História Your private hell babe - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Chaz Somers, Gangue, Justin Bieber, Máfia, Ryan Butler, Violencia
Visualizações 54
Palavras 1.877
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpem a demora e ignorem os erros ortográficos caso tenha algum
💛

Capítulo 6 - Capítulo 6


 Depois de a Brenda fazer a droga do body shot em mim, o jogo continuou. 


- Verdade ou desafio? - Justin me perguntou assim que a garrafa caiu entre nós dois.

- Desafio - falo revirando os olhos. Eu já estava bêbada pra cacete de tanta tequila que nós estávamos tomando. Com o resto de dignidade que me restava, percebi que não havia feito uma boa escolha. Justin ia pegar pesado, estava sentindo.

- Te desafio a... - ele pensa um pouco enquanto seus olhos fitam o chão mas logo fixam em mim novamente. Por vez, Justin estava com um sorriso malicioso nos lábios - fazer um boquete em mim. Agora.

- Ata - Falo bufando - Óbvio que não. Escolhe outra coisa - cruzo os braços. Eu avisei, não avisei?

- Você escolheu desafio. Prazer, esse é o seu desafio. Me proporcionar prazer. Vamos logo

- A única coisa que eu vou proporcionar a você é a dor que tu vai sentir quando eu enfiar aquela pistola na mesma dentro do seu orifício anal - falo educadamente - mais conhecido como teu rabo - talvez nem tão educadamente assim.

- Ui grossa - ele levanta as mãos em forma de rendição. - Então eu te desafio e pular na piscina pelada. É isso ou eu te dou um tiro. Você escolhe

Justin não atiraria em mim. Se Chris estava certo, ele não teria essa coragem.

- Atira - falo ficando de pé. Justin faz o mesmo colocando a mão na arma que eu citei minutos antes.

- Sabe que eu atiro né chuchu - ele pega a arma e a carrega. Agora ele apontava a arma já carregada na direção do meu rosto, do outro lado da roda

- Não vou agir como uma vagabunda e fazer isso. Sou diferente da Brenda - aponto pra morena.

- Você me chamou de que, garota? - Ela levanta vindo na minha direção. Justin já havia abaixado a arma, prevendo que ia dar briga entre nós duas. E ele estava certo.

- de vagabunda. - sorri

- o que isso quer dizer? - ela fala pousando a mão no meu ombro como se estivesse se controlando.

- Vagabunda: Vadia, mulher que gosta de ter muitos homens; puta; que dá facilmente;  a diferença de uma prostituta para uma vagabunda seria o ato de receber ao fim do ato sexual; aquela que não consegue segurar seus instintos sexuais. - falo de uma vez só - é você, não?

Ouvi Ryan e Chris darem ridada e Chaz dar um tapa na cabeça de cada um mandando-os calar a boca

Senti meu rosto queimar e virei a cabeça pra direita. Minha bochecha latejava e Brenda estava com a mão levantada. Imediatamente correspondi ao tapa, 10x mais forte a fazendo cair no chão. Subi e sentei na sua barriga deferindo tapas por toda a extensão de seu rosto. Ela me dava socos e puxava meu cabelo. Comecei a soca-lá também. Sentia o sangue escorrer por meu nariz mas o rosto dela já estava todo ensanguentado.

Os meninos e Phoebe olhavam aquilo admirados. Lolla gritava e Camille estava dormindo depois de beber pra caralho também

- Sua vadia - ela fala socando meu colo

Alguém me arranca de cima dela com força.  Após quase me desequilibrar, vejo que foi a Phoebe.

Agora Brenda e Phoebe se encaravam

- Vadia é a puta da mãe que de tanto dar pra todo mundo, colocou uma arrombada de quinta categoria no mundo e agora não sabe qual dos vizinhos é o pai - Phoebe falou tranquilamente

Brenda me olhou com raiva antes de partir pra cima de Phoebe. Minha amiga logo reagiu e lhe deu um chute no meio das pernas dela e um soco no peito a fazendo cair no chão morrendo de dor.

Eu já estava ficando tonta. Acho que levei muitos socos no rosto então só vi Justin levantar correndo quando Phoebe pegou a arma e a apontou pra Brenda. Adormeci, ou desmaiei. Fica a critério de vocês, decidir isso


(...)


Abri os olhos com a claridade invadindo o cômodo. Uma dor de cabeça i-n-s-u-p-o-r-t-a-v-e-l veio a tona assim que tentei me sentar.

- caralho - falei baixinho enquanto cobria os olhos. A luz realmente estava me atrapalhando.

Levantei e fechei a janela com cuidado.

- Tá com dor? - ouvi uma voz rouca falando e dei um berro por conta do susto. Logo minha cabeça doeu pra cacete e voltei rapidamente pra cama enfiando o rosto no travesseiro - Não grita merda. Também tô de ressaca. 

- Justin? - Levantei o olhar - esse é o seu quarto?

- Sim - ele falou baixinho, provavelmente por conta da dor de cabeça que ele também devia estar sentindo. Mas a minha estava muito forte.

Já havia bebido 5x mais em outra festa e a ressaca não tinha sido tão forte assim.

- o que aconteceu? - perguntei fechando os olhos.

Estava bem fresquinho dentro do cômodo por conta do ar condicionado estar ligado. Constatei isso quando abri um olho e avistei o eletrodoméstico no alto da parede acima de nós dois. Senti Justin passar seu braço por cima da minha barriga com delicadeza e colocar o rosto no vão do meu pescoço. Me arrepiei, admito.

- Você bateu muito em uma garota qualquer - ele fala soltando um risinho - mas também apanhou demais Aspen. Seu rosto está todo marcado e ontem tinha muito sangue saindo da sua testa, sobrancelha, canto da boca e nariz - ele fala em um tom mais sério

- Sério isso? - Perguntei meio assustada. Já havia discutindo com MUITA gente, mas nunca caí na porrada com ninguém

- Sim - ele fala baixo. Pude sentir ele sorrir quando passei meus braços devagar pelo seu pescoço com dificuldade por conta da posição

Ele me puxou rápido me fazendo deitar em cima dele.

- Ai Justin. Não faz isso. Tô com dor de cabeça - Fechei os olhos e quando abri o rosto de Justin estava muito perto do meu, tão perto que nossos narizes se tocavam

- Desculpa - ele falou baixinho e sorriu.

- Eu quero voltar pra minha casa - falo já emburrada novamente

- Você já me disse isso e eu já falei que não me importo. Pode andar por semanas e nunca vai achar a saída pra estrada.

- E os meus pais? Eles devem me ligar praticamente todos os dias e a essa altura já devem estar em Los Angeles me procurando. Devem ter visto que todo o nosso bairro está em ruínas e que a filha deles não está lá - falo me soltando dele e ficando de pé mesmo com toda a dor de cabeça

- Você vai ficar comigo, nessa casa - ele deu de ombros

- Você é um egoísta, drogado, idiota, imbecil, imprestável - Falo brava. Justin levanta e me puxa pra um abraço mas eu fico socando seu peitoral sem sucesso - seu traste

- Eu sou tudo isso que você falou, e mais um pouco - fala no meu ouvido. Imediatamente me sinto tonta de novo

- Preciso deitar - falo voltando pra cama. Justin deita ao meu lado. Fecho os olhos mas não pego no sono de imediato

O que estava acontecendo comigo? Eu estava em uma casa no meio do nada, sem sinal de internet, sem comunicação nenhuma a não ser pelos rádios que os meninos usavam mas aquilo não me era muito útil, rodeada de drogados, membros de uma gangue. Tudo bem, minhas amigas estavam lá agora e os meninos, tirando Justin, até pareciam ser legais.

Ryan, Chris e Chaz, desde que cheguei, só me fizeram rir.
Com a chegada das minhas amigas no dia anterior eu só me preocupei ainda mais.

De uma forma ou de ou de outra, aquilo era um sequestro e eu acabei arrastando minhas amigas pra essa loucura. Eu não me sentia tão desconfortável e a cada dia que passava eu me sentia em uma casa, com meus amigos, de férias. Mas eu sei melhor do que ninguém que isso é uma ilusão, que se eles quiserem colocar uma arma na minha cabeça cada um e me estuprar, eles fariam. Por mais que eu seja independente, auto-suficiente e segura de si, não teria chance contra todos aqueles homens.

Só então adormeci novamente.

(...)

- VOCÊ IA ATIRAR NA MENINA PORRA! - Alguém gritava.

Acordar de ressaca com berros no andar de baixo não é lá as melhores sensações do mundo, dica de amiga.

- ELA BATEU E XINGOU MINHA MELHOR AMIGA. E VOCÊ TEM QUE AGRADECER QUE EU IA SÓ ATIRAR NELA PORQUE A MINHA VONTADE MESMO ERA DE PEGAR AQUELA ARMA E ENFIAR GOELA ABAIXO NAQUELA PUTA - Uma voz femina gritava.

Não reconhecia as vozes. Se bem que eu havia acabado de acordar e ainda estava tentando lembrar meu próprio nome.

- NÃO INTERESSA GAROTA! SE VOCÊ TIVESSE ATIRADO NELA IA DAR UMA MERDA GIGANTESCA. OS AMIGOS DELA TAMBÉM ESTAVAM NESSA FESTA E ELES SABEM QUE ELA FICOU AQUI ATÉ MAIS TARDE. - A outra voz gritou. Era mais grave e tinha mais impacto. Era uma voz masculina

- PRA COMEÇO DE CONVERSA, POR QUE ESSA CASA ESTÁ CHEIA DE ARMAS? POR QUE MINHA MELHOR AMIGA ESTÁ AQUI E NÓS TAMBÉM? - Era Phoebe. Reconheci a voz.

Houve um momento de silêncio e eu decidi sair da cama e ver o que estava acontecendo. Desci as escadas e imediatamente vários gritos começaram. Apressei passo e me deparei com Justin no chão com Phoebe em cima dele deferindo socos e tapas na superfície do seu rosto

- PHOEBE! TA LOUCA? - Gritei ignorando o incômodo na minha cabeça e arrastando ela de cima do Justin - Vocês são retardados?

- Essa menina que não sabe nem da metade e ficou bravinha porque encontrou um fuzil na cozinha. - Bieber se levantou sangrando. Quando viu que estava pingando sangue, seus olhos queimaram de raiva. - sua vadia - ele falou indo em direção a Phoebe mas eu me coloquei entre eles.

- Se você encostar um dedo na Tonkin eu juro por deus que enfio a minha mão no teu cu até tu sentir os meus dedos encostando na tua faringe. - falo devagar pra ele entender

Ele ficou quieto e então me olhou apreeensivo.

- Aspen... - ele falou baixinho

- Não me venha com "Aspen". Você é um babaca e se continuar assim eu vou te explanar garoto. Você realmente se acha o fodão só porque faz o que faz mas eu também tenho meus segredinhos. Na verdade não é segredo o fato de eu ser extremamente raivosa certo Phoebe? - Encarei minha amiga e ela assentiu rapidamente

- Aspen... - Justin tornou a repetir meu nome

Que raiva

- Eu só queria entender o que te faz pensar que eu quero ficar aqui presa nesta casa. Justin, EU NÃO QUERO FICAR AQUI COM VOCÊ.  Eu tenho uma vida, meus pais, meus outros amigos, minha escola, minha casa incendiada no momento, eu tenho OCUPAÇÕES.

- Aspen... - Justin falou novamente. Seus olhos emanavam raiva e desespero ao mesmo tempo

- O QUE FOI PORRA? - Extravasei

-Abaixem. As duas. Se abaixem. - Justin olhou pra janela. - AGORA 


Notas Finais


Comentemmmm 💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...