História Wrong Brother - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Big Bang
Personagens D-Lite (Daesung), G-Dragon, Seungri, T.O.P, Taeyang
Tags Bigbang, Daesung, Gri, Nyongtory, Seungri, Song Mino, Taeyang, Top, Winner, Zico
Visualizações 142
Palavras 4.047
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olááá aqui estou eu com mais um capítulo! Espero que gostem.
Sim, o título não tem aspas, espero que vocês entendam o porquê huahuah
E essa capa nova fabulosa foi feita pelo Sewhit, melhor capista gente, recomendo.

Esse capítulo é meio que só texting e diálogo, porque digamos que são as conversas que ajudarão o Seungri no conflito consigo mesmo.

E ah, desculpem por esse atraso :c é que assim, eu estou no terceirão, então as vezes fica difícil vir aqui atualizar, eu fico estudando bastante, então tento concilhar o tempo e às vezes dá esses atrasos... mas espero me ajeitar logo kkk obrigada por esperarem ♥ (apesar das visualizações terem abaixado um pouco asudhsaud acho que vou começar a divulgar a história)

Capítulo 13 - Aceitação?


Despertei sentindo uma dor extremamente forte na minha cabeça. Não fazia ideia de que horas eram, de como cheguei em em casa ou se realmente era minha casa. O quarto estava escuro e eu sentia um peso atrás de mim. Me virei com certa dificuldade e dei de cara com o Jiyong atrás de mim, acordado, com os olhos bem abertos. 

- Hmm, parece que a Bela-bêbada-adormecida acordou... - Ele disse baixo, com a voz rouquinha

Aí minha cabeça deu uma pontada e eu lembrei da noite passada... ou parte dela. Droga, eu vomitei e estraguei a diversão do Jiyong, sou um lixo. Como que fui chegar nesse ponto? Pior que não lembro o que aconteceu antes de eu estar no banheiro pondo tudo pra fora...

Não... será que... só pode ter sido um sonho. 

Ah, eu sei que não foi um sonho. Droga! O que eu mais queria esquecer, estava vivo na minha memória. Meio que em flashs, mas estava lá. Meu deus, eu... chupei... o Jiyong! 

Tá, tá. Eu só fiz isso pra retribuir, porque queria saber como era essa sensação. Isso mesmo. Não gostei de ter feito! Bem, não é hora de entrar em conflito comigo mesmo, ele está aqui do meu lado nesse momento. Eu deveria falar algo. 

- Jiyong... você dormiu aqui? - Eu me referia à minha cama, obviamente. Eu lembro dele ter deitado comigo e tudo mais, só que é meio desconfortável passar a noite toda, né. 

- Na verdade eu nem dormi. O pó não deixa. Fiquei deitado aqui com você, mexendo no celular e no seu cabelo. - Ele respondeu, passando a se sentar. Isso é impressionante e decepcionante. Seria tão ótimo se ele não fosse drogado. 

- Hmm... Jiyong... - Engoli a seco, tomando coragem pra falar. - Desculpa por ter estragado sua noite... eu acho que nunca mais vou beber depois dessa. - Sentei frente a ele após proferir. 

Ele me olhou sério, de modo que até dava medo. 

- Você não estragou minha noite, bebê. Pelo contrário, deixou ela ainda melhor. - Deu um sorriso lateral e acho que se referia àquilo. Ahhhh. - Apesar de ser preocupante e irresponsável, foi bom cuidar de você. - Senti meu coração apertar com essa frase. Fazia eu me sentir... especial. - Mas... não sei se vou te levar nesses lugares novamente. Não sei...

Aí eu lembrei que eu me gabei por ser o que ficaria são enquanto ele fazia coisas irresponsáveis. Agora tô vendo que foi o contrário e tô sentindo vergonha de mim mesmo. Queimei a língua. 

Não respondi, apenas fiz um bico grande e fiquei olhando pra baixo.

- Você deve estar com dor de cabeça... fique aí, vou pegar um remédio. - Ele disse, levantando-se da cama. 

- Espera, que horas são!? - Perguntei preocupado, até porque minha provavelmente mãe estava em casa, dependendo da hora. 

- São 5 da tarde, mas relaxa, por sorte nossos pais não voltaram pra almoçar e de qualquer forma falei pra sua mãe que você estava mal, com muita dor de barriga, e que eu estava de olho em você. - Fico impressionado como ele é sagaz pra criar essas histórias. Pelo menos funcionam. 

- Ah... ok. Obrigado, Jiyong. - Dei um pequeno sorriso e em seguida ele saiu do quarto. Estendi minha mão ao criado-mudo, pra pegar meu celular que por sorte estava ali. Ao pegar, pude ver que tinha mensagens... do Daesung?

O que???? Ele me mandou mensagem? Eu não acredito!

Meus pelos já estavam todos arrepiados e eu tremia. Estava com medo do que poderia vir. Mas tá... coragem! Vamos, Seungri. Você consegue. 

Daesung: Boa tarde Seungri. Primeiro, sinto muito por ter batido a porta na sua cara ontem... 

Daesung: Eu estive pensando sobre o que você fez. Não te tiro toda a razão, quando eu me descobri também estava em conflito comigo mesmo, por isso nunca contei. E imagino que você esteja nessa fase agora mesmo ao conhecer o Jiyong. 

Daesung: Não estou dizendo que você gosta dele kkk mas que se vocês ficaram não deve ter partido só dele. Na hora eu fiquei irritado porque quando você me apresentou ele, eu tive uma puta crush nele e você ficava xingando. Mas imagino que esse "ódio" é normal. E você de certo não tinha nem aceitado pra si mesmo que o beijou, imagina contar pra alguém. 

Daesung: E sobre o Jang... bem... eu soube que vocês ficaram só porque ele meio que viu o Jiyong te beijar. Então... é compreensível você não ter contado pra ninguém, né.

Daesung: Você tem um bom coração. Espero que você consiga se conhecer direito agora. Sabe... não precisa acabar a amizade, desde que você conte tudo pra mim a partir de hoje! Hm!

Daesung: Se cuida, Riri.

Meus olhos marejaram ao ler isso. Que bom, que bom, que bom! Só pode ter sido Deus iluminando a cabeça dele pra esse teimoso voltar atrás! Ahhhhh que emoção. E ele é muito nerd mesmo pra fazer isso por mensagem de texto. Normal...

Eu: Estou tão feliz, Dae!!! Muito obrigado por me entender, você conseguiu explicitar o que eu sinto sobre tudo isso. Jiyong é um furacão que veio do nada na minha vida, eu meio que nem entendo o que está acontecendo, a fixa não cai. E sim, fiquei com o Jang pra não me sentir um monstro, mas eu não gostei e nem senti nada :( desculpa, Dae. Não me abandona mais, eu te amo! Vou te contar tudo sim, e você também! 

Enviei a mensagem e coloquei o celular no criado-mudo novamente. Alguns segundos depois, Jiyong entrou no quarto segurando uma bandeja, trazendo em minha direção. 

- Aqui, trouxe o remédio. Imaginei que estaria com fome, então aproveitei e fiz um misto-quente pra você. E desculpa, eu só achei água pra beber. 

Apesar de todas as besteiras da noite passada, eu estava super feliz no momento, apesar da dor. Ainda mais pelo fato do Jiyong estar sendo cuidadoso, era bom demais. Mesmo que ele tenha sido o culpado por essa briga, já que está tudo bem não acho que eu deva ficar com raiva dele como antes. 

- O-Obrigado! Você já comeu alguma coisa? - Perguntei, até porque, do que adianta ele querer me alimentar e ficar sem comer nada? 

- Eu comi enquanto fazia o seu. - Ele viu meu olhar desconfiado, então riu e mostrou sua mão. - Juro!

- Certo... Deixa eu te contar! O Dae veio falar comigo!! E me desculpou!

- Sério, bebê!? - Disse, indo sentar ao meu lado. - Poxa, que bom. Ainda bem, isso me deixa feliz... - Ele disse, parecendo aliviado. Será que ele se sentia culpado? É bom que se sinta mesmo. Mas ok, não tô com raiva. 

Assenti, pegando o sanduíche e dando uma grande mordida em seguida. Pelo menos o Jiyong sabe colocar um pão na chapa. 

Me alimentei e tomei o remédio. Confesso que dava uma certa adrenalina beber um comprimido vindo das mãos dele, mas por fim realmente era um remédio. 

Eu me sentia inquieto pelo que fiz ontem. A minha felicidade pelo Daesung já passou a ficar em segundo plano e substituída por esses pensamentos. Acho que isso vai ficar remoendo minha mente por muito tempo. Um flashback cortado passava pela minha cabeça e eu tentava não expressar minha vergonha. 

E eu me sentia pior ainda por sentir o olhar dele  sobre mim. Ele me encarava com uma expressão impassível e eu queria perguntar por que, mas também queria evitar falar com ele. 

- Seungri... - Ele parecia estar tomando coragem pra falar algo e isso fez meu coração disparar. Eu juro que pensei que fosse infartar naquele momento. Será que ele sabe ler mentes?? Sem responder, apenas passei a olhar pra ele. Conseguir manter um contato visual foi a tarefa mais difícil que fiz nos últimos dias. - Como eu posso dizer sem ser muito direto...? - Ele parecia perguntar mais para si mesmo do que pra mim. 

- Apenas fale, Jiyong. - Disse, pois não aguentava mais a ansiedade. 

- Tá. Seungri, - Ele colocou uma mão no meu ombro e olhou no fundo dos meus olhos. - Eu estou apaixonado por você. Eu já não posso mais esconder isso. Ainda mais depois de ontem, foi quando eu pude ter certeza disso.

Que? Não... não. Não não não não! NÃO! 

Ele tá brincando comigo, só pode. Isso não é verdade. Por que ele se apaixonaria por mim? Primeiro que eu sou, na teoria, irmão dele. Segundo que somos totalmente diferentes, eu já deixei claro o quanto ele me irrita e me deixa com raiva. Eu sou um careta e ele um drogado. Eu sou um artista e ele um traficantezinho. Não faz sentido. Pessoas como ele não tem sentimentos, não ligam pros outros, só querem usar os outros por prazer... claro!!! É isso que ele quer fazer comigo! Ele quer ir além de um oral, ele quer me usar. É a única explicação, é a única razão de ele estar sendo cuidadoso comigo e estar falando isso agora...

- O que você disse!? - Perguntei, só pra ter certeza de que eu não tô louco. 

- Eu estou apaixonado por você Seungri. Eu quero você. Eu gosto de você. - Ele repetiu e complementou, isso me deixou mais sem reação. Meu coração parecia que ia sair pela boca, mas eu não caio nessa conversa. 

- Por... por que? Por que se apaixonou por mim? - Questionei. Nada pode ficar em aberto agora. Quero ver se ele diz o porquê disso, se tem um motivo.

- I-isso eu não quero dizer agora, mas... só aceite meus sentimentos, Seungri-yah. - Por que ele gaguejou e não quer contar? Isso confirma minha teoria. Idiota. 

- Ah, tá bom, Jiyong. - Levantei da cama ficando frente a ele. Vi que ele arregalou seus olhos mas eu nem liguei, eu fiquei irritado. - Você só diz isso porque quer me usar! 

- Q-que? Usar pra que? - Ele fingiu que estava confuso, que ator. Mas ele não me engana.

- Você quer me usar, usar meu corpo, me fazer de idiota. Eu não caio nessa, Jiyong! - Falei, elevando meu tom de voz. Essa atuação dele me deixou irritado. Maldito Zé Droguinha babaca.

- Da onde você tirou isso, Seungri!? Não fala merda. - Ele disse, se levantando e ficando em pé na minha frente, mas ainda estava com aquela cara de "estou me fingindo de confuso". Que raiva! 

- Não dá pra confiar em alguém como você, sua laia é usar os outros, não é? Só pegar e largar. Eu não con... - Antes que eu pudesse terminar, Jiyong levou suas mãos até meus ombros, me olhando nos olhos. E estranhamente os olhos dele estavam vermelhos. Ele deve ter fumado antes, só pode. 

- É, Seungri. Eu só quero te usar. Eu passei horas conversando com sua mãe pra fazer ela mudar de ideia sobre seu futuro e te deixar ser artista só pra te usar. Levei uma indicação sua pra melhor faculdade de artes só pra te usar. Conversei com o seu melhor amigo a manhã toda pra ele voltar a falar com você só pra te usar. É isso mesmo, homens como eu que passam a noite em claro porque encheram a cara de coca, a mesma coca que vendem pra outros homens, não merecem dignidade alguma. Você tá certo. Ah, e eu não disse essas coisas pra jogar na sua cara, eu nem pretendia te contar. Mas às vezes vale a pena. - Ele me soltou, indo até a sua cama e pegando a sua mochila, saindo do quarto em seguida. Eu fiquei estático, não sabia o que fazer depois de ouvir isso. Não sabia o que pensar, não sabia o que fazer. 
Não sabia mais nada. Minha cabeça que já doía muito passou a doer ainda mais.

Por que ele faria tudo isso por mim??? Eu não sou nada! Isso não pode ser real. Eu me nego a aceitar. 

E o pior é que tudo se encaixa. Minha mãe passou a aceitar minha decisão de fazer artes repentinamente. Eu recebi um convite da faculdade repentinamente. Daesung voltou a falar comigo repentinamente. Não foram milagres como eu pensava. Foi o Jiyong... será que ele é um milagre pra mim? 

Isso tudo é confuso demais. Eu preciso... preciso pensar. 

O pior é que ele tinha saído com aquela mochila cheia de droga e é o Jiyong sozinho com aquela mochila me deixou preocupado. 

Confesso que ele conseguiu me deixar atordoado e nessas horas tudo o que eu queria era espairecer. Depois de um tempo parado estaticamente tentando pensar em alguma coisa, o que não teve resultado, peguei meu material de pintura e fui para o quintal. Pintar algo com o friozinho batendo é minha cabeça cheia de confusões talvez daria uma boa tela.

 

E ali eu passei umas duas horas, fiz a silhueta de um rosto com várias pinceladas de cores diferentes e eu tive vontade de socar a tela - ou a minha cara - quando olhei e achei parecido com o Jiyong. É coisa da minha cabeça, só pode. 

Eu passei duas horas pintando pra continuar na mesma. 

E ele ainda não voltou. O que ele está fazendo? 

Acho que eu preciso conversar com o Daesung. Ele disse pra eu lhe contar tudo então é isso que eu vou fazer. 
----

Parecia um deja'vu eu batendo na porta da casa dele com o coração na mão, a diferença é que o motivo era outro dessa vez. Mas eu ainda estava um pouco nervoso, vai que ele muda de ideia e volta a me ignorar. 

Mas por deus ele abriu a porta. 

- Seungri! O que faz aqui? Você nem avisou que vinha. - Ele me encarou surpreso é confuso ao mesmo tempo. 

- O-oi, foi o Jiyong que conversou com você né!? - Eu precisava confirmar isso, ter certeza de que o Jiyong fala a verdade. Não consegui não ser direto.

- Ele te falou? - Assenti com a cabeça. - Ué, ele disse pra não falar. Que doido. 

Então é verdade mesmo. Ele fez tudo aquilo. Por mim! Ele realmente... realmente está apaixonado por mim. 

- Preciso te contar tudo. 
----

- Aqui, lê a conversa. - Pedi pro Dae para que eu pudesse ler pra entender melhor, e assim ele deixou, dando seu celular. Estávamos sentados no sofá da sua casa.

Jiyong: Daesung? 

Daesung: Oi? 

Jiyong: Bom dia! Olha só, vou ser direto. Soube que você "terminou" sua amizade com o Seungri. Ele tá bem mal e queria me matar... 

Daesung: Ai, se for pra falar do Seungri, nem continua, por favor. Obrigado. 

- NOSSA, que grosso, Daesung! - Eu disse, pausando a leitura por um momento, fazendo ele rir. 

- Eu não queria nem te ver pintado de ouro, ok?

Jiyong: Calma, tem algo que você precisa saber. 

Jiyong: Desde que eu apareci na vida dele, ele parece confuso com tudo. Imagino que passar a morar com alguém como eu deve ser um pouco perturbador. 

Jiyong: E bem, você pode achar estranho, mas eu me apaixonei por ele e...

Dei uma pausa na leitura. Ele admitiu isso pro Daesung! O dia tá tão cheio de choques que eu já nem tô mais me surpreendendo. 

...já roubei beijos dele algumas vezes. E ele correspondia, mas depois ficava com uma áurea deprimida. Aí eu vi que talvez ele estivesse confuso com o que ele era, tipo "como que eu fui beijar esse cara?" E o pior é que fui eu quem deu o primeiro beijo dele né...

Jiyong: E no dia do piquenique foi a mesma coisa. Eu roubei um beijo dele novamente e instintivamente ele correspondeu. E dessa vez ele parecia estar mais tranquilo. Mas daí depois ele surgiu falando que eu era o culpado por tudo, dizendo que se eu não tivesse beijado ele no jardim o tal de Jang não teria visto e vocês não estariam brigados. Ele chorou muito. 

Jiyong: E ele só ficou com esse Jang por "pena", porque o Seungri se dizia hetero pra esse cara e foi flagrado beijando um cara. De certo eles brigaram e o Seungri quis fazer isso pra não se sentir tão cuzão. (Não conta pra ninguém por favor kkk)

Jiyong: Eu entendo que esteja bravo mas por favor entenda o lado dele. Eu que fiz ele estar confuso, ele até hoje não aceita pra si mesmo o que é, imagina falar pra outro. Ele finge que não aceita os beijos e nem fala sobre isso depois que acontece. 

Jiyong: Então por favor, culpe a mim e não ele. Eu que sou culpado pelo comportamento atual dele. 

Daesung: Olha, Jiyong... eu não sei. Se ele se sente assim, deveria ter desabafado comigo né. Tá, você que beijou ele, e porque ele correspondeu um cara que vivia xingando pra mim? Não faz sentido. Isso é hipocrisia. 

Jiyong: Mas como eu disse, ele não aceita nem pra si mesmo, por que ele desabafaria com você se não sabe nem o que sente? Ele vai continuar me xingando porque eu não sou uma boa pessoa. Esses xingamentos são verdadeiros, ele fala isso na minha cara. Dê uma chance a ele, ele ama você. 

Daesung: Eu vou pensar... muito obrigado, Jiyong. De verdade. 

Jiyong: Pense bem. 

Eu nem sabia o que dizer. Jiyong conseguiu me entender e me descrever quando nem mesmo eu conseguia... isso... isso mexeu mais ainda comigo. Não foi o Daesung que refletiu e me descreveu... foi o Jiyong que fez a cabeça dele.

Devolvi o celular ao Dae e logo o abracei com força. Ele realmente pensou e só pensou por causa do Jiyong. Eu não estou devendo uma, tô devendo milhares pra esse Zé Droguinha idiota. 

- Obrigado por ter pensado, Dae. Eu te amo. - Falei, me trancando pra não chorar de emoção. 

- Imagina, Seungri. Nessas horas temos que apoiar um ao outro... mas me preocupa como está seu coraçãozinho. - Depois de tudo isso... ele está batendo com muita força. Isso eu sei. 

- Olha... eu não sei. Eu beijei o Hyunseung e não senti nada. Beijei uma garota que o Jiyong apresentou e nada. Beijei ele... e senti as melhores sensações possíveis. Deve ser porque entre esses, só ele sabe beijar bem, né!?

- Bem, amigo, normalmente quando a gente sente algo é porque gosta da pessoa. Você pode não ser gay, pode não ser hétero. Mas você gosta do Jiyong e tá em conflito por isso. Seungri, não se dê um rótulo. Não tenha medo de amar por medo de "ser gay". Amar alguém não te faz ser nada. 

Talvez... talvez ele esteja certo. Eu não preciso de um rótulo. Eu gosto de ficar com o Jiyong, ele me proporciona coisas boas. Esse medo e conflito com minha sexualidade tá me matando. 

- É... eu acho que você tem razão, Dae. Sabe... ontem... o-ontem... hoje de madrugada, na verdade... a gente fez... - Eu tinha um trato com ele e acho que meu melhor amigo pode saber essas coisas, né? Mas no meio do caminho me arrependi, porque só de eu começar a falar, os olhos dele pularam pra fora. 

- Fez...? Fizeram o que??? Meu deus, Seungri, conta!!! - Ele quase começou a chacoalhar meu corpo, pensei que ia infartar.

- A gente... fez... sexo oral. - Disse, tapando meu rosto com as mãos em seguida. 

- QUEEEEE? TÁ BRINCANDO!? Vocês tão nesse nível?? E aí, o que aconteceu?

- Bem... ele me levou numa festa, e sabe eu confesso que ele me deixa muito quente e eu queria mesmo saber como era a sensação de receber isso. Eu estava meio bêbado então foi mais fácil... e cara... é muito bom. - Disse, enquanto passava as cenas da madrugada na minha cabeça. - Dai depois a gente voltou pra festa e eu quis beber mais pra esquecer isso mas acabei dando pt e acordando 4 da tarde. Ele fez um sanduíche, me deu remédio e depois se declarou, dizendo que estava apaixonado. Eu não acreditei, pela pessoa que ele é, achei que fosse uma mentira pra poder me usar... mas daí ele disse ironicamente coisas como "fiz isso, isso e aquilo só pra te usar.", foi embora e não voltou até agora. Tô me sentindo um lixo. 

- Calma, calma. Você, em festa, bebendo? Deu pt? Que pessoa Jiyong é? O que tá acontecendo? Esse cara realmente deixou sua vida confusa... agora te entendo melhor. 

Bem... eu acho que seria antiético dizer que o Jiyong é um traficante, mesmo que seja pro meu melhor amigo. Primeiro porque ele é um careta e segundo porque É CRIME. Vou usar meus dias de aprendizado com o Jiyong pra inventar algo. 

- Olha Dae, não conta pra ninguém... mas ele  é daqueles que só quer saber de festa, enche a cara de bebida e fuma maconha. Daí ele meio que me arrastou pra uma dessas festas, mas eu não fumei nada tá!? Enfim, por esse motivo eu o julguei como se ele fosse aqueles caras que só querem saber de pegar qualquer um e inventam ter sentimentos pra conseguirem o que querem... mas não faz sentido, ele sempre cuida bem de mim. Eu fui idiota. - Admiti, porque uma vez ele me pediu pra enxergá-lo apenas como Jiyong, mas meu cérebro insistiu em sobrepor o G-Dragon. 

- Entendi... você careta do jeito que é, já achou que ele era um criminoso sem coração só porque ele fuma. Ai ai, Lee. Agora que você se tocou do que sente, vai atrás dele e pede desculpa. - Ah, criminoso ele é mesmo. 

- Mas... será que eu devo? Será que eu gosto dele mesmo? A gente não se conhece a tanto tempo, e se eu estiver errado? E se ele também estiver errado? A gente vai se ferrar! - Disse, preocupado. Até porque eu não quero passar a vida me arrependendo. 

- Claro que deve, Seungri. O tempo não importa nada nessas questões e se vocês estiverem errado, pelo menos tentaram e não ficaram se reprimindo. Você pode ver pelo próprio Jiyong. 

É verdade, ele tem razão. Eu deveria tentar. Meu coração bate forte quando o Jiyong está por perto, quando ele me chama de bebê e me toca. Acho que isso é gostar de alguém, né? Beleza, ele é um babaca Zé Droguinha que me irrita... mas mexe com meu coração. 

- E-então... eu... eu vou aceitar os sentimentos dele. Eu vou. Vou agora mesmo. Obrigado, amigo. Já disse isso e vou dizer de novo: eu amo você. - Eu estava decidido. Eu vou aceitar os meus próprios sentimentos, vou tirar esse muro contra ele que estava montado no meu coração. Eu vou esquecer o G-Dragon e pensar no Jiyong.

- Vai mesmo, nem precisa agradecer. Eu te amo, Lee. 
---- 

Já eram 11 da noite e nada do Jiyong aparecer. Eu disse pro pai dele que ele tinha ido na casa de um amigo que eu não lembrava o nome, porque vai que ele ligasse pro Youngbae e perguntasse algo, minha mentira iria pra baixo d'Água. 

Minha mãe perguntou se eu estava melhor e por um instante eu não sabia do que ela estava falando, mas aí lembrei que o Jiyong disse e confirmei tudo... Ela parecia aliviada e eu me senti horrível por ter mentido e deixado ela preocupada.

Eu estava preocupado. Onde ele se enfiou? Será que ele voltaria pra casa? Ele levou aquela mochila de sempre... O que ele foi fazer? 
Até que meu celular começou a tocar, me assustando. Era um número desconhecido, que saco ter que atender, quero ocupar meu cérebro com paranóias sobre o que o Jiyong estaria fazendo, estou sem saco pra ligações.

- Alô? - Disse, sem vontade. 

- Alô, Seungri!??? Onde você está? - Pelo que eu reconhecia, essa era a voz do Youngbae. Qual o motivo dele estar me ligando? Será que aconteceu algo com o Jiyong?

- Estou em casa, por que? O Jiyong está aí? 

- Está, estamos indo pro hospital. Ele teve uma overdose!!!! Nos encontre lá, por favor!! - Ele dizia, desesperadamente.

Sem responder, deixei meu celular cair no chão, enquanto olhava boquiaberto para o nada.

Isso não pode ser verdade...


Notas Finais


Obrigada por lerem ♥ Espero que tenham gostado do cap.
Então, como essa fic é na visão do Seungri então propositalmente eu tento escrever de forma que expresse uma confusão mental, tipo, uma hora estar gostando do Ji e outra hora já estar criando paranoias... não sei se vocês já sentiram esse tipo de sentimento mas espero que entendam a ideia haushaua
Até o próximo, bjssssss.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...