História With You - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Instrumentos Mortais
Personagens Alexander "Alec" Lightwood, Clary Fairchild (Clary Fray), Isabelle Lightwood, Jace Herondale (Jace Wayland), Magnus Bane, Sebastian Verlac, Simon Lewis
Tags Amor, Clace, Clary, Colegial, Drama, Jace, Malec, New Adult, Os Instrumentos Mortais, Romance
Exibições 163
Palavras 1.375
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Gente desculpa qualquer erro, meu PC tá uma bosta, então estou tendo que fazer tudo pelo celular. Espero que gostem, bjss

Capítulo 17 - Lutar


-Jace, você está bêbado e mesmo que eu queira muito saber o que esconde de mim, prefiro que faça quando estiver sóbrio. Quando realmente quiser me contar. - seus olhos passeiam por meu rosto, e um sorriso triste surge em seu lábio.



-No momento em que disse que queria cuidar de mim, todo álcool se dissipou do meu cérebro. Eu pensei em te dizer, e te dar a oportunidade de correr. - seus semblante era tão triste, tudo que eu queria era conforta-lo.



-Eu não vou fugir Jace.



-Agora eu tenho certeza que não. - Sua sobrancelha esquerda se arqueia me deixando confusa. -Você já sabe.



Meu coração acelera, eu não posso entregar Isabelle, começo a negar com a cabeça mas ele segura minha mão.


-Eu entendo, não estou bravo com Izzy, e não vou contar pra ninguém. E nem você, ninguém pode saber que você tem conhecimento dessa aposta.



-Por que? - digo com medo de sua resposta.



-Porque eu consigo ser ainda mais babaca do que isso.



-Você vai me dizer o quê mais esconde?



-Não. - minha cabeça cai, luto contra as lágrimas que insistem em aparecer. -Hey, eu vou contar, mas quero que isso seja resolvido antes. Não quero que você tenha que escolher entre si mesma ou eu. - me viro para encara-lo novamente.



-Eu escolheria você. - disse com toda a sinceridade do mundo.



-Eu sei disso, por isso não posso te colocar nessa situação. Sei que é um absurdo te pedir isso, mas confia em mim. Vamos ser amigos, é o único jeito de ficarmos perto agora, e depois que eu resolver essa merda, vou te dizer tudo. -sua mão encontra meu rosto e o trás para perto do seu, sua testa colada na minha. -Então, se você ainda me quiser, eu vou ser seu Clarissa. Eu já sou seu.



Todo meu corpo se aqueceu, minha boca buscou a sua, nossos lábios se tocaram, enviado uma corrente elétrica inexplicável.

Quando sua língua varreu a minha, o calor dominou-me fazendo com que me esquivasse do meu banco e me alojei em seu colo. Suas mãos agarraram minha cintura, apertando e puxando-me para baixo conforme nosso beijo se intensifica. Senti sua dura ereção entre minhas pernas, deixando meu meio instantaneamente molhado.


Sua mão encontrou meu seio, beliscou meu mamilo já duro de tesão. Puxei seu cabelo macio, mordi seu lábio inferior tão forte quando o aperto que ele deu em meu seio.



-Eu preciso de mais Jace. -Disse e me arrependi na mesma hora. Ele me levantou e colocou-me de volta ao banco do motorista sem dificuldade, me deixando magoada. -Você não me quer dessa maneira?



-O quê? Você acha que eu parei por que não te quero? - não olho para seu rosto, apenas concordo com a cabeça e saio do carro. Ouço seus passos atrás de mim, travo o veículo, e continuo meu caminho até em casa.



Jace não me para, apenas aguarda enquanto destranco a porta. Ele bate a porta atrás de si, então sou jogada no sofá, seu corpo pressionado ao meu, posicionando sua ereção dura na minha virilha. Jace segura minha mão, guiando-a entre nossos corpos, até encontrar seu comprimento.



-Isso é o que você faz comigo, basta estarmos perto e fico assim. Tudo em você me atrai Clarissa, depois que eu te conheci ninguém mais tem graça. -seu olhar estava fixo no meu, causando ainda mais intensidade as suas palavras. -O único motivo que me impede de continuar é porque eu te amo ainda mais do que te desejo. Quando acontecer vai ser especial.



Jace saiu de cima de mim e seguiu em direção a cozinha. Permaneci deitada, incapaz de me mover depois das palavras que ouvi. Não podia ser um truque, aquilo tudo era verdade, independentemente de qualquer confusão que esteja envolvido, ele realmente me ama.



-Gosto desse sorriso. -Volto dos meus pensamentos e encontro Jace me encarando.



-Acho que vou dormir. -disse me levantando.- Precisa de algo?



-Não. - me viro em direção a meu quarto e sua voz me chama. -Clarissa. - paro no lugar, mas não viro para encara-lo. -Você quer falar sobre a aposta? - sussurra a última palavra, quase como se doesse dizer.



-Sim, mas amanhã. - vou enfim para meu quarto e caiu na cama. Tenho tanto para pensar, mas acabo adormecendo antes de conseguir.




*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*



Acordo com o som do meu celular, revelando a foto de Simon na tela.



“-Hm. - digo ainda incapaz de pronunciar palavras.



-Tudo bem por ai? - ele diz preocupado.



-Por que não estaria Sy?



-Jace deixou o celular aqui e você não atende. - dei risada de sua preocupação.



-Seu celular deve ter ficado na fraternidade. E você acabou de fazer o favor de me acordar. Era só pra saber sobre minha segurança?



-Já é hora de acordar mesmo vida, só queria avisar que vou com Isabelle até a casa da minha mãe, minha irmã voltou de viagem e teremos um agradável sábado em família. Provavelmente voltaremos ainda de noite.



-Sem problemas, obrigada por avisar.



-Se Jace te encher o saco manda ele de volta para casa. - seu tom era fraternalmente preocupado.



-Okay amigo, manda um beijo para sua mãe.”



Assim que desliguei pude ver as horas. Já passavam das onze. Peguei minhas coisas e fui para o banheiro. Tomei um longo banho e lavei meus cabelos. Aproveitei esse tempo para pensar, hoje iríamos conversar sobre a aposta. Vou usar a oportunidade para falar sobre sua relação com Maia, sei que Jace me ama, acredito nisso, mas essa menina está sempre a sua volta.



Coloquei meu vestido solto, penteei meus fios rebeldes e me encaminhei para a cozinha.

Lá estava Jace, tomando uma xícara de café.



-Bom dia. - ele diz em tom sério. -Está com fome?



-Não. - contorno sua cadeira e paro na bancada para me servir também de café. Sento na cadeira a sua frente e encaro esse lindo homem na minha frente.



-Desde quando sabe? - Jace diz, fazendo com que as coisas soassem invertidas. Era eu quem deveria estar preparando um interrogatório.



-Isso não importa. O que EU te fiz para que fizesse uma aposta tão terrível? - seu olhar gelado finalmente ganha vida, seus olhos encaram a mesa e sua voz é tão baixa que mal escuto.



-Você não fez nada. Estávamos falando sobre você, então Jordan propôs e eu aceitei.



-Por quê concordou Jace?



-Esse é o tipo de pessoa que eu sou. - meu coração se apertou.



-Você já tinha feito isso com outra garota? - ele negou com a cabeça mas ainda não olha pra mim. - Você não é esse tipo de pessoa Jace. É alguém que quer tirar crianças de lares ruins, esse é você. Para de deixar um babaca ditar quem é o Jonathan. Por que desistiu? - finalmente seu rosto se ergueu.



-Eu queria poder dizer que foi porque criei consciência, mas seria uma mentira. Desisti porque me apaixonei, acho que foi instantaneamente, mas eu demorei para admitir. - Era isso. Ouvi tudo que precisava,exclareci minhas dúvidas e agora é hora de deixar esse assunto pra trás. Eu já tinha perdoado Jace a muito tempo.



-Não tenho mais nada pra falar sobre isso. - dou a volta na mesa e sento em seu colo. Seus braços circulam minha cintura. -E Maia? - Sua testa de enruga com a pergunta.



-O quê tem ela?



-Qual a relação entre vocês?



-Maia é quase uma amiga, mas nada mais. - uma sobrancelha se ergue em seu rosto.- Está com ciúmes?



-Não, mas foi um pouco desagradável ter que tira-la de cima de você ontem. - digo ríspida.



-Eu não queria nada com ela Clary, juro pelo anjo. Me senti bêbado demais e fui para o quarto, ela me seguiu e…



-Exatamente, isso parece ser algo normal entre vocês.



-Não é, não mais. - encostamos nossos rostos e não consigo me controlar. Beijo Jace ferozmente, tento mostrar para ele todo o amor e aceitação.


Meu subconsciente voltou de sua hibernação e enviou um pensamento deprimente “Você sempre vai perdoar qualquer coisa que ele fizer”. Tento não me apegar nisso, perdoar Jace é mil vezes mais fácil que tentar viver sem ele.



-Chega de Mason, chega de Maia. Agora você é só meu Jace, mesmo que ninguém possa saber. -não espero sua confirmação, volto a beija-lo com todo amor que tenho por ele. Não vou mais permitir que ele fuja de mim, estou disposta a lutar por esse amor.


Notas Finais


Gente tá meio morno o cap, mas enfim as coisas vão começar a esquentar para esse casal. Digam o que acharam, bjsssss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...