História Writer - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hailey Rhode Baldwin, Justin Bieber
Personagens Hailey Baldwin, Justin Bieber
Visualizações 36
Palavras 3.575
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 15 - 15


- Gabby! – os pais dela gritaram e eu fechei minhas mãos em punhos olhando minha mãe que assentiu me liberando um soco.

- Ele é o Justin Bieber galera.

- Um beijo na bochecha, claro que pode, o resto só a minha namorada pode. – Justin falou estendendo a mão e ela apertou a mão dele.

Logo em seguida ela pulou nele o abraçando forte e Justin ficou sem ação. Puxei ela pela cintura a afastando dele.

- Fica longe dele Gabby ou você vai conhecer um lado meu que não é tão legal. – sussurrei enquanto abraçava-a e lhe dei um beijo no rosto.

- Já entendi. – ergueu os braços e se afastou.

Justin sentou em uma cadeira e eu me sentei no colo dele.

A gente comeu e ficamos conversando entre nós dois por um tempo.

- Vamos dar uma voltar por aí, fazer uma trilha e ver o pôr do sol? – Justin sussurrou no meu ouvido e beijou meu pescoço.

- Vamos. – dei um selinho ele.

Coloquei o short, meus tênis e a camiseta do Justin .

- Vamos dar uma volta. – avisei.

- Nós vamos também. – Gabby levantou arrastando James que puxou Nori.

- Deixa os dois. – Nori falou tentando amenizar as coisas.

- Não Nori, vocês podem ir, não tem problema. – incentivei e entrelacei minhas mãos nas do Justin saindo dali.

- Vocês estão juntos há quanto tempo? – Gabby parou ao meu lado.

- Oficialmente na quarta dia 18. – Justin respondeu.

- Sinto muito pelo Cameron Lexi, ele deu muito em cima de mim, sabia que ele não prestava. – Justin apertou minha mão e eu ri de ódio.

- Relaxa Gabby, eu estou com alguém muito melhor agora que me ama de verdade e não vai dar em cima de você nem mesmo se você se oferecer para ele.

- Uou. – James gritou e eu ri – Isso mesmo Lexi coloca essa no lugar dela. – todos nós rimos e ela olhou indignada para o irmão – Melhor você ficar na sua e bem longe do namorado dela.

- O Justin é meu ídolo, eu sou uma Belieber. – James riu forçado.

- Nunca te vi ouvir uma música dele, só ouço você dizer como ele é gostoso. Já que você é tão fã canta uma música para a gente... – incentivou e ela se calou.

- Who's gonna make you fall in love

I know you got your wall wrapped on

All the way around your heart

You're not gon' be scared at all, oh my love

But you can't fly unless it lets ya

You can't fly unless it lets yourself fall. – cantei fazendo Justin me olhar e me dar um selinho.

- Você canta bem priminha. – Gabby falou com ironia.

- Obrigada priminha, essa é Fall, você pelo menos já sabe o nome de uma música dele agora.

- Obrigada. – sorriu para mim.

Andamos por mais ou menos uma hora chegando a um penhasco lindo e nos santamos com as pernas suspensas olhando o pôr do sol.

Nori tirou uma foto de nós todos juntos e eu fiz um bico engraçado apontando para o céu.

- Lexi? – Justin me chamou e eu olhei para ele – Me dá um beijo? – ri assentindo e colei nossos lábios lhe dando vários selinhos sem afastar nossos lábios.

- O que houve? – perguntei olhando nos olhos dele.

- Nada. Te amo. – me deu outro selinho e se levantou me puxando junto.

- Te amo. – falei pulando nas costas dele – Vamos antes que fique muito escuro e não vamos achar o caminho de volta.

- Na descida todo santo ajuda. – Justin começou a descer correndo e eu me agarrei nele.

- Para que a gente vai cair. – ele dimunuiu.

Não demorou muito como na subida e logo estavámos de volta ao acampamento.

- Como foi o passeio? – minha avó me abraçou.

- Foi legal vovó. – ela beijou minha testa – Melhor você conversar com a Gabby e mandar ela ficar longe do Justin ou eu vou perder a minha classe. – ela riu.

- Vou conversar, não se preocupe. – assenti – Gabby?

- Oi vó. – se aproximou e eu me afastei indo para perto do Justin.

- Os homens vão buscar lenha para uma fogueira e as garotas vão cuidar do jantar. – meu pai avisou.

- Melhor a Lexi pegar lenha e o Justin cozinhar. – rimos.

- Tipo isso. – concordei.

Justin me deu um beijo e sumiu no meio no mato com o resto dos homens da minha família.

- Vocês sabem que o Cameron traiu a Alexis com a Selena Gomez não é?! Eles estão namorando. – olhei para a minha avó e continuei a cortar o que ela me pediu.

- Nossa Gabby você está lendo e assistindo programas de fofocas como todos aqui. – Kayla me defendeu.

- Nunca imaginei que a minha prima fosse ficar famosa e namorar Justin Bieber.

- Desculpa Gabby, mas o que eu menos quero falar é sobre a minha vida nesse momento, eu quero relaxar, só isso.

- Você não está feliz com o Justin é isso? – destilou seu veneno.

- Nós estamos muito felizes, nós nos amamos, mas levamos uma vida conturbada e nesses momentos nós queremos descansar a mente e só pensar nos problemas quando voltarmos para eles.

- Chega de falar Gabby! – Nori mandou e eu ri.

- Nori! – minha mãe a repreendeu.

- Ela fica dando em cima do namorado da minha irmã, falando mal dela e ainda tentando fazer ela brigar com o Justin gritando essas coisas, ele está bem ali e ouvindo tudo. Só que a Alexis ama o Justin e nada que essa vaca venenosa faça vai mudar isso e você não vai ter nada com ele Gabby, se conforme.

- Meu Deus! – Kayla falou e eu olhei chocada para Nori.

- Você está de castigo Nori! – minha mãe falou.

- Por falar a verdade? – perguntei indignada.

- Cala a boca Alexis!

- Calma Carin. – minha avó tentou amenizar as coisas.

- Eu vou te dar o último aviso para você não reclamar depois, fique longe do Justin e que você coloque bem isso na cabeça da sua filha Kayla, porque eu não sou idiota e vocês nem imaginam o que eu fiz com a cara da Selena Gomez e você por ser da família vai ser ainda pior.

- Alexis! – minha mãe gritou.

- Você não pode mais me deixar de castigo mamãe eu me sustento e moro sozinha.

- O que está acontecendo com essas garotas? – Kayla perguntou – Uma ameaçadora e outra lésbica, Deus abençoe vocês. – eu e Nori gargalhamos junto com a minha avó.

- Meu Deus, sabemos de quem Gabby puxou tudo isso. – completei.

- Não fale das minhas filhas ou eu vou perder a minha classe. – minha mãe defendeu.

- Chega gente! – falei rindo.

Terminamos de colocar os marshmallows nos espetos e minha avó fez chocolate quente do jeito que só ela me fazia tomar leite e colocamos tudo na mesa improvisada.

Dei um copo ao Justin e ele me deu uma blusa de frio dele por ter esfriado bastante. Eles arrumaram uns troncos em volta do fogo e eu me sentei no colo de Justin como sempre.

- Acho que você comeu muito amor, está ficando mais pesada. – me levantou pela bunda e arrumou as pernas.

- Quer que eu sente no banco? – negou e encostou a cabeça no meu peito.

- Daqui a pouco vamos começar as esquentar a água e vocês tomam banho lá nas árvores, vai um casal por vez, depois eu ajudo quem sobrar. – minha avó avisou e assentimos.

- Mais tarde fazemos uma roda de música, eu trouxe o violão. – Justin deu a ideia.

- Faz tempo que não vejo a Lexi cantar. – meu pai sorriu e eu retribui.

- Ela cantou esses dias filho, eu fiquei ouvindo do quarto. – meu avô falou.

Eles estavam bem pelo jeito, porque meu avô não saiu de perto dos filhos.

- Está com fome? – perguntei e ele negou comendo o sétimos marshmallow – Vou sentir a sua falta. – coloquei minha boca no pescoço dele.

- Vamos dar um jeito amor.

[...]

- Não tira a lanterna. – Justin falou e eu ri.

Ele estava com o cabelo cheio de shampoo e se lavava o corpo rapidamente. Joguei água quente na cabeça dele e o ajudei a tirar o shampoo enquanto ele se lavava depois ele enxaguou o corpo.

Ele se secou rapidamente, prendeu a toalha na cintura, tirou a cueca por debaixo da mesma, colocou uma cueca seca, passou desodorante, vestiu uma calça de moletom cinza, uma blusa de manga comprida branca, colocou um colete quente vermelho, colocou meias, tênis se apoiando em mim e finalizou com uma toca preta, tinha esfriado muito e as árvores não ajudavam.

- Vai amor rapidinho está ficando cada vez mais frio, deveríamos termos sido os primeiros a tomar banho não os últimos. – assenti tirando a roupa e ficando só de biquíni.

- Meu cabelo está duro. – falei enquanto Justin jogava água na minha cabeça tomando cuidado de não se molhar – Acho que vou ficar mais loira. – falei passando shampoo.

- Para mim está linda assim. – ri e dei um selinho nele.

Tomei banho super rápido por estar tremendo de frio e me sequei com a toalha do Justin mesmo. Tirei o biquíni com a toalha enrolada no corpo e ele guardou em um saquinho junto com a roupa dele. Prendi o sutiã com a maior dificuldade do mundo, coloquei a calcinha e dei a toalha a Justin, coloquei uma calça legging preta, meias, ugg com pelinhos em volta do cano, uma blusa branca de manga comprida e uma blusa de frio meio cinza com uma aplicação dourada só na frente.

- Nossa amor tem um gambá marrom na sua bota. – gargalhei.

- Idiota! – riu e me deu um selinho.

Recolhi toda aquela bagunça e joguei o resto da água fora voltando para o acampamento.

- Gente que frio. – falei depois que guardei tudo na barraca e me sentei ao lado de Justin na fogueira – Aquela barraca está uma zona sua, antes de dormir a gente vai arrumar. – ele riu assentindo.

- Porque você é tão organizada? – perguntou.

- Bagunça me irrita.

- E essa cantoria saí ou não? – meu avô perguntou e eu assenti.

Justin pegou o violão e eu mostrei para ele as notas que queria que ele tocasse.

- Eu levei ela pra sair, era uma sexta-feira a noite

Eu usava perfume pra entrar no clima

Começamos os amassos, e ela tirou minha calça

Mas então eu liguei a TV


 

Foi aí que ela foi embora

Ninguém gosta de você quando você tem 23 anos

E ainda está mais interessado nos programas de TV

O que diabos é ADD (déficit de desvio de atenção) ?

Meus amigos dizem

que eu devia agir de acordo com a minha idade

Qual é minha idade mesmo?

Qual é minha idade mesmo?


 

Mais tarde, voltando pra casa

Liguei pra mãe dela de um orelhão

Disse que era a polícia

E que o marido dela estava na cadeia

E que esse estado não aceitava sodomia


 

Foi aí que a vaca desligou na minha cara

Ninguém gosta de você quando você tem 23 anos

E está mais interessado em passar trotes

que diabos é identificador de chamadas?

Meus amigos dizem

que eu devia agir de acordo com a minha idade

Qual é minha idade mesmo?

Qual é minha idade mesmo?


 

E foi aí que ela foi embora

Ninguém gosta de você quando você tem 23 anos

E ainda age como se estivesse no primeiro ano

que diabos está errado comigo?

Meus amigos dizem

que eu devia agir de acordo com a minha idade

Qual é minha idade mesmo?

Qual é minha idade mesmo?


 

E foi aí que ela terminou comigo

Ninguém deveria se levar tão a sério

Com tantos anos para ir e entrar na linha

Por que você desejaria isso pra mim?

Eu nunca quero agir de acordo com a minha idade

Qual é minha idade mesmo?

Qual é minha idade mesmo?


 

Qual é minha idade mesmo? – terminei de cantar e todos bateram palmas.

- Minha preferida do Blink 182. – meu pai falou e eu assenti sorrindo.

- Você canta uma agora Justin. – assentiu.

- Eu tenho andado por aí

Sempre menosprezando tudo que vejo

Faces pintadas, preenchendo lugares que não alcanço


 

Você sabe que eu preciso de alguém

Você sabe que eu preciso de alguém


 

Alguém como você, tudo que você sabe, como você fala

Amantes incontáveis disfarçados nas ruas


 

Você sabe que eu preciso de alguém

Você sabe que eu preciso de alguém

Alguém como você


 

Saio andando pela noite, enquanto você vive, eu vou dormir

Começando guerras para sacudir o poeta e a batida

Espero que faça você notar

Espero que faça você notar


 

Alguém como eu

Alguém como eu

Alguém como eu, alguém


 

Alguém como você, alguém

Alguém como você, alguém

Alguém como você, alguém


 

Eu tenho andado por aí

Sempre menosprezando tudo que vejo. – assim que ele terminou eu dei um beijo nele.

- Você ouviu mesmo. – sorri.

- Comprei todos os cd’s do Kings of Leon no iTunes. – ri e dei um selinho nele.

- Você canta muito bem Justin. – meu pai elogiou e eu sorri.

- Obrigado Robert.

- Sua vez Lexi. – Nori incentivou.

- Eu estava com medo de dentistas e o escuro

Eu estava com medo de garotas bonitas e começar conversas

Oh, todos os meus amigos estão ficando verdes

Você é a assistente do mágico em seu sonho


 

Oh, e eles vem fracassados


 

A senhora descendo rápido pela correnteza

Levado para o lado escuro

Eu quero ser seu homem mão esquerda

Eu te amo quando você está cantando essa música

E eu tenho um nó na garganta

Porque você vai cantar as palavras erradas


 

Tem esse filme que eu acho que você vai gostar

Esse cara decide deixar o emprego e vai para Nova York

Este vaqueiro está correndo de si mesmo

E ela está morando na prateleira mais alta


 

Oh, e eles vem fracassados


 

A senhora descendo rápido pela correnteza

Levado para o lado escuro

Eu quero ser seu homem mão esquerda

Eu te amo quando você está cantando essa música

E eu tenho um nó na garganta

Porque você vai cantar as palavras erradas


 

Eu só quero, eu só quero saber

Se você vai, se você vai ficar

Eu só tenho, eu só tenho que saber

Eu não posso tê-la, eu não posso tê-la de outra maneira

Eu juro que ela está destinada para a tela

A coisa mais próxima da Michelle Phipher que você já viu oh


 

A senhora descendo rápido pela correnteza

Levado para o lado escuro

Eu quero ser seu homem mão esquerda

Eu te amo quando você está cantando essa música

E eu tenho um nó na garganta

Porque você vai cantar as palavras erradas. – terminei a música preferida da Nori e ela sentou no meu colo me enchendo de beijos.

- Eu te amo. – falou.

- Eu também te amo chatinha. – beijei a bochecha dela – Agora Justin vai encerrar com a uma música dele e a gente vai dormir porque o frio está cada vez pior. – assentiram – Fica aqui Nori. – falei quando ela mencionou levantar do meu colo, estava muito frio.

- Bem, deixe me contar uma história

Sobre um garoto e uma garota

Ele se apaixonou pela melhor amiga

Quando ela está perto, ele não sente nada além de alegria

Mas ela já estava magoada, e isso a cegou

Mas ela nunca poderia acreditar

que o amor sempre iria tratá-la bem

Você não sabia que eu te amo? Ou não estava ciente?

Você é o sorriso no meu rosto

E eu não vou a lugar nenhum

Estou aqui para te fazer feliz, estou aqui para vê-la sorrir

Eu tenho esperado para te dizer isso a muito tempo


 

Quem vai fazer você se apaixonar

Eu sei que tem uma parede erguida

Em torno do seu coração

Você não vai ter medo de tudo, oh meu amor

Mas você não pode voar, a menos que vamos juntos

Você não pode voar, a menos que vamos juntos, assim cair


 

Bem, posso dizer que você tem medo do que isso pode fazer

Porque nós temos uma amizade incrível

E que você não quer perdê-la

Bem, eu não quero perder também

Eu acho que não pode ficar sentado

enquanto você está se machucando bebê

Venha pegar minha mão

Você sabe que você é um anjo? Que esqueceu de voar

Você sabia que parte meu coração

toda vez que te vejo chorar

Porque eu sei que isso dói

Se ele foi embora, toda vez que ele passa

você está chorando

E eu espero que assim que acabar essa música

Eu descubra


 

Quem vai fazer você se apaixonar

Eu sei que tem uma parede erguida

Em torno do seu coração

Você não vai ter medo de tudo, oh meu amor

Mas você não pode voar, a menos que vamos juntos

Você não pode voar, a menos que vamos juntos, assim cair


 

Eu vou te segurar se você cair

Eu vou te segurar se você cair

Eu vou te segurar se você cair

Mas se você abrir suas asas

Mas você não pode voar, a menos que vamos juntos

Mas você não pode voar, a menos que vamos juntos

Você não pode voar, a menos que vamos juntos, assim cair


 

Quem vai fazer você se apaixonar

Eu sei que tem uma parede erguida

Em torno do seu coração

Você não vai ter medo de tudo, oh meu amor

Mas você não pode voar, a menos que vamos juntos

Você não pode voar, a menos que vamos juntos, assim cair


 

Então, se apaixonar

Eu sei que tem uma parede erguida

Em torno do seu coração

Você não vai ter medo de tudo, oh meu amor

Mas você não pode voar, a menos que vamos juntos

Você não pode voar, a menos que vamos juntos, assim cair


 

Eu vou te segurar se você cair

Eu vou te segurar se você cair

Eu vou te segurar se você cair


 

Se você abrir suas asas

Mas você não pode voar, a menos que vamos juntos

Mas você não pode voar, a menos que vamos juntos

Você pode voar para longe comigo. – terminou e beijou minha cabeça colocando ela no ombro dele por eu estar chorando - Mas você não pode voar, a menos que vamos juntos. – sussurrou e eu dei um selinho nele – Te amo sweetie.

- Te amo baby.

- Vocês têm a minha benção. – meu pai se aproximou e beijou as nossas testas, o que foi estranho, mas fofo – Que dure para sempre.

- Amém. – sorri.

- Vamos dormir, amanhã vamos ter um dia longo e divertido. – meu avô falou e assentimos nos levantando.

Despedimos-nos de todos e entramos na barraca bagunçada. O colchão inflável já estava cheio só faltava arrumar.

- Você pode arrumar essa sua bagunça enquanto eu arrumo aqui. – assentiu.

Coloquei lençol no colchão inflável de casal, estendi dois edredons e tirei a roupa colocando uma camiseta do Justin ficando de calcinha e meia.

- Pronto chatinha, tudo arrumado. – ri.

- Agora a gente pode dormir. – sorri naquele breu por ele ter apagado a lanterna e duvido que ele viu.

Justin me fez deitar no colchão e ficou entre as minhas pernas. Arrumamos-nos no colchão e eu coloquei a coberta em cima dele depois de estar no meio das minhas pernas.

Começamos um beijo calmo e ele fazia movimentos de vai e vem me excitando. Seus beijos desceram pelo meu pescoço e suas mãos foram ágeis se livrando da minha camiseta, ele chupou meus seios me fazendo gemer e cruzar as pernas na cintura dele para aproximar mais nossos membros. Ele voltou a me beijar e eu chupei o lábio inferior dele.

- Camisinha? – perguntei e ele riu se afastando mexendo em algumas coisas e voltando com a mesma em mãos.

Tirei a calcinha enquanto ele tirava a cueca e colocava a camisinha no membro já ereto.

Isso vai doer. Ele voltou a ficar em cima de mim e a me beijar intensamente apertando a minha bunda, a cada segundo eu ficava mais nervosa e a excitação passava mais.

- Vamos lá Justin! – incentivei e senti seu membro na minha entrada.

Fechei os olhos com força e comprimi os lábios.

- Hey, olha para mim, eu vou ser cuidadoso não se preocupe. – abri os olhos e ele me deu um beijo rápido – Olha nos meus olhos. – assenti.

Ele colocou minha mão em cima da minha cabeça com nossas mãos entrelaçados e senti seu membro começar a entrar em mim e eu agarrei o colchão com a mão livre sentido aquela dor.

Parecia que eu estava sendo rasgada de fora para dentro com uma faca. Gemi com os dentes cerrados e ele colou nossos lábios. Justin colocou todo o seu membro dentro de mim e começou um vai e vem bem lento ainda dolorido, mas não tão ruim.

Ficamos nessa lentidão até Justin gozar, foi uma droga por causa da dor e de eu não sentir nada, mas o resto foi bom, ele foi um amor.

- Sujou o lençol. – falei vendo o sangue ali enquanto colocava minhas roupas.

Troquei o lençol e deixei a cama arrumada de novo. Deitamos-nos e eu coloquei a minha cabeça no peito do Justin.

- Foi uma droga não é?! – demos risada.

- Não foi uma das melhores coisas que eu fiz na vida, mas por ser com você se tornou perfeito.

Continua...

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...