História Wildest Dreams - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction, Taylor Swift
Personagens Ed Sheeran, Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Selena Gomez, Taylor Swift, Zac Efron, Zayn Malik
Tags Ed Sheeran, Harry Styles, Haylor, Karlie Kloss, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, One Direction, Romance, Selena Gomez, Taylor Lautner, Taylor Swift, Zayn Malik
Exibições 121
Palavras 6.152
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Drogas, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ÚLTIMO CAPÍTULO!
Farei minhas considerações no final.

Ouçam o capítulo ao som de:
Tenerife Sea - Ed Sheeran
Style&Perfect - Mash Up

Boa leitura!

Capítulo 46 - Capítulo 46 - 1989 World Tour


Fanfic / Fanfiction Wildest Dreams - Capítulo 46 - Capítulo 46 - 1989 World Tour

POV – Harry

Meses Depois – 12 de Dezembro – Melbourne – Austrália (Último show da 1989 World Tour)

- Entendeu, Harry? – um dos produtores da turnê me pergunta, enquanto entrega um microfone ainda desligado para eu segurar. Olho pra ele. Sinto que estou suando frio. – Quando você subir, basta apertar esse botão aqui do lado e o microfone liga. Você vai subir por ali... – ele aponta para um elevador embaixo do palco.

Olho de novo para ele. Mas é difícil de escutá-lo. Tem quase 100 mil pessoas cantando com a Taylor no estádio. A vibração do público atinge meus ouvidos e entra em meu corpo, que está inteirinho arrepiado.

Meu coração bate forte. Muito forte!

Eu devo ser mesmo louco.

Com certeza eu sou muito louco.

 

~ Flashback On  ~

Meses Atrás – AMA 

Taylor acabou de receber um AMA especial, chamado de Dick Clark Award for Excellence pelas mãos da Diana Ross. Eu tenho certeza que fui flagrado batendo palmas pra Taylor antes de todo mundo começar a bater. Mas estava feliz por ela, então não disfarcei. Assobiei e bati palmas, mesmo sabendo que estava sendo filmado.

Assim que ela desce do palco, pego o celular, quando Niall me cutuca:

- Você é péssimo pra disfarçar – ele diz, zoando de mim.

Olho pra ele e dou risada também.

- Já não ligo mais pra isso, mano. – Falo pra ele, enquanto mando uma mensagem para Taylor.

“Você está tão linda. H”

Não demora muito para chegar a sua resposta:

“Você foi perfeito, cantando Perfect ao vivo hoje. Estou orgulhosa.”

Olho pra ela, mas existe muitas cabeças na minha frente e não consigo a ver de onde estou.

“Encontra comigo? Hoje. Depois da premiação.”

“Sim. Me espera quando acabar.”

“Sempre. H”

Tento olhar para ela mais uma vez, mas não consigo contato visual.

A premiação vai se encaminhando pro final, e eu estou ansioso para ter, finalmente, um tempo com a Taylor.  Os nossos seguranças começam a se preparar para fazer nossa escolta até a saída, e eu os sigo. Vou procurando a Taylor entre aquela multidão de pessoas, mas é simplesmente impossível a achar no meio de tantos desconhecidos. Ouço alguns reporters chamarem pelo meu nome, olho e aceno, sendo educado. Mas não tenho tempo de parar para entrevistas.

Continuo a procurando pelo salão, quando vejo Karlie, em outro corredor, acenando pra mim e me chamando. Falo para um segurança próximo: 

- Pode avisar os outros que eu não vou sair agora? Vou embora com uns amigos.

- Tem certeza , Sr. Styles? Tenho ordens especificas para deixar o senhor no hotel.

- Pode vir comigo, se quiser. Só não vou embora agora junto com os meninos.

Ele suspira fundo, e sabe que não tem alternativa. Então, ele diz algo em seu rádio, e eu falo para o Niall:

- Vou encontrar a Taylor. Até depois, cara.

- Vocês vão na festa? Selena acabou de me chamar.

- Não sei. A gente não falou direito o que vamos fazer.

- Beleza. Se for pra lá, a gente se vê! – toco na mão do Niall e vou em direção a Karlie.

- Onde está a Taylor? – pergunto para Karlie.

- Tirando fotos. Vem comigo... vamos esperar ela no carro. Ela pediu que eu buscasse você. Acho que ela vai demorar um pouco ainda.

Sigo a Karlie e um carro preto para diante de nós. Reconheço o motorista da Taylor. Sorrio pra ele e entro no carro depois da Karlie.

- E aí... o pretende fazer hoje? – ela pergunta, tentando conter a empolgação que eu vejo em seu olhar.

- Não sei, Karlie. Mas hoje, a Taylor Alisson Swift volta a ser minha. – digo pra ela, que desiste de conter sua empolgação e me mostra um sorriso alegre que me faz sorrir de volta.

 

POV – Taylor

Mais um flash. E outro. E outro.

- Aqui, Taylor. – um fotografo diz, chamando minha atenção e eu pouso pra ele.

- Perfeita. – ele diz – Obrigado, Taylor.

Sorrio pra ele e em seguida, olho pra Selena, que está me esperando do outro lado. Estou ansiosa e quero ir embora logo. Não via a hora de poder falar com o Harry. Faço cara de “por favor, me tire daqui” e graças a Deus, Selena entende, porque fala algo no ouvido de Dan, que imediatamente vem até mim e cordialmente, me leva até a saída.

- Tay, você só precisa dar uma entrevista antes de ir. Tudo bem? – ele me olha e eu sei que não adianta eu dizer não. Respiro fundo e olho pra Selena.

- Eu preciso ir, Tay. Niall está me esperando. Quer que eu leve o Harry? Você nos encontra lá no meu hotel.

- Harry? – Dan pergunta, surpreso. – Harry Styles?

Olho pra ele.

- É! E ele deve estar me esperando. Mas tudo bem. Sel, - olho pra ela – explica pra ele e pede pra ele, se ele puder, me esperar lá no seu hotel... assim que eu acabar aqui, eu encontro ele lá.

Ela assente com a cabeça e eu sigo o Dan – mais curioso que nunca- pra minha entrevista, enquanto Selena vai para o outro lado.

 

POV – Harry

Chego no hotel da Selena, e está tendo uma festinha com os amigos próximos a ela em um bar no hotel onde ela está hospedada. Karlie me apresenta a algumas pessoas que eu não conheço, mas sei que tem várias das amigas da Taylor, pois elas sorriem e cochicham entre si quando eu as cumprimento. Do outro lado, em um sofá, escuto alguém falar alto:

- Olhaaaaaa, se não é o Styles... – olho e vejo a Cara Delevigne, levantando e vindo até mim, me dando um abraço – Espero que sua presença aqui signifique que você finalmente vai voltar com minha amiga.

Sorrio pra ela e respondo:

- Essa é a intenção.

- Boa sorte, Harry... – ela sorri, e diz – torço de verdade por vocês. Espero que vocês consigam ser felizes dessa vez, e que nada atrapalhe o amor de vocês, que é lindo, por sinal. – ela diz, parecendo ser bem honesta.

- Dessa vez é pra valer, você vai ver! – digo pra ela, dando um sorriso malicioso, deixando no ar e focando no "você vai ver".

Ela me olha, um pouco curiosa, arqueando as sombrancelhas. Mas eu sou mais esperto, e antes que ela comece a fazer perguntas, digo:

- Vou pegar uma bebida, Cara. – digo, me afastando, deixando ela curiosa.

Me aproximo do bar, e peço uma bebida não muito forte para o barman. Não quero correr o risco de ficar bêbado sabendo que hoje, vou finalmente dizer para Taylor tudo que estou tentando dizer há tempos. Ele me entrega a bebida e eu dou um gole, olhando para as pessoas ao redor, lembrando de que Niall disse que viria. Mas não o encontro. E nem Selena... que sumiu desde que acompanhou Karlie e eu até aqui.

Vejo Karlie conversando com a Lorde e a Lily, enquanto dão risadas empolgadas. Então, a porta se abre e eu viro, esperando que seja a Taylor ou Niall. Mas para minha infelicidade e surpresa, nenhum dos dois entra pela porta. E sim, Ellie Goulding com ele.

Aquele DJ.

Encaro ele e dou mais um gole em minha bebida.

O que ele está fazendo aqui, porra?

Fecho a cara, vendo ele cumprimentar todas as amigas da Taylor, até que seus olhos me veem sentado no bar. Sua expressão muda e ele faz cara de poucos amigos.

Dou um sorrisinho provocativo pra ele, erguendo meu copo no ar. E penso: “não me esperava aqui, não é mesmo, babacão?”

Ele me olha, e parece estar me xingando mentalmente. Mas disfarça e dá um outro sorriso, tão irônico quanto o meu. Me viro para o bartender e dou uma bufada.

Quero pegar a Taylor e ir pra outro lugar. Só nosso. Sem esses zé ninguém pra nos atrapalhar.  Então, a porta se abre novamente, e dessa vez meu estomago embrulha.

Vejo Zayn, de mãos dadas com a modelo Gigi Hadid entrando pela porta.

Não. Não. Não. Não. Não. Não. Não. Não.

Zayn aqui não.

Não sou capaz de lidar com o Zayn agora. Não agora.

Quero enfiar minha cabeça atrás do balcão e me esconder antes que ele me veja. E parece que ele realmente, não me viu. Mas percebo que Gigi sim, me viu. Pois o seu rosto ficou branco ao perceber que era eu. Sorrio, sem graça pra ela. Que tenta disfarçar e cutucar o Zayn, que, no fim, não é preciso, já que ele paralisa ao me ver sentado ali.

Ele me encara, claramente atordoado.

Não nos encontramos pessoalmente desde o dia que ele avisou que sairia da banda e nós discutimos. Desde então, eu só tenho escutado ele dizer coisas horríveis sobre a banda, o que me deixou nada feliz com ele.

Decido que não vou mais ficar ali. Não quero falar com ele. Então, levanto do bar... e me preparo para sair. Quando estou pronto para me virar, sinto uma mão pegar na minha e dizer próximo ao meu ouvido: “Vem comigo!”. Reconheço a voz da Taylor, e me sinto mais calmo ao ouvi-la.

Não penso duas vezes antes de me virar e a seguir. Ela atravessa a porta e andamos por um corredor, rápido demais. Não ligo para isso, apenas quero ficar longe de todos e poder, finalmente, dizer a ela tudo que está guardando a tanto tempo. Subimos uma escada e saímos em uma espécie de terraço.

A brisa da noite logo atinge meu rosto, e Taylor continua entrando mais adentro, em uma espécie de jardim, entre grandes vasos com plantas e flores. Ela para em frente a um banco rústico de madeira, se virando pra mim um pouco elétrica e dizendo:

- Desculpa ter feito você vir pra cá... acabei ficando presa lá dentro. O Dan me arranjou uma entrevista de última hora – ela diz, inquieta – E me desculpa pelo Zayn... eu não teria falado pra você vir se soubesse que a Gigi vinha com ele... – ela começa a falar, sem parar – Quer dizer, eu já sabia que a Gigi estava com ele, mas não sabia que ela ia trazer ele aqui hoje... E nossa! Eu acho que o Joe vai vir pra cá com o Nick, e não vai ser legal os dois ficarem no mesmo lugar...

- Taylor... – eu começo a dizer baixinho, me segurando pra não rir do falatório dela.

- Eu sei que vocês estão brigados e devia ter pensado nisso... e... ai meu Deus! Esqueci de passar o endereço daqui pro Ed – os seus olhos se arregalam. – Acho que o Niall passou pra ele, não é? Eu chamei os outros meninos pra cá também – seus olhos se arregalam mais ainda – E se eles vierem, Harry? E derem de cara com o Zayn... ai meu Deus... – ela leva a mão a cabeça - eu acabei com a festa...

- Taylor... – pego nas mãos dela, agora dando uma risadinha – Relaxa!! Os meninos provavelmente não vem.. a não ser o Niall, e o Niall é tranquilo. Não vai acontecer nada!

Ela, então, me olha... com seus lindos olhos azuis mais calmos.. e sorri. Um sorriso lindo que se transforma em uma risadinha.

- Já te disse que eu falo muito quando fico nervosa? – ela pergunta.

Me aproximo dela, calmamente. Ainda segurando em sua mão.

- E porque você está nervosa? – Pergunto baixinho, quase sussurrando, olhando em seus olhos, desviando o olhar para sua boca durante alguns segundos.

Sinto o corpo dela responder ao meu sussurro imediatamente. Ela estremece, de uma maneira boa e eu aproveito a deixa para me aproximar ainda mais.

- Na verdade, eu não sei... – ela me olha, diretamente nos olhos.

Sustento o seu olhar, e dou um pequeno sorrisinho de lado.

- Sou eu ... o Harry... – digo, baixinho – Não tem porque ficar nervosa. – dou um leve aperto em sua mão.

- Acho que é exatamente por ser você que eu estou nervosa. – ela diz, delicadamente, me olhando de volta.

- Já faz tanto tempo, não é? – coloco uma mão sobre o seu braço. E tocar sua pele suave já faz com que meu coração bata mais forte. A nossa conexão existe, da mesma forma de antes.

- Muito... – ela responde, abaixando o olhar para onde minha mão estava a tocando. Ela, então, leva sua mão até em cima da minha e pousa ela ali, fazendo um carinho delicado em cima da minha.

- Eu senti tanto sua falta... – levo uma mão a seu queixo, levantando ele delicadamente, fazendo com que ela olhasse pra mim novamente. – Todos os dias desde que você se foi durante esses 4 anos.

Ela me olha, e o brilho do seu olhar se intensifica ao ouvir as minhas palavras.

- Você podia estar longe... mas nunca mudou o que eu sinto. Se mudou, foi pra melhor... para um amor mais maduro. Hoje eu sou um homem, que já se viu perto de perder a mulher que ele ama por medo do que as pessoas achem... e eu juro por Deus, Tay – pego as duas mãos dela com as minhas – Não vou mais deixar isso acontecer!

Taylor me encara durante alguns segundos com seus olhos brilhantes e iluminados do que poderia ser emoção... e dá o sorriso mais lindo que eu já vi em seu rosto, como se a essa altura, eu ainda pudesse a achar mais linda do que sempre achei. Sorrio de volta pra ela  e continuo:

- Demorei demais pra perceber... demorei até ouvir o que você sempre guardou naquelas composições do 1989... – falo, olhando diretamente em seus olhos. – Um amor como o nosso não deveria ser impedido de acontecer...

O vento aumenta, e faz com que os cabelos da Taylor fiquem esvoaçantes, deixando-a ainda mais linda. Sinto um pingo em minha testa. Sinal de que estava começando a garoar.

- Desculpa ter demorado pra perceber isso.... – digo, levando uma mão ao seu rosto, tirando delicadamente uma mecha de cabelo dele. – Eu queria te mostrar, que eu não sou mais um garoto... eu sou um homem... – Taylor aperta minha mão... olhando nos meus olhos, demonstrando emoção em seu olhar – e eu quero você. - dou enfase na última frase, mostrando a importância que isso tem pra mim.

- Eu também quero você, Harry! – Taylor sorri – Sempre quis!

Eu sorrio ao ouvir essas palavras saírem dos lábios dela. E o planeta parecia ter entrado em uma órbita diferente, onde o ar é mais leve, onde a gravidade é mais rara... pois eu me sentia voando, flutuando ao ouvir essas palavras saírem de sua boca.

- Sério mesmo? – pergunto, sorrindo feito um bobo.

- Achei que você já soubesse disso. Não tem como não saber. – ela solta uma risada mais alta, o que me dá vontade de rir também, embora eu não saiba bem porque estou rindo... Meu coração acelera e eu sinto algo no estomago que não sentia há tempos... uma alegria que contagia cada parte do meu ser, e que definitivamente, não cabe dentro de mim.

- Eu sou meio lerdo... – digo, me aproximando dela. Sinto os pingos da chuva se apertarem e caírem no meu rosto. Pisco mais forte, mas ainda sorrindo como um bobo. De mãos dadas com ela, me aproximo mais, levando minha mão até seu rosto novamente, fazendo carinho – Eu... eu amo você. – digo, olhando diretamente pros olhos azuis no qual eu sempre fui apaixonado.

Taylor me olha de volta e, com um sorriso lindo, diz:

- Eu também amo você. – ela coloca uma mão sobre a minha em seu rosto, e ficamos assim, nos olhando por alguns instantes. Vejo a chuva molhar sua testa, sua bochecha. E o modo como Taylor pisca cada vez que uma gota cai sobre seus olhos me fazem reparar em cada detalhe em seu lindo rosto... tão perfeito... tão linda.

Então, me aproximo mais, trazendo Taylor para mais perto de mim...

- Você... – começo a dizer, encostando minha testa na testa dela – Você... dança comigo?

Taylor sorri, e diz:

- Mas não tem música....

- Não tem problema... – eu olho para ela... e bem baixinho, começo a cantar:

“You look so wonderful in your dress… I love your hair like that” – toco em seu cabelo, e pegando em sua mão, começo a dar pequenos passos, de um lado pro outro, a conduzindo.

“The way it falls on the side of your neck, Down your shoulders and back” – Taylor sorri ao me ouvir cantando, e com a testa encostada na minha, ela se deixa ser conduzida.

“We are surrounded by all of these lies, and people who talk too much…“ – continuo cantando – “You got the kind of look in your eyes, as if no one knows anything but us.” 

Puxo ela pra mais perto, e a segurando pela cintura, faço a girar, fazendo-a gargalhar.

Ah Tay, como eu amo esse som...

“And should this be the last thing I see, I want you to know it's enough for me. 'Cause all that you are is all that I'll ever need” – finalizo a frase e aproximo a boca da dela, e ainda dançando… canto bem baixinho: “I'm so in love, so in love, so in love, so in love”

Taylor sorri, apaixonada.

Eu espero um Segundo, antes de levar uma mão ao queixo dela, levantando a cabeça dela até meu rosto. Olho nos seus olhos por uns segundos, mergulhando naquele mar azul... e canto novamente:

“Lumiere... Darling... Lumiere... over me...”

Taylor fica mais séria, olhando dos meus olhos até minha boca... sua respiração está mais ofegante e eu sei o que ela está sentindo nesse momento, pois eu sinto o mesmo... Então a puxo pela cintura, e com delicadeza, levo meus lábios até os lábios dela.

Ela corresponde no mesmo instante, jogando seus braços no meu pescoço. Fazendo com que nossos corpos, molhado d'água da chuva, grudassem um no outro de uma maneira que eu não queria soltar jamais.

Com calma, eu vou intensificando o nosso beijo, segurando em sua cintura com uma mão, e em seu rosto com a outra... Devagar, vou dando passos com ela, a encostando no muro do terraço que dá para a cidade, que está toda iluminada com a noite. O cenário é perfeito, e com paixão e delicadeza, eu finalmente tenho a minha garota em meus braços novamente.

Meu coração bate forte e meu corpo começa a reagir com esse pensamento, de ter a Taylor aqui, tão perto, tão minha. Subo a mão até a parte debaixo da sua cabeça, em seu cabelo... e quase desesperadamente, puxo seu corpo para mais perto do meu, puxando de leve o seu cabelo para baixo, deixando a altura de sua cabeça um pouco abaixo da minha, de modo que eu possa explorar toda sua boca.

Taylor suspira e ficamos ali, nos beijando na chuva... ouvindo apenas o barulho de nosso contato e das gotas que nos atinge... deliciando-me com essa sensação de finalmente tê-la comigo depois de tanto tempo. Eu mal podia acreditar, e quando eu me dava conta do que estava acontecendo, meu corpo reagia cada vez mais.

Então, com calma... eu afasto minha boca da dela e digo, ainda segurando em seu rosto com as duas mãos, sentindo as mãos dela em minha nuca:

- Eu te amo...

- Eu também te amo... – ela diz, ainda de olhos fechados, pousando sua bochecha na palma da minha mão.

- Eu te amo, Taylor! – repito, enfático.

- Eu também te amo, Harry! – ela sorri.

Me abaixo, a pegando no colo, e coloco-a sentada no muro, no qual eu me posiciono entre suas pernas, a abraçando pela cintura. Ela me abraça forte, e eu olho novamente em seus olhos, a puxando e apertando quase desesperadamente:

- E U    T  E    A M O! – digo alto, olhando pra ela

Ela ri, e diz mais alto:

- EU TAMBÉM!

Eu me inclino para o muro, e segurando ela firmemente com os braços, eu grito, alto, para a cidade lá embaixo:

- TAYLOR ALISSON SWIFT, EU TE AMOOOOO!

Taylor solta uma gargalhada alto e me puxa novamente, fazendo nossos lábios se encostarem e voltando ao beijo que eu gostaria de ter eternizado.

 

POV – Taylor

A noite não poderia ter sido mais perfeita.

Depois de Harry e eu termos feitos as pazes, voltamos para a festa onde estava meus amigos. Louis, Niall e Liam tinham chegado na festa, junto com Ed. Eles não se importaram com a presença de Zayn. Eles até se cumprimentaram e eu posso jurar que eles estavam até felizes em se ver. Harry também deu um “Oi” com um toque de mão em Zayn... e perguntou “Como você está?”, Zayn foi bastante educado e disse que estava bem, e meio sem jeito, disse que ficava feliz por Harry e eu. Imagino que isso tenha sido um grande passo pro nível que estava a relação deles, então, suspirei aliviada.

Selena, depois de finalmente ter conseguido colocar um fim em sua relação com Justin, que ainda a rodeava, pedindo desculpas e se dizendo arrependido, estava pronta para um novo começo com Niall, que a cada dia que passava, a tratava como ela merecia ser tratada: como uma princesa, como algo precioso que é o que ela é.

Karlie e Harry acabaram desenvolvendo uma amizade que eu nunca imaginei que aconteceria. Os dois passavam a maioria do tempo implicando um com o outro. Com Karlie revirando os olhos para as coisas que o Harry dizia e o Harry imitando-a enquanto ela não o via. Mas no fim, os dois sempre riam um com o outro, e se divertiam. Posso até dizer que peguei os dois cochichando e mudando de assunto quando eu chegava, como se estivessem aprontando alguma coisa.

Ellie me disse que o Adam – ou Calvin – teria ficado decepcionado ao me ver como Harry novamente, pois ele esperava que entre nós, pudesse acontecer algo, o que me deixou desconfortável ao ficar no mesmo local que ele, pois eu sentia os seus olhares sobre mim e e Harry, talvez, nos julgando. Por isso, antes mesmo da festa acabar, a única coisa que eu queria, era fugir com o Harry dali.

Pegamos a estrada, do mesmo jeito que fazíamos antes... ouvindo bandas de indie rock, rindo e apaixonados, até nossa cabana no meio da floresta. Ao atravessar a porta, tudo estava como era... a sensação de estar em casa era cada vez maior ali... no nosso cantinho.

Exceto por uma coisa.

Em cima da cama, havia um papel escrito “Leia-me”.

Olhei para o Harry, com curiosidade. Mas ele fez uma cara de “não sei do que está falando”, e sem pensar duas vezes, fui até o local e peguei o papel na mão. Era, claramente a letra dele. 

Harry ficou parado no batente da porta, me olhando, sorrindo.

Do lado do papel, havia uma caixinha rosa, pequena e com um avião de papel desenhado a mão.  Sorrio ao ver aquele detalhe. E passo o indicador por cima do desenho, olhando para Harry novamente. Que sorri de lado e diz: - abre.

Olho novamente para a caixinha, e a abro. Então, vejo ali, extremamente delicado, um colar feito de ouro branco, em formato de avião de papel, onde em cada uma das asas havia as letras “T” e “H”. Pego ele com delicadeza, e sorrio ao desviar meu olhar para o Harry.

- É perfeito! – digo.

Ele então, leva sua mão até seu pescoço, embaixo de sua camiseta, e tira dali uma versão igual ao meu colar.

- Mandei fazer um novo, dessa vez.. um meu e um seu... com nossas letras gravadas!

Me levanto e vou até ele, levando minhas mãos até seu rosto e o beijando.

Ele me envolve pela cintura e com delicadeza, me beija, me levando até a cama, onde, com suavidade me deita, deitando por cima de mim. Cada gesto, cada movimento, foi feito com gentileza, como se Harry estivesse aproveitando cada segundo. Mesmo com nossos corpos gritando pela falta um do outro, Harry começou a me amar com serenidade... desfrutando de cada beijo, cada toque, cada sensação... Seu corpo nu em cima do meu, embaixo dos lençóis brancos, me fazendo dele com intensidade, me fazia delirar de paixão e, por conta de todo desejo e saudade acumulados, fazia com que eu fosse a mais próximo do paraíso do que eu jamais tinha ido. Seus lábios em minha pele, o toque de sua língua no meu pescoço enquanto ele, com desejo, ia mais fundo, dizendo meu nome.... o calor de seu corpo sobre o meu, o suor que escorria por sua testa até seu ombro tatuado. O seu corpo suado e tão perfeito.... olhar seu corpo... sentir seu corpo... enquanto puxava seu cabelo com suavidade, desfrutando de cada segundo. Me dando amor como ele jamais tinha feito antes.

~ Flashback OFF  ~

E agora, eu estava aqui no palco, no último show da 1989 na Austrália.

Não dava para acreditar que já estava acabando... que mais uma era estava chegando ao fim. Uma era maravilhosa, onde minha vida mudou e tomou proporções que eu jamais imaginei que tomasse. 

Eu estava feliz com todos os aspectos da minha vida. Com o profissional, com tudo que eu havia realizado. Com meus amigos, com as pessoas maravilhosas que eu tenho a honra de ter ao meu lado nos momentos bons e nos momentos ruins.

 E com o meu amor... com o Harry, que desde aquele dia, tem sido um namorado incrível, maravilhoso, atencioso e muito, muito apaixonado. Harry tem se dedicado como nunca por nós, e mesmo passando por momentos mais complicados, como a pausa da banda, ele não deixou que nada pudesse nos atrapalhar e nem estragar o que tanto lutamos para conseguir.

Estava descendo da rampa que me leva ao alto depois de cantar Love Story, e corro para os bastidores onde tenho uma troca de roupa antes de voltar pro show. Na próxima música, Style, teria a participação das minhas amigas do squad novamente. Karlie, Martha, Lily, Gigi e Cara estavam nos bastidores esperando para desfilar. Termino de colocar a minha roupa, e acho estranho não ver nenhuma das meninas.

- Dan, cadê elas? Não era pra elas já estarem aqui? - pergunto.

- Elas estão prontas, já vão ficar embaixo do palco para subirem pelo elevador. Vai... volta lá, é a sua vez. – ele me responde, um pouco nervoso, o que me deixa um pouco assustada.

Mas não devia ter nada errado. Senão, Dan me falaria.

- Taylor.. não esquece, você canta a primeira estrofe e a banda vai segurar a batida, aí você anuncia as meninas... primeiro a Karlie. Ok? Depois a música continua.

- Ok. – digo, respirando fundo, me posicionando no centro do palco onde as paredes se abriram para eu entrar.

A batida de Style começa a tocar e o público grita. Eu faço a “pose” e começo a andar em direção a passarela, desfilando como é o script da música. Começo a cantar:

“Midnight... you come and pick-me up no highlights”

Então, um som de uma batida diferente, mas que eu reconhecia, se vincula a batida de Style, me fazendo ficar confusa. Paro no meio da passarela e olho pra trás, tentando entender o que está acontecendo.

Não tenho tempo de pensar e raciocinar direito, pois imediatamente, reconheço a batida de Perfect. Acontece tudo muito rápido: a batida se mistura ao som da voz de Harry, que começa a cantar:

“I might never be your knight in shining armor”

Eu procuro pela voz dele. Ele não está em nenhum lugar visível do palco.

A platéia quase vai a loucura, gritando loucamente. Eu me vejo no telão, e estou confusa, mas ainda sorrindo... claramente sem entender o que está acontecendo. Não consigo ver ninguém do local onde estou, pois as luzes estão em cima de mim. E fico parada, olhando pro fundo do palco. A batida de Perfect continua misturada com Style, e então, vejo ele, Harry, entrando no palco, vindo em minha direção, de calça preta apertada, camiseta branca quase transparente, que deixava a mostra suas tatuagens, com o cabelo comprido, jogado de lado e segurando um microfone em sua mão, no qual entrou cantando:

 “I might never be the one you take home to mother”

A platéia pira mais uma vez. Na verdade, posso sentir o estádio tremendo com a vibração das pessoas. Gritos de “Harry! Harry!” começam por todos os lados, e vejo várias meninas começarem a chorar. Levo a mão até a minha boca e dou uma risada empolgada, dizendo:

- Não acredito nisso!

Harry não canta mais nada, mas vem, sorrindo, lindo, em minha direção, olhando diretamente nos meus olhos enquanto caminha. As pessoas gritam, e eu olho pra elas, fazendo cara de surpresa.

Harry chega ao meu lado, e com um sorriso lindo, pega na minha mão, dizendo “Surpresa” perto do meu ouvido. Então ele leva o microfone a boca, e diz:

- Olá Melbourne! – Sua voz sai rouca, e eu posso dizer que pensei que algumas meninas desmaiariam. - Me desculpem invadir o show de vocês... 

Mais gritos, mais berros.

Eu só conseguia rir e tentar achar um jeito de conter o meu coração batendo forte.

- Eu queria fazer um convite! Pra todos vocês! – ele diz, olhando pras pessoas na plateia. Ele pega minha mão... – E pra você... – ele completa, olhando pra mim.

Vejo celulares apontados pra nós de todos os cantos. E eu digo:

-O quê? - pergunto, quase gaguejando.

 Harry me olha, e sorrindo, com seus olhos verdes brilhantes, diz:

-Canta comigo?

Eu sorrio, empolgada... balançando a cabeça, dizendo “Sim” com o maior entusiasmo possível.

- E vocês? Cantam com a gente? – Harry grita pra plateia, e o público pira... Gritando o nome dele: "Harry! Harry! Harry!"

Então, ele olha pra trás, fazendo um “jóia” para alguém da banda. E assim, a música volta a tocar desde o começo... o introdução de Style, misturado com Perfect. Eu presto atenção no ritmo e tento me concentrar para acertar minhas partes.

Então, começo, olhando pra Harry:

“Midnigth...”

Harry me dá a mão e canta:

“I might never be your knight in shining armor”

Eu continuo:

“You come and pick me up, No headlights”

Ele:

“I might never be the one you take home to mother”

Eu:

“Long drive”

Ele:

“And I might never be the one who brings you flowers”

Eu:

“Could end in burning flames Or Paradise”

Ele:

“But I can be the one, be the one tonight”

Então, sorrindo, Harry me dá um beijo na testa, e me puxa, fazendo o caminho pela passarela, de mãos dadas comigo, ao som da platéia gritando. Ele olha para as pessoas, e super a vontade, continua cantando. Eu me animo ainda mais, e o acompanho, misturando a letra de Style com Perfect. No refrão, ele para, olhando para mim, cantando, olhando para os meus olhos, enquanto eu canto diretamente pra ele.

“We never go out of style, we never go out of style...”

“So let’s start right now!” – ele completa.

A platéia canta a segunda parte da música junto, e eu me sinto feliz como nunca, olhando para ele, que estava tão lindo, cantando empolgado, jogando os cabelos, pulando em certas partes da música, olhando para mim e sorrindo, apertando a minha mão quando olhava nos meus olhos.

Depois do segundo refrão, Harry vai até a banda e diz:

- Para, para, para!!!

Eu, que estou mais a frente no palco, olho para onde ele está e faço uma cara de quem não está entendendo. Ele diz, quando a música para de tocar:

- Eu preciso parar a música para dizer uma coisa... é rapidinho.. – Harry fala olhando pro público, depois para mim.

- Na verdade, preciso pedir uma coisa... – ele olha para alguém na plateia, e sorri.. o que me faz sorrir ao vê-lo tão lindo. Ele vem em minha direção, e para na minha frente. Faço uma cara de curiosidade, mas sem deixar de sorrir em nenhum segundo,

- Vocês querem saber? – ele fala alto, para a platéia, que estão vermelhos de tanto gritar. O publico responde “Simmmm”, e então, Harry me olha... pegando minha mão novamente, e com a outra mão, coloca a mão no bolso da sua calça, tirando de lá, uma caixinha azul.

Meu coração pára. A platéia literalmente faz o estádio tremer. Eu levo a mão a boca novamente. Harry me olha, com uma olhar esperançoso.

- Taylor... - ele começa.

Cada palavra que ele começa a dizer é motivo para as pessoas berrarem tanto que seria impossível não sair daqui surda.

- Eu... eu sou loucamente apaixonado por você. – eu abro o meu maior sorriso possível ao ouvir isso, simplesmente não acreditando que aquilo estava acontecendo.

- E eu quero você, pra ser minha mulher... – ele diz isso, e então, se ajoelha... o quê me faz arregalar os olhos e a plateia gritar mais, se é que isso fosse possível.

Algumas meninas, que estão mais perto de nós, berram por: “OMG, OMG, OMG”

E eu tento fazer força para não desmaiar. Ele então, continua:

- Você... você... aceitaria, ser... minha noiva... e ... casar comigo? – ele diz, sorrindo. Um sorriso tão lindo que eu juro por Deus que nunca tinha visto no rosto do Harry. Seus olhos brilhantes, me provam que a cada dia mais, eu poderia me apaixonar por esse garoto todos os dias, a cada minuto, a cada segundo.

As pessoas berram... mas naquele momento, parecia que não havia mais ninguém, nem mesmo 90 mil pessoas ao nosso redor, gritando. Parecia que só havia o Harry, ali, ajoelhado, pedindo para que eu me casasse com ele.

Um filme se passa na minha cabeça. Desde o dia que ele entrou naquele salão na festa depois do VMA, da imagem dele, com cabelos menores e com cachinhos, parado na minha porta depois de voar só para encontrar comigo. Dele sentado, molhado na chuva, quando pediu para voltar comigo a primeira vez, dele na praia, fazendo gracinhas e rindo como uma criança enquanto corríamos atrás um do outro, dele no carro, enquanto dirigia e gargalhava, aparecendo as covinhas em seu rosto. Cada momento, cada feição.. cada detalhe.

E então, eu digo, no meu microfone, que faz as pessoas berrarem:

- Sim! – sorrio –SIM! SIM! SIMMMMM!

Ele sorri. Uma risada alegre e empolgada e com animação, levanta, colocando um anel, com uma pedra solitária brilhante azul em meu dedo. Ao sentir seu toque em minha mão, percebo que ele está tremendo... mas ainda sim, ele o faz com delicadeza e depois que coloca o anel em meu dedo, sorri olhando pra mim. Seus olhos verdes queimando e tocando no fundo da minha alma. Ele leva suas mãos ao meu rosto e com firmeza, me puxa para ele, me beijando, ali, no meio do palco, me levantando do chão com um abraço que eu retribuo.

Flashes de celulares, berros, palmas, gritos com nosso nome são ensurdecedores.

Mas naquele momento, ali, só existíamos nós.

E então, ao me colocar no chão novamente, Harry diz:

- Pode continuar, produção...

O som das músicas Style e Perfect voltam a tocar... e Harry começa:

“And if you like cameras flashing every time we go out”

Eu canto: “Take me home…“Just take me home…”

Ele continua “And if you're looking for someone, To write your breakup songs about”

Eu acompanho: “Just take me home…oooh, ohhh, oooh”

Ele canta mais alto: “Baby we perfeeeeeeeeect!”

Então, acompanhados um do outro, de mãos dadas... cantamos mais uma vez o refrão:

Harry - "But if you like causing trouble up in hotel rooms"

Eu - "You got that James Dean, daydream look in your eyes"

Harry - "And if you like having secret little rendezvous"

Eu - "And I got that red lip, classic thing that you like"

Harry - "If you like to do the things, You know that we shouldn't do"

Eu - "And when we go crashing down, We come back every time"

Harry - "Baby, I'm perfect, Baby, I'm perfect for you"

Eu - "Cause we never go out of style, We never go out of style"

Harry - "And if you like midnight driving with the windows down"

Eu - "You got that long hair slicked back, White T-shirt"

Harry - "And if you like going places, We can't even pronounce"

Eu - "And I got that good girl faith, And a tight little skirt"

Harry - "If you like to do whatever you've been dreaming about"

Eu - "And when we go crashing down, We come back every time"

Harry - "Baby, you're perfect, Baby, you're perfect"

Eu - "Cause we never go out of style, We never go out of style"

Harry: - "So let's start right now!"

E assim, depois do show acabar… Harry e eu sabíamos que ainda teríamos um longo caminho a percorrer… mas não importava mais nada, pois tínhamos um ao outro, e isso bastava.

Sempre bastava. 

Não me lembro mais qual foi nosso começo.

Sei que não começamos pelo começo.

Já era amor antes de ser.

 


Notas Finais


OLÁ!
Assistam esse videozinho, tem tudo haver com esse último capítulo: https://vimeo.com/187427972

Gente, não sei nem como começar a escrever essas notas finais. Sério.
É tanta coisa que eu tenho pra falar que acho melhor, fazer um agradecimento depois, em um capítulo separado, e eu gostaria muito que vocês, que leram a fic até o final, lessem, de verdade, ok?

Vamos focar aqui, neste capítulo.
Eu, desde que tive a ideia para essa fic, sempre soube que esse seria o final. Com Harry invadindo a 1989 Tour e cantando um mash-up de Style com Perfect. Isso sempre foi, o meu - maior sonho/Alice - como Haylor shipper que sou. Até o último show da Taylor, eu esperei rezando para que um milagre acontecesse e isso acontecesse. hahahaha
Bem, não aconteceu. Mas, eu podia imaginar, não? Sonhar como seria. E eu fiz isso, com direito a tudo, aqui na fic.

Primeiro porque, Style e Perfect são como uma tradução de Taylor e Harry - haylor - pra mim. A história deles estão nessas letras, a melodia se combina, os clipes se combinam. Parece, simplesmente, uma continuação e duas coisas nas quais se completam demais. Eu sou louca pelo Mash-Up de Style e Perfect, e acho que, tem tudo haver utilizar disso aqui na fic.

Minha fic, vai ter final feliz sim. Pois já basta a vida real ser sofrida para que nem na nossa imaginação, as coisas sejam como a gente quer, não é? Acredito que eu trabalhei bem a história para chegar nesse ponto, e não ficou um clichêzão chato. Apesar de sim, ter o clichê que é o casal principal acabarem juntos, mas quem leu, sabe que não foi fácil e que a construção até aqui foi bem árdua.

E é isso.
Eu fiquei feliz demais com o resultado desse capítulo. E acreditem em mim, eu escrevi ele umas três vezes. Apaguei e começei novamente até que saísse de uma forma que não ficasse cansativa de ler e que ainda sim, demonstrasse todos os detalhes dessas cenas que estavam na minha cabeça.

Vocês não tem ideia do quanto eu sofri imaginando e escrevendo isso. Sério. hahahaha

Por favor, COMENTEM aqui. Eu preciso, mais do que nunca, mais do que NUNCA mesmo saber o que vocês acharam. Ok?

Eu volto nos agradecimentos, onde serei mais especifíca agradecendo a cada um de vocês e falando sobre o quê eu pretendo fazer agora que a fic acabou. Então, leiam, ok?

Obrigaaaaada por tudo.
Até mais <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...