História Welcome to hell - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 62
Palavras 1.565
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Magia, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Desculpa da demora pra postar aqui problemas pessoais

Capítulo 7 - O beijo e alem...


Fanfic / Fanfiction Welcome to hell - Capítulo 7 - O beijo e alem...

     Respirei fundo, lá estava eu, parado em frente à casa de Joni, pensei muito no que Mãezinha falou, nossa já até estou chamando ela assim kkk, acho que isso é algo que devia ter feito a muito tempo, mas sem mais delongas aqui estou eu, hora de por em prática, tomei coragem, me enchi de determinação, atravessei a porta, e fui andando (algo raro já que posso flutuar) até o quarto de Joni, fiz uma espécie de sonoplastia querendo simular alguém batendo na porta:

     -OQUE QUE VOCE QUE... heee Sock- ele parecia meio nervoso, não entendi o porquê, então do nada ele jogou um bicho de pelúcia todo colorido para longe.

     -Joni desculpa de entrar assim mas por que jogou assim o urso?- disse me aproximando do bichinho e o pegando e limpando algumas sugeirinhas.

     -Pera, você não se importa de eu ter um urso desses?

     -Claro que não, ele é Tam fofinha que HAAA- joguei o urso no chão me tocando do que avia acontecido.

     -Oque foi Sock?

     -E-Eu eu, eu- comecei a gaguejar de forma descontrolada.

     -Sock me conta, oque houve?- disse ele segurando em meus braços oque me deixou ainda mais assustado.

     -Você não reparou- disse tocando em seu braço também, nessa hora ele se assustou e se tocou do que estava acontecendo.

     -Cono você fez isso?

     -Eu não sei, eu simplesmente vim aqui e peguei o urso- de repente senti algo me esperar, olhei, o bótom que Mãezinha avia me dado, era isso que ele fazia.

     Virei para Joni, olhei em seus olhos me aproximando, estava muito nervoso mas com ele ali estava bem maid calmo:

     -Acho que chegou a hora certa- olhei em seus olhos, ele estava com medo, não medo MEDO mas um medo de fundinho de quintal.

     -Sock, oque você vai fazer- ele começou a andar para trás ao ver wue eu tinha uma faca em meu bolso,  percebi o motivo do medo.

     -Calma Joni, não é nada disso- tirei a faca do bolso e a luz acima da mesa, mostrando que não iria usa-la.

     -Oque foi então, por que ta me olhando assim?- ele dizia mais nervoso ainda.

     -Eu...- eu tremia de tanto nervosismo, olhei ele, nunca imaginei ver Joni com medo, ainda mas de mim- Joni, você não está com medo está?

     -...- ele não me respondeu, eu também estava com medo mas sabia oque tinha que fazer.

     Chaga de ficar enrolando Sock, agarrei a gola de sua camisa e lhe dei o beijo mais profundo que pude, eu via ele assustado, será que ele não vai me corresponder?

     Minha preocupação passou após ele passar os braços em volta da minha cintura, pouco a pouco fomos andando para sua cama onde trocamos chamegos por um tempo.

     Joni pouco a pouco foi se aproximando de mim, ambos estávamos absurdamente nervosos, mas ambos sabíamos muito bem oque fazer, tínhamos medo.

     Apesar de ser eu quem tom
Lou a primeira atitude acho que era quem mais estava com medo, Joni percebeu isso, ele olhou passou a mão por meu rosto me fazendo olha-lo, então disse:

     -Você sabe o quanto esperamos por esse momento!- ele disse de forma bem calma com aquela voz calma dele, seus olhos iluminavam minha alma.

     Aos poucos ele foi tirando minha roupa, bem de vagar como se pedisse permissão,+ eu comecei a me cobrir com vergonha inconscientemente, ele percebeu, puxou a coberta sobre nós, assim fiquei mais confortável, também comecei a tirar sua roupa, deixando nos dois semi nus:

     -Sock, não precisa fazer isso se não quiser- disse ele calmo e sereno, parecia ter tomado o controle da situação.

     -Eu que comecei, e você sabe o quanto esperamos por esse momento- eu em um momento sem pensar (tipo entrar em picina gelada) o beijei mas logo recuei com medo.

     -Sock, tem certeza que quer fazer isso?- ele me perguntou, estava claro oque ele queria dizer, pensei bem em um jeito para responder.

     -Desde que te vi naquela esquina pela primeira vez- disse com um sorriso um pouco amedrontado, eu não sabia se realmente queria aquilo, quer dizer.... Queria mas não sabia se tinha coragem, eu nunca tinha feito aquilo na vida.

     Ele tirou de mim a rouca roupa que sobrava e começou a me beijar com cuidado, logo tirou a sua também, ele com cuidado e delicadeza subiu encima de mim, dava para ver que ele se preocupava comigo, ele por um instante se posicionou "na minha entrada", se virou para mim e perguntou:

     -Esta pronto?- eu penas consenti com a cabeça mordendo o lábio inferior e fechei os olhos esperando pela dor que me aguardava.

     Surpreendido pelo que senti, ele não parava de olhar para meu rosto com amor, tomava todo cuidado do mundo comigo como se eu fosse uma boneca de porcelana, realmente não senti dor nenhuma.

     Quando viu minha reação ele parou preocupado, olhou e perguntou:

      -Estou te machucando?- não dá pra acreditar, realmente eu torcia para ele ser gentil mas aí ja é demais.

     Sem dizer nada passei a mão por suas costas e falei:

     -Não estou com medo- ele sorriu um pouco e começamos a nos beijar, aí sim ele começou os movimentos de vai e vem, mas ainda com cuidado, já estava meio cansado disso, vou me arrepender disso mas, agarrei com força sua bunda oque o faz dar um pequeno suspiro de dor porém alimentar a intensidade das estocadas, comecei a gemer um pouco de dor, oque o fez ir mais de vagar:

     -Joni, eu não sou de vidro.

     -Mas é a sua primeira vez e eu...- segurei sem queixo com cuidado.

     - A sua também.

      Ele começou a me beijar e não tem como negar, ambos não sabíamos fazer isso, "mas não tem ninguém olhando mesmo", ele começou a fazer os movimentos de vai e vem dessa vez relaxado e calmo, eu soltei meu primeiro gemido de prazer, el começou a beijar meu pescoço, e eu o dele, logo estávamos tão entretidos que nem liga vamos para o resto do mundo.

     Logo ele fez um movimento um pouco diferente  para a esquerda oque me faz tem uma sensação muito mais prazerosa, ele notou:

    -Faço de novo?- perguntou nervoso com medo de estar me desrespeitando, afirmei com a cabeça que sim.

     -Mas dessa vez sem dó- disse puxando seu rosto de volta para me beijar e mostrando que queria que prendesse minha mãos na cabeceira da cama.

     Suas estocadas começaram a ficar mais fortes, dava pra ver que ele estava com medo de me machucar, então resolvi tentar algo.

     Com um movimento brusco virei invertendo a posição:

      -S-Sock eu...- pus a mão em sua boca e comecei a entrar nele de vagar, ele ai sim começou a desmontar algum prazer.

     -Tambem to com medo- disse meio trêmulo, ele se virou para mim pós meu rosto bem junto do dele.

     -Eu não- disse como quem diz "confio em ti", comecei a por com cuidado até que vi que não dava, tirei de uma vez e envergonhado fui para o pé da cama.

     Joni entendeu oque aconteceu, ele me puxou me pos de novo por baixo dele é dando um pequeno sinal começou a me penetrar de novo, dessa vez de verdade e com gosto.

     Eu estava com um pouco de dor, ta eu tava MORRENDO DE DOR, mais do que a facada do dia do meu suicídio mas o prazer de muito maior, após um pouco de tempo começamos a gemer, Joni aumentou a velocidade e força das estocadas, eu comecei a ficar assustado, ele me olhava nos olhos o tempo todo com amor.

     Após um tempo ele encontrou de novo aquele mesmo ponto, olhou para mim, balancei a cabe indicando que sim, ele começou a bater nesse mesmo ponto, dessa vez ele começou a fazer rápido e com força, até que por fim, senti algo meio estranho, como era minha primeira vez eu demorei um pouquinho a entender o que era, ele ficou envergonhado, eu segurei seu rosto e disse bem meloso:

     -Não para agora por favor- ele consentiu com a cabeça.

     Logo ele retomou dessa vez violento e não consegui nem reagir direito, e assim foi por um tempo, sua cama já estava com uma grande mancha de.... Quer mesmo que eu diga?

     Quando finalmente paramos ele se virou para mim e disse:

     -Queria que fosse real

     Por um instante não entendi até que do nada escuto o barulho de um copo quebrando na minha cozinha, exato na minha, acabará de acordar no meu sofá, tudo um sonho:

     -Quem ta ai?- perguntei preocupado.

     -Ola Sock- era só Mephistopheles cheretando minha geladeira- Estou pensando em te dar outro humano- meu desespero tomou conta.

      -NÃO- foi a única reação que tive, depois dessa então.

     Ele apenas me olhou torto sorriu e foi embora se despedindo com um simples "Até Nopoleon" (caso não saiba Napoleon é meu primeiro nome) e com um sorriso malicioso.

     Depois do que ele disse não sei como vai ser mas se eu não puder falar com Joni não sei oque vai ser da minha vida


Notas Finais


Tentei deixar essa capítulo mais comprido pra compensar os dias sem, e Helo sei que vc curte esse tipo de texto mais💏 então tá aí, mas obg por ler desculpa de qualquer coisa vlw Mari


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...