História Wicked Game - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Exibições 121
Palavras 3.244
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Festa, Luta, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


BEASTIN NAS TRETA DA VIDA
vamo torcer pra parar logo ne
todos sofrendo juntos ou o q ???
voltam logo ou depoisss? hahahahahhahaha, mais agora e outro mais tarde

Capítulo 32 - Capítulo Trinta e Dois


Quando estacionei no gramado, Chris já me esperava. Eu havia gritado com ele no telefone o suficiente para que não me decepcionasse outra vez, gritando que ele havia testado minha confiança, e que nunca a teria de novo. Eu não sabia se isso era verdade, eu sabia que ele me escondia coisas, mas esse nunca foi nosso maior problema.

            Fomos para seu apartamento no centro da cidade, onde, para minha surpresa, Johan e John também estavam. Era um apartamento grande que me fez pensar se eles moravam juntos.

            - Vocês também moram juntos e eu não sabia? – perguntei.

            - Não, Bee. – John era o mais calmo deles, sempre.

            Sentei-me no sofá de couro luxuoso. A casa de Chris parecia um lugar que sempre tinha festas, mas não fazia sentido pensar nisso agora.

            Eu os encarei me sentindo muito patética por estar ali cobrando satisfação, mas eu queria entender a merda que estava acontecendo ao meu redor. E Johan e John eram meus irmãos, e Chris praticamente também era, e os três me preocupavam.

            - Quem vai começar? – perguntei.

            - Por onde você quer saber? – Johan sentou-se na poltrona vaga com uma cerveja gelada em mãos.

            - Vai ser divertido? – perguntei com ironia olhando sua cerveja.

            - Vai ser um saco! – ele me olhou quase bravo – E você não devia se meter nisso. Se não, não teríamos escondido nada.

            - Escondido desde o quê?

            - O que vocês têm a ver com o Tyler McKena e o fato dele ter sido preso? – perguntei.

            - Ah – Johan sorriu aliviado – Eu e John não temos nada. Somos de outro andar. O Chris é que está metido nesse rolo.

            Olhei para Chris.

            - Faço parte da equipe de investigação do caso. – Chris soltou logo.

            Eu sorri apertando os lábios. Ele era um... Investigador?

            - Você é um investigador?

            - Seus irmãos também. – disse sem preocupação. Como eles tratavam isso com tanta naturalidade?

            Desviei o olhar para o resto da casa. Devia ganhar muito bem para manter aquele ap todo.

            - Desde quando?

            - O papai arrumou uns bico há uns três anos. A gente só trabalha sério há um e meio. – John disse.

            O papai também sabia.

            - Por que eu não podia saber disso?

            - A gente não trata de coisas pequenas. São assuntos grandes, como a morte do Tyler. A gente não te quer perto disso nem mesmo agora que você sabe das coisas. – ele respondeu de novo.

            - Acha que eu mesma ia ficar me metendo em caso de assassinato?

            - Sei lá, você é teimosa. – John deu de ombros.

            - Eu achava justo saber.

            - Ninguém sabia. – Johan falou – A Britt ficou sabendo no inicio desse ano e só porque o Ryan contou.

            - A Korbie sabia.

            - O Chaz é um frouxo – Chris riu.

            - Todos vocês fazem isso? – perguntei me sentindo muito mal.

            - Eu, John, Chris.. Chaz, Ryan... Justin. – Johan falou – Não era só com você. A gente não podia contar pra ninguém. É quase uma agencia secreta, Bee.

            Fiz que sim.

            Saber só disso já me deixava mal o suficiente e muito enganada. Não sabia se queria ficar ali para saber de mais, mas tinha o Tyler.

            - E quanto ao Tyler? – perguntei baixo.

            Chris se sentou na poltrona de frente para mim.

            Johan se levantou depressa.

            - Esse caso não é do nosso andar – ele disse de pé – O Chris trabalhou com o Justin e o Ryan nessa merda.

            Revirei os olhos ao ouvir isso.

            Johan e John foram para a cozinha abrir mais cervejas.

            - Eu vou te dizer o que posso. O resto é sigilo de trabalho. Nada sobre o andamento do casa, mas o Tyler foi culpado por uma coisa que não fez. Ele foi... Induzido a confessar. Ameaçado, na verdade. Ele teve que fazer isso, mas as investigações estavam rolando e a gente acabou descobrindo pelo menos que ele não foi o culpado, o que não significa que a gente tenha certeza de quem fez isso. Existem várias suspeitas... Todos peixes grandes. O Jerome não era a melhor pessoa do mundo e não tinha os melhores conhecidos. Tava mexendo com gente da pesada, gente que nem o Justin ou Chaz ou Ryan sabiam. O que era muito ruim porque ele não trabalhava com a gente e podia ter fodido toda a agencia se envolvesse os amigos.

            Ele continuou me falando coisas que não interessavam muito, mas que prestei atenção, clareando a mente. Falou sobre tráfico de drogas e agiotas que Jerome relacionava e mais um milhão de coisas que me assustavam só de ouvir. Não dava nem pra imaginar como ele podia dormir de noite sabendo das pessoas por quem era cercado. E também pensei nos meus irmãos e amigos, que trabalhavam com aquilo, o que não era menos pior. Chris só me disse o que ele mesmo fazia, que era ir atrás de informações e coisas do tipo. As funções entre eles e os outros eram muito distintas, por exemplo o Ryan só trabalhava internamente. Não perguntei sobre eles, porque talvez eles não quisessem que eu soubesse mesmo. Mas me sentia na obrigação de entender Johan, John e Chris, e passei o dia todo no apartamento com eles, fazendo uma pergunta atrás da outra sobre seus trabalhos e sendo muito mimada.

            Chris também me acalmou quanto a Tyler e disse que ele não passava de uma vítima, embora tivesse feito algumas coisas por merecer. E que eu não tinha que ter medo, apesar de ele ainda estar sendo investigado. Expliquei que Tyler e eu não éramos grudados, mas que eu o considerava um amigo. E chorei dizendo que isso era muito injusto, fazendo todos eles ficarem meio desesperados em tentar me fazer parar de chorar. E acabamos dando risada juntos.

            Antes de ir para casa com o Chris, eu fiz me prometerem que aquilo era tudo o que eu não sabia.

            - E quando a você e o Justin? O que aconteceu entre todos vocês? Trabalham juntos e não se dao bem? Isso funciona. – perguntei já no carro.

            - Temos que ser profissionais. Entao a gente deixa os problemas de fora, e já tem tanto tempo que é melhor deixar pra lá.

            - O que aconteceu?

            - Isso não diz respeito só à mim. Fomos todos nós. Os caras também.

            - Ele disse que não ia me por contra você.

            - Ele ta se fazendo de bonzinho pra continuar te fodendo – ele riu – E eu odeio toda vez que eu o vejo na porra do trabalho e penso que você ta por perto dele.

            - Ele nunca me fodeu. E pode relaxar quanto a isso.

            Ele me olhou, mas não disse nada.

            Despedi e topamos marcar algo no fim de semana, já que não próximo iriamos pra Stratford.

                       

            Entrei em casa me sentindo muito leve, sabendo o que eu tinha que saber. Havia guardado o problema “Justin” numa gavetinha para depois, suas palavras de mais cedo ainda me doíam e eu não parava de pensar em como ele havia estado diferente mais cedo.

            - E ai – Korbie perguntou com um sorriso doce quando entrei.

            - Sei de tudo o que precisava saber.

            Ela parou de frente para mim.

            - Me desculpa não ter dito nada. Também soube a pouco tempo naquele período de brigas com o Chaz, meio que o obriguei a falar. Eu queria ter dito a vocês duas – e olhou para Marie – Sinto muito por isso tudo.

            Eu a abracei com força.

            - Tudo bem. Só não queria continuar sendo enganada pelos meus irmãos e o Chris. É uma coisa bem séria, eu entendo essas merdas. Graças ao meu pai – revirei os olhos.

            - To fazendo macarrão ao molho. Vai tomar seu banho. – Marie disse da cozinha.

            Fiz o que ela mandou e recebi uma ligação do meu pai depois. Os meninos haviam dito sobre eu já saber de tudo, e tive que ouvir um sermão para não me enfiar de jeito nenhum nos assuntos de trabalho deles. E eu não ia mesmo fazer isso. Comentou também sobre o caso Tyler e que não queria que eu ficasse por perto enquanto o caso todo não fosse finalizado. Ele falava como se soubesse de tudo, mas ele era um ex general acostumado com essas bagunças todas. Não dei importância.

            Voltei para a cozinha e me sentei com as meninas. Falamos sobre ir ao shopping para elas escolherem suas roupas de Natal, já que eu não tinha grana pra gastar com isso mais. Recebemos ligações de Britt e eu implorei que ela não falasse sobre Tyler, fazendo todas elas darem risadas. Britt me deu a feliz noticia de que viria ficar conosco na semana do Natal, em que havia tirado folga. E isso me animou de novo.

            Desligamos o telefone e terminamos de comer.

            - E quanto ao Justin? – Korbie perguntou.

            Revirei os olhos.

            - Eu não preciso de saber mais nada quanto a ele.

            - Você devia ouvi-lo. Você viu que eles não têm uma tarefa fácil, e é mais difícil ainda pra ele que era tao amigo do Jerome.

            - Mais fácil ficar escondendo isso o tempo todo do que me dizer a verdade... Piada, Corb.

            - É sim, Bee. Voce viu o que aconteceu com ele quando o Jerome morreu. Ele ficou acabado, e você o ajudou ficar bem de novo.

            - Não ajudei não!!!

            - Ajudou sim, Beatrice. Vocês saíram e começaram isso que estão tendo.

            - Não estamos tendo nada.

            Korbie suspirou fundo.

            - Você o ajudou a sair do poço sim! E eu sei que você entende que ele tinha motivos pra não querer tocar no assunto e muito menos para ajudar o Tyler. E dai se ele não quer? Não diz respeito a você. – dei de ombros enquanto ouvia o sermão – E ele gosta de você. E você gosta dele.

            - Eu não to apaixonada por esse cara. Pelo amor de Deus.

            - Não ta apaixonada, mas gosta dele. Ta começando a gostar. Ah, fala sério.

            Eu gostava quando ele estava por perto ou me beijava. Mas agora eu não gostava mais.

            - OK! Mas você não ouviu o que eu ouvi mais cedo no estacionamento. E eu também não quero nenhum relacionamento. Agora vamos parar de falar disso. Por favor!

            Enquanto víamos o filme eu pensei em Justin. Ele havia me magoado e eu não iria esconder isso de mim mesma, e me permiti ficar magoada. Não esperava uma reviravolta depois de ter até me aberto a ele sobre minha família na noite anterior. Era um sinal da vida para me alertar sobre os caras. E eu entendi muito bem. Nada de relacionamentos, Beatrice. Eu conversaria com ele quando não quisesse mais mata-lo.

 

           

            Respirei fundo quando me sentei de frente para Tyler no refeitório. Seus olhos doloridos me encararam por alguns segundos antes de olhar de novo para o prato de comida.

            - Oi. – eu disse baixo.

            - Oi, Bee.

            Agora eu não sabia mais o que falar.

            - Que bom que você está de volta. – foi tudo o que consegui.

            Ele deu uma risadinha, e não disse nada.

            - Me desculpe – minha voz vacilou – Por não ter sido sua amiga como deveria.

            Eu devia isso a ele. Havia pensado durante toda a noite que devia ter confiado nele ao invés de dar ouvido a Justin, que eu conhecia muito pouco. Mas também não podia culpar Justin, ele de fato não havia me obrigado a acreditar em si.

            - Tudo bem. Ninguém ia querer ser amigo de um assassino.

            - Não! Quero dizer, me desculpe. Eu não soube lidar. Mas eu disse ao... Eu tentei acreditar naquilo que você me disse sobre não confiar no que as pessoas diriam de você...

            Não estava dando certo. Eu não podia ser falsa com Tyler. Eu havia acredito que ele matara Jerome, havia dado ouvido aos boatos, havia me deixado levar. Não ia me passar por hipócrita.

            - Só me desculpe. – eu me levantei e fui para a sala de aula, não que eu tenha de fato assistido a aula.

            Não encontrei Justin em nenhum momento, e ele também não me procurou, mostrando realmente quem ele era. Mas que infernos eu ainda achar que ele viria para conversarmos. E que merda eu estar querendo conversar. Ou vê-lo. Havia pensando no que Korbie tinha enchido minha cabeça sobre ele ter passado por tudo aquilo como amigo de Jerome. Eu tinha tentado me por no seu lugar e imaginar que fosse com alguma amiga minha. Com certeza eu culparia alguém. Não podia mentir para mim mesma.

            Chaz estava em casa quando cheguei da Faculdade, quase de noite.

            - Vamos sair amanhã? – ele perguntou.

            Fiz que sim. Queria espairecer.

            - O Chris pode ir? – perguntei.

            - Claro. – ele disse, me surpreendendo.

            - Conversou com o Tyler? – ele indicou o sofá ao seu lado.

            - Não tem muito que falar – sentei-me – Não confiei nele quando deveria. Vou dar um tempo, sabe? Talvez na próxima semana. Não vou ir até ele como uma hipócrita.

            Chaz deu um risinho e passou o braço pelos meus ombros. Deitei a cabeça em seu ombro e Korbie sorriu muito orgulhosa para nós dois da cozinha onde fazia alguma coisa pra comermos.

            - E quanto ao Justin? – ele perguntou baixinho com um risinho.

            - Ah não – revirei os olhos – É outro caso.

            - Ele só não contou pra você. E ele só foi pra Faculdade porque sabia que você iria encontrar o Tyler. Foi fofo da parte ele, dizendo a Korbie.

            - Pra gritar comigo, isso sim.

            Chaz deu um risinho.

            - Você tirou o cara do fundo do poço mas deixou ele lá de novo.

           

            JUSTIN

 

            O inferno era com certeza o lugar onde eu trabalhava. Tinha que lidar com todas as merdas que eu não queria nem ouvir falar: o Tyler, Chris, e a investigação do caso do Jerome. Havia decidido que só pisaria na Faculdade de novo depois do Natal, e estava quase pedindo arrego do caso do Jerome. O John disse que trocaria comigo se precisasse, mas a curiosidade para entender me deixava preso. E minha mãe havia decidido ficar no pé para que fosse para Stratford, mas só se eu me drogasse muito pra pisar o pé naquela cidade ao mesmo tempo que todo mundo.

            Enchi meu copo de uísque mais uma vez antes de tentar me concentrar no caso que eu estava lendo.

            - Você vai ficar bêbado – John disse enchendo um copo para si também.

            - Preciso de muito mais que isso.

            Ele voltou para seu lugar.

            Teríamos uma reunião em meia hora com o Chefe, mas eu queria manter a cabeça ocupada. Era muita merda pra pensar, e eu não estava disposto. Fazia dois dias desde o dia no estacionamento com Beatrice, e eu ainda não estava em condições de tentar arrumar a bagunça. Contando que ela parecia querer deixar tudo bagunçado.

            Não dava para acreditar que eu tava na foça de novo.

            Chefe chegou e nos reuniu em sua sala.

            Chris, Johan, John, Chaz, Ryan e eu formávamos uma antiga equipe, mas agora estávamos divididos. Trabalhávamos em andares diferentes, e eu não via a hora de ser mandado pra outro piso também.

            - Vou fazer umas mudanças. – Chefe disse direto e reto.

            John, Johan e Chaz trabalhavam no andar de cima. Eu, Chris e Ryan no andar de baixo. Nós pegávamos casos de assassinato, e eles problemas com narcóticos e coisas do tipo.

            - Chris, Ryan e Justin vão pro andar de narcóticos.

            Franzi o cenho em dúvida, mas não ousei perguntar.

            - Uma nova equipe vai tomar conta dos assassinatos. – disse.

            - Por quê? – Chris perguntou.

            - Tenho que tirar vocês do caso do Tyler.

            - Por quê? – foi minha vez.

            - Não ta fazendo bem pro ambiente – ele encarou cada um de nós com seu olho velho e muito sábio.

            Não respondi. Chris e eu já tínhamos discutido no corredor quando ele decidiu que devia contar tudo a Beatrice. Eu queria fugir das merdas também. E os casos nos narcóticos eram mil vezes mais fáceis.

            - E vocês vão voltar a ser uma equipe de novo no próximo ano. – ele disse isso encarando os papéis que mexia.

            - Xiiii – Chaz fez, e Ryan deu risada.

            - E você já comprou o caixão de todos? Porque você sabe que a gente vai se matar. – Johan falou.

            - Não é da minha conta. Estão dispensados e não precisam trabalhar até o inicio do ano. Duas semanas de folga.

            Era a deixa para morrer de overdose até o dia que tivesse que voltar a trabalhar.

            Saímos da sala e nos dispersamos de novo.

            Volta e meia Chaz perguntava de sua mesa se Chefe estava falando sério mesmo. E nós o mandávamos calar a boca. Eu era quem não acreditava.

            Olhei no relógio e já passava das oito da noite. Eu iria para casa tomar um banho e sairia de novo para encher a cara em qualquer canto.

           

            Dei risada quando tudo dobrou em minha mente. Para focar era preciso piscar várias vezes. Sai do Terreno do Jaha deixando John e Ryan ainda mais bêbados que eu para trás. A gente tinha torrado muita grana na sinuca e com cerveja e uísque, pelo menos eu estava amortecido. Bêbado a ponto de ligar para Beatrice se não tivesse apagado seu número de meu telefone para justamente não fazer isso. Não dava para entender o que aquela mulher tinha feito de mim de novo por causa de uma manhã em que discutimos. Eu queria pedir desculpas, porque eu havia errado, porque eu não queria mesmo ajudar Tyler, mas principalmente, eu queria que Beatrice entendesse isso, mas ela não parecia disposta.

            Durante muito tempo, ou durante as semanas em que ela estava por perto sem se afastar de repente eu havia confiado que ela era tudo de bom, e que eu não a merecia. E agora eu só queria que ela entendesse uma coisa. Uma coisa que eu não podia cobrar. Nunca. Mas uma coisa que eu achei que só ela pudesse fazer: me entender.

            Senti uma trombada proposital no ombro e me virei para ver Chris com um sorriso.

            - Você vai bater a porra do carro por ai – disse.

            - É o que eu to tentando fazer. – respondi. Ele deu risada.

            - Beatrice fez isso com você?

            - A gente não ta tendo nada, filho da puta.

            - Mas ela acabou contigo – ele riu – Você não percebeu que é só isso que qualquer McCandless faz com você? – seu sorriso cresceu – Desde o pai até os filhos.

            - Britt não fez isso. – eu cai na pilha.

            - Ela tem pena. O que pior ainda, não?

            - Qual seu problema, porra?

            - Fica longe da Beatrice.

            - Ai, Chris, vai pra porra. – John apareceu atrás de Christian e caminhou até nós – Ai Bieber, vamos terminar de encher a cara no Tyga.

            - Agora vocês são um casal? – Chris perguntou com sarcasmo pingando da porra da boca.

            - Cala a boca, Chris. – John disse irritado.

            - Ai, defendendo o cara que fode sua irmã?

            - Eles nem transaram – John deu muita risada.

            Chris estava quase mais bêbado que eu.

            - Vamos logo Bieber. – John bateu no meu ombro.

            Ryan apareceu correndo e se juntou a nós.

            - Indo pro Tyga! – ele gritou animado.

            - Vou com vocês. – Chris disse.

            Eu quis dizer que ele não iria, mas não quis agir como uma criança do jeito que ele fazia.

            Nós fomos pro Tyga. Como nos velhos tempos. 


Notas Finais


e entao??
esses caras embolados de novo? qq vcs acham?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...