História Wonderland ( Imagine BTS ) - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, JB, J-hope, Jimin, Jin, Jinyoung, Jungkook, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V, Youngjae, Yugyeom
Tags Bts, Got7, Imagine, Os Bts, Romance, Violencia, Você
Exibições 41
Palavras 2.579
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishounen, Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Harem, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Annyeonghaseyo
Me desculpem a demora pessoal
demorei para postar, mas ai estar
sem mais delongas
kissus de cereja

Capítulo 15 - FLASHBACK PARTE FINAL...


Fanfic / Fanfiction Wonderland ( Imagine BTS ) - Capítulo 15 - FLASHBACK PARTE FINAL...

MS: O nome dele é Jung Hoseok, e é por causa dele que eu salvei você! – ela disse com um sorriso estranho e vi o garoto me olhando sem expressão

Olhei nos olhos do garoto e senti calafrios, os olhos dele eram opacos, parecia que tudo que ele conhecia era ódio e guerra. Eu não me dar bem com ele era algo normal que deveria acontecer, afinal raposas nunca gostaram de cachorros, mas aqueles olhos era como o reflexo dos meus próprios quando saí do laboratório, ao ver aqueles olhos eu entendi o que ela quis dizer com o “foi por causa dele que te salvei’, ele tinha os olhos como os meus eram, mas como ela sabia disso…

Olhei para ela e vi aquele sorriso estranho dela, era um sorriso… como posso dizer… psicótico? aquela mulher não era uma mulher qualquer, pude ver isso naquele momento, mas eu apenas ignorei. Olhei para o garoto novamente e vi a mão dele suja de sangue e com um corte, mas ele parecia não ligar, aquele garoto realmente não sentia nada, seria difícil ajudar ele, hesitei um pouco, mas me levantei e fui até ele…

- Ei o que você sente aqui? - perguntei e peguei a mão dele com um corte

JH: Eu não sei. - ele disse e eu apertei o lugar com o corte, ele puxou a mão

- Isso que você está sentindo se chama dor! Meu nome é (s/n) e eu sou sua irmã mais velha! - disse e sorri para ele que fez uma expressão surpresa - Você quer aprender mais sobre o mundo e você? - perguntei e ele pareceu pensar

JH: Sobre mim… eu quero… - ele disse olhando para baixo e logo voltando o olhar para mim

 

QUEBRA DE TEMPO…

 

Se passaram dez anos, meu corpo já desenvolveu novamente para a forma que estava acostumada, eu ainda morava com hobi (gente ela mudou o jeito de chamar ele pois já passou dez anos) e min-so, nesses anos que se passaram eu descobri que hobi era a forma humana de fenrir, depois de ele ter sido selado junto de suas memórias, min-so passou a cuidar dele fazendo o acreditar que era a real mãe dele e que eu era sua irmã, hobi evoluiu muito nesses dez anos, seus olhos já não eram mais opacos, ele se tornou um bom garoto, eu já havia me acostumado a viver com eles naquela casa, hobi era bem cuidadoso comigo e sempre ficava do meu lado sem se importar com o que me acusavam, com o tempo viver ali com eles começou a se tornar divertido, até que em um certo dia hobi descobriu quem ele realmente era e que não era filho de min-so nem meu irmão, achei que ele iria surtar e querer nos destruir, mas não, pelo contrário, ele apenas veio até mim como sempre e pediu para que eu o acompanhasse…

- Onde vamos hobi? - perguntei enquanto ele me puxava pela mão por entre as árvores

Jh: Já estamos chegando! - ele virou pra mim e disse com um sorriso, eu assenti e continuamos

Caminhamos por mais uns quinze minutos no bosque, até que chegamos em uma área aberta sem árvores, onde mais para frente tinha um penhasco, era um lugar lindo com uma vista perfeita para a lua que não estava cheia, mas ainda assim estava linda…

Ele estava parado me fitando enquanto eu olhava o lugar, mas logo me puxou para sentarmos e assim eu fiz, dei mais uma olhada no local que era maravilhoso e que por incrível que pareça com toda minha idade eu ainda não tinha ido, realmente esse era o país das maravilhas, olhei para o lado e vi que ele me fitava, corei com aquilo e ele logo perguntou…

Jh: O que estava pensando? - ele perguntou me fitando

- Que esse é realmente o país das maravilhas - disse sorrindo para ele e vi o mesmo fitar meus lábios - O que foi? - perguntei corando

Jh: Nada… - ele disse olhando para algum lugar

- Porque me trouxe aqui? - perguntei o fitando

Jh: Eu queria falar sobre mim… - ele disse voltando a me fitar

- …

Jh: Hoje quando eu descobri o que eu sou, quando eu descobri que você e a omma não são realmente minha família, eu fiquei triste e irritado! - ele disse me fitando com uma cara séria e me senti triste, mas ele logo continuou - Mas ao mesmo tempo eu fiquei feliz e me senti aliviado! - ele disse e eu me surpreendi - Eu fiquei irritado porque eu sempre me senti um lixo… eu me sentia um lixo por estar apaixonado pela minha própria irmã! Logo depois eu me senti triste por você nunca ter me contado! Mas em seguida eu senti alívio pois agora eu não precisaria sentir culpa por amá-la  - ele disse e meus olhos se arregalaram o fitando

- Hobi eu---- Antes que eu dissesse qualquer coisa ele tomou meus lábios em um beijo calmo, era um beijo calmo e cheio de carinho e paixão, ele pediu passagem e eu cedi, ele tocava meu rosto levemente com cuidado, sua língua explorava minha boca calmamente, ficamos assim por um tempo até que o ar nos fez falta, nos separamos lentamente e ele me puxou para um abraço

Jh: Eu não preciso que você diga que me ama também… apenas fique ao meu lado! - ele disse baixo quase como uma súplica e senti meu coração apertar por ele ter falado de forma tão triste

- Okay… - eu disse e retribui o abraço

Ficamos ali abraçados por um tempo até que nos levantamos em silêncio e começamos a caminhar de mãos dadas de volta para casa, foi uma caminhada silenciosa, quando chegamos lá não vimos min-so pela casa, hobi foi beber algo na cozinha e eu fui para nosso quarto, me sentei na cama e me lembrei do beijo, tentava entender como me sentia sobre ele, eu quando o conheci não queria cuidar dele, mas acho que ter me tornado a irmã de mentira dele foi a melhor coisa que me aconteceu, poder ajudar ele realmente me salvou…

Estava tão focada em meus pensamentos ali na cama, que nem percebi quando ele veio da cozinha e se sentou do meu lado, só percebi o mesmo ali quando ele me puxou para o seu peito me abraçando, senti o calor de seu corpo me envolvendo e ele se aproximou do meu ouvido e disse…

Jh: Não pense demais, apenas fique comigo! - ele disse em meu ouvido e eu apenas assenti com a cabeça

Ele me abraçava quando de repente vejo homens vestidos de cientistas entrarem no quarto junto de min-so que se vestia da mesma forma, os olhamos sem entender, antes que perguntássemos ou falássemos algo um homem veio até nós e me acertou com força na cabeça me deixando desnorteada, ouvi hobi rugir para o mesmo que também foi atingido na cabeça, vi ele cair mais ainda estava acordado ele rugia do chão, naquele momento senti uma insanidade acordar dentro de mim, tentei me levantar e ir defendê-lo, mas o homem acertou novamente minha cabeça e minha visão começou a ficar turva, senti ele me jogar sobre o ombro dele, olhei mais uma vez para hobi antes de tudo escurecer e vi o mesmo caído no chão, ele estendia a mão para mim e rugia, eu tentei estender minha mão para ele, mas tudo ficou escuro e não vi nem ouvi mais nada…

   QUEBRA DE TEMPO…

 

Abri meus olhos lentamente e estava em um quarto todo branco caída no chão, estava vestindo um kimono vermelho bem curto com meias sete oitavas brancas presas por cinta liga, meu cabelo estava solto e minha cabeça enfaixada, ouvi um barulho e a porta do quarto foi aberta, um homem de cabelos longos entrou e me pegou pelo braço me levando até uma sala, chegando lá ele bateu na porta e ouvi um entre, ele logo entrou me soltou lá dentro e saiu, vi uma mulher sentada em uma cadeira, ela tinha cabelos longos e pretos, sua pele era branca e tinha um belo rosto, ela usava óculos uma saia preta e uma camisa social branca com gravata preta, usava uma meia preta presa com cinta liga e um jaleco branco por cima de sua roupa, seus cabelos estavam presos em um rabo de cavalo, ela olhou para mim e disse…

Xxx: Eu sou sua mestra! você sabe qual seu nome? - ela perguntou me olhando com indiferença e eu comecei a pensar

- Meu nome… meu nome é… (s/n)... - eu disse tentando me lembrar

Xxx: Isso e meu nome é min-so! Você é minha marionete assassina! entendeu? - ela perguntou e eu fiquei meio confusa, mas assenti

 

 QUEBRA DE TEMPO…

 

Já havia se passado cerca de cem anos que eu persigo o alvo da minha mestra min-so, nossas lutas sempre acaba em empate, já nos enfrentamos a cem anos, toda vez que nos encontramos e lutamos tem um banho de sangue, por alguma razão, toda vez que nós lutamos sinto minha insanidade aumentar junto de minha sede de derramar sangue…

 

   QUEBRA DE TEMPO…

 

Abri meus olhos lentamente sentindo a dor aguda em minhas costas por ter sido jogada de uma distancia tão grande com tamanha força, vi ele vindo correndo em minha direção com a espada, rapidamente me levantei pegando meu punhal e correndo em sua direção com um sorriso em meus lábios, a espada dele veio com força total em mim, mas eu defendi-me da mesma usando o punhal que refletiu o ataque, os ataques não paravam de ambas as partes eu o atacava com força e velocidade e ele defendia todos os meus ataques e devolvia ataques que também eram defendidos por mim, era sempre assim quando nos encontrávamos um mar de sangue e corpos de humanos frágeis e nós lutando no meio deles, ver essa cena só me deixava minha insanidade com mais vontade de destruir

Jh: Isso é assim que eu gosto! Mostre-me sua força – ele dizia enquanto atacava

-Destrói… não é suficiente! – eu gritei e corri em sua direção com meu punhal

Eu sorri psicótica, ali estava eu, imóvel no meio desta cidade inquieta enquanto lutava contra aquele homem e olhava os que ainda estavam vivos e me olhavam aterrorizados, me pergunto se serei eu incapaz de suprimir esse meu “ impulso ?“ Debaixo de minhas roupas escondo uma insanidade… e eles me olham com uma cara de que querem experimentá-la , ficar apenas olhando?… A ganância manchou está nódoa vermelha, Se eu premir este gatilho em minha mão, meus dedos serão igualmente tingidos de vermelho… nisso peguei o revólver e comecei a atirar e usar o punhal…

    ~ Destrói! Destrói! Será suficiente? Não, não é suficiente… O impulso não satisfeito de destruir  ~

- Frágeis… Frágeis… O quão frágeis os humanos são? – Eu dizia com uma cara de desânimo enquanto lutava e matava os que estivessem por perto

         Eu não parava um segundo sequer para respirar e ele também não, eu não conseguia suprimir o meu impulso de destruir e ele não podia parar até me destruir, apesar de tudo pra ele eu era apenas uma marionete assassina, mas diferente de qualquer outra eu não era descartável…

Jh: Não consegues escapar? – ele perguntou em um tom sério – Irei te perseguir até os confins do mundo! Nem poeira vai ficar para trás – disse aumentando a força

Jh: Apesar de tudo é apenas um monte de lixo inútil! – disse sério e a minha expressão mudou um pouco de psicótica para desanimada

- Qual o propósito de eu ter sido criada? Hoseok podes me dizer a resposta? – perguntei desanimada mas ainda lutando com todo meu fervor

Jh:“ Qual o propósito de eu viver?” você pergunta, eu digo-te a resposta! – falou e continuamos lutando com tudo, mas naquele momento uma imagem veio em minha cabeça e acho que na dele também pos nós dois paramos de lutar na hora e nos afastamos rapidamente

Na imagem estávamos nós dois sentados na cama abraçados e os cientistas entrando e nos separando um do outro a força, nós nos encaramos confusos e recuamos os dois cada um para seu lado, eu voltei para minha base sem entender e não vi min-so por lá, fui até meu quarto e deitei, comecei a ter vários flashs sobre eu e hoseok (ela chama ele assim aqui por que não se lembrava dele exatamente), resolvi ir até o escritório de min-so falar com ela sobre o que estava acontecendo, mas quando cheguei lá ouvi ela conversando com o capitão da unidade de exército que nos caçava…

Ms: Ela está começando a se lembrar de novo! temos que fazer a lobotomia! - ela dizia em um tom sério - e ele como está?

Xxx: Também está se lembrando, irei programar a lobotomia para amanhã mesmo! - ele disse em um tom sério

Ms Okay, não deixarei ela sair antes da lobotomia! - ela disse e nesse momento eu abri a porta da sala e entrei

- O que você quer dizer com lobotomia min-so? - perguntei tentando manter a calma

Xxx: Que porra min-so você disse que ela estaria sendo dopada agora! Resolva isso agora! - ele disse com cara feia

Ms: Se acalme (s/n), você entendeu errado! - ela disse tentando manter a postura indiferente de sempre

- O QUE INFERNOS VOCÊ TEM FEITO COMIGO? - gritei e corri em uma velocidade incrível até ela a segurando pelo pescoço

Senti minhas caudas aparecerem, mas dessa vez elas eram seis, eu tinha ganhado mais uma na última lua cheia, minha audição estava muito mais apurada por eu ter liberado minhas caudas, ouvi o barulho do homem pegar sua arma e mirar em mim, antes que ele atirasse joguei a arma longe com minha cauda, eu voltei meu olhar a min-so e vi uma expressão psicótica em seu rosto, ela era louca, antes que ela fizesse algo eu atravessei seu peito com minha mão e arranquei seu coração, logo em seguida fui até o homem que aparentemente era humano e quebrei o pescoço do mesmo…

- Me desculpe hobi eu matei a única mulher que foi sua omma….. mesmo ela sendo quem ela é eu não tinha esse direito…. - eu disse para mim mesma e corri daquele lugar em direção ao bosque

Eu corri na minha velocidade máxima, corri por horas, até que bati de frente com um homem e caí por cima dele, ele tinha o corpo frio e cheirava a sangue, logo soube que era um vampiro, ele se levantou ficando sentado e logo me ajudou a me sentar também, ele me olhou nos olhos e por alguma razão comecei a chorar, liberei tudo o que sentia naquele momento em lágrimas, o mais estranho não foi eu ter começado a chorar, o mais estranho foi esse homem ter me abraçado e me levado para sua casa.

Ele conversou comigo e nós nos tornamos grandes amigos, ele me ajudou muito naquele momento, eu vira e volta tinha recaídas ao me lembrar das ordens de min-so e saia matando pessoas, mas sempre que eu voltava chorando ele me apoiava e me ajudava, naquele tempo eu decidi que não devia ir atrás de hobi, ele era muito importante para mim e eu não me perdoava por tudo que aconteceu, eu me culpava por não poder protegê-lo

  FLASHBACK: OFF




CONTINUA?


Notas Finais


Quem será esse homem? as histórias estão começando a se ligar! devo continuar?
comentem e favoritem se estiverem gostando, se não estiverem também comentem, criticas são sempre bem vindas!
gente eu comecei uma nova fic, um imagine do nosso açucar, vou deixar o link aqui leiam lá recomendo
link da minha nova fic
https://spiritfanfics.com/historia/my-bittersweet-boy-imagine-min-yoongi-8391078
até o proximo cap
kissus de cereja


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...