História When You Look Me In The Eyes - Capítulo 9


Escrita por: ~

Visualizações 668
Palavras 2.723
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Capítulo em plena sexta feira. Quero agradecer mais uma vez, sweets. E dizer que cada capitulo é importante para o desenvolvimento de When you look me in the eyes. Continuem acompanhando. Esse capítulo é de suma importância para o seguinte, que já está em processo.

Capítulo 9 - Score One For Killian Jones


Fanfic / Fanfiction When You Look Me In The Eyes - Capítulo 9 - Score One For Killian Jones

 

Uma muralha, por definição, é uma parede que se constrói com fim defensivo, seu objetivo é proteger um território específico. As muralhas servem para isolar um reino, povo, separar territórios ou fechar um perímetro. Este tipo de muro também permite estabelecer um limite ou uma fronteira. Como os muros construídos por concreto, que são difíceis de derrubar, assim são os muros construídos no interior do ser humano, esses formados por traumas de um passado conturbado. Por serem derivados de um medo de repetição, buscando proteger-se de tal, essas muralhas interiores causam o isolamento de sentimentos. Barreiras interiores são criadas para que não se possa absorver  sentimentos e para não permitir que eles aflorem. No entanto, em decorrência, se está propenso a deixar passar oportunidades únicas, que poderiam mudar o rumo da vida. Tudo dependerá das atitudes tomadas diante da chance. O que caberá? Deixar as fissuras, ou será conveniente fechá-las antes que a abertura cresça? O fato é que, independente de escolha, as consequências sempre existirão, sejam elas satisfatórias ou não.

Os dias na Mills passavam rapidamente, a carga de trabalho excessiva para a construção do projeto da RBGold estava a todo vapor, Regina e Emma se aproximavam cada dia mais. A morena tinha baixado a guarda considerando que, por trabalharem juntas, não seria possível manter distância da loira, as coisas aconteciam de maneira natural. A arquiteta e a engenheira passavam horas a fio na sala de projetos, ou na sala da morena.

Muitas vezes não tinham tempo de saírem para almoçar e solicitavam para que Mulan providenciasse algo que comessem ali mesmo. Compartilhando desses momentos, a loira reparou minuciosamente em cada gosto de Regina. Estavam se conhecendo nesses pequenos detalhes. Emma sabia que Regina fazia o estilo mais saudável, já a morena chegou a comentar, em certa ocasião, que Emma se alimentava como uma criança.

A cada descoberta sobre a morena que a loira fazia, por menos pessoal que fosse, já que Regina não era muito de expor sua vida, era motivo de maior encantamento. Regina era muito imponente e mandona quando queria e devia, mas também tinha um lado sensível que a loira contemplou, talvez como poucos.

Regina, por sua vez, envolta em seu abrigo murado, até então inquebrável - assim ela achava - nem se dava conta de que fendas se abriam em seu interior, cada vez que ela e Emma pareavam seu olhar. As últimas semanas com a loira, depois do acontecido no evento da Mills Company, foram fundamentais na construção de uma relação de respeito, admiração, sim, Regina admirava Emma, não só como a excelente profissional que ela se mostrou, mas pela pessoa agradável, divertida, Emma a fazia rir quando as coisas estavam tensas, mesmo a engenheira achando a hora inoportuna, a arquiteta conseguia deixar o ambiente mais leve. Nesse clima de tranquilidade, ambas se encontravam na sala de projetos, juntamente com Zelena, August e Killian Jones. Regina explicava sobre a campanha a ser desenvolvida para a RBGold que eles deveriam apresentar aos clientes na próxima semana.

—Bem, este é o projeto que Emma e eu passamos dias e noites desenvolvendo - seus olhos cruzam com os da loira e um sorriso é trocado entre elas.

—Eu estou impressionado. Parabéns, Regina, Emma - August parabeniza oscilando o olhar entre as mulheres.

—Sis e Emma! Estou tombada. - Zelena fala empolgada - Eu tinha certeza que Emma era a parceira certa para você Regina. - sorri de lado - Olhem isso, como essas duas se combinam, se completam em cada detalhe da coisa - fala apontando para as mulheres. Recebendo um olhar fuzilante da irmã e um sorriso divertido da arquiteta.

—Realmente, está excelente! Parabéns para as duas. - Killian se pronunciou - Emma Swan, cada dia você me impressiona e encanta mais. - diz encarando a loira. Regina ergue uma das sobrancelhas e revira os olhos.

—August, quero que desenvolva em 3D a campanha digital. Contendo os mínimos detalhes. - vira-se para Jones - Jones, faça o orçamento de toda a estruturação, juntamente com August, quero e não espero menos que a perfeição - encara o homem com seriedade - Entendido?

—Claro, majestade - responde para a chefe.

—Bem, já passamos da hora, estão liberados para almoçar - encerra Regina. August é o primeiro a deixar a sala.

Killian aproveita o momento para fazer uma proposta a loira - Swan, me daria o prazer de aceitar um convite para almoçar comigo?

Regina e Zelena estava conversando, mas a morena não deixava de observar a interação entre a loira e o moreno.

—Killian, desculpe, mas terei que recusar. Já tenho companhia para o almoço. Combinei com Ruby. - informa. Regina que ouvia mais afastada não deixa de esboçar um leve sorriso. O que não passou despercebido por Zelena.

—Ok, Swan. Quem sabe uma próxima vez, não é? - fala decepcionado. - bom almoço.

—Quem sabe. - diz forçando um sorriso - Obrigada.

—Com licença senhoritas - diz o rapaz antes de deixar a sala.

—Emma Swan, arrasando corações - Zelena debocha e ri - Esse aí, tem cara de quem não vai desistir fácil.

—Acho que você está vendo coisas, Zelena. - Emma diz rindo do jeito da ruiva. - Creio que Killian só quis ser gentil.

—Gentileza dos homens vem regada de segundas e terceiras intenções, Srta. Swan - Regina acrescenta sem encarar a arquiteta.

—Sinto por ele, então - se limita a dizer - Bem, se me dão licença, preciso encontrar Ruby para esclarecermos certo assunto. - os olhos castanhos encontram os verdes expressando cumplicidade, Emma pisca para a morena, sorri e se dirige à porta.

—Ah, claro. Emma ... -  chama a morena - diga a Srta. Lucas que está tudo certo com o contrato dela. - conversa em código.

—Pode deixar, Regina. E obrigada. Bom almoço para vocês - deixa o ambiente.

Zelena cruza os braços e fica encarando a irmã enquanto Regina organiza os papeis espalhados na mesa. A morena eleva o olhar e se depara com a ruiva com o olhar cravado sobre ela.

—O que foi? - Regina pergunta.

—O que foi? Eu pergunto, sis. Que tensão é essa entre você e Emma?

—Emma está certa quando diz que você vê coisas onde não tem, Zel - a morena pontua - Swan e eu estamos nos entendendo bem.

—É disso que eu estou falando. Vocês estão ENTENDIDAS demais. - a ruiva debocha. - E que olhar foi aquele para Jones? Se tivesse poder você o tinha incinerado.

—Já disse que não tenho paciência para suas sandices, irmãzinha? - Regina diz - E Jones é um idiota, Emma é boa demais para ele.

—Ahh, Killian é bonitão. Faria um lindo par com Emma - Zelena provoca. - E ele parece estar disposto a investir. - diz deixando a morena reflexiva.

—Você acha que Emma está interessada? - Diz sem mesmo perceber.

—Ah, ela pode não estar agora. Mas você sabe né? A pessoa chega de mansinho, dá atenção, vai ganhando terreno, quando você percebe está totalmente envolvida. - Zelena conclui observando as reações da irmã, que lhe fita em seguida com um semblante confuso.

—Zelena, vamos. Vamos almoçar e deixemos a vida da srta. Swan para ela fazer o que ela bem entender. - Sai deixando a irmã para trás. A ruiva a segue bufando, respirando fundo.

 

                                                   *************

 

— Vocês o que? - Ruby levou as mãos à cabeça em sinal de desespero. - eu não acredito.

— Calma, Ruby. Está tudo bem. - Emma tentava acalmar a mulher.

A loira a tinha convidado para almoçar naquela tarde dizendo precisar conversar sobre alguns assuntos, mas o assunto principal era colocar a amiga a par do que ela e Regina viram no banheiro do evento da Mills.

— Como está tudo bem, Emma? Você me diz que Regina, vulgo minha chefe, me flagrou aos beijos em um banheiro com outra mulher e me pede calma? - a mulher diz demonstrando pânico. - Meu Deus, vou ali me matar um pouquinho e já volto tá? - faz menção de se levantar, mas, Emma a segura pelo braço a fazendo se aquietar.

—Pare de exageros, loba assanhada. - Emma lhe diz - Ouça, Regina não se importou com sua relação com Mulan. Ficou surpresa e um pouco chocada com aquela cena - eu a entendo bem - mas conversei com ela. Regina foi muito compreensiva, não terão problemas da parte dela. Claro desde que você e sua namorada não saiam batizando os banheiros da Mills também. - alerta a advogada rindo.

—Não faça piadas, pato feio. - diz irritada - Não sabe como eu estou aqui. Meu coração quase parou.

—Pois fique tranquila. Regina manterá sigilo - disse com um sorriso bobo ao pronunciar o nome da morena.

—Ah, você não sabe como estou aliviada. - suspira - Mas agora me diz, Swan, o que você e Regina faziam naquele banheiro? - perguntou com um sorriso malicioso.

—É... Apenas coincidência sua curiosa, estava dançando com Jones, você viu, depois fui ao banheiro e Regina estava lá quando entrei. - desconversa desviando o olhar. - Então, vocês entraram como duas gatas no cio, e saímos de lá discretamente - começa a rir.

—Ria, Emma, pois a minha hora de tripudiá-la chegará. - diz em tom de ironia - Você não me engana.

—Não sei do que fala. - se faz de desentendida.

—Ah, sabe. Tenho certeza que sabe, Miss Swan. - Ruby finaliza dando ênfase ao sobrenome da loira. Emma a olha revirando os olhos sem nada dizer.

 

Em outra mesa as mulheres eram observadas por seus dois colegas de trabalhos, Jones encontrou Both no restaurante e se convidou para almoçar com ele.

—Jones? - August chama sua atenção - Jones, está com essa cabeça onde?

—Oh, cara, me desculpe. É que ultimamente uma certa loira tem me feito perder a cabeça - desvia o olhar para a mesa de Emma.

—Não me diga, Killian Conquistador Jones, já tem um novo alvo? - August o acompanha com o olhar, descobre quem é a escolhida do amigo.

—Está falando sério? Emma Swan? - diz incrédulo - Jones, Emma é uma mulher linda sim, mas também merece ser tratada com respeito e não do jeito que você age com suas conquistas - o avisa.

—Eu sou homem, August e que culpa tenho se elas não resistem a esses lindos olhos azuis e ao meu charme encantador? - o homem se gaba.

—Sua “modéstia” me impressiona. Seu ego é tão, ou mais alto que o Tower Mills. No entanto, me parece que Emma não está muito interessada nessas suas qualidades todas, ou será que estou enganado? - Diz August em um tom carregado de ironia.

—Isso é uma questão de tempo, meu caro. Nunca uma mulher disse não a Killian Jones, dessa vez não seria diferente. -  avisa alisando o cavanhaque ralo.

—Sempre há uma primeira vez, pirata de meia tigela. - debocha August, que colocou esse apelido no amigo por ele ser mulherengo demais.

—Não para um Jones. Espere e verá, irmão. Vou conseguir Emma Swan. - vangloria-se.

 

Killian Jones sempre foi acostumado a ter todas as mulheres que quis aos seus pés. Seu egocentrismo nunca o deixou levar em conta, ou, se preocupar com os sentimentos dos outros, somente com suas vontades momentâneas. Portanto, suas conquistas permaneciam ao seu lado pelo tempo que ele se sentisse satisfeito, quando ele enjoava, as descartava, sem se importar com os danos emocionais que deixaria pelo caminho.  Na época da faculdade, Killian partiu vários corações de jovens, que se apaixonaram loucamente por sua beleza. Ele sabia muito bem seduzir quando uma mulher lhe interessava, mas também sabia quebrar seus corações quando essa já não significava mais nada. Quando viu Emma pela primeira vez, ficou impressionado com sua beleza, com o tempo, com sua inteligência, seu potencial. Mas, ficou mais impressionado ainda, pelo fato da loira não cair de amores por ele na primeira investida, sua imagem de conquistador e superego estavam arranhados, e isso Killian não poderia permitir. Emma Swan era um desafio que ele estava disposto a muito para vencer. 

Durante os dias que se seguiram naquela semana, Jones se dedicou em colocar seu plano em prática, ele tinha decidido conquistar Emma, da maneira mais misógina possível. Um dia depois da conversa com August decidira colocar seus dotes sedutores em ação. Levou uma rosa para Emma, deixando sobre sua mesa com um bilhete devidamente assinado, fato que deixou a loira surpresa - a loira sempre procurava ser gentil com seus colegas de trabalho, não seria diferente com Jones - No outro, lhe impôs sua presença na mesa do almoço, sentando-se e lhe fazendo companhia. Cena que foi facilmente notada por Zelena e Regina ao adentrarem o local minutos depois.

Nos dias que transcorreram a engenheira vinha percebendo as constantes investidas de Jones para com a arquiteta. Não, ela não gostava do homem. Ele era um bom funcionário, mas algo sobre ele lhe incomodava. Killian Jones não lhe inspirava confiança e vê-lo jogando seu charme de conquistador barato para cima de Emma só lhe dava mais razões para gostar menos ainda dele. Por mais que não tivesse nada a ver com a vida de Emma, começava a nutrir uma afeição pela loira, poderia chamar de amizade, não sabia. Não podia chegar a tanto, mas Regina sabia desejava o bem para a arquiteta, e ela tinha certeza que, definitivamente, não era Jones.

—Um a Zero para Killian. Decepcionada - Disse Zelena observando a irmã, que não tirava os olhos de Emma com Jones.

—O que foi? - Pergunta voltando sua atenção para a ruiva.

—Nada, sis. Você definitivamente é uma banana. - Fala sem reservas.

—Posso saber porque está me insultando? - Regina a olha incrédula.

—Só estou jogando as verdades na sua cara. Porque sou dessas.

—Céus Zelena, do que diabos você está falando? - Diz já irritada.

—Que enquanto você vê a vida passar, alguém está aproveitando as oportunidades no seu lugar. - aponta para Emma. Regina segue o olhar da irmã e encontra Emma e Jones gargalhando.

—Realmente você não está no seu juízo perfeito, irmãzinha. - nega com a cabeça.

—Você que não enxerga um palmo à frente do seu nariz. - rebate.

—E você enxerga coisa onde não tem. Por favor, Zelena. Pare com esse assunto de insinuar algo entre Emma e eu, isso é absurdo. Que coisa! - se irrita.

—Aff, Regina, a loira é Emma, mas a burra é você. Depois não diga que eu não avisei. - bufa encerrando o assunto.

—Você acordou para me irritar hoje, não é Zelena? E eu nada direi, porque não há o que dizer. - Agora vamos voltar ao trabalho, que esse sim é relevante. - Se levantam e deixam o local.

Na manhã seguinte haveria a importante reunião para apresentarem o trabalho final que seria mostrado aos clientes da RBGold, um representante da empresa estaria presente. Regina e Zelena solicitaram que todos estivessem presentes as nove da manhã na sala de reuniões impreterivelmente. Os últimos detalhes foram acertados pela arquiteta e pela engenheira, que estavam muito satisfeitas com o resultado final. Foram dias ficando até mais tarde no escritório, mas também foram momentos compartilhados da companhia uma da outra, esses que ambas apreciaram.

Todos já haviam deixado a Mills há alguns minutos, Zelena saíra com Robin que passou para buscá-la e a levou para jantar. O cansaço habitava em seu corpo, a morena tinha anseio por um banho e sua cama. Nessa gana, organizou sua mesa como todos os dias antes de sair, pegou a bolsa e as chaves do carro que a irmã havia deixado com ela. Enquanto saia de sua sala e se dirigia ao elevador, pensava que já havia alguns meses que voltara e precisava comprar um carro para si. Ela ia e voltava com Zelena todos os dias, mas iria resolver esse assunto o quanto antes.  Chegou no estacionamento e logo deu partida do carro rumo a saída em uma velocidade reduzida. Mais à frente pode visualizar a vaga que ficava o carro de Emma, percebeu que a loira ainda se encontrava ali. Porém, não só, seus olhos se arregalarem e seu corpo gelou.

 

—Emma? - estava boquiaberta- Eu não acredito - Foi a única coisa que disse quando viu a loira encostada na porta do próprio carro beijando Killian Jones.  Em seguida, deixou o local rapidamente. 

 

 


Notas Finais


Eitaa... postei e sai correndo... Não me matem... esperam o próximo capitulo antes. Beijosssss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...