História What are we? - Capítulo 37


Postado
Categorias Malhação
Tags Isabella Santoni, Malhação Sonhos, Rafael Vitti, Romance, Santovitti
Exibições 394
Palavras 1.963
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá meus amores! Algo me diz que vocês vão gostar do capitulo de hoje, rs.

Antes de lerem o capitulo: Obrigada MESMO por cada favorito, comentário, surto no twitter, indicações e elogios. Vocês são maravilhosas e essas coisas são muito importantes pra nós! Então eu dedico esse capitulo a todas as leitoras maravilhosas de WAW, esse é pra você que ta lendo as notas inicias haahah!

Sugestão de musica: Love Me Like You Do - Ellie Goulding

Capítulo 37 - Capítulo 37


Fanfic / Fanfiction What are we? - Capítulo 37 - Capítulo 37

POV Rafael

- Branquela... para por favor - Pedi com os olhos fechados tentando reprimir a vontade de agarrar Isabella e recebi uma mordida na orelha em protesto - aguenta só mais um pouco... - supliquei e ela se afastou um pouco irritada

- Sempre assim, quando as coisas começam a esquentar você me afasta! - Disse emburrada e eu suspirei

- Se fosse o contrário, você ia se sentir bem traindo seu namorado? - Ela deu uma risada sarcástica

- Eu já teria terminado a muito tempo Rafael... aliás foi isso que eu fiz e que você deveria fazer

- Eu to tentando!

- E a Laura sabe disso, por isso toda essa enrolação! - Disse indignada - Quer saber? Me leva pra casa!

- Já? Mas você chegou aqui não tem duas horas

- A gente não pode fazer nada, do que adianta eu ficar aqui?

- Claro que pode... vamos ver um filme? - Tentei e ela revirou os olhos

- Não, eu quero ir embora.

Levantei, peguei as chaves e fui para a garagem sendo seguido por Isabella. A situação estava complicada, já faziam quase dois meses que eu vinha tentando terminar com a Laura, mas nunca conseguia. Na primeira vez, quando eu disse que tinha algo sério pra conversar com ela recebi a notícia de que ela tinha marcado um jantar com toda sua família pra me apresentar oficialmente. O que eu poderia fazer? Deixar a menina passar vergonha, sendo que já estava tudo preparado? Não, eu não podia. Passado o jantar tenso e desastroso, quando tentei novamente terminar nosso relacionamento ela passou mal e tive que leva-la ao hospital. E todas as outras vezes aconteceram coisas que me impediram de fazer o que eu queria. Isabella dizia que Laura estava me enrolando e eu caindo no jogo dela, mas Laura era tão ingênua... não consigo ver ela dessa forma. Ela estava em São Paulo visitando os pais enquanto eu estava tentando resistir a tentação que é Isabella Santoni.

- Tira essa cara emburrada - Pedi colocando o cinto de segurança

- Me dê um motivo pra fazer isso

- Hm - Fingi pensar no assunto e liguei o carro - você é a única pessoa que já andou comigo depois que eu tirei a carteira! - Sorri forçado e ela riu

- Nossa que emocionante! - Disse irônica

- Agora sério... não fica brava comigo. Eu to tentando, você sabe

- Eu sei Rafael, o problema é que você não vê que ela ta te enrolando! - Bufou - Daqui a pouco ela aparece grávida e eu não vou ser a outra pra sempre, ta entendendo?

- Primeiro que não tem chance dela aparecer grávida - Isabella arqueou as sobrancelhas como se pedisse pra eu explicar - Nós não estamos transando faz um bom tempo - Ela abriu um sorriso de satisfação e eu não pude deixar de rir - e segundo que você nunca foi a outra, você sabe disso...

- É, mas se coloca no meu lugar... você não ia gostar também! Além da tua família e dos nossos amigos, ninguém mais pode saber

- Você pode contar pra tua família... só teu pai que não vai gostar muito né? Ele amava o teu namoradinho

- Enquanto você namorar a Laura eu não vou contar, meu pai surtaria! E ele amava o Christian, mas depois que soube que ele era um idiota até desfez os negócios com a empresa do meu ex sogro - Contou e eu sorri

- Prometo que logo logo vamos poder gritar pro mundo que estamos juntos de novo, ta bom? - Olhei para ela e alisei seu rosto enquanto esperava o sinal abrir

- Ta bom, mas pra isso você tem que ser firme com a Laura! - Ordenou e eu ri do seu jeito mandona de sempre

- Sim senhorita! - Respondi com deboche e ela mostrou a língua.  Meu celular começou a tocar e Isabella revirou os olhos ao ver quem era, suspirei e atendi.

- Oi Lau! - Disse o mais simpático possível

- Oi bebê! Como você ta?

- To bem... e você?

- To morrendo de saudade! Liguei pra te contar uma novidade... - Fez suspense e eu revirei os olhos, olhei para Isabella que tinha um sorriso sapeca nos lábios, arqueei a sobrancelha e ela mordeu o lábio inferior. Voltei a olhar para a estrada e resolvi responder minha namorada.

- Novidade?                        

- Achei que tinha morrido do outro lado da linha Rafael! - Resmungou - Não queria te contar por telefone, mas estou tão ansiosa!

- Ah, é? Então - Fui interrompido ao sentir pequenas mãos abrirem o zíper da minha calça, olhei para Isabella assustado e ela me encarou com um olhar desafiador - Então, me conte o que é! - Pedi atordoado

- Eu vou me mudar de vez para o Rio! Pensei na gente comprar um apartamento e morar junto! - Eu ia responder, mas nesse momento Isabella tirou meu pênis pra fora, se deitou de bruços e passou a língua devagar sobre ele. Segurei a respiração e reuni forças de onde não tinha para responder Laura.

- Olha... eu to dirigindo agora e... porra... ISSO! - Gemi quando Isabella colocou o que pode na boca

- Rafael do que você ta falando? Com quem você ta falando? O que ta fazendo? - Laura me encheu de perguntas enquanto eu tentava respirar normalmente e raciocinar algo para responde-la

- É o trânsito! Tenho que desligar, beijo!

- Mas Rafae - Desliguei o celular rapidamente e joguei ele para o banco traseiro

- Isabella você é louca? Eu to dirigindo e - Ela segurou com um pouco mais de força usando as duas mãos e chupou novamente. Gemi fraco - se você continuar com isso vamos acabar sofrendo um acidente, pelo amor de DeAhhhhh - Ela chupou com força ao mesmo que subia e descia as mãos ao redor do meu membro. PUTA QUE PARIU.

Entrei numa ruazinha mal iluminada e parei o carro estacionando de qualquer jeito enquanto Isabella continuava com o boquete maravilhoso. Eu queria fechar os olhos para focar na sensação maravilhosa que estava sentindo, mas isso implicaria em deixar de ver Isabella me chupando, então decidi apreciar aquela bela cena. Segurei em seus cabelos a incentivando, enquanto ela sugava e lambia toda a extensão do meu pênis. Minha respiração estava falha e eu só queria que ela continuasse, mas como se lesse meus pensamentos, Isabella fez exatamente o contrário. Tirou a boca dali me deixando visivelmente excitado, a encarei frustrado e o sorriso malicioso retornou ao seu rosto. Arrastou o corpo até o meu, ficando por cima e beijou minha boca com vontade. Segurei forte sua cintura e com a outra mão acariciei suas curvas, enquanto ela gemia entre meus lábios e puxava meus cabelos. Retirou a própria blusa rapidamente, assim como minha camiseta, e levou as minhas mãos até os seios, apertei e ela sorriu em aprovação.

- Vai querer parar? - Perguntou esfregando meu pênis na sua entrada. Espera, ela estava sem calcinha por baixo dessa saia desde quando?

- Por favor não se vingue de mim agora, eu preciso de você! - Supliquei e ela respondeu do melhor jeito possível. Ficou novamente de joelhos, se levantando um pouco, abriu o sutiã e colocou um dos seios na minha boca. Essa mulher ia me enlouquecer, ou melhor... já tinha me enlouquecido. Coloquei a mão por baixo da saia que ela usava e apertei sua bunda, Isabella pegou a minha mão livre e levou até sua intimidade, penetrando um dos meus dedos lá. Ela estava se masturbando com os meus dedos! Levei minha boca até o outro seio, ao mesmo tempo que meti outro dedo dentro dela. Ela coordenava os movimentos da minha mão e subitamente tirou meus dedos de lá, segurou meu membro e sentou nele sem aviso prévio. Gememos ao mesmo tempo e selamos nossos lábios. O beijo estava todo atrapalhado, pelo modo em que nossos corpos se movimentavam, ela subia e descia rapidamente e eu impulsionada seu corpo com as mãos.

- Isabella.. - Ela voltou a me beijar e então diminuiu a velocidade, sentando devagar. Gozei dentro dela, enquanto ela continuava os movimentos. Curvou seu corpo para trás e começou a tremer... sinal de que ela estava quase lá. Massageei seu clitóris para ajudá-la e seus gemidos me diziam que ela estava gostando. Gozou depois de alguns instantes e pousou a cabeça sobre o meu tronco, visivelmente cansada.

- Nossa sorte é que esses vidros são escuros - observei - e que essa rua é deserta

- É - sorriu e me deu um selinho - precisamos ir agora né? - levantou e voltou para o banco ao lado. Pegou a calcinha que havia jogado no banco de trás e vestiu, assim como o restante das roupas, enquanto eu fazia o mesmo.

Liguei o carro novamente e voltei para a estrada.

- Sabe branquela... se eu soubesse que você fazia um boquete tão bom eu teria pedido antes

- Você gostou? - Desviei o olhar da estrada para ver se a pergunta era séria

- Se eu gostei? Só não é melhor que estar dentro de você! - Ela sorriu com um misto de satisfação e timidez

- Foi meu primeiro... - falou baixo e eu só não a encarei porque o tráfego havia aumentado e eu precisava ficar atento

- Como assim? Eu duvido!

- Ta bom, quer me imaginar chupando o Christian fique à vontade - Riu e eu fiz cara de nojo ao imaginar a cena

- Não, obrigado!

- Que bom porque é algo que não aconteceu - disse despreocupada - ele me pediu, mas eu tinha nojo

- E o que te fez deixar de ter nojo? - Perguntei curioso

- Não sei, só senti vontade...

- E você gostou?

- É bom

- Se é bom pra você, imagina pra mim! - Afirmei - Então quer dizer que eu fui o seu primeiro em mais uma coisa?!

- Pois é - Sorriu tímida - primeiro beijo, primeira transa, primeiro boquete... enquanto isso eu não fui sua primeira em nada! - Reclamou e eu ri

- Claro que foi! Minha primeira namorada, meu primeiro e único amor... - Retruquei e ela me abraçou de lado

- Você é o melhor! Eu te amo - Disse e beijou minha bochecha

- Ah eu também te amo! Muito mesmo! - Respondi e ela voltou a se sentar no banco normalmente                        

- Você não está se sentindo mal por termos transado? - Perguntou quando eu estacionei o carro em frente a sua casa

- Ah sei lá... - olhei em seus olhos preocupados - de qualquer forma, estar com ela e te desejar, te beijar ou o que mais que façamos é uma forma de traição, né? - Ela fez que sim com a cabeça e eu suspirei - eu não queria terminar por telefone, mas ela disse que está vindo morar aqui, não posso continuar com isso

- Morar aqui?

- É.... ela quer que a gente compre um apartamento

- Ela basicamente te pediu em casamento então

- Quase isso - Ri sem humor

- Rafa, sério... eu não quero te pressionar, mas não aguento mais isso

- Eu sei meu amor, eu vou dar um jeito, prometo

- É bom ouvir você me chamando assim de novo...

- Assim como? - Questionei

- Meu amor..

- É porque você é o meu amor e sempre vai ser

- Eu acho ótimo! - sorriu e me beijou com delicadeza - preciso entrar agora

- Vai lá gostosa - Dei um tapa leve na bunda dela e ela jogou um beijo no ar e fechou a porta do carro. 


Notas Finais


Musica: https://www.youtube.com/watch?v=AJtDXIazrMo
*
*
*
*
[ATENÇÃO] - Em hipótese alguma façam o que Isabella e Rafael fizeram no trânsito!!!! Obrigada uahsuahsuahsa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...