História Whispers In The Dark... - Bleach... - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bleach
Personagens Aizen Sousuke, Byakuya Kuchiki, Genryuusai Shigekuni Yamamoto, Gin Ichimaru, Hinamori Momo, Hisana Kuchiki, Izuru Kira, Mayuri, Nanao Ise, Nemu Kurotsuchi (Nemuri Nanagou), Personagens Originais, Rangiku Matsumoto, Renji Abarai, Retsu Unohana, Rukia Kuchiki, Shunsui Kyouraku, Shuuhei Hisagi, Soi Fong "Soifon", Toushirou Hitsugaya, Ukitake, Urahara Kisuke
Tags Ação, Aizen Sousuke, Byakuya Kuchiki, Drama, Harem, Possessão, Romance, Violencia
Visualizações 30
Palavras 1.626
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Harem, Hentai, Lemon, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Seinen, Shounen, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Hey...

Quero agradecer aos comentários do ~1995marcus e do ~AndoryuKurosaki no capítulo anterior...
Espero que gostem.
Boa Leitura...

Capítulo 6 - Episode Six: Disastrous Choices and Controversies...


Fanfic / Fanfiction Whispers In The Dark... - Bleach... - Capítulo 6 - Episode Six: Disastrous Choices and Controversies...

Ritsuka, terminara de ajudar o capitão da divisão dez, depois de um tempo, ela se dera muito bem com eles, Rangiku também era uma mulher incrível, depois de muito tempo fizera a jovem sorrir com as piadas infames que fazia com o seu jovem capitão.                                                        

Ela inclusive havia convidado Ritsuka para participar da Associação de Mulheres Shinigami, porém a menina ficara um pouco relutante a isso, na realidade Tachibana não sabia ao certo que queria realmente fazer parte de tudo aquilo, ou melhor, criar laços com aquelas pessoas.                                                                                                                                                                                       

— Muito bem, aqui está o relatório que o capitão Kuchiki pediu, sinto muito pelo transtorno.                                                                                                                                                                                    

— Não se preocupe, está tudo bem, eu fico feliz de ter ajudado.                                                             

— De qualquer forma, diga ao seu capitão que eu sinto muito pela falta de responsabilidade da minha tenente.                                      

— Nossa, capitão, não seja cruel, eu sei que você gostou de ter duas lindas mulheres trabalhando ao seu lado, não é? – O garoto de cabelos acinzentados, ficava com o rosto avermelhado, com a sugestão da mulher.                                                                                                                         

— M-Matsumoto! Isso não são modos de se falar. – Rangiku riu da expressão do capitão.                                                                   

— Não fique envergonhado, capitão! De qualquer forma, Ritsuka, eu espero que considere a associação, caso queira entrar você pode falar com a tenente da divisão onze ou a tenente da divisão doze, de pesquisa e desenvolvimento, está bem?                                                                   

— Sim, eu vou pensar sobre isso... – A menina sorriu docemente para a mais velha.                     

— Er... De qualquer forma, acho que agora você deva voltar a sede do sexto esquadrão, acredito que o capitão Kuchiki, não deva... Aceitar bem atrasos... – Comentou o capitão, ela assentiu com cabeça, fazendo uma leve referência, para ambos.                                       

— Certo, se me dão licença, capitão Hitsugaya, Tenente Matsumoto.                                                   

— Ora! Pode me chamar de Rangiku, está bem? – A moça não pode deixar de sorrir com aquilo.                                                                                                                                                                                     

— Certo! – Ela se despediu deles, saindo em direção a sede do sexto esquadrão.                           

Ela tivera muito trabalho para ajuda-los no relatório, o tempo passara muito rápido, fora divertido apesar de tudo, ela definitivamente poderia se acostumar com aquilo, um bom sentimento estava em seu peito, mesmo com toda a dor que ela carregava por conta da morte de Yui.                                                                                                     

De repente um forte soco percorreu seu corpo, novamente era se como tudo estivesse em câmera lenta, seu corpo não se movia algo estava começando a prender sua respiração. Quanto tempo você irá fugir de mim?                                                                                         

Sua cabeça latejava como se fosse explodir a qualquer momento, quando suas pernas bambearam e ela foi ao chão, naquele instante duas mãos fortes e robustas agarraram seu corpo impedindo a queda, embora todas as folhas do relatório, agora, estivessem espalhadas pelo chão.                                                                                                                                                                                         

— Você está se sentindo bem? – A voz grossa e fria, a trousse de volta a realidade, quando dava por si, estava ofegante, contra o peito de alguém.                                                                                      

— Ei, o que houve?! – O som ficara mais alto vindo da pessoa que a segurava, ela demorou algum segundos para raciocinar de quem era aquela voz, mas quando reconheceu, seus olhos se arregalaram e em um impulso ela empurrara a figura masculina para longe, porém suas pernas ainda estavam bambas, fazendo a cair sentada no chão.                                                        

Ela olhou assustada para o capitão da sexta divisão que a encarava interrogativamente, todavia ela podia sentir um leve desagrado vindo do capitão, definitivamente ele parecia querer explicações.                                                                                                                  

— Pode me explicar o que acabara de acontecer terceiro posto Tachibana? – Ela engoliu a seco, ao certo nem ela mesma sabia.                                                                                                                    

— S-Sinto muito capitão! E-Eu... Senti uma leve tontura apenas! – Explicou rapidamente.                                                                                                                                                                                

— Muito bem... E quer me dizer o que são esses papéis? – Ela arregalará os olhos olhando para todas as folhas espalhadas pelo chão, sem pensar duas vezes ela se pós a juntar os papéis do relatório.                                                                                                         

— Sinto Muito! Eu sou muito desastrada, eu...                                                                                                           

— Esses são os relatórios do capitão Hitsugaya suponho...                                                                       

— Sim... – Ela sussurrou envergonhada.                                                                                                                            

— Posso saber o motivo de só estar com esses papéis apenas agora? – Sim, nesse momento o capitão Kuchiki parecia extremamente zangado.                                                                                   

— Eu estava levando-os para o senhor...                                                                                                     

— E qual foi o motivo de demorar tanto, com eles?                            

— Os relatórios da divisão dez, não estavam prontos e...                                       

— Então por que não voltou imediatamente para relatar sobre isso?                                        

— Eu... Resolvi ajuda-los com o relatório...                                                                                                        

— Primeiramente, você é terceiro posto do sexto esquadrão, se a divisão dez não fez seu trabalho você deveria voltar e relatar diretamente a mim...                                                                                    

— Sinto muito capitão eu apenas pensei que...                                                                                              

— Ouça com atenção, uma vez que sirva ao sexto esquadrão, você deve apenas seguir as minhas ordens, se quer ajudar o capitão da divisão dez, então transfira-se para lá, ouviu? Não gosto quando meus subordinados não seguem minhas ordens... – Ela estava de cabeça baixa quando desajeitadamente levantou-se do chão segurando os papéis no peito.                                 

— Sinto muito capitão... Não vai voltar a se repetir senhor... – Murmurou, o rosto baixo e os olhos coberto por uma franja negra escondiam a frágil menina que segurava-se para não chorar. Ele analisou a figura da moça, mesmo que quem olhasse de fora, não veria uma frágil garota e sim, alguém que se sentia indiferente a qualquer coisa que lhe fosse feito.                 

— De qualquer modo, ajudar a outros esquadrões não é sua obrigação, então lembre-se sempre disse está bem? – Ela assentiu levemente com a cabeça. — Por hora, me dê os relatórios e vamos voltar para a sede.                                                                              

E assim ela o fez, entregou-lhe os papeis e engoliu o nó de sua garganta, enquanto seguia-o de volta para a sede do sexto esquadrão, por mais que se sentisse triste, algo estava a incomodando, não era apenas pelo fato dos recentes acontecimentos, definitivamente algo estava errado com ela, mas... O que era?                                                                                                               

Enquanto isso, vagando pelo Sereitei, o capitão da divisão três, não parecia se importar com quem estava olhando com encontrou-se, por pura coincidência com Aizen, ao analisar o capitão brevemente ele poderia dizer que parecia que algo o incomodava.                                                        

— Ora, Ora, capitão Aizen, se não o conhecesse bem, diria que algo o incomoda...                  

— Sempre sendo impertinente Gin.    

— Veja, será que estou certo? Algo lhe incomoda capitão?                       

— De certa forma...                                                                                                                                                    

— E eu poderia saber o que é?                                                                                                                               

— Aqui não é hora, nem lugar para isso, eu vou contata-lo quando chegar a hora.                       

— Oh sim, sua fama não ficaria bem se alguém ouvisse nossa conversa, não é?                               

— Eu não estou gostando do que está insinuando Gin, estão dizendo que tenho algo a esconder da Sereitei?                                                                                                                                                                           

— De forma alguma, capitão Aizen... – Ao longe, correndo quase tropeçando em seus pés vinha Hinamori, ela parecia ter algo importante em mãos, Ichimaru olhou a figura da moça, antes de dar as costas ao capitão da divisão cinco.                                    

— Seja como for, devia ter cuidado ao demonstrar tanto interesse por aquela menina, especialmente próximo a Hinamori, ela pode... Ficar com ciúme... – Antes que o capitão pudesse revidar, Gin já havia sumido de sua vista, agora restava apenas ele e Hinamori ali naquele momento.                                                                                                                                                                      

— Capitão Aizen! Que bom que o encontrei...                                                                                               

— Algum problema Momo?                                                                                                                                    

— Eu tenho em mãos algo que o senhor deveria ver... E sobre o incidente... – A jovem parecia pálida, suas mãos tremiam enquanto ela segurava a folha, fazendo Aizen franzir o senso.                                           

— O que é Hinamori, para deixa-la assim? – Ela entregou a pequena carta nas mãos do homem, na folha escrita com uma bela caligrafia “Eu sei que está mentindo sobre o que aconteceu naquele dia, então eu gostaria de saber mais, capitão Aizen...”. Ele não tinha dúvidas de quem mandara aquilo, na realidade ele sorriu enquanto olhava para Momo em sinal que ela devia se acalmar.                                                                                                                                                          

— O que devemos fazer Capitão?! Nós deveríamos contar a verdade e...                               

—  Momo...! Quantas vezes eu lhe disse? Nós contamos a verdade. Não se preocupe, eu sei quem mandou isso, na realidade foi apenas uma brincadeira de mal gosto...                                

— Mas, capitão! Como pode ter tanta certeza?!                                                                                             

— Não se preocupe Momo, eu mesmo vou resolver isso sim? Por agora, está carta nunca existiu sim? – Ele acariciou a cabeça da menina, observando as bochechas ruborizando da moça, Momo com toda a certeza era uma garota muito fácil de manipular, afinal, ela nunca iria contra nenhuma ordem do capitão que ela, de certa forma, tinha sentimentos especiais.                

Todavia, não era como se Sōsuke se importasse muito com isso naquele momento, tudo que lhe importava era descobrir que tipo de poder aquela menina rebelde tinha dentro de si, isto é claro depois de tirar satisfações com Gin, por aquela porcaria de carta.                                         

Já na sede da divisão seis, ao entrar no escritório do capitão, Ritsuka deparou-se com um jovem, ele era muito diferente dos demais, tinha tatuagens pelo corpo e um cabelo extremamente vermelho, ela nunca o vira antes.                                                                      

— Ah, Abarai, você trouxe o que eu pedi? – Pronunciou-se o capitão, com seu ar famoso tom frio como gelo.                                       

— Sim, senhor! Aqui estão os relatórios da última missão do sexto esquadrão no muito dos vivos. – O rapaz de cabelos vermelho alcançou-lhe vários papeis.                                                                         

— Certo... No momento eu não preciso do seu trabalho, está dispensado por agora. – O homem assentiu, quando no breve instante notou a jovem que seguia o capitão, lançando lhe um olhar pasmo.                                                                                                  

— C-Capitão, quem é essa garota?! – Byakuya olhou em direção da moça, assim como do rapaz de cabelos vermelhos, ambos tinham olhares tanto pasmos, quanto confusos.                                           

— Essa é a nova terceiro posto da sexta divisão. – Explicou simples...                                                   

— EHHHHHH? C-Como assim?! Por que eu não fui informado de nada?!                                             

— Você é um mero subordinado, não devo-lhe satisfações sobre cada qual assume novos postos na divisão, então ponha-se no seu lugar.                                                                                                   

— M-Mas, capitão... Eu não consigo entender... Isso...                                                                                

— Abarai! Você está começando a testar os limites de minha paciência... Agora, por favor, saia. – Ainda perplexo, ele olhou para a jovem tentando retomar a compostura.                                          

— Sinto muito capitão... A propósito, desculpe minha falta de educação, sou Abarai Renji, é um prazer conhece-la.                              

— Tachibana Ritsuka, o prazer é meu...               


Notas Finais


Desculpem o atraso na postagem do capítulo, eu tive alguns problemas pessoais, mas está aqui...
Espero que tenham curtido...
Até o próximo...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...