História {yes, daddy?} - Capítulo 54


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol
Tags Chanbaek, Daddykink
Exibições 262
Palavras 1.016
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OIEEE

vim dar um capítulo extra a vocês, então, não estavam curiosos sobre baek?

espero que gostem, boa leitura ;)

Capítulo 54 - • livre? •


Fanfic / Fanfiction {yes, daddy?} - Capítulo 54 - • livre? •

Então, fui jogado no chão.

 

Ouvi-o rir, puxando-me pela gola de minha blusa e facilmente me levantando no ar.

 

— Você acha que apenas irá se vestir como quer, se esfregar em outros homens e ainda ficará sob meu teto?  — perguntou com o rosto vermelho de raiva.

 

Não sabia o que fazer, então apenas tentava retirar sua mão de meu pescoço.

 

— Sabe que eu poderia fazer a mesma coisa que fiz com sua mãe em você, certo? — perguntou e riu abafado. — Eu adoraria fazer isso. — então apertou mais meu pescoço. — Você não honra o sobrenome Byun.

 

— N-nem v-você. — falei com o resto de força que tinha.

 

Ouvi-o rir, então sabia que iria para o hospital.

 

Ele soltou meu pescoço, me dando tempo para respirar.

 

Vi ele ir se sentar em sua cadeira, sem tirar seus olhos de mim.

 

— Você poderia ser um filho perfeito, Baekhyun. — falou — Encontrar uma mulher que goste, terem filhos e também me suceder, sendo um dos advogados mais famosos da Coreia. — falou e riu, negando com a cabeça.  — Mas não... Você preferiu ser um mulherengo, viadinho de merda que gosta de rebolar para cima de outros homens. — fechou os olhos, contendo a raiva, enquanto eu sentia os meus voltarem a se encher d'-água. — Eu te criei com tanto carinho, Baekhyun, para você me decepcionar assim.

 

Respirei fundo para começar a falar.

 

— Você seria rico, teria tudo o que quisesse. — falou me interrompendo — Sua família seria muito bonita, assim como a nossa era, até você dizer que era gay e então, destruir tudo. — falou e ia continuar, até eu o interromper.

 

— Nossa família nunca foi perfeita. — iniciei — Não havia como ser perfeita com você enchendo a cara, com você batendo em minha mãe, dizendo coisas que eu desejei nunca ter ouvido. — falei — Aposto que você nunca se importou com ela. — falei e senti uma lágrima quente escorrer.

 

— Eu não me arrependi quando soube que sua mãe havia morrido. — falou e riu — Aquelas lágrimas foram falsas, Baekhyun, enganar a mídia é muito fácil. "Eu amava-a" — repetiu o que disse e riu novamente. — Você não sabe distinguir a verdade, B- — o interrompi

 

— Mas então porque você tem ódio de mim? Anda descontando seus nervos em mim, já que não há mais a mamãe? — perguntei — Eu não sou o único assim. Hanyul também é gay, mas você nunca apontou um dedo para ele. — falei com raiva, eu era o único que sofria naquela casa, junto a minha mãe.

 

— Hanyul merece respeito, ao invés de você, Baekhyun — falou me olhando nos olhos. — Hanyul não age como você, Baekhyun.

 

— Então você prefere Hanyul a mim? — perguntei.

 

— Claro. Hanyul nunca foi gay. Não há como. — falou e riu abafado.

 

— Então pelo visto ele não te conta todas as verdades. — falei — Hanyul namorou comigo há 2 anos. Nossa relação durou anos.

 

— Então você sempre foi um amante, Baekhyun. — falou e riu, parecia feliz. — Porque você acha que Hanyul sumiu do nada? Porque você acha que Hanyul apareceu e então, lhe trouxe para cá? — perguntou — Você deveria abrir seus olhos, Baekhyun, assim talvez passaria a acreditar menos nas pessoas que tanto ama.

 

— O-o que você quis dizer com isso? — perguntei com medo, por mais que já tivesse alguma ideia.

 

— Vamos lá, Baekhyun, por favor. Acha mesmo que Hanyul te amaria? Ele é um de meus secretários. — falou — Claro que tem sua vida, faz tudo o que eu faria com você, se você fosse alguém que merecesse respeito.

 

— Então, todo esse tempo que estive com Hanyul eu estive sendo enganado? — perguntei — Não há como, Hanyul sempre acha alguma forma de me tocar.

 

— Pare de falar coisas assim, antes que a raiva tome conta de mim. — falou e balançou a cabeça. — Ah, eu não preciso saber porque Hanyul lhe toca. Ele deve achar seu corpo bonito, sei lá o que gays tem em mente. — falou sem dar muita importância.

 

Enxuguei as lágrimas que ainda caiam e logo olhei uma última vez para ele.

 

— Se é assim, finja que eu não existo. Não pense em mim, tentarei fazer o mesmo. — falei e fui até a porta, abrindo-a e saindo de perto da mesma. Ele não tinha me chutado, não pelo menos a parte de baixo de meu corpo, então eu não estou mancando. A parte de cima de meu corpo dói, mas nada que eu morra.

 

Fui até as escadas, quando vi de relance meu quarto.

 

Rapidamente fui até lá, suspirando feliz quando abri a porta, ela não estava trancada.

 

Senti mais algumas lágrimas quando vi que tudo ainda estava em seu devido canto até mesmo depois dele me expulsar de casa, mas lembrei que teria que ser rápido, senão, mais humilhação, então comecei a pegar tudo.

 

Peguei tudo que era importante, não deixando o dinheiro que não gastava no quarto, suspirando feliz já que eu usaria aquilo para algo bom.

 

Com minha bolsa cheia, fui até meu guarda roupa e peguei um porta retrato, retirando a imagem de mim, e minha omma, guardando na bolsa.

 

Fui até o banheiro e vi todos os machucados que ele havia feito em mim. Lavei meu rosto com cuidado e passei algumas coisas para disfarçar, afinal, andar na rua todo machucado não é legal.

 

Fechei a porta silenciosamente, coloquei a bolsa em apenas um lado de meus ombros e desci as escadas de fininho.

 

Percebi que Hanyul não estava em casa, ou seja, um ponto pra mim, não teria que aguentar olhar para aquela cara novamente.

 

Suspirei feliz novamente quando vi que o idiota não tinha deixado a porta trancada.

 

Só podia ser muito idiota mesmo.

 

Abri a porta e saí de perto daquele inferno que eu costumava chamar de casa, me distanciando, tentando encontrar algum ponto que eu pudesse saber onde estava.

 


Notas Finais


amanhã ainda terá o capítulo <3

acabou que eu expliquei sobre hanyul nesse, mas se quiserem fazer perguntas, me digam (não esperem-me pedir perguntas, sempre que ficarem com dúvida me diga)

enfim, xau <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...