História Welcome to the Future - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 19
Palavras 2.524
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Chapter Two


Fanfic / Fanfiction Welcome to the Future - Capítulo 2 - Chapter Two

- Agora vem a parte mais divertida – Disse Mel assim que as duas saíram da sala.

- Por quê? – A ruiva perguntou.

- Por que agora é a seleção dos times – A morena estava completamente animada, torcendo em seu interior para ficar no mesmo time que o garoto que gostava sem saber.

- Como assim “times”? – A ruiva estava completamente perdida no assunto em questão.

- Eu me esqueço você é aluna nova – A morena riu – Todo ano é feita a seleção de times. São três pessoas e, como temos treinos de magia diários, a direção decidiu que, entre três seria mais fácil.

- E dá pra mudar ao longo do ano? – A ruiva se preocupava em não ficar no mesmo time de seu irmão e, seu poder _ ou melhor, a falta dele _ fosse revelado.

- Infelizmente não – Suspirou -. O time só muda no próximo ano. Mas tenho certeza que você vai ficar em um bom time An. Ah, posso te chamar assim? – A ruiva apenas acenou com a cabeça e a morena sorriu – Vamos indo, não quero me atrasar.

As duas caminharam até o térreo da escola, adentrando o ginásio em seguida. O lugar estava lotado de cadeiras, e havia um palco ao final do ginásio onde estava o diretor e, alguns professores, trajados com roupas esportivas. Sentaram-se em duas cadeiras vagas mais à frente do palco. Andrômeda passou os olhos por todo o local tentando encontrar uma cabeleira ruiva, o que não foi um trabalho difícil e, apenas saber que ele estava ali, já lhe passou uma sensação e calmaria.

- Sejam todos bem vindos à Academia de Magia São Valentin – Disse o diretor -. Como todos sabem, aqui nesta academia, temos o sistema de equipes. Três pessoas que conviverão juntas durante um ano e isso para ajudar umas as outras a melhorarem suas magias e seu relacionamento social. Isso é feito à base de um sorteio. A minha direita está os nomes de todos vocês, selecionados por turmas - O homem engravatado indicou seis potes de vidro em cima de pedestais, onde havia placas indicando as turmas dês de o sétimo ano do fundamental até o terceiro ano do médio – Como não pretendo roubar uma manhã inteira, vamos direto ao sorteio.

O sorteio foi acontecendo, começando pelo sétimo ano e, pelo que Andrômeda pode perceber, todos ali ficaram em times onde gostavam dos seus parceiros e, ela tinha esperança de ter a mesma sorte e ficar no time de Damon e Mirai. O que não aconteceu.

- Segundo ano do ensino médio – O diretor caminhou até o pote de vidro e, de lá tirou três papéis, voltando para onde estava o microfone em seguida – Asher Moore, Ren Kanji e Andrômeda Jones – “Droga!” Era só isso que a ruiva conseguiu pensar -. Professor Akari ficará encarregado desse time.

Seguindo o exemplo de seus atuais colegas de equipe, a ruiva se levantou e caminhou para fora do ginásio, não sem antes direcionar um olhar desesperado para seu irmão e prima que, assim como ela, não sabiam o que fazer.

Andrômeda não conseguia parar de pensar em formas de xingar o Universo por, não deixar que pelo menos uma vez, a sorte guiasse o seu caminho. Ela tinha medo do que poderia acontecer, ela não tinha mais o seu irmão nem prima por perto e, sem eles, ela era apenas uma garotinha assustada que, se sentia excluída por não ter magia. Lembrou-se do seu maior porto-seguro naquele momento e, segurou o seu colar de lua e sol que, sua mãe havia lhe dado assim que nasceu. Ela nunca o tirava, exatamente por esse motivo, ele era o último recurso que ela tinha para se sentir segura.

Os quatro chegaram ao pátio dos fundos que, casualmente, se encontrava vazio. Os três alunos se sentaram no chão e o professor se escorou em uma árvore próxima.

- Bem, vejo que nós temos uma aluna nova então vou me apresentar. Sou Akari Ichiraku e, eu vou treinar vocês para melhorarem os seus poderes. Não preciso que vocês se apresentem novamente pois, lia  ficha de todos os alunos – Ele suspirou – Vamos começar com treinos básicos de luta corporal, vou pegar leve por que hoje é primeiro dia - Os três se levantaram e foram até os vestiários trocar de roupa.

Assim que Andrômeda chegou ao vestiário e viu sua prima mais afastada das demais garotas, correu até ela e abraçou, sendo correspondida em seguida. A morena lhe afagava os cabelos enquanto a ruiva segurava o choro. Ela se fazia de forte perante os outros, mas, Mirai e Damon eram os únicos que sabiam que aquilo não passava de uma fachada. Ela não era forte, não chegava nem perto. Ela era uma garota que tinha medo de não ser aceita, de que a excluíssem e, mais que tudo, tinha medo de ficar sozinha.

Por mais que ela fazia pouco caso das amizades que tinha, por dentro, ela as valorizava ao máximo e agora, achava que, todo o plano que ela e o irmão haviam bolado duas noites antes de chegarem ao internato, iria por água abaixo naquele mesmo dia. Ela não tinha esperança de que conseguiria se sair bem dessa e, achava que teria de trocar de escola novamente apenas por conta disso. Mas o Universo tinha algo diferente preparado para ela.

- Vai dar tudo certo – Disse a morena, com uma certeza que ela não tinha.

- Não vai Mirai, eu não tenho você nem o Damon para me acobertar – Disse baixinho, com medo que alguém mais as ouvisse.

- A gente dá um jeito – As duas se separaram do abraço e começaram a se trocar para seus respectivos treinos – Converse com o Damon mais tarde, ele vai saber resolver. Ele sempre soube.

- Não. Eu não quero que ele tente me ajudar, isso prejudicaria ele e eu não quero isso – Andrômeda prendeu seu longo cabelo vermelho em um rabo de cavalo alto e, já com a regata branca e calça legging preta, suspirou antes de continuar – Eu dou meu jeito. Vou indo Mirai, boa sorte com seu time, seja lá quem for – E então, a ruiva saiu do vestiário.

Ela sabia os efeitos colaterais que o irmão teria se a ajudasse naquele momento como, por exemplo, fraqueza, tontura, dores de cabeça entre outras. Ele teria que se esforçar o dobro só por causa dela. Não. Ela não permitiria que isso acontecesse. Nem comentaria sobre isso com o irmão. Cogitava seriamente a possibilidade de “passar mal” durante os treinos e ir matar aula na enfermaria; era uma saída, mas ela não poderia fugir para sempre e tinha plena consciência disso. Não contaria em hipótese alguma para seus colegas de time, uma por que não os conhecia e segundo que, o loiro não lhe parecia confiável e o professor não ligava muito para eles. Ela estava em uma sinuca de bico e, pela primeira vez, não sabia como sair dessa ilesa.

Antes de entrar novamente no pátio, parou em frente à porta que a separava do campo verde e suspirou fundo, contando até três e soltando o ar pela boca. Assim que um breve lampejo de coragem surgiu em seu corpo, ela adentrou o local que agora, seria onde seu time treinaria. Seus dois colegas já estavam lá, apenas aguardando por ela.

- Desculpem a demora – Disse se aproximando dos três homens à sua frente.

- Sem problemas – O loiro lhe respondeu.

- Vamos começar com uma série de abdominais. Três séries de vinte – O professor disse autoritário.

Para Asher e Ren, era algo cotidiano já, mas, para a ruiva, era algo que nunca fazia, sempre intrigando sua prima no fato de ser magra sem fazer ao menos um exercício. Os três se deitaram no chão e, começaram seus exercícios. Andrômeda começou muito bem, mas, chegando no quinto abdominal, ela já não tinha mais força para continuar.

Akari, vendo a dificuldade da aluna, se ajoelhou ao lado dela e foi ajudando-a a continuar os exercícios, calmamente, no ritmo dela – que poderia ser comparado ao de uma tartaruga, ou até mais lento. Os garotos terminaram e, ficaram encarando a garota a sua frente, que tinha o rosto tão vermelho que se camuflava em seu cabelo.

Asher até tentava olhar para outro lugar, mas, o corpo escultural da garota a sua frente era tentador demais para não apreciar. A roupa que ela usava não ajudava em nada, acentuando todas as curvas que a mesma tinha e, aumentando mais seus peitos e coxas, que eram as partes que mais lhe chamavam atenção, depois dos olhos cor de céu que a ruiva possuía.

- Cem flexões para os dois – Disse Akari com um meio sorriso, percebendo o que os dois tanto admiravam, enquanto ainda ajudava Andrômeda.

- Sim senhor capitão – Asher bateu continência e logo os dois começaram as suas séries de flexões.

Mais alguns minutos se passaram e Andrômeda estava no final da última série de abdominais que foi mandada fazer. Ela não agüentava mais o peso do próprio corpo aquela altura do campeonato, mas, ela não se renderia tão fácil. Akari era rigoroso, passava coisas que para ela, eram muito difíceis, mas ele estava ali, a ajudando a cumprir o que foi mandado por ele.

- E vinte – Disse o professor – Pode descansar agora Andrômeda.

A ruiva se jogou contra o chão duro e frio e tentava de todas as formas normalizar sua respiração. Ela achava que, para se levantar, seria um sacrifício e, mal sabia se conseguiria fazer isso. Logo percebeu que os garotos terminaram com as flexões e ela ainda nem havia começado. Estava se sentindo uma atrasada, e mais fraca que nunca.

- Luta corpo a corpo dos dois – Akari se pronunciou enquanto estendia a mão em frente à Andrômeda, para ajudá-la a se levantar – Quero ver como são as defesas dos dois. Sem poderes ainda.

- A gente não tem nem dois minutos de descanso – Asher falou baixinho e revirou os olhos.

- Não, não tem – Akari respondeu – Ache que consegue fazer dez flexões Andrômeda?

- Acho que sim – Disse já se deitando novamente, agora se apoiando em seus braços.

- Cruze as pernas e apóie os joelhos no chão, será mais fácil de fazer – Akari era bem atencioso com ela, para ajudar, colocou a mão no colo dos seios de Andrômeda e foi acompanhando o movimento da garota, a ajudando quando necessário – Isso mesmo. Está indo bem.

Asher e Ren perceberam o jeito diferente que o professor tratava a ruiva. Era de um jeito mais cuidadoso, podendo até se chamar de carinhoso. Por alguma razão que ambos desconheciam, não gostavam do jeito que Akari a tratava, era intimidade de mais em tão curto período de tempo.

Os dois já haviam acabado seu treinamento e a ruiva mal havia acabado as cem flexões que, ela mesma se obrigou a fazer. Em seguida, era hora do treino corporal para analisar os ataques e a defesa que ela tinha, caso tivesse alguma.

- Pode treinar comigo – Disse Asher se aproximando da ruiva – Eu já terminei mesmo.

- Ótimo – O professor se afastou.

Asher desferiu um soco contra Andrômeda e a mesma desviou rapidamente, segurando o braço do loiro e o torcendo para trás de forma dolorosa. A ruiva tinha ótimos reflexos e uma boa defesa. Ela logo soltou o braço do loiro e ele partiu para cima dela novamente com um soco e ela, novamente segurou seu braço, porém, ela se virou de costas, puxando o loiro por cima de si, o que fez com que ele caísse com tudo, de costas no chão. Andrômeda rapidamente sobe por cima do loiro impedindo que o mesmo se levante ou tente algo contra ela.

- Parece que tem alguém mais ágil que você Asher – E pela primeira vez, Ren se pronunciou.

- É, tenho que admitir, ela é muito boa – Andrômeda saiu de cima de Asher e lhe estendeu a mão para ajudá-lo a levantar. Ao contrário de puxá-lo para cima, a ruiva quem foi puxada para baixo, caindo sobre o peitoral forte de Asher sendo abraçada em seguida – Parabéns novata, você foi muito bem.

Andrômeda ficou corada ao extremo e logo se levantou novamente. Como o treino havia acabado, eles foram liberados para voltar para seus quartos, tomar um banho e irem para o almoço e, foi isso que Andrômeda fez.

Depois de tomar um maravilhoso banho, foi até sua mala, que estava em cima da cama no segundo andar do quarto, pegou uma blusa cinza, uma camisa jeans e uma calça preta. Calçou seu all star preto e saiu do quarto. Não havia nem chegado perto da cantina quando sentiu uma mão segurar fortemente em seu antebraço, a puxando em direção contrária a que estava indo. Chegaram ao pátio principal e, caminharam até um banco afastado das pessoas que ali haviam.

- Como foi o treino? – Damon perguntou a abraçando fortemente, de forma protetora.

- Aceitável – A ruiva retribuiu o abraço – Não tivemos que usar poderes hoje então, deu tudo certo.

- A gente vai dar um jeito – Eles se separaram do abraço – Sempre demos, vamos achar uma maneira de você se sair bem.

- Não Damon, não dessa vez – Ele a olhou espantado.

- Por que não?

- Por que nós dois sabemos como você fica quando usa seus poderes a longa distância. Eu não quero você se desgastando por minha causa.

- Na, eu não vejo problema nenhum em fazer isso por você.

- Você não, mas eu sim – A ruiva se sentou no banco próximo aos dois – Eu vou ter que contar que não tenho magia e, arcar com as conseqüências – Damon arregalou os olhos olhando para trás da ruiva e, quando a mesma se virou, viu Ren parado, bem próximo a eles.

- Desculpa, eu não queria me intrometer – Ele disse, se aproximando – É verdade que não tem poderes Andrômeda?

- Por favor não conte a ninguém – Ela possuía um olhar de súplica.

- Não vou contar, não se preocupe – Ele mesmo não acreditava no que iria fazer, nem sabia por que faria aquilo – Eu posso te ajudar se quiser.

- Como?

- Bem, o meu é de água. Transformar água em gelo é muito fácil, assim como transformar gelo em água. Já que somos da mesma equipe, ficaria mais fácil de esconder o seu segredo.

- Faria isso? – Havia uma luz no fim do túnel.

- Faria – Ele respondeu apenas. A ruiva pulou sobre si, o abraçando fortemente, dizendo vários “obrigada” e, não sabia por que mas, ele gostou daquela reação dela.

Os três seguiram de volta para a cantina, conversando alegremente. Damon se despediu da irmã e foi até uma mesa onde estavam seus velhos amigos. Asher viu Andrômeda e Ren juntos e, percebeu o brilho no olhar que ele tinha quando a olhava. Aquilo o deixou com raiva e, ele não entendeu o por que já que, ele sempre teve várias garotas e, algumas até namorado tinham quando ficavam com ele então, por que apenas ver a ruiva conversando com seu melhor amigo o afetou tanto?

Bem, ele saberia isso muito em breve, com uma leve ajudinha do Universo. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...