História What am I to you? - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, Mamamoo
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Hwasa, Jackson, J-hope, Jimin, Jin, Jinyoung, Jungkook, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Cute, Drama, Exo, Fluffy, Got7, Jackson, Jackson Wang, Jeon Jungkook, Jikook, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Mark Tuan, Min Yoongi, Park Jimin, Rap Monster, Romance, Seo Jungmin, Shipp, Shoujo, Vhope
Exibições 22
Palavras 1.365
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Fluffy, Harem, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi amores, tudo bem com vocês?

Primeiramente Fora Temer

JSDBIKSBGKDFGBNDJFB DESCULPA, EU NÃO RESISTI

Por favor, fiquem com mais um capítulo dessa fanfic que eu amo tanto <3

Capítulo 25 - Unexpected


Fanfic / Fanfiction What am I to you? - Capítulo 25 - Unexpected

"You just throw love in my face and expect me to do the same"

Guardei o celular no bolso da saia, levantando-me, vi Namjoon levantar logo depois. Seguimos o mesmo caminho de volta, mas dessa vez eu estava sem uma venda cobrindo meus olhos, e não haviam pessoas correndo atrás de nós.

Mas eu ouvi um barulho.

Antes que eu pudesse ter qualquer reação, vi uma pessoa surgindo de dentro de uns arbustos. O garoto era alto, cabelos cor de salmão, e, mesmo no escuro, eu conseguia ver uma pintinha debaixo de seu olho direito.

- Hyung, eu levo vocês. Youngjae-hyung ainda está tentando convencer a velha família Hook que o que eles viram não eram invasores, e sim apenas pessoas perdidas. - ele parecia animado por algum motivo, e tinha um ar tão calmo, só de olhar para ele já me deixava feliz, se é que isso é possível. - Ah, oi, eu sou Kim Yugyeom. - Sorriu, curvando-se, fiz o mesmo. - Você deve ser Seo Jung Min, certo? - assenti. - ouvi falar tanto de você que sinto como se te conhecesse pessoalmente. - ele riu, olhando para Namjoon, que apenas riu sem graça.

- Você disse que nos levaria, vamos. - Namjoon tentou mudar de assunto, claramente envergonhado.

=========================

Namjoon ligou para Jin, que veio nos buscar, e o caminho de volta foi praticamente um interrogatório sobre o que havia acontecido e o que havíamos feito, principalmente depois que ele viu o buquê que eu segurava. Seokjin realmente poderia ser uma mãe se fosse mulher, e seria um ótimo pai no futuro. Eu achava fofo esse tipo de interação dentre ele e Namjoon. Porque por mais que eles fossem amigos, pareciam irmãos, do tipo irmão mais velho protetor e irmão mais novo que tenta pagar uma de durão mas quando se trata do irmão mais velho tem aquele instinto protetor.

Eu, Hyejin e Eunseok éramos exatamente assim, e no momento em que vi a interação dos dois, senti falta da época em que morávamos juntas, como uma família.

Quer dizer, não que não fôssemos uma família agora, mas antes era tudo mais... fácil.

Finalmente chegamos ao meu prédio. Me despedi dos dois, e segui em direção ao elevador.

Por algum motivo, meu coração parecia que iria explodir.

Algo estava errado.

Cheguei ao meu andar, cumprimentando um vizinho que entrou no elevador enquanto eu saía, andei em direção ao meu apartamento, pegando a chave no bolso da saia - aquela saia era maior do que a bolsa da Hermione, sinceramente, eu poderia guardar até uma pessoa naquele bolso. - e abri a porta.

Antes de ver a cena, eu já ouvi risadas altas, e quando abri, meu coração pareceu parar. Alguém estava com Hyejin.

Baekhyun?

Eu paralisei, temendo que ele estivesse com Chanyeol, já que os dois eram grudados um no outro. Uma vez, quando namorávamos já cheguei a cogitar que ele gostava mais de Baekhyun do que de mim. Bem... Isso eu não sei, mas se Chanyeol estivesse com ele naquele momento, temo que tivesse feito algo a Hyejin, mas ao olhar para os dois, vi que aparentemente estava tudo bem, porque ela estava quase jogando-se no chão por causa de um ataque de risos, e ele ria junto com ela.

- Minnie! - ela deu um pulo. - pensei que não viria mais! Onde andou esse tempo todo??

Parei por alguns segundos, tentando decidir se contava a ela a verdade sobre estar com Namjoon e ter de aguentar uma avalanche de perguntas, ou falar uma mentira branca e depois contar a verdade apenas para evitar um maior aborrecimento.

- Estava com Yamir, Taehyung, Yoongi e Hoseok. - preferi deixar o interrogatório pra depois, no momento a minha prioridade era saber por que diabos Byun Baekhyun estava sentado no meu sofá conversando com a minha irmã como se os dois fossem melhores amigos de anos. - Unnie, por que ele está aqui?

- Baek? - Baek? Ela já estava chamando-o por apelidos? - Ele me ajudou a achar o seu apartamento quando eu quase fui parar do outro lado do mapa. - ela riu da própria desgraça.

- JungMin-Ssi, precisamos conversar. - ele fez uma cara séria, que eu nunca havia o visto fazer. Aquele ser fofo, engraçado e extrovertido que era Byun Baekhyun muito raramente falava sério, e quando o fazia, não conseguia manter-se assim por muito tempo, sempre acabava fazendo uma piadinha ou outra e no final acabava falando sobre algo totalmente disperso e rindo.

Quando Chanyeol mudou daquela forma radical, eu e ele começamos a ficar mais próximos, mas acabávamos não nos aprofundando muito em nenhum assunto, porque digamos que Taeyeon era um pouco... Bem... Talvez muito ciumenta.

- Ok, o clima ficou tenso - HyeJin alternava seu olhar entre mim e Baekhyun. - Vou arrumar minhas malas e fazer meu look de aeroporto, meus paparazzis me esperam. Podem conversar o que tiverem que conversar. - Saiu em passos largos até o quarto, trancando a porta atrás de si.

- O que quer, Byun? - Perguntei, seca.

- Eu já disse que você fica linda de saia? - Ele riu. - Já sabe o que eu quero, você nunca foi burra ou lenta... Bem, pelo menos não muito.

- E eu já disse que odeio você? - Revirei os olhos, bufando. Fui até o sofá e sentei-me ao seu lado, onde HyeJin estava há uns segundos atrás, cruzando as pernas, ele fez o mesmo, eu apenas ri.

- Ele quer seu perdão, JungMin. - foi direto.

- Ele que venha pedir pelo meu perdão. Chanyeol acha que você é o que? Pombo correio dos sentimentos? Eu entrego a você meu perdão e você leva pra ele?

- Você não o deixa falar, como quer que ele converse com você dessa forma?

- Nada que saia daquela boca me interessa. - respondi rápido, mais rápido do que eu planejava.

- Não é o mesmo que diria há um tempo atrás. - ele pigarreou.

- Nem você. - o olhei, e ele me encarou, com os olhos arregalados. - Como você disse, nunca fui burra nem lenta. Sei de coisas, Baekhyun, coisas que vieram à tona apenas depois de eu ter vindo a Londres. Ideias que se clarearam em minha mente. - minha voz, novamente, soava arrogante, mais arrogante do que eu planejava.

Ele suspirou, seu rosto começara a ficar vermelho. - eu vim aqui falar sobre vocês dois. - ajeitou-se no assento do sofá. - Chanyeol quer uma segunda chance.

- E eu quero minha vida tranquila em Gwacheon de volta, mas nem sempre temos o que queremos. - dei de ombros.

- Seu principal mecanismo de defesa é o sarcasmo. - afirmou, quase rindo.

- E eu não abro mão dele.

Suspirou, derrotado. - JungMin-Ssi, pelo menos sabe por que ele mudou drasticamente daquela forma?

Naquele momento, eu parei pra pensar. Eu perguntei várias vezes a ele o motivo de tal mudança, cheguei a perguntar a Baekhyun, mas ele se negou a dizer, e Taeyeon nem sequer sabia que ele havia mudado, porque conheceu ele apenas depois desse surto. Assenti negativamente, com a curiosidade borbulhando dentro de mim.

- A mãe dele morreu. - a notícia veio como um martelo no meio do meu rosto. - o pai sempre bebeu, e a mãe tinha uma doença terminal, por isso acabou morrendo no hospital. Depois disso, ele pensou que seu pai tinha algum motivo para beber, e, influenciado pela curiosidade, ele começou a experimentar tudo aquilo. Bebida, drogas. O motivo de tudo isso foi a morte da mãe, e a culpa foi do vício do pai. - abaixou a cabeça.

Os últimos dias têm sido tão turbulentos quanto furacões, e as pessoas vêm jogando informações na minha cara e esperando que eu as absorva normalmente, quando esquecem-se de que eu sou lenta absorvendo coisas, ainda mais coisas de um âmbito tão sério quanto a morte.

Eu tentava absorver aquelas palavras, mas era como se algo me impedisse. Os cérebros humanos eram como esponjas, e aparentemente, minha esponja já havia atingido seu limite de informações que conseguia absorver.

Sua mãe havia morrido.

O pai era viciado.

Ele não tinha ninguém.


Notas Finais


Gostou? Vote!

Gostou muito? Comente!

Achou um lixo? Comente críticas construtivas sobre como eu deveria melhorar!

Erros de português/digitação? Me avise!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...