História WhY? - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Namjin, Vhope, Vkook, Yomin, Yonseok
Visualizações 18
Palavras 2.579
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Me desculpem pela demora. Espero que gostem, Beijinhos e boa leitura.

Capítulo 9 - WhY wE dId ThAt PoOl PaRtY


Fanfic / Fanfiction WhY? - Capítulo 9 - WhY wE dId ThAt PoOl PaRtY

Como haviam dois sofás que viravam cama, com a ajuda dos meninos nós os juntamos e deitamos todos lá enquanto esperávamos eles chegarem. Mesmo lutando contra o sono, pelo fato de ter bebido e cantado eu senti o meu corpo cansando e não consegui manter-me acordado.

- Como eles estão fofos – Momo falou assim que entrou na casa, eu senti meu corpo ser coberto por algo e depois não me lembro de mais nada.

Momo POV

Quando os meninos começaram a tocar chamando a atenção de todos, eu e o Sik ficamos alerta, esperando somente o sinal do Kookie para sairmos da minha casa em direção a um lugar considerado potencialmente “seguro”. Em pouco tempo ele piscou para nós e apontou para a porta com a cabeça, consideramos aquilo como o sinal e discretamente conseguimos sair sem sermos pegos. O Hyung Sik me guiou até o carro dele, cavalheiro como sempre foi ele abriu a porta para mim e logo em seguida eu entrei, ele deu a volta e entrou do lado do motorista dando a partida no carro.

A janela estava entreaberta e eu conseguia sentir o vento em meu rosto me dando certa calmaria e diminuindo a adrenalina de pouco tempo atrás. Senti meus olhos começarem a pesar e finalmente fecharem, passei algum tempo naquela posição esquecendo totalmente de todo o resto. Após algum tempo o carro parou, mas eu permaneci como estava sem vontade de abrir os olhos até que mãos macias acariciaram o meu rosto causando arrepios por todo o meu corpo e fazendo com que eu abrisse os meus olhos encontrando o Hyung Sik mais perto do que eu considerava seguro. Ele continuou me encarando, e por mais que eu quisesse procurar algum ponto qualquer para olhar, meus olhos não me obedeciam e continuavam apreciando cada parte do rosto dele como se fosse a primeira vez que estivéssemos nos olhando. Nossos rostos começaram a se aproximarem e meus olhos agora encaravam os lábios dele que estavam entreabertos e mais vermelhos que o normal. A mão que antes acariciava o meu rosto agora estava pousada sobre a minha bochecha segurando em minha nuca, com a proximidade a única coisa que consegui fazer foi fechar os olhos e sentir os lábios macios dele tocando devagar os meus. O beijo começou calmo e lento e a mão dele acariciava o meu rosto novamente, quando eu me ajeitei no assento colando mais os nossos corpos e dando passagem para que o beijo ficasse mais selvagem e animador, foi isso que ele fez. Colocou a mão em minha cintura dando um certo aperto e me fez suspirar. Com um movimento rápido e sem separar nossos lábios ele me colocou em seu colo, fiquei surpresa com a atitude dele, mas isso não significa que eu não gostei, muito pelo contrário.

Coloquei meus braços em volta do pescoço dele e meio que involuntariamente comecei a me movimentar em cima dele, não sei o que deu em mim, só sei que aquilo deu tanto prazer a ele como estava dando a mim. Nosso beijo ficava cada vez mais quente e por mais que o vento frio entrasse pelas janelas estava quente de mais, separei nossos lábios e tirei a minha blusa, ele sorriu de lado, não sei como, mas aquilo o tornou mais sexy. Ele fez o mesmo tirando a camisa preta que estava usando, se antes que estava sentindo calor, agora eu estava no inferno, ele andou malhando e isso o fez muito bem. Ele seguiu o meu olhar e mordeu o lábio inferior murmurando coma voz rouca e extremamente sexy:

- Posso dizer o mesmo que você deve estar pensando, você não está nada mal em Momo. – Ele falou isso se aproximando da minha orelha e deixou uma mordida leve no lóbulo da mesma, arrepiando até os pelos inexistentes do meu corpo. Descendo mais um pouco ele alcançou o meu pescoço e deixou beijos e alguns chupões por ali, enquanto seus lábios deixavam carícias em meu pescoço, ele subiu as mãos passando pelas minhas costas, alcançando os meus ombros e descendo as alças do meu sutiã, seus lábios deixaram o meu pescoço e agora transitavam entre os meus ombros. Com as mãos no fecho do sutiã, ele me encarou como se pedisse permissão, e isso foi tão fofo da parte dele que a única coisa que eu fiz foi atacar os seus lábios como se eu necessitasse deles para viver. Entendendo aquilo como resposta ele desatou o fecho e correspondeu beijo com mais voracidade e necessidade enquanto acariciava os meus seios. Mesmo com os tecidos entre nós eu conseguia sentir o volume evidente dele embaixo de mim, e isso me deixou mais excitada fazendo com que eu voltasse a rebolar em cima dele e sentisse o hálito fresco dele quando o mesmo suspirou. Ele mordeu meu lábio e desceu suas mãos para agarrar a minha bunda e apertar, me impulsionando a aumentar a intensidade dos movimentos. Parei por um momento recebendo um suspiro de desaprovação dele, soltei um sorriso e perguntei:

- Você está com alguma camisinha? – Acho que a minha vergonha desapareceu por completo. Ele sorriu e colocou a mão no bolso tirando de lá a carteira onde tinha uma camisinha, sempre bem preparado. – Pode abrir – Eu falei enquanto comecei a desabotoar a calça dele e retirar o seu membro ainda latejante da cueca, ele sorriu sacana e me deu o preservativo. Quando já tinha colocado a camisinha em seu membro agradeci a Deus que eu estava de saia, abaixei a minha calcinha me levantando um pouco do colo dele e logo em seguida olhei em seus olhos, o mesmo estava me encarando com um sorriso nos lábios. Me ajeitei e enquanto voltava a beijá-lo sentei sobre o membro dele, em seguida começando a me movimentar com a ajuda das mãos dele em minha cintura. Os movimentos começaram lentos, mas foram aumentando junto com os arfares dele misturados aos meus, senti seus dentes morderem meu lábio me fazendo soltar um gemido abafado. Entre gemidos e apertos das duas partes eu senti que estava chegando ao meu ápice e percebi que ele também, então comecei a me movimentar mais rápido até que alcancei o meu clímax e alguns segundos depois ele também. Encostamos nossas testas ate regularizarmos as nossas respirações, nos encaramos trocamos mais alguns beijos até que o meu celular toca me trazendo de volta para a realidade. Visto a minha calcinha e volto para o meu banco, Hyung Sik ajeita a calça e liga o carro dando a volta.

- Alô? – Falo atendendo o celular.

- Hirai? Oi? Aqui é o Jin amigo do Kookie, eu liguei para avisar que todos já foram embora e que vocês podem voltar em segurança. – O Jin falou do outro lado da linha e eu suspirei aliviada.

- Muito obrigada, já estamos voltando, sintam-se a vontade. – Falei e desliguei o celular. Virei para o Sik e falei o que o Jin havia me contado e voltamos cantando as músicas do rádio durante todo o trajeto. Quando chegamos a casa estava silenciosa o que foi bastante estranho, descemos do carro e andamos lado a lado, ele segurou a minha mão e eu olhei para ele sorrindo, o mesmo retribuiu e apertou a minha mão. Entramos na casa e nos deparamos com a cena mais fofa desse mundo, os meninos estavam todos deitados no sofá uns em cima dos outros, eles realmente ficaram á vontade, peguei o celular e tirei uma foto deles, vou por num porta retratos pra lembrar. Fui até o quarto e peguei algumas cobertas trazendo para a sala, com a ajuda do Sik colocamos sobre eles e fomos para o meu quarto, como estávamos cansados só caímos na cama, quando eu estava começando a cochilar o telefone fixo começa a tocar, eu não acredito.

- Alô? – Atendo o telefone e sento na cadeira da sala.

- É a Momo? Aqui é a mãe do Jungkook. – Uma senhora falou do outro lado da linha.

- Olá senhora Jeon, em que posso ajuda-la? – Respondi

-Eu gostaria de saber se o JungKook está aí, porque ele não atende as minhas ligações e estamos preocupados – Ela falou com um tom visível de preocupação que me fez encarar com raiva o Kookie que dormia no sofá.

- Pode ficar despreocupada senhora Jeon, ele está aqui sim. Ele e os meninos acabaram dormindo no sofá, o celular dele deve estar descarregado por isso que não atendeu as ligações. Mas amanhã eu peço para ele ligar para a senhora quando acordar. – Falei e me despedi dela sorrindo, Coloquei o telefone no gancho e fui para o meu quarto, encontrando o Sik no décimo sono. Deitei do lado dele e o mesmo me abraçou fazendo com que dormíssemos daquele mesmo jeito.

 

Jungkook POV

Acordei com o peso de uma Jamanta em cima de mim, por mais que eu tentasse afastar, pare que essa coisa não sai de cima de mim. Abri os olhos e encontrei o Taehyung me abraçando como que eu fosse o urso de pelúcia favorito dele. Sorri e revirei os olhos, eu tinha me esquecido que ele dorme abraçado com o travesseiro, e que quando não tem um, ele abraça a primeira coisa que aparecer, eu fui o objeto da vez. Com um grande esforço eu consegui retirar ele de cima de mim sem que o mesmo acordasse, levantei me alonguei com dor pela dormida no sofá. Encontrei a Momo na cozinha e fui dar bom dia para ela, mas antes que eu conseguisse fazer isso, me deparei com uma cena inesperada. O Hyung Sik entrou e a abraçou por trás beijando sua bochecha, foi bem estranho mas mesmo assim eu me senti feliz por eles, acho que pode dar certo, pelo menos eu estou na torcida. Cocei a garganta e entrei na cozinha chamando a atenção deles.

- Parece que aquela fuga de ontem a noite rendeu em?! – Murmurei pegando uma maçã do fruteiro e dando uma mordida.

- Vai se fuder Jungkook. – Momo falou me mostrando o dedo do meio. – Ah e aproposito sua mãe me ligou ontem morta de preocupação, que filho indelicado você é em. – Na hora em que ela falou aquilo eu congelei e arregalei os olhos na direção dela – Mas relaxa que eu falei pra ela que tava tudo bem e você tem que ligar agora, porque eu prometi que na hora em que você acordasse ia fazer isso. – Ela falou e eu suspirei aliviado e fui atrás do meu celular.

Sai da cozinha e andei pela casa atrás do meu celular, encontrando-o embaixo do sofá. Deitei no chão e estiquei o meu braço para alcançar o celular, quando consegui pegá-lo me levantei e limpei a calça. Liguei o celular e o mesmo estava no silencioso, isso explica o porquê de eu não ter ouvido as 25 ligações da minha mãe. Teclei o número dela e coloquei o celular no ouvindo esperando algum sinal de vida do outro lado.

- Alô? – Ela murmurou assim que atendeu no terceiro toque.

- Oi mãe, desculpa não ter atendido. Ocorreram alguns imprevistos. – Me desculpei com a cabeça baixa como se ela estivesse me observando.

- Não tem problema, eu já havia falado com a sua amiga ontem. Mas da próxima vez um aviso prévio seria bom. – Concordei com a cabeça e murmurei um sim em resposta. – Ah, antes que eu esqueça, o homem veio limpar a piscina hoje, e eu conversei com o seu pai. Estamos pensando em fazer um pequeno churrasco já que estamos de bem novamente. Chame os seus amigos e venham almoçar aqui ok? – Sorri com o pedido dela e respondi afirmando que iriamos e em seguida desliguei o celular.

Os meninos estavam tão concentrados tomando seu café da manhã que não me viram entrar na cozinha.

- Bom dia gente – Falei para ser notado e sentei entre o Sik e o Jimin.

- Bom dia – Todos responderam em uníssono

- Meus pais estão convidando todos vocês para um churrasco na piscina lá de casa. Vocês vão né?! – Falei pondo café pra mim.

- Eu vou, não tenho nada pra fazer mesmo – O Hobi falou e o Joon, Jin e Suga concordaram com a cabeça.

- E vocês? – Falei me referindo á Momo, Sik, Jimin e Tae. A Momo e o Sik se entreolharam e responderam que também iriam.

- Pode ser – O Jimin falou.  Eu concordei e encarei o Tae que estava calado de mais, e isso não é nada normal.

- Vou sim, só tenho que avisar aos meus pais. – Ele respondeu deu uma mordida no sanduíche que antes não havia sido ao menos tocado.

- Ok. Daqui seguimos para lá então. – Falei e seguimos com o café da manhã em silêncio, exceto pelas conversas baixas da Momo e Sik e do Hobi com o Joon. Terminamos e fomos para o carro do Joon que foi como todos vieram, a Momo foi junto com o Sik no carro dele, eles foram direto para a minha casa enquanto nós fomos para a casa do Joon para buscarmos nossos carros. Como o Tae morava perto ele não tinha ido de carro, por isso eu o chamei para vir comigo, já que ele estava muito estranho e eu precisava conversar com ele. No caminho a minha mãe ligou e pediu para que eu comprasse refrigerantes e cerveja, olho para o Tae e o mesmo está encarando o vidro da janela como se fosse algo extremamente especial.

- Tae?! – Chamo a atenção dele assim que paro o carro. – Está tudo bem? Você está diferente desde que chegou. – Ele me olha nos olhos e parece querer arrancar a minha alma com aquele olhar e isso me causa arrepios.

- Não foi nada, estou apenas pensando. – Ele falou e sorriu. Mas aquele não era um sorriso verdadeiro. Não vou forçar a barra, quando ele se sentir melhor ele deve me contar, eu acho. Descemos do carro e ele me ajudou a pegar as cervejas e refrigerantes. Pagamos e fomos em direção ao carro, dei a partida e dirigi até a minha casa, chegando lá Tae me ajudou a levar as coisas para dentro. Os meninos já estavam lá com os meus pais, o Hyun estava se divertindo com a quantidade de gente que estava em nossa casa, não deixei de perceber que os meninos haviam pego meus shorts e isso me fez rir. Fui até os meus pais, cumprimentei-os e mexi no cabelo, eles me mandaram levar o Tae e trocarmos de roupa e foi isso que eu fiz.

Subi com ele até o meu quarto e fui até o guarda-roupa pegando dois shorts dei um a ele e fui colocar o meu, entrei no banheiro e comecei a me despir, quando olhei pelo reflexo no espelho o Tae estava parado na porta e já estava com o short e sem camisa, virei para ele e perguntei:

- O que foi? Aconteceu alguma coisa? – Enquanto esperava a resposta dele coloquei o meu short e fui colocar as roupas no cesto para lavar. Quando voltei ele havia fechado a porta e vinha em minha direção com um olhar diferente, por incrível que pareça, era de desejo, luxúria.

- Me desculpa Kook, eu não aguento mais. – Fiquei sem entender ate que em uma fração de segundo ele esta me imprensando contra a porta e seus lábios tocaram os meus com desejo, no começo eu fiquei surpreso e estático mas nos segundos seguintes correspondi ao beijo. 


Notas Finais


E aí? Gostaram? Espero que sim. Me falem o que acham e esperam pro próximo capítulo. Prometo não demorar muito. Beijos...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...