História You Are The Best For Me - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cameron Dallas
Tags Cameron Dallas, Colegial, Drama, Magcon
Exibições 191
Palavras 2.519
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Amooooooores, voltei! Sentiram minha falta? Espero que sim pois eu senti a de vocês. Fiquei um tempinho sem postar por conta do PC, que foi formatado! Mas, aqui estou eu de novo. O computador ficou bom!
Já vou avisando que esse capítulo não está tão bom. Talvez seja porque eu não estava com tanta criatividade, mas prometo que isso não faltará nos próximos capítulos!
Amores, eu tenho um aviso muuuito, muuuuito importante nas botas finais. Espero que gostem!
Comentem e favoritem. Por favor nisso, obrigada por tudo. Sou muito grata!

Capítulo 25 - Just a friend


Fanfic / Fanfiction You Are The Best For Me - Capítulo 25 - Just a friend

Voltamos para o hotel e exaustos. No caminho do ônibus, todos nós dormimos com a exceção do motorista. Ele estava lá desde que saímos e parecia bem acordado.

Por nossa sorte, parece que o caminho de volta não demorou tanto assim quanto na ida. Apenas impressão nossa, talvez.

— Eu só quero dormir na cama macia do hotel. Minhas costas foram pisoteadas por um dinossauro enorme. – Matthew resmungou.

Não contive em rolar os olhos e ri. Ele era sempre tão dramático, parecia até mesmo uma menininha.

— Ah, calma, nem foi tão ruim assim.

Falei. Mas na verdade, foi maravilhoso. Fiquei com um pouco de raiva ao ver que Steph não estava mais ali quando acordei, como eu havia desejado, mas sei que ela fez o certo.

Talvez eu não me responsabilizasse mais pelo que poderia ter feito assim que acordasse e a tivesse do meu lado. Eu me controlava fazia muito tempo pra não agarrar ela.

Ontem, com o que aconteceu, eu só quis mais. Ao invés de ter saciado e ficado satisfeito com nossas bocas juntas, aquilo só me deu mais vontade.

Será que essa vontade nunca passaria?

A vi pela última vez entrando em seu quarto. Steph deu um sorrisinho tímido e eu acenei para ela, com outro.

Assim que vi a cama, me joguei em cima dela. Esperei Matthew sair do banheiro para eu tomar meu banho, então, quando acabei, adormeci e a única coisa que estava na minha mente, era a imagem dela.

***

Steph point of view:

A sensação de que tudo estava ficando perfeito me assustava. Sempre acho que algo irá dar errado, porque na minha vida, nada é tão bom assim como está agora.

Respirei fundo e me encarei no espelho. Minhas bochechas estavam vermelhas, mesmo sem motivos. Talvez apenas por lembrar do meu breve momento com Cameron.

Só a sensação de saber que ele corresponde aos meus beijos e me quis por perto, é maravilhoso. Logo eu, que sempre fui apaixonada por ele.... Sempre quis mudar isso por achar que era muito clichê. O popular e a menina não notada.

Mas alguns clichês são bons, terminam bem. E era isso o que me deixava cada dia mais com esperanças de que algo entre nós um dia pudesse acontecer.

E eu estava certa.

Mesmo que tenha sido apenas alguns beijos, sorrisos e amassos, já foi alguma coisa pra quem nunca foi notada por ele.

Até agora, o ano estava indo perfeito pra mim. Perfeito demais, o que me deixa um pouco desconfiada.

Relaxei os músculos aos sentir a cama macia.

— Oh, céus! Eu amei demais esse desafio, mesmo. Mas a cama fez tanta falta. – Anna disse e passou a mão por todo o cobertor. – Aaaaah, ele é tão macio! Que saudades eu senti de você, amor.

Anna ficou falando com a cama sozinha, enquanto eu concordava com aquilo que ela dizia. Mas meus pensamentos estavam em outro lugar. Ou melhor, em outro alguém.

***

Eu tomei meu banho e depois disso, simplesmente apaguei. Apesar das cochiladas que tirei no ônibus, continuei um pouco cansada pela caminhada na montanha. Gasta muita energia, mais do que eu tenho.

Suspirei e olhei para o teto sem cor. Parecia tão sem graça agora. Talvez tudo parecesse, por eu não estar com ele naquele momento.

Era estranho. Eu queria mas tinha medo ao mesmo tempo, simplesmente as duas coisas. Explicar eu não sabia, mas não precisa de explicação.

A verdade era que eu não sabia de nada, só que eu queria que aquilo fosse adiante. Eu desejava que acontecesse com ele a minha primeira vez, por mais clichê que fosse.

Todos nós temos esperanças alguma hora e isso foi o que fiz o tempo todo até esperar Cameron me notar. Mesmo com todas as dificuldades de vê-lo com outras garotas que não fossem eu.

— Ih, que cara é essa? Tá muita animada pro meu gosto. – Anna saiu com uma toalha na cabeça.

— Qual é o problema de estar feliz? Eu só... me diverti muito ontem e hoje. Mas agora eu só quero dormir, então, apague as luzes. – me virei para o lado e coloquei os edredons sob meu corpo.

***

Deu a hora de irmos almoçar e assim, já estávamos no restaurante. Na mesa estava eu, Anna, Matt, Cameron, Emmy – ela se desculpou, mas achei sem motivos. Ela não sabia que eu gostava do Cameron e mesmo assim, não temos nada, por mais que eu queira. – e Rachel.

De vez em quando, eu e Cameron nos olhávamos. Mas não passava de um segundo para voltarmos ao normal com medo das pessoas desconfiarem de algo, porque elas tinham motivos.

Pude ver que todos na mesa estavam de bom-humor. Talvez seja por causa da comida ou porque se divertiram na trilha – não quanto eu, isso é verídico. – e o clima estava agradável.

Quando terminei de comer, pude sentir meu celular vibrando. Rolei os olhos e quase apertei o botão de cancelar a chamada, quando vi que era a minha mãe.

Levantei da mesa, dizendo que precisava atender a ligação. Todos me entenderam, então sai dali e fui para um lugar menos movimentando e barulho.

— Filha, tudo bem com você? – ela perguntou do outro lado.

— Mãe, que saudades! Estou bem e tenho certeza que você também. Não sei se te avisei, mas eu precisava vir nessa viagem da escola. Tenho muitas notícias boas sobre o meu desenvolvimento social.

— Mas, querida, quanta empolgação! Poxa, cheguei em casa hoje achando que iria matar as saudades. Me desculpe, Steph. Realmente pensei que eles me dessem uma chance pra passar um dia com você, mas isso não aconteceu. Faz quanto tempo que não nos vemos?

— Ah, mãe... Parece uma eternidade. Pode deixar que eu já irei voltar pra casa, provavelmente daqui há dois dias. Você não vai voltar pro trabalho, não é?

— Não, querida. Não se preocupe, ainda estarei aqui. Pode se divertir bastante e aproveite. Quando chegar quero ouvir todas as novidades, detalhe por detalhe. Tá bom? Vou desligar, preciso tomar um banho e descansar. – ela falou com uma voz embargada.

Só de ouvir a voz da minha mãe eu já sorria. Eu amo tanto ela e é uma pena que não passamos tanto tempo juntas quanto deveríamos, mas sei que sempre arranjamos um jeito.

— Tá bom, mãe. Você me liga mais tarde então. Beijos, vá descansar. – falei e a mesma concordou, encerrando a ligação.

Retornei ao meu lugar no restaurante e todos olhavam pra mim com expressão de curiosidade. Apenas me sentei, calada e franzi o cenho.

— Aconteceu alguma coisa? – olhei para Anna e depois para os meninos.

— Queremos saber se aconteceu ou não. – Matt levantou as mãos em forma de rendimento.

— Ah sim. Minha mãe voltou da viagem de trabalho dela. – sorri e todos ficaram felizes por mim. – Mas vocês, hein? São bem fofoqueiros! Principalmente você, senhor Matt.

Ele apenas riu e concordou.

***

Minha mãe havia me ligado mais uma vez naquele dia. Hoje fomos informados que iria ter novas atividades, mas não obrigatoriamente. Já que algumas pessoas ainda estavam cansadas.

Eu preferia ficar no quarto dormindo, mas quando Matt disse que Cameron iria junto com ele, rapidamente mudei de ideia. Sono é uma coisa preciosa pra mim, só que Cameron é mais.

Fui em direção ao banheiro e olhei no espelho, ficando feliz com a menina que se deparava no reflexo. Uma Steph que eu sempre quis ser: jovem, divertida e notada. É tão bom ser nós mesmo sem ter medo do que as pessoas irão pensar! O mais importante disso foi que com o meu jeito, consegui algumas amizades e assim que mudei, as coisas se tornaram positivas.

Eu pensava que ser eu mesma, iria afastar pessoas de mim ou que elas não gostassem. Então por isso mesmo eu fechava um mundo pra mim, mas com isso, eu estava afastando as pessoas também.

E então, eu apenas me livrei! Me livrei e agora, está tudo certo!

Sai dos meus devaneios e coloquei uma roupa fresquinha já que o dia estava bom para isso. Anna falou que iria me acompanhar então descemos e lá estavam os dois. Haviam outras pessoas mas o meu foco foi diretamente para Cameron.

Sorri e fui em sua direção. Ao longo do caminho, uma menina loira foi até ele então mudei meu percurso rapidamente, indo para outro lado.

Passaram minutos e eles continuavam conversando. Cameron estava sorrindo enquanto a menina loira falava, prestando atenção em cada gesto e palavra.

Eu confesso que fiquei um pouco desconfortável, mas não irei interferir em nada. Não temos nada sério mesmo.

Suspirei e percebi que se eu não falasse com ninguém, ficaria sozinha ali e olhando para a parede.

Me juntei a um grupo de meninas e trocamos algumas palavras. Mas pra ser sincera, eu não prestava atenção no que elas falavam. Apenas fiquei esperando Cameron parar de falar com aquela garota.

Deixei as meninas falando sozinhas porque não aguentava mais o assunto delas sobre maquiagens, roupas e sapatos da moda. Fui em direção a diretora pra saber o que iríamos fazer hoje, se fosse algo importante eu ficaria e caso não, eu iria embora. Eu vim mesmo foi pra passar o tempo com o Cameron, mas agora ele está passando o seu com outra pessoa.

— Professora, o que teremos hoje?

Ela pareceu me notar e virou-se para mim, sorrindo.

— Nada de importante. Vocês que irão decidir, as coisas estão lá fora, cada um faz o que quiser. – respondeu.

Assenti e me retirei dali, olhando Cameron pela última vez e certificar-me que ele realmente não estava dando a mínima pra mim.

Subi as escadas apressadamente e já estava retirando minha roupa e colocando uma camisola. Afinal, eu ainda estava com sono. Por mais que eu estivesse um pouco chateada com Cameron, não teria motivos pra isso. Ele não é meu e eu não sou sua.

Nem havia avisado para Anna que não iria fazer nada hoje além de dormir, então mandei uma mensagem rápida e fechei as cortinas, esperando o meu precioso sono vir.

Cameron point of view:

Enquanto a Camila falava, eu tentava prestar atenção em suas palavras. Eu via Steph vindo em minha direção mas quando Camila chegou, ela foi pra outro lugar.

Eu queria mesmo estar prestando atenção em Camila. Ela era a minha amiga na 3ª série mas foi só isso mesmo, nada além. Era uma pessoa legal, mas eu estaria mentindo se disse que aquele assunto estava interessante.

Ela só estava falando dela, sem me deixar espaço pra comentar sobre algo. Infelizmente, tive que aguentar aquilo até o final e perdi Steph do meu campo de visão.

— Tchau, Cameron. Meu namorado está me chamando. – me deu um abraço. — Foi bom conversar com você.

Sorri e quando ela virou as costas, suspirei aliviado. Agora sim eu poderia falei com Steph.

Procurei ela por todo o lugar mas não a encontrei. Decidi ir até Anna perguntar onde estava sua amiga.

— Cadê a Steph?

— Ah, ela disse que não vai participar de nenhuma das atividades de hoje. Falou que foi dormir. Por quê? – Anna me olhou.

— Eu também não estou afim de fazer as atividades. Só quis vir mesmo por causa de Steph e Matt quis vir pra ver você. – falei sem me importar. Eu queria mesmo ver ela e agora não me importo em dizer isso em voz alta.

Anna levantou rapidamente a sobrancelha, assim como Matt.

— Vou lá pra cima então. – respirei fundo. — Aqui tá um saco.

— Vai me agradecer por isso depois. – Anna me disse, colocando a chave na minha mão.

Franzi o cenho mas sorri pra ela.

— Te devo uma.

Subi os andares e lá estava a porta do quarto dela. Eu não sabia se era certo ou não fazer isso, mas eu queria muito entrar lá.

Coloquei a chave e olhei para os lados, vendo se alguém estava por perto. Mas não tinha nenhuma pessoa no corredor então abri a porta devagar e a fechei da mesma forma.

Estava um pouco claro. Demorei alguns segundos para ver ela mas quando bati meus olhos, não quis desviá-los nunca mais do que estava vendo.

Ela estava com uma camisola e coberta apenas até seus quadris, o que me dava uma bela visão do seu corpo.

Eu não iria me aproveitar dela, muito menos fazer algo que ela não queria. Queria apenas observá-la dormindo.

Me sentei na cadeira e pude vê-la melhor. Ela parecia uma anjo. Sua expressão estava tão serena.

De vez em quando se mexia e surgia um frio na minha barriga. Se ela acordasse e ficasse brava comigo?

Talvez tivesse pensado que eu não queria ela por estar gostando daquela garota. Se ela acabasse achando que eu apenas a usei? Isso seria o fim!

Meu Deus. Eu estava tão dramático. Quando isso começou a acontecer?

Toda aquela perturbação na minha cabeça que havia surgidos há alguns segundos se foi assim que eu a vi abrindo os olhos. Agora era o nervosismo.

Mas eu não desviei meu olhar dela. Quando conseguiu abrir seus olhos por completo e ver que eu estava ali, se sentou na cama rapidamente.

— Cameron, o que você está fazendo aqui? – perguntou com sua voz embargada de sono.

Sorri involuntariamente quando vi sua carinha de sono. Ela estava tão linda. Mesmo assim.

— O que foi? Por que você está rindo?

Me contive e fiquei sério novamente, tentando manter a postura.

— Eu só... Não estava com vontade de ficar lá embaixo hoje. – falei.

— Não é o que pareceu. – ela levantou e foi até o banheiro, voltando com outra roupa e com a expresso de mais acordada.

— Não, não foi nada disso que você pensou.

— Não temos nada mesmo, não deve me dar satisfações. – falou, sem transmitir emoções.

Era essa a verdade. E por algum motivo isso me deixou intrigado. Então, se não tínhamos nada, ela poderia ficar com todo mundo e não teria problema. Poderia beijar outros caras, fazer outras coisas.

Só agora que percebi o quanto isso me incomoda. Eu gosto da ideia de tê-la só pra mim, por mais egoísta que isso pareça. Gosto de pensar que sou o único a fazê-la sentir arrepios, que causa efeitos nela. E quem não gosta?

O pior é que ela causa a mesma coisa em mim.

Vi que ela pegou uma fruta e começou a comê-la. Me ofereceu, mas respondi que não queria.

Depois de um tempo, me pronunciei. 

— Eu sei, mas eu queria explicar. 

Fui até sua cama e olhei para sua boca. Rapidamente me lembrei de como é sentir o sabor de seus lábios e quis saciar a vontade que me invadiu de beijá-la. E foi o que fiz: atendi minha necessidade.

Enquanto nos beijávamos, pude sentir sua mão em meu pescoço e rapidamente a puxei para mais perto, colocando a mão em sua cintura.

— Cameron, não podemos fazer isso aqui. Você sabe. – ela disse entre o beijo.

— Se não podemos, saiba que assim que sairmos daqui, isso irá acontecer. – falei e pude ouvir uma gargalhada baixinha dela, e em seguida, a mesma concordou.

Não avancei em mais nenhum passo, apenas fiquei desfrutando de seus lábios. Por mais que eu a beijasse por horas, nunca me cansaria do seu gosto.


Notas Finais


Aqui estão vocês!! Bom, a novidade que eu tenho é que estou com uma nova fanfic e nome dela é Together, segue o link abaixo: https://spiritfanfics.com/historia/together-6694726
Espero mesmo que gostem. Estou empolgada com a fanfic e seria muito, muito, muito bom ter vocês como meus leitores nessa nova história. Então é isso. Me desculpem pelo capítulo não tão bom, ok???
Não irei demorar!!!! Beijos, meus amores. Amo vocês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...