História What is Love? - MLIOF - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Chanbaek, Kaisoo, Xiuchen
Visualizações 90
Palavras 4.035
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção Científica, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eae men.
Cheguei ao capítulo final, lamento a demora mas...não tem desculpa, vacilei.
Espero que gostem do final, caso não, foi mal aê.

Capítulo 2 - Love?


Fanfic / Fanfiction What is Love? - MLIOF - Capítulo 2 - Love?

Passara a manhã inteira no quarto, estava evitando sair, ainda mais correndo o risco de encontrar Chanyeol nos corredores. Não fazia a menor ideia do que diria a ele, muito menos de como agiria. Se sentia mal por ter, de certa forma, dado um fora no maior, mas não se arrependia. Não estou pronto.

Já era hora do almoço, estava com fome. Calçou um par de sapatos e saiu, não tinha certeza de onde era o refeitório, mas se não estava enganado era no andar de baixo, sentiu o cheiro de comida e soube que estava no lugar certo. O espaço cheio de mesas e cadeiras era pequeno e arrumado.

- Baek! - Escutou a voz de Xiumin e olhou em sua direção, estava atrás do balcão, na cozinha. Sorriu e se aproximou. - Você está bem? Jongdae me contou que você não foi no seu primeiro dia.

- Estou sim, foi só uma manhã confusa. - Percebeu que ele estava sozinho na cozinha e achou estranho. - Você está sozinho? Quer ajuda?

- Uma ajuda seria incrível, KyungSoo teve que ir falar com o Chefe Oh e o Jongdae queimou a língua, eu disse pra ele não comer ainda. - Terminou rindo, abriu uma portinha para que o mais novo entrasse na cozinha.

- O que eu posso fazer? 

- Eu vou colocar a comida na bancada e você faz a salada. - Apontou para uma mesa com várias hortaliças.

- Sim, chefe! - Baek brincou e ambos riram, pegou os alfaces e os lavou um por um, cortou os tomates e montou na travessa de vidro. - Está pronto.

- Nossa, ficou tão bonito que dá dó de desmanchar. - Minseok pegou a salada e levou para a bancada. - Vamos, você quer ficar nas bebidas ou na comida?

- Bebidas. - O mais velho concordou e começaram a trabalhar. As mesas estavam quase vazias, a maioria preferia morar em casas ou apartamentos, embora fosse mais fácil ficar nos dormitórios. As pessoas passavam com seus pratos por Xiumin e iam até Baekhyun, era um sistema.

- Bom dia. - Um homem sorridente apareceu na sua frente, era muito bonito e parecia ser um capitão já que era o primeiro que viu com um uniforme preto.

- Bom dia, o que vai querer? - Retribuiu o sorriso.

- Depende, o que temos pra hoje?

- Suco de laranja, água com gás ou sem gás e chá gelado.

- Quero uma água com gás. - Recebeu a garrafa do menor. - Obrigado. - Olhou para Xiumin, fazendo um sinal de negativo e foi se sentar. O que eu fiz de errado? Baek se perguntava claramente nervoso.

- Bom dia, o que vai querer? - Perguntou para o próximo da fila sem tirar os olhos do maior sentado na mesa perto da porta.

- Um beijo seu. - Empalideceu de imediato ao identificar a voz, mas assim que assimilou a frase dita, ficou totalmente ruborizado. Ele não tem vergonha na cara? 

- Isso não está no cardápio, sinto muito. 

- Eu sei, isso é um privilégio só meu. - Sorriu brincalhão e pôde até ver um mínimo sorriso nos lábios do menor.

- Pega essa água e vai sonhar pra lá. - Deu a garrafa ao maior e apontou pra uma mesa próxima, recebendo um olhar indignado do outro.

- Água? Eu não pedi isso. 

- Eu sou um bombeiro, isso é pra apagar o seu fogo no cu. - Escutou a risada alta de Xiumin e riu junto. - Chanyeol riu soprado e se aproximou novamente do ouvido do mais novo, deixando-o com receio do que aconteceria.

- Existe uma outra maneira, mais eficiente, de apagar esse tipo de fogo. Quando quiser aprender, é só bater na minha porta. - Riu e se afastou, Baekhyun estava totalmente arrepiado. Safado, sem vergonha.

- Dá pra fazer o seu trabalho? - Um cara de cabelos castanhos e voz grossa disse, também usava um uniforme preto. Seria uma boa ideia xingar ele? Byun se perguntava.

- Oh me desculpe, o que deseja? - Usou um tom moderado de ironia, não queria problemas.

- Eu quero água com gás. - Pegou a garrafa da mão do outro e deu uma rápida olhada para a mesa mais próxima, confirmando oque já sabia, Chanyeol estava observando tudo. - Obrigado.

Piscou para Baek, deixando-o surpreso com a educação repentina do outro, a piscada serviu apenas para piorar sua confusão. Olhou para Xiumin, que parecia bravo, depois conversariam sobre isso.

- Olhe o Chanyeol. - Um homem baixo disse e deu um rápido sorriso retangular, Baek seguiu seu olhar e se deparou com algo realmente engraçado e ligeiramente fofo, Chanyeol estava emburrado na mesa, sozinho, mexendo na salada e olhando para a garrafa de água. - Ou ele tem ciúmes de você ou é do Sehun.

- Sehun? - Então esse é o nome dele. 

- Sim, eu quero um suco de laranja, e você? - Disse para o homem atrás de sí, um moreno forte e bonito.

- A mesma coisa. - Sorriu para o baixinho, Baek sentiu algo entre os dois e sorriu também, eles ficavam bonitos juntos. Deu duas garrafas de suco e viu que não tinha mais ninguém na fila.

- Obrigado por me cobrir aqui. - O menor sorriu e Baek apenas assentiu.

- Você é o D.O? Não precisa agradecer, bom almoço. - Disse e os dois foram para as mesas.

- Obrigado pela ajuda, agora vamos comer. - Xiumin lhe deu uma bandeja e ambos começaram a se servir, pegaram suas bebidas e seguiram para as mesas. - Quer sentar comigo e com o D.O? 

- Ele fica sozinho? - Perguntou um pouco triste ao ver que Chanyeol continuava sem companhia.

- Não, o Jongdae fica com ele, mas hoje ele vai ficar na enfermaria.

- Então eu vou lá com ele.

- Certo. - Já iam se separar, mas o de cabelos vermelhos parou. - Espere, cuidado com o Sehun, ele não é flor que se cheire. Não que ele seja mau, mas tenha em mente que ele é muito... difícil de se aproximar.

- Ok. - Se afastaram, aquelas palavras o deixaram pensativo, pediria mais detalhes depois. Foi até a mesa e se sentou, nem isso retirou a atenção de Chanyeol da garrafa. - A garrafa vai derreter se continuar olhando pra ela.

- Isso foi uma cantada? - Só então Byun percebeu o duplo sentido da frase, riu envergonhado e negou.

- Não sou eu que fico jogando cantadas. 

- Realmente, esse é o meu papel. O seu é ignorar. - Sorriu e bebeu um pouco de água. - Vou investir nas piscadas, talvez você note.

- Eu não liguei pra aquilo.

- Não pareceu, você ficou olhando pra ele depois. - Tentava disfarçar, em vão, o ciúmes, oque não passou despercebido pelo menor, que resolveu aproveitar.

- Ele é realmente bonito, aquele jeito chato dele é até um charme. - Segurou a risada ao ver o maior engasgar com outro gole de água.

- Então você gosta de ser tratado mal, é oque eu entendi. - Disse claramente incomodado.

- Inveja mata, Park Chanyeol. - Riram juntos e começaram a comer, vez ou outra trocando olhares e os disfarçando.

 

°•°•°•°•°•°•°

 

Uma semana se passara, Baekhyun e Chanyeol se tornaram muito próximos, passavam a maior parte do tempo juntos e eram uma equipe nos resgates. As inúmeras investidas do maior deixaram de incomodar o menor, era algo normal e cotidiano, todo dia uma cantada diferente que arrancava os melhores sorrisos do menor, que não sabia que esse sempre fora o objetivo das bobeiras de Chanyeol. Vê-lo feliz.

Assim como a amizade de ambos, o ciúme do maior também aumentara, ocasionando em provocações do menor e constantes brigas desnecessárias, que sempre terminavam em Baekhyun indo chamar o outro para tomar um sorvete, esse era o pedido de desculpas. Era uma quarta-feira, estavam no corredor conversando com KyungSoo, o assunto era um tanto quanto engraçado, estavam falando de seus tipos ideais, mas era, sem dúvidas, de grande interesse para o mais alto.

- Eu conheci o Kai no treinamento, nos dávamos bem, mas ele era muito infantil na época. - Sorriu ao se lembrar. - Depois que terminamos, fiquei um tempo com a minha família e então vim pra cá, nos encontramos aqui e ele realmente estava mudado. Estava maduro e responsável, daí somei isso com a beleza dele e me apaixonei.

- Maduro, responsável e bonito? Resumiu meu tipo ideal. - As palavras perturbaram Chanyeol, ele não se encaixava totalmente no ideal do menor, mas Sehun sim. Ele realmente gosta do idiota do Sehun? - Apenas acrescento engraçado na lista de adjetivos, gosto de caras engraçados.

- Eu sei. - D.O disse olhando para o maior, que estava totalmente perdido em pensamentos e nem ouvira a última frase de Baek, estava triste e queria ficar sozinho para pensar um pouco.

- Eu vou pro meu quarto. - Disse sem mais nem menos e se retirou, batendo a porta em seguida.

- O que deu nele? - Estava preocupado, tinha dito algo de errado?

- Vai falar com ele. - D.O deu um tapinha em seu braço e foi em direção às escadas, tinha que deixar os dois se resolverem.

Vamos lá então. Bateu na porta do maior, mas foi ignorado. Repetiu o ato mais algumas vezes, já estava ficando irritado, teve que apelar. Correu para o seu dormitório e pegou um grampo de cabelo, abriria aquela porta de qualquer jeito. Chanyeol querendo ou não. Já havia arrombado uma porta antes, não era tão difícil, exigia técnica e muita paciência, algo que estava em falta para o mesmo, mas técnica ele com certeza possuía. Abriu a porta e entrou, pronto pra xingar o maior por tê-lo ignorado, mas não havia ninguém no quarto, a porta do banheiro estava entreaberta e o vapor que saía trazia consigo o cheiro do mais velho. Baekhyun sempre sentia algo estranho em seu interior quando sentia o cheiro de Chanyeol, era algo sem definição, sem explicação. Mas era maravilhoso.

Teve que se segurar para não entrar no banheiro, era como se fosse atraído, mas não faria isso. Teria uma conversa séria com o maior, não perderia a cabeça. O barulho do chuveiro cessou e o vapor foi se dissipando, Baek apenas ficou encostado na porta e cruzou os braços. Chanyeol saiu do banheiro, com apenas uma toalha na cintura, exibindo o peitoral malhado e molhado, secava os cabelos com uma outra toalha e nem sequer percebeu a presença do menor, que estava em uma situação realmente difícil.Os olhos arregalados, a garganta seca, rosto pálido e o corpo tenso denunciavam a surpresa que tivera, nunca vira o outro sem camisa, vê-lo daquela maneira foi como fazer uma descoberta, inesperado.

- Baekhyun? - O tom incrédulo de Chanyeol fez Baek despertar de seu transe, mas continuava incapaz de desviar os olhos do corpo molhado do outro.

- Hm? - Disse um tanto desorientado, nem sequer percebera que estava sendo inconveniente, mas quem se importava?

- O que faz aqui? - Cruzou os braços, realçando os músculos, estalou os dedos para chamar a atenção.

- Que? - Respondeu com outra pergunta, nem escutara oque o maior dissera, sua ficha caiu com o estalo, ficou vermelho de imediato. Que vergonha! Eu sou o que? Um garoto de quinze anos? Abaixou a cabeça para disfarçar o rubor, mas não adiantava. - Desculpe ter entrado, mas eu bati na porta várias vezes, achei que estava me ignorando e vim conversar.

- Eu não te ignorei, estava no banho. - Um pensamento passou pela sua cabeça, o deixando perplexo. - Você não me viu tomando banho, ou viu?

- Não! - Esclamou nervoso, pensamentos nada puros passaram pela sua cabeça, deveria ter visto? - Eu não sou um pervertido, pelo menos não a esse ponto.

- Se fosse o Sehun, você teria visto? - Perguntou sério, queria saber se deveria ou não continuar tentando.

- Isso é sério? - Perguntou incrédulo, ele realmente havia lhe perguntado algo assim? Estava querendo lhe irritar? Se fosse isso, estava disposto a entrar nesse joguinho. - Talvez.

- O que você vê nele? - Fez a pergunta pela metade, a verdadeira questão era O que você vê nele, que não vê em mim?

- Acho o jeito chato e grosso dele um charme, é... - Deu um falso sorriso. - intenso. 

- Intenso? - Chanyeol ergueu uma sobrancelha e riu, um riso carregado de malícia. Foi a passos rápidos e pesados em encontro ao menor, que estava estático com a aproximação, pegou seus pulsos e os prendeu na porta, a cima da cabeça. - Vou te mostrar oque é intenso. - Beijou o pescoço do outro e roçou o nariz na pele macia, deixando uma mordida do lóbulo da orelha, estava tentando se controlar o máximo. Se afastou um pouco para encarar os olhos do menor, que respirava pesadamente. - Intenso é o calor e oque eu sinto por você.

Não esperou a reação de Baek, atacou seus lábios de modo necessitado, sendo correspondido de imediato. Soltou os pulsos alheios e agarrou a cintura do mesmo, fazendo-o gemer, as línguas brigavam por espaço e eles pareciam competir pra ver quem deixava mais marcas, e Chanyeol estava ganhando. Já não estavam mais respondendo por seus atos, oque sentiam era indomável. O maior impulsionou Baek pra cima para que o mesmo passasse as pernas ao redor de sua cintura, segurou em suas coxas e voltou a beijar seu pescoço, ambos estavam excitados e não podiam mais esperar.  Um momento de sanidade clareou sua mente por um momento.

- Você tem certeza? - Descansou a cabeça na curva do pescoço e aguardou a resposta.

- Lembra o modo mais eficiente de apagar o fogo que você me disse aquela vez? - Sorriu e acariciou o cabelo do maior. - Me mostra.

Chanyeol sorriu e reiniciou o beijo, estava ainda mais quente. Retirou rapidamente a blusa do menor e jogou em um canto qualquer, desabotoou a calça jeans e o pôs no chão para removê-la, seguiram aos tropeços em direção a cama.

- Tenho uma ideia melhor. - Pegou a mão do menor e sorriu malicioso, o puxou até o banheiro e o levou para baixo do chuveiro, ligando-o em seguida. A água quente só aumentou a temperatura de seus corpos, que já estavam ferventes.

- Chanyeol. - Chamou. - Qual é o seu tipo ideal?

- Meu tipo ideal? - Riu e beijou seu ombro. - É você.

Voltaram a se beijar, Baekhyun levou as pequenas mãos até a toalha e sorriu entre o beijo, desatou o nó frouxo e deixou-a cair no chão. O membro rijo de Chanyeol roçava no menor, que se arrepiava com o toque, que reprimia alguns gemidos, passou os dedos pelo abdômen definido do maior e segurou o volume com uma das mãos, fazendo movimentos de vai e vem. Os gemidos roucos do outro eram música para os seus ouvidos, estavam enlouquecendo.

- Porra Baek. - Disse rouco em seu ouvido, e como sempre, arrepiou até a alma do menor. Impediu que os movimentos continuassem, em um ato rápido, virou Baekhyun deixando-o colado á parede. - Aquela garrafa não se compara com a minha mangueira. - Riu malicioso e roçou o nariz em sua nuca. - Pede.

- Apaga o meu fogo, Channy. - Não sabia oque tinha sido mais excitante, o apelido ou o pedido.

- É pra já. - O penetrou de uma vez só, arrancando um grito do outro, aquilo doera mais do que esperava, preocupando o maior. - Doeu muito?

- O seu é maior que os outros, não estava preparado. - Não havia se relacionado com mais de três homens durante a sua vida, mas nenhum deles se comparava a Chanyeol.

- Outros? Quantos encostaram em você? - Segurou a cintura do menor de modo possessivo, sua voz estava um pouco alterada.

- Não muitos, foram três, mas é passado. - Sentia a respiração quente do outro nas costas, se arrepiando por inteiro quando o mesmo o prensou mais na parede.

- Então eu deveria fazer de você meu. - O penetrou fundo novamente, e ambos gemeram, os movimentos eram lentos e certeiros, o barulho da água caindo se misturavam com os gemidos manhosos de Baek e os roucos e contidos de Chanyeol.

- Ah Channy. - Ouvir o menor gemer seu nome o deixava completamente desconcertado, virou-o e novamente segurou suas coxas em volta da cintura. Os movimentos agora eram mais rápidos, faziam os dois sentirem que o ápice chegaria em breve, a pressão esmagadora no interior dos corpos era absurda. - Eu vou Ah - A frase terminou com o gemido agudo do menor, sentiu um alívio absurdo.
Chanyeol continuou os movimentos, dando rápidas investidas buscando acabar com a pressão que sentia, assim que teve seu orgasmo, descansou a cabeça na curva do pescoço do outro e sorriram. Estavam exaustos, mas felizes. Se sentiam... completos, como se tivessem encontrado oque faltava em sí um no outro. Era incrível.

- Baek. - Chamou baixo se retirando de seu interior e atraindo-lhe a atenção. - Você quer namorar comigo?

- O que? - A pergunta foi um choque, não esperava algo assim. Aquilo o tirou o chão, estava sem resposta. Soltou o maior e tentou sair debaixo d’água, mas foi impedido pelo mesmo, que o olhava confuso.

- O que foi? Não quer aceitar? - Não conseguia entender a reação, se gostavam, certo?

- Eu não estou pronto.

- Não está pronto? Acabamos de transar e eu sei que oque sentimos não é comum. - Olhou nos olhos do menor, como se implorasse para que ele concordasse e dissesse que também sentira algo. Mas Baek não faria isso.

- Não foi nada especial pra mim. - Não conseguia sustentar o olhar do outro, estava magoado.

- Mentira. 

- O que aconteceu aqui não vai se repetir. - Pegou uma toalha e saiu do banheiro, se trocou rapidamente e colocou os sapatos. Precisava sair dali.

- Você quer que eu acredite que isso não significou nada pra você? - VestiU uma boxer e tinha uma toalha em mãos, sua expressão era abatida e ao mesmo tempo brava.

- Tem um nome pra isso, sexo casual. - Secou o cabelo com a toalha e a deixou no gancho. - Não quero que nossa amizade acabe, mas se continuar te vendo vai piorar a situação, eu...

- Piorar? Já está feito, Baek. 

- Lamento Chanyeol, esqueça oque aconteceu. - Colocou a mão na maçaneta e a virou.

- Eu te amo. - Se oque Baekhyun estava sentindo já era terrível, naquele momento piorara ainda mais.

- Eu não. - Disse firme, mas estava desmoronando por dentro, saiu de uma vez do quarto e foi direto para o seu. Não sabia oque estava fazendo, sua mente dizia pra se afastar, mas algo dentro de sí gritava para que não fizesse isso, estava em um conflito interno. Seu medo de se magoar novamente era maior que o medo de nunca mais ver Chanyeol? Aliás, oque diabos era aquilo que estava sentindo? Na verdade, uma parte de Baekhyun sabia perfeitamente oque era, mas a outra se recusava a aceitar, o medo limita nossas vidas.

Baek evitou contato com Chanyeol por três dias, mas estava ciente de que era errado, não deixaria de falar com seu amigo. A sirene soou e todos saíram de seus dormitórios, correndo para o caminhão, como sempre, Sehun entrara na casa em chamas junto com Jongdae enquanto Baekhyun e Chanyeol pegavam as mangueiras de incêndio.

- Droga. - Baek disse ao perceber que a mangueira estava presa em algo, puxava mas ela não se desprendia. O maior foi até o caminhão e resolveu o problema, em silêncio. Nenhum sorriso ou olhar. Não era momento de conversas, precisavam fazer seu trabalho, mas com toda a certeza conversariam mais tarde sobre isso. Em menos de uma hora, o fogo havia sido controlado e logo depois apagado, voltaram para o caminhão totalmente cansados, o calor e o peso da mangueira sugariam a energia de qualquer um. Baek recolocava a mangueira no suporte e o maior ajudava a guardar o restante dos equipamentos, era o momento certo.

- Chanyeol. - Se aproximou devagar. - Podemos conversar?

- Claro, mas vamos fazer isso dentro do caminhão. - O menor não contestou, subiram no veículo e ele começou a se mover.

- Você está bravo? 

- Não.

- Está me evitando?

- Também não.

- Mas parece que sim. - Olhou para o chão e mexeu no cabelo, estava nervoso, era evidente que o maior estava na defensiva. O silêncio se instalou entre eles e deixava o clima pesado, pensava com cuidado nas palavras que usaria. - Eu só queria dizer que gosto da sua companhia, não quero perder a sua amizade por causa daquilo.

- A mangueira? Não foi nada, não foi culpa sua, estava presa. - Chanyeol olhou para o menor e sorriu, foi o sorriso mais forçado que ele já vira.

- Você sabe que eu estou falando de nós dois. - Haviam chegado no corpo de bombeiros, o mais velho desceu do caminhão e o outro o seguiu.

- Nós dois? Do que está falando? - Se fez de confuso e recebeu um olhar incrédulo do outro. Ele não pode estar fazendo isso...

- Chanyeol... você disse que me amava. - Disse baixinho, temia escutar oque não queria, embora merecesse.

- Sério? - Chegaram no corredor dos dormitórios, o mais alto destravou a porta e a abriu. - Não me lembro disso, sinto muito.

Antes de entrar no quarto, olhou para o menor como se estivesse querendo dizer algo, mas desistiu e entrou. Baekhyun estava destruído, então era isso? Transaram e ele finge que não se lembra? Foi exatamente oque eu sugeri ele fizesse. Se sentiu um completo idiota, estava realmente devastado, a sensação de ser esquecido era tão terrível, sabia como era a dor da rejeição... Não acredito que fiz isso. Não seria mais um covarde, dizer que não estava pronto era apenas uma desculpa. Quando se está em uma montanha russa, durante a subida você entra em desespero, diz que não está pronto, mas sabe que a descida é inevitável, uma hora vai acontecer, você tem duas escolhas: Encarar ou adiar. Mas assim que a descida começa, encara-se uma sensação nova, sente-se o frio na barriga, a adrenalina. É ótimo. É se arriscar. Se Park Chanyeol fosse o seu desafio, sua descida, ele encararia, se arriscaria. Bateu na porta.

- Baek? - O mais alto deu espaço para que ele passasse. - Quer dizer mais alguma coisa?

- Sim, eu estou pronto. - O olhar de Chanyeol se abalou por um momento, mas se recompôs. Teria que fazer mais do que isso pra consertar oque haviam lhe dito.

- Pronto pra que?

- Você não se lembra? - Viu o outro negar, respirou fundo e se aproximou até ficarem frente a frente, ficou na ponta dos pés e aproximou os lábios de sua orelha. - Vou te fazer lembrar.

Colou seus lábios de forma suave, não como da última vez, sem desejo ou luxúria, apenas saudade e afeto. Fora retribuído de imediato, seria idiotice negar, não negariam novamente.  As mãos de Chanyeol passavam pelas costas do outro, cuja as mãos seguravam o cabelo do maior. Era uma sensação incrível, finalmente encarara sua descida na montanha russa, estava extasiado, ambos estavam.

- Eu te amo. - Disse novamente, esperava mais do que nunca uma resposta. Baekhyun sentiu um frio na barriga. Amor. Afinal, o que é amor?

- Desde que te conheci, venho aprendendo incontáveis emoções. Todos os dias com você, lutando, chorando e abraçando. - Passou a mão pelo rosto do de Chanyeol, acariciando sua face. - Diga-me, se isso é amor.

                                                                                                                                                                                                                                                                                                 “I can't explain what I feel.”

 

°•°•°•°•°•°•°•°
 

- Olha a audácia desse filho da puta. - Disse em plena fúria, odiava ver Oh Sehun tratando as pessoas de forma rude, se aproximou do garoto fofo, Luhan se escutara certo, e estendeu a mão. - Olá, eu sou Byun Baekhyun e esse é Park Chanyeol.
 


Notas Finais


Então?
Espero do fundo do coração que tenham gostado.
Bjs amores ♥♥♥

{ alguém pegou as referências de What is love? }


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...