História Wonderland (Dramione) - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Draco Malfoy, Hermione Granger
Tags Dramione
Visualizações 277
Palavras 2.310
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Reta final. Penúltimo dia de postagem.

Capítulo 13 - Capítulo 13


Fanfic / Fanfiction Wonderland (Dramione) - Capítulo 13 - Capítulo 13

Draco ficou calado e rígido. Apesar de ter os braços em volta de Hermione e acariciar seu cabelo, não dissera uma palavra desde que o sexo terminara.

— Diga alguma coisa. – Hermione pediu.

— A gente não devia ter feito isso.

A bruxa se enrolara nos lençóis e se virara para ele.

— De novo isso? – ela perguntou cansada. – Por que não, Draco?

— Isso vai terminar mal. Eu não quero se magoe.

— Então não me magoe.

— Não é tão simples. – ele se sentara na cama de frente a ela. - O que acontece agora? Na melhor das hipóteses a gente começa um relacionamento. E depois? Como vai ser quando voltarmos ao mundo bruxo? O que as pessoas vão dizer? Meu pai vai me tirar do testamento, vão falar que estou com você por interesse...

— É esse o problema? – ela interrompeu -  Seu dinheiro e seu ego?

— Claro que não! Isso afeta você também. Do que acha que vão te chamar quando descobrirem que está com um Comensal da Morte? Potter e Weasley não vão ficar muito felizes com a notícia, aposto. Nem ninguém que você conhece. – Hermione apenas lhe lançou um olhar triste. – É fácil ficar junto aqui, Granger. Mas a gente vai ter que voltar pra casa um dia.

O silencio de Hermione fez o coração de Draco encolher. Sim, ele queria que ela enxergasse em que estavam se metendo, mas no fundo ele esperava que ela o enfrentasse e dissesse que não se importava.

Teve medo que ela visse razão em suas palavras, que percebesse que o que estavam fazendo era uma loucura e que deviam parar por ali. Pensar em perde-la fez com que um vazio imenso o preenchesse. Não queria voltar a ficar sozinho. Não queria mais se sentir culpado e ter pesadelo todas as noites. Agora que ele vira como podia ser bom viver sem julgamentos e expectativas, não queria mais voltar para a aflição de antes.

E Granger ainda não dissera nenhuma maldita palavra. É isso que se ganha quando se deixa alguém de aproximar. Decepção e um coração partido. Salazar devia estar rindo dele.

— Eu quero tomar banho, você quer ir primeiro? – ele perguntou seco.

— Não, pode ir. – ela encarava os joelhos com grande interesse.

Dentro do banheiro Draco ligou o chuveiro na temperatura mais quente que sua pele conseguiu aguentar. Talvez a agua quente derretesse a mão gelada que apertava seu coração. Ele se enfiou lá dentro se sentindo um idiota.

Não devia ter baixado a guarda. Não devia tê-la deixado chegar tão perto.

Então a porta do banheiro foi aberta e uma Hermione nua apareceu em seu campo de visão. Ela correu até ele e ficou nas pontas dos pés sussurrando em seu ouvido.

— Eu enfrento eles se você enfrentar.

Draco soltou a respiração que nem sabia que estava segurando. O alivio percorreu cada célula de seu corpo e não havia boca o suficiente para beija-la. Ele não a perdera. Seu desejo aumentou mais quando viu que Hermione o queria tanto quanto ele. As mãos dela o buscavam e apertavam enquanto seus beijos afastavam as trevas de Draco.

 

***

 

Os bruxos almoçaram antes de continuar a viagem. Hermione dirigia enquanto Draco escrevia ao seu lado.

— Vai me contar o que está escrevendo?

— Curiosidade não é algo muito atraente, Granger. – ele respondeu com um meio sorriso.

— Me diz. – ela insistiu.

— Estou escrevendo para o Medibruxo da minha família, o Dr. Burke. Ele deve saber como ajudar seus pais.

— Oh Draco, é muita gentileza sua, mas já levei meus pais no St. Mungos, e eles não conseguiram...

— O quem os atendeu? O idiota do Hipócrates Smethwyck? Uma vez ele quis me internar por Scrofungulus, sendo que eu só tive uma reação alérgica a Erva Cinza. Não, o Dr. Burke é o melhor. Ele vai saber o que fazer.

Hermione sorriu para ele.

— Obrigada, Draco. De verdade.

O sonserino lhe deu uma piscadinha que quase fez Hermione bater o carro, e voltou a sua carta. O fato dele se preocupar com os problemas de outras pessoas era a prova que o menino egocêntrico que ela conheceu na escola não existia mais. Por Godric, ele estava ali para ajudar Oliver para começo de conversa. Hermione se sentiu tão orgulhosa dele que teve que se controlar para não parar no acostamento e começar a beijá-lo de novo.

Eram quase quatro da tarde quando chegaram a Campbeltown e Draco procurara na internet um hotel que pudessem ficar. Hermione havia descoberto o nome da filha de Oliver no site de uma escola. Ela estava listada como uma das professoras de filosofia do lugar, então depois de fazer o check in no hotel eles foram diretamente para lá.

A mulher jovem que mascava chiclete, falando ao telefone com um headset pediu que eles esperassem. Aquela não parecera ser uma ligação de trabalho para Hermione, já que a menina ria e ficava constantemente perguntando “o que houve depois?”, mas a bruxa apenas se concentrara na mão de Draco na sua. Ele mexia no celular e parecia distraído.

— Posso ajudar? - ela perguntou com má vontade como se eles tivessem interrompido algo muito importante.

— Sim. – Hermione respondeu. – Estamos procurando a professora Kimberly Humphrey.

— Ela não trabalha mais aqui.

— O que? – Draco baixou o celular.

— Como assim? – Hermione perguntou alarmada. – Eu verifiquei o seu site, o nome dela...

— A última atualização daquele site foi a dois anos atrás. Ninguém vê aquilo.

— Bem, eu vi. Precisamos mesmo falar com ela. - começou Hermione - Será que pode nos passar algum contato?

— É contra a política da empresa, sinto muito. – ela respondeu em um tom que dizia que não sentia nada.

­— Escuta aqui, – Draco se intrometeu na conversa. – ... nós viemos de Oxford só pra falar com ela.

— E isso é problema meu porque...?

— Ora, sua...

— Hey, Draco, chega. – Hermione interrompeu se colocando entre ele e mesa.

Ela o empurrou para fora enquanto alguns insultos obscenos eram trocados.

— Você podia ter usado magia. – ele acusou quando alcançaram a calçada.

— Eu ia usar o que? A maldição Imperius? – Draco não respondeu. – Não quero ser mandada para Azkaban, muito obrigada.

— Pensei que tivesse certeza da localização de Kimberley.

— Eu tinha certeza, era realmente trabalhou aqui. Só não liguei para confirmar porque não quis alerta-la sobre nossa visita. Ela podia tomar precauções e fugir da gente.

— Acha que ela ainda está tão brava com Oliver? Foi há tantos anos...

— Bem, ela não o procurou depois que ele saiu da cadeia, não é?

— E agora? O que a gente faz?

— Eu tenho uma ideia. – ela disse com um meio sorriso.

 

***

 

Os bruxos ficaram no estacionamento esperando pelos funcionários. Quando avistaram um, fingiram ser antigos alunos de Kimberley que vieram fazer uma visita à antiga professora. Foram informados sobre a nova escola onde Kim trabalhava e se dirigiram até lá, mas chegaram tarde, a escola já estava fechada.

— Ótimo! – Hermione resmungou vendo o porteiro trancar o portão da escola. – Acho que nossa busca acabou por hoje.

— Hermione... – Draco começara, mas se calara em seguida.

— Sim? – Hermione encorajara.

— A gente... não devia passar mais uma noite enfurnado num hotel. A gente podia... sair... como... num encontro.

— Está me chamando pra sair? – um sorriso preencheu o rosto de Hermione.

— Nós já saímos antes, Granger.

— Mas não num encontro oficial.

— Me parece o caminho lógico a se tomar, já que... bem...

— Wow, esse foi o pior convite de encontro da história! – Hermione se segurava para não rir.

— Ah, com certeza não foi o pior. – Draco se defendeu - Não deve ter sido pior do que o de Weasley.

— Na verdade, depois que a guerra acabou Rony e eu tivemos um encontro bem bonito.

— É mesmo? – ele a contemplou pensativo - Hm... então nesse caso, prepare-se para a melhor noite da sua vida, por que eu não vou perder para um Weasley.

— Draco, eu não trouxe nenhuma roupa para uma ocasião dessas.

— Sério, Granger? Tem uma barraca na sua bolsa magica, mas não tem um vestido social? – Hermione deu de ombros. – Dá se um jeito. – ele sussurrou se aproximando dela e pegando seu rosto entre as mãos para lhe dar um beijo.

Draco os levara para uma loja para que ambos comprassem roupas adequadas.

Quando voltaram ao hotel o bruxo foi tomar banho primeiro, se trocando apenas depois que Hermione entrara no banheiro. Ambos concordaram que uma surpresa deixaria as coisas mais interessantes. Então depois de vestir sua calça social, camisa e blazer pretos ele se dirigiu ao lobby do hotel, pesquisando na internet e conversando com os funcionários do hotel enquanto planejava a noite.

Cerca de uma hora depois Draco se encontrava sentado em uma das poltronas do lobby. Ele decidira abandonar toda racionalidade no momento em que Hermione dissera que enfrentaria o que fosse para ficar com ele. Sim, ele ainda achava que era loucura que iniciassem um relacionamento, mas era uma loucura ainda maior ignora-lo. A garota o ajudara a preencher um buraco que ele nem imaginava que fosse tão fundo.

As portas do elevador se abriram à sua frente e uma Hermione com um vestido branco e justo apareceu em seu campo de visão. Um de seus ombros estava de fora e ele teve que se controlar para não voar pra cima dela para dentro do elevador e de volta para o quarto. Se pôs em pé observado cada passo que ela dava em sua direção naqueles saltos. Ela sorri para e ele sorri de volta. Jamais entenderia porque Hermione decidira dar uma chance a ele.

Como é que conseguiu uma garota dessas, Draco?

— Você está linda. – a frase mais previsível que ele poderia ter dito transborda para fora de sua boca. Mas não podia fazer nada. Era verdade.

— Você também. – ela não pareceu se importar.

Ele lhe oferecera o braço e os conduzira até o carro.

Não era o melhor restaurante que Malfoy já fora na vida, mas não era ruim. Hermione parecera impressionada e o ego de Draco se inflou um pouco. Apostava que Weasley nunca a tinha trazido num lugar assim. Nesse quesito estava seguro de estar ganhando. Sabia que era infantil pensar essas coisas, e ele nunca as diria em voz alta, pois sabia que Hermione ficaria ofendida se desdenhasse de seus amigos idiotas, mas queria ganhar de Weasley, Krum, ou qualquer um que Granger já tivesse namorado.

O maitre os conduzira até uma mesa com seu forte sotaque escocês. Draco pagara a mais pela melhor mesa da casa que ficava um pouco mais afastava das outras, na sacada, que tinha uma vista magnifica. A luz ali era mais baixa, o que dava mais contraste as velas e aos pisca-piscas que decoravam a parede.

Ok, talvez essa demonstração toda não fosse apenas para Granger. Esse era o primeiro encontro oficial de Draco. Claro que ele tivera outras namoradas antes, mas era muito novo para leva-las em encontros. Queria provar para si mesmo que era a pessoa boa que Hermione e Oliver achavam que ele era. Queria que o esforço de ambos em lutar por ele fosse recompensado, pois estava ciente que não merecia o credito que lhe davam. Encontraria a filha de Oliver, os reconciliariam, e seria o melhor namorado que Granger já teve.

A conversa era agradável e fluía sem que nenhum dos dois fizesse esforço. E a comida era deliciosa. Devia ser mesmo, pelo valor que estavam cobrando. Draco nunca pensava no quanto gastava antes, mas agora que só lhe davam uma certa quantia por mês e ele tinha que racionalizar, estava dando mais valor a cada centavo. Ficou grato pelos meses em que não fazia nada além de jogar vídeo game com Hunter. Isso lhe proporcionou guardar pelo menos 70% do dinheiro que recebia para gastar em momentos como esse.

Dançaram e pediram a sobremesa que Granger escolhera. O sonserino não sabia o que era mas tinha bastante chocolate, o que, segundo Hermione, era a única parte que realmente importava.

Voltaram para o hotel depois disso, mas não subiram para o quarto. Ficaram deitados em uma das cadeiras da piscina olhando as estrelas.

— Tenho uma surpresa pra você. – Draco sussurrou em seu ouvido.

— Oh, Draco. Não devia ter...

— Relaxa. – ele riu. – Não é nenhum presente caro, nem nada. É só... algo bem simples e... bobo, na verdade.

— Adoro coisas simples e bobas. – Hermione respondeu com um sorriso.

Draco alcançou o bolso do paletó que dera para ela vestir e tirou um pedaço de papel de dentro. Hermione o encarara com curiosidade enquanto o desdobrava delicadamente. O que viu foi seu próprio rosto a encarando de volta em forma de desenho.

Ele estava errado, não era algo simples nem bobo. Era lindo. Era o melhor presente que ele poderia ter dado. Draco teve que memorizar cada traço seu, seu pensamento teve que se focar nela, e só nela, para que pudesse reproduzir seu rosto com tamanha perfeição. Percebeu naquele momento que Draco gostava dela. Gostava dela de verdade, e quando o encarou de volta não conseguiu expressar em palavras sua gratidão por um presente tão lindo, mas seus beijos conseguiram falar melhor do que ela.

Ele não tinha mais dúvidas, não a afastava mais, pelo contrário ele a buscava. Ele vencera seu preconceito. Vencera a si mesmo. Hermione estava tão orgulhosa dele.

— Caramba, Granger. A gente devia ter ido direto pro quarto se vai me beijar assim.

— Você quer namorar comigo? – Hermione perguntou olhando fundo em seus olhos. Draco sorrira.

— Granger, essa fala era pra ser minha.

— Awww, eu feri o seu ego masculino? – ela brincou com um beicinho.

— Pelo contrário. – ele se sentou e a envolveu pela cintura. – Sou totalmente a favor dessa história de Girl Power. Esse lance de donzela frágil sempre me entediou.

Ela sorriu e o beijou de leve nos lábios.

— Você ainda não respondeu a minha pergunta. – ela o lembrou.

— Vamos para o quarto, Granger. – ele sussurrou com a boca em seu pescoço. - Vou responder sua pergunta lá.


Notas Finais


Vamos aproveitar para fazer uma mendigagem básica, rs. Meu twitter é @iani_duarte, me segue lá pra gente bater um papo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...