História Wings-black and white - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias ASTRO, Bangtan Boys (BTS), EXO
Tags Bts, Chanbaek, Drama, Hospital, Jin, Revelaçoes, Romance, Shortfic, Taehyung, Taejin, Trauma, Wings
Exibições 17
Palavras 1.846
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


I know
Every life’s a movie
We got different stars and stories
We got different nights
And mornings
Our scenarios ain’t just boring

Capítulo 4 - Reflection


Não era pra ser uma tarefa difícil, mas para ele parecia quase impossível.

 Apertar os números na ordem correta, então o som da musiquinha tocando e por fim a voz no outro lado da linha.

 Era um processo que levava no máximo dois minutos, e para Jin esses 120 segundos pareciam uma eternidade.

 A cabine telefônica era estilo aquelas que se vê em lugares como Londres, porém ao contrário da maioria de lá esta era azul e ficava próximo a um banquinho em um dos cantos da área do hospital. Era onde Jin estava. 

 Ele sentia falta da voz do pai, e mais ainda da de sua mãe. 

 Segurou a câmera rosa entre seus dedos e a apontou para a cabine, o fato de estar a noite proporcionou a foto um fundo escuro e deu destaque a "coisa azul" no centro da fotografia.

 Ele entrou na cabine e respirou fundo tentando se livrar da sensação de estar sendo afogado. Era apertado. O espaço pequeno lhe causava a sensação de estar mais preso do que já estava. 
 Guiou um de seus dedos tortos até um dos números, e seguiu a ordem até ouvir a musiquinha saindo do telefone. 

 Chamou, chamou, chamou, mas não houve resposta. Por que sua mãe não o atendia? 

 Lembrou então que era uma quinta-feira, e que vez ou outra sua mãe pequena o turno noturno no hospital em que trabalhava nesse específico dia da semana. 

 Suspirou decepcionado. 

 Talvez ela não quisesse falar com seu filho internado.

 Não.

 Sua mãe não era assim.

 Ela estava apenas ocupada, e no dia seguinte ele ligaria de novo, e de novo, e de novo.

 Uma hora ela teria que atender. 

 Uma hora todos temos que atender.

~*~

 A sala comum estava estranhamente silenciosa, as pessoas ali conversavam em um tom tão baixo que era praticamente  inaudível, mas ao passar do lado dos outros de branco ele entendia o motivo de tal ato. 

 No canto estava sentado ao chão encostado na parede Byun BaekHyun, o corpo magro dele deixava espaços faltando no pano de sua camisa e calça, os fios negros cobriam seus olhos deixando apenas visível parte da pele perfeita como porcelana e a boca rosada. 

 Mas apesar de sua aparência ele parecia abalado.
 
 E as pessoas ali percebiam isso, e era sobre o que acontecera no refeitório dias atrás que cochichavam. Sobre ChanYeol. Sobre BaekHyun.

 "Fofocas."

 SeokJin andou lentamente até o garoto moreno e encostou as costas na parede deixando-se deslizar até o chão. 

 -Olá -sussurrou e o outro levantou a cabeça de vez se assustando com a proximidade repentina mas logo se acalmando. 
 
            -Oi Jin -o Byun tentou sorrir o que pareceu mais uma careta, e Jin chegou a conclusão que as pessoas não deveriam sorrir quando não queriam sorrir. Era algo estranho. Forçado.

 -Você tá bem? 

 -Vou ficar.
 
           Jin suspirou ao ver a cara de choro que o menor fazia e entreabriu o braço deixando o garoto se aninhar entre eles e enterrar a cabeça em sua camisa branca como a dele e de todos ali. 

 Os dedos longos e tortos se esgueiraram entre as mechas de BaekHyun tentando reproduzir o mesmo carinho que TaeHyung fazia em si. 

 -Você vai ficar bem, eu sei que vai -o Kim falou baixo tentando confortar Baek, e embora este estivesse mais calmo ele sabia que não era ele que poderia fazer BaekHyun se tranquilizar.

 Jin não podia, mas ele sabia que o ruivo podia.

~*~

 -O que você vê, Jin? 

 -Espelhos... muitos deles.

 Jin estava deitado em uma daquelas coisas confortáveis que psicólogos e psiquiatras sempre tinham em suas salas. Ele sempre se esquecia o nome. Mas de qualquer forma seu corpo estava relaxado, os olhos fechados e mesmo assim percebia que seu médico, Kim NamJoon, o rodeava. A voz do psiquiátrica era a única coisa em sua mente. Isso e a sala de espelhos.

 Ele estava no centro do cômodo. As paredes eram feitas de espelhos, o chão, o teto. Tudo o refletia. A própria sala estava lotada deles. Todos os tipos, formatos e tamanhos. 

 -Por que você não se aproxima de um deles? Não quer saber o que vai refletir neles? 

 -Mas eu sei o que vai refletir neles. Eu.

 -Vamos lá, você pode se surpreender.

 Os pés descalços de Jin estavam com frio, mas isso não o impediu de ir até um dos espelhos no centro da sala. Ele era de corpo inteiro, e assim como imaginou ele se viu refletido.  

 E ele demorou a perceber que havia algo diferente do normal: 

 Suas roupas não eram brancas, e sim negras como de TaeHyung, mas o fato não o incomodou, fora a primeira vez que ele não se importava em ficar igual a outro alguém. Na verdade de certa forma ele ficara...feliz.

 -Falei. Apenas vejo... -e foi ai que as coisas começaram a mudar. Os seus cabelos ficaram levemente mais longos e loiros. As iris de seus olhos começaram a mudar de cor, vindo da pupila o castanho lentamente se tornava azul, sua pele bronzeava e quando ele percebeu ele era TaeHyung. 

 -O que houve, Jin? Me diga o que vê -Dr. NamJoon o encorajava a continuar com palavras suaves e duras ao mesmo tempo. 

 -Eu... vejo alguém loiro.

 -Você o conhece? 

 Jin inclinou a cabeça mas o reflexo não o seguiu, permaneceu como estava e no canto de seus lábios surgiu um pequeno sorriso.

 -Não.

 Então uma pontada em suas largas costas vez seu corpo estremecer e se tornar tenso. E ela se duplicou. Sentia pontadas nas duas extremidades perto de seus ombros. 

 "Tensão."

 -SeokJin? Está tudo bem? -a voz de seu médico parecia distante, e o loiro a sua frente estendeu o braço como se apontasse para trás. 

 Se ele confiava no TaeHyung real por que não poderia confiar naquele preso no espelho? 

 Se virou lentamente e no espelho de trás estava o reflexo de seus pais, o chão se dividia em vários quadradinhos, assim como a parede, e ali estavam várias faces que ele reconhecia. Amigos de infância, os guardas dali, BaekHyun, HoSeok, YoonGi, JungKook, Jimin, JonGin, SeHun, MoonBin, NamJoon, ele mesmo estava ali em alguns pontos.

 Ele começou a rodar tentando entender aquilo, os rostos o encaravam de uma forma tão séria que ele sentia que estava em um tipo de castigo. Se aproximou o espelho no centro da sala estendendo a mão e tocando a palma da mesma no reflexo de TaeHyung que ainda estava ali.

 Mas ele não o ajudou. 

 Ele apenas riu, baixo da forma tímida que para Jin era adorável. Mas não daquela vez.

 E seus pés não estavam mais com frio, agora eles estavam molhados e grudentos, Jin olhou para baixo e estava mergulhado até o tornozelo por algo vermelho. 

 "Sangue."

 Sua cabeça girou e ele olhou em volta olhando o que não queria ver.

 Os reflexos sangravam. As pessoas sangravam. 

 Seus pais. Seus amigos. Seus parentes. Seus médicos.

 O líquido vermelho escorria pelos olhos, pelo nariz, pela boca e pelos ouvidos, deslizando pelo vidro até se juntar a poça que havia se formado. 

 E as faces começaram a se rasgar. A pele rompendo, então a carne até por fim se soltarem. 

 Assim como elas se rasgavam acontecia o mesmo com Jin. Mas a dor se concentrava em suas costas.

 A pontada aumentava cada vez mais. Ele colocou uma mão em uma das áreas sentindo algo alto e seus joelhos dobraram o fazendo cair ao chão e espirrar o líquido vermelho para os lados. 

 "Dor."

 Seus olhos ameaçavam deixar lágrimas cair, e ele levantou a cabeça dando de cara com o espelho de TaeHyung, o sorriso dele continuava lá, e seus olhos sem expressão o encavam de cima de forma superior. Jin se sentia impotente. Fraco. 

 -Jin?

 E por mais que tentasse seu grito não saia, até que finalmente os espelhos quebraram fazendo vários pedaços voarem. Mas nenhum o atingia, isso por que algo o protegia, uma cobertura negra formada de penas.

 -Jin? Acorde! 

 A voz distante o fez voltar, ele respirou fundo, era como se tivesse passado muito tempo debaixo d'Água. Seu corpo sentou-se e sua cabeça tombada para trás voltou a posição normal. Estava suado de uma forma que seus cabelos grudavam em sua testa. De todo modo Jin tentava normalizar sua respiração.

 -Está tudo bem? 

 -O que aconteceu? -Jin perguntou ainda levemente trêmulo.

 -Você parou de me responder, está tudo bem mesmo? -o médico o analisava.

 -Está.

 -Você reconheceu o garoto no espelho? 

 -Sim. Era um primo meu. 

 "Mentira."

 -Doutor, eu posso ir agora? Estou cansado. 

 -Hm... Pode sim, vá direto para o seu quarto certo? 

 -Certo.

 Jin se levantou, e assim que tocou ao chão percebeu uma coisa indiferente para muitos.

 Seus pés voltaram a sentir frio.

 ~*~

 Jin gostava daquele armário. Era uma das únicas coisas feita de madeira e que não era pintada de branco. O armário e o piano. Totalmente diferentes mas extremamente iguais. Confuso? Talvez. Mas não para ele.

 -É bonito, certo? -Jin sussurrou olhando para o armário que ficava no final de um dos corredores do local e abrigava dentro dele vários quadros e prêmios mostrando o quanto o hospital era bom, eles eram visíveis pois as portas eram de vidro.

 -Sim, e bem antigo também -TaeHyung respondeu no mesmo tom, e deu um meio sorriso- Porque não tira uma foto? Sei que gosta de tirar foto de coisas bonitas. Pode colocá-la junto com as outras certo? Ficará legal. 

 Jin riu com a ideia e apontou sua Polaroid para o armário tirando a foto, e quando o filme saiu ele se virou para TaeHyung tirando uma foto do mesmo enquanto este sorria.

 -Ei! O que foi isso? -em seus lábios se formaram o sorriso quadrado que SeokJin mais amava.

 -Você mesmo disse -Jin falou como se fosse a coisa mais óbvia do mundo- Eu gosto de tirar fotos de coisas bonitas.

~*~ 

 Jin pendurou a foto do armário e da cabine no barbante que continha a foto da maçã, do pássaro e do piano. Cinco. Continuavam unidas. 

 E  quando chegou a hora de pendurar a foto que ele tirara de Tae ele percebeu que ali não seria o lugar dela. Então ele se afastou da parede indo para cama e se sentando no colchão do lado de TaeHyung, guardou cuidadosamente a foto embaixo do seu travesseiro branco.

 -Por que ai e não na parede com as outras? -Tae perguntou enquanto observava tudo que seu hyung fazia.

 -Porque se eu precisar de você a qualquer momento você estará aqui. Sabe... eu posso acordar no meio da noite com um pesadelo. 

 -Eu vou sempre estar aqui pra você, Jin -os dedos do loiro se esgueiraram pelo cabelo de Jin fazendo carinho. 

 -Não sempre.

 -Sim, sempre.
 
 Eles ficaram em silêncio por alguns segundos até que isto começou a incomodar Jin e ele resolveu quebrá-lo.

 -Você vai cuidar de mim? 

 -Eu vou cuidar de você, mas não só isso.

 SeokJin levemente curioso se virou, finalmente encarando TaeHyung nos olhos.

 -O que mais então? 

 E ele ficou feliz ao ver aquele sorriso quadrado pela segunda vez naquele dia.

 -Eu vou proteger você.

 


Notas Finais


I wish I could love myself
I wish I could love myself


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...