História You were made for me - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias Demi Lovato, Fifth Harmony, Miley Cyrus, Nick Jonas
Personagens Camila Cabello, Dallas Lovato, Demi Lovato, Lauren Jauregui, Miley Cyrus, Nick Jonas
Tags Camren, Demi Lovato, Diley, Dileyg!p, Miley Cyrus, Nick Jonas
Visualizações 391
Palavras 3.485
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Luta, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha só quem já voltou u.u
Eu espero que gostem do capitulo e que perdoem os erros <3

Capítulo 34 - Chapter Thirty Four


Point of View Demetria Lovato

Entrei em casa e a primeira coisa que eu vi foi minha mãe e Dallas na sala conversando animadas e pelo que eu pude notar o assunto era eu.

- Bom dia. – Me fiz presente e as duas pararam de falar para me olharem.

- Bom dia. – As duas responderam animadas.

- Querida como você está? – Minha mãe perguntou assim que eu cheguei perto delas.

- A senhora ainda pergunta olha a cara dela de que transou a noite toda. – Minha irmã como sempre nem um pouco discreta.

- Às vezes eu penso que é melhor eu nem voltar para a casa. – Falei debochada. – E a propósito eu estou bem mãe.

- Não ligue para as asneiras que sua irmã diz. – Mamãe falou séria. – Então para onde foram?

- Ela me levou a um chalé que é dela. – Falei sorridente ao me lembrar da nossa noite.

- Isso é demais querida. – Minha mãe apertou minha perna já que eu estava perto dela. – Estou muito feliz por vocês duas.

- Obrigada mãe.

- Até que enfim vocês pararam de frescuras né. – Dallas falou rindo. – Pensei que a gente ia ter de dar um jeito nas duas.

- Cala a boca você e o Nick também ficaram de graça. – Eu nos defendi.

- Mas eu e ele nunca negamos que nos pegávamos. – Piscou para mim e eu lhe dei o dedo do meio.

- Certo vamos parar as duas. – Minha mãe disse séria.

Tanto eu quanto Dallas acabamos por bufarmos o que fez mamãe rir e rolar os olhos. Talvez eu e ela nunca fossemos mudar esse nosso jeito de implicarmos uma com a outra.

- Então querida quer nos contar sobre essa história de fisioterapia? – Minha mãe perguntou séria.

- A Miley e a Lauren me convenceram. – Dei de ombros.

- Simples assim? – Dallas perguntou torcendo a boca.

- Sim simples assim.

- Por que com ela é tudo tão simples? – Dallas estava carrancuda e eu segurei o riso por saber que ela estava morrendo de ciúmes.

- Oh alguém está com ciúmes por aqui. – Eu a zoei e ela revirou os olhos.

- Não estou com ciúmes só que a gente vem tentando a tempos fazer você voltar para a fisioterapia aí elas chegam e bum você aceita de primeira. – Negou com a cabeça.

- Dalls eu te entendo. – Suspirei. – É que antes eu não estava pronta era tudo muito recente sem contar que eu me via de outra forma e quando Miley chegou ela tirou minhas vendas entende? – Perguntei com um fraco sorriso no rosto. – Primeiro ela me fez ver que eu era capaz de tudo mesmo estando em uma cadeira, ela me fez sentir viva novamente coisa que eu não sentia desde o meu acidente e por isso eu quis retribuir tudo o que ela me fez, eu resolvi que tentaria retornar a fisioterapia porque eu sabia que isso a deixaria feliz assim como vocês.

Quando terminei de falar eu senti um grande alivio em meu peito por poder colocar tudo aquilo para fora. Se tinha uma coisa que eu não gostava era de guardar as coisas.

- Filha isso é lindo. – Minha mãe falou emocionada.

- Tudo bem depois dessa eu terei que engolir o meu ciúme. – Minha irmã disse sorridente. – Eu só quero que saiba que eu estou muito orgulhosa por você ter decidido voltar.

- Obrigada, eu acho que sem o apoio de vocês tudo seria mais difícil. – Falei sorridente.

- Então quando vocês começam? – Mamãe perguntou ansiosa.

- Laur está para vir aqui por agora. – Respondi nervosa.

- Ei relaxa que vai dar tudo certo. – Dallas disse sorridente.

Minha mãe assim como Dallas passaram a me encher de perguntas e só pararam quando a campainha tocou e minha mãe foi atender e logo a morena dos olhos verdes estava junto a nós na sala.

- Laur. – Eu disse enquanto a abraçava.

- Demi como vai? – Perguntou quando se separou de mim.

- Bem e você?

- Animada. – Ela disse sorridente.

- Quase não percebi. – Disse negando com a cabeça.

- Você quer algo para beber Lauren? – Minha mãe perguntou educada.

- Obrigada Dianna, mas eu estou bem. – A morena sorriu abertamente para minha mãe com seus dentes brancos e alinhados o que fez mamãe suspirar.

- Parece que alguém caiu nos seus encantos. – Dallas falou rindo fazendo mamãe corar e lhe dar um tapa o que nos fez rir.

- Me respeita menina. – Mamãe falou séria. – Bem eu vou cuidar do meu jardim, fique à vontade Lauren se precisar de algo peça as meninas.

- Obrigada Dianna.

Minha mãe saiu rapidamente dali nos fazendo rir. Claro que todos suspiravam com Lauren afinal ela era uma mulher linda e sabia ser galanteadora mesmo quando não queria.

- Vou deixar vocês conversarem a sós e quando começar me chama. – Dallas falou saindo sem esperar nossa resposta.

- Uau isso é um milagre. – Eu disse fazendo Lauren rir.

- Então você quer conversar primeiro certo? – Minha amiga se sentou no sofá ao meu lado.

- Sim eu quero. – Suspirei pesado. – Eu quero que você seja sincera comigo, qual são as chances deu voltar a andar? Eu quero as reais chances Lauren.

- Eu diria que você tem quarenta por cento de chance de voltar a andar pelo o que seus exames me mostraram, mas isso varia de paciente para paciente tudo depende da sua força de vontade. – Ela falava tudo seriamente ali a Lauren amiga tinha sumido e a Lauren médica tinha assumido o papel.

- Certo. – Eu disse mais tranquila até que as chances eram grandes. – Quanto tempo de processo?

- Como eu disse tudo depende de você, mas eu te daria cerca de uns sete meses, mas caso precise de mais tudo bem.

- Isso é muito tempo. – Eu resmunguei.

- Eu não quero pegar pesado com você por isso vamos com calma. – Ela explicou paciente. – Até por que você sabe como é esse processo.

- Eu quero que isso termine em menos tempo. – Falei séria e decidida.

- Menos tempo quanto?

- Em três meses. – Eu estava decidida.

- Deus Demi isso é pouco tempo. – Ela falou séria.

- Acha que eu não consigo? – Falei desanimada.

- Não é isso. – Se apressou a dizer. – A gente pode tentar em três meses, mas isso vai te esgotar, você sabe que não é um trabalho fácil e sim que exige muito.

- Eu sei de todos os riscos Laur. – Suspirei.

- A gente vai precisar trabalhar o dia todo para isso.

- Eu estou disposta. – Falei firme. – E você está disposta a entrar comigo nessa?

- Claro eu só vou precisar reorganizar a minha agenda para poder estar livre.

- Laur eu pago mais para você só me faça andar em três meses.

- Eu não estou fazendo isso por dinheiro Demi, eu realmente quero te ajudar. – Eu podia sentir o quanto ela estava sendo sincera.  – E eu vou te fazer voltar a andar nem que para isso eu tenha que viver só para as suas fisioterapias.

- Obrigada Laur muito obrigada mesmo. – Agradeci com um imenso sorriso.

- Mas antes você vai ter que tirar uma dúvida para mim.

- O que você quiser.

- Por que em três meses? – Era nítido sua curiosidade.

- Eu tenho algo em mente e preciso que me ajude com isso. – Eu sorria enquanto minha cabeça transbordava de ideias.

- O que você está aprontando em?

- Na hora você vai saber, eu só preciso que você esteja comigo nessa.

- Seja lá o que for eu estou. – Sorriu de lado.

- Ótimo então antes de começarmos eu preciso conversar com a Dallas e enquanto isso você pode resolver sobre a sua agenda.

- Tudo bem eu vou falar com a minha secretária enquanto você fala com a sua irmã.

Lauren saiu da sala indo para fora de casa ficando na varanda enquanto eu fui atrás da minha irmã que estava na cozinha comendo um sanduiche.

- Já vai começar? – Ela perguntou quando me viu.

- Daqui a pouco.

- Droga eu tenho que ir trabalhar assim eu vou perder de ver você fazendo fisioterapia. – Resmungou.

- Dalls eu preciso de um favor seu. – Falei meio receosa.

- Que tipo de favor? – E lá estava toda a curiosidade dela.

- Preciso que assuma minhas aulas de pianos tanto as de manhã quanto as da tarde. – Falei sem rodeios e ela se engasgou com o sanduiche.

- Está falando sério? – Falou assim que parou de tossir enquanto eu apenas assentia com a cabeça. – Demi isso é loucura eu trabalho e...

- Sem essa Dalls. – Eu a cortei. – Você trabalha na empresa do papai e eu tenho certeza que ele não vai se importar e também você sabe dar aulas de piano.

- Você sabe que eu não toco piano a muitos anos. – Ela falou desesperada.

- É como andar de bicicleta você nunca esquece. – Falei sorrindo e ela revirou os olhos. – Qual é Dalls me ajuda vai.

- Porque você quer que eu assuma suas aulas?

- Porque eu preciso de tempo para as sessões de fisioterapia.

- Mas....

- Qual é Dallas! – Eu a cortei de novo.

- Tudo bem eu vou falar com o papai e não me culpe se seus alunos me odiarem. – Disse rendida.

- Eu te amo. – Falei animada.

- Só me ama por isso né? – Negou com a cabeça.

- Pelo o que mais seria? – Pisquei para ela e a mesma me atacou um guardanapo.

- Idiota. – Rolou os olhos.

- Então? – Lauren entrou na cozinha interrompendo nossa conversa.

- Tudo certo Laur. – Eu disse sorridente. – E com você?

- Eu sou toda sua gata. – Ela piscou para mim e mordeu o lábio inferior me fazendo rir.

- Deixa a Camila e a Miley verem isso. – Minha irmã falou rindo.

- Tem para você também Dallas. – Lauren se aproximou dela e deu um rápido beijo em seu rosto.

- Idiota. – Ela empurrou Lauren ficando corada.

- Olha ela está corada Demi. – Lauren zoou a mesma fazendo ela ficar mais vermelha e eu rir.

- A cala a boca você eu vou é trabalhar, tchau. – Saiu correndo da cozinha.

- Você é demais. – Eu fiz um high five com a Laur.

- Agora chega de bagunça e vamos trabalhar.

- Claro. – Suspirei.

- Onde quer fazer?

- Acho melhor na sala que tem espaço.

- Tudo bem vamos lá.

Fomos para a sala e quando chegamos lá Lauren afastou os sofás e poltronas deixando um bom espaço para nós. Ela foi até seu carro e pegou algumas coisas para a nossa primeira sessão.

Ela esticou um colchonete no chão e então veio até mim e sorriu quando parou na minha frente.

- Está pronta para mudar a sua vida?

- Sim eu estou.

- Então vamos lá.

Ela me tirou da cadeira e me carregou até o colchonete me colocando deitada no mesmo ficando do meu lado esquerdo perto de minha perna.

- Vamos começar alongando suas pernas.

Lauren pegou minha perna esquerda e passou a fazer movimentos de dobrar e esticar enquanto ia me perguntando se eu sentia aquilo o que eu respondi que sim, mas bem pouco.

Ela passou a repetir o processo na perna direita enquanto eu apenas ia respondendo suas perguntas e quando ela ficava quieta eu apenas a observava fazer seu trabalho.

Lauren mudou a posição ficando entre minhas pernas, mas na altura de meus pés e então passou a tirar o tênis que eu calçava.

Sem pressa ela passou a massagear os meus pés hora com pressão hora sem, e isso ia fazendo eu sentir seus toques de forma bem diferente.

- Você sente quando eu o aperto assim? – Ela apertou com força.

- Um pouco.

- Ótimo e agora? – Ela apertou normalmente.

- Quase como se fosse uma pena.

- Certo pelo que vi você só sente mesmo quando é com bastante pressão quando é normal é uma coisa mínima. – Ela anotou algo em seu bloco que estava ao seu lado no chão.

Lauren agora mexia nos dedos do meu pé direito ela os dobrava com calma e os fazia voltar ao normal, ela ficou um bom tempo fazendo isso e depois foi para o esquerdo e novamente voltou para o direito.

Já tinha se passado cerca de quatro horas que estávamos ali nos mesmos movimentos ela estimulava meus dedos dos pés, os pés e as pernas.

- Certo vamos tentar algo.

Ela se afastou de mim deixando minhas pernas no colchonete e endireitou os meus pés.

- Demi eu quero que você tente mexer o quinto pododáctilo (dedo mínimo) do seu pé direito. – Laur voltou a falar séria. – E só para deixar claro se você não conseguir não se estresse e nem fique chateada.

- Tudo bem Laur. – Eu suspirei.

- Se concentre.

Eu respirei fundo várias vezes e preparei o meu psicológico caso eu não conseguisse mexer o dedo. A primeira coisa que tem que estar trabalhada é a sua mente por que se você não controlar ela nada dá certo. Respirei novamente e então me concentrei em tentar mexer o dedo.

De olhos fechados eu imaginava como era mexer os dedos dos pés e então eu comecei a mandar aquele comando ao meu pé na tentativa de mexer o dedo que Lauren pediu.

- Droga. – Eu xinguei quando não conseguir mexer.

- Ei calma vamos tentar novamente. – Falou calma.

Lauren passou a mexer nos meus pés novamente e agora ela mandou eu mexer o dedo do pé esquerdo e mais uma vez eu não consegui. Eu sabia que não era fácil e que também eu podia não conseguir de primeira, mas era muito frustrante tentar fazer algo e não conseguir.

- Ei vamos continuar com esse exercício na parte da tarde. – Laur falou se levantando e me pegando no colo.

- A gente passou a manhã toda nisso e não conseguimos Laur acho melhor mudarmos o exercício. – Falei meio chateada enquanto me arrumava na cadeira.

- Olha para mim. – Lauren se abaixou ficando na minha altura e eu fiz o que ela pediu a olhei. – O que eu disse sobre se estressar ou ficar chateada?

- Eu sei Laur, mas é frustrante. – Me queixei.

- Eu sei que sim, mas vamos um passo de cada vez está bem?

- Tudo bem, mas nós podemos mudar de exercício?

- Não, enquanto você não mexer esse dedo nós não vamos mudar de exercício. – Ela falou séria.

- Droga você é pior que o meu outro fisioterapeuta. – Resmunguei e ela riu.

- Eu disse que te faria andar e você tem um prazo para isso então não reclame. – Ela piscou. – Agora eu vou para casa almoçar com a Camz e a Mia e de tarde eu volto para nós tentarmos mexer esse dedo aí está bem?

- Tudo bem. – Suspirei.

- Sem desânimos, vejo você daqui a pouco.

Lauren então beijou minha testa e saiu porta a fora e eu fui atrás da minha mãe para contar como tinha sido a parte da manhã já que eu pedi que ela não assistisse a sessão.

Point of View Miley Cyrus

- Descanso. – Gritou Fred e eu me joguei no chão do ringue.

- Obrigada Deus. – Eu resmunguei e Pedro que sempre treinava comigo riu do meu lado.

Desde a hora que eu cheguei na academia Fred me colocou para aquecer e então me fez lutar umas mil vezes com o Pedro. Eu não tinha parado até agora.

- Não reclame. – Fred me jogou uma garrafa de água.

- Você não quer que eu treinei você quer me matar Fred. – Eu falei enquanto tomava água.

- Você quer o mundial? – Perguntou com um sorriso de lado.

- Claro que eu quero. – Falei depois de matar a garrafa de água a deixando totalmente seca.

- Então eu vou arrancar o seu couro. – Piscou para mim e eu resmunguei. – Agora vá almoçar nos vemos daqui a duas horas.

- Mas....

- Suas horas estão correndo. – Falou rindo e saiu do ringue.

- Pedro eu não sou uma máquina. – Falei para o meu amigo.

- Você vai agradece-lo quando levantar o cinturão de campeã mundial. – Meu amigo apertou meu ombro e saiu do ringue.

- Meu Deus me ajuda nesses três meses. – Implorei.

Sai do ringue e fui até o meu armário pegando minha mochila e fui para o vestiário porque eu precisava urgente de um banho.

Depois que eu estava de banho tomado e cheirosa eu saí da academia e fui correndo para o meu carro para ir até a casa da minha namorada até por que eu estava louca para vê-la e saber sobre sua sessão de fisioterapia.

Cerca de meia hora e eu estacionava em frente à casa da Dems.

- Miley que surpresa boa. – Minha agora atual sogra disse animada quando abriu a porta e me viu.

- Oi Dianna. – Eu beijei seu rosto e entrei.

- Vem almoçar comigo e com a Demi.

Ela me puxou pela mão e me levou para a cozinha. Quando entrei vi minha garota com uma cara de cansada enquanto se concentrava no prato que estava em sua frente.

- Querida olha quem está aqui. – Dianna voltou a falar.

- Meu amor. – Ela abriu o sorriso que eu tanto amava e eu senti meu coração se acelerar por saber que eu era o motivo do sorriso.

- Oi pequena. – Eu me aproximei dela e lhe dei um selinho.

– Como você está?

- Morta, mas bem e você? – Acariciei o rosto dela e me sentei ao seu lado.

- Cansada. – Suspirou.

- Aconteceu algo? – Perguntei preocupada.

- Nada demais. – Deu de ombros. – Mas me conta como foi o treino?

- O Fred quer me matar, sério. – Falei manhosa e minha namorada e sogra riram.

- Você é muito mole. – Demi deu uma tapa no meu braço.

- Eu juro amor ele quer me matar pode perguntar para o Pedro. – Falei séria e ela riu.

- Eu acredito em você querida. – Dianna disse colocando um prato em minha frente.

- Por isso que você é a melhor sogra do mundo. – Falei sorridente.

- Tão puxa saco. – Demi rolou os olhos e minha sogra me jogou beijos no ar.

- Para de ser chata. – Eu mordi a bochecha dela.

- Aí Miley. – Reclamou e logo em seguida me beliscou.

- Não precisa beliscar. – Reclamei com um bico enorme.

- Comam antes que a comida esfrie. – Dianna falou rindo.

Como minha sogra tinha pedido eu fiz meu prato e passei a almoçar com as duas enquanto conversávamos sobre vários assuntos menos sobre a fisioterapia. Depois que terminamos de almoçar Demi e eu subimos para o seu quarto e resolvemos deitar um pouco enquanto a gente se curtia.

- Então como foi? – Eu perguntei quando a parei de beijar.

- Como foi o que? – Perguntou aérea devido ao beijo o que me fez rir.

- A fisioterapia horas. – Expliquei.

- Foi normal. – Deu de ombros.

- Qual é Dems eu quero detalhes. – Insisti.

- Já está até parecendo a Dallas toda curiosa. – Debochou.

- Isso se chama convivência. – Dei risada. – Agora me conta logo.

Ela suspirou e então passou a me contar tudo o que tinha rolado durante a sessão e o quanto Lauren era carrasca o que me fez rir.

- Aí foi isso eu não consegui mexer o dedo e a Lauren vai me torturar. – Ela fez beicinho eu não me aguentei e mordi o mesmo. – Aí Miley.

- Eu não resisto. – Disse rindo. – E amor sem pressa, faz tudo no seu tempo uma hora você vai mexer o dedo.

- Eu sei.

- Por falar em tempo quanto tempo a Laur deu para você voltar a andar?

Demi ficou me encarando, estava claro que ela estava processando uma resposta eu só não sabia por que tinha de demorar tanto para uma coisa simples.

- Ela me deu sete meses. – Deu de ombros. – Claro que depende de mim.

- A passa rápido. – Eu disse confiante.

- Claro que sim. – Rolou os olhos.

- Como você é chatinha. – Neguei com a cabeça enquanto ria.

- Que você ama. – Sorriu de lado.

- Amo mesmo. – A encarei nos olhos e aproximei meu rosto do seu. – Amo como nunca amei outro alguém.

Ela acariciou meu rosto para logo em seguida colar nossos lábios em um beijo terno e regado de amor. Talvez eu nunca me acostumasse em beija-la porque sempre era um sentimento diferente quando isso acontecia.

- Eu te amo. – Ela falou depois que finalizou o beijo.

- Eu amo você pequena. – Lhe dei um selinho.

Ficamos por mais alguns minutos naquele chamego até que eu tive que voltar para a academia e ela para sua sessão de fisioterapia.

Sei que estávamos trilhando um caminho cansativo e exaustivo para nós duas, mas eu sabia que nós iriamos conseguir conquistar o nosso objetivo e o melhor faríamos isso juntas.


Notas Finais


E ai o que acharam? Será que a Demi vai conseguir o que deseja em três meses? E o que ela está aprontando?

Me sigam no twitter que eu sigo todos de volta: @lm_parrilla

Até mais galera <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...