História Without Your Love - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Divergente
Personagens Andrew Prior, Beatrice "Tris" Prior, Caleb Prior, Cara, Christina, Eric, Ezekiel "Zeke" Pedrad, Jeanine Matthews, Lynn, Marcus Eaton, Natalie Prior, Peter, Shauna, Tobias "Quatro" Eaton, Tori Wu, Uriah
Tags Beatrice Prior, Divergente, Shailene Woodley, Theo James, Tobias Quatro Eaton
Visualizações 89
Palavras 1.201
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Romance e Novela
Avisos: Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiiiiiii!!! KKKKK
Em primeiro lugar: DESCULPAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA
Gente sumi mesmo, me desculpem. Mas voltei e pretendo continuar postando regularmente.
Em segundo lugar: EU NUNCA VOU ABANDONAR A FIC!!Vocês me perguntaram nos comentários isso, então já to respondendo aqui pra todo mundo ver kkkkkk

Espero que gostem do capítulo, foi feito com todo amor e carinho para vocês!!
Muito obrigado pelos comentários, favoritos e tudo mais!!!
BJÃO ♥♥♥
(deu bug na ultima postagem do capítulo 26, agora está correto)

Capítulo 15 - Capítulo 26


Fanfic / Fanfiction Without Your Love - Capítulo 15 - Capítulo 26

Capítulo Vinte e Seis:

 

        - Engraçado como a pessoa sai da Abnegação mas a abnegação não sai da pessoa. – ele não tira os olhos de mim, estudando minhas reações, mas me mantenho impassível sem demonstrar nada, não na frente desse homem.

            - Pelo que me parece, dois monstros trabalham melhor do que um. – levanto da cama me aproximando mais desse ser desprezível – Só não entendo como fui tão burra de não perceber antes que você estava trabalhando com essa cobra. Como você mesmo disse Marcus, os valores da Abnegação não é algo fácil de deixar para trás, mas pelo visto você é uma exceção.

            -Ah querida. Que diferença ia fazer descobrir isso antes e descobrir isso agora? Em quem você acha que Jack Kang iria acreditar? Em um líder de facção ou em uma garotinha assassina? – ele sorri, apreciando cada minuto de seu triunfo sujo.

            Sinto meu sangue ferver. Penso em inúmeras formas de mata-lo, cada uma mais dolorida e sangrenta que a outra, mas agora tenho que me contentar em apertar os punhos tão forte e fingir que ali está o seu pescoço.

            - Como você ousa me chamar de assassina? - chego tão perto que consigo uma veia pulsante em seu pescoço. Como seria a sensação de enfiar uma faca ali? – Você botou em risco a vida de inúmeros integrantes da Franqueza, quase matou minha melhor amiga, você permitiu a morte de uma criança! – grito, porque é a única coisa que posso fazer nesse momento, me lembro do corpo do pequeno divergente quando Eric o matou, com certeza Marcus estava por trás de tudo.

            - Beatrice! Deixe de infantilidade. Numa guerra pessoas morrem, os mais fortes e inteligentes sobrevivem, e os astutos assumem o poder, esse são fatos que você deveria saber a tempo. – ele diz virando as costas e se dirigindo a porta.

            - Não sentiu remorso? Nem por seu filho?

Mesmo já a uma pequena distância, consigo sentir o clima ficar tenso, e ele demonstrar, mesmo de costas para mim alguma reação. Seria...amor pelo filho?

Mas com a mesma rapidez que essa sombra de “sentimento” apareceu ela some, e Marcus volta com sua expressão fria e sínica de sempre.

            - Tobias é um tolo, tinha tudo para se tornar um líder como eu, o preparei da melhor forma, mas ele decidiu ser um homem de caráter, Um desperdício na minha opinião. Apenas lamento, agora para mim ele não passa de mais um inimigo.

            Acho que vou vomitar se ficar mais um segundo na frente desse homem, se é que se pode chamar isso de ser humano ou algo do tipo.

            Ele lança um último olhar para mim.

- Você não está recebendo tão bem as surpresas. Acho melhor você se acostumar pois elas estão apenas começando.

            Ele sorri e me deixa só, novamente.

            Apenas eu, meus pensamentos e minhas lágrimas.

 

***

            A roupa é confortável, não pensei que me dariam esse luxo. Branca, claro, com uma listra azul no meio. Um empregado da Erudição veio cedo e me entregou as roupas e depois fez uma trança em meu cabelo curto, de modo que o fez parecer menor ainda. Também uso algemas, essas porém são de aço com a parte interna mais afiada, elas não me deixam força-las e nem fazer movimentos muito bruscos.

            Provavelmente para mim não esquecer minha condição de prisioneira. Como se isso fosse possível.

            Peter vem logo depois que me visto, ele não fala nada, mas não é preciso, já sei para onde vamos.

            Os corredores iguais dão um nó em meu cérebro, minha noite não ficou muito melhor depois que conversei com Marcus, e meu sono que já estava escasso simplesmente sumiu. Se dormir 4 horas foi muito.

            Conforme adentramos a sede principal, mais pessoas incrivelmente focadas em livros e “computadores moveis” passam por nós. Elas correm sem tirar os olhos do que fazem. Com certeza dessas vez Jeanine está mais focada do que nunca.

            Subimos três lances de escadas que dão para duas portas, sou levada para a porta da esquerda azul escuro com círculo no meio, dentro do círculo tem um símbolo de duas setas indicando para diferentes direções.

            - Gostou Careta? Espero que sim porque vai passar muito tempo ai dentro.

            A porta se abre e fico maravilhada com o que vejo. Nunca vi tantos computadores juntos, em um canto fica uma câmara toda de vidro com câmeras em cada aresta, na frente há três cadeiras e em um canto perto da porta há varias anotações pregadas em um mural e livros em cima da estante.

Apuro a visão para ver mais do mural:

 

“Experiência número 53 de J.M/A.P

Status: Fase de testes, exclusivamente em animais.

Teste: Apuração do soro para intensificar o uso no córtex e diminuição da autonomia motora.

Projeto de alta segurança”

 

Tento chegar mais perto mais sou puxada de volta por Peter. A data mostra que isso foi escrito há trinta anos atrás.

Essa caligrafia não me é estranha. Mas não tenho tempo para pensar nisso, não quando Jeanine levanta de uma das três cadeiras que está na sala. Não tinha percebido que havia alguém nela, já que parece mais um trono e não me permite ver quem está sentado nele, pois ele está virado para a câmara e não para mim.

-Bom dia Beatrice, espero que tenha dormido bem, o dia será bem cansativo e não quero ter que perder mais um dia por causa de cansaço idiota.

Abaixo a cabeça, realmente não dormir bem, mas não estou com sono. Estou mais desperta do que nunca, não me posso dá o luxo de me sentir cansada, não quando essa vadia pode dar um deslize e eu ter a chance de fugir, ou até matá-la.

- Vamos começar logo! – Marcus levanta da outra cadeira ao lada da de Jeanine – Vamos ver se ela ainda vai se achar superior depois de sofrer um pouquinho – Marcus se aproxima segurando meu queixo com força, desvio e tento morde-lo, mas ele é mais rápido e tira a mão primeiro e cai na gargalhada – Parece que a cachorrinha morde não é mesmo?

            Sinto minha bochecha esquerda arder, e depois a direita. Fico zonza, realmente Marcus tem o dom para a violência.

            Mas me mantenho firme, não demonstrarei dor, eles não verão fraqueza de mim. Nunca.

            - Se a cobaia estiver machucada demais será mais difícil realizar os teste, já que os próprios já causam dor. – mais uma pessoa levanta da terceira cadeira – vamos começar logo com isso.

            - Espero que seu parentesco não esteja influenciando na sua pressa. Não desperdice sua inteligência com algo tão inútil como família. – diz Jeanine virando para essa pessoa.

            Essa pessoa. Não. Não!

            - Não pode ser – queria gritar mais sai apenas um sussurro.

 

É uma simulação, com certeza. Meus olhos estão me traindo, estou ficando louca.

            Não pode ser real. Não é!

            Peter me segura para evitar que eu desabe, mas sinto como se já estivesse no chão, como um nada, como um lixo.

            Seu olhar encontra o meu, mas logo ele desvia.

            Covarde. Não consegue me encarar.

 

            Mas eu o encaro, não tenho medo, e não vou mostrar a dor que sinto por sua traição. Irei encarar tudo até o fim.

             Não serei fraca.


Notas Finais


Tadinha da Tris :(
Espero que tenham gostado!!!
Bjão e até e o proximo capítulo!!!
♥♥♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...