História When we're together, it rains - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Atlas, Bianca di Angelo, Calipso, Caronte, Charles "Charlie" Beckendorf, Chris Rodriguez, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Cronos, Dionísio, East, Éolo, Eros (Cupid), Febe, Frank Zhang, Frederick Chase, Grover Underwood, Hades, Hazel Levesque, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Hiperíon, Hylla Ramírez-Arellano, Íris, Jano, Jason Grace, Júniper, Leo Valdez, Luke Castellan, Malcolm, Miranda Gardiner, Nêmesis, Nico di Angelo, Niké (Nice), Oceano, Octavian, Paul Blofis, Percy Jackson, Perséfone, Personagens Originais, Phobos, Piper McLean, Pollux, Poseidon, Prometeu, Quíron, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Sally Jackson, Silena Beauregard, Thalia Grace, Tique, Travis Stoll, Treinador Gleeson Hedge, Tyson, Will Solace, Zephyros, Zeus, Zoë Nightshade
Tags Amor, Annabeth Chase, Aventura, Luke Castellan, Mistério, Musical, Percabeth, Percy Jackson, Romance
Visualizações 191
Palavras 3.093
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Escolar, Esporte, Famí­lia, Ficção, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Saga, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, então esse cap tá menos focado em casais e mais focado no show porque na cronologia faltam três dias para esse show então bora focar nele.
Boa leitura.

Capítulo 35 - Enganada


Hoje era o dia de dormir na minha casa, na verdade de Drew dormir na minha casa já que dormir era uma coisa que eu não fazia por causa dos pesadelos, então no quarto dia eu estava exastua.

- Você parece um zumbi. - comentou Drew quando nós sentamos na cama depois de jantar.

- Obrigada. - murmurei.

- Olha tem uma coisa ótima para isso, se chama dormir. - não respondi. - Você que sabe.

Drew pegou a letra da minha música e começou a ensaiar, ela fazia isso todas as noites e admito que ela era realmente talentosa entretanto a música estava em seu tom original, ou seja, era difícil para ela cantar, perdia o ar facilmente e eu a via fazer força para cantar.

- Não quer que eu diminua esse tom?

- Não! Eu consigo. - ela tentou mas perdeu o ar novamente.

- Contrai mais o diafragma, você respira errado: não se deve fazer força no tórax e sim no abdômen para contrair o diafragma.

- Eu não pedi sua opinião.

Mas Drew tentou, ela contraiu a região do diafragma ao cantar e seu fôlego durou por mais tempo, ela sorriu.

- Tá, mas acho que dá para melhorar isso. - falou.

Por mais que ela tivesse me trancado e me feito terminar com Percy não queria que ela cantasse mal ou passasse vergonha. Eu era trouxa? Talvez um pouco.

Peguei uma fita de tecido bem longa e amarrei com força ao redor da cintura dela.

- Assim você se acostuma a contrair mais o diafragma. - houve um silêncio constrangedor. - Bem, é melhor irmos dormir.

- Sim, claro. - nos ajeitamos e deitamos. - Ahn... obrigada por me ajudar.

- Não foi nada.

Ela ficou quieta observando o teto. Era esquisito como ela parecia outra pessoa quando não tinha uma multidão a olhando. Parecia muito mais normal, sem toda a maquiagem, saltos altos e toda aquele show para chamar atenção. Ela era inteligente, apesar de não parecer, era talentosa e bonita, não devia ter motivos para fazer tudo aquilo para chamar atenção.

Ela limpou a garganta.

- Por que você não me odeia?

Não era o tipo de pergunta que se espera numa terça a noite. Eu não sabia o que responder, realmente não fazia sentido não odia-la mas eu não conseguia.

- Não sei... Eu só acho que mesmo que a gente não se dê bem isso não é motivo para te odiar.

- Você tem motivos para me odiar: fiz você terminar com o Percy, roubei sua lugar no show, sem contar que eu já parti o coração tanto do Percy quanto do Marcus. Isso não é suficiente?

- Por que quer que eu te odeie?

- Porque você não pode ser tão boa! É impossível que um ser humano tenha todas essas qualidades sem defeitos.

- Eu tenho defeitos.

- E muitos. - concorda. - Mas você não magoa os outros, não mente, não trapacea.

Como ela estava errada. Beth era exatamente tudo isso, mentira, trapaça e eu ia magoar alguém. Minha garganta fechou e achei que ia chorar mas decidi me controlar. Isso ia me fazer mal mas poderia talvez fazer bem ao Percy... Não, quem eu estava querendo enganar? Tudo isso era egoísmo, eu me sinto culpada pelo que fiz a Percy e estou tentando ajuda-lo para aliviar minha culpa, Beth era uma desculpa para vê-lo também, eu queria saber se ele sentia saudade mim ou se sentia raiva. Mas esse meu egoísmo iria machucar muitas pessoas e eu tenho que parar, mas eu não consigo. Tudo isso se tornou uma bola de neve e eu tinha que achar um jeito de sair dela. Eu só não sabia como. Ainda.

Olhei para o lado e vi que Drew estava dormindo já e quando percebi eu também estava.

No meu sonho eu vi Luke ele estava atrás de mim, eu corria o mais rápido que podia. Estávamos no Studio e eu passei por um dos espelhos da sala de dança e me vi como cabelo castanho, jaqueta de couro, saia e meia calça, botas com salto pretas. Eu era Beth.

Corri até a Principia, olhei para porta e Luke estava parado na porta sorrindo como um maníaco. Olhei para seu rosto e vi aqueles olhos que começaram a me assustar com o tempo.

Olhei em volta e vi que Percy e Marcus estava parados atrás de mim me olhando.

- Você está onde eu queria que estivesse, Annabeth. - disse Luke.

Então, ele se aproxima e puxa meu falso cabelo castanho revelando meus cachos loiros.

As caras de espanto de Percy e Marcus seriam engraçado se não fosse algo tão sério.

Me dirijo a Percy.

- Me deixa explicar...

- Você me deixou explicar por acaso? - ele saiu furioso.

Me voltei para Marcus que encarava o chão.

- Você me disse que não ia me trocar por ele mas você acabou fazendo pior.

Marcus também sai cabisbaixo.

- Olha só Annabeth, você não pode ter tudo. Ou é um ou é outro. Você não é inteligente o suficiente para administrar isso, sempre colocando os sentimentos no meio dos racionais, quantas vezes vou ter que dizer que não se deve misturar os sentimentos? Veja como eu faço e aprenda, talvez um dia você consiga ser como eu. Porque eu, Annabeth, eu consigo tudo o que eu quero.

Acordei em um sobressalto, eu estava tremendo e coberta de suor. Aquilo tinha sido tão real, era quase como se Luke realmente estivesse lá.

Me sentei e percebi que tinha outra pessoa sentada também. Drew me olhava assustada.

- Você estava gritando, como se estivesse com dor.

- Eu estou bem. Volte a dormir, não quer ter olheiras, não é?

- É por isso que você não está dormindo!

- Volte a dormir. Não precisa fingir que gosta de mim.

Drew resmunga alguma coisa e se deita novamente. Respiro fundo algumas vezes tentando me acalmar. O sonho tinha sido tão real, soava exatamente como Luke sempre tentando me colocar para baixo. Meu celular vibra e o pego para ver.

" Com medo?

Você nem tem motivo para isso.

Ainda não.

- Luke"

Minha garganta fechou, eu não conseguia respirar, minhas mãos tremiam e meu coração marteleva nas minhas costelas. Senti uma imensa vontade de ligar para Percy ou Marcus mas eram quatro da manhã nenhum deles estaria acordado.

É claro que depois dessa mensagem eu não consegui dormir. Ele estava preso, disso eu tinha certeza mas ele estava planejando alguma coisa. Luke sempre disse que queria conquistar o mundo ou coisa assim, dizia que queria ver o mundo se curvar perante ele, isso começou a me assustar cada vez mais e seus ataques de fúria não ajudavam muito. Eu sabia do que ele era capaz, nunca tinha conhecido alguém tanto inteligente quanto ele e sei que se ele estivesse livre talvez conseguiria o que sempre quis mas ele não estava livre. Tinha uma pergunta que não saía da minha cabeça: quem estava o ajudando?

Ele não teria como saber do meu pesadelo da cadeia, tinha alguém daqui ajudando ele e essa pessoa estava me vigiando. Mas eu sabia que Luke estava a caminho e se tem uma coisa que ele quer mais que conquistar o mundo era vingança e ele faria de tudo para consegui-lá.

No outro dia de manhã eu já estava calma o suficiente para montar minha máscara neutra, decidi que não contaria a ninguém sobre isso, não queria deixar ninguém preocupado a toa aliás eu nem tinha certeza se Luke havia mandado a mensagem ou se era alguma brincadeira de mau gosto.

- Você está bem? - Marcus perguntou. - Está pálida.

Estávamos no Olympus tomando café e pude ver que Percy prestava atenção na nossa conversa, ele estava sentando no sofá enquanto nós estávamos na antiga mesa de sempre.

- Estou bem.

Pude ver que Drew estudou meu rosto por um tempo assim como Marcus e Percy.

- Annabeth...

- Não aconteceu nada! Eu estou bem.

Marcus sabia quando parar de discutir, apenas segurou minha mão, o que foi suficiente para me acalmar. Ele não tinha acreditado que estava tudo bem mas decidiu sabiamente não me questionar, porém ele ficou o tempo todo com os olhos fixos no meu rosto.

Tentei agir naturalmente. Ele está preso, repetia mentalmente. Eu tinha verificado a lista de fugitivos e Luke não estava nela. Além do mais, não é a primeira mensagem que recebo dele.

Consegui não pensar muito nisso porque o dia foi cheio. Fomos até o teatro onde faríamos o show e ele era incrível, senti arrepios só de entrar lá.

- Agora é com vocês. - Peter diz.

Então, como se tivesse sido ensaiado, cada um vai cuidar da parte que foi denominada, eu era diretora geral, ou seja, andei de um lado para o outro o tempo todo carregando Drew.

Tecnicamente, Drew estava responsável do figurino junto com Paty e Piper mas não tinha como, quando eu não estava ocupada ficamos lá mas foi difícil eu não ficar ocupada.

Fui até Jason, Frank e Thalia que estavam cuidando da iluminação.

- E ai? Como estão as coisas?

- Estamos tentando escolher entre essas duas. - Frank diz mostrando do que eles estavam falando. Ele aperta alguns botões e as luzes se acendem, a diferença entre modos que ele me mostrou era a intensidade da luz, refleti um pouco sobre como ficaria com cada uma.

- Essa. - apontei para a mais intensa.

- Obrigada.

Peter, Amy, Apolo e Fontaine estava em um canto observando tudo, o olhar dos quatro se fixam em mim, aquele show estava nas minhas mãos. Respiro fundo, eu ia conseguir.

- Annabeth. - ouço Leo chamar.

Vou até ele que, junto com Percy e Marcus cuidavam do som.

Percy e Marcus estavam agachados na frente de um amplificador e Marcus sorri ao me ver.

- E ai, gatinha? Vem sempre aqui? - brincou ele e eu sorri.

Vi Percy se concentrar mais no amplificador do que em qualquer outra coisa, ele respirou fundo. 

- Qual o problema?

- Bem... Acontece que a potência dessas caixas é muito grande mas tem a propagação do som e... - Leo começa.

- A gente quer saber onde colocar o amplificador para que todo mundo possa ouvir. - resume Percy suspirando.

Dou uma boa olhada em volta. Onde colocar?

- Quantos amplificadores tem?

- Quatro. - responde Marcus.

- Eles são potentes?

- Eles são. Mas a gente ainda acha que vai ter gente que não vai ouvir se deixar no palco. - Leo fala.

- Tá... - pensei um pouco. - O que vocês acham de prender eles em cima? Tipo, quase no teto, o som ia se propagar melhor.

Percy levantou e observou o teatro.

- É, acho que daria certo. Dois de cada lado. - ele me olhou. - Boa ideia. 

O jeito que ele falou, como se estivesse parabenizando uma pessoal que mal conhecia e não uma pessoa com quem tinha tido uma história. 

- Vou pegar algumas coisas para prender. - diz Leo saindo.

- Acho que vou ajudá-lo. - diz Percy e vai atrás. Marcus suspira.

- Ele não quer nem ficar perto de mim.

- Como é? Trabalhar com ele assim?

- Esquisito, ele só fala comigo quando necessário, nos ensaios é assim também. Percy está sendo muito profissional, o que é bom mas eu queria meu amigo de volta.

Eu me senti muito mal, tecnicamente quem estragou a amizade deles fui eu e não tinha nada que eu pudesse fazer.

Tentei pensar em algo para dizer para Marcus mas antes que eu conseguisse Piper me chamou. Marcus suspirou e forçou um sorriso. 

- Vai. - falou e eu fui. 

- Estamos em dúvida no seu figurino. - explicou. - O figurino da nossa música já decidimos mas para a música em grupo não sabemos o que escolher.

Olhei o que tinha ali, um em especial me chamou a atenção: um vestido preteado.

- Gostei desse. - falei.

- Eu disse que ela ia gostar! - exclamou Paty e Drew a repreendeu.

- Pessoal. - chamou Peter, tinha umas quinze pessoas ali com ele. - Essa será sua equipe no dia, eles irão ligar os microfones, luzes, organizar as trocas de roupa, tudo. Porém eles vão receber ordens suas, então passem tudo para eles, ok?

Passamos tudo para nossa equipe e eles pareceram entender bem até fomos elogiados, disseram que pareciam realmente profissionais. Depois, fizemos um ensaio geral, saiu tudo como o planejado.

Eu estava no palco olhando para onde ficaria a plateia, imaginei tudo aquilo cheio e senti arrepios.

- É incrível, não é? - Apolo falou. Eu nem tinha visto que ele estava ao meu lado. - Eu me lembro a primeira vez que me apresentei, foi aqui mesmo. Eu era aluno do Studio.

- Você era o antigo recorde.

Apolo sorriu.

- Isso mesmo, por anos eu fui a nota mais alta em canto, até chegar você.

- Eu sinto muito.

- Não! Eu fico super feliz, mesmo. Eu descobri que prefiro incentivar possíveis cantores do que ser um. Um dez era tudo que eu mais queria.

- Está tudo na minha mão, se alguma coisa der errado...

- Não vai. Peter confia em você, todo mundo na verdade. - ficamos em silêncio um pouco observando todo o teatro.

Meu coração martelava só de estar ali em cima daquele palco, eu sentia toda a energia que aquilo emanava, todo o amor que outros artistas tinham deixado ali.

- Estando aqui em cima, você não sente que nasceu para isso?

Eu queria dizer que não, mas eu não conseguia, apenas respirei fundo.

Não sei o que Apolo diria, mas parou ao ver um homem entrar no teatro. O homem era alto, possuía alguns cabelos grisalhos e usava um terno, parecia ser alguém importante porque Peter foi direto para ele. Apolo perdeu o fôlego. 

- Willam Clark. - Apolo falou, percebi uma surpresa na sua voz.

- Quem?

- É só um dos maiores empresários no ramo musical, ele tem um portal na Internet, o Half Blood.

- Eu conheço. Não é por lá que um monte de artista é lançado?

- Sim. A maioria dos cantores já foram o foco principal do Half Blood, rumores dizem que ele está procurando um talento novo.

- Foco principal?

- É, não é como um site com vários artistas, ele foca em um determinado artista e no Half Blood terá coisas sobre o determinado artistas, vídeos, entrevistas, músicas tudo. O sonho do Peter é ter algum aluno no Half Blood, o portal patrocina o artista e se for um aluno do Studio, o Studio recebe patrocínio.

Observei Peter e Willam conversando, estava claro que Peter está nervoso, percebi que todos prestavam atenção na conversa dos dois. Então Willam disse algo que fez Peter arregalar os olhos, achei que ele fosse desmaiar mas ele falou alguma coisa e se afastou.

- Pessoal, todo mundo aqui. - chamou Peter se aproximando do palco.

Me sentei na beira do palco junto com Drew e Apolo. Todo mundo se aproximou formando um círculo.

- Ele quer que vocês sejam o foco principal! - falou Peter.

- É sério? - perguntou Apolo. Achei que ele também iria desmaiar, Amy cobriu a boca com a mão seus olhos brilhavam. 

- É! Ele falou que sempre manda olheiros infiltrados para procurar novos talentos e ele quer vocês.

- Todos nós? - Drew pergunta.

- É, como uma banda. Ele transmitiria o show ao vivo no Half Blood, vocês continuariam tendo aulas normais mas ele filmaria alguns ensaios e coisas assim. Mas vocês decidem se aceitam ou não.

Estávamos todos pretricados, quer dizer, não fazia nem dois meses que estávamos no Studio era uma surpresa e nunca se imagina que uma proposta dessa vai parecer. 

- Peter, tem certeza que é uma boa ideia? - Jason pergunta.

- É tipo nem temos experiência, é nossa primeira apresentação. - diz Hazel.

- Eu acho que seria um boa ideia, quer dizer, seria um grande patrocínio para o Studio. - se oponhe Leo.

E assim foi, Hazel, Piper, Nico, Jason e Frank não achavam a boa ideia isso enquanto Drew, Marcus, Leo, Paty, Percy, Thalia adoraram a ideia. Todos se viraram para mim.

- Annabeth?

Eu não queria ter que tomar aquela decisão. Era como decidir meu futuro agora, coisa que eu estava enrolando o máximo que dava. Lembrei-me de quando fiz a inscrição para o Studio, tinha a pergunta "deseja seguir carreira?" Eu não soubera o que marcar, agora eu tinha que decidir se nós doze teríamos uma carreira ou não. 

Desde sempre eu quis ser arquiteta, minha mãe sempre me disse que queria que eu fizesse alguma mudança, sempre achei que construindo um monumento eu conseguiria isso mas eu não posso mentir que eu amava cantar, era como finalmente conseguir respirar. Eu achava que o meu amor por arquitetura não poderia ser ultrapassado, isso até eu entrar no Studio.

Mas então pensei em Percy, ele estava a favor disso e vivia o mesmo dilema que eu. Ele gostava tanto de nadar e era o que sei pai queria entretanto estava claro o amor de Percy pela música e foi o que ele escolheu.

Lembrei de uma coisa que minha mãe havia me dito uma vez: "Às vezes as melhores coisas não são calculadas ou planejadas calmamente elas são de coração. Sempre escolha com o coração e não tem como errar.Meus olhos se cruzaram com os de Percy e eu sabia o que escolher.

- Eu acho que... É uma ótima ideia.

Peter sorriu.

- Eu... Então eu vou lá falar com ele... Ai meu Deus eu não acredito que isso é real!

Todos entraram em uma conversa animada sobre essa proposta, inclusive quem tinha ido contra a ideia pareciam animados porém nervosos.

Percebi que Percy me olhava, provavelmente pensando no mesmo que eu pensei para tomar aquela decisão.

Peter voltou radiante, sorria de orelha a orelha.

- Eu não acredito! Half Blood! Isso é... Uau.

Apolo riu. Amy tinha algumas lágrimas em seus olhos até mesmo Fontaine que era difícil de se agradar parecia feliz.

Peter olhou para Drew e eu.

- Vocês não precisam mais disso. - Ele pegou a chave em seu bolso e nos soltou.

Faltavam só dois dias e não parecia tão ruim ficar perto dela agora mas eu me sentia feliz, livre.

Percy pega seu celular e começa a digitar, meu celular vibra, uma mensagem para Beth. A mensagem que eu havia recebido era diferente do que eu imaginava.

"Você acha que está livre?

Como você está enganada, Annabeth. Muito enganada.

- Luke"


Notas Finais


Twitter: @Leviostar
Bye bye







Agora sim começou.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...