História Work Of Destination - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), David Nolan (Príncipe Encantado), Dr. Whale (Dr. Victor Frankenstein), Emma Swan, Henry Mills, Lacey (Belle), Neal Cassidy (Baelfire), Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Roland, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Vovó (Granny), Xerife Graham Humbert (Caçador), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags David Nolan, Evil Charming, Outlawqueen, Regina Mills, Robin Hood
Exibições 59
Palavras 2.786
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oie, voltei! Atendendo os pedidos estou de volta. Era para ter postado ontem mas não conseguir mas o importante é que estou aqui❤
Ah quero saber a data do aniversário de vocês!
Obrigadas a todos os comentários e aos favoritos😍
Capítulo dedicado a Anistonrrilla(Não sei o nome verdadeiro hehe) que está ansiosa para saber mais sobre o passado de Olivia e Regina❤

Boa Leitura!

Capítulo 14 - Capítulo 14


Fanfic / Fanfiction Work Of Destination - Capítulo 14 - Capítulo 14

Quando te conheci, 
Imaginei nunca o ver partir.
Triste engano o meu
Pois, mal sabia que você não seria meu.

Deixei-me levar pelos sonhos
Sonhos de um amor impossível
Cheguei a pensar por um tempo

Que tudo poderia ser possível

Mas a realidade chegou a mim
Mostrando-me que chegaria o fim
Em meio a lágrimas, e sofrimentos.
Tristezas e arrependimentos

Aquele amor a tanto esperado
Tão querido e desejado
No tempo ficou perdido
Por ser um amor proibido.

                           Heralda Assis

 

Era noite, o céu estava estrelado com o aglomerado estrelas que iluminava o céu azul escuro, até mesmo a lua parecia dar mais brilho. Pena que o dia e a vida de alguns não era tão belo quanto o imenso céu daquela linda noite.

A voz de seu pai não lhe saia da cabeça, não queria sair, queria ter arrancado seus ouvidos e saído correndo na mesma hora que o homem de meia idade, pele clara, estatura media, e uma pose autoritária que parecia nunca sair de sua postura e semblante.

Casarás com ele, não importa o que digas essa é a minha decisão e eu dou a última ordem, não pense em cometer nenhuma de suas infantilidades, sou seu pai e você me deve respeito, estamos entendidos?

Oras Olivia não fique com essa cara de luto, é festa não um funeral, se alegre e ponha um sorriso em seu lábios, eles chegaram em poucos minutos, trate-se de melhora seu espirito de morte para vida!

Suspirou pesadamente, ao se lembra das palavras do pai, mal sabia que sim era sua morte. Estava naquela linda noite o esperando mas o mesmo não tera sinal algum, teria a abandonado? Pior ainda a deixaria se casar obrigada e ainda por cima grávida de outro? Sim grávida, diria a ele assim que se encontrasse mas o mesmo não aparecera. Era perigoso? Sim, muito, mas não se importava deis de que estivesse ao lado de seu amado e salva com sua filha. Céus se seus pais e noivo descobrisse estaria morta.

Suspirou em meio a uma lágrima solitária

-Ele não vez isso. Aconteceu alguma coisa –Disse acariciando sua barriga ainda lisa coberta pelo pano em busca de se assegura em suas próprias palavras

-Não ele não vira –Respondeu-lhe uma voz, aquela voz infelizmente, para sua própria tristeza e solidão. Assim que a mesma que até então se encontrava de cabeça baixa, a ergue fitando-o –Olivia, Oliva, não achou que poderia fugir assim de mim, achou? Ele não vira não sejas tola –Proferiu o mesmo se sentando ao seu lado em um rustico banco da praça, azul, porém enferrujado e desconfortável.

Nada foi dito pela a morena ao seu lado, sabia que era seu fim e de que adiantaria alguma palavra? Só serviria para mostra  o quão tola e patética fora. Todavia mal sabia ela que estava sendo observada a um bom tempo, o homem ao seu lado, seu noivo, estava a espreita a lhe olhar, via a melancolia e decepção arrodeado da mesma, não pode deixa de perceber quanto a mesma levou suas mãos a barriga revelando o esperado, o  que lhe causou ira mesmo já sabendo, mas controlo-se a espera da hora certa. E lá estava ele ou seu lado com as mãos sobre o bolso de sua calça social escura de porte alinhado e refinado.

-Não ira dizer nada? –Indagou, a mesma voltou a fita-lo sem transparecer qualquer emoção, embora todas estivesse a flor da pele por conta de sua gravidez, pode perceber o maxilar do mesmo travado, demostrado sua raiva –Tome isso deve esclarecer e clarear as nuvem a sua volta –Proferiu serenamente, lhe estendendo uma folha de papel amarelada porém não velha, excitou por alguns segundos mas logo tocou o papel com as mãos tremulas pelo vento frio que começava a lhe atingir, educadamente o mesmo retirou seu colocando sobre o corpo magro da mesma que nada disse e nem exitou em recusar.

Abrindo a carta pode ver a letra daquele que tanto esperava, não tinha como negar era dele

Querida Olivia, quero que sabia que o que iremos fazer é uma loucura e não irei lutar por alguém que não me pertence. Como sabes bem estou longe e assim permanecerei, não irei, não me espere, já sei o que está acontecendo, e pouco me importo, pois se é assim que o destino quis será assim que ira acontecer, meu amor está a onde teve esta, nessa praça onde tu se encontra-sse, e ficaras ai pois não tenho vontade de resgata-lo. Não mais verei seu rosto. Irei me casar, pois é assim que posso deixar meu passado e seguir para um futuro onde você não esteja. Não espere por mim, sei o que acontece e tão pouco estou arrependido de lhe deixa com ele.

As palavras do mesmo foi pior que facadas e seu coração, dizer que estava sangrando era pouco para o que estava sentido, não conseguia mais segurar suas lágrimas, e tão pouco se importava de segura-las. O que ainda havia cor ao seu redor já não havia mais dizer que havia perto e branco era mito quando só enxergava cinza.

Sentindo sua barriga se contrair sobre e o ar se tornada algo cada vez mais preciso sedeou-se a escuridão e caiu sobre o braços do homem que não parecia se importa.

Todavia mal sabia ela que já estava todo planejado, Michael iria viajar e assim foi, disse que voltaria e assim fugiriam para bem longe onde ninguém os encontrasse, mas não é assim quanto se é um peão e quem manda no jogo se chama destino, quanto ainda se viam as escondida, não demorou muito para que descobrissem e amarcem uma viaje de ultima hora para o mesmo que não pode recusar. Descobrindo também sobre a fuga o que não aconteceria.

A semana se passou e logo o dia da fuga..

Trataram logo de que chegasse aos ouvidos de Morgan a noticia do casamento de sua amada, que se encontrava grávida de seu noivo, por essa causa iriam se casar as prezas para que ninguém descobrisse. Seu mundo caiu ao ler essa infeliz notícia, tratou logo de pegar papel e tintar e começara a escrever, estava decepcionado estava pronto para voltar, mas a essa altura resolvera ficar e jurar a si mesmo que nunca mais veria ela novamente.

Os meses se passaram e o mesmo resolveu voltar e encarar a mulher que deixou um enorme buraco em seu coração. Todavia Olivia já se encontrava casada, um casamento de mentira, apenas fachada, sua colisão estava enorme revelando suas 38 semanas, poderia nascer a qualquer segundo.

O encontro fora inevitávêl, ambos odiando a presença um do outro, mas a quem queria enganar a si mesmo? De certa forma era bom ve-lo e ve-la novamente. Michael não pode disfarça sua surpresa ao fitar a ecoloção da mesma, sabia que a meses atrás estaria gravida? Sim, sabia, mas pelos seus cálculos já teria ganhado. O que não aconteceu. A mesma tentava se manter forte ao vê-lo ali em sua frente, com as mãos sobre a barriga em forma de proteção. Palavras não foram ditas e não faria sentido se fossem.

Mais uma vez o destino quisera mostra de que estava sobre controle era ele. Não demorou muito e logo Michael descobriu tota a farça, mas como com certar? Armando um plano conseguiu minutos a sós de sua amada que depois de muita relutância descobria a verdade.

Todavia não puderam ficar juntos novamente como uma família. Voltando para a casa Olivia fora pega levantada para uma cidadezinha onde fora trancafiada pelo seu próprio pai e marido. Seu pai já se encontrava nós últimos dias e mesmo naquela situação não deixara de arruína sua vida. Logo seu pai morreu em duas semanas e a mesma tera a luz no mesmo dia, a uma menina, pobre criança se não tivesse lutado com unhas e dentes não conseguiria inspirar o ar do mundo com o seus próprios pulmões.

Logo ainda fraca pelo parto conseguiu uma preja e fugira com a pequena em seus braços a deixando em segurança.

Mas até quanto?

 

-Pai –Sorriu –Como está? –Indagou sorridente

-Bem meu filho e como você está? Espero que pronto para minha noticia -Confidenciou

-Estou indo, bom então diga qual é a grande notícia? -Pergunto-lhe desconfiado

-Regina, sua mulher, ela está viva -Comunicou sem mais delongas

-Como? Isso é impossível –Disse Graham em descrença

-Acredite se quiser, mas sim ela está, e preciso que acha, não precise-se se preocupa com um homem que esta com ela agora, Marian dará um jeito dele, mas temos outro, aquele Nolan –Sotou de uma vez 

-Outro homem –Indagou irritado –Como Marian dará um jeito?

-Irei lhe contar, parece que assim como a mãe Regina tem o dom de encantar os homens a sua volta, mas não por muito tempo –Sua voz se tornara sombria e calculista

-Não pense em tocar um fio de cabelo dela –Ameaçou o mais novo

-Não se preocupe só não irei pois sei que a ama, o que é uma grande purisse, mas não o culpo infelizmente assim como o filho também se apaixonou, é a fraqueza dos Humbert –Proferiu

-Como ela está? –Indagou apreensivo

-Melhor do que você possa imagina –Lhe lançou um sorriu malicioso

 

 

 

• • •

 

 

 

-David! –Gritou Zelena indo eu sua direção

-Isso foi uma péssima ideia –Murmurou Mary ao seu lado

Antes que pode-se responde-la, a ruiva já se encontrava em sua frente

-Onde ela está? –Disparou Zelena

-Zelena você não pode espera! –Repreendeu uma voz conhecida, fazendo David se surpreender ao olhar para o casal que estava logo atrás.

-Eu não acredito –Sussurou Mary descrente fitando o casal que se aproximava

-Desculpe David, mas quanto você diz que viu minha irmã ou alguém parecida não posso deixar isso, e muito menos os meus pais, sabe que se for ela ou pelo menos alguém idética a ela nós traram um pouco de conforto ao sentisse perto dela novamente –Declarou a ruiva em busca de compreensão

-Se não for ela pode ser doloroso, não deveria ter colocado seus pais nessas, devíamos ter certa antes de mais nada –sussurou David preocupado

-O que tanto conversa? –Indagou Cora já ao lado deles

-Tem muito que nós conta David –Manifestou-se Henry –Quero saber da irmã de Regina –Declarou em um sorriso triste

-Ótimo! Sou a única que tem um pingo de juízo aqui –Sussurrou Mary para si mesma pensando alto, sem evitar de que Zelena e David a ouvisse já que estavam mais perto da morena.

Deis da licação de David, Zelena não pode evitar e contou o que sabia para seus pais, queriam lhe dar esperança, afinal as coisas já não era como antes, se passaram 4 anos deis que Regina se fora, mas agora poderia ter a esperança que tudo não passou de uma terrível confusão onde a mesma estava viva, mas porque não os procurou? Talvez não fosse ela e sim a irmã dela como Henry pensara afinal já havia aceitado a morte da filha e sabia que nunca mais a veria, pelo menos agora poderia ver alguém semelhante a ela. Em busca de talvez amenizar a dor de não pode ver mais sua filha amada.

No caminho todo David falara do encontro com a mesma sem deixar nem um detalher falar e todos pareciam atentos a cada palavra, até mesmo Mary que pareceu magoada ao notar que David ainda nutria sentimentos por Regina, e que mesmo depois dos anos seus sonhos brilhava ao falar da mesma, mesmo talvez sendo apenas uma desconhecida com a cara da mesma. Todavia David não falou do beijo que roubou da mesma, era algo que não precisava ser dito. Falara de Robin seu amigo e que era a pessoa que estava com ela.

Tudo indicava que era apenas uma pessoa semelhante e que era loucura está ali para importuna a vida daquela mulher apenas pela necessidade da ilusão de fitar a filha e irmã de novo. Mas algo gritava no interior de Zelena e David de que era sim Regina, mesmo Zelena nunca te-la visto.

Ao Terminar tudo infelizmente Henry não aguentou as informações e pela pequena viagem não recomentada pelo médico, tiveram que leva-lo as prezas a unidade mais próxima. Novamente o destino estava mostrando que era ele no controle.

Entraram no pronto socorro do Miami Medical. Logo fora atentido por uma recidente já que os médicos estavam todos ocupados. Hospitalizaram o mesmo que se encontrava num dos quartos, não estava sozinho no quarto havia outra cama com outro homem nela.

Logo um médico apareceu, de aparência jovem, alto loiro que possuía um crachá com o nome Dr.Deleo. Lhe examinou e para sua infelicidade teria que ficar em repouso e de observação.

-Somos dois –Declarou Morgan do outro lado

-Pois é, quando ficamos velho não tem por onde correr –Brincou fazendo Morgan dar um discreto sorriso em concordância

-Prazer Michael Morgan –Fez um discreto movimento com a cabeça

 

 

 

 

• • •

 

 

 

-Até que fim apareceu a margarita –Debochou Serena ao dar de cara com a amiga no festiario , recebendo um revirar de olhos amedoas –O que é isso no seu dedo? –Indagou se aproximando da mesma vigindo não saber de nada. O que era minto já que fora Robin que lhe procurou pedindo ajudar para liberarem o quarto que a morena havia ficado

-Estou sem tempo no momento para responde suas perguntas, preciso ver como Morgan está –Declarou

-Ah mas não senhora, quero saber de tudo –Disse séria –Mas por hora depois do expediente –cedeu sabendo que a morena não diria nada a ter ver o paciente favorito dela e detestado de todos.

Eva(Regina) se retirou indo em direção ao corredor. Parando no quarto 181.

-Veja se não é a pessoa que sumiu nesses dois dias –Brincou Morgan em um sorriso alegre por ver a morena a sua frente

-Toda médica merecer alguns dias de descanso –Retrucou em divertimento –Como se sente? –Indagou agora séria

-O que é isso no seu dedo? –Perguntou apontando para a joia em seu dedo anular

-Um anel de noivado –Deu de ombros -Mas agora você não me respondeu –Adivertiu

-Como acha que estou nesse quarto parado sem pode fazer nada –Reclamou em um revirar de olhos –Agora quero saber mais sobre esse anel ai, o nome dele é Robin certo? –Indagou sério

-Sim é –Não pode evitar de sorrir pela atitude do mesmo, estava fazendo papel de pai, o que ela não tinha, ou pelo menos não sabia se tinha –Parece que tem outro paciente aqui –Proferiu fitando a cama do outro lado

-Sim foi fazer aqueles exames chatos que vocês nós obriga –Vez um careta brincalhona recebendo uma gargalhada da mesma

-Certo –Riu –Bom vou indo tenho outros paciente, fiquei dois dias fora tenho que compensar –Suspirou, por mais que amara esses dois dias ou lado de Robin, ainda sim era seu emprego e não era do tipo que faltava ou tirava dias para si mesma, mas estava precisando e havia valido apena.

  O mesmo assentiu com a cabeça, e logo ela se retirou, andando pelos corredores novamente. Adenteu a todos os seus pacientes e mais alguns que chegara, o hospital estava tranquilo e por assim resolveu descansa um pouco até aparecer outro pessoa precisando de ajuda. Ficou um tempo mexendo no celular vendo as fotos que tirara com Robin e Roland, sorriu eles lhe trazia confiança e era tudo que mais precisava de um porto para se abriga. Logo recebera uma mensagem do mesmo

 Irei lhe buscar quando seu expediente acabar, como está indo as coisas por ai? Corrido? 

Respondeu o mesmo e decidiu ir ao centro de informações conversa com Lindsay e até mesmo dar uma ajuda nas fichas dos pacientes e familiares. A mesma conversava com uma moça parecia lhe passar informações sobre algum paciente. Seus cabelos era ruivos caindo delicadamente sobre suas costa os cachos bem precisos, era alta, pele clara, usava um vestido de manga comprida verde, uma bota preta que parava antes do joelho, estava de costa quando se virou e pode olhar os azuis espantados da mesma que consequentemente deixou o copo que estava em sua mão cair indo ao chão e derramando todo o liquido quente.

-Você está bem? –Indagou Eva(Regina) se aproximando da mesma que agora ganhara pelideis em sua pele.

Mas assim que a mesma se aproximou Zelena não aguentou e desmanho na mesma hora falecendo nós braços da morena que conseguiu lhe segura com certa dificuldade. Rapidamente um residente apareceu e lhe ajudou levanto a ruiva para um dos quartos onde Eva(Regina) lhe examinou. E agora esperava a mesma acorda.

Novamente as peças do xadrez estavam se movimentando rumo um ao outro, ambos que se encontrava distantes o destino quisera brincar lhes aproximando novamente.

(...)

 

 


Notas Finais


Gostaram? Espero que sim!
Estou amando o comentário de vocês <3
Desculpem os erros irei arrumar❤
Bjs e até o próximo capítulo..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...