História We (Me, you and he) Secret History Love Novel - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags A Cenourinha Lá, Alexy, Ambrega, Amor Doce, Armin, Castiel, Kentin, Kim, Lysandre, Nathaniel, Rosalya, Viollete
Exibições 13
Palavras 1.024
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Escolar, Esporte, Festa, Hentai, Lemon, Orange, Poesias, Romance e Novela, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Nesse capítulo, Manu encontra com seu primeiro amor no ônibus, junto de Viollete.

Capítulo 6 - Não queria que esse encontro acontecesse...


Fanfic / Fanfiction We (Me, you and he) Secret History Love Novel - Capítulo 6 - Não queria que esse encontro acontecesse...

Assim que ouvimos o diretor falando na caixa de som que todos os alunos ainda presentes na escola deviam ir para casa, eu e Viollete, que estávamos no porão entre beijos, fomos para o ponto de ônibus, mas eu tinha me esquecido de ver o horário do ônibus, e ficamos cerca de meia hora no ponto de ônibus esperando o Vila Nova Esperança para ir para o meu bairro, que fica a 40 minutos da escola. Enquanto isso, fomos conversando e nos conhecemos mais

-Então- Diz Viollete rompendo nosso silêncio- Fale-me mais sobre você

Ela apoiou os cotovelos nos joelhos e a cabeça nas mão e me olhou sorrindo

-Bom, não tenho muito o que falar... Mas se perguntar sobre algo específico, acredito que tenho...

-Vejamos... Relacionamentos, conte sobre suas experiências...

-Isso não é normal de ser perguntado pela sua ficante...

-Ah, não vejo problema, não tenho ciumes com passado

-OK, então... Eu não fiquei com mutas pessoas... Quando eu era pequena já sabia dessa minha queda, ou penhasco pelas meninas, mas como fui criada numa família católica e minha mãe dizia que achava feio meninas masculinas, eu fiquei no armário por muito tempo... Hoje ela sabe, mas ela finge que não, ignora isso, e sempre pergunta por meninos...

-Complicado... Sua mãe parece ser tão tranquila... Não parece ser esse tipo de pessoa que fala mal de bofinhas...

-Acontece, quem vê cara não vê coração...

-Por exemplo você, não é a coisa mais linda do mundo, mas é  um amor de pessoa...

-Babaca...

Rimos muito, bati de brincadeira nela, e continuamos conversando. Quando pegamos o ônibus, maldito horário... Minha ex, primeiro amor, primeira a transar, talvez eterno amor, ex melhor amiga estava lá, e só tinha um lugar vago adivinhe aonde? sim, do lado dela...

-Manuuuh!!

-Ah, oi Letícia...

-Que ânimo! O que faz por aqui? Eu estava indo te visitar!

-AAhh... que... Legal?-Olhei para a Viollete com cara de quem não entendia o que estava acontecendo...

-Quem é essa?

-Sou Viollete, prazer em conhecer, Letícia, né?

-Sim, pode me chamar de Lê, de onde se conhecem?

Começaram a conversar... droga...

-Bom, Manu se mudou para a minha escola esse ano, nos conhecemos e- ela pegou minha mão, cruzou nossos dedos e levantou mostrando claramente à Lê, como quem diz "she's mine now!", adorei!- estamos ficando...

-Ah... Entendi... Estão indo para a casa dela?

-Sim, vamos ver alguns filmes e eu vou dormir lá

-Ahm é melhor eu não atrapalhar então...- Ela levantou e ficou toda sem jeito, vermelha e de cabeça meio baixa- Bom, então não preciso ir... Su-Vio a interrompe

-Su?

-Não sabe que o nome dela é Emanuela Suellen Bittencourt?

-Só não sabia do Suellen

-Eu não gosto muito que me chamem de Su ou Suellen, por isso preferi não falar- Falei antes que mais alguém falasse algo

-Bom, Manu- disse Lê- Eu estava ido entregar o seu presente de aniversário que comprei em Tokyo, mas como vai estar ocupada, vou te entregar aqui mesmo...

Ela tirou de dentro da mochila uma caixinha vermelha, como se portasse anéis dentro dela, e estava envolta por um laço preto.

-Obrigada...

-Desculpe atraso, voltei de viajem só semana passada e não tive tempo de ir antes, seria até melhor ir antes do início das aulas...

Eu estou sentindo um confronto aqui, não tem um clima com muita paz... parece que a qualquer momento elas podem começar a soltar veneno uma pra outra e o veneno derreter o chão do ônibus

-Bom, não tem mais motivo para eu ir até lá... Vou saltar aqui, bye Manu. Até a próxima, Viollete...

Ela se despediu de mim sorrindo e ficou s´ria ao se despedir de Viollete. Quando desceu, ela ficou parada vendo o ônibus começar a andar e me observando pela janela, eu sentei e Vio do meu lado. Ela ficou só observando com cara de prazer a Vio emburrada... Tenho um problema...

-Vio... Ta tudo bem?

-De onde conhece ela?

-Ela era minha melhor amiga, foi meu primeiro amor, minha primeira, e para ser sincera, apesar de tudo o q ela já me fez, eu acredito que ainda gosto dela, mas não do mesmo jeito que antes... café requentado não tem o mesmo gosto...

-Nossa, que profundo... Aprendeu isso lambendo a profundidade da vagina dela, por acaso?

-Vio, que isso?!

-Ah.. Desculpa, eu disse q n tinha ciumes do passado e agora to sendo infantil...

-Ela fez isso pra te provocar meso, ela viu vc pegando minha mão, só faltou vc bater na cara dela com nossas mãos dadas...

-Bem que eu queria... Qualquer dia desses você vai me contar a sua história com ela?

-Talvez...

A viagem demorou mais que o esperado, pegamos o horário de pico das 6:30. devia ser só 40 minutos de viagem e foi umas hora e meia

-Manu do céu, vc mora no Acre em!

-Moro... infelizmente...

-Ontem n tinha fila!

-A gente tinha pego o ônibus das 5:30, então não tinha tanta fila... e esse faz a rota mais extensa

-tá... vou cochilar, ainda vai demorar, né?

-Acho que uns 20 minutos ainda...

-Ótimo!- ela colocou o quadril mais para frente no banco e apoiou a cabeça no meu ombro, pegou minha mão e colocou junto da mão dela sobre a sua coxa- Boa noite...

dormiu rápido...

Chegamos no ponto de ônibus, ela acordou, caminhamos uns 200 metros até chegar na minha casa, e eu percebo que esqueci as chaves no meu quarto. Por sorte, Graças à Deus a empregada estava saindo no mesmo momento, e ela tem as chaves

-Ah! Dona Ângela! Boa noite! Esqueci minhas chaves, abra para mim, por favor

-Boa noite, senhorita. Imediatamente

-Nossa, é sempre assim?-questionou Viollete

-Sim, eu sou educada com as empregadas, diferente da minha mãe, que não as trata muito bem. Ela é muito boa comigo, é gentil com meus amigos e amigas, mas se acha superior só porque teve uma grande carreira...

-Complicado

-Muito

Dona Ângela abriu o portão, a porta de casa, estava tudo limpo e impecável, como é de costume dela. Se despediu e foi embora

-Tá com fome?

-To, mas eu quero mesmo é comer você...

CONTINUA!


Notas Finais


Espero que tenham gostado ^-^
deixe sua opinião para ajudar a fazer a história ser melhor <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...