História Wings-black and white - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias ASTRO, Bangtan Boys (BTS), EXO
Tags Bts, Chanbaek, Drama, Hospital, Jin, Revelaçoes, Romance, Shortfic, Taehyung, Taejin, Trauma, Wings
Exibições 30
Palavras 2.523
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


I remember when I first met you
Before I knew it you grew up

Capítulo 3 - First Love


 -Tae, como é amar? 

 -Huh? Por que isso do nada Jin?

 -Não sei, apenas curiosidade.

 O garoto de branco se encostava no peito do loiro, estava sentando entre as pernas do mesmo e recebia um cafuné que bagunçava seus cabelos. 

 -Eu... não sei.

 -Por favor TaeTae -Jin inclinou a cabeça para cima olhando o outro e este suspirou.

 -É quando... você se sente bem de estar com alguém, quer passar seu tempo livre com ela... quando você sabe que faria tudo para vê-la sorrir... entende? É quando você consegue ouvir seu coração e ele chama por essa pessoa. Dizem que tudo se intensifica quando é a primeira vez... o primeiro amor.

 -Parece... parece um sentimento bonito -SeokJin olhou novamente para frente e por alguns segundos se perdeu em suas lembranças.

 Flashback On 

 Ambos estavam sentados na cama, as pernas cruzadas e olhares concentrados. Apenas o tabuleiro os separava.

 -Xeque-mate -o loiro sorriu levemente de canto e o outro fez um bico que deixava seus lábios grossos ainda maiores.

 -Porque você vence todas? 

 -Por que eu sei jogar, você ainda está aprendendo...

 -Mentira, eu já deveria estar ganhando, mas você é um péssimo professor! -Jin tentava contestar o que apenas fazia TaeHyung rir mais.

 -Você é quem está mentindo, eu sei que você adora minhas aulas -falou levemente convencido e não obteve nenhuma palavra do outro- Hey... sabe que eu estou brinc...

 Não terminou por um simples motivo: fora interrompido por SeokJin, este jogou o corpo para frente fazendo o colchão da cama afundar e o tabuleiro virar derrubando todas as peças, então encostou os lábios fartos no de TaeHyung lhe dando um selinho rápido e se afastando logo depois.

 Ele parecia um tomate de tão vermelho, alguns poderiam até dizer que ele estava com algum problema.

 "Vergonha."

 E o silêncio ali o incomodou ainda mais. Silêncio o incomodava às vezes. Era perturbador. Era pior do que ouvir o seu pior pesadelo. 

 E mais uma vez TaeHyung o salvou de se afogar em seus próprios pensamentos.

 -Vamos jogar outra partida? 

 Flashback Off 

 Jin lembrava de como ficou quando aquilo aconteceu.

 A sua pulsação acelerada, o seu peito descendo e subindo em uma velocidade rápida e descompassada... então mais uma vez olhou para o rosto sereno do outro a sua frente.

 A forma como seus cabelos emolduravam seu rosto, como seus olhos se destacavam, a pele bronzeada e a pintinha na ponta do nariz.

 Então Jin soube.

 Ele varia de tudo para proteger Kim TaeHyung. 

 E nem a droga mais forte daquele lugar poderia o impedir.

~*~
 
              E mais uma vez o relógio batia.

 "Tic tac tic tac."

 Era o sinal de que deveriam ir para o refeitório. Horário do almoço e também de tomar os remédios. 

 Jin se sentou na mesa após pegar um pouco de macarrão. Ali eram proibidos talheres de metal, então eles teriam que se virar com os de plástico que para sua surpresa eram brancos.

 Junto a ele se sentavam os mesmo de antes. O Min, o Jung e o Byun, eles pareciam entretidos com alguma conversa besta... bem quase todos.

 Byun parecia prestar atenção em outra coisa. Ou especificando melhor: outra pessoa.

 Baek encarava descaradamente o guarda que Jin tanto conhecia. Jeon JungKook estava em seu posto na entrada do local, e isto não o impedia de retribuir o olhar de BaekHyun.

 Mas como toda ação tem uma consequência naquele caso não foi diferente.

 Um vulto de cabelos avermelhados se levantou do seu lugar correndo na direção do guarda e fazendo as pessoas ali soltarem uma exclamação muda de surpresa.

 Os gritos do ruivo se alastraram pelo cômodo, em sua mão havia algo pequeno e branco.
 O garfo de plástico.

 SeokJin esteira rindo se a cena não lhe desse arrepios.

 Os gritos de Park ChanYeol faziam Jin tremer, seu corpo tentando de todo modo acertar as pontas nas partes onde a pele de JungKook estavam exposta, os olhos negros como ônix do ruivo brilhavam de um jeito incomum.

 -Fique...Longe...Não...Olhe... -SeokJin entendia apenas algumas palavras soltas mas não precisaria delas para entender. 

 "Loucura."

 Compreendeu a situação quando o pequeno corpo do Byun tremeu e se encolheu ao seu lado.

 "Ciúmes."

 Outro homem armado, que Jin reconheceu imediatamente como sendo MoonBin, se aproximou correndo e tirou do bolso um pequeno aparelho que foi estendido ao corpo de ChanYeol. 

 E quando o pequeno botão vermelho foi apertado os gritos pararam.

 Bem, pararam por alguns segundos.

 Deram lugar a berros de dor que certamente rasgavam a garganta do ruivo, este caiu no chão se contorcendo. 

 Seu corpo tremia, revirava e seus dedos se remexiam de uma forma que os deixava tão tortos quanto os de Jin. 

 "Dor."

 Duas pessoas vestidas de branco seguraram o Park o levando dali enquanto uma trilha de espuma branca saída da boca dele se formava pelo chão.

 -... Vocês... Vocês viram isso?! -Jung perguntou algum tempo depois que ChanYeol fora levado- Isso foi... Incrível! 

 Hoseok ria como uma criança batendo a mão na mesa. Jin olhando a cena sorriu de canto mas logo parou quando olhou o estado de Byun, os lábios dele batiam um contra o outro como se ele estivesse com frio.

 SeokJin colocou uma mão no ombro dele fazendo o menor o olhar.

 -Vem.

 -Pra onde? 

 -Você precisa descansar.

 Não houve objeção, então SeokJin se levantou guiando BaekHyun até um paramédico postado em um dos cantos do refeitório, Jin explicou rapidamente o que acontecera e assistiu enquanto o corpo magro do moreno era levado para longe dali.

~*~

 Horário livre. Seria ótimo se não fosse o maior tédio do mundo.

 Jin andou com passos lentos até a área comum, quando chegou lá parou e olhou em volta segurando firme a Polaroid entre seus dedos.

 Haviam várias mesas e cadeiras onde se sentavam pacientes que conversavam em um tom baixo. O uniforme negro dos policiais entravam em contraste com a parede branca, e os rostos sérios dos guardas combinavam com as feições depressivas dos homens de branco.

 Mas o maior contraste naquela sala para ele era o piano de cauda. Ele ficava em um dos cantos, feito de uma madeira polida que lhe garantia uma aparência brilhosa. 

 "Destaque."

 Apontou sua câmera rosa para o instrumento tirando uma foto, assim que o filme saiu ele o balançou cuidadosamente com a intenção que o mesmo secasse.

 Foi surpreendido quando uma figura de cabelos negros se sentou no banquinho a frente do piano. Yoongi. 

 Os dedos dele começaram a dançar, formando notas em perfeita harmonia que faziam Jin esquecer praticamente tudo que havia acontecido a pouco. 

 Perfeito era como poderia ser descrito aquilo. O Min sabia o que estava fazendo, e ninguém poderia contestar tal fato. 

 -O que está olhando, hun? -O garoto praticamente albino parou de tocar, encarando Jin que já olhava em sua direção. A pergunta soava mais como um desafio.

 -Desculpa... eu achei... bonito -SeokJin tentou arrancar de dentro de si uma resposta corrente, o que parecia impossível sobre o olhar negro de Yoongi.

 -Hm... -ele o ignorou voltando a tocar, e SeokJin o interrompeu quando uma pergunta assolou sua mente.

 -Yoongi? 

 -Sim?

 -Como é amar? 

 -Amar...? 

 -Sim, você nunca teve um primeiro amor? 

 -Primeiro amor...?

 -É, quando você... "se sente bem com alguém, quer passar seu tempo livre com ela." -repetiu as palavras de TaeHyung.

 E então o olhar frio de Yoongi se tornou brilhante. Os dedos albinos apertaram as teclas do piano produzindo um som estridente que fez o ouvido de SeokJin doer. E ele continuo, batendo no mesmo lugar seguidas vezes, como uma melodia doentia que nunca cessava.

 -Amor...amor...amor...amor... -ele repetia como um mantra.

 -Yoongi...? -Jin o chamou e colocou a mão no ombro do menor, este imediatamente se livrou do toque do mais velho levantando de vez e derrubando o banquinho que se sentava segundos atrás no chão. 

 -Pare de falar... Pare de falar...Pare!

 -Yoongi... eu...

 -Cale a boca! -ele gritou levanto a mão aos cabelos e as enterrando ali enquanto puxava os fios negros, a ponto que muitos deles saiam ficando entre seus longos dedos.

 Jin deu um passo para trás enquanto o Min dava um para frente se aproximando do instrumento de cauda e abaixando a cabeça a apoiando na madeira, então ele a moveu batendo a testa ali.

 Repetias e repetidas vezes.

 O som. 

 Os gritos.

 As palavras sem nexo.

 Tudo isso parou quando os paramédicos puxaram o garoto dali a força.

 -Desculpe-me... -Jin sussurrou antes de Yoongi sumir.

 -Ela me pediu desculpas... ela também me pediu desculpas... eu não aceitei... amor...amor...amor... -ele repetia infinitas vezes enquanto seu corpo magro era arrastado e levado a uma sala.

 Jin segurou na borda do piano tentando fazer seu corpo parar de tremer, e viu na superfície de madeira uma mancha, escura e vermelha.

 Sangue.

 -Sabe, ele não é tão frio quanto parece -uma voz sussurrou atrás de si e SeokJin virou-se de supetão dando de cara com um pacientes. Oh Sehun.

 -O que quer dizer com isso? -Jin encarou o loiro e por um momento os cabelos amarelados dele o lembrou as mechas cor ouro de TaeHyung.

 -Eu não costumo... hm... fofocar sobre os outros mas... ele já amou alguém, uma mulher.
 -Isso é bom não é? 

 -Não. Eles tiveram uma briga... Pelo o que parece ela tentou se desculpar mas ele não a perdoou... Então houve um assalto à mão armada... Acabou dando errado e levando duas vidas.

 -Duas vidas? -Jin levantou uma sobrancelha tentando com todas suas forças entender o que acontecera.

 -Sim, ela estava grávida.

 A voz grave de Sehun foi proferida sem emoção alguma, era como se o loiro não sentisse nada, ele estava vazio como a maioria ali, e SeokJin precisou de alguns momentos para então respirar fundo e continuar a conversa.

 -Como sabe disso? 

 -Não são todos que temos a sorte de ter um quarto e não ter que dividi-lo com ninguém. Eu reparto o meu com o Yoongi, e às vezes ele fala enquanto dorme, não que isso me incomode, eu não consigo dormir de qualquer maneira. Ele fica se contorcendo, diz que ela falava que ele fora o primeiro amor dela, e às vezes sussurra coisas enquanto sonha.

 -O que ele sussurra...?

 Oh Sehun inclinou um pouco a cabeça para direita como se fosse óbvio, então colocou as mãos em volta da boca formando uma espécie de concha nas duas laterais, e falou baixinho como se proferisse um segredo.

 -"Desculpe-me."

~*~

 -Como você se sente?

 -Hm? 

 -Como você se sente fazendo isso com as pessoas? 

 Mais uma vez ele estava na sala de Kim NamJoon, o médico tomou a estranha substância que agora estava em um copo branco de plástico e entreabriu a boca deixando escapar de seus lábios uma espécie de fumaça.

 -O que quer dizer com isso? 

 -Como você se sente... -os dedos dele retumbaram na mesa- Brincando com os sentimentos alheios? 

 Jin o encarou mas não suportou seu olhar, então abaixou a cabeça.

 "Submisso."

 -Eu...Não brinquei com os sentimentos de ninguém.

 -Eu soube que você estava com Min Yoongi quando ele, hm, ficou instável.

 -Eu só fiz uma pergunta! Não foi culpa minha! -SeokJin tentava se defender da mesma maneira que um filho tenta se defender das acusações dos pais.

 -Uma pergunta? -a mesma mão de NamJoon que retumbava na mesa minutos antes se levantou e em um movimento rápido abaixou batendo contra a superfície de madeira e produzindo um som alto que fez Jin se encolher em seu lugar.

 Mesmo não querendo admitir, no fundo SeokJin sabia que ele corria de NamJoon do mesmo jeito que um rato corre de um gato.

 -S-sim, uma pergunta.

 -Que pergunta? 

 -Não quero falar sobre isso.

 -Não quer ou não consegue?

 -Não consigo.

 -Porque? 

 Não houve resposta e eles passaram os próximos minutos em silêncio, enquanto Dr. Kim NamJoon escrevia algo em seu caderno de couro puído até que o mesmo levantou a cabeça e falou em um tom baixo:

 -Já que você está tão chegado para brincadeiras ultimamente, vamos jogar um jogo, tudo bem? 

 -Qual? -apesar de tudo os seus pequenos olhos brilhavam, Jin gostava de jogos.

 -Eu vou lhe mostrar algumas imagens, e você me diz o que vê, não é difícil -o homem estendeu para Jin um cartão branco e nele desenhado em tinta algo aparentemente sem nexo algum.

 -Então, o que vê? -Kim NamJoon perguntou calmamente observando todas as expressões que SeokJin fazia.

 -Eu vejo... Uma torre de xadrez.

 -Hm -o cartão foi retirado dando lugar a outro, NamJoon fazia pequenas anotações a cada resposta de seu paciente- E agora? O que você vê? 

 -Eu vejo... um animal.

 -Qual animal Jin? Seja mais específico, por favor. Que animal é?

 -É... um... 

 Jin encarou seu psiquiátrica e sorriu de ladino.

 -Pássaro.

~*~
               Mais uma vez ele estava em seu quarto branco.

 Se aproximou da parede de fotos pendurando ali a fotográfia do piano. 

 Agora eram três, unidas apenas pela fina corda, poderia ser tão facilmente quebrada, rompida e separada. 

 Eles não seriam separados. 

 Nada nem ninguém tiraria TaeHyung dele.

 Sentiu os longos dedos cobrirem seus olhos por trás o deixando cego.

 Então ele foi guiado para algum lugar do quarto, e SeokJin soube: ele confiava em TaeHyung, Confiava tanto que deixaria ele o levar para onde quisesse, e mesmo quando as luzes apagassem o loiro estaria ali para ele.

 A luminosidade voltou lentamente, agora ele estava em frente a janela, a cortina branca estava aberta o alaranjado do fim da tarde banhava o prédio.


              Mas algo atrapalhava sua vista.  As grades de ferro que cortavam a janela e o impediam de sair. 

  -Jin, porque?

 -Porque o que? -SeokJin inclinou a cabeça para trás olhando para o loiro;

 -Poque você não quis falar sobre aquilo com o médico?

 -Hãn? Eu te contei sobre isso? -o hyung levantou as sobrancelhas claramente confuso.

 -Foi a primeira coisa que você me falou quando voltou pro quarto bobo, ou não se lembra? Não vá me dizer que os rémedios estão afetando sua mémoria -o sorriso de TaeHyung se transformou em uma expressão procupada e a confusão de SeokJin acabou.

 -Ah... É verdade. Eu... Porque se eu falasse talvez acontecesse. Dizem que palavras tem poder.

 -Estava com medo de alguém se machucar?

 -Estava com medo que você se machucasse. 

 E mais uma vez na vida de Jin o silêncio preencheu o local, talvez ele sentisse tanto medo de nada ser dito porque tudo poderia ser descoberto naquela situação, mas de qualquer forma em muitas das vezes era muito melhor do que palavras vazias.

 Um pássaro amarelado como uma parte do céu pousou próximo a janela, e Jin suspirou.

  -Tae? 

 -Sim? -o outro estava parado atrás de Jin e colocou gentilmente a mão no ombro do outro.

 -Essas grades me atrapalham.

 -Atrapalham de fugir? -Jin sentiu as mãos do mais novo envolverem sua cintura em um abraço.

 -Me atrapalham de voar. Você vai ver. Um dia eu irei sair daqui, e eu irei tocar o céu.

 Ouviu a risada baixa e grossa de TaeHyung vindo de trás o fazendo rir.

 -Não acredita em mim Tae?

 Os olhos de Jin seguiu o pequeno pássaro enquanto ele levantava voo e seguia em direção a imensidão azul.

 -Mais que tudo.


Notas Finais


Don’t let go of my hand forever
I won’t let go of you again either


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...