História When Love Find You - Capítulo 21


Escrita por: ~ e ~Lubuingbuing

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Suga
Tags Bts, Jimin, Jin, Kook, Romance, Suga
Visualizações 10
Palavras 3.922
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Demorou mais saiu...Estamos caminhando para o final hein
Quais suas apostar?

Capítulo 21 - I Miss You


Fanfic / Fanfiction When Love Find You - Capítulo 21 - I Miss You

YOONGI POV ON

             Uma semana era o tempo que Ane e Hane estavam fora, não sei dizer como eu me sinto com isso, não sei dizer como me sinto com mais nada. A comida já não tem mais gosto, o trabalho ficou mais torturante, e o tempo tende a passar tão lentamente que sete dias já se tornaram setenta.
            Ver Jin todos os dias sabendo que ele pediu a mulher que eu amo em casamento me deixa pior, eu estou tentando ao máximo não misturar pessoal e profissional mas não está fácil.

FLASHBACK ON
        Levantei da cama quando percebi que os primeiros raios de sol pediam passagem pela janela fechada, confesso que mal dormi a noite e o pouco que cochilava eu revia a cena de Jin mostrando o anel a Ane. Isso me torturava, minha cabeça estava latejando e o ferimento em minha mão queimava, porque eu demorei tanto para perceber o que Ane significava pra mim? É verdade quando dizem que só damos valor a algo ou alguém depois que perdemos.
          -Hyung – Guk mostrou os primeiros sinais do despertar
          -Dorme mais um pouco Guk ainda é bem cedo – Deixei o quarto fechando a porta atrás de mim
           Desci as escadas, o silêncio que sempre me agradou agora era torturante. Quando cheguei à cozinha fui direto a procura de água, abri a geladeira e o ar frio me deu arrepios, ao buscar por um copo que ficava sobre a mesa percebi algo sobre ela, folhas de papel.
           -O que é isso hyung? – Guk me olhava com os olhos semi abertos
           -Não sei – Coloquei a garrafa sobre a mesa e chequei os papéis.
           Tenho certeza que meu rosto mostrou exatamente como me sentia naquele momento já que Guk que antes aparentava estar sonolento despertou rapidamente
            -Hyung o que foi? – Ele se aproximou rapidamente
            -Ela foi embora – Sussurrei soltando meu corpo sobre a cadeira – Ela se foi
            -Quem hyung? – Guk pegou os papeis da minha mão e começou a ler
           ‘’Precisamos de um tempo, tanto eu quanto a Ane. Os papéis que precisa para cuidar do meu afastamento estão preenchidos, ainda não sabemos quanto tempo vamos ficar fora, talvez nem voltamos mais, já que nosso acordo está chegando ao fim. A Ane deixou a carta de demissão dela junto. Espero que entenda tudo isso. Desculpa Yoongi eu tentei convencer ela de não fazer isso mas minha irmã é cabeça quente como você. Diz para o Guk que…” – Essa última frase estava riscada, mas mesmo assim dava para lê claramente o que ela havia escrito. Guk continuou “Quando voltarmos eu entro em contato. Até. Hane.”
             Senti o olhar de Guk sobre mim mas não consegui olhar para ele, baguncei meu cabelo e soltei um grito ao socar a mesa.
            -Hyung – A voz do mais novo saiu baixa, talvez até ele não soubesse o que dizer.
            Me levantei e voltei para o quarto, local que se eu pudesse não deixava mais.

FLASHBACK OFF


          Tudo começou a dar errado depois daquele dia, perdi um contrato importante, fiz confusão em uma reunião com investidores estrangeiros e mal sabia que o pior ainda estava por vir…

 

SÁBADO - 09:30 AM

 

Acordei de mais uma noite mal dormida, os problemas da empresa só se acumulavam e eu não encontrava uma forma de resolvê-los. Uma secretaria com certeza ajudaria mesmo que Aron estivesse prestes a voltar. Era sábado, o dia que eu podia relaxar...se não tivesse milhões de papéis para revisar.

Afundei minha cabeça no travesseiro na tentativa falha e desesperada de poder resolver todos meus problemas em um passe de mágica.

-Hyung precisamos limpar a casa -Guk nunca me deixava quieto quando estava em casa - Não sei como ainda não está reclamando da poeira.

Respirei fundo, a falta dela me incomodava mais do qualquer outra coisa.

-Limpe você Guk - Acabei sendo rude

Guk apenas se levantou, meu irmão está aguentando bem o meu mal humor. Algum tempo depois ele voltou.

-Hyung - Senti o colchão afundar - Fiz o café da manhã. Não adianta dizer que não quer, se precisar faço você comer a força. Se quer dar a volta por cima você precisa está bem, perdeu peso só essa semana.

-Quem é o irmão mais velho? - Resmunguei

-Você - Ele fez uma pausa - Eu não quero que fique doente

Me levantei, meu irmãozinho estava certo, eu precisava ficar forte mesmo não tendo o menor pique pra isso.

Me levantei e desci pro café, Guk tinha preparado Japchae. Todo canto em que eu olhava parecia ver Ane mesmo sabendo que ela não estava ali.

Com a ajuda de Guk arrumamos toda a casa - Exceto o quarto das meninas.

-aah estou cansado - Me joguei no sofá

-Também - Guk se jogou ao meu lado

O silêncio surgiu nos lembrando que estávamos sozinhos

-Parece tão vazio sem elas - Guk suspirou

-Sim - Assenti

-Será que a Nonna não volta mais mesmo? - O menor me olhou curioso pela minha resposta

-Se ela não voltar… - Fiz uma pausa - Eu vou buscar ela...Elas

Um sorriso surgiu no rosto de Guk

-Enquanto isso vamos pensar nisso como um tempo para irmãos - Comecei a cutucar Guk que rapidamente caiu na gargalhada. O clima estava bom e eu me sentia um pouco melhor do que nos últimos dias. Então o celular do menor tocou, e ele rapidamente se apressou a atender.

-Alô… - O sorriso desapareceu - Ah abeoji...Hoje? - Ele me olhou - Vou dizer ao Hyung...Sim senhor, estaremos ai na hora.

-O que era? - Perguntei assim que Guk encerrou a chamada

-O abeoji quer que nós dois vamos almoçar em casa hoje. Ele disse que é importante.

Bufei...Eu detestava ir para casa, ainda mais com o humor que me rodeia esses dias.

-Você vai, certo Hyung? - Guk me olhava a procura de uma resposta silenciosa mas eu apenas subi para o quarto fazendo o mais novo vim rapidamente atrás. - Hyung pode ser bom sair de casa, faz tempo que não vamos para casa.

Me joguei sobre a cama, não tinha a mínima vontade de sair de casa, estava indo para o trabalho porque se tornou obrigação.

-Hyung - Guk se sentou ao meu lado - Você precisa reagir. A Ane noona não vai voltar só porque você está assim. Se você gosta dela precisa deixar ela saber e pra isso você precisa estar bem - Ele fez uma pausa - Vamos para casa hoje, pode ser bom e te ajudar. Eu vou me arrumar, ok?

Ouvi portas batendo e gavetas sendo abertas e fechadas então Guk deixou o quarto. Eu realmente não achava que ver meu abeoji fosse ajudar em algo na minha situação mas entendia que Guk estava ansioso para ir porque estava com saudades de sua mãe e isso eu não podia negar ao meu irmão.

Uma hora depois e estávamos prontos para o almoço em família, Guk não podia conter sua alegria e o sorriso não saia de seu rosto. Entramos no carro e seguimos para casa…

Fazia um bom tempo que não aparecia em casa e confesso que não sentia muita falta disso, depois que a Omma morreu e até mesmo antes, meu abeoji nunca foi atencioso, carinhoso. Eu cheguei até mesmo a perguntar uma vez a Omma se o abeoji não gostava de mim e porque ele não era como os outros pais, como o abeoji da garota da loja de flores, Omma apenas respondeu que meu abeoji não era de demonstrar afeto mas que ele me amava ao seu jeito. Nunca mais perguntei isso pois percebi que isso a magoou, depois que ela se foi as coisas só pioraram.

-Hyung - Guk me fez voltar ao presente - Vamos entrar

Acenti com a cabeça e dei alguns passos para me aproximar do meu irmão e entrarmos juntos, Guk abriu a porta de madeira que soltou um rangido baixo anunciando a nossa chegada

-Omma, Abeoji nós chegamos - Podia sentir a alegria na voz do mais novo

Dois minutos e a mãe de Guk apareceu sorrindo, com certeza alegre em poder ver seu filho depois de algum tempo.

-Aigoo meus bebês chegaram - Ela fazia o tipo de mãe coruja e boba

-Omma eu não sou mais um bebê - Guk reclamou mas sem deixar de sorrir

-Você vai ser sempre um bebê - Baguncei o cabelo do menor que protestou

-Hyung

-E você Yoongi, como está? - Ela se aproximou e colocou a mão sobre minha bochecha - Como você perdeu peso, está tudo bem?

-Sim eomeoni , são apenas alguns problemas na empresa - Respondi rapidamente sem entrar em detalhes

-Eu não te deixei ficar com a empresa para causar problemas - Meu abeoji apareceu com sua voz e jeito rude

-Abeoji -Guk e eu falamos ao mesmo tempo

Nos curvamos.

-Que bom que vieram, sua omma estava com saudades Jungkook - O olhar que o abeoji tinha para Guk foi algo que nunca recebi. - E você seu moleque teimoso, deve visitar mais vezes, quero saber sobre como está comandando a minha empresa.

Talvez eu não devesse ter vindo a esse almoço, nada de bom acontece quando volto a essa casa, mesmo as lembranças de um tempo feliz com minha mãe parecem distantes demais para valerem a visita.

-Vamos deixar os negócios para depois -a mãe de Guk quebrou aquele clima estranho -venham para a mesa, a comida será servida

-Sim  eomeoni

-Além do mais, não devemos deixar visitas esperando. É falta de educação -concluiu ela

-Visita? - Guk me olhou e voltou a olhar a eomeoni

-S...Sim - Ela respondeu sorrindo nervosa enquanto me olhava - Vamos meninos

Algo passou pela minha mente mas não acreditava que meu Abeoji seria tão grosseiro a esse ponto. Seguimos então para a sala de jantar da casa,

-Abeoji - Escutei uma voz conhecida

Mas dois passos e eu realmente estava certo, não deveria ter vindo.

-DoHee? -era minha ex sentada à mesa

-Oppa - Ela sorriu

-O que...o que você está fazendo aqui? - Mesmo sabendo a resposta eu ainda perguntei

-Eu a convidei - Meu pai respondeu

Olhei para ele e para DoHee e não contive a gargalhada

-Oppa, você tem estado bem? -DoHee veio até mim agarrando meu braço

Tirei suas mãos de meu braço -Você não tem o mínimo de orgulho?

-Oppa-a -ela voltou a me segurar -você sabe melhor do que eu o porque estou aqui, então pare de agir como criança na frente dos mais velhos. Ou você acha que estou aqui por sua causa? -sussurrou ela em meus ouvidos

-Porque você continua a segurar meu braço? -tirei novamente suas mãos de mim, só que dessa vez de uma maneira mais brusca

-Yoongi -meu pai me repreendeu -Desculpe senhorita DoHee, eu falhei na educação do meu filho mais velho, por isso ainda lhe falta tanto.

-Tshi -não contive o deboche

- Por favor vamos sentar à mesa antes que a comida esfrie -meu pai faz gesto com as mãos

Era difícil demais engolir toda aquela baboseira, até que ponto meu pai chegou, até que ponto?

-eomeoni -me curvei despedindo-se da mãe de Guk e dei as costas na tentativa falha de sair daquele lugar

-Min Yoongi - Meu pai gritou pelo meu nome quando eu já estava prestes a sair

Me virei para olhar para ele, todas as lembranças do passado vieram em minha mente, como se o passado não fosse suficiente ele ainda continuava a me magoar.

-Onde você pensa que vai?

-HA - Soltei um sorriso de deboche pela pergunta - Porque ainda pergunta? Você não se preocupa mesmo

-Você é meu filho...

-PARA - Gritei - Para de querer bancar o bom pai, você algum dia me amou? Hoje eu percebi que não

-Yoongi-ah - A mãe de Guk tentou chamar minha atenção

-Hyung - Guk também estava próximo

-Vamos para o escritório conversar - Sugeriu meu pai

-Não, tudo que eu tenho para falar, eu vou falar aqui - Fiz uma pausa - Quando eu cheguei a mãe do Guk percebeu que eu não estava bem, o senhor ao menos notou isso? Nem me perguntou como eu estava e já falou sobre a empresa, logo em seguida eu vejo que armou um almoço para falar sobre o casamento, meu casamento. O senhor nem sabe o que está acontecendo para falar isso, não sabe o que aquela garota fez e agora a coloca dentro de casa dizendo que eu vou me casar com ela?

-CHEGA - meu pai gritou

-Hyung eu acho melhor nós irmos embora

-Você se importa com a felicidade do seu filho? Eu hoje percebi que não...O senhor gosta mais dele - Olhei para Guk - Que não é nada seu do que comigo que sou seu próprio filho

-Min Yoongi eu não vou falar novamente - Meu pai se aproximou com olhar furioso no rosto

-Ouvir verdades te incomoda? Tudo o que lhe interessa é conseguir o que deseja da forma que lhe for agradável, a empresa não é sua, é minha. Minha mãe a deixou pra mim. Com quem eu vou me casa eu decido e não o senhor, nunca foi um pai é melhor não tentar parecer um agora

Meu pai não se conteve mais e me deu um tapa

-OMO - A mãe de Guk gritou

Olhei para ela e vi o nervosismo e surpresa em seu rosto, Guk também estava com os olhos arregalados. Voltei para o meu pai e disse:

-Nunca mais se meta na minha vida. Eu não vou deixar o senhor fazer da minha vida um inferno como fez com a minha mãe.

Me virei e saí daquele lugar, naquela casa eu não voltaria jamais e a partir de hoje eu viveria a minha vida do meu jeito, primeiramente recuperando tudo o que me pertence.

 

YOONGI POV OFF


 

ANE POV ON

O fim da tarde em nossa cidade era umas das coisas mais lindas e inesquecíveis que podemos ver, quando éramos pequenas a nossa mãe sempre se sentava na varanda de casa enquanto esperava o papai chegar. Hane e eu crescemos vendo o pôr do sol com céu alaranjado e aquele vento fresco que só o interior podia nos proporcionar. O ar limpo e o céu claro não eram algo que Seul nos oferecia já que há muitos veículos e muita movimentação por lá, mal temos tempo para apreciar algo simples assim.

-O que está fazendo? – Hane se sentou ao meu lado no banco de madeira

-Huum? Nada, apenas relembrando  quando éramos pequenas – Suspirei.

-Engraçado como o tempo passou né? Eu nem me dei conta

-Sim – Fiz uma pausa antes de continuar a falar – Eu queria poder voltar no tempo

-Tudo era tão simples não é? – Completou Hane - Nada de responsabilidade

-Nada de garotos -comentei

-Garotos sempre existiram – Sorrimos com o comentário – Não se lembra?

-Do que? – Perguntei curiosa

-O… Qual era mesmo o nome dele? O filho do nosso vizinho

Ficamos alguns segundo em silêncio tentando nos lembrar

-Minhyuk – Falamos juntas

-Ele gostava de você – Comentou Hane

-E você dele – Completei – Na verdade eu acho que ele gostava é de você, ele sempre me chamava de Hane

-Eu o odiava perto de você – Confessou minha irmã – Por isso sempre batia nele

-Ciumenta – Bati com meu braço no braço de Hane

-Bons tempos – Ela suspirou

-Sim

O silêncio novamente surgiu, ficamos apenas olhando enquanto o alaranjado dava lugar ao crepúsculo da noite.

-Devemos apenas ficar aqui? – Perguntou Hane para a minha surpresa.

Olhei assustada com aquela pergunta, nunca imaginei que algo assim sairia da boca da minha irmã. Ela que sempre preferiu o agito de Seul que a tranquilidade de Hwacheon

-O que foi? – Ela me encarou

-Nada – Voltei a olhar para o céu que começava a ficar escuro e as estrelas começavam a brilhar

-Eu só estou cansada de tudo sabe? Sempre ter que usar salto, maquiagem, estar sorrindo mesmo quando quero manda todos se ferrarem...

-Essa não é a verdade – A interrompi – A razão para você querer ficar aqui tem nome, documento e endereço... Eu acho.

-Também. Só estou cansada de tentar ser perfeita sempre

-Conheço alguém que gosta de você quando está sendo apenas você – A encarei – Fora eu, claro. Com ou sem maquiagem, com salto ou sem salto, com o rosto inchado depois de acordar ou cansada depois de um dia de trabalho...

-Não... Eu já disse que não. – Hane ficou séria não era como se estivesse brava, mas sim como se soubesse de tudo aquilo e continuasse negando.

-Ok. Não está mais aqui quem falou – Me ajeitei no banco

-Você também hein... – Ela se levantou e caminhou até a beirada da varanda se encostando em uma das pilastras – Devia se preocupar com Yoongi e Jin antes de vim falar de mim

Apenas suspirei, sabia que Hane estava certa.

-Já pensou em conversar com ele? – Perguntou Hane

-Quem? - Questionei

-Yoongi

-Acho que deveríamos apenas ficar por aqui mesmo – Respondi rapidamente

-Não parece uma má ideia afinal, não é? – Mesmo sem ver, sabia que Hane estava quase chorando.

O barulho dos grilos tomou conta da atmosfera, não sabíamos o que falar uma para a outra, nem o que fazer. Difícil aconselhar quando não se sabe o que fazer da própria vida. Nossos pensamentos foram interrompidos pelo toque do meu celular.

-Quem é? – Hane voltou a se sentar ao meu lado

Eu encarava a tela do aparelho

-Guk – Respondi

-Não atende – Hane disse em um tom nervoso

-Ele não ligou todos esses dias. E se for algo importante?

-Não deve ser nada, ele só quer saber onde estamos – Concluiu Hane

Algo me dizia que não era isso, aquela ligação de alguma forma mexeu comigo. Senti uma pontada no estômago e meu coração acelerou, sem pensar e antes que a ligação fosse para a caixa postal, atendi.

-Guk – Olhei para Hane que me fuzilava com o olhar

-Noona – A voz do mais jovem parecia trêmula

-Aconteceu alguma coisa? Você parece...

-O Hyung

-O... O que tem ele? – Me levantei fazendo Hane se aproximar rapidamente

-O que aconteceu? – Ela perguntou baixinho

-Ele foi à casa do pai dele hoje... Ele não parece bem Noona

-Como assim? Explica-me Guk, onde ele está? Passa o telefone pra ele

-Ele não quer falar com ninguém Noona, desde que voltou está sentado na varanda, olhando para o nada.

-Mas o que aconteceu Guk?

-Ele não está comendo faz dias Noona, desde... Desde que vocês saíram, hoje durante o almoço ele teve uma briga feia com o pai, eu não sei o que fazer.

-Guk, calma – Comecei a andar de um lado para o outro – Passa o telefone pra ele

-Espera, deixa-me subir.

A linha ficou em silêncio por alguns segundos

-O que aconteceu Ane? – Hane me perguntou novamente

-Não sei

-Noona – A voz de Guk surgiu novamente

-Sim, passa para ele.

-Hyung, alguém quer falar com você... Hyung é a noona... Hyung responde, por favor... Noona ele não reage

-Eu... – Passei a mão no cabelo, ato que sempre faço quando estou nervosa – Eu estou indo para ai, me da uma hora... Duas no máximo eu chego ai. Fica de olho nele enquanto isso.

Nem esperei Guk responder e encerrei a ligação, Hane estava falando comigo mais nem prestei atenção no que era, arrumei minhas roupas na mala rapidamente e sai de casa. Yoongi jamais agiria assim, algo sério deve ter acontecido entre ele e o pai, ele precisava de mim. O ponto de ônibus ficava próximo de casa, cheguei rapidamente a ele, o problema agora seria o ônibus passar. Os minutos pareciam horas.

-YAH! – Escutei um grito

-Hane

-Como... Você... - Minha estava ofegante

-Porque veio? Devia ficar mais um tempo – Dei lugar para minha irmã sentar no pequeno banco que ficava no ponto

-Eu... Eu… -ela tenta encontrar fôlego - Não ia te deixar... Ir sozinha

-Respira – Abanei Hane com as mãos

-Da próxima, vá mais devagar. Tive que escrever um bilhete para nossos pais avisando que estávamos voltando, arrumar a mala e fechar a casa... Ainda correr até aqui

-Desculpa. Eu preciso ver ele

-Eu entendo, sério... Só acho que podia ir mais devagar, o ônibus só passa às 19h44min, ainda são... – Hane olhava o celular – 19h16min

Aqueles vinte e oito minutos levaram um século para passar, o ônibus chegou e seguimos de volta para Seul, seguimos caladas pelas duas horas que passamos no ônibus, ao chegar rapidamente pegamos um taxi entrando na frente de uma senhora que estava prestes a entrar e seguimos para casa, deixei Hane se virando com as malas e pagando o motorista, apenas entrei e segui para o segundo andar, chegando na varanda vi Yoongi sentado como Guk havia falado, ele estava olhando para o nada.

-Noona – Guk me chamou

-Eu vou falar com ele, espera lá embaixo.

Guk apenas assentiu e desceu, enquanto eu me aproximei de Yoongi

-Yoongi- ah – O chamei, mas ele não pareceu notar minha presença, então o chamei novamente – Yoongi-ah

-Você de novo... -Fala Yoongi ao perceber minha presença

-Achei que ficaria mais feliz em me ver, não esperava uma reação tão seca assim. Mas o que eu poderia esperar de um cara chato como você não é mesmo? -me escoro na grade da varanda

-Minha nossa, você até fala agora... -Yoongi tira a atenção da rua e passa a me encarar

Seu rosto estava pálido e ele claramente havia perdido peso.

-Do que você tá falando? Bem que Guk falou que você não estava bem... realmente... Você só falou coisa com coisa desde que cheguei

-Você parece tão real. Como eu queria que fosse você de verdade Ane. Como eu sinto sua falta - O semblante daquela pessoa estava ainda mais caído agora.

Eu não consegui me segurar, não consegui vê-lo daquele jeito e não abraçá-lo. Eu queria confortá-lo, queria poder fazer alguma coisa pra tirar aquele semblante triste de seu rosto.

-Eu estou aqui Yoongi, eu sou real.

Nesse momento Yoongi me abraçou de volta da mesma forma quando acabou a luz na Infinite. Éramos só nós dois como se o mundo tivesse parado. Meus olhos arderam mas eu não podia chorar, respirei fundo, engoli o choro, soltei o abraço e olhei para ele.

-Porque parece tão magro? Eu fiquei preocupada com a ligação do Guk

-É você mesmo? – Yoongi acariciou meu rosto – Você está aqui?

-Já disse que sim – Sorri

Yoongi ficou acariciando meu rosto e me olhando por algum tempo, não entendi bem aquela situação mas também não fazia questão de entender.

-Amanhã você não irá trabalhar, certo? – Perguntei

Ele negou com a cabeça

-Então – Dei dois passos para trás me soltando de seus braços – Amanhã às 9 horas, me encontra na cozinha.

-Porque? – Ele não entendeu

-Você vai ver – Sorri – Agora eu vou entrar e descansar amanhã o dia será cheio – Pisquei e entrei

-Que? –Ele permanecia parado no mesmo lugar

-Você devia entrar também, não quero reclamações amanhã – Segui para o quarto onde Hane estava desfazendo as malas e Guk a olhava.

-Guk, vá descansar, amanhã vamos sair.

-Noona e o hyung? – O menor rapidamente veio até mim

-Não se preocupe, faça-o entrar, tomar um banho, comer algo e dormir, amanhã vocês terão que acordar cedo – Sorri.

Guk olhou para Hane

-Eu não sei de nada – Ela rapidamente respondeu

-Agora saia – Empurrei o menor para fora do quarto e fechei a porta

-O que você vai aprontar? – Hane me conhecia

-Nada – Respondi mordendo os lábios

-Essa sua cara não me engana

-Eu só acho que preciso pôr um fim em tudo isso. E isso vai ser amanhã

 

ANE POV OFF

 


Notas Finais


O que será que Ane quis dizer com ''por um fim nisso?''
Espero que tenham gostado >D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...