História Your Body is my Drawing Screen - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Bts, Jungkook, Kookv, Taehyung, Taekook, Vkook
Exibições 81
Palavras 6.666
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Fluffy, Lemon, Poesias, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OMG
OMG
OMG
EU QUERIA AGRADECER PELOS 30 FUCKING FAVORITOS NA FANFIC NAMJIN PERFECT TWO!
Nossa,
Muito obrigada. Isso me motiva muito a continuar escrevendo, mesmo não sendo uma história tão bem feita assim. Muito obrigada e boa leitura!

Capítulo 1 - The Starry Night


Fanfic / Fanfiction Your Body is my Drawing Screen - Capítulo 1 - The Starry Night

The Starry Night

Jeon Jungguk não tinha motivos para ir nas aulas de artes, sempre entediantes. Todas as aulas seguiam o mesmo cronograma; livro didático, apresentação da explicação de cada página e um breve resumo no caderno. O professor não poupava trabalhos, segundo ele, quanto mais trabalhos, melhores seriam os desempenhos dos alunos. Para o acastanhado, nada disso fazia algum sentido. Fazia os trabalhos sem pestanejar, além de que teria que de alguma forma saber a história da arte para se tornar arquiteto; que era a sua maior aspiração. Mas Jungguk achava que o jeito de seu superior explicar não levava-o a algum lugar e apenas prejudicava o seu curso da faculdade.
O acastanhado estava sentado ao lado da janela, esperando o sinal bater para que Son Yun entrasse na sala de aula e começa-se a mesma. Não tinha nada contra o professor, nunca, apenas achava o jeito do mesmo ditar o conteúdo de uma maneira um pouco exagerada. 
Seus olhos percorriam o campus da faculdade através do vidro da janela; que o mesmo observou estar sujo. Sentia falta das aulas práticas no lado de fora da sala de aula, sentia-se preso e sem liberdade alguma de pensamento. Aliás, precisava de criatividade para criar seus desenhos nos diversos campos de atuação de seu curso. Romances, poesias, poemas e algumas obras de arte renomadas eram sua maior inspiração na hora de fazer qualquer coisa que fosse. Adorava refletir sobre qualquer uma delas, mesmo ainda tendo um pouco de dificuldade. Sempre fora um menino extremamente dedicado, afinal, morava sozinho pela emancipação de seus pais. Não tinha nada fácil, e se orgulhava por batalhar por tudo.
Sentiu a sala encher de alunos, então tratou de desligar seu celular e desviar seu olhar da janela para o professor. Porém não encontrou o mesmo, mas sim um garoto de sua idade indo em direção da mesa do superior da sala. Cabelos pintados de uma cor alaranjada, mais puxada para o vermelho; piercings nos cantos da orelha, um laço salmão no pescoço. Vestia uma camiseta preta uma calça marrom. 
- Olá, me chamo Kim Taehyung e serei o professor substituto de vocês nesse ano. - o ruivo falou, percorrendo os olhos negros pela sala, soltando alguns sorrisos, surpreendendo vários alunos que tinham no seus rostos um ponto de interrogação. - O professor antigo de vocês, Son Yun, teve algumas complicações médicas e teve que se retirar. Ah, e antes de perguntarem, eu sou um professor em estágio ainda, então vamos com calma comigo, por favor! - sorriu contagiante, fazendo o coração de Jungguk palpitar mais rápido. Suas expressões eram leves, seu sorriso quadrado era contagiante. 
Todos na sala pararam o que estavam fazendo para encarar o novo professor da área de artes, que era extremamente charmoso. Seu sorriso passava de rosto em rosto até parar subitamente na feição de um aluno em específico, que desenhava em seu caderno. Afinal, quem seria esse aluno que não estava prestando atenção em si?
Jungguk estava nervoso, nunca havia visto alguém como o professor Kim; contagiante, alegre e principalmente, muito bonito. Era inevitável, seu coração e seu corpo já conheciam essa voz de algum lugar. Fitou a janela, pegando em seguida seu caderno de desenhos para enfim esboçar alguma coisa.
Quando Jeon levantou a cabeça, parando o que estava esboçando para olhar para o professor, sentiu uma onda percorrer seu corpo quando o mesmo o encarava. 
Conhecia esses olhos de algum lugar...
Kim também achava aquele rosto familiar, aquele jeito familiar. 
O professor voltou a atenção para os outros alunos, desviando dos olhos negros que tanto o cativavam.
- Sim, eu tenho a mesma idade de vocês, antes que perguntem alguma coisa. - dirigiu, soltando outro sorriso logo em seguida. - e não, não vamos continuar com aquelas aulas que estavam tendo antes. Acho que a vida é feita de mudanças não é? - sorriu novamente. Alguns alunos acenaram positivamente com a cabeça, prestando atenção no mais novo professor que sentou-se em cima da classe de um dos alunos. - Eu acho que é bom tornar a sala de aula um ambiente de amizade. E não precisam me chamar de professor, pelo amor de Deus! - proferiu, fazendo a sala rir com o ato. - Só me chamem perto de outros, não gosto muito dessa formalidade... Me transforma em uma pessoa muito mais velha. - percorreu os olhos até parar novamente em um castanho específico, que o encarava com certa curiosidade. Desviou o olhar logo em seguida, começando a explicar mais sobre a disciplina que ele ensinaria para a turma.
- Vamos começar a apresentar cada de vocês! - falou, ganhando alguns sorrisos e risadas dos alunos. Levantou-se da mesa onde estava sentado, andando até o meio da sala. - Desculpe se eu falo demais, mas eu estou muito empolgado em dar aulas. E vocês me parecem ser extremamente receptivos, então facilita um pouco. Mas eu quero conhecer vocês! - apontou para a primeira pessoa da primeira fileira. - Falem seus nomes, suas idades e o curso que fazem. E por favor, digam também o que vocês acham o que é arte.

<•>

Depois de alguns minutos, as apresentações chegaram na última fileira, que era a fileira do acastanhado. Estava um pouco receoso, mas não sabia muito o porquê. 
- E você? 
O professor havia chegado perto de Jungguk, deixando o mesmo um pouco arrepiado. Estava concentrado nos seus esboços que nem percebeu da aproximação repentina do Kim.
- Ahm, me chamo Jeon Jungguk. - desviou o olhar do caderno, encontrando-se com as orbes negras do professor. Sentiu um calor subir em seu pescoço. Umedeceu os lábios e mordeu logo em seguida por nervosismo, voltando a atenção para o professor. - tenho dezenove anos e curso arquitetura. Eu diria que arte para mim é a forma mais bonita de expressar o que se sente com o coração e com a imaginação. 
- Palmas para Jeon Jungguk! - ditou o professor, encarando firmemente as orbes que já conhecia com curiosidade, a fim de procurar em sua memória onde havia visto estes. Sorriu logo em seguida, voltando a atenção para a sala de aula.

<•>

- "Segue teu destino, rega as tuas plantas, ama as tuas rosas. O resto é a sombra de árvores alheias. A realidade é sempre mais ou menos do que nós queremos. Só nós mesmos sempre iguais a nós-próprios." - citou o professor Kim, olhando diretamente para Jeon. Já havia passado alguns meses desde que o professor começou a dar aulas, e ambos ainda não pararam para conversar. Sentiam que se conheciam de algum lugar, mas a memória bloqueava qualquer chance de se lembrar.
- Terão que fazer uma arte que remeta a esta poesia, com suas próprias ideias e depois com sua própria explicação. Divirtam-se! - sorriu o professor, apontando para o pátio.
- Levem seus cavaletes e telas, tintas e pincéis para fora e mãos à obra!
Desde que o professor chegou na faculdade, a vida de Jungguk não fora mais a mesma. Sonhava com lembranças do passado que remetiam a um menino em si, sentia-se estranho por lembrar-se deles. Fora esse menino que mostrou o mundo para Jeon, mas ainda não sabia o porquê de ter lembranças tão vívidas só agora.

 

- Hey Gukkie! - falou o menino de cabelos castanhos e mechas esverdeadas, enquanto corriam de mãos juntas no campo da casa do esverdeado. - não quero que você vá embora. Não me deixe aqui! Ainda falta três poemas para eu te falar o meu segredo! - olhou pra o menor, com os olhos marejados e um sorriso triste nos lábios. - Não vá, eu vou sentir sua falta Gukkie... 
Ambos meninos estavam perto de uma cachoeira, onde iam todas as sextas para encontrarem-se escondidos. Estavam ofegantes por causa da corrida que tiveram, com a chuva caindo lhes sobre os ombros. Os lágrimas do esverdeado caíam mesclando-se com a chuva que caía sorrateira. 
- Não se esqueça de mim. Eu disse que vou criar uma casa nessa cachoeira para nós dois! É uma promessa! - levantou suas mãos no rosto do esverdeado, ganhando um olhar triste como resposta.
- Você vem amanhã? 
- Eu vou vir nos próximos três dias. Depois eu vou ter que ir para Seul com meus pais. Mas eu já falei para eles que eu quero continuar aqui... Com você!
- Não se esqueça de mim Gukkie-ah! - olhou dentro dos olhos de Jeon, aproximando-se para um abraço. Seu corpo arrepiou-se com a aproximação súbita do esverdeado. Deixou um sorriso escapar e rodeou seus braços em resposta, soluçando logo em seguida.
- "Segue teu destino, rega as tuas plantas, ama as tuas rosas. O resto é a sombra de árvores alheias. A realidade é sempre mais ou menos do que nós queremos. Só nós mesmos sempre iguais a nós-próprios." - falou o mais alto entre o pescoço de Jeon, que se arrepiou com as palavras. - Não se esqueça de mim! 

 

Uma lágrima solitária escapou do rosto de Jeon, com a súbita memória que o amedrontava. Seus olhos estavam marejados, porém o acastanhado limpou-as rapidamente, reparando que apenas ele e Kim estavam na sala de aula. O professor olhava atentamente para Jeon, que pareceu acordar de seus pensamentos olhando para a sala. Reparou que o mais baixo soltou uma bufada e resmungou, ainda não percebendo a presença dele.
- Aconteceu alguma coisa, Jeon? 
Jeon deu um pulo no lugar e virou a cabeça na direção da voz, que agora soltava um riso anasalado.
- Que susto professor! 
- Eu já falei para me chamar de hyung, Jungguk. - falou indo em direção do menor, que se encolhia a cada passo que o ruivo dava. Desviou os olhos para seus materiais e pegou os mesmos, levantando sua cabeça e se deparando com seu professor muito próximo a si.
- Eu conheci alguém com esse machucado na bochecha. - comentou, aproximando sua mão em direção do rosto do castanho; que permaneceu calado. 
- Argh, ahn, profess- hyung, temos que ir para fora da sala... - gaguejou Jungguk, que não conseguiu sustentar o olhar com o mais alto. 
- Ah, claro Jungguk. - estendeu sua mão para o menor, que acenou negativamente, pegando os materiais. - Vamos! - sorriu quadrado, fazendo Jeon ter um lapso de memória. Esse sorriso era familiar para ele... 

<•>

- Por que você estava chorando, Jungguk? - perguntou o ruivo, enquanto caminha junto ao castanho em direção ao campus. Estava curioso, afinal, Jeon aparentava ser alguém não muito emotivo. Não que isso fosse um problema, porém ele sentia a necessidade de ajudá-lo. 
- Não foi nada não, hyung. - sorriu triste, tornando a virar à esquerda se deparando com o campus.
- Você não precisa esconder nada de mim, tudo bem? - ofegou o ruivo, fechando os olhos rapidamente pela quantidade de raios solares que impediam seus olhos de ficarem abertos. Jeon apenas assentiu com a cabeça, levando seus materiais para um canto afastado dos outros alunos. 
- Muito obrigado hyung. - agradeceu, retirando sua paleta e suas tintas. O professor apenas ficou observando seu aluno - mesmo que outros alunos estivessem o chamando. Jungguk retirava os pincéis da bolsa sutilmente, ajeitando no cavalete e pegando sua tela, que não era tão grande assim.
- Professor deix- 
- Hyung, por favor! - sorriu quadrado, colocando as mãos acima dos olhos para impedir que o sol chegasse nos mesmos.
- Ahm, hyung... o poema ou poesia falava sobre seguir em frente, não é mesmo? 
- Sim, Jungguk.
- Então eu poderia desenhar o que uma pessoa muito importante falou para mim? 
- Você vai desenhar o que ela falou para você? - debochou, ganhando um olhar intenso de Jungguk, que deu um tímido sorriso. 
- Eu vou desenhar o momento hyung! 
- Ah, aí pode ser. 
Deu uma última olhada em Jeon, antes de virar-se e ir de encontro com os outros alunos.

<•>

Jeon estava muito concentrado com a obra que nem percebeu a presença de Taehyung ao seu lado. Suas mãos traçavam e pintavam a tela com delicadeza e sutileza, esbanjando experiência de anos de trabalho.
Estava satisfeito com o resultado.
Era a cachoeira que ele e o misterioso menino de cabelos esverdeados passaram. Engraçado, Jeon apenas falou para este menino o chamar de Gukkie, e o mesmo nunca se interessou em descobrir seu nome inteiro. Como eles iriam se encontrar na hora de construir a casa? Perguntava-se Jungguk, com um sorriso triste e tímido.
Estava satisfeito com a pintura, com a obra, mas o que não estava satisfeito era seu coração.
Se separou do esverdeado com apenas quinze anos; ou seja, se visse ele novamente não iria reconhecer. Estava com raiva de si mesmo por ter sido idiota o suficiente de não ter perguntando o nome do garoto. 
De sua primeira paixão.
Sentiu-se mais idiota ainda quando sentia as lágrimas caírem de seus olhos, indo diretamente de encontro  com a paleta com as cores misturadas.
- Você... - falou encantado. Sabia que todos os alunos de sua classe eram talentosos, mas não no naipe de Jungguk. Estava realmente impressionado. - por que você não cursa artes Jungguk? Olha só esses traços! - apontou para as árvores que ficavam perto da cachoeira, assustando o castanho.
- Profess- hyung! A tinta está molhada ainda! - falou, assustado, não sabia que havia outro alguém o olhando. 
- Jungguk, é apenas o primeiro trabalho em uma tela e já gabaritou. - grunhiu, fingindo raiva, que foi trocada logo em seguida por um sorriso quadrado. Jeon observou seus olhos se transformarem em dois risquinhos e seus lábios um quase-perfeito quadrado. Não podia negar, seu professor era lindo. 
- Bom, vou levar isso como um elogio... - suspirou Jeon, colocando sua destra na sua testa a fim de retirar ali o suor e as lágrimas acumuladas. Taehyung observava esse ato com atenção, recebendo um olhar um tanto confuso do menor.
Vendo o momento como uma oportunidade, Taehyung pegou a paleta da mão esquerda livre de Jungguk, raspando um dedo na tinta amarela e passando na bochecha do outro.
Jungguk assustou-se novamente, levando seu dedo até a bochecha. Olhou com um semblante de indignação, percebendo que o outro gargalhava com vontade. Jungguk pegou a tinta verde e aproximou-se de Taehyung, passando a tinta verde nos cabelos do outro, que cessou as gargalhadas e percebeu o que Jungguk fez.
- Aish menino, eu passei na sua bochecha! - riu novamente, tentando pegar a tinta que estava nas mãos do castanho; que no momento só ria.
Cessou as risadas e olhou novamente para o professor, com um semblante sério demais pelos olhos do ruivo. Jeon praticamente o comia pelos olhos, fazendo o mais alto estremecer. Nunca viu o mais novo olhar para alguém como olhou para ele, fazendo-o ficar sem ar.
- Hyung, você já pintou o cabelo de verde? - perguntou, receoso. Sabia que conhecia-o de algum lugar, porém suas lembranças estavam turvas demais para vasculhar algo nelas.
- Quando eu era mais novo, eu pintei algumas mechas nessa cor. - o ruivo apontou para o pote de tinta, percebendo um olhar perplexo de Jungguk.

 

- Eu estou aqui Gukkie! - respondeu um tanto desesperado, correndo em direção do menor. Quando chegou no mesmo, abraçou-o e aconchegou seus braços em volta da cintura do mais novo. Sentia-se seguro dentro desses aconchegos do menor. O menor, no entanto, se surpreendeu e soltou uma lufada de ar, sorrindo logo em seguida. 
- Falta só mais um dia! Eu ainda tenho esse e mais outro com você. Não precisa ficar triste! - proferiu no pescoço do outro, que subitamente arrepiou-se.
- Mas você vai embora e eu não terei mais sua companhia aqui. - falou o mais alto, soltando a contra gosto os braços do mais novo. - Eu vou sentir tanto a sua falta... - marejou os olhos novamente, encarando com um sorriso triste o mais baixo.
- Eu já disse, eu vou construir nossa casa aqui, esmeralda. Eu e você vamos morar aqui, e todo o dia vamos tomar banho nela, tudo bem? Não esqueça que eu gosto muito de você! - falou o castanho menor, soltando algumas lágrimas.
- "Duvida da luz dos astros, de que o sol tenha calor. Duvida até da verdade, mas confia em meu amor." - o mais alto sorriu triste, aproximando-se do menor e deixando um pequeno selar na bochecha - Não quero que vá.

 

- Jungguk! - balançou os ombros do menor, que soluçava novamente e deixava algumas lágrimas escaparem. - por favor pare de chorar... 
- D-desc-culpe h-hyun-g... - fechou os olhos com força, a fim de jogar essas lembranças para fora de sua cabeça. Não gostava de quando lapsos de memória apareciam em momentos tão inconvenientes. Sentia-se tão triste.
- Se eu tivesse dito que não? - sussurrou com a mão direito na sua boca, impedindo do maior escutar. 
- Jeon Junggukie! - remexeu mais os ombros de Jungguk, que automaticamente abraçou-o e chorou no seu peito; já que o professor era maior.
- Por favor, diz que não esqueceu de mim... - soluçou. O professor não se importava de sujar sua camiseta favorita de tinta amarela e verde, só que cuidar desse aluno misterioso que o remetia a alguém. 

<•>

- Desculpe pelo transtorno profes-
- Hyung!
- Desculpe pelo transtorno hyung, naquele dia. Eu não estava bem... - suspirou Jungguk, um tanto envergonhado.
- Tudo bem Jungukkie. Só por favor, se você estiver mal, venha falar comigo, eu não mordo! - sorriu, tocando no ombro do menor, tentando-lhe passar confiança. 
Estavam na sala de aula; o professor preparava o cronograma da aula antes do sinal bater, com a ajuda de Jeon, ao seu pedido. 
- Hoje você vai gostar da aula, Jungguk. 
- Tem algum motivo especial? 
- Depois de mim estar dando ela? - debochou - brincadeira, têm sim. Eu descobri por meios alheios uma das coisas que você gosta de fazer.
O sinal bateu, interrompendo a fala que Jungguk quase proferiu, fazendo o mesmo revirar os olhos em decepção e se retirar para o seu lugar. 
- Olá alunos! - sorriu, esperando a turma sentar e prestar a atenção nele. Alguns alunos proferiram um "bom dia" e outros "olá", sendo prontamente respondidos pela educação e carisma do ruivo. - hoje a aula vai ser um pouco diferente. Vocês conhecem a arte de desenhar em alguém?
- Como assim, professor? - perguntou uma voz no fundo da sala, que não foi reconhecida pela professor.
- Aish, vocês ainda não sabem que se fala "hyung" não é mesmo? Continuando, a arte se chama Body's Paint. É quando você retrata alguma obra de arte famosa. 
- Mas o que têm de especial nisso hyung? - perguntou outro aluno, o qual Taehyung percebeu ser Park Jimin.
- Ora, vocês não prenderam inglês não? Vocês irão pintar em alguém, ou seja, a tela de pintura será seu corpinho. 
Um ponto de interrogação se esboçou no rosto de cada aluno daquela turma, exceto na de Jungguk. Sabia que o professor não tinha contato com ninguém de sua família, então como o mesmo sabe disso? Perguntou-se, sorrindo confuso logo em seguida. 
- Dividam-se em duplas, e mãos a obra! Ah, hoje o tema é livre, soltem a imaginação! - falou, sorrindo e apontando para as respectivas duplas que se formavam - só não tirem a roupa, isso aqui não é aqueles estúdios não. Por isso que eu pedi que trouxessem uma camiseta branca hoje. Trouxeram, não é? 
- Sim hyung! - a turma falou em uníssono, fazendo a alegria de Taehyung se expandir mais. 
Depois de alguns minutos, percebeu que todos estavam com duplas, menos Jungguk. 
- Está sobrando Junggukie? - perguntou, pouco se importando com a intimidade no trabalho.
- Sim, eu estava fazendo todos os trabalhos em duplas com Kim Seokjin, mas ele faltou hoje. - respondeu, dando de ombros.
- Não se acanhe pequeno gafanhoto, vamos fazer juntos! 

<•>

As aulas já haviam acabado, porém, os dois que estavam na sala não se importavam, afinal, sentiam-se confortáveis com ambas companhias.
Taehyung era a linda tela que Jungguk pintava, sutilmente e calmamente. Estava ficando satisfeito novamente pelo seu árduo trabalho, mesmo tendo algumas dificuldades por conta da camiseta. Decidiu continuar as radiantes estrelas subindo com o pincel pelo pescoço de Kim, que deixou sem discussões. Seus traços não eram iguais com o autor da obra, mas mesmo assim, estava muito satisfeito com o resultado. A camiseta estava totalmente colorida, o pescoço também, e alguns galhos das árvores percorriam a face de Taehyung.
Jungguk afastou-se, admirando o que acabara de fazer. Nunca pensou que azul da pintura e o vermelho do cabelo de
combinassem tão bem - mesmo o vermelho estar quase desbotado - as luzes radiantes que saiam das estrelas iluminavam e combinavam com os olhos cheios de vida de Taehyung, que olhava orgulhoso para o menor.
Se encaravam com tamanha intensidade, tamanho carinho.
Afinal, depois daqueles episódios, ganharam uma afinidade muito grande. 
- A Noite Estrelada - sussurrou Kim para si mesmo, enquanto voltava seus olhos admirados para o castanho. 
- O que disse hyung? - falou Jungguk curioso, levando os pincéis para dentro da garrafa de água. Fora impedido subitamente, seus pulsos estavam atados pelo professor, que segurava-os com certa dificuldade por conta dos pincéis pesados.
- Não, não limpe-os ainda. - soltou as mãos de Jungguk, que o encarava confuso. 
- Você vai continuar a desenhar. 
- Mas aonde professor?
Taehyung tirava a camiseta com certa dificuldade, pois não queria estragar essa linda réplica. Já Jungguk olhava abismado e confuso para o professor, que mostrava músculos definidos no abdômen, tronco e braços.
- M-mas porquê? - gaguejou - H-hyung?
Taehyung conseguiu tirar a camiseta sem dificuldades adicionais, deixando-a em um cabide que tinha trazido por causa das camisetas brancas.
A sala já era iluminada pelo pôr-do-sol, que iluminava as costas de Kim e definia mais ainda os músculos. Quando o mesmo virou-se de costas, Jungguk quase perdeu o chão.

 

- Hey Gukkie! - proferiu o esverdeado, correndo em direção a cachoeira. Não se tocará que o chão estava rarefeito; despedaçando, fragmentado. Corria rápido, como se fosse a última vez.
E realmente seria.
A última vez com o 'Gukkie.
Suas pernas já tremiam de tanto correr, queria chegar a tempo de se despedir para sempre do menor. Não queria o perder, mas era inevitável,
O destino era inevitável.
Os cabelos já rebeldes estavam úmidos por conta do suor que corria por todo o seu corpo. O pôr-do-sol daquele dia era encantador, mas o esverdeado não tinha tempo para ficar admirando. Estava deixando o amor de sua vida ir embora.
Quando chegou perto da cachoeira, viu um vulto sentado em uma pedra em específica; que ficava exatamente frente para as quedas d'água. Os pés do menino mais velho estavam sangrando devido o atrito com as folhas, gravetos e algumas pedras que o impediam de se aproximar do mais baixo.
Sentiu seu mundo desabar quando o mais baixo virou-se com os olhos cheios de lágrimas. Aquilo cortou o coração do mais velho.
- Pensei que não viria! - esbravejou, se jogando nos braços do maior. Era o último encontro deles, afinal. Já sentiam saudades um do outro mesmo estando ali, agarrados.
- Eu sempre estarei aqui por você, Gukkie! 
- O que aconteceu com as suas costas? - o mais novo proferiu, sentindo algumas marcas no tronco do "esmeralda". Sentiu o mesmo se arrepiar com o súbito toque, soltando uma lufada de ar logo em seguida. Doía; o maior não podia duvidar.
- Eu cai em um trabalho meu da escola, sangrou e agora está melhorando. Ah, deixe isso para lá, por favor... - proferiu rente a orelha de 'Gukkie, sentindo o mesmo se arrepiar. 
- Seu bastardo! Você tem que ter cuidado por onde passa, esmeralda. Você é muito distraído! Deixa eu ver.
Virou o maior a contra gosto, retirando a camiseta suada e se deparando com uma réplica mal feita da obra de Van Gogh, A Noite Estrelada. Porém nesse caso, era feita com marcas de ferro e sangue seco. O mesmo torceu o nariz, tocando na pele fria e alva do mais alto. Sentiu o outro estremecer com o toque.
- Estou te machucando?
- Não...
- Isso é incrível... - falou abismado, deixando as mãos no local e selando seus lábios nas partes que não sararam. - a dor vai passar agora, não se preocupe, tudo bem? Vamos aproveitar nosso último dia! - sorriu, virando-se para a face do esverdeado, ganhando um sorriso quadrado em seguida. - só se cuide quando eu não estiver junto contigo. Eu pareço teu anjo da guarda, 'tô sempre te ajudando!
Os dois sentaram de frente para a cachoeira, no chão, enquanto observavam o pôr-do-sol que refletia nas quedas d'água. 
- Eu vou sentir a sua falta. Por favor, não vá Gukkie! Eu gosto muito de você! - o esverdeado sentiu algumas gotas escaparem de seus olhos, manchando a sua face e caindo de encontro com a grama. O castanho mais baixo envolveu seus braços envolta do maior e aconchegou sua cabeça no ombro do outro.
- Você tinha que me contar um segredo, esmeralda. - falou entre o pescoço do outro, fazendo-o arrepiar e soltar uma lufada de ar.
Um pequeno silêncio se fez presente no local - poderia dizer que era constrangedor e desconfortável, porém, o esverdeado deveria pensar bem antes de se declarar para 'Gukkie. Seria a última vez, não seria? Nunca mais o veria mesmo...
- "Já sobre a fronte vã se me acinzenta, o cabelo do jovem que perdi. Meus olhos brilham menos. Já não tem jus a beijos minha boca. Se me ainda amas, por amor não me ames: Traíras-me comigo"
- Você sabe que não sou bom com interpretação, esmeralda. Mas eu tenho certeza que é muito bonito.
O esverdeado virou seu rosto em direção do rosto do menor, encarando as orbes negras do outro, ganhando a coragem necessária pra falar o que o matava por dentro. 
- Eu quis dizer que... te amo-
- Jeon! - alguma voz abafada ecoou pelo campo, que pertencia a uma mulher que andava em direção do castanho menor. - eu disse para me esperar lá em casa, seu pirralho. Venha logo! - a mulher puxou o menino pelo braço, desvencilhando do  aconchego que era estar nos braços do esverdeado.
- Mas mãe!
- Mas nada! Diga adeus para esse outro pirralho e vamos de uma vez! - puxou mais uma vez o braço de Jeon, que obedeceu e andou com a mulher para fora do campo, deixando o esverdeado sozinho. Lágrimas corriam dos olhos do menino que acompanhava a mulher, já sentindo a saudade da aura alegre e feliz do esverdeado. Escutou uma voz abafada pelo som das quedas d'água proferindo uma frase.
- Não se esqueça de mim Gukkie! Meu nome é Kim Taehyung!

 

Apenas agora conseguiu entender as palavras que o esverdeado falou para si.
Os sorriso quadrados, a aura alegre, a preocupação súbita e seus olhos brilhantes denunciavam quem era. Sua paixão pela arte, música e literatura era visível, como Jungguk não percebeu? Seus olhos estavam marejados e encaravam a figura gravada eternamente nas costas de Kim Taehyung.
Algumas árvores, estrelas um pouco borradas e um campo aberto.
Estava em choque. Anos tentando vasculhar a memória a fim de encontrar a frase que o esmeralda falou para si; a frase estava bem na sua frente.
Soluçou alto, assustando o ruivo que virou e correu para os braços de Jeon, confuso.
- Eu senti tanta falta de você, esmeralda.
Jeon falou, sem medo de deixar as lágrimas caírem, encarando Kim. Seus olhos ganharam um brilho a mais, denunciando o que estava passando pela sua cabeça. O ruivo espantou-se, porém, sorriu logo em seguida, aproximando-se mais de Jungguk. O mesmo rodeou seus braços envolta do torso desnudo do maior, deixando algumas lágrimas caírem conforme as lembranças de todos os encontros, brincadeiras, revelações invadiam-lhe a cabeça, revivendo as mesmas. Um selar demorado foi deixado nas mechas naturais de Jungguk, que logo em seguida não se importou com mais nada; puxou o maior em sua direção, colando os espaços que ainda faltavam.
Os lábios se tocaram suavemente, como se fossem a coisa mais frágil do mundo, sorrindo entre o acontecido. Taehyung rodeou os braços nas costas de Jungguk, levando as mesmas até o quadril do mesmo, colando mais os espaços que os separavam. O castanho pediu uma passagem com a língua, sendo concedida por meio de suspiros e sorrisos. As costas de Taehyung eram iluminadas pela luz do sol que ainda estava se pondo, deixando o clima muito bonito.
Se beijavam avidamente, como uma demonstração da saudade e do amor reprimido que tinham e que era guardado dentro de ambos corações e almas.

 

- Achei muito bonita a flor, esmeralda. Mas o que ela significa?
- Se chama gardênia... Ela representa um amor secreto.

 

Jungguk nem percebeu que ainda estava segurando os pincéis, que com a dança que faziam, ia pintado o torso desnudo do outro. Algumas lágrimas caiam dos olhos de Taehyung, que mesclavam-se com as de Jungguk, enquanto sorrisos e a falta de ar separava os beijos entrecortados por essas condições.
Estavam extremamente felizes, não poderiam negar.
- Ah, Gukkie... - proferiu o ruivo, descendo seus lábios pelo pescoço alvo de Jungguk; deixando alguns chupões, leves mordidas e beijos carinhosos; suas mãos subiam e desciam pelas costas do menor, que arfou em seguida.

 

- Gukkie, o que é isso?
- É um poema que eu achei, ergh... Eu trouxe para você! "Não há lugar nem dia para quem não quer achar, nem paz nem alegria para quem, por amar, em quem ama confia."

 

As mãos de Jungguk largaram os pincéis, voltando às mesmas para o torso frontal e músculo de Taehyung, explorando cada lugar ali.
Não se importavam se estavam em uma faculdade, com o trabalho, currículo ou curso.
Afinal, haviam encontrado o curso de cada um; eles próprios.
A destra do ruivo tocou na barra da camiseta que jazia em Jungguk, levantando-a e infelizmente cortando o espaço que eles tanto queriam que não existisse. Taehyung jogou a camiseta para um canto da sala, enquanto admirava os ombros, abdômen e braços do menor, abismado.
Jungguk se tornou um garoto muito forte e definido, diria.
Sem mais, aproximou-se do menor e puxou-o para mais um beijo. Suas mãos subiram até as mechas negras de Jungguk, as puxando e causando um gemido por parte do castanho. Taehyung levou o com delicadeza até uma parede próxima de onde estavam; a luz da lua já estava entre eles, que refletia nas costas, lábios e olhos de ambos. 
- Jeon... eu sabia que te conhecia... - gemeu quando o castanho levou suas mãos até o cabelo ruivo fazendo uma leve pressão. - eu fiquei tão triste...
Taehyung suspirou, parando inquérito Jungguk estava fazendo, colocando os dois braços nos ombros alheios.
- Você é a minha noite estrelada, Jeon Gukkie. 
Puxou pelos ombros o menor iniciando outro beijo, ávido e reprimido por anos. O ósculo estava em perfeita sincronia, como se já conheciam-se. As mãos do Kim pressionaram os dois corpos com fim de adquirir mais contato, que foi prontamente atendido. Estavam ofegante por simples toques e beijos.

 

- Sabe, às vezes eu acho que você é a minha alma gêmea.
- Por que diz isso Gukkie?
- Conhece a lenda Akai Ito?
- Não... 
- É como se nós fossemos grudados por uma linha vermelha que fica em nossos mindinhos. Eles podem esticar ou ficar totalmente dobrados, mas nunca vão se quebrar. Você só é feliz quanto mais perto estiver dela. Eu estou completamente feliz, esmeralda.
- Eu também.

 

O ósculo era divido entre sorrisos e lágrimas, de felicidade, saudade, amor. Compartilhavam as mesmas lembranças ao mesmo tempo.
- Fui tudo tão difícil sem você, hyung. - gemeu quando o ruivo impulsionou seu quadril, friccionando os membros que já estavam acordados.
A pele de Taehyung parecia uma linda obra de arte; cheia de cores, formas; mas especialmente com muitos sentimentos e emoções, lembranças.
O beijo foi interrompido pela trilha de selares que Jungguk fizera no pescoço á mostra do mais velho, deixando chupões e beijos molhados. Os lábios desciam gradativamente pela clavícula, fazendo Taehyung enlouquecer com a lenta tortura. 
- Jungguk... - gemeu sôfrego, mordendo o lábio em pura êxtase. Jeon parou o que estava fazendo para olhar a linda cena que estava na sua frente; Taehyung, iluminado por alguns raios solares e lunares, deixando-o deveras mais bonito; gotas de suor caindo-lhes pela face indo em direção ao tórax desnudo é altamente atrativo. 
- Estava com saudades de você - aproximou-se do outro, colocando seu rosto na curvatura do pescoço do ruivo, inalando aquele aroma tão conhecido por si. Suas mãos foram de encontro com a calça de Taehyung; que já estava o enlouquecendo pelo espaço que a mesma havia se tornado.
O ambiente cheirava a tensão sexual, artística e afetiva. Afinal, ambos estavam assim pela loucura que a saudade faz.
Gemeu novamente quando sentiu o castanho apertar com a destra seu membro, arfando logo em seguida. Os gemidos sôfregos estavam enlouquecendo Jungguk, que começou lentamente um vai e vêm no membro rijo do mais velho, que não se importava mais de soltar suspiros e gemidos roucos altos.
- Você está fazendo o que eu sempre quis que fizesse, Gukkie... - gemeu rouco, rente à orelha do mais novo, que arrepiou-se. Não sabia que se renderia tão facilmente aos toques do ex-esverdeado. 
Acabou com a tortura do mais velho e abaixou de vez a calça e o tecido que protegia o membro já úmido pelo pré-gozo. Jungguk deliciava-se com a visão do outro totalmente entregue a si.
A extensão do outro pulou para fora da boxer, dando uma visão deliciosa do membro de Taehyung. O mesmos e remexia na parede, suspirando palavras desconexas.
O mais novo não aguentou ver aquela cena tão maravilhosa para ele; ter sua paixão totalmente entregue. Estava excitado apenas por ouvir s voz do mais velho, ouvir os gemidos roucos pedindo por mais.
- Acabe com isso logo, Gukkie. - suplicou - por favor... Faz no hyung o que sempre quis.
A sanidade que ficou em Jungguk esvaiu-se com essa afirmação, fazendo-o abaixar-se e dar de cara com o membro de Taehyung. Mordeu o lábio com a visão do outro acima de si; cabelos molhados na testa, os olhos esbanjando luxúria, a boca entreaberta e as palavras desconexas saindo da mesma.
Sem mais esperar, abocanhou a extensão de Taehyung, que arqueou as costas e gemeu em resposta. A boca macia de Jungguk sobre a sua extensão era uma sensação indescritível; melhor do que já sonhou. Vez ou outra o menos raspava os dentes, masturbava o que não conseguia colocar na boca com a mão e chupava as veias do membro. Taehyung não tinha mais controle sobre seu corpo; a tentação de ter Jungguk a si era maior que qualquer outra coisa que passou em sua cabeça. Ora vez o menor se engasgava e levava o membro em contato com sua garganta, ocasionando alguns engasgos e pequenas lágrimas. As mãos do ruivo foram em direção das mechas castanhas do outro, com o fim de aumentar o ritmo da masturbação, levando-o para o êxtase.
Não demorou mais algumas chupadas e arranhadas no membro de Taehyung para esse se desfazer na boca de Jungguk, que engoliu o gosto agridoce sem pestanejar. O mesmo levantou-se e levou aos lábios do ruivo seu próprio gosto, iniciando uma batalha de línguas e gemidos entrecortados. Jungguk já não suportava a dor prazerosa que residia no meio de suas pernas, que foi prontamente atendida por Taehyung.
O ruivo pegou dois dedos de sua destra e levou-os até a boca do castanho, pedindo para o mesmo lambê-las.
Visão mais erótica que essa para Taehyung era difícil.
Trocavam olhares intensos, mostrando toda a saudade e 'gardênias' secretas e reprimidas por ambos.

 

- Me perguntaram um dia qual era o motivo de eu levantar todos os dias. - falou o esverdeado.
- E o que você respondeu? - perguntou o castanho ansioso.
- Você.

 

Levou os dedos até s própria entrada, com o fim de alargar a mesma. O ruivo sentia um grande desconforto, não negaria, porém a sensação maravilhosa de ter seu 'Gukkie junto a si era muito mais forte que um simples incomodo. Já Jungguk olhava a cena quase babando com antecipação; o ruivo estava com a bunda empinada enquanto introduzia seus dedos. O castanho acabou com os espaços com um beijo um pouco diferente dos outros, calmo e gentil. Levou suas mãos até a bainha da calça, removendo-a junto com a cueca que impedia seu membro de respirar.
O mesmo pulou para fora, com a glande totalmente inchada e úmida pelo pré gozo. Taehyung olhava insaciavelmente para o membro extenso e rijo de Jungguk, que sem mais delongas foi de encontro com o membro já desperto de Taehyung.
Virou o ruivo em direção das janelas do campus, tendo a total visão do que acontecia lá fora pela luz da lua. O mais velho gemeu rouco com o ato do mais novo; ocasionando uma empinada mais forte por parte do ruivo. 
Jeon abraçou o torso desnuda de Taehyung, enquanto coloca delicadamente seu membro dentro da entrada de Taehyung, que gemeu pesadamente pelo contato. Com medo de machucar o mais velho, distribui uma trilha de beijos pelas costas de Taehyung que estavam pintadas pelas tintas que Jeon sem querer passou por alí, sorrindo com s lembrança de momentos atrás.
Adentrou o mais velho delicadamente, pendendo a cabeça para trás e colocando suas mãos em ambas extremidades do quadril do ruivo; que suspirou pelo ato.
- Ah, Junggukkiee... - rebolou, demonstrando que estava apto para estocadas que não foram poupadas por parte do mais novo.
O Kim arqueou as costas para trás quando sentiu uma dolorosa sensação preencher seu corpo, que não passou despercebido por Jungguk; que subitamente, parou e fez novamente uma trilha de beijos da clavícula até a lombar do outro. Percebendo que Taehyung rebolou em seu membro, começou a estocar lentamente e tortuosamente no interior do ruivo.
- Tão apertado... - proferiu, aumentando o ritmo do vai e vêm, gemendo em resposta com o suspiro pesado que Taehyung deu. Levou suas mãos até mas mechas do cabelo ruivo de Kim, segurando com destreza e fazendo leves puxadas. 
Gemidos e gemidos era escutados da sala, suspiros e pedidos atendidos eram feitos dentro daquela sala.

- Guukkkie! - gritou quando Jungguk acertou em cheio sua próstata, fazendo delirar e deliciar com a sensação de estar sendo preenchido por Jeon. O mesmo que não aguentou mais provocações, reboladas e contados com o interior de Taehyung; jorrou seu líquido branco preenchendo o ruivo que delirava de prazer.
Ambos deitaram sobre o chão gélido da sala, aconchegados pela corpo quente e suado do outro. Suspiravam pesadamente até que suas respirações voltassem ao normal e pudessem encarar um ao outro. 
Os dígitos longos de Taehyung percorriam a face jovial de Jungguk, que apreciava o momento. 
- Me desculpa pela marca na bochecha.
- Tudo bem esmeralda, era só um jogo! - gargalhou, sem tirar os olhos das orbes negras do ruivo. 
Abraçaram-se e ficaram ali, apenas sendo iluminados pela luz da lua, enquanto trocavam palavras delicadas de amor.
Perceberem apenas que estavam deitados em cima da primeira obra de Jungguk, quando o mesmo foi se aproximando mais de Taehyung para abraçá-lo e deixar ali um breve selar. Sentia saudades do que o mais velho o proporcionava; confusões e sentimentos estranhos.
- Eu te amo, Gukkie. 
- Eu te amo, esmeralda. 
Selaram os lábios novamente, mostrando comprometimento e fidelidade.
- Promete que nunca mais vai ir embora, Jungguk?
- Eu prometo. Eu prometo na quantidade deveras maior que as estrelas que estão nas tuas costas e nas minhas, eu prometo mais que mil gardênias e prometo mais que meu amor por você.
- Citação de Fernando Pessoa? 
- Não, de Jeon Jungguk.

The Starry Night

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


ANTES DE QUALQUER COISA DESCULPE SE O LEMON TÁ UMA BOXTA, okay? Eu não sei escreve :(


Grude? Grude.
Triste? Triste.
Tocável? Tocável.
AISH EU AMEI ESCREVER ESSE ONE SHOT
Meu corê não aguenta! Eu escrevi e reescrevi umas trezentas vezes, mas mesmo assim eu achei meio incompleta....
Comentem, críticas sempre fazem bem!
Desculpe qualquer errinho, é que o CAP é muito grande e eu não tenho tempo de revisar.
<3

Beijinhos leaozinhos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...