História We Fight Together - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Big Brother Brasil
Personagens Ana Paula Renault
Tags Ana Paula, Annik, Bbb, Munik
Exibições 119
Palavras 2.125
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá leitores(as)!
Como previsto minhas provas ocuparam todo meu tempo e meu stress, estou com uns dias de folga e estou os utilizando pra dar um up na fic. Ainda não voltarei a postar regularmente como antes, mas não estou medindo esforços para isso. Espero que ainda não tenham se esquecido de mim e de minhas humildes, mas sinceras palavras

Boa leitura!

Capítulo 31 - Capítulo 30 -Proposta



 

Ao passar pela caixa de som, a morena tampou um dos ouvidos e riu por fazer algum tempo que não presenciava festas tão agitadas, logo ela que estava acostumada a amanhecer acordada em celebrações diversas, hoje já preferia a companhia de uma certa mineira junto a um bom filme. Engraçado que nunca se vira como uma mulher caseira, mas com Ana Paula ao seu lado não fazia mais sentido se rodear de pessoas vazias em meio a músicas altas. Na verdade, nada mais parecia fazer o mesmo sentido de antes, nem mesmo como passou tanto tempo sem conhecer o amor da loira, o mais puro e entregue que conhecera na vida. 

-Não é possível que já acabaram com a vodka! -Laura disse enquanto vasculhava a grande caixa de isopor com gelo e garrafas de bebida. Elas haviam chegado a cozinha da grande casa, onde já não se ouvia o som tão alto e era um dos únicos cômodos vazios.  -Ah, encontrei. -Com um sorriso serviu dois pequenos copos, deixando um na bancada para Munik e já levando o outro até os lábios.

-Você estava mesmo falando sério quando disse: "beber alguma coisa". -Comentou segurando o copo e suspirando ao se sentar em frente à bancada.

-Desde quando você recusa bebida? -Perguntou se lembrando de todas as vezes que as duas se divertiram bebendo e se aventurando nas ruas de São Paulo.

Podia ser uma amizade recente, mas ainda sim muito próxima e no pouco tempo que passaram juntas aproveitaram para se divertir, mas Laura sempre pressentiu que aquele sorriso de Munik ainda não era o mais belo e espontâneo. Esse tipo de sorriso ela só viu na boca da morena quando a mesma participava do programa da Globo, na época que convivia 24 horas por dia com Ana Paula. Era nítido que as duas construíram uma ligação forte dentro daquela casa e mais nítido ainda que aquilo poderia facilmente passar de somente uma amizade, bastava apenas coragem e um primeiro passo. E isso elas haviam feito.

-Faz algum tempo que não bebo... -Franziu o cenho encarando a bebida. -Mas acho que hoje preciso. -Tomou então o gole de uma vez, sentindo a cabeça rodar de leve.

-Hey calma aí baixinha, faz tempo que bebe, mas não esqueceu que isso puro é forte né? -Munik riu e se serviu de mais uma dose.

-Sinceramente, preciso muito me afundar em alguma coisa forte. -Desabafou tomando parte da nova dose, dessa vez mais devagar.

-É sobre a notícia, não é? -Laura perguntou se sentando no banco ao lado da amiga e apoiando o braço na bancada.

-Se fosse só isso... -Comentou baixo como um suspiro, mas foi inevitável que Laura ouvisse.

-E o que tem mais nessa história? -Questionou curiosa, afinal essa era sua única opção de problema maior que afligia a amiga.

-Dois dias depois que voltei para o Rio, eu recebi uma proposta...

 

Sentada na mesa de jantar, com o celular em mãos e os cotovelos apoiados no vidro, Munik escutava o que seu empresário falava há mais de meia hora. No fundo ela só queria sair dali, se afundar em seu sofá e assistir alguma série que algum de seus fãs sugeriam aos montes em seu twitter, fãs estes que enlouqueceram depois da nota que saíra no jornal. Uma parte se vangloriava por sempre terem razão e ao mesmo tempo lamentavam por ter sido anunciado dessa forma, a outra ainda não sabia como se posicionar então especulavam ser mentira da mídia e aguardavam até que uma das duas falassem algo, já que ambas ainda não tinham dado uma resposta referente ao assunto.

O fato era que ela só queria se esconder, afinal assim como seus fãs tinham contato direto, os haters também tinham. Os mesmos não perdoavam até mesmo quando ela se vestia de uma forma que não os agradava, imagina ao sair uma nota confirmando seu namoro com Ana Paula? As mensagens de ódio se multiplicaram, trazendo uma conexão direta a homofobia. Munik tentava não ler e evitar pensar sobre isso, enfrentar toda aquela jaula de lobos sozinha era difícil demais, então com uma capa de covardia fingia não receber nada. Fingia não ser a dona daquele perfil e só queria ser aquela garota simples de Goiânia de novo.

-Você está vendo como tudo na sua vida virou uma loucura não é mesmo? -Escutou Sales que tinha alguns papéis nas mãos. -Se quiser continuar construindo sua carreira de atriz isso precisa acabar, nenhuma publicidade negativa é boa nesse momento. Tudo aquilo de "falem bem, mas falem de mim" é uma grande mentira, então precisamos anestesiar isso.

-Anestesiar? -Munik perguntou tocando no celular pra ver se tinha recebido alguma mensagem, mas não. -Vai direto ao ponto, Sales, estou cansada disso tudo!

-Sim, anestesiar! -Ele respondeu. -Eu vou ser direto então, para provar tudo que eu disse, tenho isso para você. -Deixou uma das folhas na mesa, apoiou os dedos nela e a deslizou pelo vidro até chegar em frente a sua cliente.

-O que é isso? -Ela questionou franzindo o cenho.

-É um contrato, para uma minissérie. -Munik arregalou os olhos ao escutar aquela frase.

-Minissérie? -Duvidou assustada e pegou o papel largando o celular. -Como pode isso? Eu dei uma pausa nas aulas de teatro e ainda não terminei o treinamento com a coach! -Ela deu uma pequena lida nas primeiras linhas do tal contrato e se surpreendeu mais ainda. -Ainda é um papel importante, como conseguiu isso para mim?

-Você lembra que fez um teste antes de viajar? -Ela concordou com a cabeça, ainda sem tirar os olhos do papel. -Então, eles gostaram muito do seu desempenho e resolveram investir em você de imediato. 

-Eu não acredito... Uma minissérie na Globo, de início... -Ela ainda estava tonta diante tal fato, aquilo parecia impossível. -Isso é maravilhoso, Sales!

-É uma oportunidade única que não pode ser desperdiçada! -Ele estava certo e Munik sabia disso, mas tudo parecia bom demais para ser verdade. -Mas tem um porém. -Ele disse com a voz menos entusiasmada e a morena tremeu ao sentir que aquela oportunidade poderia escapar de suas mãos. 

-Algo me diz que eu não vou gostar nada desse "porém". -Ela largou o papel e voltou a encarar o empresário, apenas esperando o que ele tinha a dizer. 

-Presumo que não. -Ele então limpou a garganta e continuou. -Pra você estar apta a aceitar essa proposta precisa tirar toda essa parte negativa da sua imagem que o público criou, como eu disse anteriormente: anestesiando. Para isso você precisa dar uma entrevista oficial onde estaria aceitando o papel, onde na mesma entrevista terá de negar todo e qualquer envolvimento amoroso que tivera com Ana Paula. Tanto no passado, quanto algum no futuro.

 

 

-O que? Negar tudo que teve com Ana? -Laura perguntou interrompendo a amiga. -Você não assinou isso né? 

-Claro que não! -Ela respondeu de imediato. -Não era nem se quer uma opção, mas Laura a Ana não me responde, não me da nenhum sinal que ainda quer ficar comigo. Que droga, viu! -Pegou o celular mais uma vez e lá não existia nenhuma chamada perdida, frustrada o jogou de qualquer jeito na bancada.

-E se esse for o tempo dela, Munik? -Laura a serviu mais uma vez e apoiou a cabeça em uma das mãos prestando mais atenção na amiga.

-Por quanto tempo ela vai me dar um gelo desses sem nem ao menos me dar um voto de confiança? Eu saí de lá procurando o bem dela! -A morena desabafou frustrada e tomando mais uma dose de uma só a vez.

No instante que soube das chances da mineira de finalmente conseguir algo concreto em sua carreira, Munik preferiu se ferir se afastando do que poder ficar e estragar parte da vida de Ana. Parte essa que ela estava tentando encontrar desde que percebera que necessitava de algum objetivo e entrando no BBB poderia encontrá-lo. Engraçado como a carreira das duas andava entrelaçada com sua relação amorosa, teoricamente isso não deveria interferir em nada, mas na prática o mundo real era trágico demais para sustentar esse paraíso utópico.

-Mas ela não sabe disso, então... 

-Não sabe e pelo visto não quer nem saber. Eu não sei se ela vai me dar oportunidade de falar e eu não posso parar minha vida e simplesmente esperar por alguma migalha dela. Essa é uma grande oportunidade e eu só vou descartá-la se tiver certeza que Ana ainda me quer ao seu lado.

No momento que soube de todos os detalhes da proposta tinha negado até o fim para Sales, mas o mesmo havia deixado o papel com todos os detalhes para ela estudá-lo. Aquilo só a deixava mais aflita e a cada minuto se via lendo e relendo aquelas palavras, principalmente quando ligava para a loira e a mesma não a atendia. Parecia que cada vez que era ignorada a vontade de aceitar aquela proposta se fazia presente e crescia, afinal odiava ser ignorada principalmente quando suas intenções eram as melhores. Porem em uma coisa Laura tinha razão, Ana não sabia de seus motivos e isso era um ponto importante, mas ainda existe outros pontos importantes como fato da loira não se quer dar uma chance para Munik se explicar e isso lhe partira o coração.

-Se me deixa opinar, eu acho que deve ter paciência antes de tomar uma decisão dessa. Eu sei o tanto que você a ama e não pode deixar esse amor passar dessa forma. -Laura também tinha problemas no amor e vivia tentando diferenciar o que ela e seu melhor amigo tinham, Munik até havia atiçado eles na internet os mostrando em vídeos e fotos como um verdadeiro casal que não se assume. Por essa razão sabia muito bem o significado da palavra "paciência", talvez até extrapolasse ao utilizá-la demais, porém na maioria das vezes concluía com sucesso seus objetivos.

-Eu não sei mais o que fazer... Essa chance tem prazo de validade, não posso ficar adiando minha decisão e o meu medo é acabar decidindo o pior. -Se referia a perder Ana, mas até chegou a duvidar se abrir mão de uma grande chance pra sua carreira e logo em seguida descobrir que já havia perdido Ana, não podia ser o pior.

-Então não faça isso, apenas espere o máximo que puder. 

-Certo, vou esperar até o último dia e se ela não me der apenas uma chance de me explicar, aceitarei a proposta. -Suspirou e encarou o celular a sua frente. -Só preciso de uma ligação...

A goiana se deu por satisfeita na sua decisão assim como a amiga, então finalizaram chocando devagar os pequenos copos um contra o outro como se brindassem. Laura disse um "aos amores" e Munik consertou brindando com um dizer diferente: "ao amor". Elas riram e tomaram as doses fortes. Com um metabolismo rápido demais a goiana sentiu uma necessidade de ir ao banheiro e depois de perguntar aonde ficava, tratou de ir até lá insistindo que estava bem o suficiente para chegar sozinha. 

Sabendo da teimosia da goiana, Laura somente concordou e tratou de se levantar e pegar uma garrafa de água. Tirou dois copos de vidro maiores e os serviu, não queria perder os sentidos com bebida essa noite então era melhor prevenir. Quando guardava a garrafa novamente na geladeira escutou um toque de música sertaneja invadir o cômodo, sabia que não era o próprio celular então seguiu o barulho até chegar na bancada e encontrar o aparelho que Munik havia esquecido ali. Nele aparecia "Princesa" e uma foto de Ana Paula sorrindo, automaticamente Laura sorriu também por finalmente Munik estar recebendo sua resposta. Como a morena não estava ali então nada fez, apenas o deixou tocar já que não queria interferir em nada, a amiga logo chegaria e atenderia tal ligação.

O que de fato não aconteceu, o telefone parou de chamar e nada de Munik aparecer. Laura começou a ficar preocupada então quando a chamada começou novamente ela agarrou o celular e tratou de andar pela casa a procura da amiga, mas nem conseguiu chegar ao corredor pela quantidade de gente em volta de algo que parecia um desafio idiota de gente bêbada. Se apertou entre as pessoas, mas mesmo assim não conseguia passar, em suas mãos sabia que o aparelho pararia de tocar então em um ato de desespero atendeu. 

-Alô, Ana Paula! -Ela disse meio sufocada, mas logo se livrou dos festeiros. -Aqui é a Laura, a Munik... –Tentou avisar, mas foi interrompida.

-Laura? -Escutou a voz da loira de longe e se lembrara da música alta.

-Sim, a Munik está no banheiro, mas... -Escutou um som característico de chamada perdida e franziu o cenho. -Ana Paula? -Chamou mais algumas vezes e percebera que ela havia desligado. -Droga!

Continua...


Notas Finais


O que fariam na pele da Munik com essa proposta hein?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...