História We're All Just Victims Of A Crime... - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Avenged Sevenfold
Personagens Arin Ilejay, Johnny Christ, M. Shadows, Personagens Originais, Synyster Gates, The Rev, Zacky Vengeance
Tags Arin Ilejay, Avenged Sevenfold, Johnny Christ, M Shadows, Morte, Revelaçoes, Synyster Gates, The Rev, Zacky Vengeance
Exibições 22
Palavras 2.338
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OLAAAAAA!! Eu to é mal para dois caralhos então to escrevendo pra desabafar. Obrigada pelos favoritos e pelo incentivo!
Espero que gostem! <3 seus dlçs <3

Dramin: remédio pra enjoo (se não me engano) que dá muito sono. MUITO MESMO.

Capítulo 20 - Not time to play


Entramos no carro dele e vazamos de lá. Enquanto Jimmy dirigia até a minha casa, pensei no que fiz na festa, pensei nos meus atos. Eu fumei e bebi a festa inteira e só tenho 16 anos, preciso me controlar. Não é nem questão de responsabilidade para mim, é questão de saúde, de poder viver mais, se eu continuar bebendo e fumando tão nova sem parar, provavelmente vou parar num hospital ou vou morrer cedo demais.
Eu não quero morrer tão cedo, sabe, tenho muitas coisas a aproveitar, muitas festas para ir (agora com mais responsabilidade e noção do que estou fazendo comigo mesma), muitos shows para ir e muitos anos para viver feliz.

-O que eu fiz? - suspirei.

-Falou algo?

-Sabe, eu acho que passei dos limites nessa festa. Só tenho 16 anos, se a polícia passasse pela vizinhança eu estaria totalmente fodida, não sou maior de idade para beber nem fumar.

-Você tem um pouco de razão, mas basta se controlar, não é tão difícil. - olhei para ele com a sobrancelha arqueada - Depois de sair da rehab, eu consegui me controlar. Sei que você é forte e vai conseguir isso sozinha, caso não consiga, o que acho muito difícil, eu vou te apoiar no que for necessário.

-Obrigada Jimmy. Acho que vou conseguir.

-Vamos comer alguma coisa decente. - ele parou o carro em frente a uma cafeteria, entramos e escolhemos uma mesa, esperando que o garçom nos atendesse.

-O que vão pedir? - ele finalmente chegou.

-Eu vou querer panquecas, café e bacon com ovos. - ele anotou o pedido - E você, Eileen? O que quer?

Dei uma rápida olhada no cardápio e vi uma comida que eu não comia a muito tempo.

-TAPIOCA! - aumentei o tom de voz - Desculpe, me exaltei. Tapioca de presunto e queijo, para viajem, por favor. - ele anotou e foi em direção ao balcão para entregar os pedidos.

-O que é isso?

-Comida brasileira. Porra! Já faz muito tempo que não como tapioca.

-Eu já volto, vou no banheiro. - ele se levantou e foi em direção ao banheiro masculino.

Enquanto esperava a comida chegar, me afundei na cadeira da cafeteria e relaxei os músculos. Como eu odeio ressaca, estar morta seria melhor do que estar de ressaca, minha cabeça dói e me sinto extremamente tentada a deitar no chão de madeira e dormir.
Cerca de dez minutos depois, a comida veio, mas Jimmy não voltou. Paguei os pedidos e resolvi lavar o rosto, eu deveria estar parecendo um panda pois dormi de lápis de olho, então peguei a camiseta do Slayer que estava em minhas mãos e quando abri a porta do banheiro feminino, me deparei com o que eu menos esperava na vida: a ex-noiva de Jimmy, Leana, estava beijando o próprio Jimmy. Meus olhos arregalaram e deixei a camiseta cair no chão, eu estava começando a tremer e a suar frio.

Quando ele me viu em choque na porta do banheiro, largou Leana e foi em minha direção, porém eu desviei.

-Eileen... Eu posso - cortei a fala dele.

-Pode explicar? Pode porra nenhuma. Se quisesse ficar com ela era só falar desde o início, não precisava me iludir. - falei calmamente, porém quase perdendo o controle.

-Mas - cortei-o novamente.

-Não. Não. Chega. Eu acabo de receber a notícia de que meu pais vão morar em Dubai e eu vou ficar sozinha, pensei que você ia alegrar meus dias mas acho que prefere alegrar os da Leana. Posso lidar com isso. - mentira, eu me sinto quebrada por dentro agora - Não há problema em ficar com ela. - virei as costas e peguei minha tapioca para comer no caminho.

-Espera! - ele chamou.

-O que é?

-Não foi de propósito, é só que... - me irritei completamente com ele.

-É só que seu pau ficou duro ao ver ela? Eu não dou a mínima, fique e transe com quem você quiser, tenho a minha própria vida para arrumar. - ele estava incrédulo - Eu só não esperava receber isso em troca.

-Hein?

-Desde que eu conheci o Avenged Sevenfold eu derramei lágrimas, abri sorrisos, sacrifiquei momentos com a minha família para aprender a tocar as músicas da banda, sofri, me desesperei, já quase desmaiei, tudo isso por você. Chorava por você quando pensava que estava morto, sorria ao ver seus momentos felizes com a banda no YouTube, fiquei horas trancadas no quarto aprendendo as linhas de bateria de diversas músicas da banda sendo que eu podia estar em família me divertindo, sofri pela sua suposta morte, me desesperava quando ouvia Fiction, quase desmaiei quando vi que você estava vivo, você lembra? Eu não esperava dar tudo isso e receber em troca uma ilusão, ainda mais do meu maior ídolo. Acabou. Não posso lidar com isso, sou fraca demais para isso, frágil demais.

Dei as costas para ele, peguei um táxi e durante o percurso comecei a comer minha tapioca. O que mais poderia piorar? Eu poderia ser demitida ou expulsa de novo, talvez. Enfim, não importa mais, eu estou quebrada, é como se facas estivessem me cortando profundamente por dentro. Será que isso é ter um coração partido?

Quando cheguei em casa, liguei para a Alyssa:

-Alô?

-Alô, aqui é a Eileen. Pode pegar a matéria das aulas de segunda-feira? Tenho certeza que não vou estar bem para ir para a escola.

-Pode deixar que eu pego. O que aconteceu?

-Eu te explico melhor depois, só não estou me sentindo muito bem, não se preocupe.

-Tem certeza?

-Já disse, eu estou bem.

-Se é assim, então está tudo bem. Não se preocupe com a matéria.

-Obrigada. - agradeci e desliguei o telefone.

-Ser feliz e livre como eu esperava ser com o Jimmy? Isso não passa de um monte de merda ilusória. - murmurei e me joguei na cama.

Meu estômago revirava e o barulho dentro da minha cabeça simplesmente não cessava. Levantei, fui ao quarto dos meus pais e achei a caixa de remédios. Normalmente quando eu sentia enjoo meus pais me davam meio comprimido de Dramin, que acabava com o enjoo e já me derrubava de sono. Agora eu preciso de mias, somente meio comprimido não vai acabar com o barulho na minha cabeça, então peguei um comprimido inteiro, busquei um copo de água na cozinha e deixei-os no balcão da cozinha, eu precisava fazer algo antes de dormir.

Subi novamente as escadas com um andar doentio pouco me fodendo para onde Sam estaria agora e me tranquei no banheiro. Me olhei no espelho e confirmei o que eu estava pensando: meus cabelos estavam enormes, quase batendo na cintura. Peguei uma tesoura na gaveta e simplesmente cortei-os, não vou chorar como uma menininha quando vai ao cabeleleiro, não posso mais chorar e nem vou.

Não tinha ficado tão ruim, agora meus cabelos estavam na altura do ombro. Tirei minhas roupas e tomei um banho demorado, me vesti com uma calça jeans azul escura rasgada nas coxas e uma regata branca e foi aí que peguei a água e o comprimido, me sentei na minha cama e tomei todos de uma vez.

-Que seja. - a campainha tocou e eu fui atender, o remédio demoraria algumas horas para fazer efeito, sempre demorava. Quando abri a porta me deparei com Brian. - Brian?

-Oi, vim ver como você está.

-Eu estou bem, eu acho. Nunca se sabe.

-Dormiu mal? Está com olheiras.

-Acho que elas nunca mais vão me abandonar. - nos sentamos no sofá.

-Eu posso ver em seus olhos cansados e em seu olhar decepcionado que você está longe de estar bem. O que está acontecendo?

-O que está acontecendo é que cada vez mais eu estou mergulhando no poço que é minha própria mente cada vez mais fundo, correndo riscos fúteis e desnecessários - falei, me referindo à bebida e o cigarro que poderiam me matar -, as pessoas que eu me importo estão me deixando, me substituindo por outras pessoas - mencionei, me referindo à Ash, que me trocou por vadias, meus pais, que me trocaram por um emprego mesmo que eu pudesse ter optado por ir com eles e agora Jimmy, que me trocou pela Leana - e minha vida sendo substituída por... Merda? Provavelmente.

-Seja mais objetiva. Não tenha medo de respostas diretas.

-Meu pais foram morar em Dubai, minha melhor amiga virou uma vadia e Jimmy está com a Leana.

-Jimmy está com a Leana?! - confirmei com a cabeça - Porra! Espere só um pouco. - ele foi em direção a porta da casa - Zacky, vem cá! - Brian chamou e ele apareceu.

-Oi Eileen. Que cara é essa?

-Olá Zacky. - não respondi a pergunta dele, não era necessário.

-Vamos direto ao ponto, seu pesadelo veio para a vida real.

A cada vez que eu ouço o nome “Jimmy” minha cabeça dói mais, minha visão embaça, me sinto tentada a libertar minhas lágrimas, porém não o faço, não choro mais.

-O que? - Zacky questionou, confuso.

-Eu estava junto com o Jimmy e vi ele se pegando com a Leana. Doeu mais que tiros. Só quero acabar com isso. - não vou chorar, preciso me manter forte - Aquela vadia só quer dinheiro, será que ele não percebe isso? Nem sei como ela soube que ele estava vivo.

-Nós vamos falar com ele e se precisar de qualquer coisa nos avise. Aliás, belo cabelo. - Brian elogiou.

-Obrigada. - agradeci e eles foram embora.

Me olhei no espelho e senti que minha aparência era monótona, desinteressante, eu queria mudar radicalmente, me sentir viva até ao me olhar no espelho. Peguei um casaco e dinheiro e fui até uma farmácia perto de casa e comprei tudo o que precisava comprar. A fila estava enorme, devo ter ficado no mínimo uma hora dentro daquela farmácia, a atendente também não ajudava, era mais lerda que eu na aula de matemática.

Quando finalmente consegui pagar pelo que comprei e voltei para casa, joguei todos os produtos em cima da pia do banheiro e peguei o primeiro:

Descolorante. Eu iria mudar muito, mas foda-se.

Passei em todo o meu cabelo e esperei agir, enquanto eu esperava peguei A Divina Comédia da minha prateleira de livros e comecei a ler. Meus olhos pesavam cada vez mais e cada parte do meu corpo ia amolecendo cada vez mais e acabei por dormir com o descolorante no cabelo mesmo.

Acordei num pulo e olhei o horário no relógio. Puta que pariu! Eu tinha dormido por um dia inteiro.

Foi só aí que me dei conta de que eu ainda estava com descolorante no cabelo e então corri mais rápido que o Usain Bolt para o chuveiro, quando me enxuguei e me olhei no espelho percebi que eu mudei radicalmente, mais do que eu esperava: meu cabelo estava praticamente branco, exceto por causa do forte tom amarelado que o descolorante deixou.

Peguei um vidrinho que eu havia comprado na farmácia também e misturei com meu condicionador: violeta genciana, iria tirar todo esse amarelo facilmente.

Passei no meu cabelo e esperei, enquanto fazia efeito eu fui até a cozinha e acabei com todas as frutas presentes na fruteira, eu estava faminta por alguma comida que tivesse valor nutritivo. Enxaguei meus cabelos e coloquei o último produto no comprimento e nas pontas do cabelo: tinta azul de cabelo.

Quando terminei todo o processo eu sinceramente achei fodástico, meu cabelo estava totalmente branco com as pontas azuis e um ondulado leve. Nem sei como eu iria aparecer na escola amanhã mas foda-se, depois eu penso nisso. Chequei meu celular e eu tinha chamadas perdidas do Andrew, retornei as ligações por educação:

-Alô?

-Andrew? Você me ligou?

-Finalmente você retornou as ligações! Já estava ficando preocupado!

-Fala logo o que você quer.

-A escola comunicou que houve infestação de cupim lá, então vão ter que detetizar e amanhã não vai ter aula, queria ver se você quer ir comigo a uma festa que eu tenho hoje a noite.

-Porque não?

-É assim que se fala, te busco as oito da noite. A Alyssa e o pessoal do bar vai com a gente também.

-Ok. Nem sei como você conhece o pessoal do bar mas tudo bem. Ah! Você não vai conseguir me reconhecer, eu mudei bastante. Muito mesmo.

-Duvido. Até as oito.

-Até.

Olhei no meu relógio e era meio dia, minha casa estava uma completa bagunça, então começei a arrumá-la. Se eu ia ter que cuidar da casa, então vou mantê-la limpa e arrumada, além do mais, não tenho nada para fazer. Comecei a varrer, passar pano e limpar tudo, quando terminei devia ser umas cinco horas da tarde então comecei a me arrumar porque se não eu iria me atrasar.

Tomei banho novamente pois eu estava suada e coloquei uma calça jeans preta rasgada nas coxas e uma blusa preta solta com uma regata da mesma cor por baixo e deixei meus cabelos soltos do jeito que estavam. Ouvi uma buzina do lado de fora de casa, peguei minha bolsa e desci.

Quando entrei no carro todos ficaram de boca aberta com o meu cabelo:

-Puta que pariu, Eileen. - Alyssa poderia ser tão delicada como uma flor.

-Você é insana. - Andrew.

-Não fala nada, não sou eu que mato aula por diversão.

-Matar aula é um dom.

Fomos até o local da festa conversando e rindo e finalmente chegamos, descemos do carro e entramos dentro da casa, as luzes neon piscavam, pessoas dançavam enquanto bebiam e podia-se observar que nos cantos da casa alguns tomavam pílulas.

Me juntei a pista de dança e comecei a dançar, finalmente sem nenhuma preocupação. Tudo estava perfeito até que eu ouço no meio da música alta uma voz extremamente familiar e que eu realmente não estava preparada para ouvir:

-Eileen? É você?

Jimmy.

Meu coração começou a bater forte, comecei a suar e me senti extremamente tentada a chorar mas não fiz isso.

Não é hora de brincar, preciso sair daqui.
 


Notas Finais


Espero que tenham gostado <3 seus dlçs <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...