História Your Decision - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alice In Chains
Personagens Jerry Cantrell, Mike Inez, Personagens Originais, Sean Kinney, William DuVall
Tags Alice In Chains, Amizade, Grunge, Romance
Visualizações 10
Palavras 1.412
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Um capitulo grande e cheio das descobertas.
E até Segunda!

Capítulo 13 - Descobertos, dramas e flagra.


Fanfic / Fanfiction Your Decision - Capítulo 13 - Descobertos, dramas e flagra.

POV SEAN

-Ele vai para a Califórnia! – ela fala desesperada assim que abre a porta para mim.

Era sexta a noite, quase um mês depois da festa de Tom. Eu passei o mês todo esperando o momento que ele ia soltar a notícia da viagem, mas não podia falar nada e fazer Tom ficar com raiva de mim. Era uma notícia que ele tinha que contar no tempo dele.

Então eu esperei e na Sexta, véspera das férias de verão, a ligação chorosa de Bia chegou e eu corri para a casa dela. Já vi que Tom é do tipo que deixa tudo para o último momento, igual a mãe.

-Isso significa que eu posso dormir com você toda noite, a noite inteira? – faço graça tentando tirar a tristeza do rosto dela. Outra coisa que eu estava esperando é quando os dois teriam a tal conversa que me faria deixar de ser o namorado misterioso, que de misterioso já não tinha nada.

-Sean! – ela reclama me abraçando e chorando leve no meu peito.

-Bia! – falo no mesmo tom.

-Eu estou falando sério, ele acabou de fazer 16 anos. É uma criança ainda – ela me olha com os olhos cheios de lágrimas.

-Uma criança? – eu ri alto – eu com 16 anos já morava sozinho - puxo pelo braço e sento nós dois no sofá - Vem cá, senta aqui e fica calma.

-Você não está levando isso a sério, ele é meu bebê.

-E para sempre será.  Mas é só um show e só um fim de semana. Eles não vão sozinhos. O Kevin é um cara responsável e  ele trabalha com a gente há anos.

-Mas..

-Mas nada, seu bebê é um homem agora, está na hora de deixa-lo viver e aprender com os erros. – falo sério tentando fazer Bia enxergar a realidade que o filho não era mais um neném.

-Ele nunca ficou longe, fora de casa.

-Ele tem barba na cara e 1,80 de altura, é responsável, um bom garoto. Você tem que confiar nele, é o que ele quer, deixe-o experimentar.

-Quando você se tornou esse cara cheio de razão aí?

-Quando eu resolvi me envolver com a mãe mais gostosa da cidade. – falo deitando no sofá e a puxando para cima de mim.

-Engraçadinho – ela fala ensaiando um sorriso.

-Agora vamos ao que interessa. Quando você vai contar para ele? Eu sei que falei que não ia pressionar ,mas eu me sinto um adolescente namorando escondido. – falo tirando a sua blusa.

-Você quer discutir isso agora? – ela sai de cima de mim.

-A gente já está nessa faz meses, eu quero poder dormir uma noite inteira com você sem precisar preocupar se vou ser pego ou não. Poder fazer amor de manhã sem pressa – falo me sentando no sofá novamente.

-Meu Deus Sean! Você só pensa nisso? – ela fala com as bochechas vermelhas. E eu ignoro sua pergunta porque eu penso 90% do tempo em sexo mesmo, qual é, minha namorada é gostosa.

-Bia, ele não é uma criança, e ele gosta de mim. Você fez um ótimo trabalho. Do que você tem medo?

-Não é medo ok? Mas depois que eu te colocar na nossa vida vai ser para valer.

-E nós não somos para valer? Eu tenho quase cinquenta anos, você acha que eu fico por ai pegando mulher toda a noite? Eu tenho é sorte de ainda funcionar com você – falo fazendo graça e apontando para o volume da minha calça.

-Não é só isso – ela fala incerta.

-E é o que mais?

-Você tá pronto para o que isso significa: Eu sei que ele não é criança, e você não precisa fazer nada que um pai faria, já passamos dessa idade, mas você tá preparado para a responsabilidade de entrar em uma família e ser a figura masculina de um adolescente? Porque é isso que vem comigo e com você dentro da minha casa.

-É isso que te aflige?

-Eu tenho medo de ser demais e você desistir da gente.

-Vem cá – a puxo de volta para o meu colo – se eu estou insistindo é porque eu dou conta. Pode ser que no caminho aconteçam algumas coisas que eu não esperava, mas eu não vou sair correndo e abandonar vocês no primeiro problema. E eu conheço seu filho, antes mesmo de conhecer você e ele é um bom garoto – a beijo.

-Ok Sean Kinney, você venceu.

-Ok – beijo sua pele de novo, descendo os beijos pelo pescoço do jeito que sei que ela gosta – conta do seu jeito. Eu só não quero ser um segredo. – e ele já sabe mesmo, penso comigo.

-Tá bem, eu te entendo – ela fala prendendo seus dedos no meu cabelo e me beijando.

---

Acordo de madrugada já sabendo que tinha que sair logo. Bia dormia no meu peito e estava toda enrolada em mim. Depois do susto da primeira vez que dormi aqui, nós não dormíamos mais sem roupa. Só para garantir que se acontecesse de Tom chegar antes ou se a gente se perdesse nas horas, a situação não seria ainda mais constrangedora.

Eu a acordo com cuidado.

-Bia – falo fazendo carinho no seu braço que estava no meu peito – acorda, eu tenho que ir.

-Fica mais um pouco – ela fala preguiçosa.

-Já são quatro da manhã.

-Meu Deus Sean – ela pula da cama e corre para o quarto do Tom e volta com os olhos arregalados – ele já está em casa.

-Ei, calma –  sento na cama – não é nada grave.

-Sean, ele viu a gente, ele vai me odiar – ela fala em pânico.

-Claro que não vai. Seu filho é um garoto incrível. – falo, pois Tom já sabia de nós dois faz tempo mas ela não sabe disso.

-Um garoto incrível que viu a mãe como uma qualquer dormindo com um cara estranho dentro de casa.

-Ei, ei para com isso. Você não é uma qualquer, e eu não sou um estranho.

-Ele nunca me viu com ninguém.

-Tem sempre a primeira vez, vai fica tranquila. Ele não é mais criança.

-Você não entende.

-Quer que eu fique até ele acordar?

-Não Sean, seria pior, o que eu falaria para ele? Olha filho, Sean e eu estamos dormindo juntos – e a abraço.

-Fica calma, ok? Se você não ficar calma eu não vou embora.

Aos poucos ela vai se acalmando, eu não podia contar que Tom sabia, seria uma quebra na confiança dele. Mas eu precisava deixa-la calma e com a certeza que Tom não acharia ruim.

-Pronto! Agora eu preciso ir.

-Mas você não comeu nada.

-Deixa para a próxima, nos falamos de manhã e não fique preocupada, vai dar tudo certo.

---

POV Bia.

 

Depois que Sean foi embora eu não consegui mais dormir, levantei e fui para o andar debaixo corrigir algumas últimas provas  parar entrar oficialmente de férias. Se antes eu tinha a viagem de Tom me incomodando, agora tinha o fato dele ter me visto dormindo com Sean para adicionar mais um pouco de problema na situação toda.

Quando aproxima da hora que ele normalmente acorda, sigo para a cozinha para preparar o café.

-Bom dia mãe – ele fala me deixando um beijo na bochecha.

-Bom dia filho – já me preparando para o meu discurso.

-Sean já foi? – ele fala rindo e tenho certeza que estou vermelha como nunca.

-Filho sobre isso...

-Mãe não precisa se explicar, eu sei que você e o Sean estão juntos desde o meu aniversário.

-Filho.

-E está tudo para mim. Você está feliz e faz tempo que não te vejo assim. – meus olhos enchem de lágrimas, quando foi que ele cresceu assim? - Tá, encontrar um cara deitado na cama com a minha mãe, não é o mais agradável  e talvez eu precise lavar meus olhos com soda cáustica depois dessa, mas está tranquilo. – ele fala fazendo drama e arregalando os olhos para mim -  Só toma cuidado e tenha juízo, eu não quero ter irmãos. Usem camisinha – ele fala repetindo a frase que eu sempre falava sobre não querer ser avó tão cedo.

-Tom não fala assim – falo horrorizada – e não vai ter irmão nenhum.

-Por enquanto – ele fala rindo e me deixando sem graça – e é bem nojento pensar na minha mãe namorando arrrg, credo! Mãe esquece o que eu disse, você não pode namorar! Nojento!

- Engraçadinho – falo o abraçando – eu te amo filho.

-Eu também te amo, mãe – ele me beija – mas se ele te machucar eu quebro os dedos dele.


Notas Finais


Quem acha que Sean só pensa com a cabeça de baixo, levanta a mão o/
E quem acha que Tom tá príncipe mas vai ter ciúmes da mãe levanta a mão o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...