História You Can Change Me? - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Black Veil Brides (BVB)
Personagens Andrew "Andy" Biersack, Ashley Purdy, Christian "CC" Coma, Jacob "Jake" Pitts, Jeremy "Jinxx" Ferguson, Personagens Originais
Tags Adolescente, Black Veil Brides, Bvb, Colegial, Deliquente, Drama, Jake Pitts, Rockeira, Romance
Visualizações 38
Palavras 2.074
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Musical (Songfic), Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey guys! I'M BACK¡¡¡
Demoro, mas sempre volto sbjdjjdjd.
Enton, o capítulo está pesado. Tá totalmente +18. Genten, de forma ALGUMA faça as coisas que a Katherine faz, sério. Isso aqui é ficção e as consequências dos atos dela custam caro na vida real. Não levem isso pra vida de vocês porque só vai trazer coisas ruins.
Eu tive a inspiração desse capítulo ouvindo Escape The Fate e o título é o nome da música. Eu tava ouvindo e BUM! a ideia surgiu e nasceu isso aqui ahskaja. Espero que gostem.
Boa leitura 💜

Capítulo 9 - 10 Miles Wide.


(Dias depois)

Eu estava jogada na minha cama bebendo Jack Daniels e fumando. Tinha coisinhas há mais misturadas na minha bebida e Falling In Reverse estava tocando tão alto que os vizinhos deviam estar putos, mas eu estava chapada demais para me importar.

Minha vida estava uma completa merda e eu só queria transar com alguém, em alguma festa qualquer. Eu não sei se estou de castigo ainda, mas bem, foda-se. Eu vou sair hoje e só volto amanhã, já que minha mãe avisou que ia direto do trabalho pra casa de uma amiga. Aposto que ela não tá nem aí comigo.

Eu sei que estou piorando. O consumo de bebidas, drogas, remédios e cigarros só aumentaram e eu vivo batendo papos aleatórios com Jake por puro tédio e maldita solidão. Mas eu também não consigo me importar com isso.

Eu quero que o mundo exploda e com ele, eu junto.

Me levanto na cama e quase caio. Guardo todas aquelas tranqueiras debaixo da cama e vou para o chuveiro, tomar um banho longo. Debaixo d'água, sangue se mistura com o sabão escorrendo pelo ralo. A lâmina em minha mão brilha contra a luz e em meu braço há linhas fundas e abertas, sangrando e o enfeitando de um jeito psicodélico. Minhas coxas não está diferente.

Eu perdi o controle da porra da minha mente.

Depois da minha sessão de auto tortura e auto-piedade, eu vou me vestir. Coloco meias calças rendadas, um vestido preto curto e decotado e jaqueta de couro. Calço um cuturno com saltos e carrego bem meus olhos de lápis de olho preto e meus lábios de batom vermelho. Escondo minhas olheiras profundas com base e corretivo, mas não posso esconder minhas pupilas dilatadas e a cara de louca.

Rio da minha própria cara e improviso curativos. Além de viciada e depressiva, sou suicida. E ninguém sabe disso.

Pego meu dinheiro da mesada — minha mãe não me dá atenção, mas me dá dinheiro, o que é muito mais lucrativo — e coloco no sutiã, passando perfume e descendo as escadas.

Começo a caminhar sem rumo pela rua, procurando uma festa qualquer. Minhas vistas estão turvas e os homens de dentro dos carros assobiam pra mim. Ergo meu dedo do meio e os mando à merda.

Suspiro pesadamente e tateio meu bolso da jaqueta a procura dos meus cigarros e após dobrar a 3 esquina, vejo uma casa enorme com música alta saindo de lá. Woah, tá tocando Escape The Fate. É pra lá que eu vou.

Já no jardim da casa vejo vários copos inúteis e os típicos casais se pegando no jardim. Ignoro aquela merda toda e adentro a casa, sendo recebida por uma sala transformada numa pista de dança descontrolada.

— Ei, de quem é essa festa? — pergunto.

— Jake Pitts. — um cara com tatuagens de rosas no pescoço responde. Ele parece drogado e o cigarro entre seus dedos denúncia isso. — Sou Oliver Sykes.

Jacob traidor. Nem me avisou que ia dar uma festa.

— Katherine Mayer. — sorrio e pego o cigarro de sua mão, dando uma tragada. Solto a fumaça em seu rosto e ele sorri malicioso.

— Já ouvi falar de você. Bateu em Juliet Simms.

— Blé, essa briga tá velha. Preciso achar uma nova pra ficar famosa. — nós rimos e ficamos nos encarando.

— Tá afim de tragar um fileira? — Oliver pergunta.

— Oh, claro! — digo já o seguindo para a sala. Tem uns caras estranhos e algumas garotas se pegando no sofá e na mesa de centro tem o pó já enfileirado. Começamos a tragar e a rir de simplesmente nada.

— Você é bem gata, sabia? — Oliver diz se aproximando com um sorriso faceto.

— Jura? — eu estava pronta para tentar algo há mais com ele, porém...

— Kath, oi! — ouço a voz de Jake e olho pra cima, encontrando ele em pé. — Eu ia te mandar a mensagem te convidando agora.

— Ah, tá. — digo irônica. — Seu traidor, sabe que eu amo festas e arrumar confusão. — soco seu ombro e ele vai pra trás. Noto que ele suas roupas são uma versão masculina da minha.

— Sério, eu ia mandar. Olha aqui. — ele muda o copo vermelho de bebida pra mão esquerda e me mostra o celular com a direita.

— "Minha casa fica à três quarteirões da sua. Estou dando uma festa, apareça por aqui. Xoxo" — leio em voz alta.

— Viu? — ele abre aquele tipico sorriso lindo/irritante que mostra todos aqueles dentes perfeitos. — Tá bem humorada hoje.

— Não, tô chapada mesmo. Vamos dançar. — o puxo pela mão e levanto, limpando meu nariz. Ele me olha estranho. — Que que foi? — arqueio uma sombrancelha.

— Nada. Não leve isso como um elogio, mas prefiro você assim.

— Ora, isso é óbvio. Nem eu me suporto quando tô sóbria. — gargalho sem humor. — O que houve com você? Não vai começar a me repreender por estar usando cocaína no sofá da sua sala?

— Festas foram feitas pra esse tipo de merda e eu tô meio revoltado hoje e só quero encher a cara e beijar alguma garota gostosa. Faça o que quiser, babe. — ele dá de ombros.

— ESSE É O ESPÍRITO, BOY! — ergo as mãos pro alto e roubo a garrafa de bebida de alguém. — Valeu. — sorrio amarelo e seja lá quem for me mostra o dedo do meio.

Uma música do Escape The Fate chamada 10 Miles Wide começa a tocar e eu Jake começamos a dançar como loucos.

Whoa yeah

You say you're getting closer to that chance of suicide

Tearing at your throat you won't let it die

Left me here for all these days and ripped apart my pride

Take my place and look inside i'm trying to find a place

To hide hide

Lost my faith but don't you cry

I got a hole inside and it's ten miles wide (yeah alright)

Living on the coast cocktails and telling lies

Gotta fucking crush coming to life

You left me here for all these days and ripped apart my pride

Take my place and look inside i'm trying to find a place

To hide hide

Lost my faith but don't you cry

I got a hole inside and its ten miles wide

It's not to late i'm close behind I've gotta get inside your mind mind

Lost my faith but don't you cry

I got a hole inside and its ten miles wide

Wide

Wide

Wide

Wide

Wide

Wide

Wide

Take me on i'm feeling in the mood for something dangerous I've found myself again

Take me on i'm feeling in the mood for something dangerous I've found myself again

Take my place and look inside i'm trying to find a place

To hide hide

Lost my faith but don't you cry

I got a hole inside and its ten miles wide

Well I lost myself and looked inside it branded me for life

I can't help myself it's mine to hide

I got a hole inside

It's feeling ten miles

It's feeling ten miles

It's feeling ten miles wide

Ten miles wide

Ten miles wide

Ten miles wide

— Você disse que queira beijar uma garota gostosa, certo? — me aproximo dele e o grudo pela sua blusa preta, o olhando o mais sexy possível. Seus olhos vão para minha boca e ele põe suas mãos em sua cintura.

— Sim e eu me referia a você. — Jake gruda nossas bocas num beijo quente e eu levo minhas mão até seu cabelo grande e suas mãos vão pra minha bunda. Ele morde minha boca de um jeito que me faz arfar. Colo meu corpo ao seu e invado sua boca com minha língua.

— Você quer subir? — sussuro entre o espaço dos nossos lábios. Ele me beija de novo, com as mãos tateando meu corpo calorosamente e depois morde meu lábio.

— Agora.

Subir escada à cima parece quase impossível com tantos babacas entupindo a passagem e eu nem me mantenho em pé decentemente de tão chapada. O corredor parece um puteiro e metade do quartos estão sendo usados.

Acho um quarto livre. Está escuro e a única claridade vem da janela aberta.

Jake me empurra contra a parede, voltando a me beijar. Retiro sua jaqueta e ele faz o mesmo com a minha, parando de me beijar para atacar meu pescoço. Jacob beija e morde em seguida, com força. Puxo seus cabelos e pendo minha cabeça para trás, lhe dando acesso. Suas mãos sobem da minha cintura para meus peitos e ele os agarra com suas mãos grandes, me fazendo morder o lábio e grunhir.

O empurro de cima de mim e o guio até a cama. Ele cai deitado e eu vou engatinhando até ele, sentando em seu colo com as mãos apoiadas em seus ombros, rebolando lentamente sob seu membro já acordado. Jake leva suas mãos até o zíper do vestido na minhas costas e o abre, descendo-o até minha cintura. Meu sutiã preto fica à mostra e minha pele anormalmente pálida também e ele inverte as posições, me deixando por baixo.

Jake retira nossos sapatos e desliza minha meia rendada para fora do meu corpo, e em seguida, meu vestido e sua blusa, deixando seu peitoral tatuado à mostra. Sinto vontade de lamber e morder cada tatuagem dali. Ele se debruça sob mim e se acomoda no meio de minhas pernas, me deixando sentir seu membro ereto coberto pela cueca. O beijo arranhando suas costas e arqueio minhas costas com as investidas que ele dá contra minha intimidade coberta.

— Me fode logo, hmm. — ofego com suas mãos em meus peitos. Ele agarra minhas coxas com força e se força contra mim intensamente, fazendo meu baixo-ventre fisgar. Aranho seus braços com minhas unhas vermelhas e ele geme quando eu faço isso em sua nuca. A pele dele é tão macia e eu o quero tanto dentro de mim. — Jake, seu maldito. — o xingo e ele ri contra meu pescoço, sugando em seguida.

— Você é tão deliciosa. — ele sussura malicioso e tira meu sutiã, passando as mãos por meus seios com desejo. Desço minhas mãos para seu peitoral e arranho, trilhando um caminho até o botão de seu jeans preto e justo. Aperto seu pau e ele grunhe contra meu ouvido.

— Tira. — digo e ele me obedece, abrindo a braguilha e puxando a calça pra baixo junto com a boxer preta, me deixando vê-lo.

Uh, enorme. (Hehehe).

Jake pega um preservativo no bolso de trás de sua calça antes de a atirar em um lugar qualquer. Pego o pacote de sua mão e rasgo com os dentes, enquanto ele tira minha calcinha e masturba meu clitóris. Gemo alto e me contorço, colocando a camisinha em seu membro.

O puxo bruscamente para baixo e abro bem minhas pernas, o puxando para um beijo enquanto ele começa a entrar em mim devagar para eu me acostumar com seu volume.

— Aww. — gemo contra sua boca, com um pouco de dor.

— Já vai passar, Kathy. — ele distribui beijos úmidos em meu pescoço, deslizando cada vez mais para meu interior, me preenchendo. — É tão difícil me controlar. Tão apertada, porra. — murmura.

— Eu jamais imaginei que você era atrevido assim na cama, Jake. — gargalho e arranho suas costas, abraçando sua cintura com minhas pernas e o enterrando por completo dentro de mim. Gememos juntos. — Hmm. Mais forte. — me impulsiono pra baixo.

Ele começa a sair lento e voltar com força, me fazendo quase gritar de prazer. Jake começa a me estocar funda e lentamente, me torturando.

— Jacob, maldito. — puxo seus cabelos com força e mudo as posições, o deixando por baixo. Começo a calvagar e rebolar com força em seu colo enquanto ele morde meu pescoço com força. Sinto ele me fodendo por baixo, me atingindo fundo.

Somos uma bagunça de gemidos e gritos e quando suas mãos agarram minha bunda e ele me dá um beijo calmo, eu chego ao meu ápice contraindo minha entrada e fazendo Jake vir logo em seguida, dentro da camisinha.

Deito minha cabeça em seu ombro e tento recuperar a respiração. Ele se retira de dentro de mim e eu sinto meu corpo inteiro pulsar, enquanto minha cabeça gira. Eu não penso nada com nada pelo efeito pós-orgasmo e por estar bêbada e com droga em meu organismo. Me jogo na cama e tiro o cabelo de meu rosto,

— Porra. — murmuro pra mim mesma, rindo. — Era disso que eu precisava.

— Yeah.— Jacob concorda e se deita ao meu lado e me puxa para seu peito. A típica ceninha clichê de casalzinho que acaba de transar, mas eu estou débil demais pra reclamar.

Não sei o que aconteceu, mas eu apaguei.


Notas Finais


JDJSJDJD por essa ngm esperava hein 🌚
Genten, sou louca. Me deu vontade de fazer hot e eu fiz. Se tiver ruim, culpem as brisas da raiva e da madrugs ~dando de ombros~
TÔ MTO FELIZ AQUI OUVINDO O THE BLACK PARADE DO MCR PQ YCCM SUBIU NOS FVS ESSE ÚLTIMOS DIAS *3* WELCOME NEW LEITORES 💜 podem comentar a vontade, dar opinião, me xingar, dar críticas (CONSTRUTIVAS, N OFENSIVAS), sugestões, mandar bjs p mim, me elogiar e etc. Vou adorar saber o q pensar.
Até a próxima e acho que n vou demorar pq tô com idéias novas fervendo aqui. Beijinhos e see ya soon babes 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...