História When there's love - Capítulo 32


Escrita por: ~ e ~alwaysallyson

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren, Norminah, Vercy
Exibições 350
Palavras 2.824
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


HAPPY BIRTHDAY TO ME AHSUHAUSHAUHSUHA

NOTAS FINAIS.

Capítulo 32 - Algumas coisas não mudam


Fanfic / Fanfiction When there's love - Capítulo 32 - Algumas coisas não mudam

Pov Lauren 

 

 

Eu estava realmente nas nuvens, estava no banquinho abraçada a Camila apenas esperando o tempo passar. Não sabia ao certo o que aconteceria dali para frente, mas eu sabia que a queria ao meu lado.

- Oi. - Ouvi a voz tímida de Olívia próxima a nós. 

- Oi filha. - Camila a chamou para se sentar ao seu lado.

- O que está acontecendo aqui? Vocês estão namorando? E cadê a Keana.

- Calma meu amor. A Keana foi embora, eu não poderia engana-lá e casando com ela seria isso que estaria fazendo, e pior estaria enganando a mim mesma. - Falei olhando-a.

- Tá, mas vocês estão namorando? Eu vi vocês se beijando. - Fez cara de nojo e eu ri.

- Não Olívia, não estamos namorando. Não ainda. - Camila falou e me olhou sorrindo.

- Não estou entendendo mais nada, mas e então? Vamos nosso voo sai em uma hora e meia e temos que arrumar as coisas.

- Vamos sim meu amor. - Falei e Olívia se levantou e foi na frente.

- Vamos Camz? - Estendi a mão para ela que aceitou prontamente.

Entrelacei nossos dedos a pegando de surpresa, ela olhou nossas mãos e o que eu recebi em troca foi um sorriso lindo. Lhe dei um selinho e fomos para o elevador. Encontramos Lorenzo no corredor, ele sorriu para nós, e quando passamos por ele, olhei para trás e ele fez joia com a mão. Ele realmente torcia por nós e pela nossa felicidade.

Depois de tudo pronto, pegamos as malas e fomos para o aeroporto. Nosso voo era o mesmo, porem em lugares distantes, afinal quando viemos para cá, era isso que Camila queria de mim, distancia.

- Olívia vamos ficar comigo lá na frente? - Lorenzo a chamou.

- Ah mas eu quero ir com a mamãe. - Ela respondeu de bico.

- São só 2:55h de voo, para de ser chata, vamos terminar os dois capítulos daquela série. - Ele insistiu, para que ela fosse.

- Tá bom vamos. Mama senta do lado da mamãe, não deixa nenhuma estranha sentar aí viu. - Olívia disse para Camila que riu.

Olívia com toda certeza era a garota mais ciumenta que existia, tenho pena do namorado dela, quando ela tiver um daqui 30 anos.

Eles foram para os assentos mais a frente, e Camz e eu nos sentamos mais atras onde era meu lugar e de Olívia.

- Isso está realmente acontecendo? Por que se for sonho eu não quero acordar. - Camila falou se aninhando em meu corpo, com a cabeça em meu peito e me abraçando pela cintura.

- Não é sonho, eu estou aqui, você está aqui e nos estamos aqui.

- Como vamos explicar tudo isso para eles? - Camila me olhou preocupada.

- Calma, o Lorenzo já sabe, afinal ele quem me ajudou e me aconselhou a falar com você.

- Eu sabia que vocês estavam de conluio, logo imaginei. - Ela falou e eu ri. 

- Bom e Olívia tudo tem que ser na base da conversa, ela vai dar muitos sinais de ciúmes no início, mas se ela conseguiu se acostumar com a Keana, por que não se acostumaria com você que é mãe dela? E você nem precisa se esforçar para ela gostar de você. - Falei e dei um beijo na ponta do seu nariz.

- Eu amo você. - Ela disse olhando em meus olhos, e eu via toda aquela sinceridade de 15 anos atras.

- Eu também amo você. - A beijei selando nossas declarações.

Fico imaginando como fui capaz de viver tanto tempo longe de Camila, ela era a única que conseguia tirar o melhor de mim. Ela me transmitia paz, ela era minha base, o meu Porto Seguro. E eu jamais cometeria a burrice de deixá-la  novamente.

A viagem passou rápida, e como era de se esperar Camila havia dormido, por que onde encosta ela capota.

Quando pousamos eu a acordei, ela estava com os olhinhos pequenos e eu sorri diante daquela cena.

- Bom amanhã é sábado e esse e o último final de semana das crianças de ferias, quer ir lá para casa? Podemos fazer alguma coisa amanhã. - Falei e ela assentiu.

Não estava em condições de falar, saímos do avião e demoramos cerca de 40 minutos para pegar todas as malas. Chamamos um táxi e fomos todos para meu apartamento. Assim que entramos mandei todos para o banho, inclusive Camila que me olhou rindo.

Lorenzo foi para o banheiro do corredor e Olívia para o banheiro do seu quarto.

- E você não vai tomar banho? - Camila perguntou.

- Vou sim, mas pode ir primeiro você está com sono e vai acabar dormindo se tiver que esperar.

- Vamos comigo. - Ela falou bocejando e eu procurei algum sinal de malícia em seu olhar e não encontrei.

- Vamos, vou pegar uma roupa para você.

Fui até meu quarto e peguei um pijama de frio para Camila e um para mim e fui em direção ao banheiro onde ela já se encontrava.

Ela estava debaixo do chuveiro com a água caindo em seus cabelos e os olhos fechados. Tirei toda a minha roupa e entrei no box a abraçando e deixando um beijo em seu pescoço.

- Hum isso é bom. - Ela disse com a voz manhosa e se virou me abraçando. Não sei quanto tempo ficamos abraçadas apenas curtindo o momento, mas eu já estava ficando enrugada.

- Já estou enrugada Camz, vira deixa eu lavar o seu cabelo. - Falei e ela não protestou.

Peguei o shampoo, lavei seu cabelo fazendo uma massagem e Camila gemeu de satisfação.

- Acho que alguém gostou da minha massagem.

- Sua massagem sempre foi uma das melhores. - Ela falou sorrindo.

- Prontinho. Agora vai se secar e colocar uma roupa enquanto eu termino meu banho, você precisa comer e dormir. 

- Dormir, é tudo que eu preciso. 

Camila saiu do Box, pegou a toalha que estava pendurada e se secou, colocou o pijama e ficou ali mesmo me esperando.

Terminei o banho rápido e fiz o mesmo, e fomos para o quarto. Camila se jogou na cama e eu fui a cozinha pedir algo para comermos.

 

 

 

Pov Camila 

 

 

Depois de chegar a casa de Lauren, termos tomado banho, ela resolveu pedir algo para comermos. Eu estava com tanto sono que acabei deitando em sua cama e cochilando, quando minha filha veio me acordar.

- Mama? A comida chegou. 

- Tô sem fome. - Respondi e me virei para o outro lado e ouvi sua risadinha.

- Mama? A mamãe disse que a senhora estava com fome, vamos comer e depois a senhora volta a dormir 

- Tá bom Olívia, já vou.

- Não vou sair daqui enquanto não levantar, a senhora vai dormir de novo que eu tenho certeza.

- De quem você puxou essa chatice toda? - Perguntei e ela me olhou indignada.

- Isso é uma mistura do Gênesis Cabello e Jauregui. Sou igual a vocês e não sou chata. - Falou emburrada.

- Tô brincando bebe. - Levantei e a abracei, e fomos assim para a cozinha.

Lauren havia pedido comida japonesa, era o que teria de menos pesado para comermos antes de dormir.

Comemos em meio a brincadeiras e sentamos no sofá para conversar um pouco, Lauren não nos deixou deitar por estarmos de barriga cheia.

Me encostei na parte comprida do sofá, estava quase dormindo, e tentando ao máximo prestar atenção na conversa de Lauren com Lorenzo. Olívia havia colocado uma almofada ao meu lado e deitado, e está já estava dormindo.

Ficamos mais uns 10 minutos por ali e Lauren mandou Lorenzo para o quarto dizendo que não aguentaria mais ficar acordada por muito tempo.

Eu estava de olhos fechados, mais acordada.

- Camz? Vamos deitar na cama. - Ela falou e eu olhei Olívia deitada ao meu lado.

- Vai acorda-la? - Perguntei olhando com pena para minha filha que dormia profundamente.

- Não, eu levo ela para o quarto. 

- Tudo bem, te espero.

Lauren levou Olívia até o quarto dela, colocou-a na cama com cuidado e a cobriu deixando um beijo no topo de sua cabeça.

Passamos pelo quarto de hóspedes e Lorenzo também já estava dormindo.

Estávamos todos exaustos. Fomos para o quarto de Lauren e nos deitamos em sua cama, ela me puxou para seu braços onde me aninhei e isso me transportou para época em que éramos casadas. Não demoramos para cair no sono, um sono que foi realmente reparador.

- Tá olhando o que? - Perguntei sorrindo ao notar que Lauren me olhava.

- Como sabe que eu estou te olhando? Você nem sequer abriu os olhos. - Falou com uma voz risonha.

- Algumas coisas simplesmente não mudam, que horas são? - Perguntei.

- 08:30pm, acordei cedo e fiquei te olhando.

- Você acordando cedo? Que milagre é esse? - Perguntei abrindo os olhos e me deparando com aquele sorriso lindo e aqueles olhos extremamente verdes.

- Impossível pensar em dormir com você do meu lado. - Ela falou e eu não entendi o motivo de ter ficado extremamente tímida diante daquelas palavras.

- Tá com vergonha de mim Camz? - Lauren perguntou sorrindo.

- Não é vergonha. - Olhei em seus olhos e me perguntei se era possível me apaixonar ainda mais por aquela mulher.

- Como será daqui para frente? - Perguntou me olhando.

- Eu não sei, vamos deixar as coisas acontecerem naturalmente. 

- Eu sei de algo que pode acontecer naturalmente agora. - Lauren falou e sorriu carinhosamente.

- É mesmo? E o que poderia acontecer naturalmente? - Perguntei retribuindo seu sorriso. 

Lauren nada respondeu, ela deitou sobre mim buscando espaço entre minhas pernas, distribuindo beijos delicados por meu rosto e pescoço.

Foi tirando peça por peça de roupa que cobria meu corpo, me deixando inteiramente nua. Seu olhar me queimava por dentro.

Se livrou de seu pijama vagarosamente, para que eu pudesse de alguma forma aproveitar aquele momento.

Voltou a se posicionar entre minhas pernas, suas mãos passeavam sem destino certo por meu corpo, e sua boca encontrava o caminho pelo vale dos meus seios.

Lauren beijava e dava leves mordidas intercalando entre meu seio direito e o esquerdo. E só aquele contato já me deixou encharcada. Lauren levou a mão até meu sexo sentindo a mesma molhar e me olhou sorrindo.

- Algumas coisas não mudam. – Ela falou antes de levar seus dedos até sua boca e chupa-los. – Gostosa. 

- Lauren não provoca por favor.

- Sem pressa meu amor, eu quero você assim, devagar.

Falava enquanto rebolava sobre meu corpo, eu sentia nossos sexos escorregarem causando uma sensação deliciosa, eu precisava de mais, mas Lauren continuou sua doce tortura. 

- Amor não faz assim. - Pedi manhosa.

- E como você quer? - Perguntou sem parar o rebolado torturante. 

- Dentro, quero você dentro de mim. - Falei revirando os olhos.

- Tsc, tsc, tsc. Hoje quem manda sou eu. - Falou e desceu beijando meu corpo lentamente, arranhando levemente por onde passava, até chegar em minha intimidade, onde beijou, soprou e beijou novamente prolongando meu sofrimento.

Eu me contorcia, puxava os lençóis. Um gemido alto escapou dos meus lábios quando Lauren sugou com vontade toda a região de meu clitoris até a entrada e eu abafei o grito com o travesseiro, pois meus filhos estavam no quarto ao lado. Ela me chupava com maestria, devagar e com carinho. Eu emaranhei meus dedos em seus cabelos forçando sua cabeça tentando aumentar o contato e Lauren me penetrou vagarosamente com dois dedos. 

- Isso amor...assim...gostoso. - A essa altura eu já não continha meus gemidos.

- Ahhhhhhh... vai amor...não...para. - Eu gemia mais agudo, estava prestes a gozar.

Lauren movia seus dedos no mesmo ritmo lento e eu senti meu corpo estremecer e gozei ruidosamente em sua boca, e Lauren não se fez de rogada, sugou todo meu líquido e depois se deitou ao meu lado. Meu peito subia e descia, e eu sentia o peso dos olhos de Lauren sobre mim. 

- Para de me olhar. – Falei ainda de olhos fechados.

- Me pergunto se é possível me apaixonar ainda mais por você. - Falou e beijou meu pescoço. 

- Laur as crianças estão aqui. 

- Eu sei amor, vem cá. – Me puxou para mais um beijo sem se importar muito com o que eu disse, e acendendo novamente meus instintos.

Inverti nossas posições e comecei a distribuir beijos por todo seu corpo.

- Amor não faz...Isso. – Ela tentava inutilmente manter o controle enquanto eu sugava seu seio direito. A doce tortura iria começar.

Desci vagarosamente distribuindo beijos por todo seu corpo parando em sua virilha, onde beijei da forma mais sensual e torturante possível.

Lauren gemia, e se contorcia sobre a língua habilidosa de Camila.

- Hum molhada, é assim que eu gosto. – Falei e sorri ao ver sua carinha de desespero esperando um contato maior.

Sem aviso prévio a penetrei com dois dedos e passei a manipular seu clitóris com o polegar, senti seu liquido escorrer por meus dedos. Lauren já estava em ponto de bala e eu a faria gozar. Lauren rebolava descontroladamente a fim de atingir o orgasmo e se aliviar.

Aumentei o ritmo dos movimentos de meus dedos e Lauren já não se controlava, gemia alto. Senti seu corpo estremecer e sabia que ela ia gozar.

- Goza para mim Laur. – Falei e intensifiquei mais ainda os movimentos.

- Ahhh... isso... vai... ahhhhhh... – Lauren gemia cada vez mais alto e rebolava.

- Ahhhhhhhhhhh! – Gozou duas vezes seguidas e então senti seu corpo relaxar, ela respirava com uma certa dificuldade e era possível ouvir as batidas de seu coração.

Distribui vários beijos pelo seu rosto, vendo a ele voltar a sua cor natural e Lauren me deu um sorriso radiante.

- Você acabou comigo baixinha. – Falou me abraçando e me aninhando em seus braços, não sei por quanto tempo ficamos ali, apenas curtindo o momento.

Lauren fazia um carinho gostoso em minhas costas e eu tinha os olhos fechados quando ouvi a porta abrir e Lauren cobriu nossos corpos livres de qualquer roupa. 

- Olívia! Quantas vezes já disse para bater antes entrar em meu quarto? Vou ter que passar a chave na porta? - Lauren falou brava.

- Desculpa mãe, achei que estivesse dormindo, eu fiz café. - Falou triste, com a explosão da mãe.

- Lauren. - A repreendi, ela as vezes pegava pesado na maneira de falar com nossos filhos. Ela suspirou e estendeu a mão livre para Olívia.

- Tudo bem meu amor, vem cá. - Lauren chamou e Olívia veio perto da cama recebendo um beijo de Lauren.

- Vai tomar banho, vamos nos arrumar e já vamos tomar café para sairmos. Avisa seu irmão. - Falou e Olívia assentiu.

- E Olívia? - Chamou e ela olhou. - Nada de entrar aqui sem bater novamente.

- Tá bom mãe, me desculpa. E me desculpa também mama. 

- Tudo bem filha. - Falei e ela saiu. 

- Lauren, você é muito brava com ela, como ela ia imaginar que não poderia entrar? Se controle por que ela tem medo de você, e não é medo que ela tem que sentir e sim respeito, e da próxima vez tranque a porta.

- Eu sei Camz, vou me policiar para não gritar e não brigar tanto com ela. 

- Ótimo. 

- Vamos tomar um banho? - Falou beijando meu pescoço e eu sabia onde aquilo ia parar. 

- Eu vou primeiro e depois você vai. 

- Mas Camz. - Protestou.

- Sem mas, se entrarmos juntas no chuveiro eu não vou querer sair. - Falei e levantei indo para o banheiro. 

Tomei um banho rápido e fui para o quarto enrolada apenas na toalha, Lauren estava próxima ao guarda-roupa, e assim que me viu apenas de toalha sorriu maliciosamente.

- Estou seriamente pensando em não sair desse quarto hoje. – Falou vindo em minha direção e me abraçando.

- Vai tomar banho Laur, as crianças já devem estar esperando. – Falei e ela cheirou meu pescoço, deixando uma leve mordida no lóbulo da minha orelha, fazendo meu corpo se arrepiar na mesma hora, ela percebeu e sorriu sarcasticamente.

- Sensível como sempre, adoro isso. – Falou e voltou em direção ao guarda-roupa me deixando com uma cara de dois de paus.

- Filha da puta. – Xinguei e ela me olhou sorrindo, mandando um beijo no ar e indo para o banheiro.

Me troquei e resolvi secar meu cabelo, assim que terminei Lauren saiu do banheiro devidamente vestida, com os cabelos molhados e o rosto livre de qualquer maquiagem, ela era linda.

Tomamos café e Lauren resolveu que iriamos para o shopping, iriamos no cinema depois do almoço e ela prometeu leva-los a área de jogos mais a tarde e eu sabia que ela brincaria mais que as próprias crianças.


Notas Finais


Hallo, como estamos?
Como prometido capitulo especial em comemoração ao meu aniversario.
Peço que ignorem os erros pois eu realmente não tive tempo de revisar, e nem cabeça para isso.
Todos devem saber o que houve com o avião da Chapecoense, e o filho de uma amiga veio a falecer no acidente, e isso me afetou, então se tiver algum erro me perdoem e me avisem para que eu possa arrumar depois.
Mais tarde se eu conseguir revisar eu posto outro para vocês, então comentem bastante. <3

PS: leiam a minha One Shot - https://spiritfanfics.com/historia/only-today--one-shot-7161616


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...