História Weird Nameless - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer, Dianna Agron, Joe Jonas, Jonas Brothers, Kevin Jonas, Megan Fox, Nick Jonas
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Dianna Agron, Joe Jonas, Kevin Jonas, Luke Hemmings, Megan Fox, Michael Clifford, Nick Jonas, Personagens Originais
Tags 5sos, Aceitacao, Amizade Colorida, Banda, Bandas, Busca Do Sucesso, Drama De Amizade, Drama Familiar, Fama, Rejeição, Traição, Trajetória, Weird Nameless
Visualizações 12
Palavras 13.463
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Festa, Ficção, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Pansexualidade, Self Inserction, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


#1yearWNparty
É tudo o que eu tenho a dizer.
Boa leitura!

Capítulo 8 - Goodbye Friday


Os amigos, Rick, Bruna e Marcelo estavam no bar já há alguns minutos, mas quem estava bebendo mais com certeza era Rick, logo, ele já estava meio alterado. Rick era o tipo de bêbado que quando bebia falava muito e às vezes não falava nada, além de ficar meio sem noção, de diversas formas. Ele tinha lá seus momentos. Mas afinal, quem não tem.

– Bruna, você acha que eu não reparei? – Rick falou com a voz alterada ao lado da ruiva. Marcelo estava do outro lado.

– Reparou o que? – Bruna perguntou sem interesse enquanto mal bebia da sua vodka com energético enquanto olhava as pessoas dançando.

– Você, oras.

Bruna segurou um suspiro e olhou para Rick.

– Do que você ta falando, seu bêbado?

– Eu não to bêbado! Nem comecei a beber ainda...

– Ah, tá bom, não me interessa também.

– Eu também reparei Rick. – Marcelo se intrometeu, o que antes só observava a discussão dos outros dois.

– Não é??? – Rick falou, balançando a cabeça.

Mas Bruna reagiu com indiferença. Não que ela não ligasse, ela só tinha muita preguiça de discutir. Principalmente com Rick, já que o garoto era invocado normalmente. Além de que ela estava um tanto irritada com todo mundo por vários motivos.

– Ei, Marcelo. Por que não convidou aqueles seus vizinhos hein? – Bruna tentou mudar de assunto pra pensar um pouco menos. – Eu disse que podia convidá-los, lembra? Principalmente o Joe.

– Ahn? Por que o Joe? – Marcelo perguntou olhando a garota.

– Porque o Nick me irrita. – Bruna respondeu e Rick deu uma risada. – Lembro que ele ficou o tempo todo encarando a gente cheio de ciúmes de você.

– Ele te quer tanto Marcelo... – Rick falou e riu depois.

– Ele sabe o quanto de amigos você tem pra ficar com a aura toda de “tira o olho do meu moreno”? Sério, ele estava sendo ridículo. Vocês nem tem nada, são só vizinhos... Imagina se vocês tivessem alguma coisa...

– Ia te colocar dentro de uma jaula com chave dupla pra nunca mais sair. – Rick terminou pela garota.

– Pelo menos acho que ele iria te alimentar. – Bruna fez um bico com uma cara pensativa. Não tenha dúvidas: ela estava realmente considerando a situação.

– Três vezes por dia. – Rick continuou o pensamento. – Todas as três com sobremesa, com certeza.

– Nos intervalos das refeições ele ia estar cheio de amor pra dar... – Bruna disse rindo um pouco.

– Leite, leite, leite, leite... – Rick cantarolou. Depois ele e Bruna se encararam e desataram a rir, bem alto. Marcelo balançava a cabeça, mas ria também.

– Vocês dois são loucos. Vocês dois sempre fazem esse tipo de piada suja. – Marcelo ria.

– Minha mente não é suja... – Rick falou.

– Minha mente é toda suja. Por isso que penso antes de falar.

– Você pensa antes de falar? Então por que você é grossa o tempo inteiro?! – Marcelo estava falando.

– Porque existem pessoas como você no mundo. – Bruna deu uma pausa, bebeu de seu copo e olhou para Marcelo. Ele estava se com uma cara fingida de magoado. Rick não estava nem aí.

– Ela é grossa naturalmente Marcelo. – Rick explicou sem vontade.

– Eu sei. – Marcelo voltou ao normal. – Isso me faz pensar porque sou amigo de vocês...

– Isso é provavelmente por causa da Tiffany. Nunca repararam que ela é meio o nosso elo? – Bruna falou.

– Isso é tão verdade... Uau. – Rick falou vagando em seus próprios pensamentos.

 – Mas você não respondeu a pergunta Marcelo. Por que não chamou eles? – Bruna retomou o assunto.

– Eu não sei... Acho que acabei esquecendo. – Marcelo respondeu. – Você faz muita questão? – o moreno de óculos levantou as sobrancelhas.

– Ahn, até parece. Só acho que o Joe é um cara engraçado. Ele é bom de fazer as pessoas rirem e se sentirem à vontade. Bom, pelo menos é o que eu pude ver da nossa primeira reunião.

– Eu não acho ele tão legal quanto vocês acham...

– Como assim? – Rick perguntou. – Por que ele é seu vizinho? – o moreno de piercing riu.

– Não... Bom, eu não posso dizer que o cara não é legal, porque ele é bem legal.

– Não to entendendo. – Bruna disse. – Você ta se contradizendo. Qual é o problema? Ele pegou alguma mina barra mino que era pra ser teu?

– Por que você às vezes começa a usar esses dialetos? De qualquer forma, não é nada disso.

– Deixa disso Marcelo. Conta logo.

– Ahn... Ta todo mundo cheio de segredinhos hoje, que saco. – Bruna murmurou.

– RÁ, é verdade! – Rick falou alto e riu igualmente alto. Estava provavelmente pensando em algo específico.

– Eu só acho ele meio mesquinho. Só isso. Nada demais. – Marcelo falou.

– Pensando bem, o Nick me irrita também. – Rick falou aleatoriamente. – Não quero ele no nosso círculo de amigos.

– Olha que interessante... Você falou círculo de amigos sem enrolar a língua Rick, parabéns. – Bruna implicou com Rick falando com sarcasmo.

– Eu já disse que estou perfeitamente bem.

Bruna e Marcelo tiveram que rir bem alto.

– Você acabou de dizer isso com seus olhos fechados. Além de balançar a cabeça. – Marcelo comentou enquanto Bruna ria. – Oh. Um dos caras que conhecemos hoje ta vindo. – Marcelo estava observando o garoto ir na direção do bar enquanto olhava o movimento.

– Qual deles? – Rick perguntou.

– O moreno de cabelo preto.

– Tá. Ta falando que seu gêmeo ta vindo aí Marcelo? – Bruna falou em tom de brincadeira, então ela e Rick riram juntos. Acho que agora ela estava começando a se afetar pela bebida. Quero dizer... HÃ?

– Mas ele não parece comigo. – Marcelo falou sério, mas Rick e Bruna só riram mais. – Acho que vou ter que beber mais pra ficar no mesmo nível em que vocês.

– Tá brincando Marcelo? – Rick riu. – Toda vez que a gente sai você é aquele cara que segura mais o copo do que leva na boca. – o garoto ficou rindo.

– Eu só não preciso de tanta bebida igual a vocês pra me divertir. – Marcelo retrucou.

– Hãn? O Rick só gosta de ficar bêbado. Sabe, meio louco e sem noção. – Bruna disse despreocupada. Rick fez sinal de paz e amor. Marcelo riu.

– Faz sentido. Mas e você?

– Não bebo pra me divertir. – a garota respondeu indiferente e fazendo careta.

– Ah, então você bebe pra divertir os outros? – o trio ouviu uma voz ao lado. Era o moreno de cabelos pretos que Marcelo dissera estar vindo uns minutos atrás. Ele havia ficado ao lado de Bruna.

Aparentemente, ele estava do outro lado do bar antes, mas agora estava ali ao lado deles com uma lata de Red Bull na mão.

– Porque pela sexta-feira passada pareceu isso. – o recém-chegado deu um sorriso sarcástico.

– EU QUERO SABER O QUE ACONTECEU NESSA TAL SEXTA-FEIRA! – Rick falou bem alto. – Calum?

– É.

– A gente ta morrendo de curiosidade pra saber o que aconteceu. – Rick falou. – Eu não lembro de muita coisa também.

– Mas que droga, Rick. Cala essa boca. – Bruna reclamou.

– Não Bruna! Estou esperando há muito tempo! TODO MUNDO TÁ! Então cala a boca você.

– Eu também quero saber. Tudo que eu sei é que vocês invadiram meu apartamento depois disso. – Marcelo disse e Calum riu.

– Os caras estavam querendo manter segredo por causa de uma certa coisa que aconteceu, mas eu acho besteira, então vou contar.

– Finalmente!!

– Bom... Quando a gente chegou na boate a gente não viu vocês todos. Só tava a baixinha e essa aqui na parte de baixo, que era aonde a gente ficou.

– A baixinha é a Thames. – Marcelo esclareceu. – Só pode ser ela.

– Isso. Bem, a gente viu a Thames tentando pegar o celular da mão da ruiva-

– Tem como você não falar como se eu não estivesse aqui, por favor? – Bruna pediu com um certo desdém ao rapaz, mas ele não se abalou nem um pouco.

– Claro. Mas isso quer dizer que você quer saber também, não é? – Calum deu um sorrisinho.

– É claro que ela quer. – Rick disse e todos os garotos riram.

– Conta logo... – Bruna colocou a mão na testa.

– Beleza. – Calum começou novamente. – Então, a Thames tava tentando pegar o celular da mão da- quero dizer, da sua mão. – agora Calum olhava para Bruna. – Mas você não estava deixando e ficava fazendo hora com ela. A gente ficou rindo de vocês por um tempo, até que a Thames conseguiu pegar o celular, mas no fim das contas acabou te devolvendo.

– Acho que foi nesse momento que ela colocou a senha... Né Rick? – Bruna olhou o garoto que balançou a cabeça. Marcelo riu pela condição dos amigos ao seu lado, mas Calum continuou.

– Depois que ela te devolveu o celular, ela fez você ir em algum lugar. Provavelmente o banheiro... Quando vocês voltaram, você tava fazendo pirraça pra não subir, – Marcelo e Rick riram. – então ela te deixou lá embaixo mesmo. Daí você bebeu um copo de vodka inteiro sozinha, então...

– Então? – os outros três perguntaram ao mesmo tempo em diferentes tons.

– Tava tentando achar uma palavra melhor que “louca” pra descrever como você ficou depois. Mas... É, foi bem isso... Ficou dançando, subiu e desceu várias vezes as escadas, coisa que ninguém ainda entende como você conseguiu, mas o tempo só fez você ficar mais... Fora de si. Teve um momento que ficamos distraídos, então de repente você chegou perto do grupo e começou a falar com a gente... – Calum olhou para o outro lado por um tempo parecendo pensar, depois olhou pra todos novamente. – Você perguntou nossos nomes, o que a gente fazia, perguntou várias coisas aleatórias do tipo o que a gente pensava que era o sentido da vida, se tínhamos preconceito com rosa e tal... Coisas aleatórias, mas filosóficas.

– Bruna, você tava muito loca.

– Cala a boca Rick... – a ruiva reclamou com a cabeça baixa com o cabelo cobrindo o rosto.

– Mas esse nem foi o ponto alto da noite.

– Uhul, tem mais?

– Tem sim. Então, a gente encontrou uma conhecida nossa, meio que colega de ensino médio, sabe? Mas ela era amiga de um rolo do meu colega de banda, Michael. E foi quando você... – Calum deu uma pausa e fitou Bruna por uns segundos.

– Pelo amor de Deus... Eu não beijei a garota, né...?

Calum deu uma risada.

– Hum, antes fosse. Você sentou do lado do Michael e o beijou.

Marcelo e Rick começaram a rir sem parar. Já Bruna ficou silenciosa, tentando se fazer acreditar mentalmente que não tinha feito nada daquilo.

Enquanto os garotos riam, cada vez mais alto e mais intensamente, Calum continuou.

– E não foi um beijo qualquer, foi aqueles de cinema, com língua e tudo... – Calum parou um pouco pra ver a reação da garota, que estava com a mão na testa com uma cara impassível, mas ainda assim meio desacreditada e meio preocupada.

– Por que... Diabos... Eu fiz isso? – Bruna olhou para Calum. O de cabelos pretos sorriu.

– Você disse que era pra contar pra namorada do Mike e mostrar que tipo de cara ele era. – Calum riu. – A garota ficou tão surpresa que saiu de lá com pressa.

Bruna ficou encarando Calum.

– Isso é sério? Você não tá mentindo? – a ruiva perguntou. As risadas de Rick e Marcelo estavam atrás da conversa.

– Claro que não. Tudo isso é bem sério. Aliás, isso que você fez deu até uma DR na nossa banda.

– O que aconteceu?!

– A história é longa. Mais longa que essa... Não é diretamente ligado a você... Na verdade. – Calum refletiu uns segundos, depois olhou pra garota novamente. – Bom, depois disso o Mike ficou morrendo de vergonha e se sentindo muito culpado, já que ele te... Beijou de volta. Foi muito engraçado porque você não tava dando a mínima pra reação dele, rimos muito. Depois você entregou seu celular pra ele e disse “toma aqui pra se lembrarem de mim, vou ali”, ou algo parecido e saiu. Acho que nunca ri tão alto na minha vida... Você sumiu por um tempo, mas acabou aparecendo na nossa visão depois mexendo com um outro grupo, mas os caras eram um tanto... Questionáveis. A gente se sentiu responsável sabendo como você tava, então mesmo o Mike morrendo de vergonha te ajudou. Ele perguntou aonde tava sua amiga e quando você disse o Luke e o Ashton foram ajudar o resto de vocês. Chamamos um táxi e colocamos vocês dentro. Fim da noite. Ah, mas ainda teve o telefonema de vocês no outro dia...

– Por que você não ajudou a gente? – Rick perguntou mexendo a cabeça e levantando uma sobrancelha para Calum.

– Eu... – Calum fitou o balcão mordendo os lábios. – Não tava a fim. – ele disse e tomou um longo gole do energético.

– O QUEEE?

– E você se acha um SER HUMANO?!

– Não é como se ele tivesse obrigação também. – Bruna disse e Marcelo e Rick a encararam.

– POR QUE VOCÊ TA APOIANDO ELE?

– Cala essa boca Rick. – Bruna disse empurrando o rosto de Rick. – Você ta chamando mais atenção que o necessário...

– Cala a boca você... Eu faço o que eu quiser, me deixa... Por que tá apoiando ele?!!

– Não to apoiando ele. Para de drama.

– Eu sei o que tá acontecendo aqui... – Marcelo falou sobressalente e todos olharam pra ele.

– Legal. Pelo menos alguém sabe. – Calum comentou baixinho e sem vontade.

– Rick... Ela ta apoiando ele porque ela faria igual! – Marcelo esclareceu. Rick fez cara de surpresa. – Ela também iria ser a toda indiferente se algum de nós ficássemos como ela ficou.

– Na verdade... A Bruna responde isso até pra responder porquê ela não fez uma prova... – Rick fez uma cara de entendido, como se tivesse acabado de juntar todas as peças de um quebra-cabeça.

– Você não sabe disso Bruna, mas você é bem direta quando você tá bêbada. – Marcelo comentou.

Bruna tinha se desligado da conversa algumas falas atrás, mas ao ouvir aquilo quase engasgou com a vodka e levantou a cabeça.

– O que você quer dizer com isso? – Bruna estava dando aquele olhar de assassina para Marcelo. Mas até o moreno de topete estava afetado pela bebida, então por enquanto, ele estava insensível àquilo.

Pois é, quando a conversa fluía, Marcelo bebia. Viu, deu até rima. Quem diria.

Marcelo deu de ombros. Duas vezes.

Rick olhou pra ele.

– Também não to entendendo. – Rick falou. Estava tão sério que era quase engraçado. É “quase” porque nenhum deles estava rindo. Rick olhou pra Bruna. – Bruna... Você devia saber que o Marcelo... O Marcelo faz parte do grupo Bruna! Ele não pode!

Dessa vez foi Marcelo que quase engasgou com a bebida.

Bruna deu uma cotovelada forte em Rick.

– VOCÊ TÁ BÊBADO! CALA A PORRA DESSA BOCA!

– EU SEI QUE SOU INCRÍVEL E MARAVILHOSO, MAS AÍ JÁ É DEMAIS!! – Marcelo falava. – NÃO FORÇA A BARRA TAMBÉM NÉ?!

Calum estava rindo baixo da conversa.

– O que queriam que eu pensasse? Marcelo, você tem que explicar as coisas!!

– O Rick tem razão Marcelo. Você não é tão bom em fazer mistério... Você é bom em drama.

– Ela tem razão. Isso não é deixar as pessoas curiosas, é deixar elas pensando em possibilidades nada a ver. – Calum estava se intrometendo.

Marcelo deu um longo suspiro.

– Vocês entenderam errado... TUDO ERRADO.

– Joga as cartas na mesa Marcelo... Mas com cuidado, senão vai cair pra fora do jogo. De novo. – Rick falou.

– Eu quis dizer... Que a Bruna é mais indireta quando ela está sã. Usando sarcasmo e sendo rude... Quando ela tá bêbada é como se ela ficasse alegre ou sei lá. Não sei bem.

– Essa é a sua explicação? – Bruna perguntou debochada. – Depois vocês me perguntam como a minha cabeça funciona... – Calum e Rick riram. – Se é assim, me diz... Eu tô bêbada ou não?

Marcelo encarou Bruna.

– Você tá.

– Só pra sua informação, eu fui sarcástica. Era uma pergunta retórica.

Calum estava rindo a ponto de ter de se segurar, já Rick não se segurava nem um pouco.

– Cadê a Tiffany? Estou meio que te odiando agora. – Marcelo falou olhando em volta.

– Hum, como isso ficou desse jeito... AH, foi culpa do Rick.

– Culpa minha? Marcelo que confunde tudo e a culpa é minha?!

– A culpa é da Bruna! Ela é a que fica louca quando tá bêbada!

– E você, que nem bêbado fica... Tadinho do Marcelo. Tenho dó dele. Vamos fazer “awn” juntos Rick, talvez ele fique com tanta raiva que finalmente beba do copo dele.

– Você fez a banda do cara ter uma DR por causa da sua embriaguez Bruna.

– Sim, eu sou tão especial e você é tão rico.

– O que isso tem a ver?!

– Não sei. Só me incomoda o fato de você ser rico.

– Sabe o que me incomoda? Ter levado refri na cara de uma pessoa que estou a fim há mais de um ano. Foi como levar um fora antecipado.

Bruna e Marcelo riram, finalmente. Eles não estavam tão bêbados, mas também não estavam tão sãos a ponto de consolarem o amigo.

– Como assim? – Calum perguntou ao grupo, um tanto curioso.

– O crush do Rick é um estabanado e deixou cair quinhentos ml de refri nele. – Marcelo respondeu rindo.

– E assim ele descobriu que eu existo.

Calum segurou a risada.

– Tá difícil escolher o pior de vocês. – Calum falou rindo.

– Isso foi meio rude. – Marcelo falou. – Mas com certeza, é a Bruna. Sem dúvidas.

– Eu concordo. – Rick disse. – Aposto que a Tiffany e a Thames vão dizer a mesma coisa.

Marcelo, Rick e Calum riam, enquanto Bruna ficava quieta. Ela já estava de saco cheio de todo mundo falando dela o tempo inteiro. Então, ela pensou que fez uma boa ação a ela mesma – e a todos, de certa forma – quando decidiu que não beberia mais aquela noite, largando o copo vazio no balcão do bar.

 

Depois das saudações com direito a beijos e abraços da Dianna com tanto as garotas quanto com os meninos, o grupo que incluía Tiffany, Thamires, Luke, Michael e Dianna foi em direção aonde encontraram Luke e Calum antes, pensando nos amigos que se separaram do grupo para beber no bar, mas também em Ashton, que ainda estava sumido.

– Então Dianna... E o seu irmão, não gosta de shows? – Thames perguntou enquanto andavam em meio as pessoas.

– Ah... Quase arrastei ele pra fora do apartamento, mas... Hum, acho que ele ainda está com vergonha. Ele disse que tinha estudos pra por em dia... Mas foi obviamente uma desculpa. Em fim, ele é tímido.

– Hum... Então pelo jeito vai demorar, já que o Rick também é tímido em relação a essas coisas... – Thames comentou desligada. – Pelo menos quando ele tá mesmo gostando de alguém.

– Thamires! – Tiffany a repreendeu virando pra trás para olhar Thamires.

– O que? Aposto que a Dianna também percebeu que o Rick tá babando por ele.

– Não é motivo pra falar aos quatro ventos!

Dianna riu.

– Relaxa, eu já sabia. E os quatro ventos também devem saber. – Dianna riu e Thames riu com ela.

– Já gostei de você! Tiffany, a Dianna tem razão total. Tipo, é bem óbvio quando a gente ta junto do Rick que ele tá a fim do Victor. – Thames falava. Os garotos que apenas ouviam a conversa riram e Tiffany rolou os olhos. – Ele bem que se controla, mas nem tanto assim.

– Vocês chamam meu irmão de Victor? – Dianna perguntou. – Que estranho. Pensei que iria ouvir vocês falando “irmão da Dianna” mais algumas vezes.

– Dianna, nós conhecemos o Victor muito antes de conhecer você... – Thames falava. – O Rick ta a fim dele faz mais de um ano. Ou algo assim. Não é Tiffany?

– Mas então... – Dianna começou. – Ele nunca falou com meu irmão todo esse tempo...? Uau. Ele é bem forte. Eu não aguentaria...

– A gente sabe. – Thamires e Tiffany responderam ao mesmo tempo. Dianna olhou para as duas surpresa, então olhou para Tiffany.

Enquanto Thamires ria, Tiffany pensava numa forma de responder.

– Eu só contei que quando nos conhecemos você foi bem direta com a Bruna! Só isso! – Tiffany tentou se explicar rapidamente. – Ainda mais que... Nós não sabíamos que íamos te ver de novo.

– ESPERA AÍ. – Luke que estava à frente das garotas falou, então parou e se virou fitando-as. – Você tá a fim da ruiva?! Bateu com a cabeça?

– Mais ou menos. – Dianna fez uma careta.

– Aquela garota é o demônio. Acreditam que o Ashton tá morrendo de medo dela? – ele falou isso olhando para Tiffany e Thamires que deram uma risada, com a última concordando com a cabeça. – Ah, mas você também. Né Michael? – o louro estava dando um sorriso debochado para o amigo ao seu lado. Michael olhou para Luke, mas não aguentou encarar o amigo. Os olhos azuis claros de Luke podiam ser um grande charme para as garotas, mas como um dos melhores amigos do louro, aquilo era muito mais que assustador.

– Pressinto uma piada interna... Bem aqui – Thamires fez gestos – nesse meio.

– Você é tão babaca, Luke. – Michael reclamou e olhou as garotas finalmente. – Não foi nada. – o de cabelo verde disse isso tentando fazer que realmente não fora nada. Mas ele não convenceu ninguém, é claro.

– Espera, espera, espera... Isso tem a ver com a sexta passada????

– O que aconteceu sexta passada? – Dianna perguntou.

– Não sabemos! – Thamires falou. – É o que estamos tentando descobrir!

Luke começou a rir. Bem alto.

– Estamos tentando fazer ele falar, mas tá difícil. – Tiffany respondeu.

– Qual é! – Luke disse rindo. Pouco depois ele se recompôs. – Ok, vou falar.

Mas Michael deu uma bela cotovelada na costela do louro que o fez tossir.

Você não ouse! – Mike falou, olhando sério para Luke. O louro olhou pra ele com uma careta, mas depois não olhou mais porque começou olhar através de Michael. – Cara, o que foi? Sua cara tá me assustando. – mas Luke não disse nada, apenas mexeu o queixo para frente junto com suas sobrancelhas louras.

Michael olhou pro chão aflito, com medo de que fosse o que ele estava querendo não pensar.

– Cara... – Luke falou. – Foge.

Então as garotas tentaram olhar, pra ver onde Luke estava olhando.

– Pra quê... Pra você ficar me culpando mais?

– O que ela ta fazendo aqui...? ESSA MINA É LOUCA? – Luke ainda olhava.

– Quem gente?! – Thamires que era a mais baixa tinha mais dificuldades do que os outros. – Quem é??

– Ah... Tem uma garota parada ali. Uma de cabelo escuro. Parece zangada. – Dianna respondeu a Thamires. – Ela tá olhando em volta... Ih! Olhou pra cá!

Luke e as garotas viraram a cara na hora.

E é assim que você age normalmente em momentos como esses. Só que não.

– Cara... CARA! O que você falou naquele telefonema com ela? – de repente, Luke estava sussurrando.

– Ela disse que já tinha ouvido tudo e que ia vir pra cá. – Michael também sussurrava. Mas porque ele estavam fazendo isso... Acho que os garotos pensavam que a tal garota conseguia ouvir de lá longe. – Eu não imaginava que ela realmente iria vir!! – Michael não ousou se virar. – Tudo que eu queria dessa noite era me divertir com meus amigos, tocar com a minha banda, voltar pra casa e jogar Mario Kart até cair no sono! – Michael choramingou.

Luke olhou para o trio de garotas a sua frente.

– A Bruna pegou o Michael na boate. E agora, o rolo dele veio aqui tirar satisfação. – Luke explicou rápido.

– COMO É QUE É??! – Tiffany e Thames disseram juntas.

– A verdade é que ela é namorada dele. Não, ex. Nem sei mais. Michael, uma ajuda aqui?

– Por que você ta contando pra elas?! – Michael perguntou agarrando a camisa do amigo e puxando, mas soltou. – Esquece. Você tava certo Luke. Isso realmente atrasa a gente, a nossa banda. Eu já deveria ter resolvido isso há muito tempo.

– Essa é sua chance. Ela ta vindo pra cá.

Todos, incluindo Michael, observaram a garota ir em direção a eles.

– Tem tanta coisa acontecendo na minha cabeça agora... – Thames estava falando. – Não sei no que me concentro.

Dianna ficou estranhamente calada. Tiffany olhou para ela e a observou, mas ao notar os olhos de Tiffany sobre si, Dianna forçou um meio sorriso.

Tiffany pensou por um momento que era provavelmente por causa do que acabaram de ouvir sobre Bruna, então fez uma nota mental para dizer a loura mais tarde pra não se preocupar com isso, já que Bruna, não só ela, mas todos do quarteto – mal se lembravam daquela noite.

Depois de pensar nisso, Tiffany perguntou a si mesma se Dianna estava realmente interessada em Bruna. Afinal, elas não tinham conversado tanto antes e nem foi uma conversa tão agradável assim. Por parte da Bruna é claro.

Mas Tiffany teria que se importar com isso depois, já que a tal namorada barra ex barra rolo barra sei lá o que de Michael chegou perto deles e ficou olhando diretamente para as garotas com ar superior.

– Então Mike, é uma dessas aqui? – a garota de cabelos escuros que Dianna falou ainda há pouco estava falando. Luke estava fazendo uma cara debochada. Thames fez um bico também debochado enquanto olhava para a garota que acabara de chegar ao grupo. – Fiquei sabendo que ela é ruiva, então não deve ser nenhuma dessas aqui. – ela falou olhando as garotas de cima a baixo. – Até porque você não curte louras, né? – ela disse isso olhando pra Tiffany e Dianna.

Dianna e Tiffany fizeram caretas com a sobrancelha.

– Ah, mas minha amiga aqui não é loura querida. – Thames sorria com deboche. – Essa aqui – Thames encostou no ombro de Dianna – é louríssima verdadeira, mas a Tiff só deu a louca um dia e ficou metade loura. Ela tem o cabelo mais escuro que você. – Thames terminou.

– Mike também não gosta de baixinhas. – a garota falou diretamente para Thames e estava dando um sorrisinho que estava começando a irritar.

– Pois você fique sabendo, que ela pode ser baixinha, mas tem uma personalidade maior e melhor do que todo mundo desse lugar junto! – Tiffany perdeu as estribeiras até dando um passo a frente, mas Dianna a puxou de volta.

– Ok, chega.

Michael com certeza e sem sombra de dúvidas estava além de aflito, com medo da aparição da garota há uns minutos atrás, mas agora ele parecia impaciente e até um pouco incomodado por ter ela ali perto dele.

– Trish, dá pra você não falar assim com meus amigos?

– Não to falando assim com ninguém. Tô falando assim com você. – a garota respondeu e Mike balançou a cabeça.

– Vem cá, vamos falar em outro lugar... – Michael foi pegar o braço de Trish, mas a garota desviou e o encarou.

– Ta de brincadeira comigo Michael? Eu quero saber quem é essa garota! Ela tá aqui?! – a de cabelos escuros falava um pouco alto demais.

– Para com isso. Não faz diferença quem ela é.

– Claro que faz!!

– Trish, eu avisei! Eu terminei com você!

– Mas eu ainda não aceitei isso. Não tem como você decidir isso sozinho!

– Duas vezes, Trish. Eu terminei com você duas vezes. Na primeira você não aceitou e tentamos nos reconciliar, mas na segunda eu deixei claro que não queria mais nada porque nada tinha mudado e você ficou insistindo... – Michael manteve sua compostura enquanto falava, sem mudar seu tom de voz. – E ainda deu problemas pras pessoas a minha volta...

– Eles se intrometeram!

– Você foi na página do Facebook da banda pra fazer confusão! Você que colocou todo mundo no meio e não o contrário! – Michael agora falava alto. – Você envolveu meus colegas de banda, nossos fãs, nossos amigos...

– Você causou isso! Você me disse que sua banda era mais importante que a mim!

– Não dá nem pra perceber o porquê... – Dianna sussurrou para si mesma, mas Tiffany e Thamires ouviram e seguraram o riso.

– Eu queria seguir minha carreira a sério e você disse que entendia!

– Caralho. – as garotas e Luke ouviram a voz chegar ao lado deles. – O que essa maluca tá fazendo aqui Luke? – Calum perguntou sussurrando e rindo ao mesmo tempo para o amigo. Seu hálito cheirava a vodka.

– Merda Calum, você bebeu? – Luke fez careta. A briga entre Michael e sua aparentemente ex, Trish continuava atrás da conversa.

– Só um pouco. Seus amigos me forçaram. – Calum falou olhando para Tiff e Thames, então apontou com o queixo Bruna e Rick vindo logo atrás, porém Marcelo não estava com eles. – Oh, quem é você? – ele perguntou para Dianna. Calum estava com uma lata de energético. Já era sua terceira ou quarta da noite, então apesar de ter bebido e acabar ficando um pouco alterado, ele também estava agitado, de modo que sua voz parecia animada. Luke pensava que aquele nível de animação na voz de Calum era quase engraçado. Ok, na verdade era bem engraçado, mas Luke não conseguia ver tanta graça já que Michael e a imbecil da Trish não paravam de discutir perto deles. – Eu pensei que Michael ia resolver essa parada de uma vez por todas, mas parece que ficou pior...

– Não me diga. – Luke respondeu ao moreno. – Ela saiu da nossa cidade pra fazer show aqui. Será que ela quer acompanhar nossos passos?

– Gente, o que tá acontecendo aqui? – Rick perguntou quando chegou perto de todos.

– Ah, merda! – Luke sussurrou. – Calum, me ajuda a esconder a Bruna!

– Me esconder pra que?

– AH! É ela! – a tal Trish quase derrubou todo mundo do grupo enquanto passava, até chegar a garota ruiva do grupo. – Você é a garota que beijou o Michael na sexta passada não foi?!

– Aparentemente sim. – Bruna respondeu sem vontade. – Quem quer saber?

Eu quero! A namorada dele! Trish!

Bruna encarou a garota.

– Hum. – Bruna disse levantando as sobrancelhas. Estava se segurando pra não bocejar na frente da garota. Quero dizer, a tal Trish tava obviamente nervosa com isso e Bruna até conseguia ver fundamento naquilo. Ela não sabia o que estava acontecendo, mas aparentemente a garota tinha vindo tirar satisfação. O problema é que Bruna não lembrava de nada, então era provavelmente uma causa perdida e um show desnecessário. – E o que você quer? Se você que saber “exatamente o que aconteceu” ou “por que eu beijei uma pessoa que tem namorado”... Sinceramente, não tenho nenhuma dessas respostas pra você. – Bruna dizia irônica. – Eu não tava ciente do que tava acontecendo. E nem do que tá acontecendo agora, pra falar a verdade...

Os amigos de Bruna riram, enquanto os garotos estavam sem reação. Eles simplesmente não sabiam como reagir.

– Então seja lá o que você estiver querendo de mim, tu não vai conseguir. – Bruna terminou.

Então ficou um silêncio totalmente incômodo enquanto Bruna e Trish se encaravam.

– E nem de mim. – o grupo ouviu Michael dizer e olhou pra ele. Michael andou até Trish. – Pela última vez Trish... Nós terminamos. Não vai dar certo... Nunca deu e nem nunca vai dar.

Trish ficou olhando para Michael.

– Mas eu não posso aceitar Mike. Eu não consigo!

– Então arruma um jeito de conseguir.

Luke não conseguiu segurar um sorriso de seus lábios. Ele não conseguia segurar o orgulho que sentia de seu melhor amigo naquele momento.

A garota abaixou a cabeça um pouco depois e começou a chorar.

– Isso não é bom pra mim e nem pra você. Entende isso.

Trish não disse nada, só chorava. Depois ela enxugou as próprias lágrimas e com sua maquiagem já toda borrada, ela olhou para Michael por um tempo e saiu continuando a chorar, sem dizer mais nada.

Todos observaram ela sumir na multidão.

Michael deu um passo, mas Calum o segurou pelo braço.

– Deixa. – Calum falou sério para Michael.

– Mas ela veio sozinha e tá tarde...

– Não importa. – o moreno de cabelos muito pretos respondeu. – Se fizer isso vai dar motivos pra ela.

– Nossa. – Luke suspirou. – Sei que está cedo pra dizer, mas... AMÉM! – Calum olhou para Luke. – O que? Alguém tem que comemorar!

– Na verdade, eu também estou aliviado. – Michael disse e sorriu para os amigos, então eles sorriram de volta. Então Michael olhou o celular. – Nossa, tá quase na nossa hora de apresentar. Cadê o Ashton?!

– Aquele idiota ainda não apareceu aqui? Já rolou tanta coisa e ele não apareceu AINDA??! – Calum perguntou. Michael deu de ombros. – Depois vocês dois ficam falando que eu implico com ele.

– Mas cara, você implica com ele. – Mike falou.

– Não mais do que o necessário. – Calum deu de ombros.

Muito mais do que o necessário. – Michael pontuou. – Você nunca deixa ele em paz. Você é pior que o Luke. E olha que o Luke é bem chato.

– É cara. Nessa até eu tenho que concordar. – Luke falou. – Pera, mas eu não sou chato!

– Pouco não. – Calum e Michael disseram ao mesmo tempo.

– Foda-se vai. Vamos procurar por ele. De novo.

– Ah, vocês podem ajudar a gente? – Michael pediu, olhando para o grupo.

– Na verdade, esquecemos de alguém também. – Thames começou. – Cadê o Marcelo? Bruna, Rick?

 – Ah, a gente tava conversando no bar, daí um cara começou a paquerar ele e então ele deve tá pegando o cara agora... Mas ele disse que qualquer coisa é só ligar no celular que ele atende. – Bruna explicou.

– Uau, o amigo de vocês é rápido.

– Você nem faz ideia. – Tiffany respondeu a Luke. – O óculos dele engana.

– Então, pra onde a gente vai? – Rick perguntou.

– Na verdade, – Dianna pegou o braço de Tiffany e Rick – vocês dois vem comigo. Daqui a pouco a gente encontra vocês perto do palco, pode ser?

– Ah... Tudo bem.

– Ei! E eu? Por que vou ficar de fora? – Thames questionou.

– Desculpa, Thames! – Dianna saiu, levando os outros dois. – Não ache que eu esqueci de você Bruna! – Dianna deu um piscadela de longe.

– Ela parece que gosta de você. – Michael falou e olhou para Bruna. – Ah, ahn... Me desculpe por acabar te envolvendo naquela coisa toda... Eu sei que a culpa não é sua.

– É claro que não. – Bruna respondeu. – Eu não to a par de toda a situação, mas é óbvio que sua ex tem problemas.

Luke e Thames riram.

– Ok, vamos procurar o Ashton agora, não temos muito tempo. – Calum disse enquanto olhava o celular.

– Beleza. Quero ficar no time da Thames. – Luke falou.

– Que droga é essa time?

– É verdade, Luke! Nós somos em cinco, não dá pra dividir um de nós ao meio. – Mike falou.

– Tem certeza? Já tentou dividir o Calum?

– Ou pode ser a Bruna também.

– Ah... – Calum grunhiu. – Eu vou com vocês então, já que o Luke gosta tanto da minha companhia. Vambora.

Logo, Thames, Calum e Luke saíram numa direção, deixando ali apenas Michael e Bruna.

– Acho que vamos pro outro lado então. – Bruna falou e os dois começaram a andar, procurando por Ashton.

O de cabelo verde olhou para a ruiva. Não tinha nenhum traço de desconforto no rosto dela. E de certa forma, parecia muito difícil falar alguma coisa com ela, seja lá o que fosse.

– Eu queria te pedir desculpas. – Mike disse então Bruna olhou para ele. – Sabe... Por não ter recusado você enquanto você estava bêbada... Eu não sou esse tipo de cara. Eu juro.

Bruna o observou por um tempo.

– Tá tudo bem. – a garota respondeu. – Aquele dia começou ruim pra mim. Eu acho que só queria esquecer de tudo, sabe. E eu realmente esqueci. – Bruna deu um sorriso forçado para Michael que devolveu com um riso. – Bom, em parte. Aquilo que eu queria esquecer mesmo acabei lembrando logo depois da ressaca... Sei que a culpa da situação que você tava a pouco não era minha, mas eu meio que te envolvi nos meus assuntos também, mesmo que sem querer, então... É. É isso.

Michael sorriu. Não era bem um pedido de desculpas, mas ele aceitava. Pelo menos ela parecia que tinha se importado... Um pouco.

– Tudo bem... – Michael respondeu. – Mas o que era aquilo que você não esqueceu?

Bruna franziu a boca.

– Por incrível que pareça, algo relacionado a uma ex-namorada também... Mas não foi nada parecido contigo. Ela não é nenhuma louca do tipo, sabe... – Michael riu.

– A Trish... Ela não era assim no início. Pelo menos, ela não se mostrou assim. Depois de uns meses de namoro ela começou a mostrar um lado dela que eu não conseguia aceitar, então eu disse que queria terminar. Mas ela disse que ia se empenhar e realmente aconteceu... Por um tempo estávamos ótimos e eu até me senti seguro de falar com ela sobre a banda... Que eu queria seguir carreira nisso e o quanto era importante pra mim. Então começamos a ficar mais conhecidos na nossa cidade e ela voltou a mostrar aquele lado que eu odiava. Ela fez várias confusões, mas a pior foi a que ela fez na nossa página do Facebook. – Michael deu uma pausa. – Acho que não vale muito a pena comentar em detalhes o que ela fez, mas foi bem errado. Fomos obrigados a deletar a página por isso...

Bruna olhou pro rapaz a seu lado.

– Qual é seu problema?! – Bruna falou. – E você se importava com alguém assim?

– Eu sei que parece difícil de entender, mas eu gostava dela...

– Ahn, tem razão é bem difícil. De qualquer forma, por que me disse tudo isso? Ta achando que vou me abrir com você só porque tá fazendo o mesmo? Não é como se eu quisesse saber da sua vida também...

– Ai... – Michael fingiu. – Eu só achei que deveria saber... Não precisa falar assim.

– Você é um idiota.

Ao invés de se ofender Michael riu. Bruna olhou para Michael.

– Estranho... – Bruna comentou e Mike fez cara de pergunta pra ela esperando uma explicação, porém a ruiva não falou mais nada.

– O que?? – ele perguntou curioso. – Fala!

– Hã? Ah, não é nada não. Deixa pra lá.

– Isso é maldade, sabia? Não vai mesmo me contar?

– Hum... Já é quase Outubro... – a ruiva divagou e Michael entendeu menos ainda. – Será que seu amigo vai aparecer? O que acontece se ele não aparece?

Michael pareceu gelar.

– Não diz uma coisa dessas nem brincando...

– Eu não estou brincando. Estou falando bem sério... É uma possibilidade, né não?

Michael olhava para Bruna, nervoso e aflito. Michael engoliu em seco e respirou fundo.

– Eu não acho que ele deixaria a gente na mão. – Michael falou.

– Tá baseando sua confiança em que?

– Mas que droga... Você tem resposta pra tudo... Não importa no que estou me baseando! Eu confio nele. Ponto final.

– Hum. Não precisa ser tão agressivo.

– Eu sou o agressivo aqui?! Tem certeza??!

Mas Bruna se acabou na risada e Michael percebeu que ela estava só implicando com ele mesmo, então riu com ela. Ele logo se lembrou do que Luke e Ashton disseram sobre ela quando chegaram da pequena reunião que tiveram com ela e os amigos, que ela era completamente diferente do que Mike havia visto na boate. E até aquele momento ela era bem diferente mesmo.

 

O sumiço de Ashton estava começando a deixar seus colegas de banda, Calum e Luke, preocupados. Thamires percebeu isso só de olhar pra cara deles. Ela não sabia porquê, mas aquilo também estava começando a deixá-la apreensiva também.

– O que vocês acham que ele está fazendo? – Thamires perguntou olhando para cima, no meio dos dois rapazes de pelo menos um metro e oitenta cada um.

– Não sabemos. É comum ele dar essas escapadas da gente, mas nunca perguntamos pra ele o que ele faz. – Luke respondeu.

– Por que não? – é claro que Thamires perguntou.

– Porque ele não precisa ficar contando da vida dele pra gente... Não somos a mãe dele ou coisa parecida. – o louro explicou.

– Hum... Acho que não tem a ver isso aí não... Isso é aquela coisa de macho? Que vocês não podem se abrir uns com os outros porque são muito machos pra ter sentimentos?? Se for isso, é bem estúpido.

– Não... Não é isso. É que ele já é adulto e sabe se cuidar.

– É... Pode ser. Mas vocês não são amigos?

Luke não respondeu de imediato. Ele antes olhou de relance para Calum e olhou para trás, para Thamires.

– É... Somos sim.

Thamires ficou olhando para os dois.

Ela ficou meio irritada por eles guardarem tantos segredos. Tudo bem que acabaram de se conhecer praticamente... Mas mesmo assim!

– Vocês até parecem que fazem parte de algum clubinho infantil. Tão 2001.

Calum e Luke se olharam sem entender, mas não responderam.

Ooohh. – os dois rapazes pararam.

– Então é isso que ele faz nas horas vagas? – Calum fez cara de tacho.

– Tá brincando?! Ele tá melhor que você!

– Eu não preciso tentar tanto... – Calum virou a cara.

O que tá acontecendo?!?! – Thamires perguntou irritada, empurrando os dois.

A uns passos deles, estava Ashton sentado num dos sofás do clube com, não apenas uma, mas duas garotas absolutamente louras e lindas, cada uma de um lado.

Não admirava ele não ter atendido o celular.

– Espera... Elas são gêmeas? – Luke disse, olhando mais um pouco. – Sim, definitivamente gêmeas não é... UOOOOU! Isso ta acontecendo mesmo? Ele acabou de beijar uma e depois beijou a outra? Ele tá realmente melhor que você Calum! Quando na sua vida você pegou duas garotas assim?!

Cala a boca Luke!

Thamires e Calum disseram juntos, porém Calum apenas disse por que o louro não calava a boca mesmo... Tipo nunca. Pra variar. Já Thamires parecia... Irritada.

Luke olhou pros dois por alguns segundos.

Thamires franziu os lábios e respirou fundo.

– Eu vou lá chamar ele.

– Nah Thames, nós vamos. Fica aí.

Eu vou. Vocês ficam. – Thamires respondeu com tanta certeza que os outros dois apenas concordaram com a cabeça.

Quando perceberam, Thamires já estava a caminho de onde o garoto estava. Sua cara estava obviamente péssima. A morena não sabia esconder muito bem as emoções que sentia. Nem as boas e muito menos as ruins.

Ela mal chegou a sua frente e meteu com tudo a bolsa na cabeça do garoto. Considerando que era pequena e estava leve não devia ter doído muito... Só o suficiente.

Pelo menos naquele momento.

– Ai! – ele reclamou e olhou pra cima.

– Anda! Seus amigos estão esperando você pra se apresentar! – ela falou rápido.

Ele ficou olhando pra ela meio atônito, e ela também olhou pra ele.

Ela engoliu em seco, franzindo os lábios e dando as costas pra ele.

Thamires parecia ter ouvido Ashton dizer alguma coisa, mas seus ouvidos estavam chiando um pouco naquele momento, então tinha a possibilidade de ela estar ouvindo coisas. De qualquer forma, ela ignorou.

– Vambora. O Don Juan ali já deve estar se resolvendo. – Thames disse a Calum e Luke ao chegar perto deles.

Luke deu um sorriso. Difícil dizer se era por prazer, diversão ou qualquer outra coisa que tinha na cabeça dele.

– Parece que a cada vez que te olho você fica mais baixa. – o de olhos azuis claros disse e Calum riu. Thames rolou os olhos. Então ele estava mesmo se divertindo. – Acho que precisa tomar mais leite.

– Eu vou jogar o leite na sua cara! – Thamires o cutucou. Os dois garotos riram.

– Vocês tem certeza que esse é o horário? Não faltam alguns minutos? – Ashton havia chegado perto do grupo. Thames não conseguia disfarçar seu rosto.

– Sim. Nós precisamos arrumar os instrumentos lá em cima logo depois que essa banda parar de tocar. – Luke respondeu. Calum não estava olhando para Ashton, mas Thamires percebeu que a cara dele não estava nada boa também.

Ashton fez um aceno com a cabeça e depois todos eles foram para onde estavam antes, mas dessa vez com Ashton que fez o favor pra Thamires de ficar quieto.

Ela sabia que não podia falar nada, mas mesmo assim não conseguia deixar de ficar irritada.

 

– Olha quem apareceu! – Michael falou ao ver o grupo chegar com Ashton. – Ficou meio sumido hein cara...

– Michael quase teve um treco na verdade. – Bruna comentou, de braços cruzados.

– É por que você ficou me assustando, falando que ele não ia vir e coisa parecida! Sério, como vocês sobrevivem? – Mike olhou Thames. – Ela é muito má... Quase me fez chorar. – todos riram. – E afinal, onde você tava? – ele olhou para Ashton.

– Ah...

– Cadê Tiffany, Rick e Dianna? – Thamires interrompeu Ashton a falar.

– Eles ainda não apareceram. – Bruna respondeu. – Tá curiosa?

– Claro que to! Mas mais que isso... Estou é transtornada. Como eles ousam me deixar de fora do assunto?! Seja lá qual ele for??! – Thamires reclamou e Bruna deu de ombros enquanto olhava a amiga.

– Aconteceu alguma coisa com você? – Bruna perguntou. – Você parece mais agitada que o normal, se é que isso é possível.

– Não, não, nada. – a morena relevou o assunto. – Vamos ter que procurar por eles também agora?

– Ahn, até parece que eu vou. Se quiser vai sozinha. Você que tá interessada.

– Você podia fingir que se importa de vez em quando.

– Eu não sei fazer isso, sinto muito. Se importar já um grande esforço pra mim, fingir se importar é pedir demais de mim.

– Que droga! – Thamires ficou reclamando. Bruna fitou Thames por um momento, então olhou para os garotos que tinham chegado junto com ela.

– Acho que a gente devia ir lá pra atrás do palco e esperar essa banda acabar. – Michael falou olhando pra Bruna, já que Thamires parecia estar divagando agitada então provavelmente não ouviria.

– Tudo bem. – Bruna respondeu. – Quebrem a perna.

– Isso não é só no teatro? – Calum perguntou.

– Não... Não sei. De qualquer forma, boa sorte.

– Obrigado. – Michael deu um sorriso. – Nos vemos depois.

Os garotos começaram a sair em direção ao palco, mas de repente Luke voltou para trás.

– Foi o Ashton. – ele sussurrou pra Bruna, que fez cara de pergunta. Então Luke apontou o queixo para Thamires e depois saiu rápido para alcançar os colegas de banda.

– Thames... Thames. – Bruna chamou a garota cutucando-a. – Quer falar do que aconteceu?

– Não tem nada pra falar. Eu fui ingênua, só isso... – Thamires respondeu cabisbaixa. – Não é como ele tivesse me enganado ou coisa assim... Eram as minhas expectativas que estavam muito altas. Pra variar.

– Eu não entendi muito bem... Mas tá.

– Mas que merda Bruna...! Eu não consigo fingir que tá tudo bem, sabe? Eu não sei fazer isso... O que eu faço agora?!

– Primeiro de tudo... Se acalma. Não é o fim do mundo.

– É! É sim! É o fim do mundo!

Bruna grunhiu pra si mesma e acabou avistando seus outros dois amigos com Dianna chegando perto delas.

– Ainda bem que chegaram. Acalmem a Thamires, por favor.

– O que tá acontecendo? – Tiffany perguntou.

– Algo com o Ashton.

– Ela tá muito agitada. Muito mesmo. – Rick comentou olhando a amiga.

– Thames...? Fala com a gente. – Tiffany pediu a amiga.

Thamires estava uma pilha de nervos.

– Eu acabei de ver o Ashton com outra garota! Outra não... Outras! E elas eram gêmeas! Mas não importa! A culpa é minha mesmo por sempre acreditar no melhor! E eu acabo me frustrando por isso!!

– Awn, Thames... Eu sinto muito. – Tiffany falou com carinho e abraçou a amiga.

Thamires abraçou Tiffany quieta, o que era fora do normal. Rick deu tapinhas no braço da morena ajudando a consolá-la.

– Eu não conheci o Ashton. – Dianna comentou ao lado de Bruna observando a cena dos amigos.

– É. Se fosse uns minutos antes teria conhecido. – Bruna respondeu.

– E como ele é?

– Eu não sei bem. Eu só vi ele uma vez antes daqui e Thamires é a única que conseguiu conversar algo com ele e mesmo assim foi por mensagens.

– O que achou dele da primeira vez?

– Simpático.

– Sério?

– Sim. Ele também parece sempre estar de bem com a vida.

– Sei...

– Em fim. No geral, bem legal.

– Entendi...

– Mas considerando os acontecimentos recentes... Dá pra reavaliar isso.

Dianna ficou olhando pra Bruna.

– Eu achei que fosse me ignorar. – Dianna falou sorrindo. Parecia feliz que a ruiva não o fizera.

– E por que ignoraria?

– Ah... Não sei. Contaram que você não gosta de mim... Que me odeia, na verdade.

– Não é bem isso... Eu não te odeio. Pra falar a verdade, eu nem te conheço, então não posso opinar. Ainda. Mas acho que não gostei da pessoa que conheci pela primeira vez. Você ficou me pressionando num dia que eu tava de mal humor.

– Você tá sempre de mal humor. – Rick se intrometeu na conversa deixando Tiffany abraçando e consolando Thamires sozinha.

– Pode até ser... Mas por causa da sua pressão eu me senti meio invadida. – Bruna respondeu olhando pra Dianna.

– Acho que entendi... – Dianna respondeu então Bruna fez uma careta. – Eu não sabia disso... Nem fazia ideia. Desculpe... Eu vou tentar ser mais amena daqui em diante. – a loura deu um sorriso lindo. – Até porque eu tenho paciência. – ela deu uma piscadela pra Bruna, que respondeu revirando os olhos.

– Boa sorte. – a ruiva disse sarcástica, mas Dianna não deixou de sorrir.

– Vou ter. – Dianna respondeu sorridente e confiante.

– Que arranjo estranho. – Rick comentou fazendo careta. Dianna apenas riu.

– Olha, seus amigos estão preparando os instrumentos! – a loura notou olhando para o palco e os outros seis olhos acompanharam seu olhar.

Lá no palco, Ashton, Calum, Michael e Luke conectavam seus instrumentos rapidamente. Eles provavelmente já tinham feito o teste de som muito antes do local abrir, porque eles só fizeram uma rápida checagem depois, com Calum no baixo, Ashton na bateria, Michael numa guitarra e Luke numa outra, porém na frente fazendo-o ser automaticamente o cantor principal.

 – Olá todo mundo. – Luke saudou e as pessoas olharam para o palco. Deu pra ouvir alguns gritinhos com “Olha, são eles! Os que a gente tava esperando!”, “Soube o que aconteceu com a página do Facebook deles?”, “É aquela banda que a gente ouviu falar no outro dia!”, entre outros burburinhos. – Nós somos 5 Seconds Of Summer e hoje vamos tocar alguns covers e algumas originais. Esperamos que todos apreciem a nossa música hoje.

– Que educado. – Bruna disse irônica e os amigos balançaram a cabeça concordando. Todo mundo da plateia bateu palmas e soltou alguns gritos. Gritos principalmente femininos.

– Eu gostei do nome da banda. – Thamires comentou. – É fácil de lembrar.

– Vamos começar com “American Idiot” do Green Day. – Luke anunciou e todo mundo gritou animado. Então, a banda começou a tocar.

 

Don't wanna be an american idiot

Don't want a nation under the new media

And can you hear the sound of hysteria?

The subliminal mind fuck America

 

Welcome to a new kind of tension

All across the alienation

Where everything isn't meant to be O.K.

Television dreams of tomorrow

We're not the ones who're meant to follow

For that's enough to argue

 

Well maybe I am the faggot America

I'm not a part of a redneck agenda

Now everybody do the propaganda!

And sing along in the age of paranoia

 

– Pelo jeito eles já são meio populares... Por que eu nunca ouvi falar deles? – Rick pontuou. – Isso é meio frustrante.

Rick era um conhecedor de banda e cantores locais, então ele normalmente saberia sobre a banda dos garotos há um tempo, se realmente fossem famosos como pareciam.

– Bom, eles não parecem ser daqui. – Tiffany falou.

– Não são. – Bruna afirmou. – Quando Michael estava falando comigo da ex dele ele falou “nossa cidade”. Obviamente não são daqui.

– Mesmo assim. – Rick fez bico.

– Nada pode dar errado cantando Green Day. – Dianna comentou distraída. – É um clássico. Nada dá errado com os clássicos. E combina com eles.

– Realmente. – Tiffany concordou. Todos os amigos dançavam e se mexiam ao som da música.

– Esse pensamento é um tanto pragmático Dianna. – Bruna comentou. A loura olhou pra ela e deu um sorrisinho.

– Eu estudo Administração. – ela respondeu. – Sabe que essa é a primeira vez que você-

– Espera, espera aí. – Thames parou de dançar e cantar, interrompendo Dianna. – Você disse que Michael conversou com você sobre a ex dele?! Por quê? – Thames olhava Bruna.

Tanto Bruna quanto Dianna e até mesmo Rick e Tiffany ficaram olhando para Thames meio pasmos.

– Você só digeriu isso agora? – Bruna perguntou o que todo mundo tava pensando.

– Eu estava entretida com a música... – Thames desconversou. – Em fim, por quê?

– Ele achou que me devia uma explicação.

– Ah é? – Thames falou um tanto irônica. – E você achou que devia uma explicação pra ele também ou ficou escondendo o jogo como faz sempre?

Bruna ficou olhando pra Thamires.

– Não sei do que tá falando. – Bruna respondeu e virou o rosto.

– As pessoas sempre dizem isso quando sabem exatamente do que se trata. – Thames falou.

– Ou talvez, eu sou aquela minoria que realmente não sabe do que se trata.

– Então você notou também Thames? – Rick falou.

– Ahn?? – Thames virou para Rick. – Notou o que?

Rick piscou e olhou pra Bruna.

– O Marcelo disse que também notou...

– Rick, vai direto ao ponto. Notou o que?

– Que a Bruna ta escondendo alguma coisa. – Tiffany respondeu e os amigos olharam pra ela como se fosse uma novidade ela ter notado. Na verdade, Tiffany era a que mais percebia as mudanças de humor da garota. Bruna já era estranha normalmente, mas ela estava visivelmente mais irritada ultimamente. – O que? Ela tá sempre escondendo alguma coisa. É normal.

Vocês são os únicos que estão escondendo algo aqui. – Bruna olhou para eles. Rick e Tiffany se olharam.

– Bom, é por uma boa causa. – Tiffany falou calmamente e deu de ombros. Ela voltou a dançar e cantar “Sugar, We’re Goin Down” do Fall Out Boy, que era o que os meninos cantavam no momento.

 

We're going down, down in an earlier round

And sugar, we're going down swinging

I'll be your number one with a bullet

A loaded God complex, cock it and pull it

We're going down, down in an earlier round

And sugar, we're going down swinging

I'll be your number one with a bullet

A loaded God complex, cock it and pull it

 

A música já estava quase no final.

– Eu ainda não sei de praticamente nada. – Thames falou derrotada. – A gente não era assim sabia? Costumávamos contar tudo um pro outro.

– Ah é? – Bruna disse irônica.

– Bruna... Você tá me testando hoje, não tá? – Thames falou irritada.

– Você guardou um crush por mais de um ano da gente. – Bruna explicou. – O Rick também, mas você que disse a frase. Assuma.

– Foi há muito tempo! Há anos!!

– Não justifica.

– Você tá tão irritante!!! Mais do que o normal. Me admira você não ter xingado a gente ainda. – Thames estava falando. Mas Bruna ficou quieta.

– Bruna, quer parar? – Rick pediu.

– Eu não disse nada.

– Eu sei... Mas você sabe. Que saco. – Rick continuou a reclamar. – Para de atacar a gente.

– Eu não to atacando. Isso não é eu atacando, isso é eu reagindo. – Bruna explicou olhando os amigos.

A ruiva fechou os olhos uns segundos e quando abriu, saiu como um raio de perto dos amigos.

– Bruna! – Tiffany, Rick e Thames chamaram a amiga em vários tons e momentos diferentes, porém todos preocupados. A garota sumiu no meio da multidão.

– Gente, não sei o que tá acontecendo entre vocês, mas... Ah... Acho que essa é uma boa hora de contar tudo pra Thamires. – Dianna falou e deu aquele sorriso dela.

– Mas e a Bruna? – Tiffany perguntou preocupada. – É melhor a gente procurar ela.

– Relaxem. Eu vou ver se acho a ruiva rabugenta pra vocês, enquanto isso contem tudo pra Thames. – a loura falou e saiu indo na direção em que Bruna foi, dando um aperto no ombro de Tiffany e Rick quando passou por eles.

– Se ela continuar resolvendo nossos problemas, vamos ter que começar a pagá-la. – Thames falou quando Dianna sumiu. – Gente, a culpa foi minha? Eu fui demais?

– Você é sempre demais Thames, mas... A culpa não foi sua. Eu já tinha notado que a Bruna tava estranha há um tempo. – Tiffany respondeu. – Muito antes da coisa toda de fazermos que nossa banda seja oficial... Antes da sexta passada...

 – Pensando bem... Devia ter sido a gente a falar com ela né? Acha que a Dianna vai dar conta? É a Bruna que a gente tá falando.

– Não faço ideia.

– Vocês são bestas... – Rick falou. – A Dianna tava querendo uma desculpa pra ficar sozinha com ela há muito tempo... Vocês não perceberam o quanto ela tava se segurando?

– Ta de brincadeira Rick?! Eu nem vi isso... – Thames falou chocada. – Você reparou Tiffany?

– Yep.

– Você teve uns lances né Thames, normal não ter notado. – Rick explicou. – O melhor momento pra ela é esse que a Bruna está fraca e abalada.

– Eu discordo, mas... – Thames falava. – Dá pra me contar sobre seja lá o que a Dianna tava falando?

– Ah, é... Por onde a gente começa? – Tiffany olhou sorrindo para Rick e ele também sorriu pra ela.

 

Demorou um tanto para Dianna achar a ruiva. Ela tinha andado de forma a não ser achada, então Dianna acabou perdendo ela por um tempo, mas depois pensou que Bruna provavelmente só queria um pouco de sossego... Mas foi em direção aos lugares aparentemente mais calmos do lugar e a achou próximo a porta de trás do estabelecimento. Ela estava sentada num pufe e olhava pra fora da janela de Insulfilm onde estava um dos estacionamentos de lá.

– Você não iria perder essa chance né. – Bruna falou sarcástica e indiferente ao mesmo tempo ao ver Dianna pelo reflexo da janela a se aproximar. Dianna deu um sorriso.

– Mas é claro que não. – a loura respondeu e sentou em um pufe depois de onde Bruna estava.

Dianna pensou no que dizer. A loura geralmente não precisava de pensar muito no que dizer porque ela era naturalmente sociável, mas era óbvio que Bruna a deixava sem jeito. Mas Dianna pensava que não devia ser só com ela... A ruiva tinha uma aura nada receptiva.

Ela pensou nas coisas que poderia falar que fariam Bruna suavizar um pouco, mas Dianna não tinha intimidade com ela o suficiente e a ruiva havia deixado claro que ela não estava querendo isso com Dianna.

 

Tonight will change our lives

It's so good to be by your side

But we'll cry

We won't give up the fight

We'll scream loud at the top of our lungs

And they'll think it's just 'cause we're young

And we'll feel so alive

 

Throw it away

Forget yesterday

We'll make the great escape

We won't hear a word they say

They don't know us anyway

Watch it burn

Let it die

'Cause we are finally free tonight

 

– Eles estão preocupados com você. – Dianna comentou. Ela pensou que seria melhor se redirecionasse a conversa para eles, afinal, mesmo que um pouco, ela imaginava que Bruna se importava com eles.

Bruna franziu a testa e olhou para o lado.

– Eu imagino. – Bruna respondeu.

– Sim, eu também imaginava que você sabia...

– Relaxa, eu me importo. Mas... Eles sabem que eventualmente o motivo acaba aparecendo.

– Não no seu rosto, aposto.

Bruna era obviamente uma pessoa pouco expressiva. De vez em quando ela ria e sorria, mas era sempre quando os amigos dela estavam por perto.

– Se fosse um deles você contaria o motivo? – Dianna perguntou.

– Provavelmente não. – Bruna respondeu simplesmente. Dianna franziu as sobrancelhas. – Normalmente só me abro quando estou no meu limite. – Bruna disse e olhou Dianna.

– Isso demora muito? De chegar no seu limite?

Bruna deu um sorriso tão irônico que fez Dianna engolir um pouco de saliva.

A loura provavelmente nunca lidou com alguém assim.

– Eu só... Quero ajudar Bruna. – Dianna começou, sem olhar Bruna. – Ajudar você e seus amigos.

Bruna deu um suspiro tão longo e forte que era capaz de mover montanhas, então ficou em silêncio.

– Deixa eu adivinhar: você não quer a minha ajuda.

– Eu não ia dizer isso. – Bruna respondeu. – Eu ia dizer que não tem nada a ver com eles. É só uma ferida antiga... Um machucado que eu pensei que estava cicatrizado e... Acontece que não está.

Dianna ficou olhando pra Bruna. Será o que ela estava pensando?

– De quem é que você está falando?

– Hum, acho que você sabe a resposta. – Bruna olhou para a loura que desviou o olhar.

– É por isso que você... Não quer... Nada com-

– É o suficiente. – Bruna interrompeu o pensamento de Dianna e se levantou. – Você queria uma resposta, isso é mais do que eu falei por um ano e alguns meses. – Dianna ficou olhando a ruiva por um tempo e se levantou pouco depois. A loura estava um pouco desnorteada. – Vamos voltar pro grupo.

– Okay. – foi tudo que Dianna conseguiu dizer em resposta.

 

– Ah, graças a Deu você voltou! – Thames falou e deu um abraço em Bruna quando ela chegou.

– O que ta fazendo? Desencosta... – Bruna empurrou Thames pelos ombros. – Sem mimimi, ta bom?

– Você conseguiu lidar com ela Dianna? – Rick perguntou. Sua pergunta era um código para “você conseguiu alguma reação romântica/flerte”, mas Dianna pareceu nem ter ouvido.

– Ahn, o que? – ela perguntou olhando para Rick. – Ah, consegui. – ela respondeu o que Rick perguntou e não o que ele realmente quis dizer, então deu um sorriso fraco, totalmente diferente dos que ela já tinha dado até agora.

– Hum, e aí Bruna... Você... Você ta bem? – Tiffany perguntou. – Ficamos preocupados.

– Acho que é a primeira vez que eu vejo você sair desse jeito. – Rick comentou.

– É o tipo de reação dramática que eu jamais pensei que faria um dia. – Thamires completou e os dois balançaram a cabeça em concordância. – Ainda bem mesmo que você chegou...

– Relaxa. To legal. – Bruna respondeu. – O que eles tocaram depois que saímos? Acho que eu ouvi um trecho de Boys Like Girls? – Bruna mudou de assunto.

– Sim. “The Great Escape”. – Thames respondeu.

– É claro que foi.

– É né, é a mais conhecida.

– O que mais?

– Também tocaram “Say Anything Else” da Cartel e “Still Waiting” da Sum 41.

– Queria ter ouvido eles tocando “The Great Escape”. – Bruna fechou a cara fazendo bico.

Naquele momento acaba “Still Waiting” da Sum 41 e começavam a cantar “Bad Behavior” da The Maine com a voz de Calum sendo o destaque dessa vez. Combinava perfeitamente, já que a voz dele era muito parecida com a original. Depois tocaram “All The Small Things” da banda blink-182 que fez a plateia pular e dançar bastante.

– Agora eu quero ver você cantando essa música, se você se identificar com ela. “Welcome To My Life” do Simple Plan!

Todo mundo gritou.

E afinal, quem nunca se identificou com “Welcome To My Life” pelo menos uma vez na vida? Não era preciso dizer que todo mundo cantou junto.

 

Do you ever feel like breaking down?

Do you ever feel out of place?

Like somehow you just don't belong

And no one understands you

 

Do you ever want to run away?

Do you lock yourself in your room?

With the radio on turned up so loud

That no one hears you screaming

 

No you don't know what its like

When nothing feels alright

You don't know what its like to be like me

To be hurt, to feel lost

To be left out in the dark

To be kicked when you're down

To feel like you've been pushed around

To be on the edge of breaking down

And no one there to save you

No you don't know what its like

Welcome to my life

 

Do you want to be somebody else?

Are you sick of feeling so left out?

Are you desperate to find something more

Before your life is over

 

Are you stuck inside a world you hate?

Are you sick of everyone around?

With the big fake smiles and stupid lies

But deep inside you're bleeding

 

No you don't know what its like

When nothing feels alright

You don't know what its like to be like me

To be hurt

To feel lost

To be left out in the dark

To be kicked when you're down

To feel like you've been pushed around

To be on the edge of breaking down

And no one there to save you

No you don't know what its like

Welcome to my life

 

No one ever lied straight to your face

And no one ever stabbed you in the back

You might think I'm happy

But I'm not gonna be okay

Everybody always gave you what you wanted

You never had to work it was always there

You don't know what its like

What its like

 

To be hurt

To feel lost

To be left out in the dark

To be kicked when you're down

To feel like you've been pushed around

To be on the edge of breaking down

And no one there to save you

No you don't know what its like

What its like

 

To be hurt

To feel lost

To be left out in the dark

To be kicked when you're down

To feel like you've been pushed around

To be on the edge of breaking down

And no one's there to save you

No you don't know what its like

Welcome to my life

Welcome to my life

Welcome to my life

 

A banda 5 Seconds Of Summer não podia estar mais feliz. Era a primeira vez deles cantando fora da sua cidade natal, num lugar completamente estranho pra eles e mesmo assim eles conseguiram ver todo mundo cantar uma música inteira com eles. Não que nunca tivesse acontecido quando eles estavam em sua cidade natal, mas era diferente quando era um público que você não era familiar.

– Obrigado de coração pelo carinho pessoal. – Luke agradeceu no microfone. A plateia gritou vários “de nada” e “canta mais/quero mais” – Vamos cantar nossas músicas originais agora, que aliás, vocês vão ouvir em primeira mão! – mais palmas e gritos. – A primeira se chama “Unpredictable”.

 

She sits at home with the lights out

Seeing life in different colours
I think it’s time that we wake up
So let me take you away

We can run down the street
With the stars in our eyes
We can tear down this town
In the dark of the night
Just open the door
We’ve got time on our side
We can make it out alive

Hey we’re taking on the world
I’ll take you where you wanna go
Pick you up if you fall to pieces
Let me be the one to save you
Break the plans we had before
Let’s be unpredictable
Pick you up if you fall to pieces
Let me be the one to save you

It took so long to convince you
I knew I had to show my colours
You never wanted to be rescued
But now we’re drifting away

We can run down the street
With the stars in our eyes
We can tear down this town
In the dark of the night
Just open the door
We’ve got time on our side
We can make it out alive

Hey we’re taking on the world
I’ll take you where you wanna go
Pick you up if you fall to pieces
Let me be the one to save you
Break the plans we had before
Let’s be unpredictable
Pick you up if you fall to pieces
Let me be the one to save you

Earthquakes won’t wait for another day
Don’t say I know I never said it
I never said it, oh
One day we can make it out alive

Hey we’re taking on the world
I’ll take you where you wanna go
Pick you up if you fall to pieces
Let me be the one to save you
Break the plans we had before
Let’s be unpredictable
Pick you up if you fall to pieces
Let me be the one to save you

So let go!
Till’ we've lost control
And we’ll stumble through it all
Let’s do something new and unpredictable

 

~

 

"Out Of My Limit"
 

Back in high school we used to take it slow
Red lipstick on and high heel stilettos
Had a job downtown working the servo
Had me waiting in line couldn't even let go

'Cause I never wanna be that guy
Who doesn't even get a taste
No more having to chase
To win that prize

You're just a little bit out of my limit
It's been two years now you haven't even seen the best of me
And in my mind now I've been over this a thousand times
But it's almost over
Let's start over

Back in high school we used to make up plans
Called you up one day to meet split ends

'Cause I never wanna be that guy
Who doesn't even get a taste
No more having to chase
To win that prize

You're just a little bit out of my limit
It's been two years now you haven't even seen the best of me
And in my mind now I've been over this a thousand times
But it's almost over
Let's start over

 

~

 

"Beside You"
 

Within a minute I was all packed up
I've got a ticket to another world
I don't wanna go
I don't wanna go
The silent words are hard to speak
When your thoughts are all I see
"Don't ever leave," she said to me

When we both fall asleep underneath the same sky.
To the beat of our hearts at the same time.
So close but so far away.
(Can you hear me?)

She sleeps alone.
My heart wants to come home.
I wish I was, I wish I was beside you.
She lies awake.
I'm trying to find the words to say.
I wish I was, I wish I was beside you.

Another day and I'm somewhere new.
I made a promise that I'll come home soon.
Bring me back, bring me back to you.

When we both wake up underneath the same sun.
Time stops, I wish that I could rewind.
So close but so far away.

She sleeps alone.
My heart wants to come home.
I wish I was, I wish I was beside you.
She lies awake.
I'm trying to find the words to say.
I wish I was, I wish I was beside you.

There are pieces of us both
Under every city light
And they're shining as we fade into the night

She sleeps alone.
My heart wants to come home.
I wish I was, I wish I was...

She sleeps alone.
My heart wants to come home.
I wish I was, I wish I was beside you.
She lies awake.
I'm trying to find the words to say.
I wish I was, I wish I was beside you.

She lies awake.
Beside you.
I wish I was, I wish I was...

She sleeps alone.
My heart wants to come home.
I wish I was, I wish I was...

 

~

 

"Gotta Get Out"
 

Even when the sky is falling down
Even when the earth is crumbling 'round my feet

Even when we try to say goodbye
And you can cut the tension with a knife in here

'Cause I know what'll happen
If we get through this

And if the earth ends up crumbling down to its knees baby
We just gotta get out
We just gotta get out
And if the skyscrapers tumble down and crash around baby
We just gotta get out
We just gotta get out

'Cause I feel so damn lost
And it comes with a cost of being alone

Everything is falling down
We're suffering, helpless thoughts and
Out we sing, prayers go to the sky

And if the earth ends up crumbling down to its knees baby
We just gotta get out
We just gotta get out
Gotta get, gotta get, gotta get out
And if the skyscrapers tumble down and crash around baby
We just gotta get out
We just gotta get out

And if we fall
It's not your fault
Shadows covering
Our selfish foes
And as our love,
Can go out on a high note

Even when the sky is falling down
Even when the earth is crumbling 'round my feet
Around my feet

And if the earth ends up crumbling down to its knees baby
We just gotta get out
We just gotta get out
Gotta get, gotta get, gotta get out
And if the skyscrapers tumble down and crash around baby
We just gotta get out
We just gotta get out

We just gotta get out
We just gotta get out
We just gotta get out

We just gotta get out
We just gotta get out

 

– É ISSO GALERA! O nosso show acabou por hoje! – a plateia soltou vários “Awn” num tom tristonho. – Pois é, mas foi incrível. Vocês foram incríveis! Pra conferir mais da 5 Seconds Of Summer visitem a página no Facebook que vamos lançar oficialmente amanhã! Tchau e muito obrigado pelo apoio!

– Ué! – Dianna falou depois que a plateia bateu palmas e 5 Seconds Of Summer começou a sair do palco. – Cadê Tiffany e Rick?

Bruna olhou a sua volta.

– Que merda. Nem vi eles saírem. – Bruna falou.

– Vai falar que gostou da música deles? Você nunca gosta de nada! – Thamires estava falando.

– Gostei. – Bruna respondeu levantando as sobrancelhas. – Não são horríveis.

– Pode falar que lês são bons Bruna, só tem eu e a Dianna aqui.

– Você é pessoa que mais esfrega na cara que eu conheço ou vou conhecer na vida. – Bruna respondeu a Thames. – Mas é, são bons sim.

– E aí galera, curtiram nossos artistas de hoje? – Dianna, Bruna e Thames voltaram à atenção pro palco. Quem falava era uma moça de pele escura com o cabelo cacheado e cheio pintado da cor violeta.

A galera exclamou feliz.

– Quem vocês gostaram mais? – a plateia respondeu várias coisas ao mesmo tempo. – Mas acho que todo mundo pode concordar com uma coisa: todos foram incríveis! É ou não é?! – palmas e gritos da plateia. – Isso é ótimo! Mas a festa ainda não acabou!! Falta ainda uma música a ser cantada! O que vocês acham? Vocês querem? – a plateia exclamou animada. – Então vamos receber com bastante animação, o último show da noite!! Vem pro palco, WEIRD NAMELESS!!!

Todo mundo batia palmas.

Exceto Bruna.

A ruiva gelou.

– Vambora Bruna? – Thames falou do lado dela.

– Como é que é?!?!

– Não lembra?

Bruna olhou pro palco. 5 Seconds Of Summer recolocava seus instrumentos olhando e sorrindo diretamente pra onde Dianna, Thames e Bruna estavam.

– Lembra aquele dia que a gente tinha acabado de tocar na Tiffany e nós fomos lanchar, comemos pizza e brigadeiro de sobremesa?

– E ficamos falando se fôssemos uma banda de verdade...

– Quem que a gente ia ser? Lembra o que você disse? Como íamos nos chamar?

A memória veio imediatamente na cabeça de Bruna.

“– Weird Nameless.

– Por quê? – Tiffany perguntou. Ela comia brigadeiro sem lactose porque tinha intolerância à lactose. Se faz do mesmo jeito, só mudava os ingredientes mesmo.

– Ah Tiffany, não é óbvio? – Rick falou.

– Tem razão, é bem óbvio. – Tiffany riu. – Combina com a gente.

– É, mas tem que ser “estranhos sem nome” até um tempo né? Depois eu quero fama! – Thames falou e todo mundo riu.”

– Mas que merda que vocês fizeram?! – Bruna falou desacreditada. – Sério, que porra é essa??!

– Não foi eu! – Thames falou. – Foi eles. – Thames apontou pro palco. Tiffany e Rick estavam lá em cima e acenaram.

O público começou a se perguntar o que diabos estava acontecendo.

– Vai Bruna! – Dianna falou. Bruna olhou pra ela com a testa mais franzida que ela conseguia fazer.

Thames puxou Bruna até a sua altura.

– Você não vai me fazer passar esse mico né Bruna?! Você vai subir naquele palco nem que eu te arraste até lá!!

– Quando eles fizeram isso?

– Isso importa? Vamos pro palco agora!

Bruna olhou pro palco mais uma vez.

– Perdoa nossa amiga ali gente. Ela esqueceu completamente que tínhamos um compromisso na sexta-feira. – Tiffany falou tímida no microfone. A plateia deu umas risadas.

Dali dava pra ver Tiffany vermelha.

Bruna balançou a cabeça.

– Que boa estratégia... Agora não tem como eu recusar. – Bruna comentou. – Vamos logo antes que fique mais estranho.

Dianna não aguentou e deu uma risada.

Thames e Bruna saíram praticamente correndo pro palco. Quando ambas chegaram lá em cima, a plateia bateu palmas e gritou.

Cada um foi pra sua área, pegando os instrumentos da mão da 5 Seconds Of Summer.

Rick pegou a guitarra de Michael, Tiffany sentou atrás da bateria e pegou as baquetas de Ashton, Bruna pegou o baixo de Calum e Thames foi para o meio, pegando a guitarra de Luke.

O coração dos quatro parecia que ia sair pela boca. Era a primeira vez que iam tocar pra uma verdadeira plateia. E tinha pelo menos algo entre trezentas e quatrocentas pessoas lá dentro do estabelecimento.

Parecia até sonho.

Thames, Tiffany e Rick olharam pra Bruna.

– Malditos. – Bruna disse, mas longe do microfone. – Por que é sempre eu que tenho que falar?

5 Second Of Summer já tinha saído do palco e se juntavam com a plateia.

– Ei todo mundo. – Bruna começou, falando ao microfone. – Nós somos a Weird Nameless e vamos tocar um clássico do The Cure. – Bruna olhou os amigos que estavam junto com ela no palco. – “Friday I’m In Love”.

Todo mundo gritou e bateu palmas. No meio dava pra ouvir algumas pessoas falando “eu amo The Cure!” e outras coisas que só elevaram o humor da Weird Nameless.

Rick, Tiffany e Thames sorriram animados. A empolgação e determinação tomou conta de todos.

Tocaram essa música diversas vezes na garagem da casa de Tiffany. A diferença era que versão da Weird Nameless era mais agitada e cantada na voz de Thames, trazendo um som mais rock pop.

Tiffany começou na bateria e seus amigos foram se enquadrando, começando a tocar.

 

[Thames] I don't care if Monday's blue
Tuesday's grey and Wednesday too
Thursday I don't care about you
[Todos] It's Friday I'm in love

[Thames] Monday you can fall apart
Tuesday, Wednesday break my heart
Thursday doesn't even start
[Todos] It's Friday I'm in love

[Todos]Saturday wait
And Sunday always comes too late
But Friday never hesitate...

[Thames]I don't care if Monday's black
Tuesday, Wednesday heart attack
Thursday never looking back
[Todos]It's Friday I'm in love

[Thames]Monday you can hold your head
Tuesday, Wednesday stay in bed
Or Thursday watch the walls instead
[Todos]It's Friday I'm in love

[Todos]Saturday wait
And Sunday always comes too late
But Friday never hesitate...

[Thames]Dressed up to the eyes
It's a wonderful surprise
To see your shoes and your spirits rise
Throwing out your frown
And just smiling at the sound
And as sleek as a shriek
Spinning round and round
Always take a big bite
It's such a gorgeous sight
To see you eat in the middle of the night
You can never get enough
Enough of this stuff
It's Friday
I'm in love

[Todos]I don't care if Monday's blue
Tuesday's grey and Wednesday too
Thursday I don't care about you
It's Friday, I'm in love

Monday you can fall apart
Tuesday, Wednesday break my heart
Thursday doesn't even start
It's Friday I'm in love

 

Depois que a música acabou a plateia ficou gritando e batendo palmas um bom tempo.

– OBRIGADAAAAAAA!! Nunca vamos esquecer esse momento graças a vocês!! – Thames agradecia a plateia.

– Eles nem fazem ideia. – Bruna comentou no microfone. Os amigos riram.

– Agradecemos também ao 5 Seconds Of Summer pelos instrumentos e à equipe do Fish n’ Fire que teve muita paciência conosco. Mas principalmente a vocês! – Thames jogou beijinhos pra plateia que exclamou animada. – Esperamos que vocês tenham tido uma ótima noite. Não só conosco, mas com todos os artistas e bandas que se apresentaram aqui hoje! Voltem sempre no Fish n’ Fire para ouvir mais músicas boas e artistas inéditos! E fiquem atentos ao nome Weird Nameless!! Até mais!!

Enquanto Weird Nameless tirava os instrumentos do palco, a host de cabelo violeta subiu no palco pra encerrar a noite no Fish n’ Fire.

Quando estavam fora do palco, 5 Seconds Of Summer e Dianna estavam à espera deles.

– O que que foi aquilo?! – Luke falava animado. – A gente não esperava nada disso pra hoje!

– Hoje foi incrível. – Mike comentou. Todo mundo estava só sorrisos.

– Foi mesmo. – Tiffany concordou.

– Pois é. Deu pra beber, pra cochilar, pra tocar, conhecer gente nova-

– Pra acabar com um relacionamento péssimo... – Luke interrompeu Mike e todos riram.

– Deu pra fazer de tudo mesmo. – Ashton concordou.

– Sério, eu nunca vou esquecer desse dia. – Calum comentou.

– Nem eu! – Tiffany respondeu. – Duvido que qualquer um de nós vai esquecer!

– Impossível! – Thames falou.

– Foi um dos dias e noites mais barros da minha vida. – Rick falou.

– Como vocês conseguiram isso mesmo? – Bruna perguntou então Tiffany e Rick riram.

– Você não faz nem ideia! Depois a gente explica com detalhes. – Tiffany respondeu.

– De qualquer forma, você perdeu a aposta! – Rick levantou as sobrancelhas vitorioso.

– É... Parece que sim.

– Que história é essa de aposta? – Ashton perguntou com a testa franzida, mesmo assim sorria. Weird Nameless riu.

– Depois a gente conta! – Thames respondeu. Tinha até esquecido o lance do Ashton. Se bem que tinha acabado de lembrar, merda. Alegria de pobre durava pouco mesmo.

– Estou muito feliz por vocês!! Todos vocês! – Dianna sorria. Meu Deus, o sorriso dela era lindo demais. Era difícil não ser tocado por ele.

– Obrigado!!! – tanto Weird Nameless quanto 5 Seconds Of Summer agradeceu.

– Cadê o Marcelo, pelo amor de Deus????

Então Bruna sentiu o seu bolso vibrar. Ela pegou o celular e viu de quem era a mensagem de texto que havia acabado de receber e gelou de novo, olhando o remetente.

– Bruna? O que houve? – Tiffany perguntou quando reparou a amiga.

– Ah... – Bruna tentou responder, mas ela clicou pra ver a mensagem tremendo o dedo um pouco.

 

Ei. Estou de volta.

Estou morrendo de saudades de você.

Quando puder, me liga.

            - M.


Notas Finais


Me digam se tiver algum erro. Espero que tenham gostado! Até o próximo ano! ~corre~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...