História Who Are You? - Kim Taehyung - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Luta, Mistério, Romance
Visualizações 49
Palavras 1.094
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpem a demora pela atualização! 🙏

Capítulo 36 - Você não está morto...


Yeol

Abro lentamente os olhos, com a visão ainda turva e a dor permanentemente forte. Olho ao redor do quarto e lá estava a sra. Kwan, torcendo um pano e o pondo sobre minha testa.

– Sra. Kwan, o que faz aqui?- minha voz sai rouca.

– Eu esqueci a bolsa de compras que ia levar e acabei voltando para buscá-la. Quando cheguei, ouvi um estrondo vindo daqui, por isso vim verificar e encontrei você caído ao chão.- explica.- Meu filho, o que foi isso?

– Não foi nada demais.- digo ríspido.

– E isto aqui?- pergunta, com a garrafa vazia em mãos.- Se a sua mãe ver isso, eu não sei o que poderá acontecer.

Inspiro profundamente, procurando controlar-me para não sair dizendo coisas grosseiras e acabar ferindo Kwan com minhas palavras.

– Sabe o que acontecerá? Nada. Isto é, se você não contar.- a imploro com o olhar e ela acaba por ceder.

– Está bem, Yeol.- suspira pesado.- Não direi nada. Mas que isso não se repita ou terei que contar.

Para mim não importaria se Yeon descobrisse ou não. De qualquer forma, ela só mudaria o assunto e falaria novamente da herança.

Na verdade, eu mesmo não entendia o porquê de ter feito aquilo. Isso nunca foi comum de mim, mas talvez tenho ficado assim por conta da morte recente do meu pai. Talvez eu só quisesse esquecer e usei isso como um meio para driblar as lembranças. Entretanto, isso não fez mudar o meu objetivo.

Enquanto tentava entender o que tinha feito, a dor que antes havia dado uma tregua, voltou com mais intensidade. Ela estava se tornando algo insuportável, mexendo inclusive com a minha visão, fazendo tudo ao meu redor girar incansavelmente.

– Yeol, o que foi? Sua expressão não está nada boa...

Aponto para a cabeça e ela entendeu perfeitamente do que se tratava. Apenas disse-me para aguardar que ela prepararia algo para aliviar.

Tento focar minha visão, mas o efeito da bebida ainda estava em alta, fazendo-me ter dificuldades. Fecho os olhos por alguns minutos para aliviar, e quando os abro, a visão se torna nítida novamente. Ao olhar para um canto qualquer do quarto, vejo uma figura de estatura baixa, sorrindo para mim.

– Quem é você?- pergunto, ainda analisando a figura.

– Yeol, sou eu... Seu pai...- continua a sorrir.

De repente sinto uma carga percorrer meu corpo, como se tivesse tomado um choque. E de fato, eu estava em choque. 

– Pai, você não está morto...

– Nunca estive, Yeol. Sempre estive aqui, com você...

Um nó se forma em minha garganta e lágrimas ameaçavam escorrer pelo meu rosto, mas tento contê-las ao máximo pois não quero que ele me veja assim.

– Yeol, você ama o papai, não é mesmo?- assinto freneticamente.- Também o amo, meu filho... Por isso, preciso que faça algo por mim.

– O que quiser, pai.- minha voz falha um pouco.

– Quero que me vingue. É o seu dever vingar a morte de seu pai. Entendeu?- assinto.- E você não pode falhar.

– Não se preocupe, pai... Não falharei.


Su Mi

Abro a porta de casa, dando de cara com um Jimin sério e uma Sook extremamente brava. Os dois parecem ter percebido minha presença, mas só ela subiu para o quarto.

– O que aconteceu?

– Nada, só uma discussão boba.- dá um leve suspiro.- Tem algo à dizer?

– Na verdade, tenho sim.- sorrio largo.- Há um jeito de inocentá-lo.

– Do que está falando?- pergunta, ainda com o olhar confuso.

– Jimin, podemos provar que Tae é inocente. 

– De que forma?

– Primeiro, temos que dar algum tipo de depoimento.- explico, mas ele ainda parece não compreender.- Olha, o alvo principal do meu pai era o Tae, certo? Tanto que ele chegou a nos maltratar com um meio de feri-lo. E essa é apenas a primeira parte do processo.

[...]

Estava ficando tarde, e não adiantaria fazer isso às pressas, por isso decidimos ir amanhã prestar depoimento, acompanhado obviamente de Yoon.

Jimin finalmente havia entendido, e depois de várias elaborações, havíamos chegado a um acordo. Diríamos o que sabemos e o que sofremos.

– Bom, eu vou tomar um banho e talvez dormir um pouco.- dou leves tapas em seu ombro.- Boa noite.

Dirijo-me ao quarto para pegar algumas roupas, quando deparo-me com Sook deitada de bruços e com os braços cruzados tapando o rosto.

– Ei, o que foi? Está assim por causa da discussão?- pergunto, acariciando suas costas.

– Jimin é um idiota.- bufa.

– O que ele fez?- ela suspira e vira novamente para cima.

– Ontem eu vi vocês conversando sobre algo e parecia ser sério, então perguntei sobre isso para tentar ajudar, mas ele começou a dizer que era inútil pois eu não entenderia.

Jimin tem um gênio forte, por isso na maioria das vezes acaba dizendo coisas que para ele não soam mal na hora, mas para a outra pessoa sim. Depois um tempo, ele se arrepende do que disse.

– Sook, já passou pela sua cabeça que ele não quis contar não pelo fato de você não poder fazer nada, mas sim por não querer preocupá-la? Já pensou nisso?- desvia seu olhar de mim e começa a fitar o teto, como se estivesse refletindo sobre o que eu disse.

– É, você pode ter razão...

– Então vai lá e se entendam. Aproveitem que tem um ao outro por perto.


Jimin

"Fale, por favor.

Esqueça, ok? É inútil e você não entende."

Suspiro pesado após lembrar do que disse e perceber que coloquei mal as palavras. Preciso me desculpar...

Subo até o seu quarto e antes que pudesse bater na porta, a mesma é aberta por Mi.

– E-Eu vim falar com ela.- olho para Sook por detrás de Su.

– Fiquem à vontade, eu estou de saída. Ah, e aproveitem que o Shin não chegou também.- lança um riso malicioso e se retira.- Tchauzinho.

Ela permite passagem para dentro do quarto, fechando a porta em seguida e sentando ao meu lado na cama.

– Olha... Desculpa por aquilo... Ultimamente ando tão ocupado mentalmente que às vezes não tenho consciencia do que falo. Infelizmente só percebo depois que fiz a besteira.

– Entendo... Eu queria tentar ajudar a deixar as coisas mais leves para você, mas até nisso eu falho.- abaixa a cabeça lentamente.

Seguro o seu queixo, erguendo sua cabeça novamente, fitando os seus belos olhos negros.

– Você nunca falha.- selo nossos lábios.

O que era uma coisa simples e delicada, começou a se tornar mais intensa e voraz. Nossas respirações estavam bem descompassadas, junto do clima quente que estava se formando.

– Nós não precisamos ir além disso. Se quiser, podemos ficar só nisso.- digo entre um beijo e outro.

– Eu não queria ficar só nisso, mas preciso me controlar pois você ainda tem que se recuperar.

– Sei bem como posso me recuperar...




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...