História Xeque-Mate - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Jikook, Jimin!bottom, Jungkook!top, Romance, Sexo, Xeque-mate, Yaoi
Visualizações 35
Palavras 4.715
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Começo do Jogo


Fanfic / Fanfiction Xeque-Mate - Capítulo 2 - Começo do Jogo

Trazendo uma pequena garrafa de vinho, batendo novamente no ombro de Jungkook, Jimin o aperta gentilmente balançando a cabeça um pouco.



- Você é um manipulador em potencial Jungkook.

- Obrigado. - ele dá um meio sorriso.

- Gostaria de uma taça de vinho?

- Ah, não. Sabe do que eu preciso Jimin? Um bom e velho whisky.

- Eu não bebo whisky.

- Qual é, eu sei que você tem aquela garrafa que te dei no seu aniversário!



Rindo, Jimin apoia a garrafa de vinho na pia.




- Você deu-me o presente com o Intuito de consumir você mesmo.

- Ora, você me conhece bem, Jimin.



Ambos os amigos realmente riam dessa vez, sentindo uma atmosfera mais tranquila crescendo no apartamento.
Jimin realmente tem a garrafa de whisky, e ele apanha dois copos sentando na cadeira ao lado de Jungkook.



Depois do segundo shot, Jimin se declara um homem das cervejas, fazendo Jungkook rir um pouco mais, contente por ter o whisky apenas para ele. Jimin sabe que é contra o julgamento permitir que Jungkook consuma tanto álcool. Ele sempre o ajudou nas suas saídas noturnas, o ajudando a chegar em casa e tudo mais; mas pensando sobre isso, talvez essa noite seja um dia em que ele pode deixar passar.
Jungkook precisa afundar um pouco em auto piedade antes de começa a se sentir melhor e coletar as peças quebradas. É como ele trabalha com perda, fingindo que não se importa.




Então já passa das duas da manhã e Jimin ainda tem de trabalhar no dia seguinte. Jungkook só vai para a oficina as dez logo, ele implica com Jimin sobre o seu trabalho. Ele já está sorrindo feito um bobo, com uma cor avermelhada nas maçãs do rosto.
Jimin não está muito atrás depois da sexta cerveja, mas ele se dá melhor com o álcool do que seu amigo ---- Jungkook sempre teve um estômago forte.



- Fala que tá doente.



Jungkook fala após outra dose.




- Não posso... muito trabalho.

- Cara, seush *trabalhu É chaaa-ti! - Jungkook cantarola as últimas letras sorrindo enquanto Jimin gira os olhos.

- Meu trabalho paga minhas contas, Jungkook.

- Ce sabe, eu vejo sua * boouca sesh mexendo masi eu só escuto bla-bla-trabalho-chato-bla-bla.





Jimin o soca levemente no ombro.





- Você é insuportável.

- Nah, você go-gosta de mim! - Jungkook dá uma risada.

- Bem eu tenho de gostar. Afinal, são dezesseis anos tolerando você.




Jungkook ri trancando os olhos na meia garrafa de whisky sobre a mesa, vendo o líquido marrom, caminhando por seus pensamentos num tempo distante no passado.



Eles se conheceram na escola, quando Jungkook tinha quinze e Jimin dezessete, e ele havia acabado de se mudar para a cidade com a família.




No início eles se odiavam. Jimin nunca falava com ninguém e quando o fazia era sempre com alguma resposta direta e dura, parecendo um ar de grandeza, como se ele se visse como uma pessoa melhor que qualquer outro ser humano dali. Isso irritava Jungkook. Ele chamou Jimin de esnobe.




No mesmo dia eles acabaram trocando socos e meia hora depois o diretor os colocou de castigo no ginásio para limpa-lo depois do treino de basquete. Em silêncio o ginásio foi limpo. Jungkook nunca olhava para Jimin e vice versa.





No estacionamento Jungkook ligou para seu irmão para ter certeza de que ele fora para casa sem nenhum problema, quando ele viu. Um cachorro estava andando no meio da rua com o sinal aberto. Não tinha como os carros pararem à tempo, mas no mesmo instante em que Jungkook pensou em correr até lá ele viu uma figura acelerando para pista, agarrando o pobre cachorro e se agachando na calçada com ele.





Surpreso, Jungkook piscou algumas vezes antes de se recuperar da cena. Pessoas estavam xingando o garoto e o chamando de estúpido por se arriscar por um cachorro. Quando Jungkook chegou perto ele ficou novamente chocado. O novato, Park Jimin, estava acariciando a cabeça do cachorro com um sorriso calmante, antes de erguer a cabeça e encontrar os olhos de Jungkook.





Jungkook nunca achou que fosse possível que alguém tivesse está cor clara elétrica nos olhos. O garoto ainda sorria quando notou quem estava o encarando, e repentinamente seu humor voltará a ser denso.




Ele deixou o cachorro, mas antes de começar a andar para casa Jungkook agarrou seu ombro e o girou, dizendo algo sobre seu braço, sangue e um corte. Jimin não queria ir a enfermaria, mas Jungkook bufou, insistindo que ele irria andando ou carregando.





A enfermeira o ajudou com a ferida, nada sério, só arranhões. Jimin a agradeceu, encarando Jungkook que ficou lá durante todo o processo.





Ele disse a Jimin, enquadro olhava para chão, que o que havia feito tinha sido bem legal para um cara esnobe que não fala com as pessoas.






Os olhos de Jimin ganharam um novo brilho de raiva quando Jungkook riu, contudo logo fora trocado por uma feição contemplativa. Isto chamou a atenção de Jungkook, que parou com a brincadeira. O moreno na frente dele disse que era mais fácil lidar com cachorros do que pessoas que o julgam.





Jungkook nunca julgou o garoto. Quer dizer, não muito. Ele apenas achava que Jimin era uma daquelas crianças elitistas de família de classe alta que estava tristinho por ter se mudado para uma escola pública.





Desta vez Jimin não o respondeu com um comentário sarcástico. Apenas parecia triste.






Por alguma estranha razão Jungkook sentia-se mal pelo cara, então ele acabou lhe dado uma carona até em casa, confirmando a Jimin que ele faria dezesseis anos em breve e que não tinha problema dirigir de casa até a escola. A surpresa foi que Jimin não vivia muito longe dele, num condomínio novo no final da rua. Jimin o agradeceu numa voz baixa, saindo do carro com a cabeça baixa, e novamente, Jungkook começou a se sentir um babaca.





Jimin era aluno novo, e só porque ele não falava com as pessoas ou era um pouco defensivo nas repostas não queria dizer que ele era uma pessoa ruim. Ou esnobe. Foi Jungkook quem o chamou assim, em primeiro lugar.





Na manhã seguinte ele estava determinado em ao menos tentar ser legal com Jimin. Não funcionou, entretanto, pois o garoto duvidava das suas intenções. Claro, Jungkook não o culpava. Pensando nisso agora, Jungkook percebe que ele foi meio que um idiota com Jimin ---- o garoto novo esquisito que tinha mania de realizar 'concursos de e encaradas'.





Teimoso como é, Jungkook continuou tentando e tentando até encontrar um interesse em comun: fast food. Jimin sorriu na primeira mordida no hambúrguer da lanchonete local que Jungkook insistiu que fossem depois da aula. Foi como se uma barreira caísse naquele dia, e Jimin começou a falar sobre como seus pais não o deixava comer este tipo de alimento por causa da gordura e açúcar.




Isto, claro, levou Jungkook a uma missão de mostras a Jimin ---- a maneira como ele começou a chama-lo ---- as maravilhas da comida gordurosa e doces.





A verdade é que, Jimin era um cara legal.






Ele tinha problemas para interagir com outros, muito por causa das suas enferrujadas habilidades humanas, como ele mesmo disse, razão pela qual Jimin nunca teve muito amigos. Ninguém antes fora como Jimin, insistindo por tanto tempo, sendo paciente com ele. Mais uma vez que Jimin sentiu-se confortavel, eles se tornaram bons amigos.





O ensino médio parecia tão idiota agora. Ambos cresceram e se tornaram dois adultos bem estabilizados com nada de importante para lembrar destes anos da escola que impotasse; porque eles e todas as crianças se importavam com as coisas pequenas. Amadurecer é uma coisa estranha mesmo.





Da escola as únicas coisas que Jungkook realmente gostava era o tempo livre e os amigos que carregou para a vida. Como Jimin, Yoongi, Jennie, e alguns outros mais.





E Jungkook agora percebe que ele é o tipo filosófico de bêbedo, deixando seu celebro maquinas essas memórias. Ele riu, coçando a ponta do nariz enquanto Jimin divertia-se o olhando.





- O que é tão engraçado?

- Nada. Só lembrando da *escolah

- Ah, sim, os anos dourados. - Jimin comenta, irônico.

- Você não gostava.

- Verdade. Mas meus últimos anos não foram tão ruins.

- Oh, posso perguntar o porquê, senhor nota dez?

- Simples: tornei-me amigo de um aluno nota seis.

- Ei! - Jungkook suspira ofendido. - Eu sou pelo menos um sete!




Jimin ri tão forte há lagrimas começado a se formar no canto dos olhos. Ele as enxuga, balançando a cabeça.





- Nós éramos um par de tolos. - Jimin diz, jogando a garrafa vazia de cerveja no lixo.

- E acho que ainda somos. - pondo mais whisky, Jungkook levanta seus olhar até encontrar seu amigo. - Fico feliz que da gente ter mantido o contado nesses anos.





Sorrindo, Jimin apertou os lábios numa fina linha.





- Eu também, Jungkook. Você é meu melhor amigo.

- O mesmo aqui.

- Brindemos, então, a este testemunho?

- Sim, Sim, capital!




Abrindo uma nova cerveja enquanto Jungkook enchia um novo copo, eles brindaram um tanto quanto tontos, fazendo um pouco do whisky cair no chão. Entre risos, Jungkook começou a lamber seus dedos.





- Cara, não desperdiça!

- Há uma garrafa logo ali, Jeon. - Jimin implica, apanhando alguns pedaços de papel toalha do armário em cima da pia.

- Ainda assim * issu é caaro!

- Não se preocupe. Eu tenho um amigo que irá me comprar mais depois.





Jungkook sorriu o chamando de idiota enquanto Jimin terminava de limpar o líquido caído no chão. Jungkook não pode deixar de olhar seu amigo, pensando em como era fácil a maneira com a qual falavam, mesmo depois de tantos anos. Apesar de que não conversaram muito nos últimos mês. Dês passou os últimos trinta dias ocupado com Jisoo e as constantes discussões.





Talvez a sua vida perfeita feita de torta de maçã não fosse tão doce quando ele achava. Séria muito mais fácil se ele achasse alguém como seu amigo; como Jimin.





Claro que ele reclama da bebida em excesso, mais Jimin nunca gritou com ele, ou o comparou Jungkook com seu pai; algo que Jisoo gostava de falar semrpe que as brigas esquentavam, lembrando Jungkook do péssimo exemplo que era para Mark.





Não, Jimin sempre se mostrava preocupado com Jungkook, dizendo como ele não precisava do álcool, que ele tinha amigos e família que o amavam. Jimin cuidou dele em tantas ressacas, e aturou Jungkook vomitando e reclamando no dia seguinte.





Tirando seu irmão e Boddy, família e amigos, ninguém nunca mostrou este tanto de interesse por ele. Jungkook reconheceu que tem uma bagagem grande de problemas envolvendo seu pai ausente, a maneira que ele nunca estava por perto durante sua infância, ou como ele saiu da faculdade depois de um ano, ou o temperamento explosivo, o alcoolismo.





Jimin nunca o comparou com Sr. Jeon, não nesse aspecto ao menos. Ele diz que Jungkook tem a coragem e a liderança na sua personalidade, mas ele também lembra a Jungkook o quão ligado à família ele é ---- umas das melhores qualidades dele.





Num sorrio torto, Jungkook continua observando Jimin, sem notar que seu amigo estava o olhando com a cabeça inclinada para o lado, franzindo o cenho.






- Algo de interessante que está olhando? - Jimin pergunta, o que faz Jungkook sentir uma leve vermelhidão nas bochechas.

- Não é nada... tô com sono.

- Nós devemos ir para cama. Já está tarde.

- É, é. - Jungkook vira o seu rosto, olhando para seu amigo com olhos pensativos outra vez. - Ei-uh... Jimin.

- Sim?





Jungkook bate no vidro em sua mão não certo do que dizer, como expressar sua gratidão. É difícil a ele deixar de lado o seu orgulho e o lado 'super macho' e expressar agradecimento a alguém depois de um término. Ao menos ele não chorou.





- Uh... obrigado, ce sabe? E-eu não sou bom com esse troço de sentimento, ce sabe, uh...* vocêe sempre me ajuusdou e-

- Jungkook. - Jimin o interrompe.

- Huh?

- Sem momentos água com açúcar.





Piscando surpreso, Jungkook começa a gargalhar, curvando seu corpo ao ouvir seu amigo citando uma de suas próprias frases.





- Boa jogada, Park.

- Não há de que. Agora, você precisa de alguma outra coisa?

- Cara, eu tenho um *sofah pra dormir, tô bêbado me divertindo com meu *melhor amigo... Eu não preciso de nada! - ele gesticula com as mãos no ar para cima e paa baixo bebendo o whisky enquanto inicia um monólogo - Eu não preciso duma mulher me dizendo todos os dias como minha vida é ruim.





A face de Jimin fica mais branda conforme Jungkook começa a descarregar o peso que ele provavelmente estava carregando esse tempo todo.





- Ou, ou como eu faria melhor se terminasseh a faculdade. Namjoon também estava estudando, ele precisava do meu dinheiro e ela sabe disso! E então ela quer que eu tome uma decisão! Dane-se isso! Eu tive a decisão de ficar com ela! É tudo uma desculpa, ela não vê isso?! E ela ainda falava mal do meu carro! Eu concertei aquela coisa do zero desde que eu tinha treze anos! E a maneira que ela fala do meu pai?! Eu sei, eu sei que ele é um cara fodido na vida, mais qual é! Ele ainda cuidou de mim e Namjoon.

- Eu entendo Jungkook.

- Você entende, certo? Claaro que você entende! Você é meu melhor amigo! - Jungkook ri torto. - Eu posso sempre, seeempre contar com você!

- É claro Jungkook. - Jimin sorri um pouco, porque seu amigo está claramente muito bêbado se está falando essas coisas.

- Certo! Então dane-se aquela mulher! Eu vou achar uma melhor!

- Tenho certeza de que vai.

- Eeee vai ser uma gostosa! Inteligente também! Que gosta de mim por mim, e não o que ela quer me transformar pra que eu me torne. Espera... isso fez algum sentido?

- Acho que sim. - Jimin sorri a ele tirando o copo de sua mão. - Agora, vamos descansar. Você pode ter essa garrafa embrulhada para viagem amanhã de manhã.

- Yey! Você é o melhor Jimin!

- Obrigado, eu aprecio seus elogios.

- Não, não, é verdade! - Jungkook põe uma mão sobre o seu ombro e começa a gesticular a outra na frente de seu rosto enquanto tenta se concentrar nos três "Jimins" na sua frente. - Você é engraçado e esperto, um pouco irritante, mais legal, eee você é meu amigo, e você, você, você-você, você tem uma tatuagem?





Jungkook exclama após notar as formas em negro que estava desenhadas sobre as costelas do lado esquerdo. Jimin estava usando uma calça de moletom pretas, assim como Jungkook, porém ele tinha o seu roupa o azul o tempo todo. Ele deve ter aberto durante as altas risadas que ambos davam, porque agora Jungkook conseguia ver claramente a tatuagem em seu torso. E só para constar, Jungkook não se lembrava de Jimin ter essa coisa ali antes.





- Sim? - Jimin respondeu sentindo a mudança de assuntos uma fina linha entre a sobriedade e o desmaio em Jungkook.

- Cara, quando você fez isso?

- Tenho quase certeza de que foi num par me meses atrás.





Jungkook ri, respirando fundo a fim de espantar a tontura de sua mente.





- Eu nunca pensei que você fosse o tipo de cara que teria uma tatuagem.





Jimin ergue uma sobracelha, confuso.





- Posso perguntar o porquê?





Dando de ombros, Jungkook manteve os olhos presos na tatuagem, tentando decifrar o que as estranhas palavras eram.





- Porqueee você é tipo, o bibliotecário chato que gosta de ficar dentro de cada, lendo com um copo de vinho enquanto escuta mmúsica clássica.

- Primeiramente, vá à merda Jungkook. Eu sou um tradutor de literatura. Em segundo lugar, vinho é uma excelente bebida e é saudável ao coração, terceiramente, Bethoven é um ícone fenomenal da cultura do mundo.

- De novo: bibliotecário chaaato.





Jungkook recebe, então, um bem merecido tapa na cabeça.





- Tsk, tãoooo sentimental, Jimin.

- Foi você quem provocou.

- Tá, tá, okay. Posso ver?





Respirando fundo em busca por paciência com seu melhor amigo ---- não que ele estivesse funcionando cem por cento agora ---- Jimin remove seu robe azul o dobrando na mesa da cozinha, levantando seu braço esquerdo para permitir que seu amigo possa examinar melhor sua tatuagem.





É um design muito bem feito, Jungkook admite. Ele deixa sua cabeça inclinar para o lado enquanto seus olhos ficam fixos no pedaço de pele pintada. Num movimento involuntário, Jungkook levanta sua mão e traça com a ponta dos dedos as curvatura do desenho que forma diferentes letras sobre as costelas de Jimin. Ela vai da parte de trás das suas costas um pouco acima do umbigo, eJungkook escaneou cada detalhe da tatuagem, sentindo-se zonzo devido ao whisky, porém igualmente uma sensação quente estava crescendo nele, seguindo o caminho que sua mão fazia até seu antebraço, então seu peito ---- que estranhamente começou a bater mais rápido.





Jimin segurou a respiração quando Jungkook tocou seu flanco. Os dígitos dele estavam meio frios, mas é a intimidade do toque, com seu amigo repetindo o caminho da tatuagem, que causou sua respiração irregular. Algo como um pequeno embaraço se espalha por sua face enquanto ele sentia a mão sobre seu corpo se aquecer a cada segundo que se passava com ela acariciando a pele ali.





Nenhum deles notou que a distância entre eles havia reduzido. Jungkook tinha uma mão sobre a cintura de Jimin, usando-a para ficar próximo de seu amigo enquanto a outra palma continuava deslizando sobre o desenho nas costelas dele.





Jimin podia sentir o bafo quente saindo da boca partida de Jungkook batendo sobre seu pescoço, e sua proximidade ------ outro corpo tão acerca. ---- estimulava seus nervos, causando calafrios gostosos na espinha.






- É uma bela tatuagem... - Jungkook fala após longos minutos de silêncio, de alguma forma não tão mais bêbado quanto antes, como se de alguma reação química tivesse feito seu celebro recobrar alguma sobriedade. - Isso quer dizer alguma coisa?

- É... Enoquiano. Uma língua considerada ter sido criada por anjos. Eu encontrei num livro que traduzir. É um feitiço de proteção.

- Feitiço? Anjos... - Jungkook riu, sem remover as mãos de Jimin. - Você é tão nerd, Jimin.

- E você é um comediante de quinta categoria, Jungkook. - Jimin deu um sorriso torto.

- Hmm.





Estranhamente nenhum deles queria sair daquele meio abraço, onde Jungkook tinha seus dedos acariciando o físico quente à frente dele, e Jimin acabou por colocar sua palma sobre o antebraço de Jungkook que tateava as linhas da tatuagem.





De repente, Jungkook está sorrindo, balançando sua cabeça um pouco ao segurar uma risada.






- O que foi? - inquire Jimin.

- Sei lá... Eu nunca pensei que você fosse fazer uma tatuagem. Aposto que você é tipo, uma daquelas pessoas que vai pela diversão e acaba tendo uma penca de palavras sem sentido tatuadas em lugares estranhos.

- Como é? - Confuso, Jimin levanta sua cabeça para se encontrar com um muito próximos par de olhos castanhos que continuam o encarando. A boca de Jungkook permaneceu curvada num meio sorriso petulante.

- Aposto que você tem uma tatuagem num lugar bizarro. Como, na sua bunda.

- Novemente: como?!

- Com uma dequelas estúpidas frases de caminhão: buzine se você aprova minha direção, ou algo do tipo.

- Jungkook, eu posso lhe garantir que não há nada tatuado nas minhas nádegas.

- Ah, Cara! Se você tiver uma tribal vou te zoar pelo resto da vida!






Perplexo, Jimin continuou parado encarando Jungkook e as baboseiras que ele dizia sem parar numa tentativa de piada, começando a se irritar um pouco.





- Jungkook eu não-

- É uma tribal não é?! Cara, isso é hilário! Espera até o Namjoon ouvir isso!





Bufando, Jimin deixou o estranho abraço que ainda acontecia entre eles. Sentindo-se um pouco culpado, Jungkook estava pronto para se desculpar, mais então ---- então ---- Jimin via de costas, vagarosamente inclinando sua cintura para atrás fazendo casa banda redonda sobressair empinada. Esta mera visão fez Jungkook engasgar por algum motivo.





Logo em seguida Jimin causou um ataque cardigo em Jungkook quando ele desliza suas mãos em cada lado de seus quadris, escaneando o tecido da calça de moletom, escorregando os dedões na barra e sem pressa alguma escorrega a roupa para baixo, mais e mais, com o material macio caindo no terno par de nádegas, até que ele para o elástico da calça no início de suas coxas, tenho certeza de que a visão é clara para Jungkook ter uma perfeita visão de suas costas inteiras.






E, oh, Jungkook tem uma ótima vista, com certeza.






Não há pensamentos coerentes ou palavras se formando na cabeça de Jungkook. Ele só consegue olhar e olhar com seus orbes ficando maiores e uma linha negra começar a cobrir suas íris; uma onda de fome crescendo dentro dele por razões que Jungkook não consegue entender, tudo o que ele quer agora é enfiar as mãos e a boca naquele delicioso pedaço de carne.






E ele não devia pensar essas coisas. Ele não devia sentir-se atraído por outro cara ---- por seu melhor amigo, pelo amor de Deus!






Mas Jungkook é apenas humano, e que batam na cara dele se Jimin não parece extremamente gostoso agora, mostrando uma perfeita bunda nesse mini show de strip-tease...






- Como pode constatar eu não possuo nenhuma tatuagem nas minhas nádegas.






Jungkook escuta o que Jimin está dizendo, contudo seu corpo move-se por vontade própria quando suas mãos apertam os dois lados redondos de Jimin os apertando.





Porra, a pele é macia. E firme. Quente, macio e fifirme par de nádegas que Jungkook segura em suas mãos enquanto suga ar pela boca numa respiração faminta.





A ação assunta Jimin, que quase cai para frente, mas consegue se equilibrar, apoiando uma mão na parede a frente dele.
Quando entende o que está acontecendo uma vermelhidão cresceu em seu rosto e Jimin arfa ao sentir mãos fortes que começam a acaricia-lo em doces movimento circulares.





- J-Jungkook o que está fazendo?! - ele pergunta meio agressivo, meio excitado pelo toque.

- Hmmm... Não sabia que você tinha uma bunda tão maravilhosa, Jimin...






Jungkook pressiona seu peito contra a espinha de Jimin se alinhando ali, ainda segurando as nádegas de seu amigo. Seus lábios pressionam um terno beijo na nuca do menor, lambendo e mordendo as laterais se seu pescoço até dando beijos abertos em seu pescoço.





Algo grande está acontecendo, e Jimin não pode permitir que isso continue, mais ainda... Jungkook está atrás dele, o tocando e beijando, fazendo incríveis sons saírem da garganta quando ele ronrona. E seu queixo roça na coluna de Jimin causando um calafrios delicioso em casa canto de seu corpo. Entretanto, ele precisa retormar o controle.





- Por favor Jungkook. Você está bêbado. - ele tanta uma vez com a bom vencendo o mal na batalha interior que ele está tendo.

- Você também está.





Não dando chance a Jimin de responder, Jungkooko gira e pressiona seu corpo na parede, juntando ssues peitos e esfregando as peles para cima e para baixo enquanto mordisca a clavícula de Jimin, sugando a pele ali.





Um pequeno grunhido escapa de Jimin, ele nem consegue esconder o volume no meio de suas ccalças. Jungkook agarra os dois pulsos dele e os segura em cada lado da cabeça de Jimin.





Perplexo, Jimin imita os movimentos que Jungkook começa fazer quando avança a cabeça para frente, inclinando sua face para um lado depois o outro, brincando com os lábios de Jimin enquanto ele chega centímetros perto, mais não toca a carne saborosa. Ele encosta o bafo morno sobre a boca de Jimin enquanto assiste o peito de seu amigo preso na parede arfar descompassado. Oh, ele está tão a fim disso. Assim como Jungkook.





- Jimin.






Engolindo seco, Jimin dá um pequeno choro, piscando seus olhos fosco para lutar contra a excitação que estas ações provocam ele. Não é justo. Isto não é nem um pouco justo!





Jungkook é hetero. Ele sabe como jogar esse jogo sem perder o controle. Jimin era aberto sexualmente desde seus vinte e pouco anos. Há claramente uma desvantagem em quem vai perder essa pequena aposta primeiro.





Que a realidade seja exposta aqui. Jeon Jungkook é um delirante pedaço de homem l. A qualidade certa de músculos delineador cada lugar do seu corpo, com olhos castanhos que podem te deixar hipnotizados por horas, uma voz que te compele a fazer o que ele quiser; os lábios carnudos e rosados que pedem para ser constantemente beijados, as pequenas pintas em suas bochechas e ombros, ou como o desenho de sua mandíbula é bem estruturado, sem mencionar o cabelo cor de areia arrepiada que combina com seu físico em um perfeito desorganizado arranjo.





Jimin é seu amigo, mas ele não é cego.





- Estude Jungkook... Nós deveríamos dormir agora. - Jimin tenta, contudo ele lambe seus lábios em querência. - Você... Você não está funcionando adequaldamente.





- Oh, acredite Jimin. - Jungkook responde apanhando um pulso de Jimin e o pondo no meio da sua própria excitação, fazendo Jimin o sentir e soltar um gemido. - Eu estou funcionando muito bem.

- Céus... - Jimin enquanto Jungkook faz sua mão apertar sua própria excitação, fazendo Jimin engasgar um gemido.

- Qual é, Jimin... - Jungkook pede, bufando em sua orelha, aliviando a queimação do seu crescente volume com o toque induzido da mão de seu amigo.





Um ímpeto de adrenalina toma conta dos sentidos de Jimin e ele não mais precisa da assistência de Jungkook para apertar sua mão sobre o tecido macio da boxer, começando a bombear a extensão de Jungkook. Jimin fecha os olhos e geme, caindo sua cabeça para atrás na parede num respiração profunda, permitindo a Jungkook mais espaço em seu pescoço. Jungkook suspira em alívio, dando beijos abertos no maxilar de Jimin e o espaço extra na linha do pescoço é perfeita para Jungkook o atacar com mordidas e beliscadas.





Uivando, Jimin move seus dedos para que tracem os delicioso longos centímetros do membro que segura sobre a boxer. Dessa vez Jungkook quem choraminga Alto, pressionando suas pernas ainda mais contra Jimin, balançando os quadris para cima e para baixo usando a mão de Jimin como bem entende.





- Hmmm, sim!






Ele balbucia enquanto Jimin se enche de coragem e arrasta a calça de moletom para baixo, indo dentro do tecido da boxer e tocando a pele desnuda com a palma. Está molhado com pré-gozo enquanto ele usa essa unidade para escorregar os dedos, movendo da base à cabeça. Jimin abaixa o queixo no seu peito e ele pode ver a fissura avermelhada da glande, gemendo leve com a visão da pele cobrindo e descobrindo a ponta, com novas pérolas líquidas brilhando fluindo para fora.





- Porra! Tá tão bom! Tão bom, Jimin.






O nome ---- seu nome ---- sendo dito por essa voz acorda Jimin do torpor. Medra. Aquele é Jungkook. Esse é seu amigo. Ele está com a mão lá embaixo; batendo uma no seu melhor amigo! Ah, puta merda, o que eles estavam fazendo?! Engolindo seco, Jimin tenta escapar do pequeno espaço da parede em que está preso.





- Deus! Isso tem que parar Jungkook!






Ele grita, puxando sua mão das calças. Jungkook não concorda muito bem com a decisão dele. A mão de Jimin é pega por Jungkook imediatamente, grunhindo em frustração ao lamber uma linha de saliva na mandíbula de Jimin, então seu queixo, fazendo uma rota pela cútis, parando apenas no seu lábio inferior.





Os olhos se encontram após tanto tempo negligenciando suas visões e lá está um princípio de medo e desejo dançando a mesma música, porém indo mais fundo naquele par de orbes castanhos Jungkook consegue sentir afeição ---- assim como Jimin consegue notar uma nota de melancolia no seu amigo. Não é preciso muito mais para entender o que está acontecendo naquele momento o que Jungkook está silenciosamente pedindo a Jimin.





- Jungkook, você...

- Só, por favor Jimin. Eu só... só preciso que alguém FIQUE comigo agora.





- Oh, Jungkook.


Notas Finais


Até o próximo capítulo beijinhos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...