História World of Dreams ... or No - Capítulo 14


Escrita por: ~ e ~Fujoshitty

Postado
Categorias Originais
Exibições 20
Palavras 1.172
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


OLHA QUEM TA ATUALIZANDO RÁPIDO?
Isso mesmo, eu
Milagre
Sangue de jesus tem poder nénom?
Bom
Pra esse cap recomendo q ouçam
Perfectionist Complex da Megurine Luka

Agora, à fic /o/

Capítulo 14 - Os sorrisos mais bonitos vem dos que mais sofreram


Pov Caio.

 

 Assim que James saiu do banho, o olhei um pouco sério, eu estava com medo, tenso, nervoso e ansioso, era uma mistura de sentimentos que estava mexendo com meu psicologico.

 

 

– James, preciso te contar uma coisa.

– O que foi meu amor?

– Eu acho que tenho que te contar isso, mas tem que me prometer que vai guardar segredo ok?

– Tudo bem.

– Eu vou te contar como foi minha infância, porque bem, da pra perceber que meus pais não são biológicos, tudo começou...

 

Flashback – Infância do Caio - 5 anos.

 

 

 Estava brincando no quintal de casa, meus pais haviam saído para trabalhar como sempre e eu ficava sozinho em casa, eu havia voltado da a pouco tempo, tia Joana havia me buscado e eu estava brincando no quintal quando passaram alguns garotos na rua, deviam ter aproximadamente uns quatorze anos.

 Um era moreno de olhos verdes, o outro era loiro e tinha os olhos castanhos e por último um garoto de cabelo pintado de roxo com as pontas pretas, seus olhos eram de um belo azul mar.

 Sorri e fiquei os observando, eram tão lindos! Queria ser belo assim como eles, logo ouvi meu nome ser chamado e fui para dentro de casa, tia Joana estava me chamando para comer.

 

– Querido, vá lavar as mãos para comer.

– Ok tia!

 

 Sorri e corri para o banheiro, lavei minhas mãos e as sequei com cuidado voltando para a cozinha, sentei-me na cadeira pegando a colher e começando a comer.

 

– Tia Joana! Tia Joana!

– Oi Caio querido, o que foi?

– Eu vi uns garotos muito bonitos passando! eles eram muito lindos mesmo! Eu posso ser como eles tia Joana?

– É claro que pode meu anjo, você pode ser o que quiser!.

 

 

••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

 

Flashback - Infância do Caio - 10 anos.

 

 Eu estava observando os garotos da janela do meu quarto, eu já tinha plena noção que eu gostava de garotos, logo ouvi a porta do meu quarto ser aberta, minha mãe entrou e sentou-se na minha cama sorrindo.

 

– Tudo bem querido?

– Sim mamãe!

– O que esta fazendo?

– Observando os garotos jogarem - Sorri inocentemente.

– Ah... Entendi, bom se precisar de algo eu e seu pai estaremos na sala ok? Te amo vida - Ela me deu um beijo na testa e um abraço, logo se retirou do quarto e fechou a porta.

 

 

 Me deitei na cama e fiquei pensando no garoto da casa da frente, sorri bobo e coloquei as mãos no rosto, me levantei pronto para contar que estava gostando do garoto da casa da frente aos meus pais, porém parei e me escondi ouvindo os gritos dos meus pais lá de baixo.

 

– EU NÃO QUERO UM FILHO VIADO! NÃO CRIEI AQUELE GAROTO PRA DAR A BUNDA!

– Se acalma Jennet! Caio vai ouvir!

– Quero que aquele garoto vá a merda, eu não quero aquele demônio na minha casa manchando a minha imagem!

– Isso é só uma fase, vai passar Jennet.

– Não me importo, eu quero aquela coisa bem longe de mim!

– Tudo bem, amanhã o....

 

 

 Não fiquei pra ouvir o resto, apesar de não ter entendido muita coisa do que eles falavam sabia que falavam de mim, e não era coisa boa.

 Fechei a porta do meu quarto silenciosamente e chorei, chorei por ser diferente, chorei pelos meus pais não me amarem e chorei pelo futuro, chorei até que eu pegasse no sono.

 

 Assim que acordei, eu não estava em minha cama macia com meus lençóis quentinhos, era uma cama dura, fazia barulho como se fosse despencar a qualquer momento e era gelada.
 Despertei num pulo e olhei para os lados, havia gritaria e varias crianças e adolescentes correndo e brincando, fiquei assustado e me encolhi colocando a mão sobre os ouvidos.


 

– Eu quero ir embora daqui! - Sussurrei para mim mesmo, finas lágrimas escorriam pelas minhas bochechas, mas ninguém parecia perceber. 

 

 

 

••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

 

 

 Flashback - Infância do Caio - 11 anos.

 

 Já fazia um ano em que eu estava nesse orfanato, eu ia à escola, era bem tratado por todos os funcionários, mas as outras crianças e adolescentes que moram aqui não são nem um pouco gentis comigo, elas me xingam e asvezes me batem.

 Eu não tenho nenhum amigo, todos me odeiam por ser diferente, mas eu não havia feito nada para eles/, então por que faziam isso?

 A vida é tão injusta com algumas pessoas.

 Mas é isso que é viver não é? É machucar e ser machucado, é isso que a sociedade ensina as crianças.

 

– Olha só, a bicha ta pensativa hoje - Riram alguns garotos mais velhos, eu não fiz questão de decorar seus nomes.

– Deve tá' se lamentando porque não deu a bunda hoje - O mais velho disse e todos riram enquanto me empurravam no chão, me encolhi e coloquei às mãos sobre o rosto e a barriga.

 

 

 Eles riam e me chutavam, tudo que eu conseguia fazer era chorar e gemer baixinho de dor.

 

 

– Acho que já tá bom, e se você falar algo pra alguém a gente da um jeito de te por na rua ouviu?

 

 Apenas assenti e eles sorriram indo embora dando gargalhadas.

 Chorei baixinho encolhido ali no chão, cheio de machucados e com dor, chorei minhas mágoas, raivas e tudo que havia dentro de mim naquele um ano.

 Acabei adormecendo no chão gelado do quarto.

 

 

 

••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

 

 

Flashback – Infância do Caio - 12 anos.

 

 

 

 Eu já estou aqui à dois anos, dois malditos anos e nunca falei com ninguém, só se fosse extremamente necessário.

 Era uma segunda feira ensolarada, 14h47min e eu estava brincando com meu travesseiro quando uma das moças que fica na recepção me chamou dizendo para que eu pegasse todas as minhas coisas.

 Estranhei, porém segui o que fôra dito e arrumei minhas coisas levando-as para fora, havia um casal ali, não eram velhos, mas também não eram jovens.

 Sorri e fui até o lado da inspetora.

 

– Bom Caio, estes são Rosa e Oliver Victoriano, os mesmo te adotaram, são sua família.

– Olá Caio, seja bem vindo a família querido - Rosa disse abrindo os braços, o loiro começou a lacrimejar e as lágrimas escorreram por seu rosto enquanto abraçava sua mãe e depois abraçou seu pai.

 

 

 Fim do flashback.

 

 

– Nossa... - James tinha os olhos arregalados e a boca estava aberta, ele me olhou e me abraçou fortemente - Me desculpe.

– Amor, não tinha como você saber, está tudo bem, só você sabe dessa história por completo e meus pais claro.

– Mas você esta melhor não é? Eu não quero te ver triste - O moreno me olhava nos olhos, sorri e acariciei seu rosto.

– Sim, estou melhor, eu sempre vou estar enquanto te tiver ao meu lado.

 

 

 James sorriu e me deu um beijo rápido e depois me abraçou possessivamente, ri e dei um beijo em sua bochecha e demos um "beijo de esquimó", demos risada e depois trocamos alguns selinhos.

 

– Eu te amo loirinho - James disse me dando um beijo na testa.

– Eu também te amo bobo - Sorri e dei um beijo em sua bochecha.


Notas Finais


E AI
OQ ACHARAM?
Fodi com os sentimentos de vcs?
Digam pra mim, podem me xingar ou me ameaçar de morte dmdbdmsbks
Até o próximo capítulo~
Mamãe ama vcs
E um beijo pros mano, pras mina e pras mona~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...