tocado pela companheira de viagem que sentava ao seu lado. -Está tudo bem? -A morena sorriu sem humor, mas encarou a mulher que tentava puxar assunto. -Vejo que não, desculpe, eu só queria ajudar...

-Tudo bem. -Ela limpou algumas gotas perto dos olhos e tirou os fones do ouvido. -Por que o amor tem de ser tão complicado? -Ela perguntou começando a desabafar com uma estranha.

-Oh, querida existe tanta coisa que precisa acompanhar o amor pra fazer a gente feliz. -A mulher respondeu. -Não sei o que aconteceu, mas espero que se acerte com ele. 

-É ela. -A goiana foi sincera sorrindo ao se lembrar de Ana.

-Oh! -Esperou então uma reação de preconceito, pois geralmente é o que acontece. -Então que vocês duas encontrem um caminho de volta para esse amor. -Munik a olhou meio surpresa. -Você me parece uma boa moça, não deixe que o mundo exterior interfira no que você mais ama, porque o amor controla tudo.

-Obrigada. -Agradeceu ficando pensativa pelo que a senhora falou e permaneceu quieta até o resto da vigem.

Horas depois e Munik chegava a seu apartamento, carregando uma mala nas mãos e a saudade nas costas. Abriu a porta e de imediato viu um Buba correndo até ela, o pequeno cachorro pulava em suas pernas todo empolgado pela chegada da dona. Ela se agachou e o tomou em seus braços sorrindo ternamente pelo carinho do pequeno. Quando pode se soltar, verificou se havia água e comida para ele e estava tudo certo para seu cachorro. A moça que havia contratado para cuidar dele, então, continuava fazendo um bom trabalho. Desde que teve uma folga extensa e foi para Goiânia, aproveitar sua família e logo em seguida procurar Ana Paula em Belo horizonte, ela deixava seu animal de estimação por conta de uma menina que também cuidava de seu apartamento.

Apartamento esse que beirava a escuridão e solidão. Atravessou o ambiente e parou em frente a um dos presentes que havia ganhado de seus fãs, era um porta-retratos com a foto dela e de Ana. Pegou o objeto e tateou o rosto da mineira, suspirando de saudade. Tirou do bolso o aparelho já quase sem bateria e começou a digitar o número dela, mas mudou de ideia sentindo que Ana precisava de seu espaço. Esperaria um curto espaço de tempo até se comunicar com ela novamente, afinal não sabia se a loira ainda queria falar com ela. Só lhe restava torcer para que Ana estivesse bem.

***

Em Mina Gerais, um pequeno cachorro de raça Pug e cor preta, lambia o rosto de sua dona adormecida no sofá. Ela mexeu a cabeça tentando desviar do contato e ainda aproveitar o pouco do sono que restava, mas foi inútil, ele já a havia acordado.                     

-Haroldo, pare de interromper meus sonhos com o DiCaprio.  -Ela murmurou abrindo os olhos e dando de cara com o pequeno animal de estimação que agora virava a cabeça pro lado. -É claro que você não sabe quem é DiCaprio, é por isso que eu não nasci um cachorro. -Disse se sentando no sofá, já tendo o colo ocupado pelo pequeno. Passou as mãos pelo pêlo macio dele e bocejou olhando ao seu redor o restante de roupas e objetos pessoais que ocupava duas malas.

Luisa tinha chegado de sua viagem à Europa naquela madrugada, odiava deixar as malas ainda feitas então passou a desfaze-las a noite toda, mesmo cansada. O que resultou em pegar no sono deitada no sofá de mal jeito, proporcionando uma pequena dor no pescoço. Massageou a região enquanto o cachorro pulava para o chão e passava a latir perto de sua tigela de comida.

-Não sei como ainda não virou uma bolinha. -O cachorro respondeu somente com mais um latido e ela riu. -Já vou, já vou... -Se levantou pegando a ração e já depositando na vasilha.

O controle da televisão se encontrava na mesinha de centro, o apanhou a passar por ela e ligou o aparelho passando os canais até encontrar algum jornal ou qualquer coisa que lhe oferecesse notícias de seu país. Soltou um suspiro de alegria ao escutar palavras em português saindo do aparelho, havia ficado tanto tempo fora que não se lembrava a última coisa em português que ouviu em uma televisão. Percebeu que também precisava comer algo, já que a última refeição que fizera foi durante o voo, comida esta que não queria voltar a experimentar tão cedo.

Aumentou o volume da televisão e deixou o controle de volta à mesinha para em seguida caminhar até a cozinha. Bocejou mais uma vez abrindo a porta da geladeira e a vendo quase vazia por completo gemeu de decepção. Claro que está vazia, eu estava fora. Tateou os poucos produtos ali e encontrou um suco de caixinha ainda fechado e com a data de vaidade em dia, no rótulo dizia: "Suco Detox" e uma marca conhecida.

-Fazer o que, não é mesmo? -Bufou pegando o produto e já o despejando em um copo de vidro. Ali ela ainda escutava de longe o som da televisão, então guardou o restante do suco na geladeira quando uma notícia a chamou atenção.

Agora, mundo dos famosos. Pelo que parece a ex-BBB Ana Paula Renault tem dado mais o que falar fora da casa do que confinada! 

-Ana? -Luisa indagou sozinha correndo de volta a sala para escutar melhor e ver do que se tratava

A mineira ficou conhecida pela personalidade forte e excentricidade durante o programa, mas aqui fora ela está dando o que falar por outro motivo. Ao que parece Ana Paula foi fotografada aos beijos com sua antiga adversária e atual campeã do programa: Munik Nunes!

-Mas o que?! -Luisa gritou deixando o copo cair de sua mão, tão surpresa pela notícia quanto Haroldo pelo barulho do vidro se estilhaçando. -Não pode ser...

 

Continua...

 


Notas Finais


Ainda confiam na nossa Munik de WFT né? E o que acharam do capítulo? Queria escutar a opinião de vocês de novo, to viciada nisso ❤
E também queria chamar atenção aqui ao preconceito enorme ainda existente na sociedade de hoje. Quantos e quantos famosos vivem essa realidade de não poderem se assumir por enfrentarem problemas com a grande parcela preconceituosa de público, é triste e primitivo esse tipo de comportamento. Infelizmente ainda temos uma grande estrada pra trilhar até o amor ser visto como prioridade e o preconceito parar de ser visto como opinião, felizmente essa estrada já foi descoberta.
Beijo pra vocês e até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...