História We're The Same - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alan Ferreira (EDGE), Felipe Z. "Felps", Flavia Sayuri, Mariana "Satty" Ferreira (Pense Geek), Rafael "CellBit" Lange, TazerCraft
Personagens Alan Ferreira, Felps, Flavia Sayuri, Mariana "Satty" Ferreira, Mike, Pac, Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange
Tags Alan, Aloid, Cellbit, Cellps, Flavia, Mike, Mitw, Rafael Lange, Reabilitação, Satty, Tarik, Void
Exibições 63
Palavras 1.312
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Lemon, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá amigos <3 Como estão? Tranquilos?
~Sem palavras~
Eu não tenho muito o que falar não...
Bom, a novidade é que daqui alguns dias vai ter algumas One's novas.
De cellmitw (Pedido da Akise) e de Aloid (Pedido do Vlady)
É isso~
Vamos ao capítulo~

Capítulo 6 - The lucky smiled for you, why not smile back?


[Point Of View: Rafael Lange (Cellbit)]

Tudo estava um silêncio mortal, aquilo me incomodava de um modo que ninguém nunca pensava que seria possível. Levantei-me de minha cama e caminhei até a porta do quarto, a abrindo e checando se havia alguém no corredor. Andei silenciosamente até o quarto de Tarik, empurrei a porta que já estava entreaberta e olhei dentro do quarto, conferindo se o mesmo dormia.

Um sorriso enorme surgiu em meu rosto ao constatar que Tarik não estava acordado. Encostei a porta novamente, andando até sua cama e em um movimento rápido sentando sobre si. Seus olhos se abriram e o maior se mostrou bastante confuso em relação à situação, rebolei sobre seu membro ainda coberto pela calça, abaixei-me um pouco e o puxei para um beijo.

— Rafael, o que pensa que está fazendo? — Pac sussurrou descrente, tentando me empurrar para longe de si. — Saia de cima de mim.

Desci minha boca até seu pescoço exposto, depositando fracas mordidas por sua pele alva. Tarik mordeu seu lábio inferior, sorri de modo sacana ao notar sua mão se levantar.

— Abaixe essa mão, se você me marcar eles vão descobrir. — Murmurei com minha boca próxima a sua. — Você não quer isso, quer? Vamos lá, Tarik... Mikhael não vai descobrir.

Sua respiração falhou durante alguns segundos, o silêncio no quarto foi quebrado por um som de tapa, no mesmo instante minha face esquentou. Levei minha mão até o lugar acertado, sorrindo provocante e me levantando de cima de si.

— Isso não vai ficar assim. — Ameacei, Tarik se levantou de sua cama, sua mão direita subiu até o meu pescoço e apertou o local.

— Vai ficar como? — Seus olhos transmitiam uma raiva que eu jamais pensei em presenciar. — Não pense que pode me ameaçar e sair impune, sua naja. Eu não sou o mesmo de antes, então posso muito bem chutar essa sua bunda com muita facilidade e sem remorso.

— O Mikhael sabe que você gostava dele? — Murmurei com dificuldade, o ar já me faltava por conta de seu aperto.

— Você falou bem, eu gostava. Agora suma daqui e que nunca mais isso se repita, Rafael.

Pac me puxou pelos cabelos para fora de seu quarto, cai de joelhos no corredor, olhando com raiva o moreno que fechava a porta com a feição mais calma possível. Levantei-me e bati o pó de minhas roupas, sentindo meus olhos queimarem.

— Isso não vai ficar assim, Tarik Pacagnan. Você me paga...

Ah, você me paga, Tarik...

Felps abriu sua porta e me olhou com reprovação, logo passando por mim e entrando no quarto de Tarik. Olhei de canto para a porta que agora se encontrava trancada, me virei e entrei em meu quarto, trancando a porta.

— Tarik Pacagnan...

[Point Of View: Tarik Pacagnan (Pac)]

— [...] Tarik Pacagnan, você me paga...

Levei meu dedo indicador até meus lábios, indicando para que Felipe ficasse em silêncio. Estávamos encostados na porta, ainda escutando Rafael resmungar. Felps riu baixo, me fazendo cair na gargalhada junto a si. O fato de Rafael ter vindo até meu quarto e me acordado de tal maneira não me surpreendia, o loiro era capaz de tudo para conseguir o que desejava e isso não seria algo paranormal do mesmo de se fazer.

Saímos de perto da porta ao escutar a porta do quarto de Rafael se fechar, ele havia ficado mais alguns minutos desde que Felipe entrou em meu quarto resmungando, então achei que isso seria algo divertido de se ouvir. Nos sentamos na cama e eu contei tudo o que havia acontecido, arrancando ainda mais risos do moreno.

— Esse garoto é louco, um completo pirado. — Felps balançou negativamente a cabeça. — Isso ainda vai nos render alguns problemas...

Franzi o cenho ao escutar alguém bater em minha porta, Felipe deu com os ombros e eu me levantei da cama, indo a atender. Surpreendi-me ao ver que era Ketty, que questionou se podia entrar para conversar.

— Claro, entre... — Falei ainda em choque, dando passagem para que entrasse.

A garota agradeceu e se sentou na cadeira próximo a minha escrivaninha, sentei-me ao lado de Felps e nós a encaramos, esperando que prosseguisse. Após alguns minutos em silêncio, a mesma suspirou pesadamente e sorriu fracamente.

— Eu sei de toda a história sua e do Mikhael, Tarik. — Ketty fechou os olhos e relaxou um pouco os ombros, logo tornando a abrir os olhos. — Eu apenas quero que saiba que eu não concordo com o que ele fez, a fama não deve substituir as pessoas. Sabe eu realmente não sabia dessa história quando eu comecei a namorar ele, nos tempos de escola e tal, não sabia que você gostava dele e...

— Isso é passado. — Respondi ríspido, vendo-a rir baixo.

— Eu sei, mas não pude deixar de vir até aqui para conversar. — Suspirou pesadamente, desviando seu olhar para outro lado do quarto. — Em nenhum momento concordei com isso, nem fiz parte disso para ser mais sincera. Eu comecei a namorar o Mikhael sem saber que você gostava dele, caso o contrário nem teria começado tudo isso, já que eu sempre gostei muito de você como amigo. Entendo se não gostar de mim, mas gostaria que você soubesse que se precisar de um ombro amigo eu estarei aqui, certo?

— É bom saber disso, confesso que no começo eu achei que você era mais uma mimada riquinha que odeia pessoas de escolas publicas, mas você se mostrou alguém completamente diferente. — Nós três rimos, sorrindo em seguida. — Eu realmente espero que você se acostume bem aqui, que possa sair dizendo que amou morar na casa de Tarik Pacagnan e Felipe Z.

— Eu riquinha mimada? No dia que eu desprezar qualquer pessoa por sua condição financeira ou meio que vive vocês podem me apedrejar, porque não sou eu mesma. Não gosto do luxo e muito menos de pessoas desse naipe, não sei nem como ainda estou com o Mike. — Ketty murmurou acertando um tapa fraco sobre minha coxa, neguei com a cabeça rindo baixo. — Sou meio desligada para o mundo, então de começo posso passar essa impressão. Mas não foi muito difícil descobrir essa história, acredita que fui ameaçada pelo Rafael? Não tive coragem de falar para o Mike, mas o loiro parece ter uma queda de penhasco pelo mesmo. Mas me conte como está a vida de vocês por aqui?

Arregalei levemente os olhos, Felps me olhava de canto, como se aquilo não fosse uma novidade. Respirei fundo e confiei aquela história para Ketty, a cada instante a mesma parecia se surpreender cada vez mais, por conta de cada detalhe que contávamos. No final a menor bateu palmas e sorriu gentilmente, parecendo estar maravilhada.

— Então foi assim que vocês se conheceram... — Ketty comprimiu os lábios e levou sua mão até seu queixo, parecendo estar pensativa. — Agora que você falou em seus envolvimentos com gangues, estou com um leve receio do Mikhael se meter em alguma dessas brigas. Ele se considera o dono do mundo, qualquer pessoa daqui não vai concordar, assim como eu não concordo e nem mesmo os pais dele.

— Ninguém concorda com isso na verdade, a não ser o Rafael, que é um baba ovo do caralho.

Ketty se espreguiçou e bocejou, a mesma se levantou e avisou que iria dormir.

— Eu realmente espero que você e o Mikhael se acertem, mesmo que você o faça sofrer um pouco. Eu shippo vocês, então... Boa noite.

— Ela o quê?

Eu e Felps nos entreolhamos confusos, no final demos com os ombros e Felps voltou para o seu quarto, enquanto eu apenas me deitava e pensava nas palavras da morena. Pareciam tão sinceras... Mas será mesmo que algum dia eu conseguiria perdoar Mikhael? Eu estava preparado para conviver com o mesmo novamente?

E então, depois de anos me vi atormentado pelo medo e a insegurança, mas eu não passaria por aquilo de novo de modo algum.

Eu não deixaria Mikhael Linnyker me ferir novamente. 


Notas Finais


Esqueci de citar, mas as pessoas que deram uma ajuda com os shipps das One's ~Vlady e a Akise~ Escrevem também.
Deem uma olhada lá :3
https://spiritfanfics.com/perfil/akisesz-/historias ~
https://spiritfanfics.com/perfil/vlady/historias ~
(Quem não ver vai receber uma pessoa nas mensagens escrevendo sem parar "Agente" e "Mais")
Cellbit: Que cruel.
Super, sou má.
~Um beijo, um queijo e fui!~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...