História Writer - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hailey Rhode Baldwin, Justin Bieber
Personagens Hailey Baldwin, Justin Bieber
Visualizações 75
Palavras 3.083
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 21 - 21


- E se a gente combinar que um vai cuidar do outro? – perguntei olhando no fundo dos olhos dele.

- Eu gosto dessa ideia. – confessou me dando um selinho e cheirando meu pescoço – Eu senti a sua falta.

- Foi sufocante. – concordei.

- Como descobriu que me amava?

- Senti tanto a sua falta, pensei que ia morrer, eu só conseguia beber e fumar. Se essa dependência não é amor, eu não sei o que é. – assentiu e me deu um selinho – Você só disse aquelas coisas porque não queria me forçar a ficar com você?

- Sim e não, eu também estava confuso, esse tempo foi perfeito para que percebêssemos que devemos ficar juntos.

- Eu não sei até quando, mas enquanto durar vai ser bom. – assentiu e começamos um beijo calmo.

Suas mãos apertavam minhas coxas e eu as fechava cada vez mais em volta do quadril dele.
Foi ágil tirando minha camiseta e observando o meu corpo me deixando constrangida.

- Não sinta vergonha de mim. – passou a mão no meu rosto.

- Eu te amo. – o puxei pela nuca mordendo seu lábio inferior.

- Eu te amo. – falou entre o beijo – Tem certeza que quer fazer isso?

- Nós já fizemos isso. – falei rindo e voltando a beijar ele – Você não está disposto é isso?

- Disposição não falta! – rimos e ele me beijou.

Seus lábios quentes e úmidos passaram para o meu pescoço, chuparam meus seios deixando minha respiração descompensada e voltaram aos meus lábios em um beijo intenso.

Justin esbarrava seu membro na minha intimidade todo o tempo me deixando cada vez mais excitada. Apertei-o levemente sobre a cueca e ele gemeu entre o beijo fazendo com que molhasse minha calcinha. Como pode ter tanto poder sobre mim?

Abaixei sua cueca com os pés enquanto ele abaixava a minha beijando minhas pernas e dando leves mordidas.

- Camisinha. – mandei e ele saiu da cama logo voltando com seu membro encapado pelo látex.

Voltou para o meio das minhas pernas e olhou no fundo dos meus olhos me penetrando. Foi um susto ter aquilo dentro de mim de novo, não foi muito bom no começo também.

- Mais rápido. – falei ofegante enfiando minhas unhas nas costas dele que beijava meu pescoço.

Eu começava a sentir o prazer me invadir a cada entocada mais fundas, nos proporcionando gemidos e respiração descompensada. Agora eu entendo porque as pessoas gostam tanto de sexo, é uma delicia.

- Justin! – soltei sem querer entre um gemido o fazendo arrepiar e ir mais fundo.

Enfiava minhas unhas em suas costas e ele apertava minha bunda com força. Nossos olhos se encontraram e eu puxei seu nuca para mim lhe transmitindo todo o desejo que eu estava sentindo em um beijo.

Ele deu mais algumas entocadas, eu senti meu corpo se contrair me proporcionando um alto gemido com uma sensação deliciosa de músculos cansados e prazer. Justin não parou até que chegasse ao limite dele e caiu sobre o meu corpo me fazendo morder levemente o ombro dele.

- O que tem a dizer sobre o orgasmo? – ri e ele saiu de cima de mim indo jogar a camisinha no lixo.

- É uma onda de prazer deliciosa que faz os músculos se contraírem de um jeito absurdamente prazeroso. – sorri e se deitou ao meu lado.

- Você é realmente escritora. – rimos.

- Por quê? – perguntei.

- Você sabe o que falar e como falar.

- Bobagem. – beijei o braço tatuado dele – Gosto das suas tatuagens.

- Você já me disse isso. – falou e eu me sentei de frente em seu colo.

- Elas combinam perfeitamente com você Justin, elas formam o conjunto perfeito. – passei a mão no cabelo dele que fechou os olhos.

- Qual a sua preferida? – abriu os olhos me encarando.

- Gosto de todas, mas a clave de sol atrás da orelha me deixa louca. – sorriu e apertou minha cintura olhando meus seios.

- Seu corpo me deixa louco. – beijou meu pescoço passando o nariz por ali.

- Deixa, é?! – rebolei em seu membro.  

Suas mãos grandes migraram da minha cintura aos meus seios os apertando me fazendo morder os lábios e jogar a cabeça para trás soltando um gemido entre um suspiro de prazer.
Senti sua respiração quente no meu pescoço e ele colou seus lábios ali passando a língua por toda a extensão e embolando seus dedos no meu cabelo. Sem perceber chocava nossos sexos nus me deixando cada vez mais excitada.

Meus olhos estavam fechados e eu só sentia todos os toques dele. Puxou meu cabelo para trás mordendo meu pescoço e descendo sua boca até os meus seios, enfiei minhas unhas em seu ombro quando ele chupou um deles com força me levando ao céu e fazendo com que minha intimidade ficasse lubrificada facilitando as minhas reboladas em seu membro.
Beijei seu pescoço, peito e fui passando minhas unhas junto. Lambi sua barriga olhando no fundo dos seus olhos e o vendo agarrar o lençol da cama. Seu membro já estava duro como pedra apoiado em sua barriga, passei minhas unhas lentamente o fazendo morder o lábio inferior de um jeito sexy. Passei meu lábio inferior da base até a cabecinha e voltando passando a língua como se chupasse um sorvete gostoso. Segurei seu membro e chupei só a cabecinha repetidas vezes até ele agarrar meus cabelos e me fazer quase engolir seu membro. Colocava e tirava da boca no ritmo que ele queria, mas eu decidi parar antes que a brincadeira chegasse ao fim.

- Ainda não está na hora. – falei bem perto dos lábios dele.

Agarrou meus cabelos e me puxou para um beijo agressivo, com mordidas, chupões e mãos apertando todo o meu corpo. Minha boca ardia e a dele estava super vermelha. Dei vários chupões pelo seu corpo e encerrei com um na cabeça de seu membro o fazendo me jogar na cama com força deixando minhas pernas flexionadas e parando com a cabeça entre elas.
Justin me lançou um olhar intenso e lambeu minha intimidade me fazendo agarrar os lençóis. Ele colocou dois dedos dentro de mim fazendo um vai e vem incrível enquanto chupava meu clitóris me fazendo gemer alto e ter espasmos. Antes que ele pudesse parar meu liquido escorreu pelos dedos dele que chupou os mesmos me olhando e fazendo minha vagina acordar de novo em menos de um minuto.

- Você me transformou em uma pervertida! – o empurrei ficando por cima e sentindo seu membro na minha entrada.

- Perfeito! – chupou meu lábio inferior.

Justin me jogou na cama e ficou ajoelhado entre as minhas pernas flexionadas passando seu membro pela minha intimidade me fazendo gemer.

- Isso é tortura, anda logo. – falei manhosa e ele riu colocando só a cabecinha para dentro e tirando rápido várias vezes.

- Com uma condição. – sussurrou perto do meu ouvido roçando seu membro na minha coxa.

- Qual? – passei minha unha levemente em suas costas o fazendo se arrepiar.

- Fica de quatro. – senti um onda de negatividade passar por mim e engoli seco encarando os olhos pervertidos dele dei o meu melhor sorriso e obedeci.

Nunca tinha contado para ele em quais circunstâncias encontrei os dois, se ele soubesse não me pediria isso, mas eu preciso superar e vai fazer tão bom.

Empinei bem a bunda apoiando a testa nas minhas mãos que estavam entrelaçadas. Senti Justin passar seu membro na minha entrada e entrar de vez me fazendo gemer, seus dedos foram de encontro ao meu ponto de prazer me estimulando. Suas mãos voltaram para a minha cintura entrando e saindo de mim de forma rápida. Só se ouvia os som dos nossos corpos se chocando e os gemidos seguidos da respiração ofegante pelo quarto.

Transar sem camisinha era infinitamente melhor, eu sentia tudo, era delicioso. Era errado, mas delicioso.

Justin me deu um tapa na bunda e eu a empinei mais. Não demorou a chegarmos ao nosso ápice e estarmos largados um do lado do outro olhando o teto ofegantes.

- O que foi isso? – perguntou apoiando a cabeça na minha barriga – Segundo round em menos de 20 minutos. – rimos.

- Não sei, mas nós vamos repetir muitas vezes. – rimos ainda com a respiração descompensada.

- Você é linda! – falou me olhando e eu ri.

- Você também é lindo. – mandei um beijo de longe e ele sorriu vindo para cima de mim.

- Não me mande beijos de longe. – me deu vários selinhos e eu o puxei pela nuca aprofundando nosso beijo.

- Te amo. – falei quando nos afastamos.

- Te amo. – esfregou seu nariz no meu e eu sorri.

[...]

Acordei com meu celular tocando em algum lugar. Levantei da cama meio zonza em busca dele e achei o tirando da bolsa atendendo Laura.

- Oi. – falei bocejando.

- Dormindo ainda? Que horas são em Paris? – tirei o iPhone do ouvido e olhei a hora.

- 14h39, nossa a gente dormiu muito.

- A gente? – perguntou confusa.

- Eu e o Justin ué, não entrou na internet hoje ainda? – ri e eu ouvi as unhas delas batendo nas teclas do computador.

- Graças a Deus. – suspirou aliviada e eu ri mais.

- Do que precisa meu amor?

- Você poderia ir até o escritório da Victoria’s Secret? Eles queriam conversar com você e se você se interessar pelo produto querem te contratar.

- O escritório é em Londres, certo?!

- Sim, por quê?

- Não posso ir hoje, vou dar atenção para o meu namorado, amanhã eu tenho fotos para fazer com ele e na sexta eu estou livre para ir ao escritório da Victoria’s Secret e assinar o contrato.

- Tudo bem, vou conversar com eles e marcar para sexta. Te amo e aproveite o dia.

- Te amo. – encerrei a chamada.

Fui em direção ao telefone e pedi café no quarto, apesar de ser hora do almoço. Decidi tomar banho, a hora que o café chegar ele vai acordar e abrir a porta.

P.O.V Justin Bieber

Escutei o barulho do chuveiro e me espreguicei me esparramando na cama.

Bateram na porta e eu vesti a minha calça jeans que estava jogada e o cara entrou com o carrinho retirando o outro e saindo do quarto com o meu agradecimento.

Peguei meu iPhone vendo a hora e me assustei por ser 15h26 da tarde, acho que dormimos demais.

Tirei a calça jeans e entrei no banheiro obversando aquele corpo perfeito.
Alexis tem uma cintura super fininha e uma barriga linda, seios pequenos e uma bunda super empinadinha, só de olhar ela eu fico excitado.

Vi as marcas dos meus dedos na pele branca dela e os chupões no pescoço, acho que exagerei.

- Tem mais desse lado. – mostrou a cintura do lado esquerdo e parou de frente mostrando os chupões do peito me fazendo rir.

- Está doendo? – perguntei torcendo os lábios.

- Nenhum pouco. – rimos – Você também tem alguns e muitos arranhões,  não se preocupe. – ri e me olhei no espelho vendo os chupões no peito, pescoço e as marcas das unhas dela nos meus ombros, as costas devem estar pior.

- Você estava selvagem. – riu.

- Você também. – assenti – O café chegou. – avisei.

- Acho que você deve vir tomar banho com a sua namorada e depois comemos, o suco de laranja não vai esfriar. – ri assentindo e tirando a cueca entrando no box – Como está se sentindo?

- Ainda me sinto meio doente, mas nada que não dê para aproveitar o dia com você. – sorriu colocando as mãos na minha nuca.

- Nada de febre? – perguntou colocando seu corpo no meu.

- Nada de febre amor. – sorriu e me deu um selinho.

- Bom dia. – deu uma risada sapeca me fazendo rir também.

- Bom dia minha linda. – beijei a testa dela – Ou seria tarde? – rimos.

- Acabamos de acordar, é bom dia para a gente. – assenti e beijei a testa dela.

Alexis me virou de costas para ela e começou a passar shampoo nos meus cabelos, depois desceu as mãos pela minha nuca e fez massagem nos meus ombros me deixando super relaxado. Lavamos nossos corpos e saímos juntos do chuveiro.

Ela secou os cabelos e fez uma maquiagem bem leve realçando a beleza natural dela. Sequei meus cabelos também e tentei deixar de um jeito diferente sem sucesso.

- Hora de alguém cortar o cabelo. – falou me abraçando por trás.

- Também acho. – rimos.

Voltamos para o quarto e ela foi para o armário. Colocou suas peças intimas sempre sensuais,  cropped preto de mangas compridas e calça preta de cintura alta deixando só um pouquinho da sua barriga de fora, botas pretas de cano baixo e blazer em um verde bonito, bem vivo.

- Para de me olhar, você está me deixando constrangida. – reclamou tirando uma bolsa preta da Chanel com alça de corrente de uma sacola.

- Você está linda! – elogiei e ela sorriu.

- Você ainda está de toalha. – ri e fui em direção ao armário.

Coloquei uma calça preta, coturno preto, uma camisa jeans e um tricô azul por cima.

- Agora sim, lindo. – falou espirrando perfume e liberando aquele cheiro gostoso dela no ar.

- Nunca senti o cheiro desse perfume. – confessei.

- Minha mãe quando esteve aqui em Paris mandou fazer um especialmente para mim com as coisas que eu mais gosto e agora eu sempre faço, ninguém tem esse cheiro além de mim. – assenti e cheirei o pescoço dela lhe dando um selinho.

Passei perfume também e coloquei uma toca preta escondendo meus cabelos.

Sentamos-nos para o café e eu não conseguia parar de olha-la sabendo que tudo tinha voltado a ser como antes.

Ela mexeu em algumas sacolas e me deu os remédios tomando os dela também.

- Preciso de pílula do dia seguinte. – avisou e eu assenti.

- Passamos na farmácia no caminho.

- Aonde vamos? – perguntou mordendo sua torrada com geleia.

- Vamos ao bairro Le Marais, me disseram que é muito bonito lá. – assentiu tomando suco.

- Me disseram também, mas eu nunca fui.

- Ótimo. – me inclinei beijando-a.

P.O.V Alexis Houston

Já tínhamos chegado ao bairro e encontramos muitas fãs do Justin, por enquanto nada de paparazzis se aproximando muito.

Justin levantou meu chapéu e me deu um selinho fazendo nossos óculos de sol de esbarrarem.

- Bobo! – rimos e voltamos a andar de mãos dadas por aquele bairro super charmoso – Vamos ao museu Rodin? – assentiu e entramos.

O lugar é genial, todas as obras de Rodin, eu sou suspeita por amar arte de qualquer gênero, mas é um lindo lugar, minha paixão só aumentou quando eu vi o jardim enorme com uma fonte linda e muitas esculturas.

- Esse lugar é lindo. – Justin falou pela primeira vez.

- Achei que era suspeita para falar, mas eu estou encantada. – suspirei e ele me abraçou.

- O dia está frio. – comentou beijando a minha testa.

- Muito frio. – resmunguei.

Os seguranças estavam perto, mas nem tanto, Justin deu folga aos conhecidos por mim e esses eram extremamente calados e impessoais.

Tiramos algumas fotos e voltamos para a rua indo em direção a uma rua com algumas butiques, tudo muito lindo e muito caro.

- Vai com o Michael pegar uma mesa naquele bistrô que você queria almoçar que eu vou comprar um negocio aqui. – falou parando em frente a uma loja masculina.

- Não quer companhia? – perguntei confusa.

- Vai ser rapidinho, não precisa. – assenti e trocamos um beijo rápido.

Michael me acompanhou ao bistrô super famoso e arrumei uma mesa para dois. Ele ficou em pé distante e eu tirei o chapéu e os óculos relaxando.

- Posso anotar o seu pedido? – perguntou em Frances e eu ri nervosa por falar muito pouco da língua.

- Você fala inglês? – assentiu e eu suspirei aliviada – Duas águas com limão, por favor. – assentiu e se retirou.

Logo vi Justin entrando e eu acenei que veio na minha direção apressado.

- O que houve? – perguntei quando ele se sentou suspirando.

- Muitos paparazzis.

- Relaxa. – apertei a mão dele em cima da mesa.

- Fez nosso pedido? – perguntou.

- Você não ia comprar uma coisa? – perguntei desconfiada e ele entortou a boca – Onde você estava?

- Relaxa, acabei não comprando nada, o que eu gostei não ficou bom em mim. – bufei – Está com ciúmes? – perguntou rindo.

- Você usa a desculpa de comprar uma coisa que não comprou e volta de mãos abanando, isso não é ciúme é cuidado, está cheio de francesas bonitas por aí. – gargalhou e eu bufei.

- Não seja boba Alexis, eu só não gostei da camisa como achei que tinha gostado. – assenti – Encontrei algumas fãs, por isso demorei.

- Tudo bem. – ele acariciou meu rosto e eu sorri.

- Você fica linda com ciúme.

- Idiota! – rimos.

[...]

- Meu Deus, você não para de comer e gastar, só faz isso da vida. – reclamou quando entramos em um lugar especializado em chás.

- Justin eu sempre quis vir aqui, o nome é inspirado no filme Alice no país das maravilhas, eu amo esse filme, e estou com frio e fome. – fiz bico e ele riu.

- Le Loir Dans la Théière. – falou um Frances super sexy e eu suspirei.

- Não fale Frances em publico, eu vou te agarrar. – riu e me deu um selinho.

Acomodamos-nos em uma da mesas do local super charmoso e logo vieram pegar nossos pedidos.

- Duas tortas de limão e dois chás de hortelã. – falou à garçonete que assentiu e se retirou.

Andamos muito pelo lindo bairro de Le Marais, compramos, comemos, rimos, está sendo uma delícia, muito divertido, apesar dos paparazzis atrás da gente a todo instante. Nós estamos andando a pé e eles não dão uma trégua.

- Só falta o museu Carnavalet. – comentou olhando um guia que ele tinha comprado.

- Você está animado mesmo. – comentei e ele tossiu.

- Estou sim. – sorriu.

- Você está bem? Não quer ir para o hotel descansar? – perguntei enquanto a garota colocava nossos pedidos na mesa.

- Relaxa amor, é só uma tosse, eu estou ótimo. – trocamos um sorriso.

Começamos a comer e aquele torta estava maravilhosa junto com o chá quente foi perfeito.

- Nem comentei com você, sexta tenho que ir a Londres.

- Por quê? – perguntou depois de tomar um longo gole do seu chá.

- A Victoria’s Secret quer assinar comigo. – sorri e ele soltou o talher no mesmo momento fazendo um super barulho – O que? – perguntei.

- Você não vai ser modelo da Victoria’s Secret.

Continua...

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...