História You is what i need - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Tags Drama, Harry Styles, Romance, Suicídio Sexo
Visualizações 15
Palavras 3.538
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Finalmente tomei coragem e me joguei nessa história, estava muito ansiosa pra postar porém não tinha coragem no coração mas agora bitches i'm back, massss tenho explicação a dar vulgo não terminei a fic anterior ''fireproof'', por conta de falta de ideias e inspirações, também a escola teve interferência nisso, mas prometo que uma hora tomo vergonha na cara e saio postando o resto da história.

Espero que gostem dessa nova love history dramatica que criei com uma amiga, se eu tiver muito atravessada me perdoem mas não desistam de mim, espero que gostem
ps: com amor loucas pela styleconda

Capítulo 1 - Inside me


Fanfic / Fanfiction You is what i need - Capítulo 1 - Inside me


Sinceramente, não acho que eu possa mudar algo nessa merda que chamam de mundo! Eu sou invisível, para todos, e não os culpo, nem eu me aguento, e ultimamente está difícil ser eu.
Minha mãe era viciada em heroina e sonhava em ser estrela de cinema, mas ela conheceu meu pai e se apaixonou por ele e então como toda ''história de amor'' me teve muito nova.

Cresci sem entender o que eu fiz para ela, porque ela desdenhava de mim, me batia muito, pra ela eu era culpada dela nunca ter conseguido o que quis, eu ainda tenho muitas marcas em meu corpo, das surras que ela me dava, meu pai tentava amenizar a situação, mas não adiantava muito. Vivo um inferno desde então, desde que me conheço por gente não considero ela como minha mãe, afinal, mãe é aquela que cuida né?pois bem, não sei o que é isso.

Quando completei 9 anos ela foi embora, mesmo no meio dessa tormenta, eu a amava, mas eu sabia que ela não me amava e simplesmente se foi.Meu pai gostava muito dela, a amava, e quando ela se foi acabou para ele, ele nem tentou por mim, pelo contrário, ele me culpou o tempo todo, ele bebia, me culpava e me batia muito, eu vivi assim, nesse inferno, por um longo ano. Não sabia bem como lidar com essas situações, me sentia largada, rejeitada, não tinha amigos na escola, tentei ter algumas amizades mas elas não duravam muito, as outras meninas sempre me deixavam de lado, muito nova aprendi a ter a solidão como amiga, e eu não me sentia importante pra ninguém.

Meu pai entrou em uma profunda depressão, na época eu não entendia o que isso queria dizer, só sabia que ele ficava super mal e como consequência bebia muito. O pior dia pra mim foi quando cheguei da escola e me deparei com o meu pai deitado no chão ensanguentado, ele havia se esfaqueado, meu mundo desabou aquilo foi demais para mim, eu não queria mais viver, porque eu me sentia culpada por tudo, e eu era, eu sabia que era. As luzes das ambulancias me causavam nauseas, parecia que aquilo era um pesado e eu não conseguia acordar, eu não sabia o que iria acontecer comigo, só tinha certeza de que ia ficar sozinha novamente.

Fui mandada para um orfanato onde eu conheci uma garota que sentia o mesmo que eu, era incrível como ela me compreendia, mas não entendia o porque ela tinha marcas em seus braços, e ela me apresentou uma amiga que jamais me abandonou, tal era um pequeno objeto metalizado, aquilo cortava e ela fazia nela mesma, dizia que a aliviava de tudo o que sentia, eu resolvi tentar e bom... eu não parei até hoje, se bem que o efeito dela já não é o mesmo! Minha guarda foi para minha tia May, irmã de meu pai, nunca havia falado muito com ela, devido a situação de minha mãe. Foi difícil me adaptar com minha nova vida, já que o marido de May, o Aidan e meus doia primos Holly e Jason Crosby não gostaram nem um pouco de ter uma órfã problemática em casa. May me colocou de volta na escola e foram os piores anos, porque eu só piorava a cada ano, minha tia tentou terapia e grupos de apoio, mas não deu em nada, eu só piorei, só ano passado eu tentei me matar duas vezes, mas May sempre chegou antes dos finalmentes e me impediu de me despedir dessa merda. Ela realmente se preoucupa comigo, e é a única também, e eu a amo por isso, mas eu não aguento mais toda essa pressão em cima de mim.
Meus primos estudam na mesma escola que eu, estou no terceiro ano do colegial e Jason também, ele é 1 ano mais velho que a Holly, ele é jogador do time de beisebol da escola e Holly é lider de torcida e namora com um amigo de Jason, Liam Payne, também do time. Ninguém na escola sabe que somos parentes, também não é como se eles quisessem que soubessem disso, imagine 2 "populares"de Hold Straigh High School sendo parentes da garota mais esquisita do colégio. O melhor de tudo (notem a ironia)é que eu sei que falam de mim, eles me odeiam, acham que eu não pertenço a família deles, e no fundo eles tem razão,  eu não pertenço a lugar nenhum e já ocupei espaço demais aqui.
As aulas começaram há uma semana, e eu não vejo a hora de acabar essa merda, eu odeio aquilo tudo e sinceramente acho que é o inferno na terra, reúne todo o tipo de gente escrota e sem noção que pode existir. Eu tive um "ótimo"final de semana, pensei em me entupir de pílulas e dormir para sempre, mas Holly chamou suas cachorras para uma "festa do pijama", e ela me ameaçou e se eu não ficasse no quarto ela faria uma coisa terrivel contra mim, mas... ela é burra demais pra pensar em algo! E foi ótimo pra mim não ter que ver as amigas/vadias dela, eu fiquei no quarto e eu pensei seriamente em tentar de novo, mas não quero ser comparada a uma Hannah Baker da vida e nem que minha morte se torne algo público, não mesmo. Quando penso em fazer isso, ou tentar novamente, a primeira e única pessoa em que eu penso é mimha tia May, ela é a única pessoa que realmente importa pra mim.
Me levantei da cama a contragosto, eu não estou nem um pouco afim de ir naquela merda. Fui até o banheiro e me olhei no espelho e eu sempre odeio o que vejo e hoje não foi diferente.  Baixei meus olhos e olhei para meus braços nus e vi minhas tão conhecidas marcas, suspirei profundamente e tirei minhas roupas, entrei no chuveiro e encontrei embaixo do shampoo minha lâmina?, a peguei e pressionei em meu punho, sentindo uma pontada de dor logo em seguida, a água que escorria para o ralo já estava avermelhada, fiz mais alguns cortes e terminei meu banho. Coloquei uma calça jeans preta, uma camiseta preta, Uma jaqueta jeans e meu all star, também pretos.  Coloquei um micro-poro em meu braço e desço com a minha mochila e felizmente Jason e Holly já foram, dou um beijo na minha tia que está de costas fazendo algo no fogão, pego uma maçã e me despeço dela:
- ué, não vai comer nada Lottie? - me chama pelo meu apelido que ela mesma deu
- estou sem fome e atrasada - sorrio sem mostrar os dentes ajeitando minha mochila nas costas
- tá bom, mas venha me dar mais um beijo - me chama sorrindo e eu sorrio e vou até ela que me abraça apertado - eu te amo Lottie - afaga meu cabelo e me afasto dela delicadamente
- eu também - lhe dou mais um beijo na bochecha - tenho que ir, tchau - me despeço dela
Saio de casa e vou andando, eu não pego mais o ônibus desde a 7°série, quando as meninas do fundão começaram a me provocar por eu ter sentado num lugar que supostamente era de uma delas, acabou que a tal garota mentiu dizendo que eu tinha lhe dado um tapa, o motorista acreditou e não deixou que eu subisse mais em seu ônibus. Ainda bem que a escola era mais ou menos perto e em 15 minutos chego na escola, vou até meu armário e pego o necessário para as aulas de hoje, vou para a sala e vou para a última carteira, a qual sempre me sento e largo minhas coisas em cima dela, olho ao redor e vejo os outros chegando e conversando uns com os outros, o professor ainda não chegou, o que é normal, já que é segunda-feira. Todos os anos a diretoria troca alunos de sala, ano passado três líderes de torcida estavam em minha sala,este ano foi diferente, agora tem alguns do time de beisebol, e eu agradeço por nenhum me provocar, porque, como eu disse, sou invisível. 
Vejo um garoto loiro de oljos azuis, Liam, namorado da Holly e mais um garoto de olhos verdes e cabelos encaracolados entrarem na sala rindo de algo, o loiro se chama Niall e o de olhos verdes se não me engano é Harry, ele não é do time e nem tão popular quanto Niall ou Liam, mas digamos que muitas garotas gostam dele, durante todos os anos ele só teve uma namorada, a Chloe Pattinson, eles terminaram ano passado, mas ela continua pegando no pé dele, já que é óbvio que ainda gosta dele! Ela é uma patricinha metida, além de ser presidente do grêmio da escola, "todos" a "adoram", ela é um ser insuportável e desprezível e não culpo Harry por terminar com ela, e foi bem público, eles terminaram no pátio da escola na hora do intervalo, aquele dia foi divertido.
A minha frente há algumas carteiras vazias e eu queria que permanecessem assim, mas infelizmente os três embustes se sentam nelas, Harry se senta bem em minha frente e me dá um sorrisinho que mostra suas covinhas, meu sangue ferve de raiva e eu apenas abaixo meu olhar, ótimo! Eles voltam a conversar e eu posso escutar a conversa deles, algo sobre o Tomlinson ter pego uma tal de Teddy e riram horrores depois, revirei os olhos, até que Harry se vira sorridente para mim, ele tem um belo sorriso, eu tomo um susto:
- oi... - me incentiva a dizer meu nome
- Charlotte - digo baixo
- oi Charlotte - sorri divinamente - não estamos te incomodando estamos? - pergunta sorrindo, olho em seus olhos e me envergonho ainda mais.
- não, eu não estava... - ele me interrompe
- desculpe - nos mesmo assim - diz ainda sorrindo - é que esses dois idiotas falam muita merda e não conseguimos controlar as risadas - dá uma risada e eu olho curiosa para os outros dois meninos que olham para o Harry como se ele fosse louco. 
- tudo bem - digo e o professor entra nos interrompendo
- me desculpem pelo atraso pessoal - ele entra e todos vão se ajeitando,  até Harry, mas antes dele se virar para frente ele pisca um olho para mim e se volta para frente, arregalo os olhos, é bem provável que eu esteja vermelha! - vocês sabem, o trânsito é um inferno a esta hora - diz e alguns dão risada, olho para o ser em minha frente, claro, eu só vejo seus cabelos, mas consigo vê - lo sorrindo, e por algum impulso eu queria tocá - lo, mexer em seu cabelo, eu estou ficando maluca, se já não sou!
Depois de muito blá, blá, blá e aulas quase insuportáveis, fomos para o intervalo, onde passo quase sempre nas arquibancadas vendo o time treinar e vendo suas namoradas/vadias irem atrás deles e gritarem feito loucas pra eles. A arquibancada está sempre vazia por isso gosto de lá. 
Chego lá e me sento, junto com meu caderno de desenho e começo a desenhar uma realidade alternativa, algo totalmente diferente, como eu realmente vejo a bosta desse mundo. Eu paro, estou sem inspiração, e que raiva, porque eu estou pensando nele? Ele só se desculpou e piscou pra mim, mas isso eu não esperava, não dele, na verdade, nem de ninguém,  e eu só queria saber porque ele fez isso. Vai ver é a forma como ele conquista as garotas e só foi legal comigo,  não tenho que dar a isso a importância que não tem. 
Voltei para a sala e por Deus, só tinham mais duas aulas,  me sento e tento voltar a desenhar, mas não consigo e largo meu caderno em cima da mesa frustrada, me recosto na cadeira e olho para minha mesa bagunçada e bufo resignada, ouço três vozes se aproximando, olho e vejo Harry, Liam e Niall novamente rindo de alguma coisa, eles se sentam e percebo Harry analisando meus desenhos com afinco,  meu coração erra uma batida, ele não precisa ver isso, por impulso pego meu caderno e o fecho rapidamente:
- são muito bons - ele diz sorrindo, o que há com ele? Ele não para de sorrir - não precisa ter vergonha - diz balançando a cabeça e dá uma risada e eu olho pra ele curiosa, do que ele ri? - é assim que você enxerga o mundo? - pergunta quase sério
- mais ou menos - evito em olhá - lo nos olhos
- você não é de falar muito né? - pergunta sorrindo de lado
- não muito - sorrio sem graça e olho pra baixo, olho novamente pra ele que concorda com a cabeça e se vira pra frente e volta a conversar com os outros dois.
As aulas passam rápido e finalmente estou voltando pra casa, percebi que Jason não foi a aula hoje, não que eu me importe, estou me fodendo pra ele, provavelmente ele estava com algumas vadia, típico dele. Já a Holly, eu a vi peruando pela escola todo com Liam a tira colo, eu sei que ela é minha prima, mas ela é uma vadia, e eu sei que já rodou bastante pela HSHS, e não são apenas boatos, eu já ouvi coisas do meu quarto quando a tia May não estava. 
Chego em casa e dou graças a Deus por ela ainda não ter chego, e eu sei que Jason já deve ter saído parq fazer alguma merda, como sempre! Encontro minha tia fazendo o almoço, eu sorrio e vou lhe abraçar, sinto seu cheiro tão conhecido e me acalmo, ela é como uma mãe pra mim, uma mãe que eu nunca tive!
- quer almoçar minha querida? - me solta e pergunta sorrindo
- quero sim, mas vou comer no quarto - a olho de cima, sou alguns centímetros mais alta que ela
- por que? - franze o cenho - daqui a pouco Holly e Jason chegam, almocem juntos! - ela tenta alguma amizade entre nós, mas ela sabe que eles não gostam de mim.
- não tia, está tudo bem - sorrio sem mostrar os dentes - eu vou mesmo comer no quarto - ela suspira e então concorda, faço meu prato rapidamente e subir para meu quarto. 
Entro no quarto e fecho a porta, largo minha mochila em um canto e deixo meu prato na cama, vou até o banheiro e pego meus remédios. Sim, eu tomo remédios, para ansiedade,  nervosismo e alguns que eu apelidei de morte, que são para dormir. Os pego e engulo com água da torneira. Tiro minhas roupas e entro no box, ligando em seguida o chuveiro, arranco o micro poro do meu braço e vejo só alguns "riscos" vermelhos, passo a mão por cima deles e não sinto nada, eu os tenho em todo corpo, assim como algumas cicatrizes deixadas pela minha mãe. Eu sinto um aperto enorme no coração quando me lembro deles, e começo a chorar enquanto a água cai sobre meu corpo, isso dói demais, pensar que eu não fui suficiente, que eu fui um erro só aumenta minha vontade de morrer! Saio do chuveiro e boto uma calça de moletom preta e uma camiseta preta, volto para o quarto e encontro meu prato em cima da cama, eu perdi a quase nada de fome que eu estava, desculpa tia May! Pego meus cadernos e começo a fazer as tarefas de hoje, meia hora depois eu largo tudo dentro da mochila e caio no sono.
    
    P.O.V Harry
- por que estava falando com ela Hazza? - Liam perguntou rindo, ele é um babaca
- eu quis ser caralho - digo sem paciência, aquele assunto já estava me irritando. 
- legal Harry? Ela é a garota mais estranha do colégio e você quis ser legal? - Niall diz e gargalha logo em seguida
- deram pra cuidar da porra da minha vida agora é caralho? - suspiro alto e dou um gole em minha cerveja
- Só estamos comentando - Louis botou as mãos em defesa rindo - hoje ela está estressada - gargalharam e eu revirei os olhos rindo
- vá se foder Tomlinson - digo rindo e soco seu braço,  ele ri ainda mais, idiota!
- não está a fim desta garota não né Harry? - Zayn pergunta acusatório,  eu engulo em seco, eu não sei!
- não - revido - vocês entendem tudo errado, viu? Vai tomar no cu - digo rindo
conhecemos o seu histórico Styles - Niall diz de uma forma irritante
- eu não mereço isso - passo a mão em meu rosto e tomo mais um gole da cerveja
- Só estamos dizendo que essa garota é problema -Zayn diz sério
- mas eu não falei nada de mais porra - digo exasperado
- é só um conselho bro - Louis se pronuncia
- ah foda-se - pego minha mochila - eu vou indo, caguei pra vocês - eles se despedem e eu abro a porta e saio rindo mostrando o dedo do meio, escuto eles reclamando , mas nem me importo.
Saio da casa de Liam e vou andando a pé até a minha, é meio longe, mas foda-se, eu não ligo mesmo!
Não acho necessária essa "preocupação" que os caras tem comigo, não é como se eu tivesse pedido o número dela, eu só conversei com ela um pouco, bem pouco, mais porque ela não me deu chance,  já que me cortou algumas vezes, mas isso não quer dizer nada. Não que ela seja feia, pelo contrário,  ela é linda, e eu "conheço" um pouco ela, quer dizer, ouvi boatos pela escola, ela parece ser gente boa, sempre prestei atenção nela, desde quando ela entrou e sofria algum tipo de bullying, mas depois deixaram ela quieta, vai ver perceberam que estavam pegando pesado demais. Eka está sempre de preto, fato que me chama atenção. Mas que porra Harry, para de pensar nessa garota! Caminho despreocupado pela calçada e suspiro profundamente, eu sei que Niall tem razão quando diz que conhece meu histórico,  mas não é algo que eu possa controlar e eu talvez nem queira. Desde sempre optei pelo mais difícil, porque sempre tive tudo muito fácil,  porque minha família tem uma ótima condição financeira e bom...eu tive tudo o que quis, mas não é a mesma coisa que lutar por algo, você tem prazer por aquilo que conquistou e eu sempre fui assim com as garotas, menos com a Chloe,  que eu resolvi tentar e dar uma chance, ela vivia me dando bola,  até que a pedi em namoro, mas ela era um saco, ela não me largava, nunca! Então eu meti o pé,  e terminei com ela ano passado na frente de todo mundo, segundo ela, sua reputação foi fragilizada,  eu não mereço isso! Eu sei que ela ainda gosta de mim, mesmo sempre me vendo com outras garotas, mas eu não volto, nem morto.
Como eu disse minha família é rica, mas não é perfeita,  meus pais brigam muito, mas sei que se amam e não aceitam que Gemma saiu da faculdade para ir morar com o namorado e estudar fotografia,estava fora do plano de vida perfeita deles e agora eles jogam todo esse peso sobre mim, peso do qual não sei se posso aguentar! 
Chego em casa e vejo muitas luzes acesas, moramos em uma zona nobre de Londres e nossos vizinhos são uns merdas, porra nenhuma! Entro em casa e escuto muitas vozes femininas, reviro os olhos, deve ser mais um desses jantares beneficentes que minha mãe faz, essas velhas vem fofocar que eu sei. Evito de passar pela sala e vou correndo para meu quarto,  meu pai, como eu previa, ainda está no trabalho, ele é dono de uma grande e conceituada corretora e minha mãe é "dona de casa", eu e Gemma tínhamos que ser os filhos perfeitos,  eu sei que não sou e Gemma estragou tudo, não se pode ter tudo o que quer!
Entro em meu quarto e fecho a porta, eu não quero minha mãe me enxendo falando sobre as merdas que as velhas fofocaram o dia todo. Jogo minha mochila ao lado da cama e tiro minha roupa entrando no chuveiro e tomando um banho relaxante, saio e boto uma boxer preta e me jogo na cama, não é como se eu gostasse muito de roupa, se é que me entende! 
Quando deito na cama a primeira pessoa que eu penso na é na Charlotte, que merda. O que deu em mim? Eu não posso me interessar por essa garota, esse vai ser o meu mantra e vou repetir até conseguir.  Rio da besteira que eu pensei e escuto um bipe do meu celular, o pego e vejo que há duas mensagens da Chloe, que garota insuportável,  ignoro e deixo meu celular na cômoda, estou sem fome e resolvo ir dormir, eu sei que se eu ficar pensando eu vou fazer merda, porque,  sempre que eu penso muito dá treta! Resolvo deixar pra lá e ver no que vai dar, eu espero que não seja nada demais,  eu espero!
 


Notas Finais


Bom, espero ter me saído bem nesse primeiro capitulo, se não sai me corrijam por favur

Volto logo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...