História Why-Jensoo - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Black Pink
Personagens Jennie, Jisoo, Lisa, Rosé
Tags Black Pink, Girl Group, Jensoo
Visualizações 74
Palavras 1.533
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Festa, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Então...
Gente se esse capitulo estiver meio bosta, me perdoem, serio. estou em semana de prova e tentei atualizar com o maximo de palavras que eu consegui.
Prometo melhorar, minha criatividade está em um nível baixo essa semana.

Capítulo 5 - Pensamentos e conclusões


Povs Jennie.

Hoje era um dia quente e silencioso, um sábado tranquilo que tem tudo para ser perfeito, apesar dessa animação matinal, os meus olhos queriam continuar fechados, mesmo já sendo tarde, o era algo incrível, pois eu não estava com sono, mas queria dormir. Não tinha uma escolha melhor que essa, eu molhei meu rosto com a água fria da pia, e agora? Eu acordei? Com certeza, sem duvidas eu estava acordada agora.

Desço as escadas na esperança de ter um café da manhã, mas só tinha um bilhete do meu pai avisando que ia sair com Yang mi, nem a conveniência de deixar um sanduiche pronto teve, mas como hoje eu estava me sentindo uma bad girl, meu café da manhã será um delicioso pote de sorvete de chocolate, acho que nem deu para perceber que eu amo sorvete.

Tomo um banho rápido e visto uma roupa simples, porém confortável, saio de casa correndo e nem pergunte o porquê, eu só queria correr, queimar as calorias talvez. Nesse ritmo eu cheguei mais rápido do que eu esperava, entro na porta e me deparo com Jisoo e Baekhyun e para piorar, não sei qual dos dois, mas parecia que um estava engolindo o outro, senti um pequeno nojo para ser sincera, héteros! Eles me fitam com atenção e eu os fito, porque Jisoo? Eu me perguntava isso, o que foi isquisito, pois eu realmente estava frustrada, graças a Gzuis, recebo um abraço muito mais muito confortável, o que só podia ser de uma pessoa, Nayeon.

─Você vai acabar morrendo nova, vem todo dia comer sorvete. –Ela pega um pano que estava amarrado na sua cintura e começa a limpar uma mesa.

─Está dizendo que quer que eu morra? –Pergunto fazendo uma carinha triste.

─Nunca! Pode sentar aqui bebezinho. –Ela fala me zoando, essa Nayeon é uma cascavel.

─Vai querer que sabor?

─Chocolate, é tão obvio, meu sangue é chocolate positivo, ainda não percebeu?

─Tá, senhorita vai ficar com diabetes.

─Uh... Essa nem foi engraçada. –A vaio, só que infelizmente ela já tinha ido embora.

Minha visão não pode escapar naquela mesa perto do balcão, na qual estava Jisoo, ela também me olhava, eu queria falar com ela, mas eu fiquei tímida e com medo de chegar perto dela e ela me ignorar ou me xingar por eu está atrapalhando. O meu coração ficou amargo quando eu vi Baekhyun beijando novamente Jisoo, o que é comum de um relacionamento, sendo que, eu não gostei, não gosto e provavelmente não vou gostar.

─Aqui está seu sorvete! –Fala Nayeon praticamente gritando.

─Grita mais vai, porra.

─Ui, tá pistola ela, vou até me abaixar para não levar mais tiro.

─Tá, escandalosa.

─Tenho que trabalhar, coma ai em paz, só pare de dar tiro, ou eu vou ter que chamar a policia.

─Você está com o que hoje? Está tirando essas piadas de algum aplicativo? Se isso for uma doença é melhor você sai de perto de mim, tá repreendido o seu mau gosto. –Ela não me responde só me dá língua e volta a seu trabalho.

Como o meu sorvete rápido, eu só queria sair. Dou um beijo na bochecha de Nayeon e caminho até o lado de fora, decido ir ao parque, ia ser mais relaxante do que aquela casa quente. Enquanto caminho eu sinto uma mão fria tocar meu ombro, me viro rispidamente e vejo Jisoo, ela estava sorrindo, um sorriso agradável.

─Aonde vai?

─Vou ao parque, por quê?

─Nada, é que você saiu tão rápido e eu sei que ama aquele lugar.

─Não sei bem explicar, apenas não estava me sentindo confortável.

─Ah, ok, posso ir contigo? –Assinto e ela me dá um abraçado.

O caminho foi alegre, ela ficava o tempo todo fazendo palhaçadas e tentando me irritar, e nessas tentativas ela falhou. Chegamos ao local e nos sentamos na grama, um pequeno silêncio se formou por um breve momento, até ser quebrado por Jisoo.

─Jennie, me desculpe perguntar, mas... Quem era aquela garota que te abraçou?

─ Ah, a Nayeon, é uma amiga de infância.

─Você gosta mesmo dela, não é?

─Por que da pergunta?

─Ah, nada só perguntei por perguntar.

─Ok então. –Ela não fala mais nada, mas continuava a me fitar.

 

Povs Jisoo

Eu estava no parque com Jennie, ela olhava o céu e eu a olhava, que mulher calma e serena, queria poder conhecê-la mais, o que para mim não será um caso difícil.

─Jennie, De qual menino do colégio você gosta?

─Que pergunta! Mais já lhe respondendo, nenhum.

─Como assim nenhum? Deve ter algum que você ache, pelo menos, bonito. –Ela dá um pequeno sorriso e finalmente, olha para mim.

─Você acha que o mundo é feito de homens?

─Como assim?

─Posso ser sincera? Acho homens nojentos.

─Então... Continue. –Falo fazendo um gesto para que ela perseguisse.

─Não sei se me entenderia, mas eu acho que não gosto de homem algum.

─Então você é lésbica?! –Eu estava totalmente surpresa.

─Por que o espanto?

─Bom, meus pais me ensinaram que ser homossexual é pecado, porque o homem foi criado para a mulher e vise-versa. –Ela nega com a cabeça, acho que era um sinal de reprovação.

─Nossa Jisoo, você é nojenta tanto quanto os homens, isso tudo é amor, é errado amar agora? Que pensamento do século II!

─Não precisava ofender! É o que eu acho, é a minha opinião e você tem que aceitar, gostando ou não, eu que deveria ter nojo de você, que ser repugnante!

 ─Você me acha repugnante? Vale lembrar que, pessoas que gostam de pessoas do mesmo sexo vão continuar sendo seres humanos. Eu até entendo, mas ser homofóbica já é demais, não acha?

─Não sei bem o que pensar.

─Vou tentar ser calma. –Ela respira fundo e retorna a falar. – Eu não quero que você comece a gostar de mulheres, só quero que entenda, não há nada errado em amar uma pessoa, ou há?

─Creio que não.

─Justamente! Não há, se seus pais te ensinaram isso, acho que eles precisão atualizar o “sistema”.

Fico um tempo calada, agora pensando melhor, minhas palavras foram rudes, mas ao invés dela ficar putassa comigo, ela tento me explicar, A Jennie é a melhor.

─Você está certa, Jennie. –Eu literalmente tinha voado nela em um abraço apertado.

─Ai Jisoo, sua quenga! Desarrumou todo o meu cabelo. –Ela se levanta bagunça o meu cabelo, sem duvidas isso virou uma guerra.

Ficamos uma grande parte do tempo correndo uma atrás da outra, foi divertido, mas agora nós estávamos exaustas, pergunto se Jennie gostaria de ir jantar na minha casa e depois de tanto hesitar, ela acaba aceitando.

Minha casa é bem próxima do local, em uma rua calma e extremamente decorada por flores, sem duvidas a moradia foi escolhida pela minha mãe. Entramos na casa e lá estava minha mãe pintando suas unhas.

─Oi, filha! Já chegou? Pensei que iria demorar mais.

─Oi, mãe, essa é Jennie, aquela amiga que mencionei.

 ─Prazer, Jennie.

─O prazer é todo meu senhora... –Fala Jennie que logo é interrompida.

─Não me chame de senhora, eu me sinto uma velha, me chame apenas de Haein.

─Claro senhora, digo, Haein.

─Tá, ela vai jantar hoje aqui, tudo bem? –Minha mãe assente e volta sua preciosa atenção a suas unhas.

 

Povs Jennie.

A mãe de Jisoo é muito gentil e simpática, além de bonita. Paro os meus pensamentos com Jisoo me puxando por toda a sala e escada, até chegar a seu quarto, que de cara era muito bonitinho, cheio de corações nas paredes, cores pastel espalhada por todo quarto e por ultimo, mas não menos importante, um abajur com um rosa totalmente escandaloso, como posso descrever? Era um quarto muito clichê, muito rosa para lá, uns corações e estrelas aqui, não estou dizendo que era feio, nada disso, só que dizer que com certeza não seria um quarto para mim.

─O que achou? –pergunta Jisoo se sentando na ponta de sua cama.

─Achei fofo, é a sua cara para ser mais especifica.

Conversamos sobre varias coisas, às vezes ela fala de meninos e eu com certeza, eu tentava mudar de assunto e ela nem percebia que eu estava incomodada, mas depois de um tempo, ela ficou tão animada com a conversa que eu nem me importei mais sobre o que era o assunto.

Posso dizer que umas meia hora se passaram, sua mãe nós chamou e sem questionamentos, descemos para a sala de jantar, que família típica, pensando assim acho que sei a razão de Jisoo ser tão irritante em relação à homossexualidade.

─Boa noite, senhorita...? –Falou o pai da Jisoo enquanto se sentava á mesa.

─Não precisa me chamar de senhorita, apenas de Jennie, por favor.

─Como preferir.

O jantar estava sensacional, nunca vi uma comida tão boa, deu vontade de repetir o prato, mas eu fiquei um pouco constrangida. Logo depois me despeço de sua família e sigo para casa a pé, mesmo que eles tenham insistido para me dar uma carona, mas acho que aí eu já estaria abusando. Chego em casa e sem mais delongas subo para meu quarto e me jogo na cama, ás vezes eu acho que sou um urso, porque essa é a minha hora de hibernar.

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Como ficou?
23 favs! Já posso gritar?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...