História Words to say (KenJin) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias B1A4, Bangtan Boys (BTS), VIXX
Personagens Baro, Hongbin, Hyuk, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Ken, Leo, N, Rap Monster, Ravi, Sandeul, Suga, V
Tags 92 Line, Ayuseok, B1a4, Bts, Chabin, Fluffy, Jikook, Jin, Jinken, Ken, Kenjin, Kenjindeul!friendship, Nbin, Sandeul, Slash, Vixx, Yaoi, Yoonseok
Visualizações 43
Palavras 2.312
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ME PERDOEEMMMM PELA FUCKING DEMORA DE MESES!!!!!
Podem me xingar, eu aceito, eu mereço. Aliás, alguém aqui ainda lê isso? Manas, eu passei por um bloqueio fodido com essa fic nesses últimos meses, além de estar mega desmotivada a continuá-la, mas levei uns tapas na cara da @Juminniee e finalmente saiu o capítulo 6. E obrigada a @hinacchi pelo suporte de sempre!

!!! IMPORTANTE !!!
Eu vou fazer uma revisão nos caps anteriores porque quero passá-lo todo para a terceira pessoa, então alterações serão feitas. Somente para avisar mesmo.
Esse capítulo, inclusive, já está na 3ª, então adeus aos POVs.

Boa leitura e espero que vocês gostem do cap, me dediquei bastante nesse.

Capítulo 6 - Aquele Jaehwan?


"Se você ao menos soubesse o valor do seu sorriso, não o distribuiria tão falsamente à pessoas que você sabe que não estarão ao seu lado quando amanhecer e não houver mais bebida e nem música alta.
Apenas abra os olhos, Seokjin. É o que tenho a te pedir hoje."

 

3 de maio de 2010

 

– Que isso, Sandeul? – Hoseok falou, estranhando a garrafa de cerveja que o outro Jung virava sem pudor. A situação toda ainda lhe parecia tão surreal que talvez álcool fosse a única coisa capaz de distrair sua mente. – Esqueceu que você está proibido de beber dessa forma desde que você saiu da última festa e comprou 23 potes de sorvete de menta?! Jin hyung disse que até hoje o Jaehwan não aguenta comer nada de menta. – Hobi continuou falando continuamente de forma totalmente aleatória. – Aliás, como que o Jaehwan atura voc-

– Eu encontrei o Namjoon. – Cortou o que o outro dizia, sentia-se sufocado guardando o ocorrido de minutos atrás.

– Que? – Analisou sua expressão antes de se manifestar.

Não sabia se Hoseok estava processando a informação ou se a leve quantidade de álcool em seu organismo não o permitia lembrar da ligação que fez dias atrás falando sobre um suposto sócio do amigo de Yoongi ter um nome familiar para Seokjin.

– Você tinha razão, Hoseok. É o mesmo Namjoon. O Kim. O próprio. – Deu mais um gole na bebida que ainda mantinha em mãos. – Você nunca o viu pessoalmente, então não tinha como reconhecê-lo. Ele estava aqui, Hobi. Bem aqui… depois de anos.

– Você o viu? Cadê ele?

– Ele reconheceu Jin, o observava da sacada enquanto estava com o Jae. Parecia muito surpreso com a coincidência. Assim que nos vimos, ele saiu e eu fui atrás.

– Você foi atrás dele sozinho? Por isso você sumiu? Minha irmã achou que você estava fugindo dela, Wheein é uma boba mesmo. – Hobi riu. – Mas vai, me fala no que deu.

– Eu arrebentei a cara dele.

Em questão de segundos Hoseok explodiu em risadas, mas o mais velho não o culpava nenhum pouquinho. Sandeul teve mesmo coragem de fazer tudo aquilo com alguém? Aquilo tudo era raiva?

– Você? O mais sunshine do trio? – Tentava falar sem rir, mas Jung era tão escandaloso quanto os dois Lee. – Você está me dizendo que entrou em uma briga e saiu ileso? Sandeul… me dá essa garrafa aqui, é por isso que te proíbem de beber.

– Eu estava com raiva, Hobi! Você faz ideia do quão mal toda essa história fez aos meus amigos? Eu nem sei de onde tirei tanta força, mas só precisava protegê-los… – Sentou-se no sofá ali próximo, logo sendo acompanhado pelo mais novo, que o olhava agora atento e de forma zelosa. – Eu sei que não foi a melhor opção entrar numa briga, eu não sou assim, você sabe, mas tinha muita coisa guardada dentro de mim. Eu agi por impulso, mas não consigo me sentir arrependido.

– Por que você sabe ou sente que no fundo ele mereceu, Deul. A parte em você que dói é porque ele também era um amigo seu no passado, não é? Eu lembro de quando Jin me contou. Ele me disse que teve uma época que você e Namjoon eram bem próximos. – Apenas foi capaz de concordar com a cabeça as coisas que Hoseok lhe falava. – Mas e agora? O que você vai fazer?

– Eu preciso contar ao Jaehwan antes, temos que contar a Jin antes que ele descubra por si próprio ou pela boca dos outros. – Percebeu que Hoseok estava rindo novamente e o questionou. – O que foi dessa vez?

– Você não vai encontrar Jaehwan por aqui. Nem Seokjin. – Jung possuía um sorriso vitorioso no rosto e somente alguns minutos depois, Sandeul foi capaz de entender onde ele estava querendo chegar.

 

_____________

 

Um idiota. Era isso que Seokjin acreditava ser.

Cada toque que recebia de Jaehwan tornava os acontecimentos dos últimos anos mais nublados ainda. Não parava de questionar-se como foi capaz de se manter indiferente àquelas carícias nas difíceis noites em que o mais velho o fazia dormir. Porém, simplesmente agir como se seu cheiro ou temperatura não o afetava tão diretamente era algo impossível agora.

Talvez, se a cabeça do loiro que pendia para o lado enquanto arfava pesadamente não tornasse seu pescoço tão convidativo, fosse mais fácil. Ou, quem sabe, o fato de Seokjin ter seu corpo preso pelas pernas de Jaehwan após tê-lo colocado sobre a bancada da cozinha. O outro era praticamente de seu tamanho, então ficava mais alto quando sentado àquela altura, fazendo com que o mais novo tivesse que erguer sua cabeça para encarar Jaehwan.

Não que isso fosse um problema para Seokjin, afinal de contas, estava amando poder finalmente olhar Jaehwan daquele ângulo, de baixo. Alcançar sua boca dali não seria um obstáculo e assim o fez repetidamente até certificar-se que os lábios cheinhos do Lee estariam suficientemente vermelhos.

A vontade de maltratar os macios e agora avermelhados lábios com mordidas e beijos era desconhecida por Seokjin até alguns meses atrás. Havia ainda toda uma confusão a ser compreendida em sua mente e de certo não fazia ideia quando foi que isto tudo começou, já que apenas recentemente resolveu ser sincero com seus sentimentos.

Enquanto mantinha sua cabeça erguida para olhá-lo, teve a testa de Jaehwan sobre a sua, tendo as pernas do Lee o puxando mais ainda para si e seus braços se afundando sobre os largos ombros do moreno. Os olhos de Jaehwan o mantinha preso e apesar de toda intensidade que carregava e de estarem em silêncio desde que chegaram da festa, sabia que o mais velho estava inquieto por dentro.

As mãos agora percorriam delicadamente o rosto de Seokjin que, ao sentir o choque de sua pele quente com os gelados anéis de prata de Jaehwan, fazia-o estremecer. Jae apenas admirava as reações que seu carinho lhe causava através daquele simples contato e sorriu ao ver um Seokjin de olhos fechados e expressões serenas – Estava realmente entregue aos toques.

Seokjin era tão bonito. Jaehwan permitiu-se pensar enquanto ainda tateava cada extensão da face de seu velho amigo.

Como poderia um anjo daqueles causar tanta desordem em seu coração e ainda assim fazê-lo sorrir tanto? Aliás, o que estava acontecendo ali era real, não era? Jaehwan não queria perder Seokjin. Ele queria que aquele momento durasse a madrugada inteira. O que faria se amanhecesse e tudo voltasse a ser como era antes?

No final das contas, Jaehwan ainda não sentia-se cem por cento seguro de si.

– Você vai lembrar disso mais tarde? – Falou em tom baixo, quase como em um sussurro que não queria que fosse ouvido ou, quem sabe, apenas estivesse com medo da resposta que viria a seguir.

– Eu não estou bêbado, Jaehwan. – Jin respondeu com tom firme, enquanto depositava de forma terna um beijo na mão que ainda lhe acariciava o rosto.

– E o que significa ter tomado essa atitude enquanto lúcido? – Voltou a perguntar, porém, desta vez, abandonou as mãos e esfregou seus lábios sobre os do outro. Sugestivo demais.

– Tem expectativa em alguma resposta? – Tentando manter-se forte apelando para o cinismo, coisa que Seokjin dominava muito bem. Teve sua atenção de volta para os olhos, o que levou Jae sorrir de forma breve.

– Talvez, vamos ver. – Ponderou o que diria a seguir – O que você tem para mim, Dr. Kim?

A última pergunta de Jaehwan foi feita ao pé de seu ouvido e lá estava o limite que Seokjin tanto prezava indo embora. Provavelmente, um sorriso maldoso foi a última coisa que o provocador viu antes de ter seu pescoço atacado e suas coxas fartas serem bruscamente apertadas por Seokjin. Sentiu-se ruborizar até às orelhas, entretanto, ao ver as luzes da cozinha acenderem logo após deixar escapar um gemido por ter sido atacado em seu ponto fraco justamente quando estava de guarda baixa.

– Ah... Eu… Vim pra casa antes da hora? – Assim que viu o amigo, Jaehwan encolheu-se envergonhado atrás das largas costas de Seokjin que virou-se tão vermelho quanto os outros dois. – Não... por favor… ahn, continuem! Eu vou pro meu quarto, tchau!!

Sandeul saiu da cozinha correndo em direção ao segundo andar da casa e os outros dois, ainda embaraçados, permitiram-se rir ao ouvir as lamentações do amigo mesmo de longe ”Hakyeon hyung vai me matar quando descobrir que eu atrapalhei o OTP”.

– O que está fazendo, Jin? – Perguntou Jaehwan absorto ao receber um longo abraço de Jin que não soltava-o por nada.

– Só me certificando que você está como eu. – Tudo o que recebeu, no entanto, foi uma cara confusa do amigo, tendo que explicar constrangido o motivo – Seu coração. Só queria checar se estava tão acelerado quanto o meu.

Seokjin disse por fim e os dois mantiveram-se ali, enlaçados no abraço um do outro. Jaehwan percebeu, então, que talvez ele não fosse o único com inseguranças dali.

 

_____________

 

Naquela manhã, Seokjin acordou estranhamente disposto. Amava seu trabalho, aquilo não era novidade para ninguém, mas havia dormido por pouquíssimas horas. Acordar sem despertador após uma longa festa era no mínimo esquisito mesmo que tivesse bebido com moderação.

Foi ao retirar sua camisa que sentiu um cheiro adocicado familiar no tecido e cenas das últimas horas preencheram sua mente, deixando-o um tanto perplexo. Não demorou muito para que perguntas se formassem em sua cabeça e o Kim sabia bem que talvez elas demorassem a parar de atormentá-lo.

Jaehwan? Aquele Jaehwan?

Seu melhor amigo? Aquele mesmo que quando criança entrava escondido em seu quarto pela janela para dormir em sua companhia para não ter que ouvir as brigas constantes de seus pais? E também aquele que forçava um sorriso no rosto até mesmo quando caía da árvore somente para não preocupar ninguém? O pequeno astronauta que queria construir uma base na lua somente para eles dois? O caçador de besouros que o assustava com insetos? Aquele Jaehwan??

O mesmo cara que ficou ao seu lado quando ele era fraco demais para suportar a partida de um alguém que confiava e amava? Amor… O que era amor afinal de contas? Já o experimentou certa vez e não teve o melhor final. Estava tão decidido na noite anterior, aquele beijo na sacada lhe pareceu certo na hora e realmente foi, mas… por que? O que havia mudado? Desde quando desejava a Jaehwan desta maneira?

Ah, Seokjin não possuía nenhuma dessas respostas. Somente o que sabia era que precisava estar ao lado de Jaehwan. Embora não compreendesse ainda, apenas tinha a certeza de necessitar estar dentro daquele abraço mais uma vez, e mais outra, e outra, e outra e incansavelmente. Que sentimento mais inconveniente era esse que o jovem veterinário sentia.

Após o choque de realidade, aprontou-se e desceu à cozinha onde tomaria seu café junto de Jaehwan e Sandeul. Porém, ficou confuso com a forma que deveria agir quando se deparou com um loiro de cabeça baixa envergonhado sem conseguir olhá-lo na cara.

O ‘tímido’ rapaz até então não estava pronto para o trabalho e sua camisa social branca ainda encontrava-se para fora das calças e desabotoada até o terceiro botão da frente. Os fios bagunçados de sua franja caíam de forma aleatória sobre sua testa e, junto dos óculos fundos pretos de grau que usava em casa, tornavam a missão de Seokjin de “tentar agir naturalmente” totalmente falha.

Por Deus! O que Jaehwan havia feito consigo em somente uma noite? Embora se sentisse estranho há alguns meses, sempre controlou-se muito bem, mas por que agora parecia tão necessitado em voltar a marcar Jaehwan?

Você está doente, Seokjin. Doente! Apenas se concentre no seu café da manhã e não pense em bobagens.

– Ok, ouvir só os talheres é depressivo. Vocês não precisam ter vergonha, eu sei que peguei vocês numa situação digamos que… constrangedora, mas não é pra tanto.

Por um momento havia esquecido que havia uma terceira pessoa no cômodo e amaldiçoou-se pelo deslize de ter sido flagrado justamente por Sandeul. Ainda mais porque sabia que ele, junto de seus outros amigos, não perderiam a oportunidade de constrangê-los e perturbá-los.

– Sandeul, por favor, apenas… – Jae finalmente pronunciou-se. Com as bochechas vermelhas, claro. – Fique quieto. Você não viu nada.

Desde quando o desinibido e falante era tão envergonhado assim? Descobrir esse lado desconhecido por Jin lhe rendeu um sorriso contido. Mesmo conhecendo-o desde criança, o Lee sempre fora uma caixinha de surpresas. Havia muito para Seokjin descobrir desse novo Jaehwan.

Estava estranhamente empolgado, não poderia mentir.

– Esquecer? Como eu poderia? – Sandeul começou a falar levando uma colherada de cereal à boca – Vocês estavam quase se comendo no local onde eu como!! – Aumentou o tom de voz enquanto gesticulava com os braços. – Céus! Bem aqui na cozinha, no meu território! – O das bochechas cheinhas apontava a colher para Jaehwan agora. – E do que você está com tanta vergonha, Jaehwan? Até parece que é tímido desse jeito.

– SANDEUL, CALA A BOCA!

Jaehwan gritou e tudo o que Sandeul fez foi continuar a comer seu cereal com cara de deboche, o que levou Seokjin às suas típicas risadas escandalosas, chamando a atenção dos dois Lee.

O mais novo do trio levantou-se e puxou Jaehwan ainda rindo pelo braço.

– Vem, vou te ajudar a terminar de se arrumar. – Ao ver que se formava uma pequena interrogação no rosto do outro, tornou a falar. – Que foi? Sempre ajudávamos um ao outro quando crianças. Além do mais, precisamos conversar, não é?

– Os namoradinhos vão se arrumar juntinhos.

O veterinário mais velho assentiu e suspirou aliviado, talvez por poder colocar para fora o que estava lhe pesando ou simplesmente por sair daquele constrangimento. No entanto, ainda sim teve de sair arrastado por Seokjin, pois fez questão de dar o dedo do meio para Sandeul pelo último comentário.

Arrancando mais uma vez risadas do moreno, o que não era de fato uma novidade. Afinal de contas, Jaehwan estava sempre cuidando para que o sorriso de Seokjin se mantesse vivo.


Notas Finais


AAAAAAA VOCÊS PRECISAM ME DAR UM FEEDBACK OU VOU FICAR DOIDA DNV!

Aliás, se vocês gostam de KenJin, podem vir me stalkear a vontade porque eu só escrevo isso mesmo. To aqui pra isso, panfletar o OTP flop. Aproveitem e conversem comigo, eu sou carente de KenJin shippers pra sofrer.

Até o próximo cap (que eu juro que não vai demorar dessa vez, já que eu tenho uma parte dele pronta já).
Podem me perturbar no twitter @ayuseok. Bye~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...