História You and Me. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Death Note
Personagens Beyond Birthday, L Lawliet, Matt, Mihael "Mello" Keehl, Nate "Near" River, Personagens Originais, Watari
Tags Drama, Mattxmello, Wammy's House
Exibições 69
Palavras 2.234
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá meus anjos ^^

E aqui a fic que eu prometi para vocês <3


Bom fic baseada na musica You and Me do soja (links notas finais)

De mais notas finais e vou deixar no link com o calendário de att das minhas fics nas notas finais tbm.

Ps. não faço apologias as drogas, muito pelo contrário fiquem longe delas meus lindos.

Boa leitura!

Capítulo 1 - Mihael Keehl.


 

Mihael Keehl.

 

O frio dilacerante era quase imperceptível, mesmo com a temperatura que marcava menos de zero grau, o ar adentrara seu pulmão de maneira cortante pela velocidade de seu andar, o som da sirene se tornava mais presente não importava o quanto o pequeno corria, as lágrimas teimavam em cair pelo seu rosto, tudo que os pequenos olhos azuis conseguiam enxergar era apenas a escuridão, a criança encontrava-se assustada, não era todos os dias que se via o assassinato de seus pais com um tiro a queima roupa, não era mesmo, Mihael um pequeno garotinho que desde cedo viu em seu lar o que não seria saudável nem ao menos a um adulto, tentava se abrigar o mais longe da Polícia e o mais longe do traficante que matou seus pais há pouco em sua frente.

 

Suas pernas o levaram para dentro de um terreno baldio, e de lá achou um lugar para se esconder, um pequeno buraco na parede, estava escuro, não enxergava nada, o cheiro de mofo da lacuna nem um pouco ventilada invadia suas narinas, o medo constante de que algum rato ou outro bicho surgisse era gigante, mas o cansaço venceu o corpo do loiro e os olhos se fecharam na hora enfim o sono havia tomado o loirinho por completo.

O sono por diversas vezes invadido pelo ocorrido de mais cedo, sua mãe Leona uma jovem mulher de vinte e três anos, com uma aparência nenhum pouco saudável olheiras fundas, pele opaca, a mulher era só pele e osso, levava agora o pó de heroína para dissolver junto a água esquentando o liquido no isqueiro prateado, Mihael via aquela rotina de sua mãe pelo menos três vezes ao dia, a pequena casa de dois cômodos tinha pilhas de caixas espalhadas por todos os lugares que ele olhava em meio ao caos que seu pai Klaus adentrou a pequena casa de dois cômodos ele estava aparentemente assustado e falou alto:

 

— Mihael entra aqui agora! — O pai apontou para baixo do sofá — E não sai daí de jeito nenhum!

 

O menininho não questionou o que ele falou com muito custo aprendeu que desobediência não era bem vindo para sua família, ele se agachou e de La a única coisa que podia se ver eram os pés de seus pais que se moviam desesperados de um lado ao outro quando a voz de sua mãe resoou baixo mais audível:

 

— Bem o que aconteceu?

 

— Aaron aquele filho de uma puta, vem nos pegar!

 

E mal as palavras foram ditas e o barulho de alguém arrombando a porta pode ser ouvido, Mihael se assustou nunca antes algo como aquilo havia acontecido, ele sentia suas mãozinhas tremerem e sentiu sua respiração falhar, e sua audição foi preenchida pela voz alta de Aaron que o pequeno conhecia muito bem como o traficante que passava heroína para seus pais, por diversas vezes o menino foi buscar a droga com o homem, um cara alto, musculoso que possuía uma cicatriz enorme no rosto.

 

— Então os viciados de merda não vão me pagar?

 

— Só mais uma semana é o que eu peço! — A voz chorosa de seu pai falou.

 

— Na semana passada Klaus você e a putinha da sua mulher me pediu uma semana, o que faz você imaginar que vou aceitar, você me deve a mais de três meses oito mil marco, entretanto aqui você ainda continua a comprar esse caralho, quem tá te arrumando heroína Klaus? È o Alexander? È aquele veado?

 

— Me desculpa Aaron! — A voz chorosa do pai do pequeno ressoou.

— Só responde a porra da minha pergunta seu viciado de merda!

 

— È com o Alexander!

 

— Klaus me dói muito fazer isso seu viciado de merda! — E o barulho do tiro certeiro se misturou as lágrimas de sua mãe! — Agora você vadia! — E outro tiro foi ouvido.

 

O menininho ficou paralisado com medo por longas horas mesmo depois que viu Aaron sair pela porta a fora, toda a imagem que tinha do lugar era dos pés do seu pai caído a sua frente e no chão uma coloração avermelhada, ele segurava o choro sabia muito bem que de nada iria adiantar chorar naquela hora.

 

E foi com o mesmo sentimento de terror que Mihael acordou ainda no terreno baldio, agora ele sentia o frio do inverno rigoroso alemão.

 

Os dias passaram lentamente, em uma noite ele conseguiu escondido voltar a sua residência, lá ele encheu uma mochila com alguns de seus pertences e uma boa quantidade de dinheiro que o falecido pai guardava em um pequeno esconderijo, não tinha para onde ir, mas sabia muito bem que se fosse pego seria levado para um abrigo.

 

E voltou ao seu esconderijo desde quando fugiu da policia, Mihael não confiava em ninguém, quando seus pais ainda eram vivos não tinha paz nem para dormir, morava num bairro muito ruim de Berlim, cheio de vagabundos, prostitutas, traficantes e viciados, a clara decadência de duas décadas atrás.

 

Não era a toa o fato de a criança ser arisca daquela maneira, filho de dois viciados em heroína, desprezado pelos mesmos, sofria agressões dia sim dia não, e para piorar passava fome porque os pais gastavam todo dinheiro com drogas, e seus luxos.

 

Os pezinhos lhe guiava as luzes noturna que misturava a milhares de pessoas que não podia deixar de reparar no belo menininho de cabelos loiros e olhos azuis, com vestes sujas e rasgadas, Mihael não sabia ao certo há quanto estava sozinho no mundo, quantos dias vivia daquela forma desde que Aaron matou seus pais, mais uma coisa ele sabia muito bem que chamava atenção para si, decidiu que deveria voltar para seu abrigo protegido, se entrasse em alguma mercearia daquele jeito a policia seria acionada novamente, correu para o terreno, não tinha como tomar banho e seu cheiro já o desagradava, contudo não tinha o que fazer, sentou no buraco e sentiu seu estomago roncar.

 

Os dias passaram e sua situação só piorava o problema da higiene já havia resolvido com uma bica que encontrou mais a fundo do terreno, tinha de vez em quando problemas com bichos que roubavam sua comida, sua condição era precária, aliás, mesmo gastando pouco o bolo de dinheiro que pegou em sua casa já estava minguando, ele não queria ter de roubar para se alimentar ou ir para um abrigo isso estava fora de cogitação.

 

Sem contra o frio que aumentou nos dias seguintes, agora o menininho sentia suas costas doer, e não parava de tossir, ele tinha de ser forte e não demoraria para sair daquela situação.

 

Tudo estava mesmo para mudar da água para o vinho para o pequeno loirinho, caminhava em direção à venda que sempre comprava sua comida com o pouco de dinheiro que lhe restava, ele sentia a necessidade de descansar, seu corpo estava mole, e a tosse de dias atrás piorava cada dia mais, a dor se alastrou para o restante de seu corpo, e pela primeira vez em sua vida pensou na sua morte ele tinha apenas nove aninhos, e já se encontrava naquela situação.

 

 

O caminhar lento na direção do que de fato queria, a tosse fazia com que ele parasse seu caminho por causa da dor, e as safiras quase que se fechava a todo o momento, o frio que sentia só piorava quando o vento encontrava em seu corpinho, e sem perceber, o que ele fazia os pés tropeçara e ele caiu já não enxergando mais nada...

 

 

Os olhinhos encararam com desconforto as luzes, quanto tempo ele tinha dormido, o frio já não era mais presente, sentia o suor por todo o corpinho, a luz ainda não era confortável aos seus olhos ele conseguiu levantar e encarar o lugar, era um quarto simples com algumas macas e outras crianças, assimilou que estava em um hospital.

Não demorou em que uma jovem se aproximasse dele, e com um sorriso no rosto dela gesticulou alegre:

 

— É Mihael né? — O loirinho virou o rosto e não respondeu. — Eu sou Bella Hecht sou uma assistente social! — E novamente não houve respostas — Gostaria te ajudar! — O som de sua voz ressoou temeroso.

O olhar frio lançado para a jovem mulher, e Mihael virou o rostinho antes de pronunciar com amargura:

— Me ajudar a me levar para um orfanato senhora, isso é ajuda?

— Mihael você entende que não tem idade suficiente para se cuidar você chegou aqui quase morto!

— Não quero sua “ajuda”! Eu me virei muito bem sozinho até aqui!

— Querendo ou não você não pode ficar sozinho Mihael! — A jovem temerosa por fim completou — Eu estou com todas as suas notas acadêmicas e conversei com sua professora nesse tempo!

 

— E do que isso vai adiantar mulher! De um jeito ou de outro vou ir para um orfanato, estou errado?

 

A mulher a sua frente se impressionou com o garoto ele não parecia ter sua idade a professora dele estava certa Mihael não era uma criança comum para sua idade, e talvez se não fosse pelos pais drogados ele poderia muito bem ter pulado várias series, e foi por esse motivo que Bella se encarregou dele, Bella era a única assistente social de toda Alemanha que tinha contato direto com uma casa para crianças em especial.

 

A casa chamava-se Wammy’s House era uma instituição na Inglaterra fundada especialmente para crianças superdotadas de QI elevado, seu ensino era voltado não pela idade da criança e sim para sua formação profissional focando justamente na área que cada uma delas levava mais jeito, e ao observar o pequeno loirinho que apesar de sua irritabilidade, justificada pela circunstancias, ele podia muito bem se dar bem naquele lar.

 

— Bom não quero que você acredite de primeira em mim Mihael, porém posso garantir um bom lar para crianças como você!

 

— Como assim filhos de viciados?

 

A mulher engoliu a seco com a resposta do pequeno e falou:

 

— Crianças superdotadas Mihael!

Ele fitou os olhos para mulher com rancor e depois falou:

 

— Tanto faz faça o que achar melhor, de qualquer jeito vocês me pegou não foi?

 

  O jovem sorriu e depois falou:

 

— Vou só pedir que você preencha esse teste que vou enviar para o responsável deste lar e tudo positivo eles marcam uma entrevista com você!

 

— Como já disse senhora Hecht eu não ligo para isso! — E ele estendeu a mãozinha até alcançar o teste que a mulher lhe indicava.

 

Mihael tentava conter os risos com aquele teste ridículo, ela estava brincando com ele só podia, mesmo assim tentou prestar o máximo de atenção possível, mesmo ela dizendo que teria quarenta e cinco minutos para respondê-lo, e foi exatamente o que ele fez, todavia por algum motivo terminou vinte minutos antes do tempo depois a mulher despediu dele, e por fim ele deitou sentindo as costas doer um pouco, e prestou atenção em um desenho qualquer que passava na TV.

 

Na verdade ninguém lhe disse o que ele tinha, ou há quanto tempo dormiu, onde de fato ele estava o pequeno alemão nunca tivera antes paz em sua vida e descobriu da pior forma que ela não lhe agradava, não ter ninguém para gritar com ele, ou não conseguir dormir por causa dos barulhos infernais de sua mãe e pai quando estavam sob o efeito da droga, aquela paz continua lhe causava repulsa, nem ao lado daquelas crianças moribundas podiam-se ouvir vozes apenas quando os pais e parentes delas os visitavam, estava de saco cheio daquilo, ele não sabia quando era noite ou dia, mesmo assim a inércia fazia com que o tempo não passasse, e até a visita da senhora Hecht começou a ser agradável a vista do menino, ela levava alguns livros para que ele pudesse passar o tempo, e os dois ficavam conversando sobre esses mesmos livros.

 

O menino Keehl não sabia ao certo quantos dias haviam passado desde que acordou no hospital ele sabia que era a quarta visita da assistente social, desta vez um rapaz estranho, pálido e com grandes olheiras que emergiam ao redor de suas orbes ônix surgiu com ela e um velho homem de óculos e chapéu coco cinza, o garoto entendeu que aqueles eram os responsáveis do tal lar que a mulher sempre falava para ele, o velho homem sorridente de mais para os padrões do pequeno Alemão aproximou do garoto e indagou:

 

— Tudo bem Mihael?

 

O menino não entendeu como, contudo o velho homem lhe despertava segurança e disse com seu tom gélido:

 

— Sim! Quem é você?

 

— Mil perdões pequeno meu nome é Quillsh, sou o responsável da Wammy’s House, a senhora Bella lhe falou sobre lá não é mesmo?

 

— Sim um lar para crianças superdotadas e bla, bla, bla! — Depois seus olhos foram guiados em direção do jovem moreno — E quem é você?

 

— Prazer Mihael pode me chamar de Ryuga!

 

— Bom apresentação em andamento — O velho falou sem perder tempo — Gostaria de te dizer que depois de analisar o seu teste de QI e suas notas anteriores ficaria imensamente feliz de te receber na fundação!

 

— È só isso?

 

— Sim! O velho falou — Pelo que o médico me informou você recebe alta amanhã, então amanhã mesmo partimos para Winchester! Bem vindo a Wammy’s house!

 

Os olhinhos azuis arregalaram, antes de perguntar desacreditado:

 

— Inglaterra?

 

— Isso mesmo!

 

O menininho tentou ocultar a ansiedade, o que era de certa forma difícil, contudo sorriu doce quando o jovem Ryuga acenou com um largo sorriso no rosto depois virou as costas e foi embora...

 

“...”

 


Notas Finais


Bom esse é o primeiro cap e espero do fundo do coração que tenham gostado meus amores, uma pessoa que não citarei nomes ficou falando para eu postar o mais rápido possível que ela queria muito ler hahaha.

Calendário de atualização:
https://spiritfanfics.com/perfil/niccax/jornal/organizacao-bota-ordem-na-vida-6690132

Musica You and Me do Soja:
https://www.youtube.com/watch?v=Gww3ADVx1Iw



Bjoes a todos e até o próximo. <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...