História You, the ocean and me - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~gukkiev

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Kookv, Mermaid!au, Taekook, Vkook
Exibições 435
Palavras 3.933
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Lemon, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Slash, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


BOA NOITEEEE!
Mil desculpas pela demora, vocês sabem que o Nahuel aqui além de ter 8 fanfics, SIM, 8 FUCKING FANFICS em andamento, a Milly estava ocupada com a faculdade, assim como eu. Então ficou difícil para escrevermos, mas ESSA SEMANA o capítulo ficou pronto e hoje a Milly fez as devidas modificações.

Bom, espero que gostem desse capítulo. Boa leitura!

Capítulo 5 - Mais uma despedida


Jeongguk foi o primeiro a acordar pela manhã. Entretanto ele não tinha nenhum pouco de vontade de se levantar, principalmente por ter Taehyung, literalmente, em cima de si, usando seu peito como travesseiro. Um sorriso de canto surgiu em seu rosto, mas logo em seguida se desfez. Estava feliz por ter o ruivo deitado ao seu lado, sentir o calor do corpo dele junto ao seu, mas não conseguia deixar de pensar na conversa que tiveram na noite anterior. Logo Taehyung teria que voltar para o mar e seria mentira dizer que não sentia medo de acabar sendo afastado o garoto sereia novamente.

 

Começou a sentir seu estômago reclamar de fome e sabia que isso indicava que não poderia mais continuar deitado. Tentou se levantar, porém qualquer movimento que ele fazia, Taehyung apertava ainda mais o corpo de seu humano preferido. Então, para que conseguisse levantar e preparar algo para ambos comerem, ele teria que acordar o adormecido.

 

Mas quem disse que isso era uma tarefa fácil?

 

— Tae? — Chamou fazendo uma leve carícia nos fios avermelhados do moreno. — Tae, acorda, eu preciso levantar. — Taehyung apenas soltou alguns muxoxos desconexos e voltou à posição inicial. Jeongguk achou aquilo tão adorável que até sentiu pena de acorda-lo. — Tae, eu preciso comer alguma coisa.

 

— Aish, mas ainda estou cansado. — Ele falou com a voz baixa e formando um bico nos lábios. — Deixa eu dormir por mais alguns minutos.

 

— Eu não consigo ficar com fome. — Jeongguk estava decidido a sair dali, então se forçou a deixar a cama lutando contra tudo que o impedia de levantar. Taehyung, vontade, preguiça. — Eu vou sair vitorioso dessa batalha.

 

— Não! — O moreno deixou a cama, porém o aquele pequeno novo ser humano continuava agarrado ao seu corpo como se fosse um coala. — Por que eu acho que você já está mais que acordado?

 

— Eu só quero ficar mais tempo com você, não posso? — Ele perguntou soltando-se de Jeongguk. Sentou-se na cama e formou um bico em seus lábios.

 

Adorável, era a única coisa que o Jeon conseguia pensar ao vê-lo daquela forma e não podia negar que se sentiu, e muito, tentado a voltar para a cama e ceder a vontade de Taehyung, mesmo que seu corpo realmente pedisse por um alimento. Pensou em falar algo, mas desistiu ao vê-lo virar seu rosto para a janela que tinha a vista para o mar.

  

— Quando você está pensando em voltar? — Jeongguk estava meio receoso de saber, na verdade, ele nem queria saber a resposta, mas não podia simplesmente prendê-lo em sua casa. Até porque ele também tinha família no mar.

 

— Hoje. — Ele respondeu decidido, provavelmente Taehyung já estava pensando naquilo e naquele momento Jeongguk entendeu o motivo de estar tão grudento naquela manhã. — Já está difícil criar uma desculpa boa para ter sumido por dois dias. Sem contar que provavelmente alguma sereia pode ter sentido meu sangue, então eles podem estar me caçando pelo mar feito loucos. — Então ele suspirou fundo, sem saber exatamente o que estava fazendo. — Eu estou bem preocupado.

 

— Eu entendo.

 

— Então vem aqui e deita comigo. Fica comigo até eu precisar voltar para o mar? — Ele pediu ainda com o rostinho inchado e com a voz de sono.

 

— Eu tive uma ideia. Eu vou fazer um café da manhã para nós dois e tomamos aqui na cama. Não é uma boa ideia? — Jeongguk perguntou com o seu melhor sorriso, afinal não queria demonstrar a tristeza que sentia por ele ir embora e o deixar confuso entre voltar ou ficar. Ele apenas queria apoiar as decisões de Taehyung, independente de quais forem.

 

— Ok, então.  — Ele respondeu se jogando na cama para abraçar o travesseiro. Pelo jeito o ruivo não dormira direito naquela noite provavelmente pensando no mar. Jeongguk brincou rapidamente com seus fios vermelhos e foi até a cozinha. Provavelmente sua mãe estaria lá para perturbá-lo.

 

— Bom dia, filho. — Ela falou mais animada do que de costume, Jeongguk franziu o cenho e lançou um olhar desconfiado.

 

— Bom dia. — Ele respondeu pegando alguns pães integrais a fim de preparar alguns sanduiches para os dois. — Ainda tem queijo na geladeira?

 

— Tem sim. — Ela respondeu colocando a xícara de café sobre a prisma e passou a olhar para seu filho com um pequeno sorriso no rosto. Claramente Jeongguk sentiu-se incomodado com aquilo. — Dormiu bem, meu filho?

 

— Sim, dormi. — Ele respondeu distribuindo queijo pelos pães. — E você, mamãe? — Ele perguntou um pouco irônico.

 

— Eu dormi perfeitamente bem! — Ela respondeu levantando-se da mesa para pôr a xícara na pia. — Será que Taehyung dormiu bem? Porque duvido que seu corpo seja muito confortável.

 

— Você entrou no meu quarto, não foi? — Ele perguntou depois de revirar os olhos e suspirar.

 

— Claro que entrei, hoje é dia de lavar roupa e encontrei uma surpresa tão fofa. — Ela falou apertando a bochecha do filho e pegou a chave em cima da geladeira. Já estava pronta para ir. — Eu não me importo que durmam juntos. Vocês parecem serem bem próximos, mas eu queria saber se vocês estão...

 

— OK, mãe, eu entendi. Você será a primeira a saber, caso algo aconteça, eu prometo. — Ele disse um pouco constrangido. Ele não costumava conversar sobre aquele tipo de coisa com sua progenitora. — Tchau.

 

— Tenha um bom dia. — Ela falou animada saindo de casa. Jeongguk bufou mais uma vez.

 

Terminou de fazer os sanduíches, pegou um pedaço de bolo, encheu dois copos com suco e juntou tudo em uma bandeja velha a qual eles não usavam há anos. Foi quando ele quase esqueceu-se de levar algumas frutas. Taehyung tinha gostado delas. Estava recolhendo as melhores quando sentiu os braços do ruivo envolverem por trás. O moreno arrepiou-se e até surpreendeu-se com aquela aproximação repentina, mas logo se acalmou com um sorriso. Fechou os olhos e apenas aproveitou o abraço.

 

— Você demorou. — Taehyung arrastando a cabeça nas costas de Jeongguk. Sua voz saia completamente manhosa e um tanto rouca. O mais novo riu e fez um carinho gostoso naquelas mãos morenas.

 

— Você percebeu como minha mãe gosta de falar. Ela quem me fez demorar. — Jeongguk explicou-se antes de receber um selar rápido na nuca. Ao contrário do que é comum, o moreno sentiu cócegas e se contorceu nos braços de se amigo. — Hey! Tome cuidado com que você faz.

 

— Desculpe, mas eu gosto de te beijar. Principalmente quando você está assim, salgado como o mar. — Assim que Taehyung comentou seu gosto, Jeongguk ligou os pontos e percebeu que aquele gosto o qual o ruivo falava era o suor.

 

Taehyung gostava do gosto de seu suor e Jeongguk achou um pouco bizarro, nunca imaginou receber um elogio desse tipo de alguém.

 

— Obrigado pelo elogio, eu acho. — comentou um pouco sem jeito.

 

— Eu falei algo de estranho? — Taehyung perguntou estranhando a reação de Jeongguk.

 

— Não — o moreno apenas negou e depositou um beijo na bochecha de Taehyung — Vamos voltar? Você não queria ficar o tempo inteiro deitado? —  O ruivo logo abriu um largo sorriso e balançou sua cabeça acenando positivamente.

 

Eles voltaram ao quarto e o mais novo percebeu o quanto o cheiro dos dois naquele lugar estava forte, porém, ao contrário do que imaginava, gostou daquela sensação. Era o cheiro deles.

 

— Vamos comer, vamos comer! — Taehyung falou agitado e ansioso para comer mais comida humana. Jeongguk apoiou o objeto de metal no colchão e sentou-se de frente para o ruivo. — Por que está tão afastado de mim?

 

 — Você é muito grudento, mas não dá para resistir aos seus pedidos. — Jeongguk admitiu com um sorriso animado. Levantou-se rapidamente e sentou-se atrás de Taehyung, ajeitando-se entre suas pernas. Ele colocou os braços em baixo dos alheios e tentou se adaptar para comer da melhor maneira.

 

 

>**>

 

 

Ela já estava mais que aflita. Nadava de um lado para o outro pelo reino se perguntando onde estaria Taehyung e já perdera a conta das vezes, nesses dois dias, em que saiu mar a fora a procura de seu filho e nenhum sinal dele. Nem suas mensagens telepáticas estavam chegando para ele. Mesmo que não quisesse pensar em algo assim, já estava esperando pelo pior.

 

Seu peito se enchia de angústia e para deixar a situação mais complicada, ela não podia pedir ajuda para as outras sereias, ela tinha que continuar agindo normalmente e aquilo a deixava mais nervosa. Dizer que seu filho desapareceu poderia piorar ainda mais sua reputação naquela sociedade. Com certeza iriam ligar ao fato do envolvimento de Taehyung com aquele humano novamente, principalmente por ele ter o salvado aquele dia.

 

Ela não poderia deixar que nada prejudicasse seu filho, por isso decidiu que iria encontra-lo sozinha. Não iria perder as esperanças, mesmo que não tivesse notícias dele, algo dentro de si dizia que ele estava bem.

 

— Hyorin — escutou uma das sereias a chamando e apenas a cumprimentou olhando para ela. — Onde está o Taehyung? Faz um tempo que não o encontramos por aqui. — Ela indagou desconfiada.

 

— Ele está treinando, por isso não está muito por aqui. — explicou convictamente, não podia deixar transparecer nenhum tipo de preocupação para elas.

 

— Espero que ele realmente esteja só treinando — a sereia acusou e Hyorin apenas mexeu sua cabeça concordando e logo viu ela se afastando.

 

Já estavam começando a acusar Taehyung novamente e sabia que isso não era bom. Conhecia o filho que tinha e sabia que isso significava que iriam ficar vigiando ele novamente, assim como antes e lembrava o quanto ele odiou aquela época. Ele sempre gostou de ser livre, poder ir e vir sempre que quisesse, mas ele teve que se deixar envolver por aquele humano e toda a confiança que as sereias tinha nele acabou.

 

— Por favor, não esteja cometendo o mesmo erro novamente — desejou.

 

 

>**>

 

 

Taehyung e Jeongguk estavam sentados lado a lado, na areia da praia, vendo o sol cada vez mais próximo do horizonte. Eles não falavam nada, não queriam falar nada, apenas queriam aproveitar aquele momento juntos já que o destino para tudo era incerto.

 

Taehyung não fazia ideia se poderia voltar depois que voltasse para a água. Ele sabia que devia explicações para as outras sereias sobre o seu desaparecimento, ele sabia que estava encrencado, muito na verdade. Porém ele não demonstrou isso para Jeon uma única vez. Ele queria tranquilizar o moreno e fazê-lo acreditar que tudo estava bem, quando na verdade, não estava.

 

Por fim, Jeongguk estava sentindo-se tranquilo e até feliz. Passou tanto tempo ao lado do ruivo e sabia que aquelas lembranças ficariam em sua mente por toda a sua vida. E mesmo que a insegurança insistisse em provoca-lo e incomoda-lo, ele permanecia firme, aproveitando tudo que podia ao lado dele.

 

Então Taehyung não pensou duas vezes, estendeu uma de suas mãos e juntou-as com as de Jeongguk, entrelaçando os dedos de maneira carinhosa. A areia se fazia presente entre as peles, mas eles nem se importavam, apenas trocavam olhares e sorrisos. Era um momento só deles.

 

— Jeongguk, será que as coisas um dia vão se tornar mais fáceis para gente? — Ele finalmente falou pela primeira vez. Ele acabou ficando trêmulo só de pensar na situação em que os dois estavam. Um humano e uma sereia, duas espécies distintas e separadas por um enorme oceano.

 

— Não acha que ela já está facilitando para gente? Você, entre tantos outros da sua espécie, foi escolhido para ganhar pernas. — Jeongguk disse com um sorriso grande. Ele tentava passar toda uma animação para Taehyung assim que percebeu os seus pensamentos tristes.

 

— Mas a vida gosta de brincar com a gente, não percebeu? — Ele falou com a voz baixa novamente. — Nós éramos melhores amigos e fomos separados. Depois de nos reencontramos, fui atacado por um bando de humanos e por pouco não fui morto. Agora descubro que posso ter pernas, eu conheci o seu mundo, Jeongguk, mas agora tenho que voltar e não sei como os outros vão reagir ao meu desaparecimento. — Ele novamente voltou a levantar o olhar para o amigo. — Eu estou com medo, mas não de sofrer represarias ou um castigo. Eu estou com medo de nunca mais poder te ver.

 

— Uma coisa que eu percebi nesses longos anos te procurando por esse enorme mar é que a vida é difícil, complicada. Mas com determinação e força de vontade, a gente pode derrubar as barreiras que ela impõe e conseguimos o que queremos. — Jeongguk falou com total certeza de que aquilo era certo. — Até você mesmo lutou contra ela. Mesmo proibido de me ver, ficava me vigiando e me observando de longe, quer resistência mais forte que essa? — Ele perguntou apertando ainda mais as mãos nas alheias se aproximando. — Se você lutar, você consegue o que quer. — O moreno se aproximou ainda mais e juntou a ponta dos narizes. — O que você quer, Tae?

 

— Eu quero ficar com você. — Taehyung respondeu já prendendo a respiração e fechando os olhos.

 

— Então nós vamos ficar juntos, não importa o que aconteça. — Jeongguk levou sua mão livre aos fios vermelhos do mais velho e aproximou seu rosto para um beijo. O selar foi tão natural e bom para ambos, que eles nem se moveram, apenas ficaram parados, aproveitando os lábios um do outro. O moreno passou a mexer seus dedos, fazendo carinhos leves no couro cabeludo de Taehyung enquanto ele apenas se permitia sentir aquela onda de sensações que passavam pelo seu corpo. O arrepio, o coração acelerando e o corpo se aquecendo.

 

Taehyung gostava ainda mais do corpo humano.

 

Então, sem pensar direito, ele colocou todo o peso do seu corpo para frente, derrubou Jeongguk na areia e uniu os corpos de maneira que ele sentia-se bem, confortável. Uniu, dessa vez, as duas mãos e voltou a beijá-lo.

 

O beijo foi mil vezes mais intenso do qualquer outro que eles já tiveram. Era a maior demonstração de sentimentos que já tiveram um pelo outro. E Taehyung não queria separar, ele não queria que aquele momento nunca acabasse. Mas ele já estava sentindo dor no peito, ele precisava respirar e por isso afastou-se, ofegante e completamente irritado. Jeongguk apenas riu, estava acostumado a segurar a respiração por um longo período de tempo.

 

— Eu odeio mais que tudo o oxigênio dos humanos. — Ele falou evidentemente irritado. Jeongguk riu e deu um rápido selinho naqueles lábios inchados. Taehyung sorriu, aproximou-se, abraçou o mais novo e deu uma leve lambida em sua bochecha. — Bonito, cheiroso e salgadinho. É assim que eu gosto.

 

— Você é realmente louco. — Jeongguk disse passando as costas da mão na bochecha.

 

— Eu te amo, Jeongguk, mais que qualquer outra coisa. — Taehyung soltou tão de repente que o moreno precisou de um tempinho para entender o significado das palavras. É como se o tempo tivesse parado, seu coração acelerou e um calor subisse pelo seu pescoço até suas bochechas. — Jeongguk, você está bem? Seu rosto está muito vermelho! Você está pegando fogo?

 

Então o mais novo realmente reagiu, abraçando aquele rapaz assustado com toda a sua força. Ele estava tão feliz que sua vontade era de fazê-lo ficar consigo para sempre, ali perto, ao seu lado. Jeongguk faria de tudo para ter Taehyung para si. — Eu também te amo muito, Tae. Espero que você volte para mim.

 

O ruivo ergueu-se levemente, afastando-se daquele corpo quente e cheiroso do moreno e apenas sorriu simples. — Eu vou fazer de tudo para voltar e ficar perto de você, Jeongguk. Eu prometo.

 

Ele estava mais que determinado, então apenas levantou-se, aproveitando a coragem repentina que teve. Com passos largos, caminhou até a margem do oceano, sentiu a água salgada tocar os pés e arrepiar seu corpo. Era engraçada como aquela temperatura afetava o corpo humano. Taehyung apenas sorriu, sentiria falta de suas células, das pernas e até da sua trombinha.

 

Tirou a camisa, a calça e a cueca que usava de Jeon, e não ia negar que se sentia bem em não ter mais todas aqueles panos em seu corpo. Virou-se por um momento com os olhos brilhantes, deu uma última olhada no humano com os olhos marejados, novamente sentado na areia olhando para si. Então Taehyung sorriu e disse:

 

— Pode me esperar, logo estarei de volta.

 

Então, de uma só vez, pulou de volta ao mar. Sentiu novamente aquelas águas tão familiares envolvendo seu corpo. Uma sensação de nostalgia domou o seu corpo. Ele ainda não conseguia respirar debaixo d’água, mas ele sabia que logo poderia.

 

Em poucos segundos, a água deixou de incomodar seu corpo, já não sentia nenhum frio. Sua pele perdeu calor e tornou-se novamente escorregadia. Em milésimo de segundos, as pernas se tornaram uma única extensão de seu corpo, uma bela cauda verde. Em seguida, Taehyung recuperou sua habilidade de respirar e enxergar longas distâncias submerso.

 

Ele voltara a ser uma sereia.

 

Estava prestes a bater sua cauda e começar e voltar para casa quando sentiu seu corpo sendo puxado. O toque era quente e familiar e assim que virou seu corpo teve seus lábios tomados por Jeongguk novamente. Diferente das outras vezes que seus lábios se encontraram embaixo d’agua, agora eles se beijavam de verdade. Taehyung não pôde deixar um sorriso escapar entre o osculo e bateu sua cauda, dessa vez, impulsionando-os para a superfície.

 

— Eu preciso ir — ele tinha um tom rouco enquanto passava a mão delicadamente pelo rosto de Jeongguk e sorriu ternamente.

 

— Eu sei, só fica mais um pouco? — O Jeon pediu e abraçou forte o corpo de Taehyung. Conseguia sentir que a temperatura dele estava baixa novamente e gostava dela assim também. Gostava dele de todos os jeitos.

 

            Taehyung retribuiu o abraço e afundou seu rosto na curvatura do pescoço de Jeongguk, depositando um rápido selar na pele mais clara. — E você reclamou quando eu queria ficar assim de manhã.

 

            — Agora é diferente. — Jeongguk reuniu toda a força de vontade que ele tinha e começou a se afastar de Taehyung. — Eu estarei aqui te esperando. Eu amo você, Taehyung — disse se controlando para não chorar.

 

            O ruivo apenas aproximou roubando um rápido selar dele e logo afundou no oceano começando a bater sua cauda. Ele tinha muitas coisas para resolver, muitas barreiras da vida para derrubar para finalmente voltar para seu Jeongguk. E iria voltar, custe o que custar.

 

 

>**>

 

 

Jeongguk saiu da água sentindo seu coração apertar. Com passos lentos, ele caminhou até onde Taehyung deixara suas roupas. O mar nem ousou em tocá-las. Levou os tecidos até o nariz, fechou os olhos e absorveu aquele cheiro, o cheiro delicioso que Taehyung exalava. Acabou sorrindo automaticamente. O ruivo faria muita falta.

 

Na verdade, Jeongguk já estava sentindo falta.

 

Ele apressou-se em entrar em casa. Não se demorou muito para desfazer-se de todas as suas roupas para se meter em baixo de um chuveiro quente. Ele sempre foi um amante de água e por isso ele conheceu Taeyung. O moreno sabia que eles não se conheceram à toa, eles nasceram para ficar juntos, ele sentia isso. Abaixou a cabeça, deixando que a água percorresse todo o seu corpo na tentativa de perder toda aquela tensão que se instalara. Ele queria acreditar que era cansaço, mas ele sabia que não era apenas isso, nunca seria. Jeongguk estava inseguro, estava com medo. É claro que ele não desistiria de Taehyung tão fácil, ele já tinha em mente que dirigiria até a ilha dos dois para poderem se encontrar novamente, mas algo em seu coração dizia que algo estava prestes a acontecer. Então ele não se aguentou.

 

Começou a chorar.

 

Por mais que tivesse certeza que ambos lutariam para ficar juntos, Jeongguk também sabia que seria muito difícil, ele sabia que Taehyung teria problema quando reencontrasse as outras sereias. Nem queria pensar na possibilidade se elas descobrirem tudo.

 

Impulsivamente acabou batendo com a testa na parede enquanto deixava escapar os sons baixos do seu choro. Talvez aquele fosse o único modo de aliviar toda aquela tensão que estava pesando em si.

 

 

>**>

 

 

Taehyung mergulhava rápido, precisava chegar à sua sociedade antes que escurecesse. O mar era terrivelmente traiçoeiro depois que escurecia, dificilmente enxergava-se debaixo d’água. Tomou ainda mais velocidade quando um corpo se chocou contra o seu.

 

O ruivo girou algumas vezes pela água, mas nem se preocupou com aquela que o abraçava com toda sua força. Reconheceria aquelas vibrações de sua mãe a mais de mil metros de distância. Por isso, Taehyung apenas devolveu o abraço, com tanta força quanto lhe era permitido.

 

E lá estavam, no meio do oceano, mãe e filho, com o mesmo tom de cabelo avermelhado, abraçados como se não se vissem há anos. Mas é isso que acontece quando uma mãe perde contato com sua cria no mundo das sereias. Assim que uma conexão mental se perde, é sinal de que o outro indivíduo perdeu a vida. Mas antes de qualquer coisa, vinha o instinto de mãe e esse sexto sentido a dava certeza de que Taehyung ainda estava vivo, mesmo que não conseguisse mandar mensagens telepáticas.

 

— Eu vou te deixar amassado como uma arraia se você não se explicar nesse momento, mocinho! — A mulher falou telepaticamente com o rosto evidentemente irritado. — Você tem noção da preocupação que você me deixou? Onde você estava para eu não conseguir me comunicar? Você teria que estar em praticamente outro oceano para a nossa telepática ser destruída dessa forma!

 

— Uma coisa de cada vez, mãe. — Taehyung mordeu o lábio inferior, mania que pegara dos humanos. Até tentou respirar fundo, mas sentiu a água entrar em suas narinas e ir direto para o seu estômago. — É muito complicado de explicar, mas juro que te conto tudo. Mas acho melhor voltar para a segurança das pedras, já está escurecendo e podemos não encontrar o caminho.

 

— Tudo bem, mas amanhã você vai me contar absolutamente tudo, para onde foi, com que animais se comunicou. Quero saber de tudo. É o que mereço depois da preocupação que me causou. — Ela falou dando um tapa de leve na cabeça vermelha do filho. — Anda logo. Aposto que nosso governante vai querer uma bela explicação vinda de você.

 

— Até parece que sou o único que sai dos domínios das pedras e dorme fora. — Taehyung falou tranquilo. Pelo menos ele queria acreditar nisso.

 

— O problema é que você já tem má fama na nossa sociedade. Qualquer deslize é motivo para desconfiar de você. — Ela falou nadando lado a lado com o filho pela água salgada. — Eu tenho quase certeza que eles vão querer uma explicação. Eu disse que você saiu para treinar, então conte algo assim para eles.

 

— Certo. — Taehyung falou aumentando a velocidade para chegar logo. O sol já tinha se posto e a água já estava bem escura. Logo se tornaria uma imensidão azul.

 

A mulher abriu rapidamente o portal e os dois entraram.  Taehyung continuou nadando normalmente, como se nada tivesse acontecido. Nem estava se importando se alguém olhava para si, na verdade, a maior parte das sereias ali já pareciam dormir profundamente.

 

A dupla nadou por mais alguns segundos e mergulhou mais fundo, em direção a umas pedras com um espaço um tanto apertado, mas que o ruivo já tinha se acostumado a ficar. — Boa noite, filho. Durma bem.

 

— Boa noite, mãe. Durma bem você também.

 

— Hoje eu vou, finalmente você está aqui comigo. — Ela sorriu antes de passar a mão no cabelo do ruivo. Deixou um beijo rápido em sua cabeça e se recolheu para seu espaço. Por mais que Taehyung tivesse passado o dia inteiro fazendo nada, ele estava cansado e já sentia vontade de dormir. Parece que os dois dias em corpo de humano dormindo e acordando tarde – pelo menos para uma rotina de sereia – não foram o suficiente para acabar com seus hábitos naquela forma.

 

Então não demorou muito para sentir os olhos pesarem.

 

Antes de dormir, pensou em Jeongguk.

 

E naquela noite, sonhou com ele.


Notas Finais


Aqui está o capítulo. E esse final, hein?
A gente fez de tudo para deixar bem fofo e menos "dolorível" para vocês. Eu não posso prometer nada, mas juro que vamos dar o melhor para não passar dois meses inteiros sem atualização, apesar que vou ficar muito sem tempo, mas vamos dar duro.

Obrigado por lerem, por esperarem, por comentarem
Beijos de um viciado em TaeKook e escravo de SoonHoon,
Nahu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...