História Wild - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Erik Durm, Loris Karius, Marco Reus, Mario Götze, Mats Hummels, Maximilian "Max" Meyer, Roman Bürki
Personagens Erik Durm, Marco Reus, Mario Götze, Mats Hummels, Maximilian "Max" Meyer, Personagens Originais, Roman Bürki
Tags Alemanha, Amor, Criminal, Hot, Marcel Fornell, Marco Reus, Olivier Giroud, Robert Lewandowski, Roman Burki, Romance, Toni Kroos
Exibições 232
Palavras 907
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, pessoas! Enjoy.

Capítulo 15 - Dominada


Fanfic / Fanfiction Wild - Capítulo 15 - Dominada

Após saírem do bar, mais uma vez, Samantha se via ali, deitada sobre a espaçosa cama de Roman. Exposta, frágil, pronta para ser dominada por ele. Agraciada com a visão de seu abdômen bem malhado, enfeitado pelas inúmeras tatuagens, e agora livre da camiseta que outrora trajava. Samantha mantinha se estática, a respiração rápida e o frio na barriga em razão da expectativa, ao vê lo deitar se sobre si, devagarinho. Sem perder o contato visual inabalável que havia entre eles, aqueles olhos escuros e tão instigantes exalavam luxúria, desejo. Não existia mais nenhum vestígio daquele homem cuidadoso que fora enquanto estavam no bar. Agora o cenário era outro, estavam sozinhos, e dentro do quarto não havia regras, tampouco brechas para cuidado e carinho. Roman deu um beijo no decote da roupa, que havia entre os seios da moça, o que a fez morder os lábios em pleno sinal de excitação, provocando o mesmo sentimento nele, que sorriu de modo malicioso enquanto afastava se dela, ficando sentado perto da região de sua cintura, porém sem machucá la. Analisava cada um dos gestos, reações esboçadas por ela, como adorava perceber o quanto a tinha em mãos. Pronta para fazer e aceitar o que ele bem quisesse. 

Sem aviso prévio, Roman saiu de cima da moça que o encarou confusa e frustrada, sentou se na cama de modo a conseguir observá lo melhor. Roman então fora até o guarda roupa, de dentro de uma das gavetas tirou uma venda. Logo retornou a posição anterior. Samantha permanecia confusa. Roman nada disse antes de colocar a venda preta sobre os olhos dela, que não ofereceu nenhum tipo de resistência. Curiosa e excitada demais para impedir qualquer ato da parte dele. Com os olhos vendados, Samantha não conseguia enxergar nada, então restava a ela apenas sentir, e obedecer Roman no que fosse preciso para assim atingirem o pleno ápice. Roman então deu um beijo contra a orelha esquerda dela, e mordiscou de leve o lóbulo, o que a fez entreabrir os lábios, claramente excitada. Roman sorriu, enquanto a empurrava de leve, tornando a deitá la sobre o colchão. Em seguida, começou a acariciá la, suas mãos fortes percorriam todo o corpo da moça ainda vestida, a fim de estimulá la, excitá la cada vez mais. Queria vê la implorando por ele, desejando ser devidamente dominada, satisfatoriamente saciada. Samantha arfava, sua respiração mantinha se em um ritmo acelerado. Roman apertou com força a coxa direita dela, o que a fez xingá lo. 

- Calminha. - Roman disse. Passando pela região das coxas, suas mãos chegaram até a virillha dela. Samantha sentiu o corpo praticamente tremer em razão da excitação e expectativa, almejando mais do que nunca ter sua intimidade tocada por ele. - Quietinha. - Roman tornou a mandar e Samantha assentiu, quase desesperada, fez menção de sair da posição e tocá lo. Porém, Roman não permitiu. A única regra era justamente essa, deixá lo ter total controle sobre a situação. Devidamente contida, coube a Samantha esperar que ele lhe desse o que tanto precisava. Soltou um gemido baixo no momento em que sentiu os dedos dele entrarem em contato com sua intimidade. O ritmo de seus movimentos seguiam lentos, propositalmente, irritando cada vez mais a dominada garota. Samantha arfava, gemia e por vezes contorcia se sobre aquele colchão, enquanto seus toques ganhavam um ritmo cada vez mais rápido, não demoraria muito até atingir o ápice apenas com aquilo. Roman focava se em dar o seu melhor, sabia exatamente os pontos certos para estimular, de modo a deixá la completamente fora de si. Visão maravilhosa, vê la tão excitada, apertando os próprios seios em determinados momentos, tudo para conseguir aguentar o misto de sensações que dominava o seu corpo. Rendeu se a um suspiro profundo, sim! Ela havia atingido o orgasmo. Roman então parou de tocá la, em seguida, deu um beijo nos lábios da garota suada, satisfeita, e ainda vendada. Ela correspondeu ao gesto com furor, e logo tinha o homem deitado sobre si. Prontos para começarem outra vez, mas agora seria satisfatório para ambos. Fora apenas o início de uma longa e prazerosa noite.

***

Pela manhã, Robert chegou até a casa de Roman. 

- Eu preciso, eu vou matar o idiota do Marcel! - Robert esbravejou, adentrando a residência sem o mínimo de educação. 

- O que houve? - Roman perguntou confuso, pois nunca tinha visto o amigo naquele estado. Robert era sempre tão tranquilo. Por sorte, Samantha já havia ido embora ou acabaria assustada com aquela cena.

- A Giselle. - Robert afirmou. - Eles dois... - não quis completar a frase, pois tamanho eram o nojo e a mágoa que ainda sentia, apesar da ausência de detalhes, Roman entendeu bem a situação. - Mudando de assunto agora. - Robert disse, mais tranquilo, enquanto sentava se no sofá. - O Thomas aprovou o Evento Master. - informou e Roman arqueou a sobrancelha. O recém elaborado, evento Master passaria a ser a principal atração do ano no submundo das lutas ilegais, a idéia era a seguinte, dois lutadores seriam colocados no ringue que ganharia uma cobertura semelhante a uma gaiola de ferro, uma vez postos para se enfrentarem, apenas um saíria vivo. Um combate até a morte, literalmente. Roman era o melhor lutador de todos e bem sabia que muito provavelmente seria um dos participantes. Porém, não sentiu medo, muito pelo contrário. 

- Vamos ver o que acontece. - afirmou e Robert assentiu.


Notas Finais


Nestas horas a mão do Burki está boa, sorry, não resisti a piadinha. Bjokas e #ForçaChape.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...