História You Belong With Me • LuFer - Capítulo 59


Escrita por: ~ e ~159rob

Visualizações 325
Palavras 990
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Sorry! Sorry! Eu tava sem internet! Sorry!

1/4 🌚♡ [erros ignorem]

Capítulo 59 - | - 59 (Fernanda)


Fernanda Concon on

Após jogar o despertado na parede, levantei e fui até o banheiro. Tomei um banho longo aproveitando pra lavar meu cabelo.

Vesti uma calça jeans rasgada e uma regata preta, junto com um tênis da Adidas. Fiz uma maquiagem simples e tirei meu celular do carregador.

– Nossa, ela já acordou? Tá ficando uma mocinha. – Eduarda, brincou.

– Hahaha, ainda é muito cedo pra suas brincadeirinha. – me sentei e peguei meu café.

– Ok, boa aula. A tia Rê, disse que a Tori e o Vitor vão de lá. – fiz que sim.

– Okay, agora tenho que ir. Já tô atrasada! – peguei uma maçã e corri abrindo a porta.

Desci pelas escadas, já que o elevador tava quebrado. Dei bom dia pra Seu Rogério (Porteiro). Revirei os olhos assim que vi alguns paparazzis escondidos atrás de algumas árvores.

– Fala viada! – Maísa, saiu do carro e me abraçou.

– Bom-dia marida. – abracei ela e entrei no carro.

Seu Chico (motorista da Maísa) ligou o som no último volume. Maísa gritava e se remexida, é claro que eu não tava diferente.

O prédio era enorme, tinha vários alunos conversando, na entrada.

Maísa segurou minha mão e me puxou, tagarelando, como sempre.

Muitos me olhavam, revirei os olhos e estendi meu dedo do meio pra alguns.

Depois de Maísa ter me apresentar à algum amigos, eu e Maísa seguimos pelo enorme corredor de armários.

– Tenho que falar com a tal diretora, meu armário não foi liberado... – Maísa, após guarda uns livros, me guiou até uma sala.

– A diretora tá aqui, você fala com ela. Quer que eu te espere?

– Não precisa, valeu Mah. – ela me abraçou e logo depois saiu.

***

Depois de explicar, regras, normas, alunos, professores blá blá blá... Ela me liberou. Segui o número do meu armário, subi algumas escadas até achar.

Dentro, tinha alguns livros junto com o papel do número da minha sala, aulas, professores e etc.

– Atrapalho? – levei um susto, fechei rapidamente o armário, coloquei a mão no peito.

– Ai, seu louco! Lucas o que você tem na cabeça? – ele riu, prensando-me no armário.

– Acho que nesse momento... Você! – ele piscou e beijou o canto da minha boca. – Tenho uma surpresa pra você... Lá na sua casa. – bati palmas.

– Oba! O que é? Chocolate? Shawn Mendes?!

– Achei que só minha presença compensava... – fechei meu armário, peguei o papel e Lucas me acompanhou até a sala.

– Prefiro o Shawn. – ele limpou uma lágrima falsa.

– Ok, achei que você já conhece-se ele.

– Não, não conheço... – falei pegando a folha e olhando o número da sala.

– Te levo pra conhece ele. – olhei pra ele, congelada.

– Ah... Co... O-oi? – abracei ele, passando minhas pernas por cada lado do seu corpo. – Obrigada Lucas!!

– De nada pequena. – Ele me deu um selinho, depois outro e outro. Um deles se transformou em um beijo. Lucas abraçou minha cintura pedindo passagem, que lógico, dei.

– É melhor eu ir pra sala. – peguei o papel e entrei na sala à minha esquerda.

Entrei e sentei no fundo. Não conhecia ninguém, todos olharam pra mim, ignorei e abri o caderno. A professora escreveu algo no quadro, enquanto explicava algo. Sinceramente, não prestei atenção em nada muito menos entendi alguma coisa. Meu celular apitou, peguei ele e vi que era o iludido.

Whatsapp

Iludido: Oie!

Eu: Te odeio!

Você tá me abandonando!

Seu merdinha!

Iludido: Nossa, doeu!

Desculpa pequena

Eu andei, meio ocupado...

Eu: Não perdoou!

Olha xau!

Iludido: Espera Fernanda!

Desculpa sério!

Prometo não sumir mais!

Eu: Ata!

Já cansei de iludido, me diz outro nome pra eu salvar.

Iludido: Marido? Amante? Amor? Vida? Gostoso? Maravilhoso? Tudo de bom? Acho que esses aí.

Eu: Noussa!

Credo.

Vai ver você nem é tudo isso!

Iludido: Que nada! Eu sou maravilhoso cara!

Eu: Eu vou salvar, merdinha!

Você mudou iludido pra merdinha

Merdinha: Ke?

Nuss, legal saber que é assim que você me enxerga!

Doeu!

Eu: Não fica triste bebezinho!

Te love

Adios, a tal professora tá me olhando!

Merdinha: Por falar nisso, você tá linda hoje. *Emoji piscando*

O sinal tocou, dei graças a Deus. Guardei tudo e sai da sala.

– Bou! – quase gritei.

– Que me matar Lucas?! – dei uma tapa de leve em seu braço. – Você não estuda?!

– Claro, mas a professora faltou. – ele segurou minha mão. – Vem... O pessoal tá lá no refeitório. – Lucas me puxou.

Adentramos, tinha diversas mesas, alunos conversavam entre si. Alguns acenaram pra mim, acenei de volta.

– Olha o casal aí! – Esther me abraçou.

– Oi mozona!

Peguei meu lanche e me sentei, conversávamos entre si. Maísa e João, brigavam por conta de alguma questão de matemática. Léo e Esther discutiam sobre quem era melhor: Camren ou Shawmilla. Os outros conversavam, melhor gritavam. E eu comia, só sei fazer isso. Aquele era o momento de sabem, onde eu me metir?!

Sinto um líquido, gosmento e norgento, percorre por todo meu corpo. Droga!

– POR QUE VOCÊ FEZ ISSO?! – gritei, levantado-me.

Todo o refeitório pararam para observa a cena. Alana tava na minha frente, com cara de paisagem. Que ódio!

– Florzinha, eu escorreguei. Foi sem querer... – ela se defendeu.

– Sem querer?! SEM QUERER VAI SER MINHA MÃO NA SUA CARA! – bati com toda minha força nela. Ela tentou revidar, mas Lucas não deixou.

– Caralho, Lucas! Deixa elas brigarem! Eu quero vê treta de Verdade! – gritou Esther. [N/a1: Essa sou eu!]

João puxou Lucas, e Alana bateu no meu rosto. Ri dela e deu outro tapa. Ela escorregou e caiu no chão, me puxando junto. Alana, puxou meu cabelo e arranhou meu braço. Puxei o cabelo dela de volta e dei tapas no rosto dela. Alguém forte me tira de cima dela e me leva pra diretória, de longe vi mais um segurança levando ela pra enfermaria. Como assim? Meu braço que tá sangrando e ela que é a coitadinha? Arghhh que ódio!!

Ela passou pro mim, e pude ler em seus lábios "Eu te odeio, Fernanda Concon!"

***

– Esse dia foi péssimo! – falei tocando meu braço, ele tava enfaixado, e doía muito.

– O dia ainda não acabou. – Lucas, me deu um selinho e piscou. – Não esqueça da surpresa. – não pude evitar, sorri. 


Notas Finais


Lucas, amigo se ta deixando muito claro o lance aí! Toma cuidado amigo! 😂😴

1/4 [6 comentários]

Até ♡🌚 Bjs ⭐☀


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...