História World of Dreams ... or No - Capítulo 13


Escrita por: ~ e ~Fujoshitty

Postado
Categorias Originais
Exibições 17
Palavras 1.450
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oe gente, é então, desculpem a demora :'v
MAS CALMA
O PRÓXIMO CAPITULO JA TA ADIANTADO
Então n vai demorar tanto pra postar e eu ja estou escrevendo o 15
Yay ❤
Agora coisas q preciso q vocês saibam:

1. Tenho uma co-autora
2. Vcs vão ter uma surpresa ao longo dos caps huhu~
3. A fanfic sera dividida em arcos, não irei dizer quais são para n perder a surpresa da história
4. Alguns personagens irão voltar e outros aparecer~
5. Tive que acrescentar algumas coisas nos avisos da histórias como "Linguagem Imprópria" e "Estupro" pois isso será importante para a fic
6. Recomendo que leiam esse capitulo ouvindo Talk Me Down do Troye Sivan ❤
Bom, boa leitura ❤

Capítulo 13 - Brigas familiares


Fanfic / Fanfiction World of Dreams ... or No - Capítulo 13 - Brigas familiares

Leiam as notas inciais pessoal, é importante~

 

Pov James.

 

 Estou super nervoso, eu vou presentar Caio como meu namorado aos meus pais e bem, eu sei que a reação não seria nem um pouco boa.

 

– James? Você tem certeza que quer fazer isso? Sabe que eu não me importo não é?

– Eu sei bem coelhinho - Dei um beijo em seus cabelos louros - Mas quero fazer isso.

– Tudo bem - Caio sorriu e apertou minha mão.

 

 Nós andavamos de mãos dadas enquanto passavamos na frente de um parque onde várias crianças brincavam, vários casais estavam ali.

 Fiquei imaginando eu, Caio e uma criança, sorri e apertei a mão do mesmo involuntariamente.

 

– No que esta pensando que está tão sorridente? - O menor me perguntou e sorri para ele.

– Em uma família com você.

– S-Sério? Quer formar uma família?

– Por que eu não iria querer?

 

 Caio apenas sorriu e nós continuamos andando e olhando a paisagem, logo chegamos a frente da minha casa, larguei a mão de Caio para pegar a chave e destrancar a porta.

 Meus pais estavam na sala, sorri pra eles e acenei subindo para o quarto, eles conheciam Caio apenas como meu amigo.

 Assim que eu e o loiro chegamos ao cômodo ele me encarou com preocupação.

 

– O que você acha que vai acontecer se eles não aceitarem? Você vai realmente fazer isso?

– Bom o máximo que eles vão fazer é me deixar de castigo por um bom tempo, e sim eu vou - Dei um beijo na bochecha de Caio e depois um em sua testa - Não se preocupe, se quiser pode ficar aqui.

– Não, eu vou com você.

 

 

 Assenti e sorri o dando um beijo calmo colocando as mãos em seu rosto, sorri e me afastei e sussurrei um "vamos".

 Desci junto do loirinho e cheguei perto de meus pais, respirei fundo e contei mentalmente até 10.

 

– Pai, mãe preciso falar com vocês.

– Claro querido, o que foi? - Minha mãe marcou o livro que lia e fechou deixando-o em cima da mesa de centro.

– Bom, eu estou namorando - Dei um sorriso e desviei os olhos para Caio que sorria também, mas voltei a prestar atenção aos meus pais.

– Isso é otimo filho, quem é a garota? Nós conhecemos? - Meu pai veio sorrindo até mim e me abraçou.

– B-Bom...

 

 Suspirei e fechei os olhos os encarando, suas expressões estavam confusas.

 

– Não é uma garota, é-é o Caio - Dei um sorriso que logo se desmanchou ao ver a expressão do meu pai.

– É o quê?  - O homem a minha frente tinha fúria em seus olhos, eu tentei falar algo, todavia as palavras não saiam - Eu não criei o meu filho pra ser uma bicha!

 

 O mesmo levantou a mão e me deu um soco no rosto, olhei minha mãe que chorava e sussurrava coisas como "Por que comigo?" "Onde foi que eu errei?", senti meus olhos lacrimejarem e um puxão de cabelo fazendo-me olhar para cima.

 

– Me olha nos olhos quando eu falar com você - Antônio dizia enquanto me encarava com ódio - Eu só vou dizer uma coisa, pegue suas coisas e vá embora.

– M-Mas pai...

– EU NÃO SOU SEU PAI! - Senti mais um soco e ouvi Caio gritar.

– POR FAVOR PARA COM ISSO! - O loiro agarrou o braço do meu pai e logo vi ele ser jogado no chão, seu rosto tinha uma marca vermelha.

– CAIO! - Gritei tentando me soltar do homem que ainda agarrava meu cabelo, dei uma cotovelada na boca de seu estomago e o mesmo me soltou colocando as mãos na barriga.

 

 Corri até o loiro jogado no chão e o abracei com força, passei o dedo onde meu "pai" havia batido e depositei um leve beijo no local.

 

– Calma meu anjinho, vai ficar tudo bem, seja forte ok?

– O-Ok - Caio tentou sorrir, porém o machucado em seu rosto não permitia

 

 Senti uma raiva avalassadora me possuir, virei para Antônio e parti para cima dele socando seu rosto.

 

– Nunca mais está ouvindo? Nunca mais encoste um dedo se quer no meu namorado.

– Mas não passa de um viadinho mesmo - O moreno mais velho cuspiu no meu rosto e dei um chute em sua canela o fazendo se curvar me dando a chance de dar uma cotovelada em suas costas.

 

 

 O velho homem estava caído do chão enquanto minha mãe chorava, cheguei perto dela e me ajoelhei na sua frente.

 

– Mãe, por favor não ch... - Não terminei a frase e levei um tapa na cara, cai sentado para trás com o rosto virado para o lado.

– Vai embora sua aberração feita por Lúcifer, eu nunca mais quero ver a sua cara! - Ela cuspia essas palavras, abaixei a cabeça e subi as escadas, logo o menor veio atrás de mim.

 

 Sentei em minha cama e comecei a chorar, Caio me abracou sem dizer nada, ficamos assim por alguns minutos até que eu me acalmasse, peguei minha mala de viagem que estava em cima do armário e comecei a colocar minhas roupas ali.

 Calças, blusas, jaquetas, cuecas, meias, pertences pessoais, coisas de higiene, minhas fotos com meus amigos, peguei minha mochila e coloquei oque faltava junto de meu material, Caio levou a mala de rodinhas e eu a mochila.

 Dei uma última olhada na minha antiga casa e saí porta a fora, senti uma pequena e quente mãozinha se entrelaçar com a minha, mesmo com todo o caos que estava acontecendo em minha vida, eu sabia que enquanto Caio estivesse ao meu lado, sempre teria um jeito de continuar, sorri e apertei a mesma e fomos caminhando até sua casa.

 

 

 Víamos as pessoas passarem na rua, eu e o loiro cantarolavamos uma melodia divertida enquanto sorrimos, paramos para olhar as crianças brincando no parquinho, porém não ficamos muito ali pois começava a escurecer.

 Chegamos a casa do loiro e nós levamos minhas malas para seu quarto, seus pais já sabiam de nós dois.

 Colocamos tudo e nos sentamos na cama, Caio pegou minhas mãos e olhou nos meus olhos.

 

– James, eu sou seu namorado e eu preciso que confie em mim, certo? - Apenas assenti e ele sorriu - Eu vou tentar convencer meus pais a te deixar morar conosco.

– M-Mas Ca...

– Nada de mas! Vai morar aqui e pronto, eueim - O menor bufou e foi me puxando até a sala, sorri, é eu realmente era um homem de sorte por teu Caio ao meu lado.

 

 Sua mãe estava tirando algo do forno, pelo cheiro era bolo de cenoura, sorri o loiro apontou para que eu me sentasse no sofá.

 

 Pov Caio.

 

 

 Fui até a cozinha e sorri, cheguei perto de minha mãe e lhe dei um beijo na bochecha.

 

– Mãe, preciso falar com você.

– Claro querido, só me deixe colocar isto numa bandeja para que esfrie.

 

 Assenti e fui para a sala, sentei ao lado de James, assim que minha mãe chegou a sala a mesma se sentou na poltrona de frente para nós, cruzou as pernas e arqueou uma sobrancelha, olhei o moreno e ele sorriu assentindo.

 

– Mãe, então eu gostaria de lhe pedir uma coisa.

– Fala logo Caio, para de enrolação criança.

– Eu queria pedir se o James pode morar conosco a partir de hoje - Olhei para a mulher de cabelos pretos com alguns fios brancos aparecendo e olhos castanhos vibrantes, em seu olhar dizia "quero uma explicação" - Bom, é que o James teve uma briga com os pais dele, o expulsaram de casa por ser, bem você sabe, gay e eu queria que ele morasse aqui já que ele é meu namorado.

– Oh querido - Minha mãe foi até James o abraçando e sorrindo - É claro que pode ficar aqui, o tempo que quiser e que for necessário, estaremos de braços abertos pra você.

– Muito obrigado mãe! - Sorri e dei um abraço na mulher que retribuiu no mesmo momento.

– Não há de quer meu anjo, agora vão tomar um banho para comermos bolo de cenoura e tomar um suco!

 

 Demos risada e fomos para meu quarto, minha bochecha ainda doía um pouco por conta do soco que levei mais cedo, entretanto está bem melhor.

 Peguei uma roupa leve e fui para o banheiro, tomei um banho rápido e o moreno fez o mesmo, enquanto James estava no banho eu decidi, contaria para ele sobre minha infância.

 

– Caio? Está ai? - Pisquei os olhos e o maior riu, me deu um beijo na testa e nós descemos.

 

Ficamos boa parte da tarde vendo filme e comendo bolo com suco, rimos bastante e quando eram 21h, eu e James fomos para meu quarto, agora era a hora.

 Iria contar meu maior segredo.


Notas Finais


Eai oq acharam? Tenso? Pois bem, a trata n para por aqui gente~
Bpm até o proximo cap
Mamãe ama vc
Um beijo pros mano, pras mina e pras mona~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...