História Who are you? - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, Elsa, Emma Swan, Lacey (Belle), Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Drama, Romance, Universo Alternativo
Visualizações 106
Palavras 3.159
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Heeey pessoinhas! Não quero estender muito aqui, mas quero agradecer muito aos 50 favoritos e 40 comentários. Realmente vocês me surpreendem e me motivam a continuar, obrigada mesmo e não desistam de mim pela demora! 💗

Capítulo 12 - I love you.


Fanfic / Fanfiction Who are you? - Capítulo 12 - I love you.

[•Emma Swan•]


E como sempre sou a primeira a despertar. Viro meu rosto para o lado e a cena que encontro faz um lindo sorriso nascer em meus lábios. Minha namorada dormia tranquilamente, com uma expressão tão serena que fez com que eu ficasse ainda mais apaixonada pela mesma. Cenas da noite anterior surgiam em minha mente a todo momento fazendo-me dar sorrisos bobos e suspiros apaixonados. Havia saído tudo melhor do que planejei e mesmo que foi um pouquinho trabalhoso, valeu a pena simplesmente pelos sorrisos que ganhei.

Depois de termos feito amor na noite passada acabamos pegando no sono. Durante a madrugada acabei acordando com um barulho na rua e chamei Regina, para que pudéssemos vir para casa. Por mais que adoramos o nosso terraço, não ia ser nada legal e romântico acordar com o sol queimando nossa cara.

Me levantei com cautela após ficar alguns minutos acariciando os fios negros de Regina e fui caminhando também com cautela para não acordá-la até o banheiro. Fiz minhas necessidades e higiene, aproveitando também para tomar um banho. Ao terminar caminhei até o closet e vesti uma calcinha da cor branca, usando uma das blusas sociais de Regina.

A morena continuava a dormir e aproveitando isso caminhei até a cozinha, para fazer nosso desjejum. Mimos nunca são demais, Regina mesmo adora esse tipo de coisa. Coloquei o que iria usar sobre o balcão, indo preparar as panquecas e o café. E em poucos minutos a bandeja já estava repleta de coisas; iogurte, pães, suco, café, as panquecas e a calda de chocolate, salada de frutas e coloquei também a rosa que havia dado a mulher no dia anterior para dar aquela “pitada” de clima romântico.

Levei tudo com cuidado até o quarto e ao entrar no cômodo, deixei a bandeja sobre o criado mudo para poder acordar minha princesa dorminhoca. Abaixei-me até que meus lábios ficassem bem próximos aos de Regina, beijando-a carinhosamente os lábios.

-- Oh, minha princesa está acordando! Consegui salvá-la da terrível maldição da bruxa. – Brinquei vendo a mulher se remexer dengosa na cama, me dando um daqueles sorrisos capaz de mover céus e terra.

-- Você me salvou, meu príncipe encantado! – Abriu os olhos e puxou-me pela gola da blusa social que estava usando, colando novamente nossos lábios. – Agora é a parte que você me pega no colo e juntas fugimos no seu cavalo branco. – Sussurrou como se estivéssemos em um ensaio teatral e eu tivesse esquecido o que fazer.

-- Nosso conto de fadas é moderno, Princesa. Vamos fugir no meu cavalo de quatro rodas... – Pisquei a mesma e em seguida depositei um beijo na testa dela, me levantando enquanto a mulher se ajeitava na cama. – Fiz nosso café da manhã! – Contei empolgada pegando a bandeja.

-- És mesmo um Príncipe Encantado? – Me perguntou com uma das sobrancelhas arqueadas enquanto a ajudava a ajeitar a bandeja na cama.

-- Eu sou o que você quiser que eu seja, meu bem. – Me sentei na frente dela e fiz uma carícia na mão da mesma, e então começamos a comer.

Comemos em meio a conversas e brincadeiras. Contei a Regina da onde tirei a ideia para a surpresa ontem, quem me ajudou e ela me elogiou mais uma vez por tudo. O que ela mais havia gostado era de minha declaração e corei ao contar que tudo que disse é o que sinto. Por Mills até uma poeta eu viraria caso precisasse e por mais que eu seja tímida, tudo saiu tão bem. Realmente ontem tudo ocorreu melhor do que o planejado!

-- O que você está pensando, hein? – A morena me perguntou enquanto se levantava, colocando a bandeja praticamente vazia de volta no criado mudo.

-- Em como tudo saiu melhor do que planejei, Regi. Foi tudo tão natural, sabe? Confesso que até eu fiquei surpresa comigo mesma... – Confessei com um sorriso, orgulhosa por ter feito uma surpresa daquela para minha amada. – Está sendo tudo natural entre a gente... Eu me sinto como se namorasse você há anos!

-- Oh sim querida, eu entendo você. Me sinto da mesma forma e por já sermos amigas antes, isso torna tudo ainda mais leve e agradável. Conheço você praticamente desde que me entendo por gente e querendo ou não, terá que me aturar até meu último dia de vida. – A mulher falou com um sorriso, pegando a pequena tigela que ainda continha calda de chocolate e mergulhando seu dedo lá dentro. Levou o mesmo a boca e o chupou, de uma maneira um tanto que provocante.

-- Regina... – Repreendi a morena que se aproximava de mim ainda segurando a tigela.

Ela parou próxima a mim e mergulhou mais uma vez seu dedo na calda, fazendo-me arquear uma de minhas sobrancelhas. Acabei fechando meus olhos em meio a uma careta quando senti o doce ser lambuzado por minhas bochechas e também a ponta de meu nariz. A sapeca de minha namorada estava tramando uma bagunça deliciosa com aquilo.

-- Mills! – A repreendi abrindo meus olhos e assim conectando minhas orbes esverdeadas nas dela amêndoas. – Eu acabei de tomar banho, para quê fazer essa bagunça? – Perguntei fazendo um bico, como sempre quando me irritava.

-- Depois eu dou banho em você, Srta. Resmungona. – A mulher começou a distribuir alguns beijos por onde já havia passado o chocolate e por fim lambuzou meus lábios, sorrindo maliciosa. – Apenas relaxe...

Mills passou sua língua por meus lábios lambendo o chocolate que havia espalhado pelos mesmos. Fechei meus olhos quando a morena iniciou um beijo, deslizando minhas mãos por suas costas nua. Fui deitando meu corpo na cama sem quebrar o beijo, que se tornava cada vez mais intenso. Ambas as línguas exploravam o território já conhecido com gana; Regina era sempre tão faminta.

A mulher terminou o beijo sugando meu lábio inferior e deixei um gemido escapar quando abri meus olhos e encontrei os dela, que estavam tão negros e intensos. A safada tinha um sorriso malicioso nos lábios que havia um efeito e tanto sobre mim, minha calcinha já começava a se molhar.

-- Você tem um sabor incrível, Em. – A mulher falou colocando o recipiente com a calda sobre o criado mudo, voltando sua atenção a mim. Ela abria um por um dos botões da camisa que eu estava, enquanto rebolava sobre mim fazendo sua boceta roçar na minha ainda coberta pela calcinha. – E quero saber como ficará o gosto juntando duas coisas tão deliciosas, que é o seu prazer e o chocolate.

-- Então mate o seu desejo e a mim de tesão, Mills. – Sussurrei com o tom de voz mais sexy que consegui, mordendo meu lábio inferior. -- Quero sentir sua boca em cada cantinho de meu corpo.

Meu olhar agora era tão safado quanto o de Regina, ela havia conseguido deixar-me louca para senti-la. Minhas mãos seguraram firme aquela cintura tão fina, que se movia lentamente sobre mim.

Os olhos da mulher logo estavam vidrados em meus seios levemente rígidos que já não estavam mais cobertos pela blusa. Fechei mais uma vez meus olhos quando os lábios carnudos da morena tocaram meu mamilo direito, enquanto sua mão livre massageava o outro seio. Ora ela sugava, ora lambia levando-me assim a loucura. Enterrei minhas mãos nos fios negros de Mills puxando-os vez ou outra, deixando que gemidos baixos escapassem por meus finos lábios entreabertos.

Os toques de Regina eram calmos e continham também destreza, ela sabia o momento certo de fazer tal coisa. Abri meus olhos quando suas carícias cessaram e pude ver então a mulher pegar o pequeno pote, colocando um pouco do doce sobre meu mamilo que antes estava coberto por sua boca. E olhando em meus esmeraldas a fotógrafa derramou mais um pouco da calda por meu corpo, dessa vez sobre o outro mamilo.

-- Oh, que bagunça você fez! Terá que limpar tudo, sua menina levada. – Mordi meu lábio inferior no término de minhas palavras, ainda encarando aquelas orbes amêndoas.

Regina deixou mais um pouco da calda escorrer por meu abdômen e então voltou a colocar o recipiente sobre a cama, dando atenção aos meus seios. A safada passou a língua entre seus lábios de forma provocativa, enquanto abaixava seu rosto em direção de meus seios.

-- Limparei com o maior prazer, gostosa!

Não era mentira ao dizer que com Regina cada dia estava descobrindo algo novo, um novo sentimento ou sensação diferente que até então havia sentido. Regina estava agora proporcionando-me um prazer diferente, juntando o chocolate a sua fantasia deliciosa. O melado do doce junto a boca faminta que me chupava estava causando a mim uma nova sensação, deixando um gostinho de sempre querer mais.

Regina passou sua língua em volta de minha auréola, lambendo o chocolate que a pouco havia derramado ali. Minha destra novamente estava em sua cabeça, puxando seus fios negros e sedosos. A morena passou a brincar com o bico rígido de meu seio e logo estava chupando-o com gana.

Meus gemidos preenchiam cada vez mais o quarto que sempre se tornava pequeno em momentos como esse. Os lábios de Regina iam descendo pelo meu corpo limpando o chocolate e também causando-me sensações que só minha namorada era capaz. Ninguém nunca havia me tocado tão intensamente daquela forma e muito menos me causado tanto prazer ao qual sentia nesse momento. Arqueei minhas costas quando Mills passou a beijar e lamber minha virilha, pressionando sua cabeça contra aquela região sensível enquanto puxava-lhe os fios de cabelo.

-- M-Mills... Oh, pare de me torturar assim...

Disse manhosa entre um longo gemido. Abri meus olhos e logo os mesmos estavam conectados aos de Regina. A morena desviou seu olhar do meu e passou a encarar o fino pano branco que cobria minha região que implorava por carícias. Ela passou a distribuir beijos ainda por cima do pano e estimular meu clitóris com sua língua, fazendo-me gritar.

-- Caralho! D-Deixe de enrolação e me... fode logo, Reeginaaa.

A mulher estava adorando me ver tão descontrolada daquela forma, talvez estivesse se vingando pela noite anterior. Mills adora estar sempre no controle de tudo e detesta quando não consegue ter o controle sobre algo, ou as coisas não saem como seu planejamento. Ela não tinha controle de seus sentimentos como pensa, assim como nem eu e nem ninguém têm.

Mills retirou minha calcinha depois de alguns segundos, que mais pareciam anos, me provocando com sua língua. O olhar safado que me admirava me fez arrepiar toda. Regi sorriu de forma maliciosa e voltou sua atenção para o que fazia anteriormente, após me dar uma piscadela.

-- Por que está com tanta pressa assim, Srta. Swan? – Perguntou descaradamente como se não soubesse o por quê eu tinha tanta pressa; já não aguentava mais.

Regina derramou o restante da calda em minha vagina e parecia gostar do resultado que tinha. Abri ainda mais minhas pernas e a morena se ajeitou entre elas, abriu meus grandes lábios com os dedos e finalmente levou sua boca ao meu intimo.

Ela segurou com força em minhas coxas e então passou sua língua de baixo para cima em minha boceta, de cima para baixo e vice-versa, matando seu desejo de sentir o meu mel junto ao melado da calda de chocolate. Sua língua lambia e seus lábios chupavam com gana meu íntimo rosado e melado, enquanto suas mãos apertavam minhas coxas.

E lá estava eu completamente entregue a Regina Mills, rebolando meu quadril a procura de maior contato. A mulher me chupava agora com rapidez e gula, passava sua língua por toda extensão de minha vagina. Ela estimulava meu clitóris com seu dedo indicador e por vezes pressionava-o, fazendo-me resmungar.

Puxei com força os fios negros quando a morena passou a me penetrar com sua língua, gritando o nome da mesma. A safada provocava minha entrada e em seguida a penetrava, repetindo isso algumas vezes.

Fechei meus olhos encostando minha cabeça na cama enquanto com minha mão livre apertava um de meus seios. De meus lábios escapavam gemidos, suspiros, gritos, palavras de baixo calão e também palavras desconexas. Não me recordava nem de meu nome e nem de nada, o mundo parecia ter parado naquele momento.

-- REGINA... hum... Fuck-me! – gritei o nome da mulher e passei a gemer, estimulando a mesma a continuar com o que fazia.

Quando menos esperava os lábios de minha namorada são substituídos por seus dedos, que se moviam em um ritmo que chegava até a ser torturante dentro de mim. Segurei com ambas as mãos seus cabelos, puxando-os com força fazendo assim a mulher gemer. Nossos gemidos se misturavam, ela não escondia o prazer que sentia me fodendo gostoso daquele jeito.

Meus esmeraldas estavam conectados aos olhos negros intensos de Regina, que me sorria enquanto observava minhas expressões prazerosas. Puxava agora o lençol da cama remexendo meu quadril rapidamente, gemendo manhosa o nome de minha namorada.

Apertava os dedos de Mills dentro de mim e antes que eu pudesse dizer algo, meu líquido quente e branco estava escorrendo pelos dedos de minha amada e também por minhas coxas. Havia gozado mais uma vez para ela e por ela.

Puxei o rosto da mulher após ela me “limpar”, beijando seus lábios com calma. Pude sentir meu gosto em seus lábios carnudos, o que me fez sorrir dentre o beijo. O mesmo terminou com uma mordida no lábio inferior de minha companheira, que assim como eu abriu um sorriso.

-- Eu amo você, de verdade mesmo. – Confessei enquanto deslizava meus dedos pelas costas de Regina fazendo desenhos imaginários.

-- Eu também amo você, meu pequeno anjo loiro. – Ela me deu mais um selinho e começou a acariciar meus fios loiros.

Ficamos alguns minutos alí, desfrutando da companhia uma da outra. Trocávamos carícias, beijos e algumas palavras carinhosas. E por mais que eu quisesse passar o dia todinho na cama com o meu amor, não podíamos. Tinha que ir em meu apartamento para pegar algumas coisas que estava precisando, já que Regina provavelmente quer que eu passe o fim de semana com ela.

-- Hey, não dorme pequena! – Sussurrei distribuindo beijos pelo pescoço de Mills. -- Eu tenho que ir em meu apartamento para poder pegar algumas coisas que preciso, você vem comigo? Depois podemos chamar as meninas para assistirmos um filme ou sei lá, fazer algum programa leve juntas.

-- Eu estava quase dormindo mesmo, meu amor. – Abri um sorriso com o modo ao qual a mulher me chamou, ela nem havia se dado conta. – Claro, eu acompanho você com prazer. E antes de chamar as meninas, podemos dar uma volta no parque. Quero fazer algo mais leve contigo também! – A morena me sorriu de um jeito tão encantador, que me fez ficar feito boba a olhando.

-- Me chamando desse jeito e me sorrindo assim, é impossível discordar. Faremos o que você quiser! – Trocamos um selinho breve e mais sorrisos. – Agora você está me devendo um banho, srta. Mills.

O banho acabou durando uns minutinhos a mais que o esperado, já que era impossível tomar somente “um banho” com Regina. Nos vestimos e juntas partimos em direção de meu apartamento, em meu carro. Durante o caminho liguei o rádio e fomos ouvindo uma de minhas playlists favoritas, que misturava vários cantores e ritmos.

Estacionei em frente ao meu prédio e ajudei Regina descer do carro, entrando de mãos dadas com ela no mesmo. Isso atraiu os olhares de alguns moradores, mas resolvi não dar muita importância para aqueles olhares reprovadores. Nada estragaria a felicidade que eu estava sentindo.

Ao entrarmos em meu apartamento caminhei até meu quarto e com a ajuda de Regina, passei a organizar tudo que iria levar em uma pequena mala. Após terminarmos, demos uma organizada em algumas coisas e então saímos, voltando ao carro.

Em poucos minutos estávamos saindo do carro novamente, já que não morava tão longe do parque assim. Dessa vez a atitude de segurar minha mão partiu de Regina, o que me fez olha-la e sorrir. A morena retribuiu o sorriso e começamos a caminhar.

O dia estava ensolarado, apesar do vento gelado. Algumas crianças brincavam enquanto seus pais observavam, outras pessoas passeavam com seus cães e outras caminhavam de mãos dadas com seu parceiro, assim como Regina e eu. A mulher estava maravilhada com tudo e não demorou a pegar seu celular, registrando aquele momento. Fiz algumas caretas quando eu passei a ser o foco enquanto a morena me fotografava.

-- Terá que me pegar primeiro Regi, daí poderá fotografar a loira mais linda de toda Los Angeles. – mostrei a língua e saí correndo, fugindo da fotógrafa.

-- Emma, volte aqui! Está uma luz tão boa, faremos ótimas fotos. – a mulher resmungava enquanto corria atrás de mim, tentando me pegar.

Quando por fim ela me alcançou, acabamos caindo juntas sobre a grama verdinha. Mills se encontrava sobre mim e mais uma vez me perdi naquele olhar, admirando aquela criatura moldada pelos deuses.

-- Peguei! E não se mexa, está legal assim. – Regina pousou cada joelho de um lado de meu corpo e passou a me fotografar, enquanto eu sorria, fazia bicos e caretas para a câmera.

Fizemos mais algumas fotos minhas e depois de nós duas, postando algumas nas redes sociais. Não que eu quisesse puxar o saco de Regina, mas ela é realmente boa em tudo que faz. Depois de todo aquele esforço, a melhor namorada do mundo, vulgo Regina Mills, resolveu pagar um sorvete para cada uma de nós.

Caminhávamos com nossos dedos entrelaçados, chupando nossos sorvetes. Regina quis somente uma bola de chocolate, já eu pedi logo três: morango, chocolate e baunilha. Estava tudo tão bom que nem percebemos o tempo passar, o sol começava a se pôr.

-- Precisamos fazer isso mais vezes, é relaxante. – comentei caminhando com Mills de volta ao nosso carro, para podermos ir para casa.

-- Oh sim, foi ótimo passar esse tempo contigo. Me sinto em paz comigo mesma... – A mulher comentou sorrindo.

E antes que eu pudesse responder, alguém não muito distante dalí me chamou a atenção. O moreno vinha em nossa direção com o sorrisinho cafajeste de sempre nos lábios, com roupas de correr e o fone de ouvidos conectado em seu IPod. Havia me esquecido que o mesmo costumava correr aqui nos finais de tarde, infelizmente.

-- Hey love! – O homem me cumprimentou, animado demais para meu gosto. Provavelmente ele achava que nada havia mudado entre nós desde o ocorrido que me dá náuseas só de lembrar.

-- Killian?! – soltei a mão de Regina encarando o homem a nossa frente com uma expressão indescritível, meus olhos começaram a marejar.

-- Era só o que me faltava... – Regina sussurrou revirando os olhos, mas ainda assim foi possível ouvir.

Agora não tinha mais dúvidas de que sempre algo irá aparecer para estragar minha felicidade, dessa vez era meu ex namorado babaca que sorria e dava piscadelas para Regina e eu. Respirei fundo e voltei minha atenção ao homem, encarando profundamente aquelas íris azuladas.

-- Temos alguns assuntos a tratar...


Notas Finais


O cap foi bem amorzinho, mas esse final aí promete hein? 🤔
Prometo não demorar tanto assim pra atualizar, vou fazer mesmo o possível. Bjos e até o próximo 💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...