História Writing My Own Love Story - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Magcon, Shawn Mendes, Zoey Deutch
Exibições 435
Palavras 1.584
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


oieeeee
muito muito muito obrigada por todos os comentários e favoritos, vocês não tem noção do quanto isso significa pra mim
espero que gostem :)

Capítulo 3 - In fact, she needs you.


Fanfic / Fanfiction Writing My Own Love Story - Capítulo 3 - In fact, she needs you.

Acordei com as minhas costas doendo, tentei me levantar, mas alguém estava abraçado a mim. Cocei meus olhos, e me virei para o lado, dando de cara com o Dylan, de boca aberta e babando, saltei assustado na cama e caí da mesma, bati a cabeça no chão e gemi de dor. Me levantei, rapidamente e encarei Dylan, ele não havia movido um músculo, encarei a minha cama e encontrei Amanda, ainda dormindo.

Bufei, e me levantei, irritado. Fui até o banheiro, fiz minhas higienes pessoais, e fui até a lanchonete local para comprar algo para Amanda tomar no café da manhã, não sei porque diabos estava fazendo aquilo, mas era melhor ter a imagem de um cavalheiro, do que de um idiota. Passei na farmácia local, e comprei aspirina. Voltei para o meu quarto, e Amanda ainda estava dormindo, já estava quase na hora da primeira aula. Será que aquela menina podia deixar de se atrasar pelo menos uma vez na vida?

— Amanda. — Falo, e a balanço. — Amanda! — Falo um pouco mais alto, e a balanço com um pouco mais de força. Ela se espreguiça e abre seus olhos, e quando me vê os arregala.

— Puta que pariu! — Ela diz, saltando na cama e se encostando a cabeceira. — Aí minha cabeça! — Diz, parecendo estar com dor. — Pelo amor de Deus, me diga que nós não transamos.

— Bom, a não ser que agora as pessoas transem com roupas e sem nenhum contato, sim, nós transamos! — Falo, sorrindo e vejo ela morde o lábio para reprimir um sorriso, e vejo que fica brava por eu quase ter feito ela sorrir. — Trouxe pra você. — Digo lhe estendendo o comprimido, e um copo com água.

— Não seja gentil comigo, eu não gosto de você! — Ela diz, brava e pega o que eu ofereci.

— Como você pode não gostar de alguém, se não a conhece? — Pergunto.

— Eu tenho meus motivos. — Ela responde.

— Trouxe café da manhã. — Falo, e pego a sacolinha em cima da mesa.

— Não precisa de tudo isso. — Ela diz.

— Você pode fazer o favor de comer, e ficar boa para você voltar logo para o seu quarto? — Peço, e ela enfia a colher na torta que eu trouxe. Me levanto e vou até Dylan.

— Dylan, acorde! — Digo, o balançando com força. Ele se espreguiça na cama, abre seus olhos por alguns segundos, me encara e volta a dormir. — Você vai se atrasar para a primeira aula. — Falo, e o empurro da cama.

— Porra, Shawn. — Ele murmura.

— Porque dormimos na mesma cama? — Pergunto, e lhe dou um comprimido e um copo de água.

— Sei lá, cara, eu cheguei bêbado, você estava dormindo na minha cama, então eu te abracei e dormi. — Ele diz, fraco. — Acho que sonhei que você era um ursinho. — Murmura, e eu rio.

—  Shawn, essa torta era de que? —  Amanda, pergunta e eu a encaro.

—  Kiwi com lima. —  Respondo. —  Porque?

—  Sou alérgica a kiwi! —  Ela grita, desesperada e começa a falar enrolado.

—  Quem é essa? —  Dylan, pergunta.

—  Uma garota que precisamos levar ao hospital. —  Digo, procurando as chaves do carro de Dylan. Amanda começa a falar enrolado, e Dylan se levanta.

—  Estão comigo. —  Diz, apalpando o bolso e pegando o molho de chaves.

—  Ok, vamos! —  Falo, puxando Amanda e ela começa a reclamar, mas eu não entendo nada.

—  O que está acontecendo com ela? —  Pergunto, enquanto ando ao lado de Dylan, puxando Amanda pela mão.

—  A língua dele está inchando. —  Ele responde. —  Torça para ela não ter engolido nada.

—  Você pode ir um pouquinho mais rápido? —  Pergunto para ela, e ela falo algo que eu não entendo, ela revira seus olhos e então aponta para os seus saltos. Pego ela, e a coloco sobre meu ombro, ela começa a bater suas pernas, nervosa e eu bufo.

—  Amanda? —  Uma loira, diz surgindo atrás de mim e me seguindo. —  Ei, o que está acontecendo? Aonde você está levando ela?

—  Hospital, longa história. —  Respondo, e chegamos ao carro de Dylan. Coloco Amanda no banco detrás, e caminho para o lado do motorista.

—  Eu vou junto. —  A loira, diz brotando ao meu lado.

—  Desculpa, moça, mas eu...

—  Não estou pedindo. —  Ela responde. —  Amanda é minha amiga, e você é um completo desconhecido! — Insisti.

— Ok, você pode ir. — Falo, e adentro o carro. — Espera, se você vai entrar no meu carro, quero saber o seu nome primeiro.

— Priscila. — Ela responde, e entra no carro, e tenta conter uma Amanda histérica.

Entro no carro, Dylan me passa as chaves e dou partida no mesmo, em direção ao hospital mais próximo.

(...)

Voltamos do hospital, com a língua de Amanda normal, e Priscila e Dylan bem íntimos. Saio do carro, e quando os demais saem, eu o tranco.

— Vão na frente. — Amanda, diz segurando meu braço, enquanto encarava Priscila e Dylan. Me viro pra ela, e ela encara o carro.

— Obrigada! — Ela diz.

— O quê? — Pergunto.

— Obrigada! — Ela diz, mais alto e eu sorrio.

— Será que você poderia dizer mais uma vez? — Pergunto, sorrindo.

— Não. — Ela responde. — Você foi bem legal comigo, mesmo eu agindo como uma vadia. — Ela acrescenta e suspira.

— Qualquer pessoa faria isso. — Respondo e dou de ombros.

— Você não sabe o quanto está errado. — Ela fala e ri.

— Cite uma pessoa que não faria. — Falo.

— Meu pai, Zac. — Ela responde. — Já citei duas.

— Seu pai? — Pergunto. — Seu pai é tão legal!

— Com você. — Ela responde. — Se ele estivesse no seu lugar, ele não pensaria duas vezes antes de chamar Charles e manda-lo fazer o que um pai deveria fazer, me despacharia como uma máquina com defeito que precisa ser consertada. — Ela responde. — No caso dele, um livro mal imprimido ou com a capa borrada.

— E Zac? — Pergunto.

— Ele chamaria meu pai. — Falo. — Ou Priscila, ele é um idiota. — Ela responde.

— E porque continua ele? — Pergunto.

— Eu meio que gosto dele. — Ela responde. — E ele é filho de um dos mais importantes patrocinadores do meu pai. — Ela fala, e encara o chão. — Eu estou acorrentada a ele. — Ela diz, e sinto tristeza na sua voz. — Droga, porque eu estou falando com você? Eu nem estou bêbada!

— Amanda, você não precisa fazer isso. — Digo, e tento agarrar sua mão, mas ela se afasta.

— Shawn, você não precisa bancar o super-herói, sério. — Ela diz. — Apenas fique longe de mim, e dos dramas da minha vida. — Acrescenta. — Você estará fazendo um favor para si próprio, e para o seu estado mental. — Diz, e começa a caminhar para longe de mim.

Passo as mãos pelos meus cabelos, e vou para o meu quarto, me jogo em minha cama e fecho os olhos, meu cérebro começar a ferver de novo, a inspiração voltando e me deixando cheio de energia. Pego meu violão, e meu caderno e me sento na cama. Passo cerca de três horas formando a música na minha cabeça, e formando uma melodia. Com a música já escrita no caderno, e a melodia pronta, eu me preparo para cantar

— She would not show that she was afraid, but being and feeling alone was too much to face... Though everyone said that she was so strong, what they didn't know was that she could barely carry on. — Canto, e sorrio. Como cantar me fazia bem! — But she knew that she would be okay, so she didn't let it get in her way. Sometimes it all gets a little too much, but you gotta realize that soon the fog will clear up, and you don't have to be afraid because we're all the same, and we know that sometimes it all gets a little too much! — Fecho meus olhos, e me permito sentir a música. — She would always tell herself she could do this. She would use no help it would be just fine... But when it got hard she would lose her focus, so take my hand and it will be alright. And she knew that she would be okay, so she didn't let it get in her way... Sometimes it all gets a little too much, but you gotta realize that soon the fog will clear up, and you don't have to be afraid because we're all the same, and we know that sometimes it all gets a little too much.

— Cara, isso vai dar merda! — Dylan, diz e eu pulo assutado.

— Meu Deus, não apareça assim. — Respondo. — Do que você está falando?

— É a segunda música que ela te inspira. — Dylan, responde. — Eu leio seu caderno de músicas.

— O quê? Ela não tem nada a ver com isso. — Respondo, e largo o violão. — Eu nem a conheço direito, Dylan.

— Cara, mentir para si mesmo não vai tornar isso verdade. — Ele responde.

— Eu a conheço a um dia e meio. — Rebato.

— Eu não falei que você está gostando dela, Shawn. Apenas falei que ela pode estar sendo a sua inspiração. —Dylan, diz. — Na verdade, eu tenho certeza, apenas estou dizendo que acho para você não dar chilique.

— Você está muito enganado. — Respondo. — Apenas estou preocupado com ela, ela me contou umas coisas e isso me faz pensar como seria a vida dela. — Respondo. — Só isso.

— Se você diz. — Ele fala, e adentra o banheiro.

Se eu digo? Era a verdade! Apenas me preocupei com ela, igual qualquer outra pessoa faria. Ela era apenas uma garota, e eu um garoto, que precisavam de ajuda para não afundarmos ainda mais no poço de lama em que estávamos. E se nós pudéssemos nos ajudar? Céus, cala a boca, Shawn! Ela precisava de um cavalheiro, e esse alguém que ela precisa, não é você.


Notas Finais


A Priscila é a Bridgit Mendler
O Dylan é o Dylan O 'brien
O QUE ACHARAM????
achei esse final meio podre, confesso que queria ter elaborado mais, mas é que eu estou tão ansiosa com a fanfic que fico toda defjefj\ajkfleugfl.\kjf
enfim, espero que tenham gostado, amo fazer vocês felizes, sério, fazer vocês felizes me faz muito feliz!!!
a opinião de vocês é muito importante pra mim, eu leio todos os comentários e queria agradecer a cada um que tira um pouquinho do seu tempo para comentar, de verdade, muito obrigada, desculpa se eu não respondo, quando meu celular voltar, prometo responder todos!!! :)
deem rt aqui para ajuda na divulgação da fanfic, por favor: https://twitter.com/samwilkgirl/status/783327394736304136

fiz um novo trailer pra writing my own love story, pois não tinha gostado muito do outro
Novo Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=1l4EF2yT1eg&feature=youtu.be&a

fav aqui pra eu te avisar quando eu postar writing my own love story: https://twitter.com/samwilkgirl/status/787355068936970241

meu twitter é: @samwilkgirl


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...